Diogo Romero

Especialista em Marketing Digital para Instituições de Ensino.

Bacharel em relações internacionais, especialista em gerenciamento de projetos, blogueiro, ex modelo em atividade, totalmente apaixonado por educação e motocicletas.
20 publicações feitas.



marketing digital para otimizar captacao de alunos

Como montar um planejamento de Marketing Digital para otimizar sua captação de alunos [EAD Summit]

O mercado de educação no Brasil sofreu relevantes transformações nos últimos anos. Ao perceber o aumento crescente da competição, instituições de ensino se viram na necessidade de pensar em diferentes formas e táticas para se promover e diferenciar de suas concorrentes.

Esse fator, somado à indiscutível influência da internet em nosso dia a dia, fez com o Marketing de Conteúdo se apresentasse como estratégia extremamente favorável, não só para criar autoridade, mas também para atrair e captar novos alunos e, não obstante retê-los.

Bom, até agora tudo bem: mas por onde eu começo?

Todos os dias converso com reitores, diretores e analistas de marketing de universidades que têm essa mesma dúvida. Mas, para poder ajudá-los de verdade, eu preciso perguntar: como você está agora no cenário digital?

Hoje em dia, estar presente em canais virtuais é obrigatório para basicamente existir no mercado, mesmo que sua estratégia ainda esteja imatura. O planejamento de todo o escopo do seu marketing digital começa na análise e compreensão do cenário atual:

  • O que você pretende fazer para aumentar a visibilidade online da sua IES?
  • Você está convertendo leads ou inscritos? Sim, leads e inscritos são momentos de conversão distintos.
  • Você mantém um relacionamento com esses prospects em toda a jornada de compra?

Se você não sabe a resposta para alguma (ou nenhuma) das perguntas acima, não tem problema: na palestra abaixo (originalmente exibida no EAD Summit 2016), você vai conferir todos os aspectos e fatores a se considerar ao montar um planejamento de Marketing Digital para a sua instituição.

Espero que ele te ajude a entender melhor onde você está agora e o que você deve fazer para chegar onde quer estar. Mas, se ainda restarem dúvidas depois de assistir ao vídeo, estou sempre às ordens para esclarecê-las!

Pós-graduação em marketing digital

Pós-graduação em marketing digital: o que considerar antes da matrícula?

Quando o assunto é marketing digital, sabemos que é preciso investir em atualização constante para ter sucesso nessa carreira.

As ferramentas mudam frequentemente, e o comportamento do consumidor mais ainda. Por isso, cada vez mais profissionais têm o desejo de investir em uma especialização para se tornarem experts na área.

O título de especialista é muito válido e pode abrir muitas portas na sua carreira.

A graduação nos dias de hoje já não é mais considerada um diferencial, mas sim um requisito básico. Dessa forma, para ocupar postos de trabalho mais elevados como cargos de liderança, a pós-graduação se tornou essencial.

Além disso, fazer uma pós-graduação é uma oportunidade única para conhecer outros profissionais de referência do segmento.

E mais: ampliar essa rede de contatos é obrigatório para os profissionais que almejam o sucesso. Afinal de contas, ninguém realiza nenhum projeto grandioso sozinho.

Mas, antes de tomar a decisão sobre a escolha de uma pós-graduação em marketing digital, é preciso refletir sobre algumas questões para garantir a satisfação com o curso.

Confira, a seguir, quais são elas:

A possibilidade de aprender o conteúdo de outras maneiras

Como o mercado de marketing digital exige competências muito dinâmicas e atuais, pensar sobre outras formas de aprender é uma excelente solução.

Por que uma coisa é fato: as empresas não querem apenas profissionais rotulados, mas pessoas que saibam resolver problemas e propor novas ideias a qualquer momento.

Com isso, as certificações em curto prazo são muito bem vistas pelas empresas e possuem um valor acessível.

Universidade da Rock, por exemplo, é um canal exclusivo que oferece várias opções para você se capacitar rapidamente e ser certificado em temas extremamente atuais, ligados ao marketing digital.

Apesar de a faculdade fornecer uma noção sobre as teorias (o que é muito importante), as instituições de ensino não preparam o aluno para executar ferramentas e estratégias de mercado.

Muitos profissionais pós-graduados entendem tudo sobre a teoria mas na prática, não conseguem lidar com os imprevistos do marketing e alcançar resultados expressivos.

Sendo assim, considere a possibilidade de buscar conhecimento em cursos de curta duração e mais práticos.

Consequentemente, essas capacitações demandam um investimento menor do que uma pós-graduação.

O nível de conhecimento do corpo docente

Observar o currículo dos professores é interessante para entender qual é a especialidade de cada um deles. Além do mais, é preciso analisar com cautela a grade curricular proposta pelo curso.

Outro ponto importante é conversar com as pessoas que já fizeram essa pós-graduação. Isso ajuda muito, pois esses alunos provavelmente têm as mesmas preocupações que você.

Entender como o curso contribuiu na vida profissional de cada um e a maneira como a instituição trabalha são fundamentais para te auxiliar nessa tomada de decisão.

Além disso, entenda com clareza qual é o seu objetivo antes de iniciar uma pós-graduação. Isso pode evitar muitas frustrações e, quando você determina um propósito, fica mais fácil de avaliar o resultado das suas escolhas.

Seja para conseguir um bom emprego, mudar os rumos da sua carreira ou complementar o seu conhecimento prático, saiba exatamente por qual motivo você deseja fazer esse investimento.

Assim, você terá condições de avaliar se essa experiência realmente te ajudou a conquistar o que você pretendia.

A possibilidade de investir em outras formas de aprendizado

Os eventos presenciais também são excelentes para fazer networking e se atualizar sobre as tendências do mercado digital.

Você também pode optar por investir o seu dinheiro participando de palestras e workshops, por exemplo.

Participar desses encontros também atrai muita visibilidade para o seu currículo, pois isso mostra que você está sempre em busca de conhecimento. E sabemos que, tratando-se do universo digital, as empresas valorizam bastante os profissionais que estão sempre bem informados.

Mas tenha cuidado ao decidir fazer uma pós-graduação, pois não é recomendado investir nesse conhecimento logo no início da carreira.

É muito importante que o profissional seja experiente e consiga identificar com quais funções tem mais prazer antes de se especializar.

A atualização da área de marketing digital

Apesar de parecer óbvio, isso deve ser levado em conta antes de fazer a sua matrícula em uma pós-graduação. Diante dessa velocidade nas transformações digitais, as instituições correm sérios riscos de oferecem conteúdos ultrapassados.

Muitas vezes, é válido esperar pelo menos 1 ano após a sua graduação para que o curso se renove e acompanhe as novidades do segmento. Participar das primeiras turmas da instituição pode ser um grande risco.

Fique atento aos conhecimentos exigidos pela maioria das empresas e veja se as faculdades correspondem a essas exigências de mercado.

Caso contrário, você pode acabar investindo em um curso com uma estrutura curricular obsoleta, especialmente se tratando de marketing digital.

A visão do mercado sobre o curso

Escolher uma faculdade reconhecida pelo mercado é muito importante para o currículo, mas não é o bastante. É preciso entender como as empresas estão enxergando esse tipo de capacitação.

Procure perceber se a pós-graduação é um pré-requisito para contratar profissionais da área que pretende atuar. Além disso, observe as qualificações de importantes referências desse mercado.

Os grandes influenciadores do marketing digital possuem que tipo de formação? É importante identificar esses detalhes para se inspirar e não se decepcionar mais tarde com a escolha do curso.

Afinal, no segmento de marketing digital, muitas vezes as formações práticas agregam maior valor no dia a dia do que uma especialização. No entanto, é fundamental se especializar e ter um título que comprove a sua busca por uma qualificação mais profunda.

Sem dúvidas, para ser um profissional eficiente de marketing digital é preciso ter um embasamento teórico e, sobretudo, saber aplicar na prática as ferramentas e estratégias aprendidas.

A pós-graduação em marketing digital não é garantia para o sucesso, mas pode ser um excelente atributo na sua trajetória profissional.

Além disso, para se destacar nesse universo, é importante ter uma curiosidade eterna. A pesquisa é uma forte aliada dos profissionais bem sucedidos de marketing digital.

Então aproveite a oportunidade para conferir as 10 lições de marketing aprendidas pelo time da Rock e se inspire!

marketing médico

Como fazer Marketing Médico corretamente e atrair mais pacientes para a sua clínica

Não é novidade que o consumidor atual é muito mais exigente e antenado que antigamente. Além disso, as pessoas também estão mais preocupadas com a saúde, de forma geral.

Por conta disso, o Google passou a ser a primeira opção na hora de pesquisar sintomas e encontrar especialistas bem avaliados por outros na web.

Isso abre uma ótima oportunidade para que médicos consigam atrair mais pacientes e fidelizá-los por meio de estratégias de marketing bem feitas.

Mas, será que vale mesmo a pena investir no marketing médico ou o modelo de indicações já usado é suficiente? Quais os meios para se fazer isso? O que pode e não pode fazer?

Veja a resposta a essas e outras perguntas nesse guia prático!

Neste artigo você vai aprender:

Por que vale a pena investir no marketing médico

Para muitos, o bom e velho boca a boca parece funcionar muito bem, sem contar os catálogos de convênio que disponibilizam o contato dos médicos parceiros e garantem um bom número de consultas.

Mas, será que por isso vale a pena descartar logo de cara o marketing médico? Com certeza não! Mas é preciso olhar além do óbvio, nesse caso. Como assim?

O objetivo aqui não é só conseguir mais pacientes, e sim ajudar mais pessoas. Isso acontece de duas formas.

Primeiro, por produzir conteúdo relevante, pode ajudar muitas pessoas a buscar informações e ajuda diretamente com um profissional, mesmo que não seja você.

Segundo, o marketing bem feito cria uma relação mais estreita com o público, ou seja, com seus pacientes. Assim, eles terão mais confiança no seu trabalho e reagirão melhor aos tratamentos e soluções prescritas.

E, é claro, além de tudo isso você vai conseguir mais pacientes, se posicionará como autoridade na sua área de especialidade e poderá, por conta disso, encontrar oportunidades profissionais ainda melhores.

Como fazer marketing médico com sucesso

Em toda estratégia de marketing é preciso seguir alguns passos básicos, fundamentais para o sucesso.

Veja a seguir o que você precisa fazer para montar um planejamento sólido sem desviar o foco do que é mais importante, a sua prática da medicina:

Defina seus objetivos

Há vários objetivos diferentes que você pode buscar com o seu programa de marketing, e já até os citamos aqui brevemente.

Mas veja novamente, de forma mais clara, algumas metas que você pode estabelecer:

  • Conquistar mais pacientes;
  • Fidelizar os pacientes atuais;
  • Se posicionar como autoridade em determinada área da saúde ou tipo de tratamento;
  • Educar a sociedade sobre a importância de certas atividades ou perigos de alguma doença específica.

Não importa quais são seus objetivos, eles vão definir as ações no restante do planejamento. 

Escolha suas estratégias

Há muitas estratégias de marketing à disposição, por isso tentar tudo de uma vez pode ser um caminho muito confuso e pouco eficaz.

A melhor saída é entender o que envolve cada estratégia, seja de marketing digital ou tradicional, e escolher as que fazem mais sentido no seu caso.

Mais à frente nesse artigo vamos te dar algumas dicas sobre isso, então continue lendo!

Busque parceiros capacitados

Da mesma forma que você precisou de um bom tempo estudando medicina para cuidar dos pacientes, é importante buscar pessoas que estudaram para trabalhar com marketing.

Além disso, uma estratégia de marketing leva tempo, e você não poderia se dedicar a ela sem desperdiçar muito tempo tratando dos pacientes.

Por isso, escolha parceiros qualificados para montar um plano de marketing, de acordo com as estratégias que resolver adotar.

Acompanhe os resultados

Por fim, é importante acompanhar o progresso de cada tática aplicada no marketing para saber se está surtindo efeito ou não.

Em alguns casos, mudanças podem ser necessárias para que os objetivos que você definiu sejam alcançados.

Essa é uma parte importante do processo de marketing, e os parceiros que você contratar devem saber como fazer isso.

4 estratégias certeiras para o marketing médico

O marketing — principalmente o digital — conta com uma enorme variedade de estratégias para dar retorno.

Mas quais delas se encaixam bem no marketing médico? Separamos apenas 4 para te ajudar a começar bem, tanto online como de forma tradicional. Veja quais são:

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo é uma das principais formas de atrair pessoas hoje em dia, porque apresenta um retorno sobre investimento muito alto.

Através de conteúdo que seja relevante para o tipo de pessoa que você quer alcançar, será possível conseguir a atenção do seu público-alvo e ajudá-lo de verdade.

marketing de conteudo primeiros passos

E-mail marketing

O e-mail marketing é uma ferramenta é ótima para cultivar o interesse de quem já demonstrou interesse no seu conteúdo.

Por meio de uma newsletter, você pode fidelizar o público e ajudá-lo de forma ainda mais personalizada, com informações segundo os interesses dele.

Se você ainda tiver dúvidas, existem pelo menos 20 motivos para fazer uso do e-mail marketing!

Site pronto para conversão

Um site bem projetado e pronto para conversão deve ser uma das suas prioridades ao investir no marketing médico. Por quê?

Diferentemente das redes sociais, você pode fazer uso do site para captar pacientes, então é importante otimizar ao máximo esse canal para isso. Como?

Design responsivo, ou seja, um site preparado para ser usado mesmo em dispositivos móveis, é uma forma. Além disso, há muitas outras formas de otimizar um site para conversão.

guia definitivo do blog corporativo

Identidade visual

Uma identidade visual bem clara e esteticamente agradável é importante para que o público reconheça facilmente que se trata do seu consultório.

Essa identidade precisa estar clara em todos os canais de comunicação que você utilizar, seja seu site e perfis nas redes sociais ou num cartão de visitas e receituário.

Como usar as redes sociais no marketing médico

As redes sociais também fazem parte do leque de opções para trabalhar bem o seu marketing, mas são tantas redes que resolvemos falar de cada um separadamente.

Além disso, é importante lembrar que algumas práticas normalmente usadas por empresas nas redes sociais não são permitidas no marketing médico.

Então veja ao que você precisa ficar atento e como usar o máximo que essas ferramentas oferecem sem violar nenhuma lei:

Facebook

Antes de mais nada, é importante que você evite criar um perfil pessoal para a sua prática médica. Em vez disso, é apropriado usar o recurso próprio para marcas e negócios, chamada fanpage.

Esse tipo de página oferece muito mais recursos próprios para que você cultive uma relação próxima com seus pacientes, compartilhe conteúdo relevante e até escolha o tipo de público que deve receber suas postagens.

Twitter

O Twitter é uma rede social dinâmica, em que os usuários compartilham mensagens curtas, de até 140 caracteres, e é um dos principais veículos para transmitir novidades e notícias ao vivo.

Algumas maneiras de usar bem o Twitter incluem compartilhar links relevantes sobre saúde, enviar alertas das agências de saúde e destacar os benefícios de certas práticas de prevenção, por exemplo.

Instagram

O Instagram tem crescido tanto em alcance que fica impossível ignorar o seu uso também no marketing médico. Mas como ele pode ser usado?

Essa rede é mais voltada para fotos e vídeos curtos, e tem um tom leve e divertido. Então, é importante não adotar um tom sério demais ao usá-la.

Uma boa ideia é destacar fotos e vídeos que destaquem curiosidades e fatos importantes sobre diferentes doenças e tratamentos. Procure usar imagens de alta qualidade, que atraiam os seguidores.

LinkedIn

O LinkedIn é uma rede social com objetivo profissional, ou seja, você pode se conectar tanto com seus pacientes quanto com colegas de profissão.

Sendo assim, além de ser um canal de marketing essa rede também é um bom lugar para fazer networking e promover sua marca pessoal.

Use o LinkedIn também para expor artigos publicados em periódicos médicos, mostrar sua capacitação e histórico profissional.

Kit Marketing nas Redes Sociais

Redes específicas

Algumas redes sociais específicas, voltadas para a comunidade médica ou para promover e facilitar a relação entre médicos e pacientes, também são relevantes.

Algumas dessas redes incluem:

  • iMeds: Exclusiva para médicos com CRM em dia, professores e estudantes de medicina em instituições reconhecidas pelo MEC;
  • Ology: Outra rede exclusiva para médicos, tem vários recursos úteis para o dia a dia, e pode ajudar na busca por estratégias de marketing médico válidas.

Bônus: Whatsapp

É verdade que o Whatsapp não é bem uma rede social, mas é uma excelente ferramenta de comunicação que pode ser usada para oferecer atendimento personalizado aos pacientes.

Como vamos ver a seguir, não é permitido consultar ou diagnosticar alguém à distância, mas o app ainda pode ser usado para tirar dúvidas simples, relembrar procedimentos, enviar resultados de exames, etc.

6 erros a evitar na sua estratégia de marketing

A prática do marketing médico é regulada pelo Conselho Federal de Medicina, e não pode simplesmente seguir o que outras indústrias fazem sem problemas. É fundamental saber fazer um marketing médico de forma ética.

Os 6 erros a seguir precisam ser evitados a todo custo, para evitar que a divulgação se torne motivo de dor de cabeça:

Anunciar uma especialidade que você não possui

Além de antiético, é absolutamente proibido pelo Conselho Federal de Medicina anunciar uma especialidade que você não possui para tratar dos pacientes.

Isso é proibido mesmo de forma indireta, talvez por dar a entender que trata de determinados órgãos ou atende pacientes com certas doenças.

Esse tipo de divulgação deve ser feito somente por profissionais devidamente especializados em áreas e funções reconhecidas pelo CFM.

Ter seu nome envolvido em propaganda enganosa

Esse ponto é bastante óbvio para qualquer marca que se preze, mas no marketing médico ele tem implicações ainda mais sérias.

O conceito de propaganda enganosa é muito amplo, por isso você deve tomar cuidado extra sobre a que tipo de marcas e produtos vai associar o seu nome e a imagem do seu consultório.

Afinal, não importa se a iniciativa de fazer propaganda falsa foi sua, a responsabilidade é a mesma só por permitir ser mencionado em promoções assim.

Anunciar aparelhagem como forma de mostrar capacidade superior

Talvez você tenha feito um grande investimento em aparelhos de alta qualidade para o seu consultório, enquanto sabe que outros não tem nem de longe uma estrutura tão boa.

A sua primeira ideia poderia ser divulgar essa aparelhagem como um diferencial, certo? Acontece que isso não é permitido pelo CFM.

Uma boa forma de indicar que possui a estrutura necessária seria indicar a importância desses equipamentos em diagnósticos e tratamentos por meio de conteúdo relevante, como posts de blog abordando o assunto.

Exibir fotos de pacientes

Exibir fotos de pacientes, seja na forma das famosas e selfies ou em comparativos do tipo “Antes e Depois” também é uma prática que vai contra o regulamento do marketing médico.

E caso você esteja se perguntando, mesmo que tenha a permissão dos pacientes isso ainda é proibido.

A ideia é que os pacientes não devem ser expostos a fim de promover um profissional, outros meios podem ser usados para isso.

Divulgar publicamente informações que alarmem a sociedade

Um médico poderia divulgar informações que causem grande alarme à sociedade, como a ameaça de uma nova epidemia, a fim de ganhar a credibilidade e respeito da população.

Mas, mesmo que as informações sejam comprovadas cientificamente, o proceder correto seria protocolar em caráter de urgência o motivo da preocupação junto as autoridades competentes.

Consultar, diagnosticar ou prescrever à distância

Citamos aqui como usar as redes sociais para a prática do marketing médico, mas é essencial ter em mente que nenhum desses canais deve ser usado para realmente exercer a prática médica.

Ou seja, apesar de servirem como canais de comunicação e aproximação com pacientes e outros interessados, você não pode realizar diagnósticos ou consultas usando o Whatsapp, por exemplo.

Nada substitui a interação pessoal com o paciente, em um ambiente adequado e com a devida aparelhagem para exames mais detalhados.

Para uma lista completa das restrições e regras quanto ao marketing médico, veja o manual de publicidade médica.

Uma coisa é certa: o marketing médico bem feito é de grande relevância para uma prática bem-sucedida. A porta que a internet oferece para os negócios não poderia deixar a área da saúde de fora, e quem investir nisso provavelmente vai conquistar muitos pacientes. Gostou? Pronto para começar? Um bom exemplo de marketing médico que gostamos muito aqui na Rock é o blog Dermatologia Capilar, da Doutora Amanda Gomes.

Se você quiser, pode aprender os primeiros passos de uma estratégia de sucesso com a ajuda do nosso guia completo:
Primeiros passos no marketing digital

conteúdo duplicado

Conteúdo duplicado: como evitar e o que fazer quando acontece?

O conteúdo duplicado é um dos problemas que mais afetam as estratégias de SEO.

Para você entender melhor, basta se colocar no lugar de um consumidor que faz uma pesquisa no Google.

Vamos supor que dos 5 sites que ele resolve acessar para encontrar o que estava buscando, 2 apresentam conteúdos repetidos.

Imagine como isso seria ruim para a experiência de navegação dele e para a reputação dos sites com o material duplicado.

Muitas vezes, problemas como esse ocorrem de forma involuntária, especialmente por desconhecimento técnico dos administradores do site ou falta de contato entre as páginas que distribuem um mesmo conteúdo.

No entanto, tem muita gente que duplica o conteúdo de forma deliberada e mal-intencionada. A intenção seria enganar os algoritmos dos buscadores para conseguir mais tráfego e manipular a ordem dos resultados de pesquisa.

A questão é que os motores de busca podem punir essa prática até com a remoção do domínio dos seus índices de resultados!

Então, para evitar quaisquer problemas para o seu lado, saiba mais sobre do que se trata um conteúdo duplicado, o seu impacto em SEO, como identificá-lo e como não ter problemas com ele. Confira nas próximas linhas!

O que é conteúdo duplicado?

O conteúdo duplicado ou repetido é aquele que é copiado e colado integralmente ou com pouquíssimas alterações em outras páginas.

A duplicação pode acontecer dentro de um mesmo domínio ou espalhado para outros, podendo ser criados, inclusive, por uma mesma pessoa ou grupo para manipular os algoritmos dos buscadores.

Mas, nem sempre, o conteúdo repetido é um problema grave.

Pode acontecer do seu site, por exemplo, em meio a dezenas de conteúdos originais, resolver copiar e colar uma matéria publicada por um portal de notícias da sua área.

Os algoritmos do Google, por exemplo, são inteligentes o suficiente para detectar essa prática como uma exceção.

Os press releases divulgados por assessorias de imprensa ou consultorias de Relações Públicas e compartilhados por diversos sites também são exemplos de conteúdos duplicados.

O conteúdo duplicado também pode surgir de erros os quais as pessoas com menos intimidade com programação podem não detectar, como quando um mesmo conteúdo é exibido em http://www.seusite.com/pagina/ e http://seusite.com/pagina/.

Para você e para o público, pode até parecer a mesma coisa, mas para os algoritmos dos motores de busca são duas páginas diferentes. Portanto, conteúdo repetido.

Quer saber outras formas de descobrir se você está duplicando conteúdo ou se está sendo uma vítima disso? Então veja a seguir!

Como identificar um conteúdo duplicado?

1. Verificando as variações do seu domínio

A questão dos sites abertos com ou sem “www” é somente um de muitos exemplos de duplicações que ocorrem por variações de um mesmo endereço.

As URLs mal formadas, com query strings ou com outras pequenas variações também podem levar a incidência de conteúdos repetidos. Para você ter uma ideia mais clara, acompanhe os exemplos a seguir:

  • o mesmo conteúdo sendo acessado em http://www.seusite.com/pagina/ e http://seusite.com/pagina?sessionid=123;
  • o mesmo material sendo exibido em http://www.seusite.com/página/ e http://www.seusite.com/pagina/ (diferença por acentuação);
  • a mesma página sendo acessada em http://www.seusite.com/pagina/ e https://www.seusite.com/pagina.

2. Detectando títulos e meta tags duplicadas

Se você tiver uma conta no Google Search Console, você pode identificar quantas e onde estão as duplicações em títulos e meta descrições em seu domínio. Para isso, clique na aba “Aspectos da pesquisa” e depois em “Melhorias de HTML”.

Mesmo que o conteúdo seja diferente, a duplicação excessiva de títulos e meta descrições podem gerar competição interna entre páginas distintas.

3. Vendo a existência de versões de impressão para as páginas

Muitos sites costumam utilizar duas versões para uma mesma página: a original e uma específica para impressão.

Essa segunda é preparada para aparecer de forma otimizada e mais atrativa nos motores de busca. Nela, são alterados, geralmente, os títulos, URLs e meta descrições das páginas.

Se o Google ou qualquer outro buscador não forem avisados sobre qual versão deve receber a autoridade dos acessos, então a duplicidade estará explícita.

4. Conferindo os resultados das páginas internas de busca

Sabe os e-commerces, sites ou blogs que possuem aquele campo de busca para os visitantes procurarem por algum produto ou conteúdo?

Então, por mais que eles pareçam úteis e inofensivos, o problema acontece quando as pessoas resolvem procurar por termos que não gerem quaisquer resultados.

Por exemplo, uma pessoa usa o campo de busca de um site sobre marketing para pesquisar por “objetivos SMART” ou “SEO local”. Se o site ainda estiver em fase inicial, pode ser que não tenham textos que falem sobre esses temas e, por isso, não sejam apresentados resultados para essas buscas.

A duplicação, nesse caso, acontece porque os títulos ou os textos de “não há resultados para…” são padrões para pesquisas malsucedidas. São muitos links gerados a partir do diretório de busca com o mesmo conteúdo.

5. Utilizando o Copyscape e outras ferramentas

O Copyscape é uma ferramenta utilizada para verificar a existência de fraudes e duplicações de conteúdos. Nele, por meio da URL do seu site, você pode detectar quais outras páginas estão repetindo o seu conteúdo.

O Siteliner, por sua vez, vai ajudar a identificar quantas e quais são as duplicações existentes dentro do seu próprio domínio. Além disso, a ferramenta fará um diagnóstico sobre a saúde dos seus links, as URLs não rastreadas e sobre a velocidade de carregamento do site.

Já o Google Search Console também pode ser útil com os seus rastreadores de conteúdo, como os arquivos robots.txt, que mapeiam o seu site e verifica a qualidade dos links indexados pelo Google.

Como isso afeta o SEO?

Antes de partirmos para a resolução dos problemas causados pelos conteúdos duplicados, é importante entendermos quais são essas consequências e como elas impactam o SEO de um site.

Os buscadores podem escolher uma outra página para atribuir autoridade

Pense em uma mesma página que pode ser aberta tanto em http:// quanto em https://. Caso não seja feita uma indicação ao motor de busca sobre qual é a versão preferida, os algoritmos decidirão qual é a “melhor” versão para o público. Logo, teríamos uma concorrência interna, certo?

Agora, imagine se o conteúdo duplicado for detectado em dois domínios diferentes?

Se você for o produtor original do material, deve assegurar que os sites distribuidores façam referência à sua página.

Caso isso não aconteça, ficará a critério dos buscadores decidir uma versão melhor, que poderá não ser a sua.

Os motores de busca também podem dividir a autoridade entre o seu site e as páginas que replicaram o conteúdo, o que resultaria em perda de posições nos resultados de busca para todos os envolvidos.

Os motores de busca podem não saber qual versão exibir

Normalmente, os buscadores dão preferência aos conteúdos que são indexados primeiros. No entanto, nem sempre isso acontece, principalmente se os materiais da página forem duplicados em muitos outros domínios.

Se a duplicação acontecer internamente, cabe a você indicar ao Google, por exemplo, qual é a versão canônica (original/preferencial).

Se a repetição for externa, a solução é identificar os sites e entrar em contato com seus administradores para retirarem a atribuição de autoridade da página ou redirecionarem para o seu site.

Os motores de busca podem remover o site do seu índice de resultados

Essa punição é a mais grave para quem faz do conteúdo duplicado uma prática maliciosa. Ainda assim, você deve se preocupar com isso?

E a resposta é sim! Se você trabalhar deliberadamente com mais conteúdos duplicados do que originais, é bom rever sua estratégia para evitar um prejuízo dessa gravidade com o seu site.

Caso você utilize o Siteliner para verificar as duplicações em seu site, poderá notar um dado interessante nos resultados de conteúdos duplicados: os sites possuem, em média, 15% de conteúdos repetidos.

Isso quer dizer que é possível manter uma parcela de conteúdos duplicados em um site? Sim, é possível! Não são todos os conteúdos repetidos que devem ser eliminados.

Afinal, existem recursos necessários, como as tags de pesquisas internas, que mais ajudam a melhorar a experiência de navegação do público do que prejudicam o SEO.

Então, quais são as melhores maneiras de gerenciar a incidência de conteúdos repetidos? É o que veremos a seguir!

Como lidar com essa situação?

1. Faça redirecionamentos 301

Também conhecidos como Redirecionamentos Permanentes, eles são feitos em seu servidor, mais especificamente no arquivo .htaccess, para redirecionar os visitantes que acessaram uma página por uma versão alternativa para uma página específica – de preferência, a que você quer atribuir autoridade.

Com esse redirecionamento inteligente, tanto os usuários quanto os robôs dos motores de busca são remanejados automaticamente para uma única versão da página.

Isso ajudará a diminuir bastante a competição interna pela classificação nos resultados de pesquisa.

Detalhe importante: essa prática costuma ser muito usada em sites que estão mudando de domínio, mas não querem perder o tráfego e a autoridade perante os motores de busca.

2. Use as Canonical tags

Essas tags são uma alternativa mais rápida de implementação do que os redirecionamentos 301. O seu efeito é parecido, porém ela é inserida diretamente no código HTML de cada página.

Além do mais, no redirecionamento permanente, o conteúdo duplicado é eliminado, já que as páginas não originais levarão o público e os algoritmos para apenas uma versão.

Na canonical tag, a duplicação continua, mas somente uma página recebe a autoridade dos motores de busca.

A aplicação dessa tag deve ser feita nas variáveis das páginas originais e segue o seguinte modelo:

<head> <link rel=”canonical” href=”http://www.seusite.com/versao-canonica-da-pagina/” />

3. Utilize a tag noindex, follow

Essa tag executa uma função inversa ao do redirecionamento 301 e da canonical tag. Aqui, seu papel é mostrar para os motores de busca que eles podem rastrear uma página específica, mas não devem indexá-las em seus resultados de pesquisa.

Essa meta deve ser adicionada em diretórios de busca, o que eliminaria, de vez, os problemas com indexação de páginas para buscas sem resultados.

Você também pode pedir para os administradores de outros sites incluírem essa tag nos conteúdos duplicados do seu site. Esse é um direito seu, pois sem o uso do noindex ou uma referência explícita ao seu site na página, fica caracterizado o plágio.

4. Crie releituras de outros artigos e notícias

Quando você ler um conteúdo em um outro site e o achar interesse de replicar em sua página, prefira criar uma versão original.

Isso pode até dar mais trabalho, mas evita qualquer tipo de problema com duplicação de conteúdo.

Além do mais, os seus leitores podem até preferir uma releitura com cases da sua empresa, suas opiniões e/ou com mais detalhes.

5. Encurte os posts em páginas de índice

Você já acessou um blog que, em sua página inicial, mostra os posts mais recentes na íntegra? Além de serem páginas exaustivas para ler e mais lentas para carregar, elas também caracterizam conteúdo duplicado.

Por isso, o recomendável é optar por resumos das publicações. Assim, você evita a duplicação, torna a navegação mais agradável e atiça a curiosidade do leitor, fazendo-o navegar por mais páginas e durante mais tempo.

6. Escolha uma versão preferida para o seu domínio

Você se lembra das duplicações que ocorrem por http:// e https:// ou pelos links que contenham versões com ou sem “www”?

Então, saiba que é possível definir uma versão preferida para o seu site. Quando você utiliza o Google Search Console, você pode fazer essa escolha e, dessa maneira, fazer com que somente uma versão receba a autoridade do Google.

Além disso, os relatórios de tráfego e conversões passam a ser centralizados na versão indicada ao Google.

7. Monitore a distribuição do seu conteúdo

Se você costuma trabalhar com press releases ou já possui um histórico de replicações dos seus conteúdos, não deixe de acompanhar as atividades dos sites que distribuem seus materiais.

É muito relevante manter uma boa relação com os administradores de outras páginas. O foco é fazer eles referenciarem o seu site ou abrirem mão da indexação nos motores de busca.

Para contornar essa situação e não precisar apelar para denúncias ao Google, tente negociar com eles a produção de guest posts ou outros tipos de parcerias de marketing.

Enquanto umas soluções exigem criatividade e capacidade analítica, outras demandam um certo conhecimento de programação.

Por isso, é bom ter por perto algum desenvolvedor ou outro profissional de marketing ou T.I. que entenda de códigos e tags.

Em suma, conteúdo duplicado é um problema que só incomoda se ocorrer em excesso. Ele não é tão simples de ser gerenciado, mas se for feito seguindo os passos corretos, não prejudicará o ranqueamento do seu site.

No começo, identificá-lo e evitá-lo pode até ser um pouco complicado. Mas, com o tempo, você se acostumará com os códigos, tags, ferramentas e práticas necessárias para controlar os danos dos conteúdos repetidos.

O conteúdo duplicado é um dos elementos que pioram o posicionamento de um site nos motores de busca. Se você tem a curiosidade de conhecer os outros, então confira o nosso post com os 200 principais fatores de rankeamento do Google e alcance o topo!

Faculdade de Publicidade

Faculdade de Publicidade: tudo o que você precisa saber sobre as instituições e o curso

Pensando em seguir carreira em alguma área da Comunicação? Almeja trabalhar com criação, divulgação e realização de campanhas publicitárias incríveis e atrativas ao público? Então, cursar a faculdade de Publicidade é um caminho a se considerar!

Mesmo se identificando com algumas atividades do profissional publicitário, você ainda tem muitas dúvidas sobre a carreira, o curso, o perfil do estudante, as melhores instituições para estudar e muito mais, certo?

Portanto, que tal acabar com as incertezas antes de decidir mergulhar a fundo na área? Continue lendo este post. Conheça 6  fatos que você sempre quis saber!

⒈ Atribuições do publicitário

Quando criado, todo produto, serviço ou solução precisa ser apresentado ao seu público-alvo da melhor maneira possível.

Considerando todos os elementos e os aspectos de um produto, cabe ao publicitário trabalhar de forma bastante abrangente para que uma campanha gere incrível repercussão.

Sendo assim, as suas principais atribuições, são:

  • definição do público-alvo;
  • criação da arte das embalagens;
  • incorporação do produto à identidade da empresa;
  • determinação da abordagem da propaganda;
  • seleção dos canais adequados para a exposição;
  • elaboração dos elementos de comunicação;
  • monitoração da campanha.

A definição do público-alvo consiste no entendimento do perfil do consumidor, o que só pode ser efetivamente conquistado por meio de estudos e de pesquisas. O conceito foi aprimorado no Marketing Digital com o conceito de Persona.

A criação da arte da embalagem de cada produto é o que acrescentará aspectos que aguçarão os sentidos do consumidor ou trarão a ele o entendimento das suas necessidades. O design gráfico é um dos pilares da Publicidade.

Um produto comestível, por exemplo, deve despertar não só o apetite, mas a vontade de consumi-lo; um produto de higiene deve se mostrar prático e/ou confortável; numa oferta de serviço, a questão é demonstrar a sua capacidade de solucionar os problemas.

Também cabe à equipe de publicidade fazer com que a identidade corporativa esteja presente no produto. Portanto, existe uma série de requisitos que fazem de uma campanha adequada ou não.

Escolher a abordagem ideal para os anúncios, tal como os canais aos quais devem ser exibidos, é um ponto-chave para o sucesso da campanha, sendo a parte que exige muito planejamento e responsabilidade.

Uma boa campanha publicitária visa expor o produto aos olhos do consumidor em locais e em canais estratégicos, de modo que a marca crie o seu espaço no cotidiano do público-alvo.

Enfim, cabe ao publicitário, também, acompanhar o andamento da campanha e garantir que todo esse trabalho dê resultado na prática.

⒉ Graduação

Assim como na maioria dos cursos de graduação, a teoria se encontra presente em boa parte das disciplinas — principalmente no 1º ano de curso.

Até por isso, é comum encontrar algumas semelhanças entre os cursos da área de Comunicação nesse início, afinal, são fundamentos que valem para todos os profissionais do segmento.

Do 2º ano em diante, algumas especificidades começam a surgir. O estudante aprende as competências essenciais para lidar com o cotidiano de um publicitário, como mídia, criação e planejamento.

Conforme dissemos, é notório que o publicitário deve compreender várias coisas. Portanto, em algum momento do curso, o estudante se deparará com algumas disciplinas, tais como:

  • Economia;
  • Estatística;
  • Fotografia;
  • e Marketing.

É inegável que o enriquecimento em conhecimento é uma excelente característica da faculdade de Publicidade.

Com certeza haverá um grupo de disciplinas mais animadoras e outras desanimadoras. Entretanto, fato é que todas agregam muito à capacitação.

⒊ Perfil do estudante

Geralmente, a 1º dúvida de quem está considerando cursar uma faculdade de Publicidade é: “eu devo ser uma pessoa criativa?”.

Pode-se dizer que a criatividade é importante, mas deve ser vista apenas como uma qualidade a ser trabalhada, porque ela faz parte de diversas características que um profissional pode ter.

Isso significa que você, sendo uma pessoa criativa, já terá um estímulo maior para seguir uma área na qual a criatividade é um requisito maior. Se você não é criativo, não há problema algum!

Não são todas as áreas da Publicidade que exigem tamanha criatividade. Ao contrário do que muitos pensam ou veem em filmes, o publicitário não é o gênio que surge repentinamente com uma grande ideia.

O importante é que, em meio a abrangência do curso, você se identifique com algumas áreas e goste de trabalhar nelas. Dessa forma, naturalmente a sua criatividade se manifestará durante a carreira.

Outra questão que causa preocupação ao estudante que opta por um curso de Comunicação é a timidez.

A boa notícia é que as universidades estimulam o convívio social entre os alunos, além de oferecerem suporte por meio de treinamentos e de atividades que envolvem a interação com outras pessoas.

Ter — ou adquirir — a facilidade para se relacionar com as pessoas é uma característica primária para se tornar um profissional de sucesso na área.

Caso você seja introvertido, é recomendado trabalhar em cima disso fazendo exercícios durante o seu cotidiano, procurando melhorar a sua sociabilidade desde cedo. Até porque a publicidade não consiste em trabalhos individuais, mas sim coletivos.

Por fim, além de ter como características a criatividade (independentemente do grau) e a relação interpessoal, o publicitário deve ser comprometido com resultados.

Você pode ser muito criativo e saber estabelecer um ótimo relacionamento com todos, mas as suas ideias e persuasões não devem prevalecer sobre os resultados.

São os resultados que determinarão a eficácia da sua campanha; todo o resto à sua volta não passará de capricho.

⒋ Estágio

Conquistar uma vaga de estágio no mercado da Publicidade não é uma tarefa simples. Assim como em muitas outras áreas, nela existe mais demanda que oferta de vagas.

Tamanha competitividade é uma das razões que levam o estagiário em Publicidade ser altamente exigido pelas agências.

Em outras palavras, isso significa que o estágio não será marcado pela paciência e pela tolerância que refletem em momentos de aprendizado. Haverá muita cobrança por resultados.

O estagiário deverá ser competente em alguns fundamentos para se manter no cargo, o que não deixa de ser uma forma de aprender sobre a realidade e sobre o cotidiano do publicitário.

Para não se sentir um pássaro doméstico saindo da gaiola, aproveite a faculdade para realizar projetos interessantes e atividades que por si só agreguem às suas competências.

Outra boa dica é esquecer a questão de estudar pelas notas; estude para adquirir a experiência e um bom portfólio para apresentar às agências.

⒌ Mercado de trabalho

Certamente você já percebeu que existe muita dinâmica e diversidade dentro da Publicidade, não é mesmo? Sem dúvidas, tais fatores refletem em oportunidades.

Com isso, podem surgir oportunidades em áreas que você não enxerga como um ponto forte. Porém, o desafio sempre estará presente, mesmo quando a vaga em questão for aquela dos seus sonhos.

Nesses casos, a determinação é um diferencial e tanto no momento de buscar por uma vaga de emprego. Independentemente de ser ou não o seu forte, agarre a oportunidade com todo o carinho.

Mas, o que pensa quanto ao erro? Simplesmente não há por que ter medo de errar, pois o erro faz parte da carreira de qualquer profissional, sobretudo do amadurecimento.

Antes de saber o que você gosta, é necessário experimentar. Concorda? E quanto a experimentar coisas novas, podemos dizer que a Publicidade constantemente leva o profissional a esse tipo de situação.

Todos os tipos de produtos e de serviços dependem de publicidade, ou seja, as agências trabalham com empresas de todos os segmentos do mercado.

Então, é possível que um dia você se reúna com os colegas para discutir uma campanha publicitária para um tablete de chocolate e, na mesma semana, para um creme dental ou para um serviço de construção civil.

⒍ Instituições de ensino

São muitas as instituições de ensino que oferecem cursos de Publicidade por todo o Brasil, dentre elas podemos destacar como as mais relevantes:

Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM)

Localizada na capital paulista, ESMP é uma das principais instituições de ensino superior da área de Publicidade, afinal, trata-se de uma faculdade específica para o setor.

Nas avaliações de mercado, a ESPM sempre se encontra entre as mais valorizadas pelas agências. Não por acaso, muitos dos grandes profissionais do mercado foram formados na ESPM.

Além disso, de acordo com o Ranking Universitário Folha (RUF), realizado em 2016, a ESPM se consolida como a favorita do mercado de trabalho e ocupa o 1º lugar na avaliação do Ministério da Educação (MEC).

Universidade Presbiteriana Mackenzie

Também situada em São Paulo, a Mackenzie também é uma referência na Publicidade, contando com uma rica matriz curricular, capaz de fornecer uma formação completa ao estudante.

A sua aceitação no mercado é um diferencial e tanto, ocupando nada menos que a 2ª posição no RUF 2016, além da 9ª colocação na qualidade de ensino e a 3ª, na avaliação do MEC.

Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

A instituição sediada em Belo Horizonte, capital mineira, é uma das maiores referências do mercado de Publicidade e, assim como a ESPM, também já formou muitos profissionais reconhecidos nacionalmente.

No RUF 2016, a UFMG, no quesito qualidade de ensino, encontra-se em 1º lugar. Enquanto na avaliação do mercado a universidade ocupa a 6ª posição.

Universidade de São Paulo (USP)

Não é novidade para ninguém que a USP é uma das grandes referências no ensino superior do Brasil. O seu corpo docente é sempre constituído por grandes mestres da área, com dedicação integral e parcial.

Segundo o RUF 2016, a faculdade de Publicidade oferecida pela instituição paulistana é reconhecida, pelas avaliações de ensino, de mercado e do MEC, como a 2ª mais relevante.

Conforme aprendemos neste post, a faculdade de Publicidade exige, junto da criatividade, uma ampla capacitação que só pode ser obtida mediante muita dedicação.

Gostou de tudo que descobriu sobre a área? Quer aprender ainda mais antes de tomar essa importante decisão? Então, confira o nosso megapost sobre a Publicidade!

Plataformas de cursos online

As 18 melhores plataformas de cursos online

Separamos uma lista com as melhores Plataformas de Cursos Online que conhecemos. Você não quer ficar desatualizado, certo? Confira!

Quando estamos tentando aprimorar nosso conhecimento acerca de qualquer assunto, é possível encontrar uma variedade enorme de plataformas que oferecem cursos online nas mais diversas áreas, inclusive Marketing Digital.

A ideia do post de hoje é organizar algumas destas plataformas, para te ajudar na hora de decidir qual mais se encaixa no que você procura, facilitando sua tomada de decisão.

Aprenda tudo sobre Marketing Digital

Este guia completo vai ensinar para você tudo sobre marketing digital e como aplicá-lo.


Vamos nessa?

As plataformas de cursos online que indicamos

1. Udemy

Com uma velocidade espantosa de crescimento, acrescentando uma média de 800 novos cursos por mês, a Udemy é uma plataforma de cursos online bastante popular.

Com uma média de preços que pode ir de U$10 até U$500, uma de suas principais vantagens é um portfólio bem amplo e diversificado:

É possível aprender desde programação HTML básica, até idiomas como inglês, alemão e árabe.

Seu modelo de negócios permite que qualquer pessoa crie cursos e disponibilize-os na plataforma, algo como um modelo C2C, digamos assim.

Eles oferecem ferramentas para que você se torne instrutor, e parte do lucro da venda do curso fica com o pessoal do Udemy.

Não se assuste com o alto número de opções de cursos, pois é possível ler a avaliação deles por ex-alunos. Assim, as chances de você tomar uma decisão mais acertada são maiores. 

A plataforma possui cursos no nosso idioma, e legendas para aqueles em língua estrangeira.

2. Coursera

Talvez a maior e mais conhecida plataforma de ensino à distância, o Coursera tem uma estratégia de buscar parcerias com as principais universidades do Estados Unidos e do mundo, como Harvard, Stanford, Cambridge e afins, para oferecer cursos de diversas áreas da educação.

Há algum tempo, eles adicionaram a opção de “especializações”: Um conjunto de cursos – normalmente 10 – de um determinado assunto, que o leva a um certificado daquela instituição.

Um dos diferenciais do Coursera é sua acessibilidade: A maior parte dos seus cursos são baratos ou até mesmo gratuitos.

Apenas o certificado oficial ao final do curso que costuma ter um custo mais elevado, já que estamos falando de algumas das principais universidades do planeta na maior parte dos casos.

3. Ciatech

A Ciatech é grande referência no mercado de educação corporativa. Eles apresentam metodologias educacionais modernas e uso de tecnologias de ponta para o ensino digital.

A equipe se compromete a preparar profissionais pensadores e preparados para atuar em ambientes complexos, proativos e preparados para resolver problemas.

A Ciatech já oferece os seus serviços de educação empresarial para as maiores empresas brasileiras, altamente conceituados. Desenvolvem soluções customizadas para cada cliente, desde a consultoria educacional e a plataforma LMS ao conteúdo e governança do projeto.

4. UOL Eduação

O UOL Educação é muito mais que apenas uma plataforma de cursos. É um verdadeiro portal com tudo o que você precisa saber sobre educação, vestibulares, oportunidades, etc.

Porém a parte de cursos online é riquíssima. Uma enorme variedade para gerar o crescimento dos visitantes em diferentes áreas. Os principais deles são:

Cursos TV – canal atualizado com aulas diárias dos mais diversos temas

Curso de Inglês – curso de inglês riquíssimo e interativo, dividido em básico e intermediário

Negócio Próprio – escola voltada para auxiliar empreendedores a alcançar sucesso com os seus negócios

5. Portal Educação

O Portal Educação também faz parte do grupo UOL Educação, mas é tão tradicional que merecia um lugar à parte na lista.

Já são mais de 16 anos focados em mudar a vida das pessoas através da educação online. A empresa forma pessoas preparadas para diversas áreas de conhecimento. São mais de 1.500 cursos em distintas áreas como:

  • Administração e gestão
  • Contabilidade e Finanças
  • Educação e Esportes
  • Psicologia
  • Direito
  • Engenharia e Construção
  • Entre diversas outras opções

Aqui você pode ver uma lista com os principais prêmios que o Portal Educação já recebeu.

6. Khan Academy

Khan Academy é uma plataforma que oferece cursos online com maior foco em disciplinas do ensino formal, como matemática, biologia e álgebra.

É a plataforma favorita entre pais que trabalham viajando e querem manter um ensino de qualidade para seus filhos.

Todos os seus cursos são gratuitos, pois a missão da Khan Academy é ampliar o alcance da educação para todos os públicos.

Como metodologia há um misto entre conteúdos em texto e em vídeo, cobrindo desde habilidades fundamentais até tópicos mais complexos e inovadores, como:

  • Matemática
  • Biologia
  • Economia
  • História
  • Programação básica
  • Humanidades
  • E muito mais.

No Brasil, a Fundação Lemann, do bilionário Jorge Paulo Lemann, responsável por uma das palestras motivacionais essenciais para profissionais de marketing, ajuda a plataforma com recursos financeiros e localizando para nosso idioma todas suas disciplinas.

Pelo mundo, a plataforma possui parceiros de peso como Fundação Bill e Melinda Gates e Google, além de contar com um sistema de doações dos próprios usuários para poder manter-se.

7. Code Academy

Como o próprio nome sugere, a Code Academy é uma plataforma com um foco em transmitir conhecimentos teóricos e práticos de programação e desenvolvimento de software.

Além disso, enquanto muitas plataformas pregam que o aluno pode aprender em seu próprio tempo, a Code Academy coloca-o em um eixo de ritmo mais acelerado, com várias comunidades de apoio, mentores experientes e um sistema de pontos bem aos moldes da gamificação, para facilitar a assimilação e memorização do conteúdo pelo aluno.

A ideia é elaborar um projeto de programação e executá-lo do inicio ao fim, junto com as ferramentas e recursos que a plataforma oferece.

As linguagens de programação disponíveis são diversas, como:

  • Python
  • PHP
  • Ruby
  • JavaScript

A plataforma oferece planos gratuitos e outro pago, por U$19,90 por mês. No plano pago você dispõe de uma gama maior de auxílio e ferramentas, como mentores e blueprints de projetos, dentre outros.

O único porém é que ainda carece de cursos em português, por enquanto.

8. Eduk

A plataforma de cursos Eduk, opera em um modelo similar à americana Netlix. Você paga uma mensalidade – planos a partir de R$19,90 – e tem acesso ao portfólio de cursos e vídeos da plataforma.

As categorias vão desde estética e gastronomia até negócios e odontologia, dentre vários outros.

Você pode manter-se no plano gratuito, mas há a limitação de não possuir acesso ao acervo de aulas gravadas, ficando limitado ao conteúdo ao vivo sendo disponibilizado naquele momento.

Esse modelo “freemium” é uma maneira da plataforma justificar seu investimento, antes de pedir por ele. Uma maneira de introduzir o que você pode ter, caso faça a assinatura.

9. Prime Cursos

Similar ao modelo do Coursera, o Prime Cursos é uma plataforma que oferece um extenso leque de especializações, como por exemplo:

  • Marketing
  • Vendas
  • Administração
  • Gastronomia
  • Segurança no Trabalho
  • E muito mais

Os cursos são gratuitos, com a possibilidade de adquirir o certificado por valores entre R$49,90 e R$69,90, e um bom lugar para ter acesso a cursos de Marketing Digital, empreendedorismo e outros mais específicos.

Talvez não seja o mais diferenciado dos listados aqui, mas possui um acervo razoável e preços bem acessíveis por um conteúdo prático e rico.

10. EAD Box

A EAD Box está mais para um LMS – Sistema de Gerenciamento de Aprendizado – pois é voltado para empresas disponibilizarem vídeos e treinamentos para distribuição em larga escala.

A ideia é facilitar a distribuição destes cursos e aulas para funcionários, clientes e parceiros, por meio de uma plataforma com diversas integrações e ferramentas.

A empresa possui vários serviços agregados à plataforma, como técnicas de gamificação e acesso a partir de dispositivos móveis, como smartphones e tablets.

É uma solução interessante para pequenas e médias empresas, especialmente forte com startups, e possui integrações com outros softwares e plataformas, como o RD Station, por exemplo, para facilitar a capacitação de colaboradores e treinamentos externos para parceiros.

11. Veduca

Com cursos de MBA, extensão e cursos livres, a plataforma de estudo e ensino a distância, Veduca, é bem completa e conta com mais de 300 cursos em diversas áreas, porém com um viés mais acadêmico e até mesmo “universitário”.

São cerca de 20 áreas do conhecimento que você pode buscar cursos que são oferecidos em parceria com grandes universidades, como Harvard, MIT e USP.

Existem cursos gratuitos e outros pagos, como os de extensão mais específicos e completos. Também funciona em um modelo similar ao do popular Coursera.

12. Udacity

Com um volume mais condensado de opções de cursos, e professores extremamente gabaritados que atuam em empresas renomadas como Google, Facebook e Salesforce, a Udacity é uma plataforma de cursos online com uma forte inclinação para tecnologia, análise de dados e tantas mais áreas igualmente inovadoras.

Os cursos são elaborados em parcerias com essas instituições, visando capacitar profissionais de acordo com o que elas buscam no mercado de trabalho.

Apesar do portfólio mais enxuto, são mais aprofundados e tem a intenção de explorar e aprofundar habilidades bem cotadas por empresas com o DNA do Vale do Silício.

Você pode experimentar alguns cursos e outros em modelo de “degustação” por um período. Depois disso, eles cobram valores mensais.

13. HTML Dog

Sendo ainda mais específico, existem alguns locais de cursos online para desenvolvimento de sites, como é o caso do HTML Dog.

Ele foca em 3 linguagens muito importantes e que se completam na hora de criar um website: HTML, CSS e JavaScript, alguns dos principais atributos que um bom profissional de marketing digital deve ter, pelo menos, noções básicas.

Como muito bem justificado pelo pessoal da Resultados Digitais nesse post.

O portfólio não é composto exatamente por cursos tradicionais, mas sim tópicos mais voltados para a prática aliada à instruções. Os serviços disponíveis incluem:

  • Tutoriais: Guias de como realizar uma função, passo a passo.
  • Técnicas: Como combinar HTML, CSS e Java para obter melhores resultados e efeitos.
  • Exemplos: Como os códigos se comportam na prática.
  • Referências: Propriedades, valores e atributos de códigos já prontos para facilitar sua aplicação na sua vivência.

Se o idioma não for uma barreira – os cursos estão disponíveis em inglês apenas – essa plataforma uma excelente alternativa para profissionais de marketing e webdesign aprimorarem essas habilidades muitas vezes subestimadas por profissionais.

14. Big Data University

Agora disponível em português, a Big Data University é um dos maiores portais educativos na temática do Big Data.

Já tratamos da importância de utilizar o Big Data em estratégias para alavancar seu negócio, mas ainda é um tema que gera muitas dúvidas entre a maior parte das pessoas, e ainda é um mercado carente de cursos e conteúdos a respeito.

Essa plataforma oferece cursos online que vão desde fundamentos do Big Data até técnicas mais avançadas e como fazer real uso de ferramentas como Pig, Hadoop e HBase para tirar utilizar o big data da melhor forma possível para seu negócio.

Com mentores com experiência prática em gigantes como IBM e Microsoft, estão disponíveis cursos gratuitos e pagos, sendo os mais introdutórios gratuitos e, na medida em que você vai aprofundando seu conhecimento, serão oferecidos cursos mais avançados e pagos.

15. Hack Design

Diferente de praticamente tudo que vimos até aqui, a Hack Design foi construída por diversos profissionais de design, que estruturaram um plano de ensino com cerca de 50 unidades, sendo cada uma com um ou mais artigos, vídeos e outros materiais, sobre design para web, plataformas, apps para dispositivos móveis, e tantos várias outras aplicações de fundamentos do design para negócios.

Estes profissionais fazem uma curadoria de diversos conteúdos sobre o assunto espalhados pela web: eBooks, blogs, tutoriais, videos, jogos, etc.

E aplicam uma metodologia de aprendizado, formatando assim esses módulos.

Além disso, no site deles existe uma lista de ferramentas essenciais para quem trabalha na área, com links para downloads e trials das mais variadas.

Apesar de ser outra plataforma que ainda não conta com legendas ou aulas em português, tudo isso (por enquanto) está disponível gratuitamente e pode ser um excelente inicio para aplicar técnicas de growth hacking.

16. HubSpot Academy

Apesar de não ser o foco de seu negócio, a gigante HubSpot, uma das maiores ferramentas de automação de marketing no mundo e uma das empresas de marketing que mais admiramos, também oferece alguns cursos na área de marketing e vendas, com certificações gratuitas, em seu espaço de aprendizado no site.

Alguns já possuem legendas em português, e todos entregam um certificado que são cada vez mais apreciados e até mesmo exigidos por recrutadores da área, como nós mesmos!

17. Hotmart Academy

A Hotmart é a maior plataforma de de vendas de produtos digitais da América Latina.

A empresa identificou algumas carências e dúvidas entre os seus clientes e usuários e por isso decidiu iniciar o curso de empreendedorismo digital.

O curso consiste no ensinamento, passo a passo, do processo de criação, divulgação e venda de produtos digitais, auxiliando os empreendedores digitais nos seus maiores desafios.

A ideia do curso é bastante inovadora, de forma que você precisa adquirir pontos para ter acesso às lições seguintes. Essa gameficação gera um engajamento maior do público e motiva os usuários.

A certificação é gratuita.

18. Universidade Rock Content

A URock é uma plataforma completa com cursos de marketing digital. As certificações foram pensadas para capacitar e transformar o aluno em um profissional de marketing completo.

Os cursos disponibilizados são:

Outras certificações serão disponibilizadas, enriquecendo cada vez mais a Universidade e capacitando os profissionais.

Será sem dúvidas o lugar mais completo para se capacitar como profissional de marketing. Para saber mais sobre a Universidade Rock Content, fale com um de nosso consultores!

Conclusão

Seja para capacitar seus atuais colaboradores, saber quais certificações você pode cobrar para contratar melhor ou mesmo para si próprio, a educação online já é uma realidade e um mercado bem aquecido, o que ocasionou o surgimento de tantas empresas no segmento. Algumas ótimas, outras nem tanto.

Com tantas opções disponíveis, esperamos que com esse post você consiga filtrar melhor suas buscas. Se você procura por cursos mais focados em marketing de conteúdo, também já citamos alguns dos melhores lugares para buscá-los

É claro que além de cursos, você sempre conseguirá ampliar seus conhecimentos por meio de blogs corporativos de empresas que são referência na área.

Não deixe de se matricular nos cursos da Universidade Rock Content! Dois deles são gratuitos e você terá acesso à um material atualizado na área.

universidade rock content

 

 

 

Menino com livros na cabeça

As 10 melhores dicas de marketing digital para empresas de educação

Uma instituição de ensino, seja para qual segmento for, tem uma tarefa bastante delicada na hora de conquistar clientes.

Afinal, ela lida com a escolha para a formação para a vida.

Nós entendemos e respeitamos isso, porque senão não poderíamos estar aqui, sempre trabalhando para conseguir produzir conteúdos interessantes e relevantes para o nosso público.

Só que para poder captar mais alunos, é preciso investir e a internet tem se mostrado um ambiente extremamente eficaz para fazer isso.

A questão é entender como ela funciona e quais as melhores ferramentas e estratégias.

Por isso fizemos este artigo, trazendo para você as melhores dicas de marketing digital para empresas de educação.

A partir delas, você – junto às suas equipes responsáveis – poderá desenvolver um plano matador para melhorar a captação e até mesmo a retenção de alunos.

Por isso, vamos a elas.

A importância do marketing digital para empresas de educação

Por que o marketing digital é importante para você?

E a resposta vem simples, rápida e prática: porque é na internet que as pessoas vem passando o tempo.

E mais, é lá que elas fazem a maioria esmagadora das suas pesquisas para praticamente tudo.

Para as empresas do mercado educacional, isso significa uma chance e tanto de fazer com que essas pessoas encontrem a sua instituição.

E as ferramentas de marketing digital para empresas de educação são muitas, viu?

Temos:

  • Site – bem montado e estruturado, com informações institucionais e referente aos cursos;
  • Blog – para postar os materiais mais diversos e atuais sobre educação e que ajudem o seu público-alvo a entender melhor o papel da sua instituição
  • Redes Sociais – que servem de canal para divulgação de materiais e, também, como um serviço de atendimento ao cliente, através de mensagens e chats;
  • Email – oferecendo aos interessados um material mais aprofundado e ajudando a educá-lo sobre as melhores decisões referentes ao seu futuro educacional;
  • SEO – ou Search Engine Optimization, conjunto de ferramentas e ações para ajudar o seu site a aparecer nas primeiras páginas dos resultados de pesquisa orgânica de ferramentas, como o Google;
  • Conteúdo – fundamental para tudo o que mencionamos acima possa funcionar a contento.
    Seja por meio de material audiovisual, artigos, infográficos, ebooks e tantos outros, é ele quem vai traduzir para seus clientes em potencial o que vocês oferecem, quais as vantagens e diferenciais da sua empresa para a concorrência.

Ao visualizar esses bullets acima, fica mais fácil entender o que a importância que tem o marketing digital para empresas de educação.

Ele vai ajudar a levar até o público materiais que permitam a cada um deles – e estamos falando aqui de uma faixa etária e sócio-cultural cada vez mais diversa – tirar as suas dúvidas sobre suas escolhas educacionais.

Os maiores benefícios do marketing digital para empresas de educação

E a beleza está exatamente aí.

Educar o público-alvo e os possíveis clientes significa que os maiores interessados saem ganhando:

  • A clientela vai ficar mais esperta e poderá planejar de forma mais sólida e garantida o seu investimento em educação
  • A empresa terá cada vez mais alunos que entram na instituição já entendendo o seu funcionamento e o que pode – e deve! – esperar dela.

E pode perguntar para sua equipe de atendimento: muitas das questões, reclamações e dúvidas que surgem para eles resolverem são coisas super simples e que poderiam ser resolvidas e evitadas através de uma comunicação mais direta e clara.

Principais dicas

A partir do entendimento da importância e benefícios do marketing digital para empresas de educação, fica mais fácil entender porque esse é um investimento que vem crescendo cada vez mais entre empresas dos mais diversos ramos no mundo todo.

Então, agora, é chegada a hora de arregaçar as mangas para poder trabalhar:

1. Estude o mercado

Pode perguntar para qualquer empresário de sucesso e ele vai te responder que uma considerável parcela do sucesso de um negócio está em conhecer o mercado, entre concorrentes, serviços, novidades, tendências…

Afinal, informação vale ouro para que você possa saber o que fazer para conquistar mais alunos, precisa estar por dentro do que é oferecido, qual a demanda e quais os melhores formatos.

Só que é preciso atenção: o mercado está em constante mudança e evolução, por isso, não basta uma pesquisa para fazer o seu plano de negócios e deixar lá.

É preciso estar sempre atento para não acabar sendo obrigado a “correr atrás do prejuízo”

2. Conheça *tudo* sobre o seu público-alvo

Fizemos questão de dar um destaque a palavra tudo.

O cliente é o ponto principal de interesse de uma empresa.

Sem ele, não há venda, o que compromete todo o seu sistema e impede a sua empresa de sobreviver.

É simples assim.

E para se fazer um marketing digital para empresas de educação de forma consistente e consciente, é preciso pesquisar o perfil dessas pessoas, como elas se comportam diante da internet e como elas são atingidas e fisgadas da melhor forma.

O interessante é pensar que, assim como o mercado, o público muda.

Quer um exemplo bem claro? Há dez anos as pessoas não costumam usar internet para navegação em páginas no celular, certo? Quando muito, acessavam seus emails.

E hoje, seja através de smartphones ou tablets, a navegação mobile vem crescendo cada vez mais.

Isso significa que é sempre preciso pesquisar e saber o que vem afetando os comportamentos de consumo e como lidar com eles para continuar crescendo.

Ah, e nós sabemos que assim como em relação a qualquer coisa na vida, é impossível saber *tudo* sobre algo, mas o importante é que ele seja uma daquelas metas que, mesmo que não sejam alcançadas, sirvam de parâmetro para se conquistar a excelência.

3. Conheça cada etapa do seu funil de vendas

O funil de vendas (para aprender o que é isso, basta clicar aqui) é a ferramenta que permite a qualquer empresa fazer a gestão eficaz de suas oportunidades de venda.

Para o marketing digital para empresas de educação, isso significa aprender a trazer cada vez mais interessados na sua instituição e, através do seu conteúdo, atrair a maior quantidade possível de pessoas para sua empresa.

4. Aposte em ser A Instituição

Não, instituição de ensino não é “tudo a mesma coisa”.

É lógico que existem aquelas que se perdem nesse mar, mas a sua não precisa ser uma delas.

Você investe na qualidade dos processos internos, no seu corpo docente, nas instalações… só que, para que o público saiba isso, é preciso contar com muito mais do que apenas propaganda boca-a-boca.

É necessário e fundamental que você faça a sua propaganda.

Atrai o público com as suas qualidades.

Mostre a eles os benefícios que a sua instituição pode trazer para a educação do filhos deles.

Ou seja, venda-se. 

5. Planeje: a curto, médio e longo prazo

Só que nenhum plano, por melhor que seja, se sustenta sem um planejamento cuidadoso.

Ele permite, não apenas uma implantação mais tranquila, mas o acompanhamento e mensuração dos resultados e proporciona material para a melhoria.

Por isso, na hora de planejar o marketing digital da sua empresa, não esqueça de traçar objetivos claros, tanto para o futuro próximo quanto para mais adiante no caminho.

E não esqueça de acompanhar esses resultados e criar métricas realistas que permitam sua avaliação.

Sem parâmetros, não há como saber o que está dando certo e o que precisa ser corrigido.

6. Trabalhe em diversos canais

Esse na verdade acaba sendo um erro de grande parte das empresas que estão começando a fazer marketing digital.

Apostam em poucos canais para distribuir o conteúdo e rezam para que o público possa encontrá-lo.

Ou apostam em todos os canais e não conseguem nutrir, deixando vários canais sem conteúdo e praticamente mortos.

Na verdade, nem Facebook nem AdWords nem nenhuma outra ferramenta, por mais popular que seja, é a tábua de salvação para um plano de marketing digital.

É preciso estudar o público, os canais, os seus objetivos e a partir daí criar uma estratégia para poder usar, da melhor forma possível as ferramentas disponíveis no mercado.

Quando se sabe qual rede social sua persona mais usa e com quais objetivos fica mais fácil de elaborar uma estratégia certeira para atingir seu público alvo.

7. Produza conteúdo para cada etapa do seu funil

Falamos acima sobre o funil de vendas e outra dica muito importante de marketing digital para empresas de educação é aprender a produzir conteúdo para cada etapa do funil.

Pode parecer meio estranho, no começo, pensar assim, mas faz todo sentido.

Podemos considerar como topo do funil: quem começa a considerar ingressar em uma instituição de ensino precisa de informações gerais, seja sobre métodos de educação, avaliação, tendências de mercado e todo tipo de questão que seja referente à educação.

Podemos considerar meio do funil : quem tem essas informações quer saber sobre aspectos mais específicos que o ajudem a eleger qual a melhor instituição ou curso.

Já no fundo de funil  ela pode analisar e avaliar informações diretamente relacionadas à sua empresa e decidir, claramente, qual caminho deseja seguir.

Portanto, é preciso sempre estar atento aos materiais que devem ser produzidos, quais as maiores dúvidas e, com isso, responder às questões que ajudem o seu público a se tornar um feliz cliente.

8. Transforme seu plano de marketing digital em rotina

Tudo começa em alegria, em facilidade, mas, com o tempo e os obstáculos diários, muitos planejamentos de marketing ficam esquecidos debaixo de uma pilha de papeis ou no fundo da gaveta.

Por isso, é fundamental, para que ele possa dar certo, que as ações do plano se tornem parte da rotina de todos os envolvidos.

Sabemos que, no começo, isso vai dar um certo trabalho, mas também temos a certeza de que o esforço vai valer a pena.

9. Invista em ferramentas que auxiliem na tarefa

Tudo está indo muito bem até agora, só que você provavelmente está com uma pergunta que, talvez, nem tenha conseguido formular até agora: como é que você vai conseguir colocar tudo isso em prática?

E a resposta é: através das ferramentas mais adequadas.

E dependendo dos canais que você utilizar ou das ações que colocar em prática, você poderá escolher entre as mais diversas soluções de mercado.

O mais importante é se lembrar, na hora de escolher, da dica anterior e que tudo o que for eleito para ajudar possa, de fato ser absorvido como parte da rotina.

Senão, por melhor que ela possa parecer, não vai adiantar de nada.

Aqui, fizemos uma lista de 49 ferramentas para facilitar sua vida!

10. Planeje, executa, corrija

Sabe aquela música-chiclete “Beber, cair e levantar”?

Pois terminamos nossa listagem de dicas fazendo com que ela grude na sua cabeça com a melhor das intenções: “Planejar, executar e corrigir” deve se tornar um verdadeiro mantra, seu e da sua equipe.

Os obstáculos existem, inclusive, fazem parte de qualquer projeto.

O importante é aprender, a partir dele, a achar as melhores e mais adequadas respostas para, não apenas continuar executando, mas seguir em frente, quem sabe, ainda mais fortalecido.

Últimas considerações

Portanto, como você pode perceber, o marketing digital para empresas de educação não é, e nem precisa ser tratado como um bicho de sete cabeças.

A partir de um bom planejamento, metas definidas, execução de qualidade e muito suor para buscar a melhoria constante, é possível, não apenas conquistar mais alunos para a sua instituição, mas também educar esses clientes sobre as suas escolhas.

E é a partir desse tipo de pensamento – um investimento na educação do público – que se torna possível fidelizar a sua clientela, transformando o seu corpo discente em um enorme exército que trabalha – mesmo que sem perceber – a favor da sua marca.

E isso, num mercado tão competitivo e feroz, certamente vai fazer toda a diferença.

Quer continuar a aprender mais e mais sobre como o marketing digital para empresas de educação pode ser um instrumento valioso para aumentar a sua captação de alunos?

Então, não deixe de acessar nosso ebook Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing para o setor educacional: como começar.

Um material gratuito feito para instituições de ensino, desenvolvido pelo nosso time com informações que vão ajudá-lo a tirar o seu plano do papel com altas chances de sucesso!

E o que nós queremos é ver sua empresa se destacar.

Como o acordo de nível de serviço (SLA) pode alinhar os times e beneficiar os resultados da minha empresa?

A união entre marketing e vendas, ou Vendarketing, pode soar um pouco estranha para os profissionais de ambas as áreas a princípio.

Apesar disso, passada essa estranheza inicial, é fácil ver como essa prática traz grandes benefícios, não só para cada uma das equipes envolvidas, mas também para o negócio como um todo, gerando cada vez mais lucros e simplificando processos internos.

Mas você deve estar se perguntando: qual o segredo por trás dessa estratégia?

Bem, existem uma série de fatores envolvidos, mas um dos principais é o SLA, é ele que dá “liga” nessa mistura entre marketing e vendas.

Quer saber mais sobre o que essa sigla representa e como ela pode te ajudar? Então fique ligado!

O que é Service Level Agreement (SLA)?

O termo SLA significa Service Level Agreement, que pode ser traduzido por Acordo de Nível de Serviço. Mas o que isso significa de fato?

Basicamente, é um acordo entre duas ou mais áreas — normalmente marketing e vendas — quando se juntam a fim de conseguir melhores resultados para o negócio.

Esse acordo determina qual o papel de cada equipe, estabelece metas claras para ambas, define quando deve ser feita a transição de um lead do marketing para as vendas, etc.

Em outras palavras, o SLA é o documento responsável por manter todos alinhados com o mesmo objetivo.

Isso ajuda a evitar que as expectativas sejam maiores do que deveriam sobre um dos setores, ou que um deles tenha muito mais tarefas que o outro, por exemplo.

Qual a importância do SLA?

Como deu para perceber na explicação acima, o SLA é uma espécie de contrato entre as equipes de marketing e vendas.

Por meio dele, cada uma fica ciente do que precisa fazer e sabe o que esperar da outra. Mas, será que isso faz tanta diferença assim no trabalho?

Com toda a certeza! Veja 5 benefícios que o SLA traz quando bem implementado:

Alinhamento dos objetivos

O primeiro benefício, com certeza, é saber que com um SLA aplicado da maneira correta desde o início da estratégia, os objetivos estarão sempre alinhados.

Esse acordo deve ser bem específico quanto a metas a serem cumpridas e prazos para que isso aconteça.

Dessa maneira, fica bem mais fácil que todos tenham os mesmos alvos em mente, e a partir daí tomem decisões que facilitem a conquista de tais alvos.

Sem um SLA, seria mais provável que a ideia de cada time sobre sucesso fosse bem diferente, e as ações de ambas não se complementariam, fazendo a estratégia fracassar.

Foco nas atividades certas

Como o acordo também define exatamente a que aspectos do trabalho cada setor deve se dedicar, podemos dizer que ele ajuda a manter o foco nas atividades certas.

A ideia do SLA não é focar nas atividades que o outro time deve realizar, como uma espécie de inspeção de qualidade.

Até porque os profissionais de cada área sabem muito bem como cumprir com suas funções, não é mesmo?

O objetivo é se concentrar nas atividades que você precisa realizar, a fim de entregar a sua parte da melhor maneira possível e garantir que os resultados não sejam afetados negativamente por um desempenho ruim.

Facilidade de mensurar os esforços

Como saber se cada time está cumprindo bem com seu papel, se o SLA está funcionando mesmo, se o Vendarketing está dando os resultados esperados?

Só tem uma forma de comprovar tudo isso, e sim, é por usar métricas para mensurar os esforços. A boa notícia é que não é complicado fazer isso.

As ferramentas modernas de analytics que existem hoje em dia permitem inclusive gerar relatórios detalhados, que te ajudarão a ver em detalhes como está o desempenho de todos no planejamento.

Naturalmente, o próximo passo é agir em cima dos dados encontrados a fim de melhorar constantemente.

Aprenda tudo sobre Google Analytics

Processos mais eficientes

Outro grande benefício é que a fim de cumprir com os objetivos dentro do prazo estabelecido, é esperado que processos mais eficientes sejam desenvolvidos internamente.

Esses processos devem levar em conta também a comunicação mais frequente entre as duas equipes, bem como o acompanhamento das métricas a fim de facilitar mudanças.

O SLA terá um papel importante para a melhoria desses processos, já que ela será feita pensando em cumprir esse acordo com mais tranquilidade.

Ambiente melhor de trabalho

Por fim, essa vantagem pode não ser tão perceptível de início, mas logo vai se mostrar como uma das mais importantes para o desenvolvimento da empresa a longo prazo.

Muitas empresas, além de não terem os departamentos de vendas e marketing integrados, infelizmente veem essas duas equipes como rivais internamente.

Isso é péssimo para o negócio! Por isso, conforme o SLA é colocado em ação e as equipes colaboram entre si da forma correta, o ambiente de trabalho vai ficando mais leve.

6 passos para fazer um SLA incrível!

Já sabemos o que é e porque é importante, mas como fazer um bom SLA para unir de uma vez por todas essas duas forças?

É de grande importância que alguns passos sejam dados a fim de que esse acordo seja bem estabelecido e realmente funcione. Veja quais são eles:

1. Estabeleçam os objetivos para o negócio

O primeiro passo é que as duas equipes conversem para estabelecer os objetivos de negócio. Só depois disso será possível avançar a estratégia.

Mas o que, exatamente, precisa ser definido nessa reunião? É preciso saber quantos leads são necessários, em média, para converter um cliente.

Então, com o número de clientes que a empresa espera conquistar, saberá quantos leads deve gerar, e qual a taxa de conversão necessária.

Depois de saber quais objetivos serão perseguidos, já selecionem em conjunto quais métricas e KPIs devem ser usados para avaliar se isso está mesmo sendo feito.

Por fim, não se esqueçam de colocar um prazo para que isso aconteça, pois isso ajudará a manter o foco das equipes.

kit de geração de leads

2. Definam os limites de atuação de cada equipe

Usando o mesmo exemplo que demos a respeito do número de leads gerados e convertidos, depois de estabelecer os objetivos gerais do negócio, é hora de separar quem fica responsável por cada atividade.

Nesse caso, a equipe de marketing deve se preocupar com a geração e nutrição dos leads, enquanto o time de vendas entra em ação na hora de fechar as vendas.

Além disso, será preciso definir qual o critério interno para MQL (Marketing Qualified Lead) e SQL (Sales Qualified Lead), a fim de dividir as responsabilidades corretamente.

3. Documentem tudo que for decidido

Já decidiram o que é MQL e SQL, até que ponto vai o trabalho de marketing e quando começa o trabalho de vendas. Ótimo! Mas o trabalho ainda não acabou.

Ainda falta documentar tudo que ficou acertado na reunião. E se você estiver se perguntando se isso é mesmo necessário? Já respondemos de uma vez: com toda certeza!

É muito importante que os detalhes definidos sejam documentados e mantidos sempre à vista de todos os envolvidos. Dessa forma, ninguém terá dificuldade em lembrar do que está envolvido no SLA e cumprir com ele.

4. Se comuniquem constantemente

A comunicação deve ser parte do dia a dia entre as equipes, não só em reuniões periódicas de avaliação de resultados.

Deixar para conversar só na hora de rever os dados da campanha será tarde demais se a estratégia estiver com problemas.

É bem melhor conversar constantemente, pois isso ajuda a resolver pequenos problemas logo que surgem, evitando que afetem a conquista dos objetivos.

Nesse respeito, os gestores de equipe são fundamentais, e devem incentivar seus liderados a se colocarem a disposição dos demais profissionais e ajudá-los no que for preciso.

5. Acompanhem métricas e KPIs

Usando as métricas escolhidas lá no início da estratégia, as duas equipes conseguirão ver como estão se saindo.

Essas métricas devem ser observadas frequentemente, a fim de ajustar os pequenos problemas no momento em que são encontrados.

Também faz parte da responsabilidade de cada equipe avaliar as métricas e KPIs relacionados com as suas atribuições e criar relatórios, que devem apresentar ao outro time.

6. Adaptem a estratégia conforme necessário

Com base nos dados encontrados, nos resultados finais de cada campanha e no desenvolvimento da estratégia de modo geral, o último passo é se adaptar.

Em outras palavras, aprendam com os erros, identifiquem o que deu certo e tentem melhorar esses pontos ainda mais, e usem esse aprendizado nas próximas estratégias.

Ao fazer isso, com certeza conseguirá tirar cada vez mais proveito da integração de setores, e entenderá melhor como usar o SLA com maestria.

Assim, fica claro como o SLA é uma peça-chave na união de áreas tão importantes como marketing e vendas.

Por meio dele as responsabilidades são divididas e a colaboração se torna mais fácil. Agora que você já sabe até como criar um, é hora de agir e colocar o Vendarketing em prática!

Gostou de aprender mais sobre o SLA? Não deixe de baixar o ebook sobre Vendarketing!

Vendarketing

Por que aliar marketing de conteúdo e ensino online?

Por que aliar marketing de conteúdo e ensino online?

Hoje, 74% das matrículas em EAD no Brasil são feitas em cursos livres, segundo o último censo realizado pela ABED (Associação Brasileira de Educação a Distância). Isso significa que mais de dois terços do ensino online acontece através desta modalidade não tradicional de educação.

Mas o que este dado quer dizer, exatamente?

Toda relação aluno-professor possui uma condição básica: o reconhecimento do primeiro à posição de especialista do segundo. Este nível de reconhecimento tende a variar bastante. Em uma universidade, por exemplo, por mais que o aluno faça a escolha pelo curso, ele não tem controle absoluto sobre quem vai ensinar sobre determinados assuntos. Muitas vezes, a posição de especialista é imposta de cima para baixo.

Já nos cursos livres, esta relação é totalmente invertida. O aluno não só determina quais assuntos ele deseja aprender, como quem ele considera a pessoa mais adequada para ensinar. A internet vem derrubando a educação tradicional, desenvolvendo cada vez mais a “educação sob demanda”. Ou seja: eu aprendo o que eu quero, com quem eu quero.

Então…

Nisso, chegamos ao ponto central da questão. Não existe espaço para quem trabalha com ensino online na web e não desfruta de uma posição de especialista. Parte fundamental do processo de venda de cursos online está no reconhecimento do potencial aluno ao trabalho do professor ou instituição que se dispõe a ensinar algo.

O marketing de conteúdo, então, se mostra uma das estratégias mais eficazes para alcançar a posição de especialista sobre determinado assunto. A pirâmide do marketing de conteúdo, inclusive, já aponta no seu topo a criação de autoridade – e esta fase tem importância catalisada na venda de cursos online.

Gerar conteúdo e relevância para sua audiência é caminho praticamente obrigatório no mercado. Uma estratégia bem delineada de marketing seguindo essa premissa irá traçar seu caminho na construção de uma audiência que te reconheça como autoridade no assunto e tenha motivação para aprender com você pela educação a distância.

Então, não perca tempo: comece a ensinar online – sem deixar de gerar conteúdo e determinar sua autoridade para a audiência. Só assim você terá quem queira aprender com você. E se quiser saber mais sobre como usar uma estratégia de marketing de conteúdo para divulgar seus cursos e aulas, leia nosso ebook: Marketing de Conteúdo para EAD.

(Bernardo Kircove trabalha com cursos online para empreendedores digitais há tempos e, cansado da falta de boas soluções no mercado, co-fundou o Edools, uma plataforma simples e completa para educação a distância..)