Hesley Borragini

Analista de Marketing

Especialista em marketing de conteúdo para e-commerce.
7 publicações feitas.



INADIMPLÊNCIA E VENDAS: QUAL É O CENÁRIO ATUAL DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL?

Inadimplência e vendas: qual é o cenário atual de micro e pequenas empresas no Brasil?

Entenda como evitar a inadimplência em seu negócio e como estruturar um processo de vendas eficiente.

Acumular dívidas e não conseguir pagá-las é um problema que incomoda a milhares de micro e pequenas empresas no Brasil.

Por isso, a Rock Content, maior empresa de Marketing de Conteúdo da América Latina, e a Serasa Experian, maior base de dados da América Latina e responsável pelos relatórios mais precisos e eficazes do mercado, desenvolveram um ebook completo sobre inadimplência e vendas de micro e pequenas empresas no Brasil.

Com esse material, você entenderá como evitar a inadimplência na sua empresa e como estruturar um processo de vendas eficiente.

Baixe agora!

INADIMPLÊNCIA E VENDAS:
QUAL É O CENÁRIO ATUAL DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL?
Economia da recorrência na visão de Rodrigo Dantas e Diego Gomes

Economia da recorrência na visão de Diego Gomes e Rodrigo Dantas

O CEO da Rock Content, Diego Gomes e o CEO da Vindi, Rodrigo Dantas, estarão juntos em um webinar, na segunda-feira, 15 de abril, para discutir a economia da recorrência.

O modelo de assinaturas será o futuro de todas as empresas?

O mercado de empresas de tecnologia vem mudando constantemente. Novos modelos surgiram e as empresas SaaS (software as a service) são cada vez mais comuns.

Isso porque esse novo modelo de negócio é previsível e recorrente e isso brilha os olhos de empreendedores e investidores.

Segundo classificação do SaaStock, a Rock Content e a Vindi — empresas no modelo SaaS, com destaque na América Latina — são como superestars nesse modelo de recorrência.

Por isso, vamos reunir Diego Gomes, CEO da Rock Content, e Rodrigo Dantas, CEO da Vindi, para discutir a economia da recorrência em um Webinar ao vivo.

Esses dois gigantes do mercado vão dar sua visão do modelo e falar como ambas as empresas atuam em suas determinadas estratégias.

Além disso, vamos abordar vários assuntos, como:

  • métricas de empresas SaaS;
  • o futuro das empresas de software;
  • captação de investimento de empresas SaaS;
  • estratégias de empresas SaaS;
  • como a Rock e a Vindi acompanham seus resultados e quais suas estratégias.

O Webinar vai acontecer no dia 15/04 às 15h. E você pode e — deve — fazer qualquer pergunta para os dois.

Inscreva-se agora!

webinar economia da recorrencia

Descrição de produto e categoria: Qual a importância na sua estratégia de conteúdo

Se você tem um e-commerce, deve saber que informações são essenciais para o sucesso da sua loja virtual.

Dessa forma, uma boa descrição de produto e categoria é fundamental. Quando bem feita, elas podem trazer muitos benefícios para o seu site. Então, investir tempo e dinheiro para elaborá-las torna-se fundamental.

Se você já tem um estratégia de Marketing de Conteúdo rodando, saiba que é possível unir esses dois pontos no seu planejamento de Marketing Digital, já que ambos são conteúdo. Existem algumas técnicas que podem ser usadas para potencializar seu sucesso.

Neste artigo vou mostrar como sua estratégia de Marketing de Conteúdo vai ajudar nas suas páginas de produto e categoria, desenvolvendo assim um plano unificado.

Descrição de produto e categoria = Blogpost

Uma página de produto e categoria nada mais é que uma página na internet, portanto, o Google vê com bons olhos aqueles que desenvolvem um bom conteúdo, exatamente como em uma página de blog.

Se você já faz uma estratégia de Marketing de Conteúdo com blog, não será difícil escrever uma descrição de produto e categoria seguindo as mesmas técnicas de um blog post.

Sim, uma descrição nada mais é que um blog post de meio de funil!

Portanto, minha sugestão é elaborar um conteúdo completo, focando em palavras-chave, escaneabilidade, meta tags, entre outras técnicas de escrita para web.

Tome muito cuidado para não exagerar e perder a qualidade, que é importante em todas as etapas da sua produção de conteúdo.

Rankear para o nome do produto

Já imaginou rankear organicamente suas páginas de produto e categoria nas primeiras posições para o nome do seu produto?

Você economizaria com anúncios pagos e também receberia a maioria dos cliques da SERP!

E se você já trabalha com blog, sabe que isso é essencial para a estratégia, mas que não acontece do dia pra noite.

Assim, usar técnicas de SEO para as páginas de produto e categoria também é extremamente importante.

Como nos seus blogposts, desenvolver conteúdo para as páginas de produto e categoria é uma estratégia a longo prazo, então pode ter certeza que você não irá rankear nos primeiros meses. Já sabemos que SEO é um trabalho diário, então foque nas boas práticas da mesma forma que no seu blog.

Posts Satélites

A técnica de posts satélites é muito usada aqui na Rock Content e gera muitos resultados positivos.

Ela consiste em escrever um post principal, bem completo, que chamamos de post pilar, que é rodeado por posts satélites.

No post pilar, focamos em uma palavra-chave muito concorrida e importante para o nosso negócio. Já os posts satélites, que geralmente são menores e para palavras-chave long tail, devem ter alguma relação e linkar para o post pilar.

Com isso seu post pilar ganhará muita relevância e, junto com outras técnicas, é possível chegar na primeira página e, provavelmente, no primeiro lugar do Google.

A grande sacada aqui é que o seu post pilar pode e deve ser sua página de produto e/ou categoria, enquanto os posts satélites podem ser conteúdos do seu blog, todos eles linkando para o post principal.

Desta maneira você fortalece cada vez mais suas páginas de produto e categoria, fazendo uma teia de links internos dentro do seu blog e e-commerce.

Porém, isso só é possível depois de uma vasta pesquisa de palavra-chave, para entender principalmente qual a intenção de busca do usuário, quantidade de busca, concorrência, entre outras fatores.

Para ficar mais claro, vamos dar um exemplo de uma estratégia de post satélite:

  • Post Pilar: Tênis de corrida Nike (página de produto).
  • Posts Satélites:
  • Os X melhores tênis de corrida (Conteúdo do blog);
  • Como os tênis de corrida amortecem o impacto (Conteúdo do blog);
  • Vai começar a correr? O que você precisa saber (Conteúdo do blog);

Estrutura do blog e da loja virtual

Uma estratégia de Marketing de Conteúdo é extremamente importante para sua loja virtual. Mas, para que ela funcione perfeitamente, é necessários se atentar à estrutura do seu blog e do seu e-commerce.

Vamos começar falando do seu blog. Agora que você já desenvolveu uma descrição de produto ou categoria incrível, podemos e devemos aproveitar todo o tráfego que seu blog gera para levar o máximo de usuários possíveis para as páginas da loja.

Para isso, é fundamental inserir CTAs, principalmente no formato de banners, dentro no seus blogposts, na lateral do blog e onde mais você achar que faz sentido.

Não se preocupe em ser agressivo aqui: as pessoas precisam saber que aquele conteúdo fantástico que elas estão lendo é de uma loja virtual.

A mesma coisa acontece nas suas páginas de produto e categoria. O usuário precisa saber que você tem um blog, então, dentro do conteúdo dessas páginas, insira hiperlinks para conteúdos do blog.

Análise dos resultados

Agora que você já fez uma descrição de produto ou categoria incrível, faz um trabalho conjunto com seu blog com posts satélites, otimiza para os motores de busca e tem uma excelente estrutura de site e blog, é hora de analisar os dados.

Uma forma de analisar se sua página está performando bem é analisando o rankeamento. Verifique como está sua posição no Google e quais pontos você pode melhorar para obter melhores resultados. Você pode utilizar o Google Search Console ou ferramentas mais robustas, como o SEMRush.

Se suas páginas do site ou blog chegaram na primeira página do Google, analise agora a taxa de conversão no Analytics (ou outro software de análise).

Não se esqueça que a conversão pode ser influenciada por muitos fatores, como a experiência do usuário, frete, imagens do produto, valor do produto, entre outros. Portanto, é preciso pensar nesses pontos também. A descrição do produto com certeza é uma forte aliada para a conversão, mas não faz milagre.

Para identificar a influência do blog nos acessos em suas páginas de produtos, você pode utilizar a atribuição multicanal e assim corrigir ou potencializar as suas ações do blog.

Conclusão

Uma boa descrição de produto e categoria pode trazer ótimos resultados para sua loja virtual. Assim, unir a sua estratégia de Marketing de Conteúdo certamente irá potencializar seu sucesso.

Não deixe de seguir essas dicas para que suas páginas cheguem no topo das SERP e aumentar sua taxa de conversão.

E, se quiser se aprofundar ainda mais, baixe nosso ebook de estratégias de conteúdo para lojas virtuais. Nele você irá explorar mais estratégias de conteúdo para atrair mais clientes.

Espero ter ajudado você a entender a importância da estratégia de conteúdo para sua loja virtual! Se ficou alguma dúvida, deixe nos comentários. Será um prazer ajudar você! 

Estratégias de conteúdo para lojas virtuais

branding para ecommerce

Branding para e-commerce: entenda como construir uma marca desejável e que gere resultados

O branding é uma estratégia de grande importância para empresas de diversos setores, e com as lojas online não poderia ser diferente. Entenda como desenvolver o reconhecimento de marca do seu e-commerce e como isso pode gerar resultados positivos para sua marca!

Trabalhar branding nada mais é que trabalhar a gestão da sua marca. Isso envolve realizar estratégias para tonar sua empresa mais conhecida, mais desejada e plantar sua semente na mente e nos corações dos consumidores.

Parece simples, mas não é!

Esse processo é complexo e envolve desde a concepção até as ações de marketing da empresa.

No e-commerce, o branding tem importância fundamental para lojas que querem ter resultados cada vez maiores.

Quer entender mais sobre o assunto? Acompanhe!

Branding para e-commerce

Você já parou para pensar por que algumas lojas virtuais são mais conhecidas e adoradas que outras, mesmo no caso de produtos semelhantes?

Provavelmente, o grande diferencial dessas lojas é o branding.

Trabalhar com a gestão da sua marca é importantíssimo, principalmente no ambiente virtual.

Isso pode trazer diversas vantagens, como o aumento do ROI, maior LTV, diminuição do CAC e por aí vai. Além disso, é uma excelente forma de trazer defensores para sua marca.

As pessoas passam a comprar da sua loja por uma identificação com os valores e história, criando um vínculo de fidelidade. Uma ótima marca é a moeda mais poderosa que uma loja virtual pode ter, sua maior vantagem competitiva.

E isso é totalmente possível!

Neste artigo vamos entender como construir uma marca forte para lojas virtuais e se diferenciar dos concorrentes, para que você não precise mais brigar por preço. Apresentarei alguns passos que você pode seguir para conseguir desenvolver o branding da sua marca.

Vamos lá?

Download ebook de e-commerce

1. Comece do básico

Poucas marcas investem cedo e possuem uma certa frequência em sua estratégia de branding.

Na verdade, muitas vezes é uma reflexão tardia depois que certo sucesso já foi alcançado. Ou seja, é algo que as marcas começam a pensar quando consideram possuir tempo e dinheiro.

Mas você não tem a oportunidade de causar uma primeira impressão várias vezes, certo? E isso é importante desde o primeiro dia.

Então, antes de ir a fundo com algumas estratégias de branding, é essencial entender melhor o próprio negócio.

Um ótimo começo é reunir sua equipe e fazer um pequeno brainstorming para descobrir se sua marca é realmente notável ou não:. Responda as seguintes perguntas:

  • Seu negócio de comércio eletrônico tem uma missão?
  • Existe algum problema que seu produto resolva?
  • O que seus clientes atuais pensam da sua empresa?
  • O que os potenciais clientes pensam da sua empresa?
  • Quais padrões você deseja que os clientes associem a sua empresa?

No mundo ideal você seria capaz de responder a essas perguntas sem pensar muito, mas sabemos que não funciona assim.

Será necessário um certo trabalho para respondê-las.

Por isso, esteja atento nos feedbacks dos clientes em suas redes sociais, comentários em seus produtos e até mesmo comentários em sua página de “Quem somos”.

Para adquirir mais dados, sugiro também uma pequena pesquisa de mercado.

Envie um e-mail aos seus clientes para entender o que eles pensam sobre você e seu produto, oferecendo algum benefício para aqueles que participarem da pesquisa, como um desconto.

Assim você consegue o máximo de respondentes para deixar as respostas muito mais completas.

Dicas bônus para já melhorar seu branding:

  • Desenvolva um logotipo marcante criado por alguém com experiência em branding;
  • Integre sua marca em todos os meios de comunicação social que você usa, usando a mesma imagem de perfil em todos os seus canais;
  • Crie uma Branding persona e seja coerente com seu tom e estilo em todos os seus canais.

Agora que você entende quem é aos olhos do seu cliente, vamos para as estratégias que vão nos diferenciar dos concorrentes.

2. Compartilhe sua história

Quem não gosta de uma boa história?

Por toda a caminhada da humanidade muitas histórias foram contadas. Como seres humano, temos mais facilidade de lembrar e nos relacionar emocionalmente com os outros através da narrativa do que qualquer outro meio.

Você deve contar a história da sua marca de uma maneira que transmita confiança para seus clientes em potencial, o objetivo é passar sentimento, para que você seja lembrado.

“Por que você existe?”

Concordo que o seu produto pode fazer algumas clientes se apaixonarem por você. Mas um produto de excelente qualidade é o mínimo que sua marca pode fazer!

A maior parte dos seus possíveis clientes querem conhecê-lo, e claro, você também deve conhecê-los.

Então, deixe bem claro:

  • Por que você começou o negócio;
  • Quem é você;
  • O que você gosta;
  • O que você representa;
  • O que você defende;
  • O que é importante pra você.

Essas respostas vão te ajudar na construção do seu branding e posicionar sua marca de maneira como diferente das outras.

3. O que você representa?

O que sua marca representa? Toda empresa é formada em torno de um conjunto de ideias, sonhos e objetivos, certo?

Então, por que não contar para o mundo? Os clientes devem entender sua promessa de marca.

Associe sua marca a projetos (ou crie os seus próprios) que tem como objetivo ajudar o desenvolvimento da sociedade. As pessoas vão participar da luta se encontrarem uma visão que combine com a sua.

Aqui, encontre algo que você realmente acredita, caso contrário esse ideais serão perdidos com o tempo.

Certifique-se de defender essa mudança não apenas em sua página “Quem somos”, mas em qualquer lugar. Isso faz parte da sua marca.

4. Alinhe as expectativas

Falsas promessas não agradam ninguém. A decepção causada pela sua empresa pode provocar grandes prejuízos para sua marca.

Já ouviu falar que clientes insatisfeitos espalham seu descontentamento pelos 7 cantos? Você não deseja que isso aconteça com sua marca, não é mesmo?

O mais importante para que isso aconteça é nunca fazer falsas promessas: não fale o que você não pode cumprir.

Construir uma marca forte é um trabalho a longo prazo, mas destruir todos os esforços que você lutou para alcançar pode levar segundos.

Um exemplo desse tipo de erro são as políticas de devolução e envio. Não ofereça prazos surreais de entrega. Aqui a honestidade é extremamente importante. É provável que você ainda não consiga bons prazos como os grandes (isso é questão de tempo), mas sem dúvida evitar um detrator na sua marca é sempre a melhor opção.

Então, lembre-se que seu prazo, frete e devolução, não precisam ser as melhores do mercado, e sim que sejam claras e honestas.

5. Experiência do cliente

A experiência do cliente abrange basicamente todo o seu trajeto e você já sabe que ele deve ser impecável, tanto no site até a entrega do produto.

No entanto, uma das coisas que muitas lojas virtuais deixam de lado, é a experiência pós venda: o produto é despachado e os detalhes (como embalagem do produto) são esquecidos, além do próprio desenvolvimento de um relacionamento com o cliente após a compra.

A Apple, por exemplo, ficou famosa por suas embalagens incríveis. Quem já comprou um produto da maçã sabe que a sensação de tirar o produto da caixa é fantástica.

Quando você surpreender completamente seus clientes com uma experiência pós venda, saiba que você chegou ao ponto certo e quanto mais personalizada melhor.

Um exemplo de bom relacionamento com o cliente é o NuBank, empresa de cartões de crédito que frequentemente surpreende seus clientes com roteiros de viagens para clientes que solicitam desbloqueio international, cartas escritas à mão, presentes aos pets que acabam destruindo os cartões de seus donos e muitas outras ações personalizadas que acabam criando centenas de promotores da sua marca.

Comece com pequenas personalizações. Não é necessário grande investimento para começar a surpreender: use a criatividade.

6. Seja sempre grato

Hoje em dias as marca são capazes de se posicionar bem no espaço online, mas deixam a deseja quando se trata de retribuir seus clientes.

Não importa quantas centenas de milhares de vendas você realizou em sua loja online, sempre procure a oportunidade de expressar gratidão aos seus cliente, seja em suas redes sociais, email ou em outros canais.

Mas é legal fugir do óbvio e ir além do mecânico. Não mande mensagens genéricas como “Obrigado pela compra, aqui está seu número do pedido”. Pense em algo que traduza sua linguagem e suas ideias.

Seja grato, reconheça o apoio de seus clientes e faça com que ele engaje com você!

7. Concentre-se no seu mercado

Já ouvimos aquele ditado “não dá para agradar a todos”. Isso nunca foi tão verdade.

Focar seus esforços a um determinado público elimina consideravelmente o incômodo de “agradar a todos”, sua mensagem será muito mais assertiva.

Defina seu mercado e com quem você deseja falar, desenvolva uma persona para que suas estratégias de branding sejam focadas e nunca se esqueça que suas ações são voltadas para esse persona e não para você.

Nem todo mundo é seu público-alvo, e nem todo mundo precisa gostar da sua mensagem. É importante apenas que ela esteja de acordo com os valores, linguagens e objetivos da sua persona.

O Guia para criação de Personas

Aprenda a criar o seu cliente ideal agora mesmo!


Branding não é apenas um logotipo bem feito, não é apenas um nome chamativo e um design bonito.

É toda uma estratégia muito mais complexa que pode levar sua marca a outro patamar.

Lembre-se: você não irá construir uma marca forte da noite para o dia. Dedique tempo e investimento para gerir sua marca de maneira eficaz e siga essas dicas. Tenho certeza que os resultados serão espetaculares e você irá transformar clientes em promotores da sua marca.

Espero ter esclarecido suas dúvidas e, se você já fez ou está fazendo algumas dessas ações de branding, compartilhe com a gente suas experiências deixando um comentário aqui! Será um prazer ver como está se saindo.

Ebook Branding

O que é autoresponder? Entenda o benefício deste recurso para suas campanhas de email marketing e como configurar no MailChimp!

Uma estratégia de email bem definida pode trazer ótimos resultados incríveis para ações de Marketing de Conteúdo.

É preciso entender como começar, o que envolve também a parte técnica da estratégia, que às vezes pode gerar dificuldades.

Existem muitas ferramentas de email marketing no mercado e uma das mais populares é o MailChimp, que oferece recursos incríveis e possuem uma versão gratuita que abrange todas as funcionalidades com uma certa limitação de contatos.

Umas dessas funcionalidades é o autoresponder, função esta que vamos aprender qual sua importância e como configurá-lo dentro da ferramenta. Não se preocupe, não é um bicho de sete cabeças!

Então vamos lá?

O que é autoresponder e por que ele é importante?

O autoresponder nada mais é que um email automático que seu usuário recebe logo após seu cadastro na newsletter do seu blog.

O objetivo do autoresponder é apresentar-se para o seu novo contato.

Ele tem extrema importância na sua estratégia, já que é o primeiro contato da sua marca com um possível cliente. Assim, é fundamental que esse email esteja setado em sua ferramenta de email marketing, independente de qual for.

Obviamente este não deve ser seu único email.

Também é necessário uma estratégia de newsletter, que são mensagens informativas enviadas com recorrência para o assinante, sendo menos comercial e focando mais em conteúdo.

Você pode entender mais sobre o assunto com este material completo da Newsletter.

Guia da Newsletter

Agora que entendemos sua importância e o porque devemos inseri-lo em nossa estratégia, vamos aprender na prática como configura-lo no MailChimp.

Como configurar o autoresponder no MailChimp

Fizemos um tutorial passo a passo ilustrado neste post que você também pode acompanhar em vídeo se desejar:

1. Criando uma lista no Mailchimp

É interessante criar uma lista exclusiva para sua newsletter, onde todos os assinantes que se cadastraram no seu CTA de captura de email serão importados.

Para isso, vamos seguir os seguintes passos:

  1. No menu principal no Mailchimp, clique em “Lists”.

Lists no menu principal do Mailchimp

  1. em seguida, clique em “Create a list” e depois “Create a list” novamente.

Create list Mailchimp
Create list Mailchimp

  1. Preencha o formulário da seguinte maneira:
  • List name: nome que você dará a essa lista. Esse nome é somente para seu controle;
  • Default form email adress: de preferência insira seu email corporativo;
  • Default from name: seu nome;
  • Reuse reminder from another list: um lembrete breve do por que esse usuário se cadastrou na sua lista.
  • Notificantions (opcional): essas opções são para você receber uma notificação via email toda vez que alguém é importado para sua lista.

É sempre recomendado que você preencha essas informações com dados corporativos, ok? Porém, mas a frente, vamos configurar outras informações que serão visualizadas pelo assinante. Como ficou:

Formulário Create List
Configurações formulário Create List

Depois é só clicar em “Save” e pronto: nossa lista da newsletter foi criada com sucesso, agora vamos ver como fazemos a integração no wordpress:

2. Integrando com o WordPress

Com a lista criada vamos integrar nossa conta do MailChimp com o WordPress do nosso blog. Em primeiro lugar, vamos baixar e instalar o plugin do MailChimp seguindo esses passos:

  1. No seu WordPress, coloque o mouse em cima de “Plugins” e clique em “Adicionar novo”:

Adicionar novo plugin no WordPress

  1. Na sequência digite “MailChimp” na aba de pesquisa. O plugin que vamos instalar é o primeiro da lista, clique em “Instalar agora” e depois “Ativar” (essa opção irá aparecer depois da instalação):

Instalando o MailChimp no WordPress

  1. Com o plugin instalado, uma nova opção chamada “MailChimp for WP” irá aparecer na sua barra lateral esquerda. Coloque o mouse em cima e depois clique em “Mailchimp”:

MailChimp for WP

  1. Na tela seguinte, perceba que ele está solicitando uma “Chave de API MailChimp” e está marcando como não conectado:

Conectando MailChimp ao WordPress

  1. Nesse momento será necessário retornar ao MailChimp para busca essa chave e coloca-la no espaço em branco. Para isso, siga esses passos:
  • Clique no seu perfil do MailChimp e depois “Account”:

MailChimp Account

  • No menu que irá aparecer, clique a opção “Extras” e depois “API Keys”:

API keys Mailchimp

  • Na tela seguinte clique no botão “Create A Key”:

Criando sua chave API no MailChimp

  • Com a API criada, copie o código de números e letras e cole no espaço em branco do WordPress (Você pode criar várias APIs para diversas integrações, por isso é importante nomear essas chaves para seu controle):

Inserindo a API no WP
Inserindo a API no WP

  • Agora é só clicar em “Salvar alterações” e pronto: a integração com o WordPress foi feita. Perceba que a lista que criamos já aparece pra nós:

Finalizando a conexão entre MailChimp e WordPress

Bom, a integração com o WordPress está feita. Agora precisamos integrar com o Contact form 7, o plugin de formulário mais popular e é o que usamos aqui na Rock Content por ser altamente eficiente, então, vamos para o passo a passo:

  1. Agora, coloque novamente o mouse em cima de “Mailchimp” e clique em integrações:

MailChimp WordPress Integrações

  1. Clique em “contact forms 7”:

Integrações Contact Forms 7

  1. Na sequência, é só seguir esse passo a passo:
  • Listas MailChimp: escolha a lista da qual você deseja importar os contatos. No meu caso, escolhi a lista que criamos nesse tutorial, chamada de “Lista da Newsletter”;
  • Texto de rótulo do checkbox: escreva um breve texto que apareça embaixo do botão enviar do seu formulário;
  • Checkbox pré-selecionado?: sempre deixe essa opção marcada como “Sim”, para que o usuário não precise marcá-la, evitando assim mais um clique;
  • Carregar CSS padrão?: também deixe marcado como “Sim”, para que o Checkbox siga a identidade do seu blog;
  • Verificação dupla?: deixe marcado como “Não”, para que o MailChimp não mande um email de verificação;
  • Atualizar os inscritos existentes?: aqui também deixe marcado como “Não, já o MailChimp atualiza sua lista quando o usuário se cadastra;
  • Clique em “Salvar alterações”.

Ficou assim:

Configurando o formulário de contato

Ok, configurações feitas! Agora precisamos que o formulário do nosso blog se integre com essas configurações.

Para isso, copie o código que o MailChimp criou: [mc4wp_checkbox]. Esse código é padrão e não muda nunca.
Código para integração do formulário

  1. Agora precisamos colar esse código no formulário que queremos integrar. Para isso, coloque o mouse em cima de “Contato” (que nada mais é que o plugin Contact forms 7) e clique em “Formulário de contato”.

Integrando o formulário de contato

  1. Nessa tela, aparecerão todos os seus formulários. No meu caso o único formulário é intitulado “Receba as novidades do blog”. Esse nome é padrão para os formulários criados para os cliente da Rock que tem blog conosco, ok? Caso você tenha um blog próprio, verifique com cuidado qual é o formulário que você destinou para sua newsletter. Depois é só clicar em cima do nome do formulário:

Formulários criados

  1. Agora é só clicar no código que copiamos em baixo de “Enviar” e depois clicar em “Salvar”. Pronto, formulário integrado:

Salvando as configurações dos formulários

Para garantir, entre na sua página e verifique se o Checkbox está lá, faça um teste de cadastro e veja se seu email já entrou na lista criada no Mailchimp:

Teste de cadastro
Conferindo o teste de cadastro

Ufa, deu tudo certo, cadastro feito e importado para a lista.

Estamos quase lá, agora só falta criar o email de autoresponder para esse primeiro assinante e os outros que vierem. Vamos lá?

3. Criando o autoresponder no MailChimp

Agora que temos o nosso WordPress integrado com o Mailchimp, precisamos criar o email de boas-vindas para os novos cadastrados, certo?

Então vamos para o passo a passo:

  1. Na tela do Mailchimp, clique em “Campaigns” e depois em “Create Campaigns”:

MailChimp Create Campaign

  1. Depois siga essa sequência:
  • Clique em “Create an Email”;

Create an Email

  • Depois, clique na opção “Automated” e depois em “Welcome new subscribers”:

Automatizar novos contatos

  • Digite um nome para sua campanha e depois selecione a lista que irá receber esse email. No meu caso é a “Lista da Newsletter”. Clique em “Begin”:

Boas vindas aos novos contatos
Selecionando a lista que receberá o email

  1. Ok, já criamos nossa campanha. Agora vamos personalizar nosso e-mail, então vamos seguir esses passos:
  • Primeiro vamos definir em que momento o cadastrado irá receber o email. Para isso, é só clicar em “Edit trigger”;

Edit trigger Mailchimp - em que momento o assinante vai receber o email

  • Agora, em vez de 1 dia, vamos escolher “Immediately”. Assim, o cadastrado recebe o email na hora da assinatura. Vamos selecionar “Trigger when subscribers are imported” e depois “Update Trigger”:

Configurando o tempo do primeiro email

  1. Pronto, o gatinho está configurado. Agora devemos seguir a seguinte sequência:
  • Clicar em “Design Email”:

Design email

  • Preencha o formulário com as seguintes informações:

Configurando primeiro email

Lembrando que “Email subject” é o assunto e “Preview texto” o texto que vem depois do assunto. Clique em “Next”.

  • Escolha um tema do MailChimp para seu email. (É possível escolher um em branco e customizar do zero):

Escolhendo visual para email

  • Customize seu email da melhor forma possível para uma mensagem de boas-vindas. Sempre dê uma olhada como no layout está ficando na opção “Preview and test” e depois clique em “Save and Continue”:

Escolhendo visual para email

  • Pronto, email configurado. Clique em “Next”:

Email configurado

  • Depois em “Start Workflow”:

Iniciar fluxo de email
Iniciar fluxo de email

Finalmente temos um email de boas-vindas totalmente configurado!

Processo finalizado

Dentro dessa mesma campanha, você pode criar uma sequência de vários emails com gatinhos diferentes, criando assim um fluxo de boas-vindas.

Em outros ferramentas, essa integração com o WordPress e Contact Forms 7 também é possível e fundamental.

E sim, eu sei que é trabalhoso, mas essa configuração é feita somente uma vez e irá te trazer um ótimo retorno em resultados, ok? Não se esquece de também trabalhar a newsletter que é super importante para uma estratégia de marketing de conteúdo.  

Ficou alguma dúvida? Deixe nos comentários qual ferramenta você utiliza e que deseja ver um tutorial como esse!

Quer continuar aprendendo mais sobre estratégias de email marketing? Confira nosso material completo sobre o assunto:

ebook email marketing

KPIs de e-commerce

KPIs de e-commerce: entenda quais os principais para avaliar o sucesso da sua loja virtual

KPIs são essenciais para qualquer negócio online. Isso porque eles mostram exatamente quais dos seus objetivos estão trazendo resultados e mostra o real valor de seus investimentos. Entenda os principais KPIs de uma loja virtual e aplique na sua agora mesmo!

Sabemos que o sucesso de uma loja virtual não depende somente de bons produtos ou de uma boa experiência de compra do usuário.

Na verdade, vai muito além disso: aqueles que sabem escolher bem seus KPIs e interpretá-los para uma melhor tomada de decisão sempre estão na frente.

A grande vantagem de um e-commerce é que podemos medir tudo e principalmente, entender o que está funcionando e o que não. Mas também é necessário tomar cuidado para não exagerar e tentar mensurar tudo e acabar não mensurando nada.

Nesse artigo vamos entender quais as principais KPIs para uma loja virtual e como mensurá-las de uma forma eficiente.

Qual KPI escolher?

KPI significa Key Performance Indicator que, traduzindo para o português, significa indicador chave de performance. Esses indicadores são os que vão guiar a jornada na loja virtual para a escolha de bons KPIs, o que vai depender muito do seu negócio e objetivo.

Tudo começa por um bom planejamento e objetivo. Defina primeiro onde você está e onde você quer chegar para depois determinar o que medir.

Quer um bom exemplo de definição de KPI?

Uma loja virtual acabou de ser lançada e ainda é desconhecida pelo público. Seu grande objetivo, a princípio, é levar tráfego para a loja, pois, sem tráfego não há conversão.

Então o principal KPI nesse início será o tráfego do site. Contudo, nada impede que a mesma loja virtual possua KPIs secundários como a taxa de conversão. Não se preocupe: a taxa de conversão, com o tempo, com certeza será seu KPI principal.

Objetivos da estratégia definidos? Agora é a hora de entender quais os principais indicadores, o que significa cada um deles e como mensurá-los. Vamos lá?

Tráfego da loja

Medir o tráfego da sua loja virtual é essencial para entender se estamos atraindo possíveis compradores, então será necessário um esforço considerável para trazer acesso ao site.

Infelizmente, só colocar sua loja no ar não é suficiente.

Existem diversas maneiras de levar tráfego para sua loja e não tenha dúvida, investir em estratégias de marketing digital será essencial para o sucesso do seu e-commerce.

Dentro do Google Analytics, esse métrica é denominada como “Sessões”.

É possível realizar comparações e analisar períodos anteriores, dessa maneira você terá uma visão mais clara em que momento a loja foi mais visitada, podendo assim corrigir erros de estratégia a até repetir ações que funcionaram no passado.

Canais de aquisição

Também por meio do Google Analytics, você consegue analisar todos os canais de aquisição de visitas ou vendas da sua loja virtual.

Nessa opção da ferramenta, você tem acesso ao panorama geral de onde estão vindo seus acessos e quantos deles se transformaram em conversões.

Exemplo: vamos supor que uma loja virtual queira entender quantos clientes e acessos conseguiu por meio das redes sociais em um período de um mês. Por meio do canal de Social (redes sociais), ela poderia identificar que tiveram um total de 1.000 visitas ao site e, dessas visitas, 3 se converteram em vendas.

Com esses dados você tem a capacidade de analisar qual canal de aquisição está trazendo mais resultados para sua loja virutal e qual está com problemas e precisa ser corrigido.

Se você quer entender mais sobre o Google Analytics aplicado à lojas virtuais, faça o download deste material completo sobre o assunto.

Ebook Google Analytics para e-commerce

Taxa de conversão

A taxa de conversão nada mais é que a média de vendas realizadas em um determinado período. Sem dúvida é um KPI extremamente importante para um e-commerce e deve ser acompanhada de perto.

Para medir conversões dentro da sua loja virtual é simples: basta fazer a divisão do número de vendas pelo total de visitas da sua loja.

Perceba que a taxa de conversão está diretamente ligada às visitas do site. Assim fica bem mais fácil entender a importância de um número considerável de acessos, certo?

Ótimo! Mas, não se engane: só atrair pessoas também não é suficiente.

Existem muitos fatores dentro de uma página na web que influenciam na conversão.

Caso você adote uma estratégia de inbound commerce, também é interessante medir a de conversão para leads, leads em oportunidades e oportunidades em vendas.

Abandono do carrinho

Outro KPI também extremamente importante para lojas virtuais é o abandono de carrinho. Ele nos ajuda a entender o comportamento do usuário e identificar possíveis falhas no funil de vendas da loja.

Nesse caso, conseguimos detectar se existe algum problema em determinada página, na experiência de compra, na interface do site, entre outras muitas coisas que podem causar o abandono.

Existem estratégias de abandono de carrinho que também podem nos ajudar a trazer esse consumidor de volta e talvez efetuar a compra, como o remarketing.

Essa estratégia consiste em mostrar para o mesmo usuário produtos anteriormente visualizados em outras páginas. Dessa maneira, ele será relembrado do que poderia ter comprado e isso pode ajudar a trazê-lo de volta para o seu site.

CAC

Saber quanto você gasta para conquistar um cliente é importante para entender se você não está perdendo dinheiro toda vez que alguém compra no seu site.

Calular o CAC (custo de aquisição de cliente) é essencial. O cálculo do CAC é simples: basta dividir a soma dos investimentos para adquirir um cliente, pelo número de clientes conquistados em um determinado período.

Digamos que, em um trimestre, sua loja investiu R$ 5.000 nas áreas de Marketing e tecnologia e conquistou 10 clientes novos. Seu CAC é de R$ 500.

Com uma estratégia bem planejada, sempre é possível diminuir o custo de aquisição de cliente, fazendo com que sua loja cresça de forma saudável e rentável.

Ticket médio

Esse indicador também nos mostra o comportamento do seu consumidor, já que ele está ligado a valor que seu cliente gasta dentro da loja. Quanto maior for esse valor, mais os clientes estão gastando em pedidos.

O cálculo do ticket médio também é simples, porém precisamos conhecer também outros dois critérios: o valor total faturado e o número de pedidos.

Existem também muitas estratégias que você pode adotar para aumentar o ticket médio da sua loja virtual e faturar mais, gastando menos.

LTV

LTV (Lifetime Value) é o lucro total que o cliente irá gerar para você ao longo de toda sua vida útil no seu negócio digital. Para calcular o LTV, você vai precisa multiplicar o ticket médio pelo tempo de relacionamento e pelo número de compras realizadas.

A grande vantagem de medir o LTV da sua loja virtual é que você pode planejar estratégias e ações a longo prazo, além disso, é possível descobrir padrões de compra dos seus clientes e realizar táticas de vendas baseadas nesses dados.

ROI

Esse indicador está totalmente ligado a suas ações de marketing, já que aqui você vai analisar se elas estão dando retorno ou não.

ROI (retorno sobre o investimento) é extremamente importante para revelar o quanto você ganhou ou perdeu em relação à quantia que foi investida.

O cálculo também não é nenhum segredo e pode ser feito da seguinte forma:

Fórmula de ROI

Dessa forma você pode reavaliar suas estratégias de marketing ou investir ainda mais no caminho que está dando bons retornos.

Taxa de rejeição

Eis aqui uma métrica meio que “rejeitada” pelos donos de lojas virtuais (desculpe o trocadilho).

A taxa de rejeição nada mais é que a interação do usuário com sua página, o que envolve o tempo que ele fica na página, os links que ele clica, o quanto ele navegou pelo conteúdo etc.

Para uma loja virtual isso é extremamente importante, já que existem vários produtos e categorias para o usuário navegar.

Nesse cenário, uma taxa de rejeição alta significa que algo está errado com a sua loja virtual e você deve analisar as possíveis falhas.

É interessante, sempre que possível, inserir elementos atrativos e de interação, como CTAs, produtos relacionados, boas descrições de produtos, links para seu blog, entre outras ações. Portanto, estudar usabilidade para web também faz parte do dia a dia de um empreendedor digital.

Como já mencionamos, todos esses resultados podem ser mensurados e avaliados no Google Analytics.

Porém, exclusivamente para e-commerce existem particularidades de configuração para que você consiga analisar corretamente esses dados que o próprio Google ensina nesta página.

Também explicamos tudo que você pode fazer com a ferramenta para sua loja virtual no material que já citamos aqui e que você pode baixar neste link.

Conclusão

Ter uma loja virtual possibilita metrificar tudo. Porém, mais do que gerar dados, é importante analisá-los de maneira eficaz e, assim, tomar decisões inteligentes, economizando tempo e dinheiro, gerando ainda mais receita.

Nesse post você conheceu várias maneiras de analisar se sua loja virtual está no caminho certo. Não se esqueça de escolher o KPI certa para seu negócio e baseado no seu objetivo.

Já que você se interessou pelas principais KPIs de e-commerce e quer potencializar seus resultados, recomendo a leitura do ebook gratuito sobre Estratégias de conteúdo para Lojas VirtuaisAssim você também pode conseguir muito mais oportunidades de venda através de conteúdo.

Estratégias de conteúdo para lojas virtuais

Muito obrigado pelo leitura! Espero ter esclarecido suas dúvidas e, se precisar de auxílio com as métricas, mande nos comentários. Vai ser um prazer ajuda-lo!

Inbound Commerce

Inbound commerce: como aplicar essa estratégia em sua loja virtual?


(Clique no player para o ouvir a narração do nosso post! Deixe nos comentários o que achou.)

Já estamos acostumados a ouvir o termo Inbound marketing e como ele pode ajudar as empresas a aumentarem suas vendas. Mas e para as lojas virtuais?

A compra online funciona de maneira diferente. Por isso, a metodologia foi adaptada para se encaixar perfeitamente as necessidades de um e-commerce. Chamamos isso de inbound commerce.

Nesse post vamos entender como ela funciona e como você pode aplicá-la em sua estratégia de marketing digital.

O que é inbound commerce?

O inbound commerce é uma adaptação do já conhecido inbound marketing para lojas virtuais.

O conceito é o mesmo, porém, existem algumas particularidades da venda online que diferenciam as duas estratégias.

“Inbound Marketing é qualquer estratégia de marketing que visa atrair o interesse das pessoas.”

Quando aplicamos o inbound marketing para lojas virtuais, podemos estabelecer as três primeiras opções do inbound commerce:

  1. Atração
  2. Conversão
  3. Fidelização

Vamos falar sobre todas elas e as particularidades dentro do inbound commerce:

1. Atração

Como o nome já diz, o grande objetivo dessa etapa é atrair tráfego para seu site ou blog. Porém, precisamos atrair a audiência certa.

De nada adianta ter milhares de acessos se essas pessoas não são o público que podem vir ao consumir seu produto ou contratar seu serviço.

Por isso, é essencial construir sua persona para que sua comunicação seja mais pontual, direcionada e, assim, gerar tráfego de qualidade.

As ferramentas mais usadas para atração de novos usuários são:

  • blog;
  • redes sociais;
  • SEO;
  • site.

Você pode destrinchar cada uma delas e usar para que sua estratégia seja bem sucedida.

Agora vamos mostrar como você pode usar os recursos do inbound commerce na etapa de atração:

Descrição de produto e categoria

Eis aqui um triunfo para as lojas virtuais que aplicam esse método: imagine só seus produtos serem encontrados de forma orgânica nas buscas!

Além de economizar com mídia paga, você ainda  mostra autoridade, já que está aparecendo nas primeiras posições nos buscadores.

O grande erro dos e-commerces é copiar a descrição de produto e categoria dos fabricantes. O Google sempre irá priorizar o conteúdo original.

O segredo é fazer uma descrição diferente e muito completa aplicando as técnicas de SEO que já conhecemos. Cuidado com textos muito técnicos e difíceis de entender! Boas ideias são contar como aquele produto vai ser vantajoso para seu cliente e de que maneira ele pode facilitar seu dia a dia.

Buzz Content

Ter um blog como uma das ações da sua estratégia de marketing é essencial. Criar conteúdos que poderão ser consumidos a qualquer momento também é super importante!

Esse tipo de conteúdo é chamado de evergreen porque nunca envelhece, ou seja, possui um prazo de validade indefinido ou pelo menos muito longo.

Já os buzz content são conteúdos quentes eles têm prazo de validade e só fazem sentido para ser consumidos naquele momento específico e que deve ser lançado estrategicamente para ser bem aceito.

Um exemplo prático: imagine que você venda camisas geek e sabe que o filme da Liga da Justiça vai ser lançado daqui a 1 mês. Comece desde já a produzir um conteúdo com essa temática conteúdo e garanta que ele seja lançado próximo a data de lançamento (de preferência antes). Como o tema estará em alta, as buscas aumentarão e o engajamento nas redes sociais também.

2. Conversão

A conversão dentro do e-commerce pode ter um significado diferente.

Dependendo da loja virtual, não faz sentido oferecer um ebook para converter um lead.

Na maioria dos casos para e-commerces, quando falamos em conversões nos referimos a vendas.

É claro que existem lojas virtuais B2B para as quais a estratégia de ofertar materiais ricos faz todo sentido, mas no momento vamos focar no que há de diferente no inbound commerce.

Como na etapa de atração, existem ferramentas importantes para converter usuários em clientes:

  • CTA;
  • landing pages;
  • formulários;
  • email marketing.

Landing pages e formulários podem ser usados da maneira que já conhecemos. Por isso, vamos falar sobre as diferenças em CTA e email marketing para e-commerce:

Banner CTA

No inbound marketing geralmente utilizamos CTAs para ofertar um material rico, uma consultoria gratuita etc.

No e-commerce podemos fazer de maneira diferente. Por que não oferecer um produto relacionado ao post que o usuário está lendo naquele momento?

Perceba que, dessa forma, você une duas etapas: convertemos um leitor em cliente sem necessariamente transformá-lo em lead.

É claro que também podemos usar seus dados futuramente para ofertar produtos relacionados e sugerir novos blogposts que ele pode se interessar, mas não é o objetivo primordial.

Não esqueça de metrificar sua estratégia, inserindo códigos de rastreamento nos CTAs. Eles vão mostrar se o que está sendo feito funciona ou não.  Assim, você tem a possibilidade de ajustá-los dependendo dos resultados. Uma ótima ferramenta para isso é a própria UTM Builder que o Google oferece de maneira gratuita.

Email marketing

O email marketing é uma poderosa ferramenta de conversão para lojas virtuais, principalmente quando falamos de usuários que ainda não são clientes: vamos utilizar o email justamente para convertê-los.

Uma grande dica é espalhar CTA’s de captura de email dentro da sua loja e blog. Você pode fazer isso oferecendo benefícios em troca, como um desconto na primeira compra, um brinde ou participação em sorteios. Assim, você consegue o máximo de emails cadastrados!

O importante é que o usuário quebre a “barreira da desconfiança com você” e faça sua primeira compra. Depois disso, fica muito mais fácil vender novamente para ele.

Mas, para a primeira compra acontecer, é preciso pensar em como você vai fazer a nutrição dos contatos gerados.

Logo após o cadastro feito, envie um email automático para os contatos capturados, além de estabelecer um email recorrente de acordo com aquele lead. Só tome cuidado para não exagerar e lotar a caixa de e-mail das pessoas e sempre mesclar produtos com conteúdos do seu blog.

3. Fidelização

Aqui é a hora que transformamos clientes em promotores da marca, agora que conseguimos convertê-los em venda.

Por que não continuar oferecendo produtos relacionados ao que ele já comprou? Não cometa o erro de abandonar esse cliente e perde-lo para sempre.

Nessa etapa algumas ferramentas também ajudam a fidelizar os clientes e garantir novas vendas:

  • email marketing e automação;
  • mídias sociais;
  • blog

Também vamos abordar as particularidades do inbound commerce e falar de ferramentas específicas:

Email marketing e automação

Novamente vamos utilizar o e-mail marketing para continuar comunicando com os clientes, mas, nesse caso vamos precisar segmentar nossa base de contatos de maneira eficiente.

Um erro grave é enviar o mesmo email para a base inteira. Se você fizer isso, é muito provável que suas taxas de cliques serão baixas e você será marcado como spam — e, se isso acontecer, adeus novas vendas.

Segmentar sua base não é um bicho de sete cabeças, o importante é ter uma boa ferramenta de automação de marketing e automatizar seus envios para construir uma máquina de vendas eficiente e que gere resultados.

Blog post

Novamente o blog contribuindo para a estratégia do e-commerce. Na fidelização, ele funciona para fidelizar clientes e garantir novas vendas.

Aqui o interessante é produzir conteúdos que mostrem como utilizar seu produto e suas vantagens, procure sempre associá-lo a outro produto e mostrar os benefícios dessa combinação. Assim, você faz com que os clientes que compraram um tênis de corrida também se interessem em uma roupa térmica, por exemplo.

Claro que esse tipo de conteúdo não pode ser o único no seu blog! Não esqueça de produzir artigos de topo, meio e fundo de funil também, com outras abordagens e com direcionamento correto para cada etapa da jornada de compra.

Espero ter esclarecido suas dúvidas. Agora que você conhece o inbound commerce, já pode começar a aplicar essa estratégia na sua loja virtual e medir os resultados. Saiba mais com nosso ebook com a estratégia completa para lojas virtuais:

Download ebook de e-commerce

Não esqueça de nos contar nos comentários como está se saindo e as dificuldades que está encontrando! Será um prazer ajudar nessa jornada.