Por Leandro Abreu

Redator freelancer da Rock Content

Publicado em 14 de julho de 2019. | Atualizado em 14 de outubro de 2019


Tal como o buscador do Google, o algoritmo do YouTube utiliza um sistema deep learning, baseado em inteligência artificial, para analisar um grande volume de dados e identificar as melhores sugestões de conteúdo para cada um dos seus usuários. Confira o conteúdo e saiba como funciona esse algoritmo!

Perdendo apenas para seu imbatível buscador, o algoritmo do YouTube é um dos “enigmas” mais estudados do Google. A empresa americana obviamente não revela todos os detalhes sobre seu sistema de rankeamento e recomendação, mas nos últimos anos tem sido bastante transparente nesse sentido, divulgando várias informações sobre sua arquitetura.

Dentro do Marketing, porém, o que mais nos interessa é o SEO, afinal o YouTube não apenas ostenta o segundo maior mecanismo de buscas da internet como também é o segundo site mais visitado no mundo, de acordo com o ranking da Alexa.

Se você deseja que sua empresa ganhe destaque nesse grande universo de conteúdo, certamente vai gostar das informações que preparamos para este post. Confira:

Continue a leitura para entender os segredos por trás dessa grande ferramenta que pode ajudar o seu negócio a crescer muito mais!

 

Como funciona o algoritmo do YouTube?

Os algoritmos são os robôs que ditam as regras dentro das plataformas e não é por acaso que tantas empresas e profissionais estejam de olho neles para garantir o sucesso das suas campanhas de Marketing Digital nas mídias sociais.

Aos olhos do usuário, o propósito do algoritmo do YouTube não é diferente do principal mecanismo de pesquisa da gigante das buscas: entregar conteúdos personalizados e cada vez mais relevantes para o público.

Esse objetivo é compartilhado pelos cinco meios de interação da plataforma: pesquisa, home, vídeos sugeridos, tendências e assinaturas; seções que se diferem basicamente em critério de personalização e amostragem.

O YouTube estuda seu público acompanhando as escolhas e o comportamento dos seus usuários para mantê-los o maior tempo possível dentro da plataforma e estimulá-los a visitarem o site regularmente.

Como o YouTube observa em seus usuários?

Basicamente, o algoritmo leva em consideração dados de uso como os vídeos consumidos pelos usuários, o tempo que passam assistindo cada vídeo, seus likes (gostei), dislikes (não gostei) e os itens marcados com “não estou interessado”.

Existem outros critérios adotados pela companhia que não são revelados, e outras métricas são usadas para definir as recomendações de vídeos em cada seção. Entretanto, considerando apenas a experiência do usuário, essas interações básicas são o suficiente para “moldar” o conteúdo exibido de acordo com os interesses de cada indivíduo.

Quais fatores são considerados no rankeamento?

O algoritmo do YouTube leva em conta diferentes fatores em cada uma das seções do seu site, por isso, o ideal é analisarmos cada uma delas separadamente. Confira!

Pesquisa

Nos rankings de pesquisa, os principais fatores considerados são as palavras-chave e a relevância do conteúdo, tal como no buscador do Google. Em termos de SEO, está claro que a plataforma procura estimular os produtores de conteúdo a criarem títulos e descrições que respondam às buscas dos seus usuários de maneira eficiente.

Página inicial

Na página inicial e nos vídeos sugeridos, porém, o rankeamento deve ter um caráter mais personalizado e, por isso, combina o histórico de atividades do usuário aos critérios básicos de pesquisa.

Assinaturas

Nas assinaturas — a seção em que são listadas apenas conteúdos inéditos dos canais que você se inscreveu — outra métrica é considerada: a popularidade. Esse critério leva em conta o número de assinantes de cada canal e entrega a maior classificação para os vídeos com maior número de visualizações.

Tendências

Na aba tendências ou “trending” são exibidos vídeos populares no país específico do usuário. O propósito dessa seção é promover algum equilíbrio no conteúdo consumido pelo público e a plataforma faz isso combinando a popularidade do vídeo (visualizações) e seu tempo na plataforma (quando mais recente, melhor classificado).

Quais práticas devem ser seguidas?

Considerando todos esses critérios, a primeira coisa a ser feita é otimizar seus vídeos e canais para as pesquisas e consultas, o que envolve uma boa escolha e um bom uso de palavras-chave em seus títulos, descrições e arquivos, além de miniaturas atraentes ou impactantes.

Uma dica importante é verificar o Relatório de Pesquisa do YouTube para descobrir quais são os vídeos mais populares que “cruzam” o seu conteúdo, ou seja, as principais sugestões que surgem quando seu público assiste ou busca por seus vídeos ou pesquisa por temas relacionados.

Se o seu material estiver relativamente distante dos conteúdos mais acessados, considere aprimorá-lo alterando títulos, descrições ou inserindo novas meta tags. Não vale simplesmente copiar os vídeos mais populares, mas você deve sempre se inspirar neles ao produzir os seus.

 

Quais são as principais métricas do YouTube?

Para entender um pouco melhor como o robô do YouTube classifica seus canais, precisamos entender o funcionamento das suas métricas principais: a Watch Time (tempo de exibição), a Session Time (tempo de sessão) e, finalmente, a Consistency (consistência).

Confira os detalhes de cada uma delas a seguir.

Watchtime

A Watch Time leva em conta o tempo que um usuário passa assistindo um vídeo, o que é bastante diferente do número de visualizações.

Semelhante à taxa de rejeição do Google, que “pune” os sites que registram pouco tempo de permanência dos usuários, o YouTube também utiliza esse tipo de informação para determinar a qualidade do conteúdo de um canal.

Session time

A Session Time é a métrica que registra o tempo de uma sessão completa de um usuário no YouTube, lembrando que uma das propostas do seu algoritmo é estender essa visita o máximo possível.

Dentro dessa análise estão inseridas outras duas métricas, a Session Start (início da sessão), quando um usuário chega até o site por meio de um vídeo ou pela página inicial, e a Session End (fim de sessão), quando o usuário sai do YouTube.

Consistency

A consistência é a frequência de postagens (ou uploads) de um canal. O envio constante de conteúdo indica para a plataforma que o canal está ativo, por isso, é importante manter uma produção constante de vídeos, com intervalos pequenos entre as publicações.

Você pode se interessar por esses outros conteúdos

👉 SEO para Youtube: TUDO que você precisa saber em 2019

👉 Como conseguir mais views no Youtube

👉 Ferramentas para o Youtube: 15 melhores para o seu canal

👉 Top 10 maiores canais do Youtube no Brasil e no mundo [2019]


 

Como trabalhar o SEO nos seus vídeos e em seu canal?

Para fecharmos este post com todas as informações que você precisa para alavancar o canal da sua empresa no YouTube, vamos dar algumas sugestões básicas para seu conteúdo ser encontrado, rankear bem na plataforma e ainda engajar o seu público.

Vamos lá?

Otimize seus vídeos

Já comentamos sobre a importância das palavras-chave, títulos e descrições, mas agora é hora de entender como trabalhar cada um desses elementos em detalhes. Confira!

Ajuste o nome do arquivo

Seu trabalho de SEO no YouTube começa fora da plataforma. Nomeie o arquivo do vídeo com a palavra-chave a ser trabalhada (separe as palavras com hifens), isso ajuda o algoritmo a identificar o tema do conteúdo.

Crie um título atraente

A criação de títulos para o YouTube não foge das regras para a produção de títulos em textos. A palavra-chave deve estar inserida, preferencialmente no princípio, a frase deve ser sucinta e é sempre bom apostar no imperativo, perguntas simples, dados ou termos populares.

Se achar conveniente, não há problema em inserir o nome da sua marca (ou do seu influenciador) no título, mas sempre no final. As pessoas geralmente procuram as soluções propriamente ditas antes de verificarem marcas.

Inclua uma descrição eficiente

O YouTube permite a criação de descrições com até 5000 caracteres, mas tenha em mente que apenas 150 deles aparecerão nos resultados de pesquisa. Portanto, não deixe de incentivar as pessoas a clicarem no vídeo logo no início.

Você também deve usar a descrição para outros propósitos, como oferecer um resumo do conteúdo (aproveitando para inserir a palavra-chave) e incluir a URL do seu site, blog ou landing page (tomando o cuidado para que os links fiquem sempre visíveis, mesmo que o visitante não clique em “mostrar mais”).

Use bem as tags

Ao contrário das tags do WordPress, que pouco influenciam os resultados de SEO, no YouTube elas são extremamente importante para a correta indexação do conteúdo e também para as buscas e sugestões, por isso, não deixe de inserir a palavra-chave do vídeo, suas variações e outros termos relacionados.

O YouTube recomenda o uso de até 120 caracteres (com espaços), o que permite a inserção de 10 a 20 tags aproximadamente. As palavras-chave de cauda longa (ideal com 3 ou 4 palavras) também são indicadas aqui para buscas mais precisas.

Aumente a relevância do seu canal

Vamos falar agora sobre os fatores que afetam a relevância do seu canal. Acompanhe!

Idade do canal e dos vídeos

Da mesma forma que os sites no Google, no YouTube, a idade de um canal é também um fator de rankeamento, portanto, a persistência é fundamental.

Em geral, quanto maior o tempo de vida de um vídeo, maiores serão as chances de ele obter mais visualizações, interações e rankeamento.

Duração do vídeo

Não existe uma duração específica que possa ser considerada ideal nas suas produções, o importante é que seu vídeo seja relevante do princípio ao fim para que os usuários não dispersem e acabem pulando para outro conteúdo.

Para ter uma referência, você pode consultar o campo “Retenção de Público” no YouTube Analytics para checar o tempo que seus vídeos estão conseguindo manter o interesse do público e identificar padrões em pontos de desistência comuns.

Inscrições no canal

A postagem frequente de conteúdo naturalmente incentiva as inscrições em um canal, afinal, para que uma pessoa seguiria uma conta se ela não posta nada novo?

Sendo assim, mantenha um ritmo saudável de produções e, se possível, construa uma agenda com seu público,com dias e horários específicos para a postagem. Além de estimular as assinaturas, você dá um tom mais profissional ao seu canal.

Visualizações no canal

As visualizações de um canal são um indicador para o YouTube e é importante observar que elas são ainda mais relevantes para o público. Vídeos muito visualizados não apenas rankeam melhor, como chamam mais a atenção dos usuários.

Engaje a sua audiência

Por fim, lembre-se de engajar a sua audiência, você precisa transformar essas pessoas em verdadeiros aliados do seu canal e existem ótimas maneiras de fazer isso. Confira algumas dicas abaixo.

Capriche nos thumbnails

Os thumbnails são as miniaturas estáticas do vídeo que aparecem nas buscas e o pequeno trecho exibido quando o usuário repousa a seta do mouse sobre elas.

O YouTube sugere essas imagens para seus vídeos, mas o ideal é construir uma arte personalizada que chame a atenção do público e contenha alguma variação do título ou detalhe que desperte curiosidade.

Incentive os comentários

Antes de qualquer coisa, certifique-se de que a opção de comentários está aberta para os seus vídeos. Esse é o espaço que a sua audiência tem para se manifestar e participar do seu canal. Muitas pessoas se divertem com isso e, por isso, essa é uma maneira de trazer novos assinantes e cativar os atuais.

Será preciso se manter alerta para discussões baixas, spammers e haters, mas os feedbacks valiosos obtidos diretamente dos seus usuários certamente valerão esse trabalho e contribuirão para a qualidade das suas futuras produções.

Estimule o compartilhamento

Sua audiência pode contribuir (e muito) para o sucesso do seu canal e, por isso, é imprescindível motivar o compartilhamento e a incorporação do seu vídeo em diferentes blogs e sites para que cada vez mais pessoas tenham acesso ao seu conteúdo. Essa é a sua chance de gerar publicidade espontânea para o seu canal.

Só não vale pecar na insistência. Lembre-se que o maior estímulo capaz de fazer um usuário compartilhar o seu vídeo é a qualidade e a relevância do conteúdo.

Para quem deseja se aprofundar um pouco mais, vale a pena conferir a Creator Academy, um curso oficial do Youtube para produtores de conteúdo.

Em termos de SEO, o algoritmo do YouTube não foge muito às regras da produção de conteúdo em blogs e redes sociais. É importante seguir as recomendações técnicas e as boas práticas da plataforma, mas, no fim, o que realmente importa é a qualidade do seu conteúdo, portanto, capriche nas suas produções!

Gostou do nosso artigo? Então continue aprendendo sobre o YouTube conosco e confira agora os 15 melhores hacks para aumentar as visualizações do seu canal!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *