Clara Borges

Supervisora de Marketing na Rock Content.

Analista de Marketing da Rock Content. Quando não está divulgando Marketing de Conteúdo por aí, gosta de boas energias, praticar yoga e venerar os deuses do Netflix.
32 publicações feitas.



Dicas de especialistas de como preparar seu e-commerce para o Natal!

Ho, ho, ho! Mal começou Setembro e muitos profissionais de Marketing e de e-commerce já estão pensando no que fazer para o Natal.

Afinal, o segundo semestre é repleto de datas importantes para o comércio: em Setembro temos o Dia do Cliente, seguido da Black Friday fechando Novembro, e um mês depois já chega o Natal.

Para descobrir as melhores dicas para quem está começando a se preparar agora para esse turbilhão de vendas, entrevistei as equipes das lojas CNS+, Rocco Lorenzzo e Oficina de Inverno, e compilei aqui os melhores insights!

Bom planejamento, e bom Natal 🙂

Tudo começa com antecedência

Uma boa campanha de Natal não pode ser feita às pressas. Como você vai perceber ao longo desse artigo, existem vários pontos para ficar atento, e por isso é preciso começar a planejar tudo com antecedência.

E você já percebeu que os consumidores estão cada vez mais antecipados nas compras, para evitar as correrias de último minuto?

É por esses motivos que quem já passou por isso antes recomenda começar a se planejar com pelo menos 60 dias de antecedência, e existem até mesmo lojas que finalizam a campanha de Natal no início de Novembro para que tudo ocorra mesmo como planejado.

Como esse é um período bem movimentado para lojas, é melhor começar antes do que depois!

Na hora de organizar seu calendário, é importante levar em consideração o prazo de entrega para as cidades que seu e-commerce atende.

Afinal, o público da sua campanha precisa receber suas comunicações, comprar e ainda ter tempo hábil de receber o produto antes no Natal. Caso contrário você pode acabar com muitos clientes insatisfeitos!

Além disso, lembre-se que antes do Natal temos duas datas importantíssimas: o Dia do Cliente (15 de Setembro) e a Black Friday (23 de Novembro).

Essas duas datas movimentam grande parte das vendas do segundo semestre de vários e-commerces, mas podem ser usadas também para impulsionar as vendas do Natal.

Durante o Dia do Cliente e a Black Friday, além de ofertas e promoções, algumas lojas focam em estratégias de geração de leads que vão te ajudar a gerar mais vendas lá no Natal.

Melhores canais de divulgação

Na época do Natal, divulgação é tudo. Afinal, todo mundo tem competição acirrada na escolha de presentes. Por isso estratégias de divulgação são um grande foco de quem trabalha com Marketing Digital e quer garantir um retorno positivo nessa época do ano.

O Facebook Ads já é um grande aliado dos e-commerces durante o ano inteiro. Além de permitir uma boa distribuição de conteúdos visuais (principalmente com os anúncios no Instagram), ele também torna fácil a segmentação de quem vai receber seu anúncio.

Se sua loja oferece descontos e promoções durante a época do Natal, por exemplo, é interessante fazer anúncios segmentados para pessoas que já conhecem a marca. Elas vão ser as mais interessadas em promoções especiais, que podem despertar aquele desejo ou aquela ideia fantástica de presente!

A Rede de Display do Google também pode cumprir esse mesmo objetivo, direcionando anúncios para pessoas que já visitaram seu site anteriormente, por exemplo. E ainda falando de Google, além da Rede de Display você pode usar também a Rede de Pesquisa do Google Ads.

Nela você pode focar em palavras-chave que remetem diretamente à sua marca é uma estratégia ótima para gerar vendas de quem já está procurando sobre sua loja! Neste caso, o anúncio pode comunicar descontos e promoções para estimular a compra.

Além de mídia paga, outros canais de relacionamento são ótimos para divulgar campanhas de Natal. Afinal, é sempre bom lembrar que durante essa época o custo dos anúncios sobe bastante!

Quem avisa, amigo é: tenha outras estratégias na manga!

Como consumidora, devo confessar que o Email Marketing é o meu preferido, e também sei que muitas marcas apostam em email para gerar vendas nessa época do ano. A estratégia, nesse caso, é muito semelhante às outras que já mencionei: oferecer condições especiais, descontos e novidades para quem já segue a sua marca!

E não só de ofertas vive o Natal!

Uma estratégia que sai fora do comum é a criação de conteúdos exclusivos para o Natal.

Nesse quesito você pode abusar da criatividade para criar conteúdos que vão ajudar seu público a não errar na hora de escolher presentes, não estourar o orçamento e outras dicas úteis que geram valor nessa época do ano!

Estrategias de Conteúdo para Lojas Virtuais

Foco em quem está procurando presentes

O Natal, assim como outras datas comemorativas, podem ser bons momentos para focar em atingir públicos diferentes, e focar na venda de produtos específicos para que toda a campanha tenha um desempenho fantástico.

Nessa época do ano, é interessante apostar em campanhas que focam não só no seu público-alvo, mas em quem está comprando presentes.

Portanto, um e-commerce que vende produtos masculinos, por exemplo, pode se beneficiar em atingir também o público feminino nessa época, que busca presente para um amigo, irmão, etc.

Além disso, algumas lojas escolhem focar em produtos que são mais fáceis de serem escolhidos como presentes. Itens que possuem um bom custo-benefício e são peças coringas, de fácil agrado, podem ser mais interessantes que produtos que focam em alta qualidade.

Assim, nessa época do ano, a comunicação em lugares como anúncios, redes sociais e email muda o foco tanto em quesito de público atingido quanto em produtos anunciados.

Arrumando a casa: itens que você não pode esquecer

Nessa época do ano, tudo se veste de Natal. E seu e-commerce também pode entrar na onda. Afinal, a experiência do cliente é tudo nessas horas!

Algumas lojas deixam seus sites e blogs com uma cara mais natalina, trocando banners e até alterando o logo. Afinal, se você faria isso para uma loja física, por que também não fazer para a loja virtual?

E falando nisso, muitas marcas que têm loja física e virtual deixam tudo com a mesma temática para que as lojas tenham mais unidade e os clientes fiquem bem empolgados com o tema!

Enquanto você já está com a mão na massa, pode também alterar alguns banners da sua homepage para focar em produtos que têm mais potencial de sucesso no Natal, e até dar destaques para kits de produtos (uma categoria que atrai bastante a atenção de quem está procurando presentes).

Uma outra maneira de chamar atenção para determinados produtos é criar categorias como “Natal” ou “Dicas de Presente” para influenciar a venda de produtos que têm mais potencial de sucesso nessa época do ano.

Depois de ler esse artigo, você não só está pronto para começar a campanha de Natal com bastante antecedência, como também certamente estará à frente dos seus concorrentes!

E que tal aproveitar para organizar o calendário de marketing do seu e-commerce para além do Natal?

Confira alguns templates práticos no nosso Kit de Calendários de Marketing!

Calendário de marketing

Atribuição Multicanal: imagem ilustrativa de um modelo de atribuição

Atribuição Multicanal: entenda a contribuição de cada um dos seus esforços de Marketing

Se você já gerenciou um time ou uma estratégia de Marketing, com certeza já teve que responder pelo menos uma das seguintes perguntas:

  • Qual canal gera mais resultados?
  • No Marketing, qual tipo de estratégia traz mais clientes?
  • De onde vêm a maioria dos nosso clientes?
  • Como alocar orçamento para as diferentes estratégias de Marketing?

Esse tipo de questionamento vem de todos os lados, desde profissionais de Marketing, colegas de trabalho, departamento financeiro até o CEO de uma empresa. E eles são capazes de levar à loucura qualquer gerente de Marketing. Afinal, como determinar a resposta certa?

Em outras palavras, se a estratégia de Marketing fosse um time de futebol, qual jogador levaria crédito pelo gol?

Se você já teve esse tipo de dúvida, você não está sozinho! Nesse artigo, vou te explicar como surge o problema de atribuição de canais e quais são suas opções para resolvê-lo.

Ao terminar a leitura, espero que você tenha uma visão mais clara da sua estratégia, e que possa começar a tomar decisões mais certeiras!

Boa leitura!

Quando a atribuição vira um problema na sua vida?

Para definir a importância de estudar sobre atribuição, precisamos voltar a uma das teorias mais básicas do Marketing: o Mix de Marketing. Ela diz que o sucesso na aquisição de clientes não vem de um só lugar. Pelo contrário, é preciso balancear diversos elementos e atingir potenciais clientes de diferentes maneiras para que eles venham a comprar da sua empresa.

Da mesma maneira, um time de futebol composto apenas de centro-avantes não teria tanto sucesso, certo?

Por isso, uma boa estratégia de Marketing investe em diversos pontos de contato. E quanto mais robusta sua estratégia vai ficando, mais você investe em diferentes canais. E mais difícil fica determinar o que contribuiu para que um potencial cliente virasse cliente!

Quando você precisa definir orçamentos, alocar recursos e fazer contratações estratégicas para um time de Marketing, precisa entender quais canais trazem melhores resultados. E ter um modelo de atribuição vai te ajudar a tomar as melhores decisões a médio e longo prazo.

Até aqui você já entendeu que a atribuição de Marketing é o processo que ajuda a determinar qual tática leva o crédito na hora de trazer clientes, e entender isso é importante para fazer decisões estratégicas.

Mas por que, exatamente, é difícil saber quem foi o responsável por uma compra? Isso não deveria ser uma resposta simples?

Você também já causou dor de cabeça para colegas de profissão

Imagine a seguinte situação:

Você vai começar a treinar para uma maratona e precisa comprar um tênis de corrida. Certo dia, você entra no Google e começa a sua busca por “tênis de corrida” para ver o que tem por aí no mercado. Você chega a entrar no site de uma marca de tênis que um amigo te indicou e até inscreve seu email para receber novidades, mas, no meio da sua busca, uma ligação de interrompe e você decide deixar sua compra para depois.

Uma semana depois, você entra no Facebook e vê em um anúncio que o tênis que você tinha gostado está com 10% off na loja. Você clica no anúncio, mas ainda fica na dúvida e decide esperar receber seu salário para comprar o tênis.

Você espera mais uma semana para seu salário cair, e quando isso acontece você prontamente retorna ao site do tênis de corrida mas vê que o desconto de 10% não existe mais. Como é um item caro, você decide buscar outras opções mais baratas e volta ao Google.

Enquanto você está buscando outras opções no Google, uma mensagem no Whatsapp te distrai. Depois de ler a mensagem, você decide conferir sua caixa de entrada antes de voltar ao Google, e com o que você se depara? Um email oferecendo 25% de desconto no tênis que tanto queria! Você clica no email, acessa o site da marca e compra o tênis!

Agora vamos imaginar que você é o Gerente de Marketing da marca de tênis de corrida.

Sua empresa está cortando custos de Marketing e você precisa determinar qual canal traz mais clientes para poder priorizar a alocação de recursos.

Na situação descrita acima, quem foi o responsável por te levar até a compra?

  1. A estratégia de SEO que posicionou o site da empresa nos primeiros resultados para “tênis de corrida”?
  2. O anúncio no Facebook que aumentou seu interesse pelo produto com um cupom de desconto?
  3. Ou o email que te enviou o segundo cupom de desconto que de fato te levou à compra?

Com certeza você também já passou por esse tipo de questionamento (senão não estaria lendo esse artigo). É importante saber que isso acontece em todas empresas, e por isso foram criados alguns modelos de atribuição que ajudam a determinar, em cada empresa, qual canal leva o crédito.

facebook ads

Os 3 desafios universais de atribuição

Na hora de tentar determinar qual parte do Marketing mais contribui para a aquisição de clientes, nos deparamos com várias frentes. Você pode querer saber, por exemplo:

  • Qual foi o impacto de um evento em uma compra online? Ou
  • Quantas pessoas acessaram um conteúdo em um aplicativo e depois fizeram uma compra? Ou
  • Como conteúdos topo de funil impactam na conversão de clientes?

Entre outras milhares de perguntas que surgem diariamente.

Apesar de que todos querem atribuir crédito a uma determinada coisa, cada um dos pontos acima representa um desafio diferente, e precisa ser resolvido de maneira diferente.

Por isso, podemos dividir os desafios de atribuição em 3 categorias:

Toda operação de marketing apresenta pelo menos uma delas! Será que você identifica onde suas dificuldades se encaixam?

1. Impacto do Online no Offline (e vice-versa)

Se sua empresa tem lojas físicas, você vai se identificar facilmente com esse desafio.

Você sabe dizer como suas estratégias online impactam nos resultados das lojas? Qual é o papel delas na vida do cliente até o momento em que ele entra na loja? Quem é mais importante: um post no Facebook da empresa ou um anúncio de promoção na vitrine da loja?

O desafio de determinar o impacto do online no offline, e vice-versa, acontece até em empresas que não possuem lojas físicas. Patrocinar um evento presencial, por exemplo, adiciona mais uma variável na equação da aquisição de clientes.

2. Impacto através de diferentes dispositivos

Faz muito tempo que sabemos a importância de uma estratégia que atinge o potencial cliente em diferentes dispositivos.

Estar presente em vários momentos é essencial para manter a relevância da sua marca. Mas os celulares e tablets trouxeram mais um desafio na vida dos profissionais de marketing: como acompanhar a jornada de um cliente através de diferentes dispositivos?

Como ter o histórico de atividades de uma pessoa à medida que ela muda de dispositivo para dispositivo?

3. Impacto de diversos canais em uma conversão (Atribuição Multicanal)

Esse é o desafio que apresentamos com o exemplo do início do artigo, onde uma pessoa queria comprar um tênis de corrida e teve contato com vários canais antes de realizar a compra.

É aqui que encontraremos modelos para ajudar a alocar recursos e pessoas para cada canal da sua estratégia de Marketing.

A atribuição multicanal é o foco deste artigo por ser um dos grandes desafios de profissionais de marketing. O que podemos usar para resolvê-lo?

Modelos de Atribuição Multicanal: como escolher o jogador mais importante

Quando falamos em atribuição multicanal, a decisão final de qual canal contribuiu mais para uma conversão-chave será sempre arbitrária. Isso porque não existe uma resposta certa.

A resposta certa para questionamentos de atribuição vai depender da sua estratégia, da sua empresa e dos tomadores de decisão.

Existem alguns modelos que podemos usar para ajudar a determinar como vamos enxergar a atribuição multicanal. Por isso, sempre que surge um desafio de atribuição, é preciso fazer uma escolha estratégica de qual modelo de atribuição será usado.

Leia atentamente sobre cada um antes de decidir qual faz mais sentido para a realidade da sua empresa!

Para entender cada um dos modelos de atribuição multicanal, vamos usar como exemplo a jornada que descrevemos no início do artigo. Ou seja, de uma pessoa que precisava comprar um tênis de corrida e teve contato a empresa na seguinte ordem:

  1. Tráfego orgânico
  2. Anúncio no Facebook
  3. Tráfego direto
  4. Email Marketing
  5. Conversão (compra)

Atribuição de último clique/última interação

Esse é o modelo que confere 100% do crédito para o último canal de contato.

No nosso exemplo, o email marketing levaria todo o crédito pela compra do tênis de corrida, enquanto os outros canais não levariam crédito.

Se a empresa tivesse que escolher um canal para reduzir custos, muito provavelmente não seria o Email Marketing.

Nenhum modelo de atribuição é perfeito (na verdade, eles estão bem longe disso). Para fazer a escolha certa, é importante entender os prós e contras de cada um.

Vamos aos pontos positivos e negativos da atribuição de último clique/última interação!

Prós

Além de ser simples de entender, a atribuição de último clique/última interação é uma das mais fáceis de implementar.

Ferramentas como o Google Analytics , por exemplo, permitem ver o último canal visitado pelo usuário antes de uma conversão.

Além disso, é fácil calcular a participação de um canal em uma conversão, já que um único canal sempre ganhará todo o crédito.

Guia Completo do Google Analytics

Contras

Esse tipo de atribuição ignora totalmente a participação de outros canais na conversão.

O ponto negativo disso é que cada canal tem um papel diferente na estratégia de marketing, e consequentemente alguns agem mais no momento da conversão que outros. Por exemplo, é mais provável que um anúncio de Google AdWords gere mais vendas de tênis de corrida do que um post no Instagram, já que o anúncio é mais direcionado.

Assim, a atribuição de último clique/última interação favorece estratégias que são direcionadas para a conversão e desfavorece canais que focam mais em relacionamento e branding.

CONTEÚDOS RECOMENDADOS
👉 [EBOOK GRATUITO]: Marketing no Instagram
👉
[EBOOK GRATUITO]: Google Adwords

Atribuição de primeiro clique/primeira interação

Entender esse modelo de atribuição não vai ser difícil, já que ele é o exato oposto da atribuição de primeiro clique/primeira interação!

Ou seja, esse modelo dá 100% dos créditos para o canal onde houve a primeira interação.

Seguindo nosso exemplo, o tráfego orgânico levaria o crédito pela compra do tênis de corrida.

Se a empresa tivesse que responder à pergunta “Quantos clientes geramos com a nossa estratégia de SEO?”, com a atribuição de primeiro clique/primeira interação a resposta seriam apenas os clientes cuja primeira interação com a empresa foi por meio do tráfego orgânico.

Prós

Assim como acontece com a atribuição de último clique/última interação, esse tipo de modelo é fácil de compreender e fácil de implementar pois atribui todo o crédito para um único canal.

A maioria das ferramentas de automação de Marketing usa esse modelo como estrutura principal. Você pode perceber, nessas ferramentas, que elas estabelecem a fonte original do contato como o primeiro canal onde o contato interagiu com a empresa.

Portanto, a atribuição de primeiro clique/primeira interação é usada em diversas ferramentas e isso torna muito fácil a análise dos dados, uma vez que não é preciso criar novos mecanismos para acompanhar as interações dos contatos.

Contras

Esse modelo de atribuição tem o mesmo ponto negativo da atribuição de último clique/última interação.

Ou seja, o fato que esses modelos ignoram outros canais que contribuíram para a conversão pode gerar uma visão enviesada de que alguns canais são mais importantes que outros, quando na verdade podem ser canais que naturalmente contribuem mais no momento da conversão.

Atribuição Linear

Lembra quando você estava na escola, e em algumas competições todos os alunos ganhavam medalhas de participação?

Esse é o modelo linear.

Ele assume que todos os canais contribuem o mesmo tanto para levar à conversão, e portanto devem receber exatamente o mesmo tanto de crédito.

No nosso exemplo do tênis de corrida, o crédito seria distribuído igualmente entre os 3 canais: o tráfego orgânico ganharia 25% do crédito, o anúncio no Facebook ganharia 25% do crédito, o tráfego direto ganharia outros 25% e o Email Marketing idem.

Prós

Enquanto as atribuições última interação e de primeira interação ignoram os canais que não foram responsáveis pela primeira ou última interação, a atribuição linear dá o devido crédito para todos os canais que participaram na conversão, e isso pode ser um ponto positivo.

Esse modelo elimina a possibilidade de não estar dando devido crédito para algum canal.

Contras

Atribuir crédito para todos os canais pode eliminar alguns vieses de recência, mas por outro lado, com o modelo linear não é possível determinar qual canal gera mais valor.

Se tivéssemos o desafio de escolher um canal para priorizar e um canal para reduzir custos, e usássemos o modelo de atribuição linear, a decisão ficar mais difícil. Seria preciso fazer uma análise histórica um pouco mais complexa para determinar qual canal recebeu mais crédito acumuladao ao longo de um período de tempo.

Atribuição de desvalorização temporal

Esse modelo de atribuição prioriza a recência. Ou seja, ele assume que todos os canais têm um papel importante na conversão final, mas que essa importância é relativa a quanto tempo antes da conversão aconteceu o contato no canal.

De maneira simples, uma interação que acontece uma semana antes da conversão tem menos relevância que uma interação que ocorre 1 dia antes da conversão.

Então o que aconteceria no caso do nosso exemplo da compra do tênis de corrida?

Segue a linha do tempo da nossa compra:

Dia 1: Tráfego orgânico

Dia 7: Anúncio no Facebook

Dia 14: Tráfego direto

Dia 14: Email Marketing

Dia 14: Compra

Sendo assim, o anúncio do Facebook aconteceu 7 dias antes da conversão, e a visita de busca orgânica aconteceu 14 dias antes da conversão;

Para analisar esse modelo, é preciso sempre definir uma meia-vida, ou seja, um período de tempo que servirá de comparação para fazer a análise. No caso, nossa meia-vida será de 7 dias.

Isso significa que o anúncio do Facebook, onde você interagiu 7 dias antes da compra, receberá metade do crédito recebido pelo Email Marketing pelo tráfego direto, enquanto o tráfego orgânico terá ¼ do valor dos canais que participaram no mesmo dia da conversão (porque ele impactou 14 dias antes da conversão).

Prós

Entre as opções apresentadas até agora, é um dos modelos de atribuição mais realistas. Além de dar crédito para todos os canais, levando em conta a participação de cada um na conversão, ele prioriza as interações mais recentes. O que faz sentido!

Contras

O ponto negativo da atribuição de desvalorização temporal é que ela pode ser difícil de analisar, dependendo das ferramentas que você usa para acompanhar suas conversões-chave.

No Google Analytics é possível determinar um modelo de atribuição temporal para fazer análise das metas definidas no Analytics. Se você faz o acompanhamento de conversões usando o Google Analytics, ótimo!

Se você usa outra ferramenta, como um software de automação de marketing, que não tem a mesma finalidade, a atribuição de desvalorização de tempo pode não ser a melhor opção para você.

Atribuição de Posicionamento

Agora que já passamos por modelos de atribuição que levam em conta a ordem das interações, a contribuição de canal canal e a influência do tempo, chegamos ao último modelo de atribuição cujo maior fator é a ordem dos canais até chegar na conversão.

Se tivéssemos que materializar os modelos de atribuição, a atribuição de posicionamento seria um sanduíche.

Assim como na atribuição linear e de desvalorização temporal, sua premissa é que todos os canais contribuem para a conversão. No entanto, a atribuição de posicionamento assume que o primeiro e o último canal são os mais importantes na jornada de compra.

A lógica por trás desse modelo é que o primeiro canal é muito importante pois contribuiu com a atração do cliente para a empresa, enquanto o último canal de interação contribuiu para a conversão-chave. E as interações que ocorreram entre esses também merecem mérito pois fizeram parte da jornada do cliente, porém não merecem tanto crédito.

Prós

Tal como a atribuição de desvalorização temporal, a atribuição de posicionamento é um dos modelos que faz mais sentido lógico.

Além de considerar a importância de todos os canais na conversão, ele consegue destacar os canais que tiveram mais impacto na jornada (ao contrário da atribuição linear, que confere o mesmo crédito para todos). Desta maneira, é possível determinar quais canais têm mais impacto na jornada do cliente.

Contras

Como nada na vida vem fácil, a atribuição de posicionamento é uma das mais difíceis de implementar fora do Google Analytics.

Se você usa o Google Analytics para acompanhar conversões, pode considerar usar esse modelo pois não será difícil implementar. Caso contrário, será preciso estudar outras maneiras de analisar a performance do seu canal usando esse modelo.

👉 [EBOOK GRATUITO]: Como otimizar suas conversões com o Facebook Ads
👉 [EBOOK GRATUITO]: Kit de Marketing nas Redes Sociais
👉 [EBOOK GRATUITO]: O Guia Definitivo de SEO da Rock Content
👉 [KIT GRATUITO]: Domine o Google

Agora é com você!

Se faz tempo que você precisa responder perguntas como “De qual canal vêm mais clientes?” ou “Qual dos nossos canais gera mais valor?”, pode ser a hora certa de determinar um modelo de atribuição multicanal para sua estratégia de marketing.

Vou repetir:

Determinar UM modelo de atribuição multicanal para sua estratégia de marketing.

É isso aí. O ponto mais importante aqui é escolher apenas um modelo que guiará a análise de todas as suas estratégias de Marketing. Afinal, você está fazendo isso para padronizar a análise de resultados (e isso será uma missão impossível se sua equipe usar diversos modelos ao mesmo tempo).

Nenhum modelo de atribuição é perfeito. É essencial lembrar disso em todos os momentos. Todos terão pontos negativos, e será preciso conviver com isso.

Portanto, reflita bastante antes de determinar seu modelo de atribuição e converse com outras pessoas que tomam decisões de Marketing para que em conjunto vocês possam pesar os prós e contras de cada modelo.

Desejo que depois dessa leitura você consiga tomar decisões mais informadas e possa entender mais sobre como suas estratégias de Marketing impactam os resultados de vendas!

Quer continuar amadurecendo sua estratégia de Marketing Digital? Confira nosso Ebook gratuito com templetes de campanha de reativação de Leads!

Campanha de Reativação de Leads

tudo sobre email marketing

Tudo o que você precisa saber sobre email marketing em um só lugar


(Clique no player para o ouvir a narração do nosso post! Deixe nos comentários o que achou)

O email marketing foi, durante muito tempo, sinônimo de spam e comunicações intrusivas.

Porém, graças ao avanço de ferramentas de automação de marketing, esse canal se tornou a melhor maneira de entregar as mensagens certas, para as pessoas certas, na hora certa.

Além de ser uma excelente ferramenta para profissionais de marketing digital e inbound marketing, o email é um canal extremamente democrático. De acordo com uma pesquisa realizada pela Pew Research, 92% dos adultos online utilizam email.

Portanto, ao contrário do que muitos acreditam, o email marketing não morreu, e pode ser uma ótima maneira de crescer seu negócio!

Este guia foi feito tanto para quem é iniciante e quer saber mais sobre como começar a fazer email marketing, quanto para quem já tem uma estratégia estabelecida e está buscando maneiras de otimizá-la.

O que é email marketing?

O email marketing é a comunicação entre uma empresa e seus consumidores ou potenciais clientes, via email.

Alguns exemplos comuns de email marketing que você já deve ter recebido na sua caixa de entrada são:

  • oferta de passagem aérea;
  • promoções;
  • confirmação de uma compra online;
  • newsletter.

No início do uso do email como ferramenta de marketing, ele era visto como uma versão digital de propagandas enviadas via correspondência (também conhecidas como “mala direta”).  Assim, o email era visto como um canal de comunicação em massa e as mensagens enviadas estavam longe de ser relevantes para quem as recebia.

Por essa razão, durante muitos anos o email marketing era visto como uma comunicação invasiva. Mas ele evoluiu, e hoje os melhores profissionais de marketing enxergam que o email é uma das maneiras mais pessoais de se comunicar com consumidores, através de uma troca direta de mensagens.

Por que utilizar email marketing?

Nos últimos tempos, as redes sociais têm ganhado os holofotes no marketing digital. No entanto, o email marketing também pode ser uma ótima opção para quem coleta endereços de email e quer aumentar a relevância da sua marca entre esses contatos. Veja alguns motivos.

Grande alcance

Segundo a Radicati, em 2015 existiam 2,5 bilhões de usuários de e-mail, e a tendência é que esse número chegue a 2,9 bilhões em 2019. Esse número representa mais de um terço da população mundial!

Nosso endereço de email concentra todas as ações que fazemos em outros canais. Toda vez que criamos um login em qualquer site, por exemplo, utilizamos o endereço de email. Assim, ele é uma parte essencial das atividades de um usuário na Internet.

Alcance previsível

Quando uma empresa faz um post em uma rede social, como o Facebook, nem todas as pessoas que seguem sua página verão sua mensagem. Isso ocorre devido a algoritmos que determinam quais mensagens são mais relevantes para cada usuário.

Por essa razão, o alcance de posts em redes sociais não é previsível. Ou seja, você não tem controle de quantas pessoas realmente visualizarão seu post.

Já no email marketing, o mesmo não acontece. Uma das grandes vantagens desse canal é seu alcance previsível. Isso significa que se você selecionar 100 endereços de email para enviar sua mensagem, todos os 100 receberão seu email na caixa de entrada (a não ser que haja algum problema técnico, mas trataremos desse assunto mais para frente).

Formato flexível

O email é a tela em branco que todo profissional de marketing digital procura. Mensagens enviadas por email não têm limites de caracteres, podem conter imagens e até GIFs.

Um email pode ser feito com templates e incluir elementos gráficos, ou pode conter apenas texto, como se você estivesse escrevendo mensagens pessoais para todos os seus contatos.

Por meio dele, você pode comunicar mensagens curtas, incluir diversos links para páginas da web, ou contar uma história longa. Portanto, o email pode ter o formato de que você desejar!

Obviamente, existem boas práticas a serem seguidas na hora de escrever e fazer o layout de um email. Mas abordaremos esse assunto um pouco mais pra frente!

Alto retorno financeiro

Para começar uma estratégia de email marketing, você precisa de apenas 3 ingredientes: um domínio (por exemplo, “rockcontent.com”), uma ferramenta de email marketing e uma pessoa para executar a estratégia.

Escolher uma boa ferramenta de email marketing é essencial. Existem diversas opções no mercado que atendem a todos os níveis de necessidade, incluindo ferramentas gratuitas como o Mailchimp.

Independentemente da ferramenta que você escolher, o investimento não será muito alto. Por isso, o email é o canal de marketing digital que apresenta melhor retorno financeiro — você não precisa investir muito inicialmente, e tem a possibilidade de gerar um grande volume de receita.

Qual o papel do email marketing na sua estratégia de marketing?

Embora o email marketing seja vinculado com frequência a uma abordagem promocional e comercial, ele vai muito além dessa estratégia.

Quando alguém dá permissão a uma empresa de enviar emails diretamente na sua caixa de entrada, esta pessoa está dando acesso a uma parte da sua vida pessoal, assim como abertura a conversa. Afinal, nosso email é o que utilizamos não só para receber mensagens de empresas que gostamos, mas também para nos relacionar com amigos, família e colegas de trabalho.

Portanto, em uma estratégia de marketing, o email é o canal que permite se comunicar de maneira mais pessoal com seus potenciais clientes. E isso pode trazer resultados incríveis! Confira abaixo como o email marketing se encaixa na sua estratégia de marketing digital.

Engajar os leads

Quando uma pessoa opta por receber emails da sua empresa, ela espera que você mantenha contato com ela de tempos em tempos. Isso pode parecer óbvio, mas muitas empresas se esquecem de manter um relacionamento constante com sua base de contatos via email!

Portanto, o email marketing pode ser utilizado na sua estratégia de marketing para engajar seus leads. Isso pode fazer com que seus leads se lembrem sempre de você, aumentando as chances de que eles virem clientes.

Promover seus conteúdos

Se você tem um blog, sabe que promover os conteúdos que você produz é essencial para o sucesso da sua estratégia.

Existem vários canais que você pode utilizar para promover seus conteúdos, e o email é um deles! O envio de uma newsletter, por exemplo, pode contribuir para que os posts do seu blog ganhem mais acessos, e assim aumentar a sua visibilidade na Internet.

Nutrir e educar seus leads

A nutrição de leads é uma das estratégias mais importantes do Inbound Marketing. Apenas com ela é possível transformar seus assinantes em leads, e seus leads em clientes. Para que isso aconteça, é necessário educar seus contatos sobre seu negócio e estreitar seu relacionamento com eles.

kit de geração de leads

O email é o melhor canal para nutrir seus leads, pois apenas ele permite que você envie mensagens personalizadas para as pessoas certas, no momento certo. Portanto, se você utiliza uma ferramenta de automação de marketing, poderá utilizar o email marketing para nutrir e educar seus leads.

Vender

Você já recebeu emails com ofertas ou promoções na sua caixa de entrada? Muitas empresas, especialmente aquelas que vendem produtos diretamente para consumidores — como roupas e passagens aéreas —, utilizam esse canal para aumentar suas vendas.

Hoje em dia, é possível estimular seus contatos a realizar transações com apenas um clique a partir do email. E, em breve, o pagamento diretamente no email também será uma realidade. Portanto, aproveite o email marketing para promover seus produtos!

Se relacionar com consumidores e clientes

Depois de fechar uma compra, você não pode se afastar dos seus clientes! A parte de encantá-los é uma das mais importantes da metodologia inbound e você precisa prestar atenção nela.

Compradores satisfeitos trazem diversos benefícios para seu negócio, e você pode manter esse relacionamento por email. Aproveite este canal para enviar para seus clientes conteúdos relevantes, além de descontos e promoções.

Quais tipos de email sua estratégia precisa ter?

Para começar a entender como montar uma campanha de sucesso e como inserir o e-mail marketing no dia a dia do marketing digital da sua empresa, é importante conhecer os diferentes tipos de e-mail que a sua empresa pode enviar.

Atualizações do Blog

Esse é o tipo de e-mail que você já deve estar acostumado a ver. É aquele que anuncia quando um conteúdo novo é postado no seu blog.

Eles são excelentes para começar a interagir mais com seus leitores. Quando alguém se inscreve na sua lista pela primeira vez, é bem provável que esses sejam os primeiros emails que ele vai receber.

É uma maneira de manter a sua lista ativa e em contato com os novos conteúdos que você posta, além de aumentar as chances de você gerar leads com os CTAs dentro dos seus textos.

Newsletter

A newsletter é uma velha conhecida de e-commerces e de blogs. Muitas empresas enviam para seus contatos atualizações mensais ou semanais com os principais posts do blog e notícias da empresa ou do mercado.

Se você realmente quer que a sua newsletter seja lida, invista tempo em criar uma newsletter que tenha identidade própria e que contenha conteúdos relevantes para seus leitores. Não se esqueça de incluir links para levar o leitor para páginas externas em que ele possa ler mais sobre aquele assunto.

guia newsletter

Convites para eventos

Emails são excelentes para promover eventos que você está organizando. O grande desafio aqui é apresentar de forma clara porque esse evento vale o comparecimento dos seus contatos.

Na hora de escrever emails que promovem eventos, não se esqueça de incluir todas as informações necessárias, como local, data, hora, limite de participantes, entre outros. E lembre-se de colocar em destaque o link para a página de inscrição ou compra de ingressos!

Emails de nutrição de leads

Dependendo da ação que a sua persona decidir fazer dentro do seu blog ou site, você pode querer inseri-la em um fluxo de nutrição. A nutrição consiste em uma série de emails com conteúdo relevante e segmentado. Como o nome sugere, esses são emails que ajudam a lead a caminhar pelo funil de vendas até uma posição clara de compra.

Identificando um grupo de contatos que você sabe que tem interesse em um assunto específico, você pode continuar a conversa com mais conteúdos relevantes e segmentados que aumentam a probabilidade dessas leads continuarem em contato com a sua empresa.

Como começar: ferramentas e templates

Se você vai começar sua estratégia de email marketing agora, precisa de um ingrediente fundamental: uma ferramenta, ou software, que realize disparos de email em massa.

A ferramenta mais indicada para iniciantes é o Mailchimp, pois além de possuir uma versão gratuita, sua utilização é fácil e intuitiva. Além dela, outros softwares populares no mercado são o GetResponse e o Mailee.

O email marketing também pode ser feito por meio de softwares completos de automação de marketing, como RD Station e Hubspot. Estas são ferramentas que realizam várias funções além do email marketing, como gestão de redes sociais, lead tracking, gestão de blogs, entre outros.

Como escolher o template ideal para seus emails

Com uma ferramenta em mãos, o próximo desafio será escrever seu primeiro email. E, para isso, você vai precisar escolher qual template utilizar!

É possível criar um template do zero, em HTML, ou utilizar templates prontos que são fornecidos por ferramentas como a Mailchimp. A última opção é a mais simples, pois reduz o seu trabalho.

Quando for escolher seu template, busque um que seja responsivo, ou seja, que se adapte a dispositivos móveis. Hoje em dia, a maioria das pessoas leem emails em smartphones ou tablets. Portanto, se seu template não for responsivo a esses dispositivos, a leitura dos seus emails ficará muito difícil (ou até mesmo impossível).

Além de responsivo, seu template deve ter espaço para imagens e texto. Muitas empresas enviam emails que contém apenas imagens. No entanto, alguns provedores consideram esse tipo de email como spam. O ideal é mesclar blocos de imagem e texto, o que torna seu email mais leve e agradável de se ler.

Finalmente, na hora de buscar o template ideal, lembre-se que menos é mais. Por mais clichê que essa expressão seja, simplicidade é a chave para focar a atenção do seu leitor no que você deseja — seja o conteúdo do email, o call-to-action, o compartilhamento ou outra ação que você queira que ele realize.

CONTEÚDOS RECOMENDADOS
Curso de Email Marketing da Universidade Rock Content
Guia Para Criação de Personas
Enciclopédia do Marketing de Conteúdo
Guia Prático para Divulgação de Conteúdos
Times de Vendas: como estruturar, contratar, qualificar, gerenciar e escalar o seu

Construindo uma lista de emails

Por mais triste que seja, uma lista de contatos de email cai em 22,5% a cada ano. Endereços de email mudam, pessoas abandonam contas antigas e contatos optam por sair da sua lista.

Por esse motivo, um dos aspectos mais desafiadores de uma estratégia de email marketing é construir e crescer sua lista de contatos. Mas por onde começar?

A primeira solução que vem em mente, muitas vezes, é comprar uma lista de emails. Porém, a regra de ouro do email marketing é nunca comprar listas de contatos! Vamos explicar o porquê.

Por que comprar uma lista de emails é um dos maiores erros que você pode cometer?

A caixa de entrada de uma pessoa é um espaço extremamente pessoal. É ali que ela lida com mensagens do trabalho assim como assuntos pessoais.

Portanto, se alguém forneceu seu endereço de email para você, quer dizer que essa pessoa está disposta a interagir com você.

Ao comprar uma lista, você está adquirindo endereços de email que não escolheram receber mensagens suas. Portanto, nenhuma destas pessoas deu permissão para você enviar mensagens diretamente em suas caixas de entrada.

Além disso, listas prontas também costumam conter endereços de email falsos, inexistentes ou com erros de digitação — o que indica aos provedores que você está enviando emails para uma lista comprada, levando a uma possível penalização pelos provedores.

Ou seja, comprar uma lista de emails é um prato cheio para prejudicar a imagem da sua empresa.

Construir uma lista de emails demanda tempo e esforço, mas continue lendo para conferir as dicas que vão tornar esse processo mais fácil.

Como construir uma lista de emails de qualidade?

O primeiro passo para começar a coletar emails é adicionar, no seu blog, um espaço onde seus visitantes podem cadastrar seus emails para receber comunicações suas, como newsletters, promoções e novidades.

Algumas ferramentas facilitam essa coleta de emails. Nossa preferida na Rock Content é a Hellobar, que adiciona uma janela ou pop-up de coleta de emails ao seu site.

Quer experimentar a ferramenta? Utilize nosso link de afiliado e receba 1 mês de acesso grátis a Hello Bar. Basta se cadastrar aqui.

Uma alternativa a essa ferramenta é o OptinSkin, plugin do WordPress que permite colocar caixas de coleta de email em qualquer lugar do blog.

Lembre-se que quanto mais simples for o processo para seus usuários cadastrarem seus emails, mais endereços você vai coletar. Portanto, facilite a experiência do usuário no seu blog.

Você pode querer pedir outras informações, além do email, no momento do cadastro. Isso é normal, mas fique atento apenas para não fazer perguntas em excesso. Isso pode assustar seus visitantes e fazer com que eles desistam de fornecer o endereço de email para você.

Uma prática importante, que garante o sucesso da sua estratégia de email marketing, é a segmentação da base de emails. A segmentação permite que você envie mensagens mais personalizadas, impactando diretamente no engajamento dos leitores.

Essa divisão pode ser feita de forma mais generalizada ou mais específica. Você pode levar em consideração fatores como: localização, idade, ocupação, posição na empresa, compras anteriores, estágio no funil de vendas.

Finalmente, lembre-se que construir uma boa lista de emails envolve dois componentes: conseguir novos contatos e manter os que você já tem. Para manter seus contatos por perto, envie sempre conteúdos que sejam relevantes. Caso contrário, você pode perder tudo que trabalhou para conquistar.

Dicas para escrever emails incríveis

Quando você já tiver uma ferramenta para enviar emails, um template e uma lista de contatos, estará ansioso para enviar seu primeiro email.

Existem algumas boas práticas que devem ser seguidas se você quer escrever emails incríveis para seus assinantes. Confira!

Mantenha o texto curto

Você sabia que o tempo médio de atenção dos seres humanos hoje em dia é de 8 segundos? Com isso em mente, fica claro que você precisa ser claro e objetivo na hora de escrever seus emails.

Revise e edite seus emails para se livrar de tudo que não é necessário para comunicar sua mensagem. Vá direto ao ponto do que você quer falar, e evite distrações.

Use a linguagem adequada

Quando estiver escrevendo seus emails, considere quem estará do outro lado lendo. Ou seja, qual é a persona dos seus emails?

A partir disso, você poderá determinar qual tom de voz usar, e que tipo de expressões, jargões ou gírias você deve evitar.

Estabeleça um tom de conversa

O email serve para nutrir relacionamentos com sua lista de contatos. Portanto, crie proximidade nos seus textos, trate seu leitor pelo nome e fale de uma maneira que vai ressoar com seus contatos. Dessa maneira, você cria com eles um diálogo bilateral.

Quer aprender mais sobre como escrever bons conteúdos? Faça nosso curso gratuito sobre Produção de Conteúdo para Web!

Como levar sua estratégia para o próximo nível?

Até agora, cobrimos o conhecimento básico que você precisa para começar uma estratégia de email marketing que vá contribuir para o seu relacionamento com seus assinantes.

Depois de tudo isso implementado, você pode se perguntar quais são os próximos passos para levar sua estratégia para um outro nível, em que você poderá gerar oportunidades de negócio, entregar mensagens personalizadas e otimizar suas campanhas para alcançar os melhores resultados.

O passo mais importante para que isso possa acontecer é estabelecer um plano de ação. Ele vai te ajudar a definir uma periodicidade de envio de emails, assim como determinar quais tipos de email enviar e para quem. Um bom planejamento de email marketing é composto por 5 etapas básicas:

  • definir sua persona;
  • determinar qual conteúdo vai ser enviado;
  • estabelecer a frequência de envios;
  • definir os objetivos de cada campanha, assim como quais métricas acompanhar;
  • organizar um calendário de envio.

Com todas essas etapas implementadas, você terá uma estratégia estruturada e estará à frente de muitas outras empresas!

Se você leu até aqui e quer aprender mais estratégias avançadas de email marketing, como segmentar sua lista, utilizar o email marketing para nutrir suas leads e quais métricas acompanhar para estabelecer o sucesso da sua estratégia, corra para ler nosso ebook gratuito “E-mail marketing: o guia para criar campanhas de sucesso”.

ebook email marketing

Alterações no Google Analytics

Mudanças no Google Analytics: confira o que foi alterado na plataforma pela nova política de dados

Que dados são fundamentais para o marketing, você provavelmente já sabe, certo? E, em meio a polêmicas recentes envolvendo esse tema, nada mais natural que a crescente preocupação com o que compartilhamos na internet e como esses dados são usados.

Foi pensando nisso que novas políticas acerca do uso de dados por marcas e plataformas estão surgindo.

Na Europa, o GDPR (General Data Protection Regulation, que em tradução livre para português pode ser tido como Regulação de Proteção de Dados Gerais) é a nova regulamentação que visa impor parâmetros para proteger os dados pessoais de residentes da União Europeia.

No entanto, isso não afeta apenas o conjunto de países que fazem parte desse grupo. As plataformas que usam dados dos usuários estão repensando suas políticas de segurança visando evitar problemas futuros, bem como gerar um maior senso de confiança no usuário.

Uma das plataformas que está se adequando à essa nova realidade é o Google Analytics, que anunciou hoje mudanças em alguns recursos disponibilizados pensando em uma nova política de compartilhamento de dados.

Se você ainda não sabe tudo sobre a plataforma, não perca tempo: baixe nosso ebook completo sobre o assunto!

O guia completo do Google Analytics Ebook

Confira o que mudou a seguir:

Prazo para retenção de dados de usuários e eventos

Hoje o Google Analytics introduziu funcionalidades para controlar a retenção dos dados coletados pela ferramenta. Agora é possível controlar por quanto tempo dados de usuários e eventos são retidos nos servidores do Google Analytics.

A partir do dia 25 de Maio, quando a GDPR entra em vigor, a retenção dos dados de usuários e eventos do Google Analytics será feita de acordo com essas configurações. Dados retidos após o período estipulado pelo administrador da conta serão automaticamente deletados.

E como isso te influencia?

Se você tem uma conta do Google Analytics, acesse suas configurações para determinar o prazo para retenção de dados no Google Analytics.

É importante esclarecer que esse prazo diz respeito apenas a dados de usuários e eventos, e não aos dados agregados (como volume de visitantes ou fonte de aquisição, por exemplo).

Nova ferramenta para eliminação de dados de usuários específicos

De acordo com a equipe do Google Analytics, até o dia 25 de Maio será lançada uma ferramenta que tornará possível deletar, de uma conta do Google Analytics ou Analytics 360, todos os dados associados a um usuário individual (por exemplo, visitante de um site).

Para que esse tipo de eliminação de dados de um usuário específico possa acontecer, essa nova ferramenta vai ser basear nos identificadores de usuários enviados para o Analytics Client ID (como o cookie padrão do Google Analytics), User ID (caso o site utilize essa funcionalidade que permite identificar usuários através de diferentes dispositivos) ou App Instance ID (para usuários do Firebase, plataforma de desenvolvimento de apps).

A equipe do Google Analytics promete disponibilizar mais detalhes sobre essa ferramenta em breve no Google Developers.

Mudanças no contrato para clientes do Google Analytics ou Analytics 360

Os termos atualizados de processamento de dados do Google já estão disponíveis para revisão/aceitação para clientes fora do EEE (Espaço Econômico Europeu). Basta acessar a sessão de Admin > Configurações da Conta para aceitar os novos termos.

Atualização nas normas de consenso de usuários da União Europeia

De acordo com os requisitos estabelecidos para funcionalidades de anúncio do Google Analytics, é obrigatório para todos os clientes do Google Analytics e Analytics 360 cumprir com as normas do Google para consenso de usuários da União Europeia.

E o que isso significa?

Essas normas estão sendo atualizadas para refletir os novos requisitos estabelecidos pela GDPR. A partir de agora, anunciantes terão a responsabilidade de de divulgar e obter consenso daqueles usuários de sites e apps que se localizam na região do EEE.

Mesmo se sua empresa não está localizada no Espaço Econômico Europeu, é importante ter certeza que seu negócio não se encaixa no escopo do GDPR ao usar o Google Analytics/Google 360. Se for o caso, é preciso revisar/aceitar os novos termos de processamento de dados do Google além de definir um plano, dentro da sua empresa, de como será feita a conformidade com as normas da GDPR.

Quer aprender mais sobre o assunto?

Comece entendendo mais sobre a GDPR e como ela pode mudar o Marketing da sua empresa.

Se você já está por dentro desse importante conjunto de normas, vá mais a fundo para entender tudo sobre as políticas de privacidade do Google para negócios.

zapier

Zapier: Como usar o “Motoboy do Marketing” para conectar seus processos

Quem trabalha com Marketing Digital está sempre fazendo malabarismos entre várias ferramentas online.

Afinal, a gente quer sempre fazer tudo ao mesmo tempo, testar estratégias novas e ainda conseguir manter uma base de dados organizada.

Uma boa ferramenta de automação de marketing, como RD Station ou Hubspot, já consegue consegue colocar várias tarefas no piloto automático. Mas não tudo.

Imagine as seguintes situações:

  • Você faz um anúncio no Facebook Lead Ads e precisa passar as informações dos leads para sua ferramenta de automação de marketing.
  • Você instala uma pop-up no seu blog para captura de emails e precisa passar esses subscribers para sua automação de marketing.
  • Você faz um co-marketing e precisa compartilhar os leads com a empresa parceira (ou vice-versa).

Já passou por alguma delas?

O Zapier é um programa que existe para quem quer conectar ferramentas da web sem precisar de conhecimentos em programação.

Aqui na Rock Content usamos o Zapier para diversos processos e apelidamos essa ferramenta carinhosamente de motoboy do Marketing. Se você precisa levar dados de um lugar para o outro, ele pode ser a solução mais prática!

Nesse artigo, vou te contar mais sobre o Zapier e ilustrar algumas situações que você pode utilizá-lo.

Planos e Preços

Ninguém aqui tem um orçamento ilimitado, então vamos direto ao que interessa: como funcionam os planos e preços do Zapier?

O Zapier possui um plano gratuito, chamado de Free Forever. Com ele, você consegue fazer conexões de no máximo 2 passos de cada vez. Por exemplo, pegar informações de uma ferramenta de pop-ups, como a Hellobar, e passar para sua ferramenta de automação de marketing.

O ponto fraco do plano Free Forever é que nem todos os aplicativos estão disponíveis para esse plano. Por exemplo, uma integração com o Facebook Lead Ads só pode ser feita com o plano pago.

A partir de $20/mês, você consegue fazer integrações com 3 ou mais passos. Por exemplo, pegar emails coletados por uma ferramenta de pop-ups, passar para sua ferramenta de automação de marketing e adicionar essa informação a uma planilha de controle do Google Sheets.

Além disso, com o plano pago você tem acesso a todos os aplicativos disponíveis no Zapier. O Facebook Lead Ads, Google Calendar e Zendesk são exemplos de alguns programas Premium disponíveis apenas no plano pago.

Na prática: Um exemplo de como o Zapier pode ser usado no processo de gestão de leads

Cada integração feita no Zapier entre duas ou mais ferramentas é chamada de um Zap.

Você pode fazer combinações entre diversas ferramentas, mas para ilustrar na prática como o Zapier pode ser utilizado na sua estratégia de Marketing, separei um dos Zaps mais práticos e úteis que já fiz aqui na Rock Content.

Nesse passo-a-passo, vou te ensinar como criar uma oferta de geração de leads que consiste em um quiz ou questionário no Typeform, e passar esses leads automaticamente para uma ferramenta de automação de marketing, como a RD Station.

Passo 1: Criar um questionário no Typeform

Para isso, você vai precisar criar um conta, ou fazer login, no Typeform. Uma vez lá, você vai fazer seu quiz ou questionário normalmente.

Quando sua oferta estiver pronta, passe para o segundo passo.

Passo 2: Criar um Zap que começa com o Typeform

Você vai usar o Zapier para puxar as informações que você coletou no Typeform para poder depois passá-las para o RD Station.

Para isso, você precisa primeiro entrar no https://zapier.com e criar um novo Zap, clicando no botão laranja.

zapier

A primeira ação do seu Zap vai ser conectar o Typeform. Para isso, digite “Typeform” na busca de apps e selecione o Typeform.

zapier

Passo 3: Configurando a integração com o Typeform

Quando você selecionar o Typeform como app de entrada do seu Zap, o Zapier vai te guiar para vários passos de configuração.

O primeiro deles é escolher quando você quer que seu Zap seja acionado. No caso do Typeform, só existe uma opção, que é a New Entry. Ou seja, esse Zap será ativado toda vez que alguém preencher seu questionário do Typeform.

Depois disso, você vai precisar conectar sua conta do Typeform.

Quando sua conta estiver conectada no Zapier, você será encaminhado para o passo Edit Options, onde você vai escolher qual formulário do Typeform quer usar para esse Zap. Seus formulários aparecerão automaticamente em uma lista de dropdown.

Finalmente, é hora de testar a conexão com o Typeform. Clique em test this step para que o Zapier possa confirmar que está tudo OK.

Passo 4: Passando seus leads para o RD Station

Seguindo a criação do seu Zap, você vai clicar no botão de “+” para adicionar uma nova ação.

Assim que fizer isso, você deverá escolher o app que quer usar para essa nova ação. No caso selecione o RD Station.

Agora você deverá configurar a conexão com o RD Station, similar ao que fizemos com o Typeform anteriormente.

A integração com o RD Station no Zapier permite que você faça 3 tipos de ações: Create Lead, Lost Deal ou Won Deal.

Nesse caso, vamos selecionar Create Lead pois queremos criar uma nova lead na nossa base da RD Station.

Depois disso, você vai precisar conectar sua conta do RD Station.

Isso feito, em Edit Template, você vai escolher quais informações coletadas no Typeform você deseja passar para o RD Station.

Passo 5: Escolhendo quais informações passar para o RD Station

As informações de email e um identificador de conversão são obrigatórias para que a RD Station identifique o que você está querendo passar.

Para puxar o email de quem respondeu seu questionário no Typeform, em primeiro lugar você precisa ter incluído essa questão no questionário.

Se já tiver feito isso, você pode clicar no ícone ao lado do campo de “Email” do Edit Template, e vai aparecer uma lista de todas as perguntas do seu questionário do Typeform.

zapier

Escolha aí a pergunta que você usou no Typeform para pedir o email dos seus leads.

No próximo campo obrigatório, que é o de conversão, você deve digitar um nome para a conversão que vai ser registrada no RD Station. Dessa forma, você vai conseguir segmentar, no RD Station, os leads que converteram nessa oferta.

Pronto! Você já tem as informações básicas para registrar seus leads do Typeform no RD Station.

Para esse exemplo, usei o RD Station pois é uma ferramenta de automação de marketing muito utilizada hoje em dia no Brasil. Mas outras ferramentas também fazem integração com o Zapier!

Pode parecer complexo, mas o Zapier é uma ferramenta bem fácil de usar uma vez que você adquire um pouco de prática com ela. Além disso, a curva de aprendizado compensa pelas mil e uma utilidades que ela pode trazer para os seus processos tanto de Marketing quanto de outras áreas da sua empresa!

Deixo aqui algumas outras sugestões de como usar o Zapier que podem se aplicar no seu dia-a-dia:

  • Enviar leads do Facebook Lead Ads ou do LinkedIn Lead Gen para uma ferramenta de automação de Marketing
  • Enviar leads da Hellobar para uma ferramenta de automação de Marketing
  • Sincronizar automaticamente informações da sua base de leads com uma planilha do o Google Spreadsheets

Se quiser aprender mais, o Zapier Learning Center possui diversos recursos para te ajudar!

Boa sorte e bons Zaps!

O blog post de 2 milhões de reais

Como um único blog post trouxe 2 milhões de reais para a Rock em menos de 3 anos

Em Junho de 2016, o Diego Gomes, CMO da Rock Content, escreveu um artigo sobre como um único blog post nos ajudou a gerar R$436.000 em novos negócios em apenas 16 meses.

O objetivo do artigo era mostrar que uma estratégia de Marketing de Conteúdo vai muito além de apenas ter um blog e postar frequentemente. Ela pode trazer resultados de verdade, com um retorno de médio a longo prazo.

1 ano depois de constatar que o famoso post sobre Marketing Digital colaborou com quase meio milhão de reais em receita para a Rock Content, estamos aqui de volta para atualizar esse número e mostrar que uma estratégia bem feita de Marketing de Conteúdo nunca pára de gerar resultados.

O poder multiplicador do conteúdo evergreen

Em Dezembro de 2014, a equipe de Marketing da Rock Content identificou uma oportunidade de ouro de escrever um artigo focado na palavra-chave “marketing digital”.

Além de ser a palavra-chave com o maior volume de busca dentro do segmento “marketing” e ter um alto custo por clique, “marketing digital” também representa uma das primeiras buscas feitas por uma das nossas principais personas, o dono da pequena empresa que é pouco experiente nesse ramo.

Portanto, um artigo desses fazia muito sentido para o nosso blog!

Nós sabemos que cada post publicado no blog é uma oportunidade de gerar mais negócios. E quando publicamos o artigo sobre Marketing Digital, tínhamos certeza que enquanto ele estivesse no nosso blog, iria sempre trazer novos clientes para a Rock Content.

E não foi diferente.

Essa é a beleza do conteúdo evergreen, ou conteúdo perene. Ao contrário de um artigo noticioso, por exemplo, um conteúdo evergreen trata de um assunto que não vai sair de moda tão cedo. E por isso, basta postar uma vez no seu blog, que ele pode trazer resultados por muitos e muitos anos.

2 anos e meio depois de ser publicado no nosso blog, o post “O que é Marketing Digital” já trouxe R$1.8 milhão em novos negócios.

A primeira parte dessa história contou sobre o esforço envolvido na força-tarefa de escrever e atualizar o artigo. Essa vai contar sobre a matemática do que veio depois.

Prepare sua calculadora

Um dos aspectos mais interessantes do Marketing de Conteúdo é que todos os resultados podem ser acompanhados na ponta do lápis, e muito pode ser previsto.

Por isso, para nós não foi uma surpresa que esse artigo gerou quase R$2 milhões de receita. Sabemos que cada post em um blog é uma nova oportunidade de ganhar mais.

A lógica não é complexa: quanto mais bem-posicionado seu artigo está para determinada palavra-chave, maiores as chances de você receber acessos nesse artigo, e de converter esses visitantes em clientes.

E quando a palavra-chave tem um volume de busca grande, melhor ainda!

De acordo com estimativas conservadoras, em média 30% das pessoas que buscam por uma palavra-chave acabam clicando no primeiro resultado.

A palavra-chave “marketing digital” é buscada cerca de 30.000 vezes por mês.

Supondo que 30% das 30 mil pessoas que buscam por “marketing digital” todos os meses clicassem no primeiro resultado, que é nosso artigo, já podemos garantir pelo menos 9 mil acessos por mês, apenas no post de Marketing Digital.

Se estivéssemos investindo em Google AdWords para conseguir o mesmo tanto de acessos mensais, estaríamos gastando mais de R$53.000, pois o custo por clique para a palavra-chave “marketing digital” gira em torno de R$5,90.

Marketing Digital lance sugerido para Adwords

Isso significa que qualquer esforço que custasse menos de R$53.000 por mês já traria lucro para nós. E produzir esse artigo, aprimorá-lo, otimizá-lo para SEO e realizar ações para converter os visitantes em clientes, apesar de uma tarefa trabalhosa, com certeza custou menos que isso!

De visitantes a clientes: Parte 1 — Geração de Leads

Em Maio de 2015, nosso artigo alcançou a primeira posição para a busca “Marketing Digital”. A partir daí, já tínhamos um bom volume de acessos, e o próximo desafio era rentabilizar esses visitantes. Ou seja, coletar informações de contato e investir na geração de leads e na nutrição de leads.

Contamos com algumas frentes diferentes para transformar um visitante do nosso blog post em um lead, ou seja alguém que temos pelo menos a informação de email para entrar em contato.

Oferta inicial

A estratégia de geração de leads dos nossos blog posts começa com um pop-up. Quando alguém visita o blog Marketing de Conteúdo pela primeira vez, recebe de cara a oferta de um dos nosso materiais gratuitos mais populares, o guia “Segredos do Tráfego Orgânico”, por meio de uma pop-up que preenche a tela inteira.

Hello Bar

Com isso, não só conseguimos enriquecer nossa base de emails mas também identificar os visitantes que têm interesse em aprender mais sobre aquisição de tráfego. Afinal, esse é apenas um dos muitos assuntos que abordamos no nosso blog!

5% dos visitantes que acessam o blog post de Marketing Digital convertem na oferta da pop-up. Para nós, esse número é satisfatório, mas não é suficiente! Por isso, contamos com outras estratégias de geração de leads ao longo do blog post.

Ofertas que complementam a leitura

O artigo de Marketing Digital está longe de ser curto. Com quase 6.000 palavras, ele aborda diversos temas desse universo tão vasto, desde conceitos básicos até dicas sobre como escolher uma agência de marketing digital.

Por isso, existem diversas oportunidades de incluir CTAs ao longo do texto para outros materiais que aprofundam os assuntos abordados no artigo. E uma biblioteca cheia de materiais sobre marketing digital é o que não falta para nós!

Incluímos, em lugares estratégicos do texto, referências para materiais como:

Ao todo, o artigo possui 7 CTAs para fazer download de materiais da Rock Content, como esse exemplo abaixo.

CTA do post de marketing digital

E o que isso significa?

O visitante que lê o artigo e decide baixar um dos materiais ofertados, se torna um lead para a Rock Content porque precisa fornecer algumas informações, como nome e email, para ter acesso ao ebook ou ao kit.

Dos 377.570 visitantes que chegaram conheceram nosso blog por meio do artigo de Marketing Digital, 4.815 fizeram download de algum material e se tornaram leads. Ou seja, conseguimos gerar quase 5 mil oportunidades de negócio para a empresa!

De visitantes a clientes: Parte 2 — Nutrição de Leads

Em toda empresa, cada novo lead conquistado é uma nova oportunidade de negócios. Afinal, essa pessoa está buscando informações sobre a área de atuação da empresa, e está indicando que busca uma solução para algum problema.

No caso da Rock Content, alguém que faz download dos nossos materiais sobre Marketing Digital está demonstrando que tem dificuldade com alguma parte do processo. Caso contrário, ela não precisaria estar perdendo tempo buscando materiais educativos!

Todo lead é um potencial cliente, mas nem todos estão no momento certo para comprar um produto ou ser abordados por uma equipe de vendedores, seja por falta de informação ou por estarem apenas no início da sua jornada como clientes.

E é por isso que investimos na nutrição dos leads que geramos com o blog post de Marketing Digital, enviando emails com sugestões de materiais complementares aos que o lead havia baixado, e que explicam como os serviços da Rock Content podem ajudar uma empresa a adquirir mais clientes com o Marketing Digital.

O fluxo de nutrição que esses leads recebem acaba com um email convidando a falar com um consultor da Rock Content para entender mais sobre como podemos ajudar a empresa do lead. Algo mais ou menos assim:

exemplo de email do fluxo de nutrição

A pessoa que solicita esse contato é, para nós, o lead mais qualificado que existe, chamado de Marketing Qualified Lead (MQL). Afinal, ele já passou por muitas etapas na sua jornada como cliente, e agora é hora dos nossos consultores trabalharem com esse lead!

Dos visitantes que conheceram o blog Marketing de Conteúdo através do post Marketing Digital, 1.273 deles acabaram solicitando um contato com a Rock Content.

E agora?

De visitantes a clientes: Parte 3 — Conversão de leads em clientes

Entre leads e MQLs, a equipe de vendas da Rock Content tinha 6.000 contatos para avaliar e para contatar caso parecessem uma boa oportunidade. Isso só contando os que vieram do blog post de Marketing Digital!

Para trabalhar esses contatos, contamos com uma equipe de Inside Sales com cerca de 50 consultores, especialistas em Inbound Marketing. Todo cliente da Rock Content passa por um processo de venda consultiva antes de adquirir nossos serviços. Portanto, nenhum dos nossos conteúdos gera receita “sozinho”. Dependemos de uma boa equipe de consultores para realizar todo o processo da venda!

Todos os consultores do nosso time de Vendas são treinados para, antes de mais nada, qualificar os leads que recebem do Marketing, baseado nas informações que o lead providenciou quando fez download dos nossos materiais (como nome da empresa e número de funcionários, site da empresa e cargo do lead).

Assim, apenas os leads com mais potencial de se tornarem clientes da Rock Content precisam ser contatados — otimizando o tempo e aumentando a produtividade das operações de vendas.

Dos contatos que vieram do blog post de Marketing Digital, 85 se tornaram clientes da Rock Content.

Considerando um ticket médio mensal de R$1.770, conseguimos gerar R$1.805.400 de receita anual. Com apenas um blog post 😉

Como convencer seu time sobre marketing de conteudo

Resumindo:

Post de 2 milhões de reais

Essa é a história de vida de 31 meses um artigo que foi chave para a estratégia de marketing da Rock Content. E continua sendo!

Os resultados desse blog post só aumentam a cada dia. E prometo fazer uma nova atualização quando ele for “O Blog Post de R$5 milhões”.

Fazer um blog post pode até ser fácil — afinal, são só palavras em uma página de um blog.

Mas não se iluda.

Como você pode perceber, produzir e postar um artigo é só a ponta do iceberg. Fazer com que um blog gere receita real requer uma força-tarefa gigantesca de divulgar o conteúdo, atualizar o conteúdo, refinar aspectos técnicos de SEO, construir uma estratégia de geração e nutrição de leads, e ter uma equipe animal de consultores para abordar os leads gerados.

E isso só para um blog post. Agora multiplique por 10, 100, 1.000….

Se você está pensando que nunca vai conseguir fazer o mesmo tipo de trabalho com seu blog, não perca as esperanças! Comece com pequenos passos, fazendo melhorias aqui e ali, incluindo um CTA, focando seus esforços primeiro nos artigos que trazem mais tráfego para o seu blog, e por aí vai. Marketing de conteúdo é um trabalho de formiguinha.

E não posso terminar esse artigo sem dizer que se quiser ajuda, conte conosco! Fale com um consultor da Rock Content para saber como podemos trabalhar juntos para ajudar seu negócio a crescer com Marketing de Conteúdo, igual fazemos com nossa própria estratégia!

Boa sorte 🙂

contratar a rock content

Henrique Carvalho

Quem é Henrique Carvalho? O homem que mostrou ser possível Viver de Blog!

Não é raro encontrar, hoje em dia, pessoas que vivem exclusivamente de canais digitais, como o YouTube, um blog ou com a venda de infoprodutos.

Esse tipo de profissão já se tornou comum, e é um tanto quanto cobiçada por quem sempre sonhou em trabalhar de qualquer lugar, sem precisar se prender a um escritório ou lugar físico.

Mas você imaginava que era possível ganhar dinheiro na Internet há quase 10 anos atrás?

Henrique Carvalho, fundador do blog Viver de Blog, começou sua carreira de empreendedor digital em 2009, e desde então sua missão é ajudar as pessoas a alcançarem a liberdade financeira com blogs que realmente rentabilizam, ensinando literalmente a viver de blog.

Quem estuda sobre Marketing Digital com certeza já se deparou com algum artigo do Viver de Blog. Mas você sabe como ele surgiu e quem é o cérebro por trás dos conteúdos?

Siga a leitura que vamos te contar!

De estudante a empreendedor de sucesso

Henrique Carvalho começou a se aventurar no mundo digital aos 23 anos, quando ainda estava na faculdade de Economia.

Insatisfeito com com o conteúdo datado da faculdade, que falava muito de teorias, mas era pouco prático, decidiu criar o blog HC Investimentos com o objetivo de compartilhar informações com quem buscava alcançar a sonhada liberdade financeira, em termos práticos que todos conseguissem entender.

Em 4 anos, o blog HC Investimentos alcançou 60.000 assinantes.

Junto ao blog, Henrique também criou o seu primeiro produto digital, o ebook “Alocação de Ativos”. Nele, Henrique ensina como criar uma estratégia de investimentos em linguagem simples, com uma técnica de investimento que leva o mesmo nome do livro digital.

Henrique conta que criar esse produto não foi um processo simples. Foram horas de dedicação para escrever todo o conteúdo, além de um investimento alto em um design que fizesse uma diagramação excelente para deixar o produto realmente diferenciado.

Mas todo o esforço valeu a pena.

O ebook foi colocado à venda na plataforma Hotmart, e com ele Henrique alcançou um marco histórico na plataforma: ele foi o primeiro vendedor da Hotmart a atingir os 150˚ no marketplace da empresa.

A temperatura no marketplace da Hotmart indica como o produto está sendo aceito no mercado. Quanto mais quente um produto, mais visitas, vendas e comissões ele vem gerando.

Com o sucesso dos seus empreendimentos no nicho financeiro, Henrique aprendeu muito sobre marketing digital e melhores maneiras de divulgar um produto na Internet. E foi assim que surgiu seu segundo blog, o Viver de Blog.

É possível Viver de Blog?

Fundado em 2013, esse blog, que foi o segundo de Henrique Carvalho, já vai completar 4 anos e recebe milhares de visitantes diariamente.

O Viver de Blog surgiu com o objetivo de “levar informação de qualidade gratuita em um meio onde o comum era ‘ganhar dinheiro dormindo’. Onde blogs usavam e abusavam das cores vermelho e amarelo para chamar atenção das pessoas. Onde o comum era escrever artigos de 300-500 palavras”, Henrique conta em uma entrevista para o blog do 12 Minutos.

Por isso, o blog é hoje em dia uma das melhores fontes de conteúdo para quem quer aprender como divulgar um produto com técnicas de Marketing Digital.

E Henrique mostra que é possível, sim, viver com a renda gerada por um blog!

Nesses 4 anos de existência, o Viver de Blog já expandiu para muito além de conteúdos gratuitos.

Hoje em dia, Henrique e sua equipe disponibilizam 7 cursos pagos que ensinam desde “Produção de Conteúdos Memoráveis” até “Pós-venda Revolucionário”.

Além disso, ele também vende um “template épico” de blog WordPress, para quem quer começar um blog de sucesso sem ter o trabalho inicial de escolher e customizar um template.

E Henrique ainda capitaliza na sua expertise e autoridade que construiu durante todos esses anos como empreendedor digital. Quem tem interesse em escalar uma empresa pode contar com o programa de mentoria do Henrique Carvalho, o Mentoria Evolution.

Hoje em dia, Henrique conta com uma equipe para ajudá-lo nos seus empreendimentos. Mas durante muito tempo ele tocou tudo sozinho.

E como você pode ver, é muita coisa para uma pessoa só!

Dicas de Produtividade que aprendemos com o Henrique Carvalho

Pode parecer que Henrique tem super-poderes para estar em vários lugares ao mesmo tempo, escrever milhares de conteúdos, criar páginas de divulgação, gerenciar uma equipe, ficar a par das novidades do mercado, ajudar outras pessoas, e por aí vai….

Mas até onde sabemos, ele é um ser humano como você e eu. A única diferença é que ele consegue ser extremamente produtivo.

Como?

De acordo com Henrique, uma ótima dica de produtividade é planejar os primeiros 30 a 60 minutos do dia. Eles vão ditar o quão produtivo será o resto do seu dia. Algumas sugestões que ele nos dá são exercício aeróbico em jejum, meditação ou leitura.

Além disso, Henrique sempre indica alguns aplicativos que ajudam a otimizar o tempo e aumentar a produtividade, como o Evernote, Pocket, e Pomodoro One.

Ele também acredita que é importante focar tanto no mindset quanto em técnicas de produtividade.

“As técnicas são muito importantes, mas é quando você domina a si mesmo, o guerreiro do espelho que se conquista todo dia que você consegue multiplicar por 10x suas tarefas entregues”, ele conta em entrevista para o blog do 12 Minutos.

Uma técnica de mindset indicada por Henrique é a “regra dos 5 segundos”, cunhada pela escritora e apresentadora de TV Mel Robbins. Inspirada na contagem regressiva que é feita durante o lançamento de foguetes, a regra dos 5 segundos consiste em contar “5, 4, 3, 2, 1” toda vez que você pensa em desistir de fazer algo.

Por exemplo, você precisa acordar às 6h da manhã para fazer tudo o que precisa ser feito naquele dia, mas quando toca o despertador bate aquela preguiça de levantar da cama. É nesse momento que você deve fazer a contagem regressiva de 5 segundos, e quando chegar ao “1”, sabe que é o momento de se levantar.

Todo profissional hoje em dia lida com falta de tempo. Por isso, é sempre bom encontrar uma técnica de produtividade que funcione para você, além de  ter em mãos ferramentas práticas para a otimização do seu trabalho. Só assim você vai ter uma chance de conseguir chegar perto do Nível Henrique Carvalho de Produtividade. 😉

Quem vive de blog sabe que não é possível sobreviver apenas com a publicação de artigos. É preciso encontrar produtos que podem ser comercializados para a audiência do blog, executá-los de maneira bem feita, e saber também a melhor maneira de divulgá-los.

A trajetória do Henrique Carvalho mostra que dominar técnicas e conceitos de Marketing Digital é imprescindível para quem quer ganhar a vida com produtos digitais, independentemente do nicho do seu blog.

Se você está começando agora, deixo uma sugestão: o “Kit Marketing Digital para Iniciantes”, que vai te colocar no caminho certo para se tornar o Henrique Carvalho da próxima geração!

Conheça outros grande nomes do Marketing digital:

Vitor Peçanha

Quem é Vitor Peçanha? Conheça um dos maiores nomes do Marketing Digital brasileiro

Se você já procurou aprender sobre Marketing de Conteúdo, com certeza se deparou com esse rosto:

Vitor Peçanha

Vitor Peçanha, co-fundador da maior empresa de Marketing de Conteúdo da América Latina, a Rock Content, já escreveu centenas de artigos e gravou diversos vídeos que ensinam tudo sobre essa estratégia de Marketing que tem ganhado muito espaço no mercado nos últimos anos.

O Marketing de Conteúdo é um conjunto de ações e táticas que promovem o engajamento de uma empresa com seu público-alvo, e ajudam a construir uma rede de clientes e potenciais clientes através da criação de conteúdos que são relevantes e valiosos.

marketing de conteudo primeiros passos
Esse tipo de estratégia começou a ser utilizada por empresas nos Estados Unidos, e hoje em dia já é popular entre grande parte das empresas brasileiras. E muito disso se deve ao trabalho de Vitor Peçanha!

Você tem um minutinho para ouvir a palavra de Peçanha e entender como ele ajudou (e ajuda) todos os profissionais de marketing do Brasil a aprimorarem seu conhecimento na área?

Então continue a leitura!

Trajetória de empreendedor

Ele toca violão, conserta qualquer coisa, já construiu um fliperama com as próprias mãos, já escreveu um livro, palestrou pelos quatro cantos do Brasil, sabe um pouco de tudo e muito sobre marketing, e o mais importante: fundou a Rock Content e o blog que você está lendo agora!

Formado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais, Peçanha começou sua carreira em Marketing na Cria UFMG, empresa júnior do curso de Comunicação Social.

A vida de empreendedor começou em 2011, quando Peçanha fundou a TextCorner, uma plataforma que reunia redatores freelancers com interesse em escrever para marcas e empresas.

Graças à TextCorner, ele foi selecionado para participar do Startup Chile, programa de aceleração fundado em 2010 que dá apoio a empreendedores da América Latina.

De acordo com Peçanha, participar do Startup Chile foi uma das melhores experiências da sua vida. Além de ter a oportunidade de focar em trabalhar na sua própria empresa, ele desenvolveu suas habilidades de falar espanhol e o amor pelo reggaeton ;).

Em 2013, a TextCorner se fundiu com a empresa Everwrite, que analisava resultados de busca para definir temas de conteúdo para empresas. E assim nasceu a Rock Content, fruto do trabalho de Peçanha, Diego Gomes e Edmar Ferreira.

Na época, o Marketing de Conteúdo era um conceito pouco difundido no Brasil, e foi preciso muito trabalho para começar a educar profissionais de marketing de todo o país sobre o que era essa estratégia, e quais benefícios ela poderia trazer para uma empresa.

Profeçanha

Quem já viu alguma palestra ou vídeo do Peçanha sabe que ele é um ótimo professor. E por isso ele recebe o apelido carinhoso de “Profeçanha” dentro da Rock Content!

Desde o início da empresa, Peçanha (assim como os outros fundadores da empresa) se empenhou em ensinar tudo sobre Marketing de Conteúdo e SEO das mais diversas formas.

Tudo começou com o blog que você está lendo agora, o primeiro canal que a Rock Content criou para divulgar conteúdos sobre Marketing de Conteúdo.

O marketingdeconteudo.com sempre teve duas funções: educar o mercado sobre o assunto e ser um case de sucesso e prova viva de que a estratégia de Marketing de Conteúdo realmente funciona.

Afinal, foi através dele que a Rock Content conquistou milhares de clientes.

Além de escrever e publicar artigos sobre Marketing Digital, Peçanha também investiu em gravar vídeos para o canal do YouTube da empresa, e uma certificação gratuita em Marketing de Conteúdo que já passou da marca de 40.000 alunos.

E para complementar, sempre se disponibilizou a fazer palestras em todo o Brasil e disseminar o Marketing de Conteúdo para públicos diversos.

Com muito carisma e didática, Peçanha não só ensinou Marketing de Conteúdo para muita gente e ajudou a Rock Content  a crescer, como também conquistou uma legião de fãs!

E continua fazendo isso até hoje.

Top 5 lugares para aprender com o Vitor Peçanha

Conteúdos do Peçanha estão espalhados por toda a Internet. Para facilitar a sua vida, separamos 5 canais que você pode acessar para acompanhar o trabalho dele e aprender muito sobre Marketing Digital!

Obrigado pelo Marketing

Não satisfeito com artigos, vídeos, palestras e cursos, em 2017 Peçanha decidiu escrever um livro!

Nomeado “Obrigado pelo Marketing”, o livro explica todas as etapas para implementar uma estratégia de Marketing de Conteúdo, desde o planejamento até a geração de negócios.

Nele, Peçanha compartilha todos os aprendizados que teve com os 4 anos da Rock Content, e o objetivo é que seja um guia prático que atenda tanto quem quer começar uma estratégia de Marketing de Conteúdo quanto quem está buscando aprimorar os resultados dessa estratégia dentro da empresa.

Se você tiver interesse em adquirir esse futuro best seller, aproveite a pré-venda, até dia 30/10/2017, em que você ganhará mais de 1.000 reais em benefícios, além doar para uma ONG através da parceria com a Risü. Confira:

  • Cópia autografada (esgotado)
  • Acesso a um grupo fechado do Facebook, para ficar sabendo das novidades e conversar diretamente com o autor e outros profissionais da área. Também haverá conteúdos distribuídos exclusivamente no grupo.
  • Um ano de acesso ao curso de Mídias Sociais da Universidade Rock Content, no valor de R$497,00
  • 90 dias de acesso ao aplicativo 12 Minutos, para você melhorar seu aprendizado através da leitura de resumos de livros, no valor de R$74,70
  • Um mês de acesso ao SEMRush, no valor de R$660,00 + webinar exclusivo de treinamento, que é uma das ferramentas mais poderosas do mundo para pesquisas de palavras-chave
  • E mais novidades em breve…

Se inscreva na pré-venda aqui! Mas corra, a pré-venda só vai até o dia 15/10!

Dia da Melancia

Quem conhece a trajetória do Peçanha pensa que ele só começou a estudar sobre Marketing de Conteúdo depois que saiu da faculdade e fundou a TextCorner. Na verdade, a produção de conteúdos ricos começou muito antes disso, e o Dia da Melancia é a história que prova que Peçanha esteve sempre à frente do seu tempo!

Para um projeto de graduação, Peçanha e Diego Gomes (também co-fundador da Rock Content), em uma tentativa de aprender sobre marketing viral, decidiram criar um dia inédito que até então não existia, o Dia da Melancia.

No Dia da Melancia, milhares de melancias rolariam ladeira abaixo em uma rua de Belo Horizonte.

Além de uma página do Wikipedia e um site (www.diadamelancia.com.br, que já não existe mais), Peçanha e Diego divulgaram o Dia da Melancia criando conteúdos em vídeo que mostravam as diversas utilidades dessa fruta tão versátil. Um deles chegou a ter 84.000 visualizações!

Além de se divertirem à beça e desperdiçarem um bom número de melancias, com esse projeto Peçanha e Diego conseguiram ver na prática como a produção de conteúdo tem o poder de divulgar todo tipo de mensagem para milhares de pessoas por aí!

E o mais incrível de tudo é que o resultado final do dia da melancia foi que eles conseguiram o equivalente a mais de 15 mil reais em mídia espontânea, gastando uma fração disso (menos de mil reais).

Só não é mais impressionante que os números que eles conseguiram com a Rock Content!

Sem medo de colocar a mão na massa

Se tem uma coisa que podemos aprender com o Peçanha é nunca ter medo de fazer alguma coisa por iniciativa própria.

Ele mesmo conta que cresceu cercado de ferramentas, e desde criança aprendeu a consertar o que estava com defeito ou que podia ser melhorado. De trocar tomadas até construir o seu próprio fliperama, Peçanha nunca teve medo de resolver problemas com a mão na massa.

Isso também refletiu na sua vida profissional, e no crescimento da Rock Content.

Em 2012, Peçanha recusou um cargo público (antes de existir Rock Content Peçanha recusou o sonho de toda mãe para um filho, um concurso!) com toda a estabilidade e benefícios que esse tipo de carreira traz, para consertar uma coisa que podia melhorar: a maneira como as empresas brasileiras faziam Marketing.

E não foi só isso.

Desde ações que podem parecer pequenas, como construir as primeiras mesas da Rock Content ou gravar a Certificação de Marketing de Conteúdo com recursos bem primitivos, até passos mais estratégicos como gerenciar todas as operações de Customer Success da empresa.

Colocar a mão na massa sempre foi uma característica marcante do Peçanha!

Se você quer alguém para conversar sobre Marketing de Conteúdo, Vitor Peçanha é a pessoa certa.

Além de ter ajudado a introduzir o assunto no mercado brasileiro, produzido e divulgado conteúdos que ensinam centenas de pessoas todos os dias a começar e melhorar esse tipo de estratégia, ele ainda tem didática para ensinar, carisma para palestrar e como um bom mineiro, adora uma boa conversa!

Para acompanhar o trabalho desse guru brasileiro que tanto admiramos, não se esqueça de seguir a página oficial do Peçanha no Facebook e conectar com ele no LinkedIn.

Confira alguns dos outros nomes incríveis da nossa série de Profissionais do Marketing:

André Siqueira da Resultados Digitais

Rand Fishkin, o fundador da Moz

Avinash Kaushik, o mestre do Web Analytics

dicas email marketing

Dicas de email marketing: o que aprendi enviando mais de 6 milhões de emails pela Rock Content

Há exatos 12 meses, entrei na Rock Content sem ter muita experiência com email marketing.

Sim, eu já tinha feito disparos para milhares de pessoas pelo Mailchimp, trabalhado com algumas segmentações simples e acompanhado métricas como taxas de abertura, clique e conversões.

Mas nada tinha me preparado para enfrentar um volume, demanda e exigências tão grandes como as que temos aqui.

Em um ano, enviei mais de 6 milhões de emails que chegaram na caixa de entrada de pessoas em todo o Brasil (além de Portugal, Angola, Moçambique…).

Existem poucos profissionais de marketing no Brasil que têm a oportunidade de dedicar boa parte do seu tempo a estratégias de email marketing, e muito menos ainda que possuem à sua disposição uma base de centenas de milhares de contatos que pode ser usada como laboratório de testes e otimizações.

Felizmente, eu sou uma dessas pessoas sortudas (e agora também a Marina Cordeiro, nossa Analista de Email Marketing)!

Por isso, estou aqui para compartilhar com você algumas coisas que aprendi gerenciando a estratégia de email marketing dessa máquina que é a Rock Content.

Para esse artigo, escolhi aprendizados que acredito que não podem ser encontrados em conteúdos sobre boas práticas de email marketing que você pode ler por aí.

Bora lá?

“Você vai errar. Mas tudo bem, eu também já errei”

Essa foi a primeira frase que o Renato Mesquita, nosso Gerente de Marketing, me falou quando fui enviar meu primeiro disparo de email.

O email marketing pode ser cruel com o profissional que está por trás de cada envio. Ao contrário de outros canais de marketing digital, como redes sociais ou anúncios pagos, um email não consegue ser desfeito ou alterado depois que você clica o fatídico botão “enviar”.

Adicione a isso o fato que o email marketing é enviado em massa para centenas ou milhares de pessoas, e você tem a receita certa para pequenos infartos e muitos cabelos brancos.

Entre os 6 milhões de emails que enviei, pode ter certeza que muitos foram com erros. Vamos rir de alguns deles?

  • O email foi enviado com o remetente “Diego Gomes”, e o corpo do email dizia “Um abraço, Vitor Peçanha”;
  • O assunto foi com uma letra faltando;
  • Erros gramaticais e de digitação;
  • E o mais clássico: esqueci de colocar a variável de nome, e enviei email falando “Oi FIRSTNAME,….”.

Quem trabalha com email marketing vai errar, é inevitável. Mas separei algumas dicas que podem ajudar você a minimizar seus erros:

  • Planeje seu disparo com antecedência. Escrever um email na pressa é a receita para errar!
  • Redija cada email em um editor de texto, como o Google Docs. Ele vai te ajudar a identificar erros de gramática e de digitação;
  • No mesmo documento, inclua todos os detalhes do disparo, como data, hora, segmentação, nome e endereço do remetente;
  • Sempre envie um email de teste, tanto para você quanto para outra pessoa da sua equipe. Um outro par de olhos vai te ajudar a identificar erros que podem ter passado despercebidos.

E o mais importante: se errar, não desespere!

Caso você tenha cometido apenas um pequeno deslize, respire fundo e aprenda com a situação. Se o erro tiver sido grande, você sempre tem a alternativa de enviar outro email para as mesmas pessoas.

Quer ver um exemplo legal? Há um tempo, a Resultados Digitais enviou um email sobre o evento RD Summit que veio com o erro clássico da variável do nome no lugar onde deveria ser o real nome do destinatário (ou seja, onde deveria estar escrito “Juliana”, aparecia “*|FIRST_NAME|*”).

Como já mencionei, aqui na Rock também já cometi esse erro. Mas o profissional de email marketing por trás dos emails da RD consertou o deslize de um jeito ótimo. Enviando, em seguida, o email abaixo:

6 milhoes de emails

Endereços de email são um bem valioso

Construir uma lista de emails é muito legal, não é? Afinal, significa que várias pessoas estão interessadas em receber comunicações da sua empresa e ler o que você tem a dizer.

Mas você já pensou que cada endereço de email é uma potencial fonte de receita para sua empresa?

Confesso que comecei na Rock Content sem essa perspectiva, mas quando percebi que a nossa base de emails era, na verdade, uma fonte de renda a ser explorada, minha visão da nossa estratégia mudou completamente.

A partir de então, passei a planejar a estratégia de email marketing com muito mais cuidado. Quando você tem ciência que cada pessoa na sua lista de emails pode vir a se tornar um cliente, você se torna muito mais responsável pelas suas ações.

Antes de começar a disparar emails, portanto, é preciso ter o mindset de que sua base de contatos também pode ser traduzida em resultados financeiros. E quem envia emails é um dos grandes responsáveis por converter contatos em receita!

Esse mindset é o que vai fazer com que você tenha uma estratégia incrível, e não apenas mediana.

A caixa de entrada também é um canal de relacionamento

Você sabe que redes sociais são um dos melhores canais de relacionamento para quem tem uma estratégia de marketing digital. Mas você sabia que o email marketing pode ser tão bom quanto (ou até melhor)?

Quando alguém fornece seu endereço de email para receber mensagens da sua empresa, esta pessoa está dando um passo muito grande na construção do relacionamento entre vocês.

Afinal, nossa caixa de entrada é um espaço onde recebemos não só comunicações de empresas e marcas que gostamos, mas também mensagens de familiares e colegas de trabalho, documentos importantes e alertas essenciais como notificações de bancos ou cartão de crédito.

Atualmente, muitas pessoas passam grande parte do dia no email para resolver questões pessoais e de trabalho. E isso é o que torna o email marketing um ótimo canal de relacionamento.

Quando entrei na Rock, não tinha nem ideia da quantidade de pessoas que respondiam email marketing (e a Marina, nossa analista dedicada a essa estratégia hoje, também se assustou)!

Todos os dias recebemos, em média, 50 emails vindos de pessoas que estão na nossa base de contatos. Os motivos são diversos: muitas pessoas nos agradecem pelos conteúdos que enviamos, outras compartilham suas opiniões, pedem conselhos, solicitam contato para entender mais sobre o negócio da Rock e por aí vai.

O mais importante: respondemos 100% dos emails que recebemos dos nossos leads. Isso contribui para que a gente consiga criar uma relação pessoal entre a Rock Content e as pessoas que estão na nossa lista de contatos.

Afinal, por trás dos computadores existem seres humanos, e um bom profissional de marketing nunca pode se esquecer disso.

Quer saber como você pode tornar sua estratégia de email marketing em um canal de relacionamento? Separei algumas coisas que aprendi ao longo desses meses:

    • Envie disparos usando o nome e endereço de email de uma pessoa real. Se o objetivo é estabelecer um relacionamento com quem recebe seus emails, ser visto como “contato@empresa.com.br” vai tornar isso muito mais difícil do que se você for o “Fulano da empresa tal”. Tradicionalmente, a estratégia de email marketing da Rock Content é feita usando a imagem do nosso co-founder, Vitor Peçanha. Mas hoje em dia já usamos outras personalidades da empresa, como o Diogo Romero (especialista em conteúdos para o setor de educação) e a Luiza Drubscky (que se comunica com a comunidade de freelancers). E são eles mesmo que respondem todos os emails recebidos!
    • Converse com seus leads. Já bati muito nessa tecla, mas o email é uma ótima maneira de manter um diálogo com as pessoas que estão na sua base de contatos. Responder cada email com cuidado pode tomar alguns minutos do seu tempo e nem sempre o retorno é óbvio, mas acredite que ele virá! Já houveram casos de pessoas que vieram a se tornar clientes da Rock por causa de uma conversa que começou pelo email marketing. 🙂

Existe uma linha tênue entre email marketing e spam

Se você está lendo esse artigo, sabe que o email marketing não morreu. Afinal, se tivesse morrido, eu não estaria aqui para contar história (e nem teria contratado uma pessoa para se dedicar ao email marketing full-time)!

Mas existe um motivo que leva as pessoas a pensarem que o email marketing morreu. E isso acontece porque ele é relacionado ao spam.

Pode parecer muito fácil ter uma estratégia de email marketing que não é spam. Basta não comprar listas de emails e não enviar conteúdos ilícitos. Certo?

Errado!

Quando entrei na Rock Content, recebíamos muitas reclamações dos nossos contatos dizendo que eles recebiam emails nossos em excesso, que não queriam mais estar na nossa lista de contatos e até mesmo que não sabiam como haviam parado na nossa base.

Todas as percepções acima são suficientes para que uma, duas, ou centenas de pessoas te marquem como spam — e você acabe nunca chegando na caixa de entrada de quem você quer atingir!

É por isso que eu digo que existe uma linha tênue entre email marketing e spam. E há um ano, nós mesmos estávamos cruzando essa linha em direção à insatisfação dos nossos assinantes.

O objetivo se tornou, então, enviar emails que nossos contatos amariam receber, tanto pelo conteúdo quanto pela frequência.

E o que fizemos?

Reduzir a frequência de emails recebidos por contato

Em primeiro lugar, começamos a acompanhar quantos emails cada contato recebia, em média, por semana. Decidimos que cada lead da nossa base só poderia receber um email no período de 7 dias, nunca mais que isso. Desde então, toda vez que enviamos um email, excluímos do disparo todas as pessoas que receberam emails nossos nos últimos 6 dias.

Dessa maneira conseguimos garantir que não estaremos enchendo a caixa de entrada de ninguém, e ao mesmo tempo conseguimos manter uma frequência boa de emails para que ninguém se esqueça da nossa existência.

É importante ressaltar que a frequência ideal de envios de email varia de empresa para empresa, já que cada base de contatos se comporta de maneira diferente. Portanto, faça testes para estabelecer o que funciona melhor para sua estratégia!

Ter atenção redobrada com segmentações

Além da frequência de envios, trabalhamos também para eliminar a possibilidade de um contato receber o mesmo disparo múltiplas vezes. Isso acontece frequentemente com quem segmenta os envios de email, e se você faz isso, tenha atenção redobrada.

Vou ilustrar a situação. Imagine que vamos lançar o ebook “Guia do Marketing Digital” para os seguintes segmentos:

  • Analistas de marketing;
  • Pessoas que trabalham em agência;
  • Pessoas que já fizeram a Certificação de Marketing de Conteúdo da Rock Content.

O ideal, em toda estratégia de email marketing, é segmentar seus disparos para que cada perfil de pessoa receba a mensagem mais personalizada possível. Portanto, no caso do nosso lançamento, vamos escrever um email diferente para cada segmento.

Na hora de enviar, criamos as 3 listas e configuramos nosso disparo. Até aí tudo bem, mas imagine se existe um analista de marketing que trabalha em uma agência e já fez nossa certificação? Essa pessoa receberia o mesmo lançamento três vezes! E isso pode ser traduzido em uma palavra: spam.

Como os disparos da Rock são extremamente segmentados, para remediar essa situação e certificar que ninguém vai receber versões diferentes do mesmo disparo, fazemos o seguinte passo a passo:

  1. Escrever quais segmentações vão receber a campanha de email;
  2. Determinar a ordem de prioridade de cada segmentação (por exemplo, Analistas de Marketing têm prioridade sobre profissionais de agências, que por sua vez têm prioridade em relação a certificados em Marketing de Conteúdo). Isso vai ser importante para o próximo passo;
  3. Na hora de configurar o disparo, incluir a segmentação que você vai enviar e excluir as que possam conter pessoas em comum. No nosso exemplo, se estou configurando o disparo para certificados, incluo a lista de certificados e excluo profissionais de agências e analistas de marketing. Na hora de configurar o envio para profissionais de agências, excluo analistas de marketing. E no disparo para analistas de marketing, não excluo nenhuma lista pois estabelecemos que esse perfil é a prioridade e deve ter o maior volume de contatos.

Evitar o envio de emails segmentados para a mesma pessoa duas vezes é um exercício de raciocínio lógico (que pode até parecer impossível), mas o meu conselho é antes de enviar emails segmentados, pense se existe a possibilidade de alguém atender a mais de um critério ao mesmo tempo!

Não pedir o lead em casamento antes da hora

Essa frase soou estranha, eu sei. Mas vou explicar. Uma vez vi um vídeo do Ryan Deiss (do blog Digital Marketer) no qual ele explicava que o email marketing é como um relacionamento amoroso tradicional.

Na vida real, você conhece a pessoa, sai para vários encontros com ela, vocês se conhecem melhor, começam a namorar, e só depois disso tudo casam. Seria estranho se duas pessoas se conhecessem e uma delas pedisse a outra em casamento no mesmo dia, não seria?

O mesmo deve acontecer no relacionamento com seus contatos por email. Se a pessoa acabou de assinar sua newsletter, por exemplo, respeite o espaço dela e não encha sua caixa de entrada com ofertas de materiais ricos, ou até mesmo perguntando se ela deseja falar com o time comercial da sua empresa.

Isso pode assustar quem você teve o trabalho de atrair.

Portanto, um dos grandes aprendizados como gerente da estratégia de email marketing da Rock foi respeitar o tempo e o espaço dos leads. Hoje em dia, temos cuidado redobrado para enviar os conteúdos certos, para as pessoas certas, na hora certa.

A melhor maneira de começar seu relacionamento com o pé direito é um simples email de boas-vindas depois que a pessoa entra na sua base de contatos. Esse email é como seu primeiro encontro com o lead. Desde esse momento, você estará construindo uma relação gradual com ele, e ele já vai saber o que esperar de você.

Se você trabalha ou já trabalhou com email marketing, sabe que a prática demanda mais que a teoria. Enviar emails pode parecer uma tarefa simples e um tanto quanto operacional, mas a verdade é outra.

Uma boa estratégia de email marketing, que gera resultados de verdade, só é feita com tempo, planejamento estratégico, organização, mão de obra, análise e muitas tentativas e erros!

Depois de enviar mais de 6 milhões de emails, tenho a confiança de, pelo menos, ter aprendido muita coisa no caminho. E espero que você tenha aprendido algo novo depois da leitura desse artigo!

Se você quer saber mais sobre email marketing, recomendo um material fantástico que temos sobre o assunto, o ebook gratuito “Email Marketing: guia para campanhas de sucesso”. Vai ser um prazer ter você como lead. 🙂

Ah, e qualquer dúvida, deixe nos comentários ou me mande um email no clara@rockcontent.com.

Quem é André Siqueira

Quem é André Siqueira? Saiba tudo sobre o co-fundador da Resultados Digitais

Se você trabalha com inbound marketing ou se mantém informado sobre o assunto, com certeza já deve ter ouvido falar da ferramenta de automação de marketing RD Station, desenvolvida pela empresa líder no assunto da América Latina, a Resultados Digitais.

Fundada em 2010, a Resultados Digitais é uma das empresas de SaaS que mais cresce no Brasil hoje em dia. Em 2016, eles alcançaram a marca de de 8.000 clientes, e nada disso seria possível sem uma grande estratégia de marketing.

O nome por trás do Marketing da Resultados Digitais é André Siqueira, co-fundador e Head de Marketing da empresa. Formado em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina, André tem mais de 8 anos de experiência no mercado de Marketing e hoje é uma das grandes referências brasileiras no assunto.

Acompanhar o trabalho de profissionais de destaque, como André Siqueira, é fundamental para quem quer se manter atualizado sobre o mercado. Por isso, aprenda conosco sobre quem é André Siqueira e como ele tem impactado o cenário de Marketing Digital do Brasil!

Você não precisa fundar uma empresa para ser empreendedor

A história da Resultados Digitais começou em 2005 com Eric Santos, atual CEO da empresa. Nessa época, Eric era dono de outra empresa, a Praesto, que desenvolvia aplicativos para celular.

Foi pesquisando sobre estratégias de marketing que fossem viáveis para promover a Praesto que Eric encontrou o conceito de inbound marketing e assim nasceu a ideia da Resultados Digitais.

Para compor a sociedade da Resultados Digitais, Eric convidou quatro profissionais, que já tinham sido estagiários na Praestro: Guilherme Lopes, Bruno Ghisi, Pedro Bachiega e nosso destaque desse artigo, André Siqueira.

André, assim como os outros sócios da Resultados Digitais, se destacaram aos olhos de Eric Santos por demonstrarem espírito empreendedor mesmo antes de começarem a empresa.

E o que podemos aprender com isso?

Todo mundo que trabalha em uma empresa tem a possibilidade de ser um intraempreendedor. Ou seja, executar ações e projetos que promovem a inovação dentro da sua empresa.

O profissional que é intraempreendedor possui a capacidade de analisar cenários, encontrar oportunidades e implementar ideias independentemente da posição que ocupa na empresa.

Além disso, a empresa que possui a cultura de intraempreendedorismo consegue se destacar muito mais no mercado, pois possui em cada colaborador uma pessoa preocupada em gerar mais valor para a organização.

Muitas pessoas acreditam que é preciso abrir uma empresa para empreender, mas a trajetória do André Siqueira nos mostra que é possível se destacar como um empreendedor enquanto você trabalha em uma empresa. E isso pode te levar muito mais longe do que você imagina!

Como o André Siqueira ajudou o mercado brasileiro de Marketing Digital a chegar onde estamos hoje

Em 2010, a Resultados Digitais começou a primeira versão do seu blog, chamado de Sistemarketing. Foi assim que começaram a trabalhar o tema de Marketing Digital e Inbound Marketing no Brasil.

Educar um mercado sobre um assunto pouco conhecido não é uma tarefa fácil. Na Rock Content, mesmo, vivemos isso com o universo do Marketing de Conteúdo.

Por isso, tiramos o chapéu para o André Siqueira que liderou as operações de marketing da Resultados Digitais desde quando tinham que ensinar para profissionais de todo o Brasil o que era, afinal, esse tal de Inbound Marketing e como a automação de marketing poderia ajudar a vida deles.

Se hoje temos uma grande disponibilidade de materiais online que explicam tudo sobre Marketing Digital e Inbound Marketing, grande parte disso é graças ao CMO da Resultados Digitais.

E isso não é tudo. O mercado que gira em torno do Inbound Marketing vem ganhando cada vez mais força no Brasil. Desde agências especializadas no assunto, empresas que fazem estratégias de produção de conteúdo (oi!), freelancers que ganham a vida com esse mercado, ferramentas que facilitam processos como automação de marketing e SEO, e por aí vai.

A participação da estratégia de Marketing da Resultados Digitais no crescimento do mercado brasileiro em geral, foi gigante! Afinal, eles foram pioneiros no assunto.

E agora também estão ajudando o crescimento do mercado da América Latina.

Ou seja, quem trabalha com Marketing Digital não seria tão bem informado se não fosse pelo André Siqueira.

Além de ser uma ótima referência para quem quer aprender tudo sobre esse universo, os conteúdos que saem da equipe de Marketing da Resultados Digitais estão sempre atualizando os profissionais da área sobre o que está acontecendo de novo, novas ferramentas lançadas e como aplicar na prática estratégias que poucos fazem.

3 diferenciais de um grande profissional de marketing

Enquanto você não pode ser o André Siqueira, pode trabalhar as habilidades que já possui para ser um grande profissional de marketing.

Além do intraempreendedorismo, que já falamos acima, outras características são fundamentais em um profissional que quer despontar nesse mercado.

Separamos abaixo 3 traços que vemos tanto no André Siqueira quanto em outros nomes do mercado que também são inspiração para muitos.

Sede de aprender

Quem trabalha com Marketing precisa estar sempre por dentro das mudanças do mercado e das novas tecnologias que aparecem a cada dia. Além disso, é preciso também estar por dentro das tendências e dos hábitos dos potenciais clientes. Por isso, nunca paramos de aprender.

E o que não faltam são recursos na Internet para aprimorar os seus conhecimentos. Desde blogs e livros até vídeos e cursos, não tem desculpa para não estar por dentro das novidades e aprendendo algo novo todos os dias.

Temos certeza que o André Siqueira não estaria liderando uma equipe de Marketing tão inovadora se não tivesse essa sede de aprendizado!

Proatividade para ensinar

Em uma entrevista para a agência friendsLab, André disse que um dos grandes benefícios do Inbound Marketing para uma empresa é a oportunidade de educar o mercado.

Além de ser uma utilidade para gerar novas vendas, conteúdos que educam também agregam propósito para a empresa, pois ela vai estar contribuindo com o conhecimento de vária pessoas.

Por isso, um grande profissional de marketing é aquele que tem vontade e proatividade para passar seus conhecimentos adiante.

Seja para os colaboradores da sua própria empresa, para seus potenciais clientes ou para outros profissionais do mercado, tenha em mente que você sempre terá algo para ensinar se estiver aprendendo constantemente!

Flexibilidade para mudanças

Crescer com Marketing Digital significa estar apto a mudar todos os dias. Nenhuma empresa que tem uma estratégia forte de Marketing hoje em dia, faz as mesmas ações que fazia há 5 anos. E temos certeza que a Resultados Digitais não foge à regra.

Ser flexível para mudar desde pequenos detalhes até grandes partes da sua estratégia pode ser o segredo para crescer constantemente. Afinal, um grande profissional de Marketing não pode ficar para trás das evoluções do Marketing Digital!

Obrigada, Dé!

A equipe de Marketing da Resultados Digitais é gigante, não apenas em tamanho mas também em capacidade e qualidade de trabalho.

E com certeza a Resultados Digitais não teria crescido tanto se não fosse pela liderança de André Siqueira.

O Marketing da Resultados Digitais deve ser uma fonte de inspiração para qualquer equipe de Marketing. Estão sempre à frente de novas estratégias, novas tecnologias e cada dia aparecem com uma maneira nova de atrair mais visitantes, leads e potenciais clientes.

É por isso que eles são uma das maiores referências para o Marketing da Rock Content. Somos uma equipe de 23 pessoas extremamente competitivas, e acompanhamos o trabalho da Resultados Digitais com brilho nos olhos e vontade de ser sempre melhor. Como amigos, claro!

Como o próprio André Siqueira já disse, no esporte vemos que um grande oponente é sempre uma oportunidade de elevar o nível da sua performance constantemente.

E é por isso que nosso time tem muito a agradecer. Obrigada, Dé, por ser tão animal!

Confira outros posts da nossa série profissionais de marketing:

Vitor Peçanha, co-fundador da Rock Content

Rand Fishkin, fundador da Moz

O guru do Marketing Digital Neil Patel

O guru do Analytics Avinash Kaushik