Letícia Fonseca

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicitária e aprendiz de MasterChef. Escreve posts sobre Agências Digitais, E-commerces e Instituições de Ensino.
55 publicações feitas.



Insights de Marketing de Conteúdo

As maiores tendências e insights de Marketing de Conteúdo em 2018

O Marketing de Conteúdo é uma estratégia valiosa que pode ser impulsionada quando combinada com algumas práticas. Neste post, você vai conhecer quais são elas e algumas das principais descobertas da pesquisa Content Trends 2018.

Você já deve conhecer sobre o conceito de Marketing de Conteúdo, correto?

Mas, vamos relembrar:

“O Marketing de Conteúdo é uma maneira de engajar com seu público-alvo e crescer sua rede de clientes e potenciais clientes através da criação de conteúdo relevante e valioso, atraindo, envolvendo e gerando valor para as pessoas de modo a criar uma percepção positiva da sua marca e assim gerar mais negócios.”

Agora que você já relembrou sobre o que consiste essa estratégia vamos abordar alguns insights a partir da maior pesquisa de Marketing de Conteúdo do país!

Se você quiser conferir o relatório completo deste estudo, faça o download gratuito.

Content Trends 2018

Visitantes e leads precisam ser atraídos

Não ache que apenas o fato de colocar em prática o Marketing de Conteúdo já te garante um grande de número de visitas.

É preciso conhecer quem é a sua persona e combinar essa informação com a estratégia de conteúdo .

Além disso, é importante realizar um acompanhamento do desempenho da estratégia e aplicar testes visando otimizar os resultados.

Esses fatores podem fazer com que você conquiste, em média, 2,6 vezes mais visitantes, do que as empresas que ainda não investem em Marketing de Conteúdo.

Marketing de Conteudo e média de visitas

Assim como é necessário ter uma estratégia bem definida para conquistar visitas, seja no seu site e/ou blog, é importante ter a mesma atenção para a conversão desses visitantes em leads.

De acordo com a pesquisa, esse número também pode ser influenciado com o Marketing de Conteúdo, podendo alcançar 3,7 vezes mais leads para os negócios que investem na estratégia.

Marketing de Conteúdo e média de leads

Frequência e qualidade nas publicações são essenciais

Criar um conteúdo valioso não é uma tarefa fácil!

Além da dificuldade em gerar engajamento, manter uma frequência constante também é um grande obstáculo, principalmente para os negócios que contam com poucos colaboradores e não terceirizam a produção.

Porém, para as empresas que tiram isso de letra e ainda adotam o Marketing de Conteúdo, essas publicações conseguem conquistar ainda mais visitantes.

Entre as que produzem mais de 13 conteúdos por mês, o número de visitas chega a ser 1,8 vez maior do que aquelas que realizam menos publicações.

Média de visitas por quantidade de publicações

Blog é um canal fundamental

 
O blog é um espaço muito importante e sua empresa precisa saber muito bem como aproveitá-lo!

É por meio dele que você pode exibir a sua autoridade em determinado assunto e contar mais sobre o serviço oferecido pelo seu negócio. Tudo isso de forma personalizada e otimizada para atrair a sua persona.

Além de um bom posicionamentos nos mecanismos de busca e o aumento da visibilidade, a presença de um blog também tem impacto direto no número de visitas gerados.

As empresas que têm como tática de Marketing de Conteúdo publicar conteúdo no
blog conquistam até 2 vezes mais visitantes do que aquelas que não investem nesse canal.

Publicações no blog e média de visitas

Avalie o budget destinado ao Marketing de Conteúdo

 
Ter um planejamento bem definido é essencial para poder calcular um orçamento adequado à realidade de sua empresa e que, claro, gere resultados.

Esse tipo de cuidado ajuda a garantir um direcionamento correto para os recursos disponíveis. Só que, para isso, também é necessário acompanhar o desempenho e avaliar os riscos de cada investimento feito.

Dessa forma é possível ter um maior controle sobre o budget e um conhecimento mais estratégico sobre quais as melhores decisões devem ser tomadas em cada ação.

Para os próximos meses, 58% das empresas que já investem em Marketing de Conteúdo pretendem aumentar esse orçamento.

Se você quiser estar preparado para competir de igual para igual, agora é a hora de retomar a atenção sobre o seu orçamento.

Essas foram algumas das várias descobertas da Content Trends 2018!

Se você quer conferir o relatório completo com esses e outros insights clique aqui!

Content Trends 2018

Deixe nos comentários qual você acredita ser a maior tendência de Marketing de Conteúdo para os próximos anos.

Bastidores da Content Trends 2018

Bastidores Content Trends 2018: o processo por trás da maior pesquisa de Marketing de Conteúdo do Brasil

Após pouco mais de três anos, chegamos ao número de 24 pesquisas produzidas pela Rock Content em diferentes áreas do Marketing Digital e setores do mercado, as quais foram respondidas por mais de 20 mil pessoas e que já geraram mais de  40 mil leads!

Impressionante, não é mesmo?

Ao longo desse post, vou te contar detalhes do processo da Content Trends 2018, para que você possa entender como:

  • chegamos a esses números;
  • essa pesquisa foi feita;
  • e, algo muito importante: como você, leitor, pode colocar em prática, hoje mesmo, uma estratégia tão valiosa como essa na sua empresa, independente do ramo do seu negócio!

Content Trends 2018

O time de Inteligência

Aqui na Rock, contamos com o time de Inteligência que é responsável por todas as pesquisas.

Atualmente, a sua configuração conta com:

Com a criação do blog Inteligência, em Abril de 2017, passamos a ter de fato uma equipe destinada para esse objetivo. Antes já realizávamos pesquisas, mas sem contar de fato com um time estruturado para isso.

Eu mesma iniciei nessa área em Agosto de 2016, quando entrei para Rock e me dividia entre pesquisas e a estratégia de Email Marketing. Porém, mesmo antes disso já tínhamos estudos sendo feitos dentro da empresa.

Content Trends 2015: a primeira pesquisa da Rock

Tudo começou com a Clara Kraft, que estava procurando uma oportunidade de estágio, durante suas férias de faculdade, no final de 2014.

Com a indicação da Luiza Drubscky para fazer parte da equipe da Rock, a Clara fez um email se apresentando e contando um pouco da sua história, além de mostrar os motivos pelos quais queria tanto essa experiência.

Algum tempo depois, o Diego Gomes lhe respondeu falando que tinha um projeto que ela poderia desenvolver: fazer a maior pesquisa de Marketing de Conteúdo do Brasil.

E foi assim que, depois de 45 dias, a Clara, junto com a ajuda de outros profissionais conseguiu lançar a primeira pesquisa da Rock, a Content Trends!

Que tal descobrir mais segredos da Content Trends e ainda aprender tudo sobre pesquisas? Inscreva-se para nosso Webinar no dia 26 de junho!

O processo de uma pesquisa

Como sabíamos da importância e do valor que esse tipo de estudo tem para os nossos leitores e também colaboradores da Rock, não poderíamos, simplesmente, parar após a primeira edição.

Foi assim, que também passamos a desenvolver outras pesquisas, inclusive, sobre temas diferentes, como educação, e-commerce, SEO, redes sociias e muitos outros.

Você pode conferir todas as pesquisas que já realizamos aqui.

Mas, voltando ao assunto principal, a Content Trends precisava ter outras versões para que os dados ali presentes estivessem sempre atualizados. Foi com esse pensamento que continuamos a produzir a pesquisa todos os anos e, em 2018, chegamos a 4ª edição!

O passo a passo

Agora vou detalhar cada etapa envolvido na elaboração de uma pesquisa, aproveitando para dar exemplos sobre a Content Trends 2018:

Cronograma

O primeiro passo de uma pesquisa é montar o cronograma com todas as etapas envolvidas.

Isso porque um estudo desse tipo necessita de diversos profissionais além de várias fases que precisam estar alinhadas para que tudo corra dentro do previsto.

Para definir esses prazos é preciso começar pela última data, a de lançamento da pesquisa, e fazer o processo inverso.

No caso da Content Trends 2018, queríamos fazer o lançamento no início de Junho.

Assim, conversamos com a Laís Bolina e a Letícia Abrantes para verificar se essa data iria atender as necessidades da geração de leads para o time de vendas e se ela encaixava com a programação do calendário de Email Marketing.

Tudo isso verificado, passamos a nos planejar a partir dela e calcular quanto tempo teríamos que começar esse estudo para que de fato essa pesquisa fosse lançada na data em questão.

Para ficar mais visual, segue abaixo o cronograma que montamos:

  • 10/04: Lançamento do questionário
  • 06/05: Fechamento do questionário
  • 07/05: Início da análise de dados e conteúdo
  • 21/05: Fim da análise e entrega para revisão
  • 23/05: Pesquisa revisada e enviada para o design
  • 28/05: Entrega da pesquisa diagramada
  • 31/05: Pesquisa 100% pronta
  • 05/06: Lançamento

Como você organiza o cronograma não importa muito, encontre o melhor método para você!  O que precisa ser feito com cuidado é a aprovação de todas essas datas pelas pessoas que estão envolvidas e, claro, formalizar tudo por email.

Questionário

Caso você já tenha decidido o tema da pesquisa, a próxima parte é a elaboração do questionário.

É preciso pensar nas perguntas que você deseja descobrir respostas, quais serão os seus formatos (múltipla escolha, sim ou não etc.) e pensar em uma ordem lógica que não fique repetitiva.

Sugiro que você faça isso em Documentos do Google Drive e compartilhe com outras pessoas para que elas possam dar suas opiniões.

Feito isso e os ajustes indicados, você já pode transferir todas as perguntas para uma ferramenta de questionário. Aqui na Rock, nós usamos o Typeform.

Confira um tutorial completo da ferramenta aqui.

Questionário configurado na ferramenta, é hora de testar se tudo está funcionando da maneira prevista.

Peça ajuda de seus colegas de trabalho para respondê-lo e pergunte como está sendo a experiência.

Caso você tenha configurado algum logic jump — aquela opção que, dependendo da resposta selecionada, o respondente é direcionado para uma determinada pergunta —, este é o momento de ver se está tudo certo.

Na Content Trends 2018, como já tínhamos os questionários anteriores, resolvemos manter a maioria das perguntas com o objetivo de fazer análises comparativas e apenas completar com algumas questões inéditas.

Um exemplo de questão inédita é sobre o processo do modelo de vendas das empresas (B2B/ B2C).

E como não podia faltar, sempre colocamos um incentivo para as participações. Esse ano sorteamos 10 acessos completos à Universidade Rock Content e um kindle!

É muito importante colocar um prêmio que faça sentido com o tema da pesquisa e, claro, seja atrativo para quem estiver respondendo.

Identidade e elementos visuais

Não comece achando que essa etapa não é importante. Ela é, e muito!

Você deve conhecer sobre o conceito de CRO, correto? Se não, vou resumir: é uma estratégia que tem como objetivo aumentar as conversões com bases em testes e comprovações. Ou seja, não é um achismo!

Dito isso, uma pesquisa não tem valor se não tiver respondentes e, para isso, precisamos nos preocupar com todos os detalhes relacionados à experiência do respondente.

Para a Content Trends 2018, o Bruno Montiel foi responsável por criar a identidade e todas as imagens que usamos para as divulgações, tanto o questionário quanto o relatório final. Também contamos com a ajuda do Werik Gonçalves, que inseriu banners e pop ups no blog Inteligência.

Divulgação do questionário

Questionário pronto, é hora de divulgá-lo e, assim, conseguir alcançar a quantidade e tipo de respondentes desejados.

Como falamos na primeira fase, no momento em que estamos montando o cronograma já precisamos decidir as estratégias de divulgação.

Para a Content Trends 2018, como nas nossas demais pesquisas, contamos com:

  • Email Marketing;
  • Redes sociais;
  • Banner e pop-ups no blog Inteligência;
  • Mídia paga (sim! você pode combinar estratégias pagas para impulsionar o resultado e o Gustavo Grossi nos ajudou muito nisso!).

Lembrando que, nas redes sociais, você também pode usar o Instagram Stories para divulgar a pesquisa e também compartilhá-la em grupos. No caso da Content Trends, Paulino Sulz, Pedro Galvão, Renata Matos, Dimitri Vieira e Vitória Mansur fizeram isso para a pesquisa e deu muito certo.

Você também pode acrescentar novas estratégias como empresas parceiras, eventos, webinars e outras ações para ampliar o público que você deseja que responda o questionário.

Já em relação ao prazo de coleta de respostas, não existe uma fórmula certa, vai dependender do número de respondentes que você planeja atingir.

Uma dica: sempre coloque alguns dias extras antes de fechar o questionário, caso você ainda queira tentar coletar mais respostas.

Análise de dados e construção do relatório

Com o questionário devidamente respondido, fazemos o download do banco de respostas e subimos para as Planilhas do Google.

Primeiro, fazemos a limpeza desses dados.

Isso consiste em procurar respostas duplicadas para eliminá-las e melhorar a visibilidade das informações exibidas.

Para isso, você pode travar a primeira linha para ficar mais fácil ou mesmo aumentar a fonte, colorir alguma célula, agrupar ou desagrupar algumas colunas, fica ao seu critério.

Depois começamos a analisar as respostas dadas em cada pergunta utilizando o filtro, fórmula ou tabela dinâmica.

Com os resultados divididos por cada opção de resposta, montamos um gráfico e/ou tabela para representar os dados encontrados. Fazemos isso em todas as questões do questionário.

Com todos os gráficos e tabelas prontas, começamos a pensar em relações que podemos criar entre eles.

Um exemplo: perguntamos tanto para as empresas que adotam e não adotam Marketing de Conteúdo qual o número de visitantes e de leads elas recebem em média, mensalmente, e ao comparar esses dados concluímos que:

Empresas que adotam estratégia de Marketing de Conteúdo apresentam, em média, 2,6 vezes mais visitas e 3,7 vezes mais leads do que os negócios que não implementaram a mesma prática.

Vendas e leads Marketing de Conteúdo

Com todas as análises feitas, criamos um Documento no Drive e passamos todos os gráficos e tabelas criadas para lá, para darmos início a construção do conteúdo que vai acompanhar cada um.

É importante ter um texto contextualizando o que as informações mostradas nos gráficos significam, para que a compreensão de quem está lendo não dependa do nível de conhecimento sobre o assunto abordado. Ou seja, o conteúdo da pesquisa tem que estar claro para todos.

Outro ponto importante é revisar todo esse texto para que ele não contenha erros. Na edição 2018 da Content Trends, contamos com a ajuda da Letícia Nonato para essa tarefa.

Diagramação do relatório

Agora é o momento que começamos a ver como a pesquisa vai ficar!

O Bruno, além de fazer a identidade, também assumiu a tarefa de criar os gráficos (os que criamos na Planilha é só para servir de base para o designer) e diagramar o conteúdo do relatório.

Não foi uma tarefa fácil, ainda mais quando estamos falando da pesquisa mais importante que lançamos todos os anos. Mas ele conseguiu e ainda deixou o estudo ainda mais bonito visualmente!

Se você ainda não conferiu, dá uma olhada no preview abaixo:

Nessa etapa também é importante acrescentar alguns dias para a correção de possíveis erros que possam ter aparecido no arquivo diagramado.

Lançamento da pesquisa

Com o arquivo finalizado da pesquisa, chegamos ao tão esperado momento de lançamento!

Todas as estratégias que usamos na divulgação do questionário iremos utilizar agora também. O que significa que vamos usar email marketing, mídias sociais e blogs.

Só que, nesse ano,  fizemos algo inédito: além do relatório normal que produzimos todos os anos, decidimos dividi-lo em mini relatórios.

Então além da Content Trends 2018, também teremos:

  • Content Trends – Grandes empresas
  • Content Trends – Médias empresas
  • Content Trends – Micro e pequenas empresas
  • Content Trends – E-commerce
  • Content Trends – Agência
  • Content Trends – Tecnologia
  • Content Trens – Instituição de Ensino

Você deve estar se perguntando o motivo dessa mudança, acertei?

Quebrar um relatório em sete partes, além de nos proporcionar mais materiais, também nos ajuda a entregar algo extremamente valioso para todo o público que faz parte dos tipos de empresas contempladas nessa segmentação.

Um funcionário de uma agência, por exemplo, vai poder ter em mãos dados específicos sobre o mercado em que atua e isso faz toda diferença!

Content Trends 2018

Se você chegou até aqui, pode conferir todos os passos que realizamos para a produção da 4ª edição da Content Trends.

Fiz questão de citar os nomes de todos os profissionais envolvidos na elaboração do relatório geral da pesquisa para que você perceba que uma estratégia desse tipo é uma tarefa complexa e que envolve a competência de várias áreas. Também aproveito, mais uma vez, para deixar aqui meu agradecimento a cada um!

Vou reforçar que falei que uma pesquisa é uma tarefa complexa, mas não impossível. Se eu pudesse resumir tudo o que aprendi ao longo desses anos em 3 dicas, diria:

  • Seja extremamente análitico

Estudos assim, exigem muito atenção a detalhes e um minucioso trabalho para que nada saia errado.

  • Se planeje e fique atento a prazos

Por envolver várias pessoas, não dá para querer começar uma pesquisa do nada. É preciso alinhamento e prazos bem definidos para que você tenha um resultado final satisfatório.

  • Busque referências e ajuda de outras pessoas

Não queira fazer tudo sozinho, se você quer um trabalho bem feito e que você tenha orgulho é preciso de muita dedicação e, claro, da colaboração de outros profissionais.

Agora você já sabe tudo que envolve um processo de pesquisa e, o mais especial, tudo o que aconteceu na Content Trends 2018.

Um estudo desse tipo proporciona um vasto conhecimento sobre o mercado, além de dados para que você possa tomar decisões mais proativas, fortalecendo a estratégia de Marketing e, claro, gerando leads.

Se você tem interesse em ter um material como esse para a sua empresa, nós podemos te ajudar!

Você tem a opção de fazer a pesquisa com o time de Inteligência da Rock Content. Quer saber mais? Clique aqui e descubra!

Dê a sua opinião sobre esse conteúdo nos comentários abaixo e não deixe de expressar suas dúvidas, caso tenha surgido alguma. Até a próxima!

Clube de assinatura

Descubra como um clube de assinatura pode ser uma boa opção para o seu e-commerce!

Exclusividade, curadoria e conforto! O clube de assinatura é uma nova modalidade de negócio que tem feito muito sucesso no varejo digital. Cada vez mais segmentos estão aderindo, o que tem resultado em uma amplitude de opções ao consumidor.

Os e-commerces são resultado dos avanços da tecnologia e da transformação digital, levando ao consumidor um modelo de negócio que atende às suas demandas e exigências. Esses varejistas online também buscam inovar e mudar a forma como fazem negócio.

Em meio a essa busca por aumentar o fluxo de vendas e fidelizar, surgiu o clube de assinatura, modelo que tem crescido e conquistado muitos adeptos! Para você ter ideia, dados da ABcom mostram que esse mercado tem movimentado R$ 1 bilhão por ano no Brasil.

Em diferentes mercados e com produtos de todos os tipos, os clubes já constituem um modelo em amplo crescimento, e essa expansão promete não parar. A relação é vantajosa tanto para o consumidor quanto para as empresas e, justamente, essa relação de ganho duplo ajudou a fortalecer o negócio.

A seguir, entenda mais sobre os clubes de assinatura, conheça os principais e saiba como iniciar um no seu negócio!

O que é clube de assinatura?

O clube de assinatura é um modelo de negócio totalmente nativo à era do empreendedorismo digital. Seu foco é a fidelização, e o que dá mais destaque a ele é, justamente, sua forma de execução.

Trata-se de planos que os consumidores assinam junto a marcas que vendem produtos de todos os tipos. Essas assinaturas permitem que, mensalmente, seus assinantes recebam uma seleção de produtos em casa.

Por exemplo, se você é um vendedor de cervejas artesanais, pode fazer um clube em que, mensalmente, os assinantes recebam um kit com uma seleção de alguns rótulos.

Para ampliar a oferta e monetizar com diversos valores, as assinaturas têm maior ou menor amplitude. As mais caras dão acesso a mais e melhores produtos, e as mais baratas são mais limitadas.

Esse modelo de negócio tem feito muito sucesso, e o mais impressionante é a amplitude de mercados em que ele tem sido aplicado. O motivo dessa adesão é simples: são modelos favoráveis tanto às empresas quanto aos consumidores. A curadoria é vista com bons olhos, e o público tem a sensação de que pertence a um grupo seleto, o que, de fato, acontece.

As vantagens aos consumidores

O consumidor pode aproveitar o clube de assinatura de maneira ampla, sempre de acordo com seus recursos e demanda. Naturalmente, a questão financeira é um motivador, já que é feito para propor essa vantagem ao público.

Vamos seguir no exemplo do revendedor de cervejas artesanais: elas não são baratas e imagine que uma pessoa queira degustar 2 garrafas por semana.

Vamos supor que, em um mês, as 8 garrafas que o cliente consumiria custariam R$ 100. Fora isso, ainda há o custo do frete, em compras feitas pela internet. Porém, esse mesmo cliente tem a oportunidade de assinar um clube que dê direito a 10 garrafas por mês, por um valor de R$ 80.

Nessa relação, os ganhos são diversos. O valor mensal é mais barato e ainda exclui o frete. Além disso, o assinante tem a certeza de que, todo início de mês, as suas cervejas serão entregues.

Por fim, ele conta com uma seleção que pode ser personalizável de acordo com seu plano e ainda tem o diferencial de contar com novidades todo mês, além da curadoria de especialistas em cervejas artesanais.

Glossário de Marketing Digital para E-commerce

As vantagens às empresas

Por outro lado, o clube de assinatura é naturalmente muito vantajoso às marcas. Ainda que elas pratiquem preços mais baixos, como no exemplo acima, contam com um fator de destaque: recebíveis garantidos mensalmente, o que é uma renda prevista.

Financeiramente, é um fator de muito destaque e valioso. Além disso, quanto mais assinaturas, mais lucro esse e-commerce consegue.

Para as empresas, o clube de assinatura também representa um ganho estratégico. Esse modelo de negócio é uma forma clara e muito eficiente de fidelizar os clientes.

Se a empresa consegue oferecer um clube realmente vantajoso, seus assinantes estarão satisfeitos e prontos para renovar o serviço. De modo mais amplo, o clube se tornará mais relevante, popular e crescerá de forma natural.

Outra importante vantagem obtida pelas empresas é a possibilidade de lançar novos produtos no mercado por meio dos clubes. Eles chegam aos consumidores em meio a esses kits como uma forma de “degustação”.

No meio tradicional do varejo, nem sempre é fácil lançar um produto novo, mesmo com esforços de marketing. Por meio da assinatura, se ele for qualificado, a aceitação acontece espontaneamente e isso gera vendas futuras.

Quais são os principais clubes de assinatura do Brasil?

Simplesmente não há restrições nas possibilidades de empresas que adotam o modelo de clube de assinatura. Hoje, é possível ver e-commerces de todos os segmentos ganhando assinantes e mandando suas caixas todo mês.

Isso tem resultado em uma verdadeira revolução na forma de consumo e, principalmente, na maneira de reter clientes e faturar com o varejo.

A seguir, confira alguns dos principais clubes de assinatura do Brasil, quais produtos eles vendem e como funcionam de forma benéfica ao consumidor!

TAG — Clube do Livro

Clube de assinatura TAG

A  TAG se apresenta como uma curadoria literária, e o seu clube de assinatura promete levar mensalmente as melhores seleções de livros aos assinantes.

Os kits mensais são compostos pela obra indicada por um especialista, uma revista sobre esse livro e alguns itens acessórios, como marcadores de página e pequenos presentes.

Glambox — GlamClub

Clube de assinatura Glambox

O Glambox foi um dos precursores desse modelo de negócio no Brasil, e é hoje o principal clube de assinatura do país. Sua ideia inspirou muitas outras empresas de diversos segmentos, mas esse clube atua no mercado da beleza.

O kit entregue pelo GlamClub leva ao assinante uma seleção de produtos como maquiagens, hidratantes, batons e uma série de outros itens das principais marcas de cosméticos do Brasil e do mundo.

Omelete — Omelete Box

Clube de assinatura Omelete Box

Um dos maiores veículos de cultura geek do Brasil, o Omelete já é bastante conhecido pelo público que o segue há anos! São pessoas que amam personagens, filmes, séries, games e, principalmente, consumir produtos relacionados às suas paixões.

Com isso, o site criou a Omelete Box, seu clube de assinatura que, mensalmente, leva um pouco desse universo geek aos fãs por meio de produtos diversos.

Wine — Clube W

Clube de assinatura Clube Wine

Lembra do nosso exemplo do clube de assinatura de um e-commerce de cervejas artesanais? O Clube Wine é a mesma coisa, porém, com vinhos!

Aos amantes da bebida, ele é uma excelente oportunidade de ter os melhores rótulos chegando mensalmente em casa, com opções de planos voltadas a tipos de vinhos específicos.

Box.Petiko

Clube de assinatura Box Petiko

O Box.Petiko é o maior clube de assinatura de pets da América Latina! Quem tem um animalzinho em casa sabe o quanto eles são divertidos e precisam de acessórios e brinquedos para gastar a energia.

Box.Petiko tem justamente essa proposta: levar uma seleção diferenciada todo mês para quem tem um pet em casa!

Como implementar o clube de assinatura em um negócio?

Diversas empresas já estão estudando a possibilidade de lançarem seus próprios clubes de assinatura. Entrar nesse mercado é completamente possível, no entanto, essa decisão passa por algumas adequações.

É necessário pensar no público pretendido, produtos oferecidos e diferentes planos pelos quais os assinantes poderão optar. Saiba mais como implementar um clube a seguir!

Entenda o seu mercado e seu público-alvo

Qual é o nicho de mercado do seu e-commerce? Primeiramente, é importante avaliar se ele dá a abertura a essa possibilidade. Diversos segmentos podem dar origem aos clubes, mas cada empresa deve avaliar suas condições.

Avalie se há outros concorrentes e como ele se posicionam. Se você for o primeiro do seu mercado, essa é uma ótima chance de revolucionar e trazer a inovação.

Quanto a seu público-alvo: ele é segmentado o suficiente para aderir a essa ideia? Você tem uma persona? Quanto mais específico for o produto que você vende, maiores as chances de conseguir ter sucesso.

Um clube de assinatura de feijão, por exemplo, não será vantajoso. Afinal, basta ir ao mercado da esquina para encontrar uma seleção ampla. Venda também o conceito de curadoria. Isso é muito importante!

Faça uma seleção diferenciada de produtos

O clube de assinatura se destaca especialmente pela sua seleção de produtos. Comprar itens de forma avulsa é simples e qualquer um pode fazer navegando pela Web.

Entretanto, os clubes têm propostas específicas, e elas se dividem em levar produtos inovadores, referências de mercado, de alta qualidade e também os lançamentos. Essa seleção é o diferencial do clube!

Pense em propostas iniciais que tenham essa seleção mais atrativa. Para isso, naturalmente, é importante já trabalhar com produtos que realmente se destaquem. Se esse é o caso da sua empresa, um importante passo já foi dado para o clube de assinatura.

Pense em planos diversificados

A sensação de exclusividade é um dos grandes destaques desse modelo de negócio. No entanto, limitar apenas aos clientes “Premium” é uma perda de oportunidades.

Seu clube pode fazer mais pessoas se sentirem privilegiadas, graças a uma flexibilidade de assinaturas. Assim, você permite que diversos tipos de cliente, com interesses específicos, se tornem assinantes.

Além da oferta diferenciada de produtos, essas assinaturas terão preços condizentes com essa seleção. Quanto maior o kit mensal, mais alto o valor da assinatura. O mesmo acontece em relação à qualidade e exclusividade dos itens. O preço precisa ser proporcional para, então, ser bem compreendido pelos assinantes.

O clube de assinatura é um modelo de negócio que já demonstrou ser bem-aceito pelo público. Esses exemplos serviram de inspiração para o seu negócio? Planeje bem seus próximos passos e, dessa forma, você poderá começar seu próprio clube!

Curtiu este conteúdo? Como vimos, os clubes podem ser uma ótima oportunidade de gerar uma relação de longo prazo com quem consome seus produtos.

Ficou interessado em criar um clube ou simplesmente melhorar a experiência do seu consumidor no ambiente online? Então conheça também o nosso ebook completo sobre o assunto!

Experiência de Compra Online
twitter bookmark

Conheça o novo recurso do Twitter que permite salvar tweets

Você provavelmente já deve ter visto um tweet que chamou atenção, mas quando foi procurá-lo de novo não encontrou, acertei?

Fique tranquilo que isso não precisa acontecer novamente, com a nova função “bookmarks” você pode salvar vários tweets para depois lê-los sem que ninguém veja.

É possível fazer algo bem parecido no Instagram ao clicar no ícone de marcador:

Instagram

E também no Facebook, clicando no “salvar link”:

Facebook

Em novembro do ano passado, o Twitter divulgou que estava trabalhando nesse novo recurso para a rede social e no dia 28 de fevereiro ele foi finalmente lançado.

Essa atualização foi motivada após sugestões dos próprios usuários que já demonstravam o desejo de poder salvar publicações. E foi assim que começou o desenvolvimento dessa nova funcionalidade, segundo Tina Koyama, designer de produtos do Twitter.

Quer aprender como salvar um tweet? Confira o gif abaixo!

Assim que for salvo, o tweet é enviado para a categoria Bookmark na qual todos serão agrupados e possíveis de serem acessados apenas por você, não sendo possível que outros usuários saibam quais tweets você selecionou para serem salvos.

Porém, não existe a possibilidade de criar mais de uma pasta como o Instagram permite. Por enquanto, todos os tweets salvos serão exibidos em uma lista única.

Você gostou desse novo recurso? Ele já se encontra disponível no aplicativo para iOS e Android, mesmo na versão Lite, não estando disponível na versão web do serviço.

ebook marketing nas redes sociais

Quer descurtir um comentário no Facebook? Em breve você vai poder!

Você já ficou sabendo sobre a mais recente novidade do Facebook?

Agora além de curtir e reagir aos comentários e publicações com amei, haha, uau, triste e grrr você pode ter a opção “não curti”.

descurtir comentários no facebook

Ainda em teste apenas entre os usuários dos Estados Unidos, esse novo botão conhecido por lá como “downvote” só é exibido nos comentários de posts públicos.

O objetivo segundo o Facebook, não é apenas de “descurtir” alguma publicação, mas ajudar a indentificar comentários negativos que podem ser fakes e até mesmo preconceituosos e ofensivos.

Ao clicar nesse novo botão, é necessário classificar qual é o tipo desse conteúdo: “ofensivo”, “enganoso” ou “fora do assunto”.

Mesmo já existindo a opção de esconder um comentário, ao clicar no “downvote” apenas você deixa de ver o comentário sinalizado. Não é possível saber quantos cliques foram feitos, mas caso seja feito por vários pessoas, o conteúdo da mensagem pode ser classificado como impróprio.

Por mais que isso seja uma novidade, esse assunto já havia sido levantado em 2016, quando as reações foram implementadas.

descurtir comentários no facebook

Naquela época, essa tinha sido uma atualização do Facebook para que os usuários pudessem se sentir mais livres para expressar os seus sentimentos de uma forma rápida e fácil.

Agora com o “descurtir” a rede social vai poder contar com mais uma forma de feedback de seus usuários para tentar garantir um ambiente mais seguro para todos.

Enquanto não temos acesso a esse botão cabe a nós aguardar e acompanhar como essa nova funcionalidade está sendo usada e recebida pela rede social.

Se você tem interesse em aprimorar as estratégias de Marketing do seu negócio no Facebook, não deixe de fazer download do nosso ebook.

Marketing no Facebook

Tudo sobre Typeform

Typeform: saiba tudo sobre essa ferramenta que nos ajudou a gerar mais de 32 mil leads

Em 2015, nós da Rock Content lançamos a nossa primeira pesquisa. De lá para cá, já somamos 18 estudos e hoje contamos com uma equipe específica para o desenvolvimento dessa área.

O time de Inteligência da Rock Content é responsável por criar e desenvolver todas as etapas da pesquisa. Isso quer dizer:

  • Definir objetivos e temas;
  • Elaborar o cronograma;
  • Determinar as estratégias de divulgação;
  • Pensar no perfil dos respondentes;
  • Definir hipóteses;
  • Construir o questionário;
  • Revisar e testar o questionário;
  • Divulgar o questionário;
  • Fechar a pesquisa e analisar dados;
  • Produzir gráficos e relatório;
  • Divulgação do relatório.

Essas são as principais etapas envolvidas nas pesquisas que produzimos. Cada uma dessas ainda é destrinchada em diversas ações. Ou seja, fazer esse tipo de estudo é um trabalho complexo que envolve, além dos profissionais de pesquisa, ajuda de revisores, designers e social media.

E para fazermos tudo isso e ainda gerar mais de 32 mil leads utilizamos uma ferramenta incrível que é o Typeform.

Neste post você irá aprender tudo o que precisa para construir questionários por meio do Typeform com a explicação de todas as suas funcionalidades, além de imagens e gifs explicativos para que você, assim que terminar de ler, possa já dar início ao form. Vamos lá?

O que é o Typeform?

De forma resumida, o Typeform é um plataforma SaaS (um software que oferece serviços comercializados por meio de um modelo de assinatura) especializada na criação de forms online.

Ele é uma ferramenta que chamamos de freemium, ou seja existe a possibilidade de usar a versão gratuita, mas com limitações, ou o modelo premium que é pago e oferece funcionalidades exclusivas para esse tipo de assinante.

Com o Typeform você pode criar o seu questionário de forma personalizada, adequando-o de acordo com a sua necessidade. Para se ter uma ideia, todo mês são criados milhões de forms e alguns desses usuários são bem conhecidos, como:  Apple, Airbnb, Uber e Nike.

Essa ferramenta foi criada pelo Robert Muñoz e David Okuniev em 2012, em Barcelona. Lá também é o local de sede da empresa, que hoje já conta com 150 funcionários. Ficou curioso para conhecer o escritório do Typeform? Clique aqui e confira!

Nesta data, o Typeform foi lançado em versão alpha, que por ser considerada a primeira fase do software ele só podia ser acessada por usuários que fossem convidados.

Em abril de 2013, foi divulgado a versão beta aberta para todos que conseguiu arrecadar 550 mil euros de investimento. No ano seguinte, a empresa já tinha conseguido gerar 1,2 milhões de euros.

Porém, o lançamento oficial só aconteceu em fevereiro de 2014 e já em agosto desse mesmo ano o software já contava com 100.000 usuários!

A empresa continuou recebendo investimentos, ganhando 15 milhões de euros em Outubro de 2015 do fundo Index Ventures e também contou com a ajuda da Point Nine Capital, Connect Ventures, RTA Ventures, Anthony Casalena (CEO da Squarespace), Javier Olivan (Vice Presidente de Growth, Engagement and Mobile Adoption do Facebook) e Jay Parikh (Vice Presidente de Infrastructure Engineering do Facebook).

Como funciona?

O Typeform apresenta uma limitação em seu plano gratuito, é possível criar apenas 10 perguntas por questionário e coletar apenas 100 respostas em cada um.

Como aqui na Rock realizamos pesquisas maiores e com grande número de respondentes, optamos pela plano PRO que atendia melhor a nossa necessidade.

Para você ter uma ideia, a nossa maior pesquisa é a Content Trends, que este ano chegou a sua terceira edição e contou com a participação de 3.650 respondentes. Clicando aqui, você acessa o relatório completo desse estudo.

Planos e preços

Existem três planos oferecidos pelo Typeform:

preços typeform

Basic (gratuito)

Limitado a 100 respostas por mês e a 10 perguntas por questionário.

PRO

Não apresenta limitação de respostas nem de perguntas, mas é limitado ao cadastro de apenas um usuário.

PRO +

Também não apresenta qualquer tipo de limitação e é possível cadastrar mais de um usuário para utilizar da ferramenta.

Como utilizamos a versão PRO vamos detalhar nos próximos tópicos as funcionalidade disponíveis nesta modalidade. Caso você deseje conhecer os detalhes dos outros planos, clique aqui e descubra.

Quais são as suas funcionalidades?

Agora vamos explorar todas as opções oferecidas no Typeform pelo plano PRO, começando pela aba build.

typeform build

Quando vamos criar o questionário nos deparamos com duas opções:

começando um form no typeform

Podemos criar o form do zero ou usar um template que irá guiar a produção. O Typeform oferece algumas opções de template, para ser mais exato são 60 opções de templates.

Use o template

Se você optar por uma das opções de template, basta clicar nela que ela será aberta na tela ao lado. Como estamos falando sobre pesquisa de Marketing, selecionamos a opção Marketing Research Survey:

typeform

Agora você pode fazer as modificações que desejar com base no template escolhido. Basta clicar em “use this template”:

typeform

Ao selecionar essa opção, você será direcionada para a página de construção do questionário:

Typeform

Do lado esquerdo é possível visualizar que já existe um questionário para o template selecionado. Você pode fazer as alterações que desejar nas perguntas pré-existentes ou mesmo adicionar novas.

Start from scratch

Agora vamos voltar alguns passos e mostrar o que acontece para quem selecionou a opção de começar o questionário do zero.

typeform

Você será solicitado a preencher o nome da pesquisa e em qual idioma deseja realizá-la. Independente do idioma selecionado, as opções de perguntas para elaborar o questionário serão exibidas em inglês porém, as opções de resposta serão oferecidas de acordo com o idioma escolhido.

Opções de perguntas

Independente de qual foi a opção escolhida para o questionário, você terá que escolher entre as opções abaixo para criar ou modificar as perguntas existentes.

opções de pergunta no typeform

Vamos explicar cada opção exibida na imagem acima para que fique claro qual é a mais indicada para cada pergunta do questionário que você deseja criar. Confira:

Welcome screen

welcome screen typeform

Para convidar e convencer o usuário a preencher o seu questionário é importante apresentá-lo. A opção welcome screen ou tela de boas-vindas deve ser usada para isso.

Nela você pode falar o nome da pesquisa, do que ela se trata, o objetivo e algo muito importante que deixamos claro em todas os nossos estudos que as respostas são anônimas e os resultados coletados serão divulgados de forma agregada.

Afinal, podem ter pessoas que não irão desejar responder caso suas respostas possam ser divulgadas.

Para ficar claro, abaixo está um exemplo de uma página de boas-vindas que utilizamos na SEO Trends 2018:

welcome screen seo trends 2018

Short Text e Long Text

typeform

Se você deseja perguntar algo e deixar que o usuário tenha a liberdade de escrever a resposta que achar mais adequada, as opções short e long text são as mais indicadas.

A diferença é que a short permite uma resposta mais curta e já a long o respondente pode utilizar mais caracteres para escrever.

Na pesquisa Email Marketing Trends 2017 fizemos a seguinte pergunta:

pesquisa email marketing trends 2017

Você concorda que nesse caso o uso de opções de respostas, como se fosse uma múltipla escolha, iria limitar o respondente? Por isso, decidimos deixar em aberto e apenas limitar o quanto esse usuário poderia escrever.

Seja short ou long text você pode colocar qual o limite de caracteres para cada opção. Você também pode adicionar imagem ou vídeo nessa opção de pergunta.

Statement

typeform

Já a opção statement pode ser usada quando você quer explicar ou introduzir algum assunto para contextualizar o usuário, mas que não conta com uma pergunta. No template Marketing Research Survey é possível ver essa opção:

typeform

Dropdown

dropdown typeform

O dropdow serve para perguntas que oferecem múltiplas opções de respostas, mas em vez de apresentá-las uma ao lado da outra ele disponibiliza em forma de lista. Confira como usamos esse tipo de pergunta na pesquisa Panorama das Agências Digitais 2018:

typeform

Email

email typeform

Para conseguirmos gerar mais de 32 mil leads com as pesquisas precisávamos coletar os emails desses respondentes. A opção email foi usada para isso. Com ela só são aceitas respostas que respeitam o formato do email, ou seja, precisa conter @ e .com ou .com.br.

Date

date typeform

Agora se você quer elaborar uma pergunta sobre datas, você pode clicar na opção date que já ofereça a resposta de acordo com esse formato. Com ele, ainda é possível definir o formatos de datas que você deseja que o usuário preencha.

Legal

typeform

A opção de legal já oferece de forma automática duas opções de resposta: aceito e não aceito. Você pode usar esse tipo de pergunta no início do seu questionário, por exemplo, perguntando se o usuário aceita preencher o form em questão.

Website

typeform

Deseja perguntar qual é o site da empresa na qual o seu usuário trabalha? Ou quer que ele informe qual o link do perfil nas redes sociais?

Para ambas as perguntas você pode utilizar a opção website que permitirá respostas apenas no formato padrão de um endereço de na internet.

Payment

payment typeform

Essa opção permite realizar pagamentos dentro do próprio questionário. Ao clicar nele, você será direcionado para um vídeo explicativo:

typeform

Você pode comercializar de forma segura produtos, serviços e até mesmo eventos. É possível customizar a moeda na qual você deseja cobrar, o texto que irá aparecer, determinar um preço fixo – caso você venda apenas um item –, ou utilizar o modo calculadora para somar automaticamente o valor dos produtos escolhidos.

Para ter tudo isso, basta conectar ou criar uma conta na Stripe que funciona como uma plataforma de pagamentos online. Você ainda pode optar por enviar de forma automática o comprovante da compra assim que esse campo for preenchido pelo usuário.

Multiple choice

typeform multiple choice

Para perguntas que oferecem opções que vão além do sim e não, você pode utilizar o multiple choice para criar quais respostas você deseja oferecer para o usuário.

Picture choice

picture choice typeform

No caso de uma compra podemos utilizar a opção picture choice para exibir os produtos comercializados e logo em seguida colocar a opção payment para finalizar a compra.

Question group

question group typeform

Se você quer criar uma série de perguntas que apresentem uma conexão, você pode optar pelo question group e elaborar uma introdução que será exibida para cada pergunta presente nesse agrupamento.

Yes/No

yes/no typeform

Caso você queira ter no form uma pergunta que aceite apenas sim e não como resposta, você pode clicar na opção yes/no que isso será feito de forma automática, só precisará elaborar a frase da pergunta.

Rating

rating typeform

A opção rating pode ser usada para perguntas de avaliação:

typeform

Você pode decidir pelo desenho que será exibido (são oferecidos 17 no total) e a escala entre 1 a 10.

Opinion scale

opnion scale typeform

O opinion scale também pode funcionar como uma forma de avaliação, mas sendo mais completa por oferecer a opção de escrever o que uma determinada nota representa. Confira o exemplo que utilizamos na pesquisa SEO Trends 2017:

opnion scale typeform

Quem avaliou com nota zero sabe que isso representa que a qualidade e relevância do conteúdo não apresenta influência direta. Já quem deu nota 10 sabe que está afirmando que essas características têm forte influência.

Number

number typeform

Se você deseja descobrir a idade do respondente ou mesmo quantos funcionários trabalham na empresa, você pode utilizar da opção number. Com ela, o usuário tem a liberdade de escrever o número desejado, mas com opção de limitação.

Por exemplo, em relação a idade você pode estabelecer que o mínimo é 1 e o máximo sendo 100. Dessa forma, você impede que seja possível receber respostas que não estejam entre essa faixa.

File upload

file upload typeform

Com essa opção, o usuário pode fazer o upload de uma foto, por exemplo, caso você queira divulgar os resultados em forma de depoimento.

Também é possível utilizar um form para um processo seletivo e aqui solicitar o envio do currículo dos participantes.

De acordo com objetivo do questionário é possível dar diversas funções para um mesmo tipo de pergunta.

Thank You screen

thank you screen typeform

Para finalizar o questionário utilizamos a opção thank you screen. Nela podemos agradecer pela participação, disponibilizar botões para o compartilhamento do form nas redes sociais, redirecionar para o início do questionário ou mesmo disponibilizar um outro link para levar o usuário a uma determinada página.

Você pode criar mais de uma opção dessa pergunta. Para aqueles que chegaram até o final do questionário você pode agradecer pelas respostas. Já quem não se encaixou no perfil que você buscava, você pode informá-lo sobre algum assunto relacionado.

Observação

Para todas as perguntas feitas você tem algumas opções extras:

  • Description
      • elaborar uma descrição explicando mais sobre uma determinada questão.
  • Image/Video
      • adicionar uma imagem ou vídeo para complementar a pergunta.
  • Required
      • torná-las obrigatórias para que assim, todos os usuários tenham que respondê-las.
  • Multiple selections
      • dependendo do tipo de pergunta, oferecer mais de uma opção de resposta.
  • Randomize
      • Disponibilizar as opções de resposta em ordem aleatória.
  • Force vertical alignment
      • Exibir verticalmente todas as opções de resposta.
  • Add “Other” option
    • Caso você queira disponibilizar como resposta a opção outro, o usuário que clicá-la terá que preencher essa opção.

typeform

Caso você queira utilizar alguma dessas opções, basta clicar na barra ao lado da palavra off.

Logic jump

O Typeform ainda conta com uma funcionalidade diferencial e muito importante que é o logic jump. Com ele é possível otimizar o tempo de um usuário dentro do form e oferecer uma experiência mais satisfatória, visto que com essa opção ele não precisará passar por todas as perguntas.

De acordo com as respostas fornecidas, o respondente será direcionado para perguntas relacionadas. Por exemplo:

Se tivermos a seguinte pergunta em um form “Você acompanha algum blog?” e o usuário responder que não, não será lógico perguntá-lo qual blog ele acompanha, já que ele informou que não faz isso. Mas caso ele responda que sim, faz todo o sentido perguntar quais são esses blogs.

Para criar o logic jump basta clicar na seta verde que aparece ao final da pergunta e selecionar as condições de resposta:

logic jump typeform

Calculator

Ao lado dessa opção, você também pode utilizar a calculadora para criar pontuações de acordo com a resposta escolhida.

calculator typeform

Duplicate

Caso queira duplicar alguma pergunta, clique na opção duplicate.

duplicate typeform

Move

Para mudar as perguntas de posição, clique na seguinte opção:

move typeform

Delete

Após revisar o form reparou que não precisava de determinada pergunta? Clique em delete.

delete typeform

Agora que você pode ver com detalhes todas as opções de perguntas oferecidas pelo Typeform chegou a hora de ver como você pode personalizar o layout do questionário e analisar as respostas coletadas.

Design

design typeform

Clicando na aba design, você poderá definir as cores utilizadas no form, a fonte e qual imagem você deseja utilizar como plano de fundo.

typeform

Configure

Na aba de configurações temos as seguintes possibilidades:

typeform

  • General
      • Definição do nome, idioma e status do questionário (se ele está disponível ou não para ser respondido). Aqui você também tem a opção pela exibição da marca do typeform e de um botão de redirecionamento para o início do form.
  • Integrations
      • Você pode integrar o seu questionário a diversos aplicativos como: MailChimp, Google Sheets, Trello, Slack, Gmail e muito mais.
  • Self notifications
      • É possível configurar para que a cada resposta coleta, uma mensagem seja enviada para uma determinada conta de email notificando sobre essa ação.
  • Respondent notification
      • Do mesmo jeito que podemos notificar sobre respostas recebidas, é possível enviar uma mensagem agradecendo a participação de cada usuário no momento em que o preenchimento do questionário é finalizado.
  • Progress widget
      • O typeform permite que você tenha a opção de exibir ou não o progresso do usuário dentro do form. Caso opte por mostrar, isso pode ser feito por meio de porcentagem ou de proporção.
  • Messages
      • Aqui, as mensagens exibidas ao longo do questionário podem ser customizadas de acordo com a sua necessidade.
  • Webhooks
    • A cada nova resposta coletada é possível enviar para um determinado destino todas essas informações. Se você incluir essa opção em seu form, saiba mais como configurá-la clicando aqui.

Share

share typeform

Na aba share você pode determinar as seguintes opções de compartilhamento:

share typeform

  • Share your typeform
      • por meio de um link no qual é possível adicionar um parâmetro para acompanhar qual canal trouxe mais respondentes.
  • Embed in a web page
      • embedar o form em uma página para que ele seja respondido por lá.
  • Start in an email
    • enviar o questionário via email dando a opção de ser preenchido no próprio corpo do email.

Analyze

análise typeform

Chegou o momento de analisarmos as respostas coletadas! Nessa aba você pode ver por:

  • Metrics

Quantas visitas totais e únicas o seu form teve, quantas respostas coletou, qual foi a taxa de conclusão (proporção entre visitantes e respondentes) e o tempo médio de resposta.

Além disso, o typeform oferece todas as opções citadas acima segmentadas pelo tipo de dispositivo utilizado, desktop, tablet, smartphone ou outro.

  • Results

Visualizar as respostas coletadas em cada pergunta por colunas. Aqui, você consegue fazer o download para exportar no excel, podendo escolher o formato xlsx ou csv.

  • Google Analytics

É possível adicionar o typeform ao Google Analytics e acompanhar o desempenho e da coleta de respostas também por lá.

  • Reports

Com essa opção você pode visualizar como o questionário é apresentado para o usuário e conferir a porcentagem e número de respondentes em cada resposta.

Conclusão

Você chegou ao final do post! Agora você tem todo o conhecimento necessário para elaborar um questionário de sucesso e que gere muitas leads.

Mas lembre-se que não basta apenas construir o form, é preciso divulgá-lo para conseguir muitas respostas e, consequentemente, muitos leads. Para isso, elabore uma estratégia que envolva email marketing, redes sociais e convide parceiros para ajudá-lo nessa tarefa.

Se ainda assim, não ficou totalmente claro todas as funcionalidades dessa ferramenta, você pode usar o suporte do próprio Typeform, conhecido pelo nome de Help Center ou conferir o Crash Course que ensina o passo a passo de acordo com o seu nível de conhecimento com a ferramenta. Você também pode compartilhar suas dúvidas nos comentários abaixo que iremos respondê-las.

Gostou do conteúdo? Descubra mais sobre como a análise de dados pode gerar resultados incríveis para a sua empresa com o nosso ebook gratuito sobre o tema feito em parceria com a Hekima!

Ebook Marketing de Conteúdo e Dados

Luiza Helena Trajano: Conheça a história da empreendedora brasileira presidente do Magazine Luiza, uma empresa familiar de renome no mercado

Luiza Helena Trajano: conheça a história da empreendedora brasileira presidente do Magazine Luiza

Luiza Helena Trajano é sinônimo de vitória! Ela é uma das três mulheres mais poderosas do Brasil, segundo a revista Forbes.

Em um mercado tão competitivo como é o do varejo, Luiza ganha destaque ao ser uma das poucas mulheres nesse meio e, claro, por alcançar o sucesso com uma empresa que hoje já conta com mais de 800 lojas em 16 estados e cerca de 23 mil funcionários.

Neste post, você conhecerá a história da presidente da Magazine Luiza, uma empreendedora que é referência em varejo no Brasil.

Além disso, vai poder conferir dicas valiosas de quem batalhou muito para alcançar todos esses resultados e transformou uma empresa familiar — que já chega em sua terceira geração de herdeiros no comando — em uma das maiores e mais respeitadas do mercado.

Vamos lá?

História

Nascida e criada em Franca, interior de São Paulo, Luiza Helena Trajano deu início a sua vida profissional bem cedo, com apenas 12 anos de idade.

O desejo de comprar presentes de Natal para sua família e amigos foi o que a levou abrir mão de suas férias escolares para trabalhar como balconista na loja de seus tios, Luiza Trajano Donato e Pelegrino José Donato

A Cristaleira era uma pequena loja de presentes em Franca que foi comprada pelos tios de Luíza em 16 de novembro de 1957. Sua tia criou um concurso cultural na rádio local para os moradores da cidade escolherem o nome da loja recém comprada. Com essa estratégia de Marketing, o negócio ganhou o nome de Magazine Luiza, em homenagem à tia, Luiza Trajano Donato.

A sobrinha, Luiza Helena, que tinha começado como balconista ganhou gosto pelo trabalho e aos 18 anos passou a trabalhar de forma efetiva. Após se formar em Direito e Administração de Empresas, ela chegou a ocupar cargos em todos os setores da empresa.

Já em 1991, ela recebeu um bilhete de sua tia avisando que era a hora de assumir o comando da companhia. Luiza não teve dúvidas e aceitou o desafio. O auge de sua carreira aconteceria alguns anos mais tarde, em 2008, quando se tornou presidente da rede.

Em 2016, seu filho, Frederico Trajano, assumiu o cargo de CEO do Magazine Luiza, o que marcou a terceira geração de herdeiros no comando da empresa.

Comando de Luiza

Luiza ganhou destaque por ser inovadora e por sua ligação próxima com clientes e funcionários.

Sob a sua gestão empreendedora, foram criados, em 1992, as chamadas Lojas Virtuais. O cliente ia até a loja e comprava pelo computador, com o auxílio de um vendedor, o produto que não estava exposto.

Essa prática ainda é adotada pelas lojas localizadas em cidades com menores volumes de vendas. Por meio de um catálogo virtual, o cliente pode escolher o produto que deseja sem que haja a necessidade e os custos dele estar presente em estoque.

Liquidação Fantástica foi outra novidade implementada por Luiza. Uma espécie de saldão de mostruário realizado no mês de janeiro – período tradicionalmente ruim para o varejo – foi tamanho sucesso que passou a ser copiado por todos os seus concorrentes.

Além de realizar visitas frequentes às lojas, ela também faz questão de responder parte das reclamações recebidas por email e ainda conversa com os clientes nas lojas em que visita.

Manual do Atendimento ao Cliente

Cultura Magazine Luiza

O cuidado com os funcionários também é exemplar, o que rendeu a 6ª posição entre as melhores empresas de grande porte para se trabalhar no Brasil, segundo a Exame, e a presença, por 19 anos consecutivos, entre as melhores companhias para se trabalhar, de acordo com o Great Place to Work.

Para se ter uma ideia, a área de Gestão de Pessoas do Magazine Luiza é responsável por desenvolver diversos programas de retenção de talento que vão desde o plano de carreira, treinamentos, cursos técnicos, ensino a distância, programa de bolsa de estudos para graduação, pós-graduação, MBA, línguas, auxílios para as pessoas com deficiência, como a isenção do pagamento do plano de saúde, além de vários outros benefícios.

Existe até mesmo um disque-denúncia interno para encorajar as mulheres que trabalham na empresa a não se calarem diante da violência doméstica.

Essa cultura organizacional da empresa é tão admirada que até virou um case de sucesso em Harvard!

Reconhecimento, premiações e homenagens

A vasta experiência de Luiza rendeu as seguintes homenagens e prêmios:

  • Homenageada na promoção “Os Bem Sucedidos 2000”, pelo Bovespa – primeira mulher e a única empresa do varejo de capital fechado a receber este prêmio (Ano 2000);
  • Prêmio “Antônio Proost Rodovalho”, pela Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo – primeira mulher a receber a honraria (Ano 2001);
  • Prêmio Empreendedor do Ano, pela Ernst & Young na categoria Comércio (Ano 2002);
  • Empresa mais admirada do setor de eletroeletrônicos, pela Revista Carta Capital (Ano 2003);
  • Líder Empresarial Setorial”, pelo Fórum de Líderes da Gazeta Mercantil (Ano 2003);
  • Prêmio de Administrador Emérito 2003, pelo Conselho Regional de Administração (Ano 2004);
  • “As mulheres mais influentes do Brasil”, pelo jornal Gazeta Mercantil e a revista Forbes Brasil (Ano 2004);
  • Prêmio Empreendedora do Ano, pela Revista Isto É (Ano 2004).

Ela ganhou até um convite da presidente Dilma Rousseff para assumir o Ministério da Micro e Pequena Empresa, que recusou para não ter que deixar de trabalhar nem se envolver com política.

Além de ser presidente da rede, ela ainda é vice-presidente do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo e voluntária na Endeavor.

Lições de empreendedorismo

Com tanto anos de experiência e sucesso no que faz, Luiza tem dicas valiosas para quem também quer trilhar um caminho de empreendedorismo no Brasil. Ficou curioso? Confira!

Reclame menos, aja mais

Uma lição valiosa para todos os empreendedores! Os desafios serão inúmeros, mas cabe a você saber o que fazer diante deles. Eles podem te encorajar ou paralisar. Para Luíza, sempre foi a primeira opção.

“Não falo mal do meu país. Me sinto responsável pelo desenvolvimento do país e prefiro pensar em soluções ao invés de reclamar”.

Cliente, o bem mais importante

De nada adianta inovar e perder o foco no cliente, ambos precisam caminhar juntos para que contribuam para o sucesso de seu negócio.

“Existem duas coisas comuns às empresas que dão certo: atendimento e inovação. Você precisa ter um atendimento ao cliente de primeira. E também estar atento ao que há de novo no mercado, para não ficar para trás.”

Críticas são valiosas

Engana quem pensa que elogios são as melhores coisas que você pode ouvir. As críticas por mais duras que podem parecer serão as responsáveis pelo seu crescimento.

“Quando você tem um cargo alto, as pessoas ao seu redor passam a falar apenas aquilo que você quer ouvir. Mas você só cresce quando ouve aquilo que não quer ouvir. O gestor precisa fazer um esforço para ouvir feedback negativo. Por isso, eu fico à frente do SAC do Magazine Luiza. Ninguém gosta de ouvir críticas, porém são elas que nos mostram onde estamos errando. Ouviu, aprendeu, corrigiu. Simples assim.”

Um time de sucesso não tem apenas uma estrela, mas sim várias

Ser bom não é o suficiente, é preciso ter outras pessoas tão boas quanto para que você e o seu negócio evolua e prospere.

“Eu sempre digo que a soma de QIs é melhor do que apenas um QI. Por isso, eu dependo das pessoas para fazer o negócio funcionar. Eu não me considero inteligente, mas acho que sei fazer perguntas para as pessoas certas. Contrate pessoas qualificadas para aquilo que não tem domínio. Não precisamos saber de tudo, mas precisamos estar cercados de pessoas que sabem.”

Tire proveito dos seus erros

Em 2016, Luiza Trajano foi convidada para carregar a tocha olímpica. Porém, infelizmente, passou mal durante o trajeto e derrubou a tocha. O seu tombo virou notícia em todos os canais.

Este ano, esse acontecimento fez parte de um vídeo promocional do Magazine Luiza:

Usando a temática de desafio utilizado pelos Youtubers, a marca convidou Felipe Neto, o quarto maior Youtuber do Brasil, para participar da estratégia de promoção do e-commerce.

Nele, é possível ver vários memes, inclusive o da tocha olímpica, que dessa vez não teve tombo.

Para se ter uma ideia do resultado, o vídeo já alcançou mais de 545 mil visualizações e cerca de 333 comentários em seu canal no Youtube.

Conclusão

Neste post você pôde conhecer um pouco mais sobre a trajetória de Luiza Trajano, uma empreendedora brasileira que vem ganhando destaque por presidir a rede de sucesso Magazine Luiza.

Você também pode descobrir mais sobre a empresária, assistindo o programa Shark Tank. Ela fez uma participação especial na segunda temporada e aproveitou para dar lições, conselhos e opiniões sinceras para os participantes.

Como você viu, Luiza Helena Trajano aposta muito no sucesso do cliente. Para saber como aplicar essa estratégia em seu negócio, leia o nosso guia completo sobre o assunto.

Guia-do-Customer-Success
CONAR

Entenda o que é o CONAR, como ele realmente atua e a sua importância na publicidade nacional

Casos polêmicos envolvendo campanhas de publicidade dão o que falar na escola, no trabalho, em casa e, principalmente, nas redes sociais.

Alguns desses debates acabam chegando até CONAR em forma de denúncias. A partir do julgamento dessas queixas, muitas marcas fazem alterações em seus anúncios e mesmo os retiram do ar.

Isso comprova como o papel do consumidor alterou ao longo dos anos. De um ser passivo que não era levado em conta pelas empresas, ele se tornou uma voz poderosa que não se cala e exige, acima de tudo, ser respeitada.

O CONAR é um dos instrumentos utilizados por esse consumidor para ser ouvido pelas marcas e agências de publicidade que criam as campanhas abusivas e enganosas em circulação no mercado.

Por isso, o CONAR está ganhando cada vez mais visibilidade e se tornando conhecido para o público em geral. Inclusive, mês passado foi veiculada uma campanha do próprio conselho que gerou controvérsias e foi denunciada!

Vamos mostrar essa campanha no final do conteúdo, antes, vamos entender como o CONAR realmente atua!

 

Ficou curioso em conhecer mais sobre esse conselho? Continue a leitura.

O que é o CONAR?

Segundo o próprio site do CONAR, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária é: “uma instituição que fiscaliza a ética da propaganda comercial veiculada no Brasil, norteando-se pelas disposições contidas no Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária”.

Ou seja, é um grupo que analisa por meio de denúncias campanhas publicitárias que podem ter causado algum tipo de desrespeito ao consumidor e até mesmo às empresas que podem ter sido citadas.

Diferente do que muitas pessoas pensam, ele não é um órgão de defesa do consumidor nem apresenta poder jurídico. Por isso, ele não consegue obrigar que uma propaganda seja retirada do ar, alterada ou mesmo multada.

Mesmo assim, por ser muito respeitado pelas empresas de publicidade, as decisões tomadas pelo CONAR são sempre respeitadas e acatadas.

Como foi criado?

No final do anos 70, após o governo federal anunciar a possível sanção de uma lei que regularia as propagandas veículadas, foi criado, nos moldes do modelo inglês, o Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária.

Quer conhecer mais sobre esse código? Clique aqui e confira na íntegra!

Em 1978, durante o III Congresso Brasileiro de Propaganda, anunciantes, agências e veículos de comunicação adotaram o código em suas atividades.

Já no dia 5 de maio de 1980, foi criado o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, que ajudaria a fiscalizar e colocar em prática todos os mandamentos do código.

Qual é o seu papel?

O Conar ao receber as denúncias feitas e as encaminha para o seu Conselho de Ética. Ele é formado por 180 conselheiros, que não podem ocupar cargos públicos e trabalham como voluntários divididos em oito Câmaras, localizadas em São Paulo, Rio, Brasília, Porto Alegre e Recife.

O Conselho será o responsável por analisar e julgar as queixas, levando em conta o que está presente no Código e oferecendo direito de defesa ao acusado.

Se a denúncia for vista como válida, o Conar pode recomendar alterações ou mesmo a retirada da peça publicitária.

Como fazer uma denúncia?

Qualquer pessoa pode realizar uma reclamação via site, email ou carta ao CONAR desde que tenha a identificação de quem está fazendo esse pedido.

Casos de denúncias anônimas não são considerados.

Também não existe um mínimo de queixas para campanha ser analisada e julgada. O único fator que importa é que a reclamação feita esteja de acordo com o Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária.

Lembre-se que serviços e produtos não são alvos do CONAR, apenas peças publicitárias.

Se a sua denúncia estiver de acordo com algum artigo do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária, ela é considerada válida e o processo é iniciado, com a escolha do relator que é feita entre os membros do Conselho de Ética.

O próximo passo, é a análise do caso e o julgamento dele em primeira instância. Caso seja decidido a favor da queixa, o anunciante pode recorrer.

Já na segunda instância, existem duas possibilidades, o processo pode ser finalizado a partir de uma decisão unânime, ou caso isso não aconteça, uma votação do Conselho é realizada para a tomada da decisão final.

Bônus: Exemplos de peças publicitárias julgadas pelo CONAR

No site do CONAR é possível ter acesso a todos os casos julgados pelo conselho. Para você ter uma ideia de como é exibida essas informações, separei alguns casos desse ano para você conhecer. Confira!

Campanha: Confie no Conar

Nela, a imagem é dividida em duas cenas semelhantes, que aparecem de forma simultânea. Em dos vídeos é possível ver um casal formado por um homem e uma mulher de um lado, e do outro, um composto por duas mulheres.

CONAR veta o CONAR

Ao fundo, o narrador diz a seguinte fala: “Já pensou se todo comercial tivesse que ter opções para agradar todo mundo? Por isso que existe o Conar. Para separar o que é gosto pessoal do que é ofensivo e ilegal”.

Muitas pessoas se sentiram ofendidas por esse anúncio e realizaram denúncias que chegarem até o CONAR. Isso fez com que o caso fosse levado para julgamento.

Como conclusão, foi recomendado a alteração nos vídeos da campanha que, inclusive, já não estão mais disponíveis.

Mesmo assim, o CONAR e agência responsável afirmaram que vão recorrer da decisão tomada pelo Conselho de Ética.

Campanha: Cerveja Proibida – Família Proibida Puro Malte

Representação nº: 035/17

Anunciante: Cerveja Proibida

Agência: DraftZ

Fundamentos: Artigo 27, nº 1, letra “a”, do Rice

Decisão: Arquivamento

Resumo: Oito reclamações de consumidores, residentes em São Paulo, Limeira e Mairiporã (SP), Caseiros (RS), Rio (RJ) e Laguna (SC) viram sinais de discriminação de gênero em campanha da cerveja Proibida, na qual uma das apresentações é descrita como “cerveja para macho”, enquanto que outra apresentação, denominada “Rosa Vermelha Mulher” é recomendada ao público feminino.

Anunciante e agência defenderam-se no Conar, argumentando que a campanha apenas destaca as múltiplas apresentações do produto, adequadas a diferentes públicos.

Os conselheiros, por maioria de votos, concordaram com os argumentos da defesa e recomendaram o arquivamento, seguindo proposta do autor do voto vencedor.

Campanha: Toda Mãe Merece Samsung

Campanha Samsung vetada pelo CONAR

Representação nº: 078/16

Anunciante: Samsung

Fundamentos: Artigos 1º, 23, 27, parágrafos 1º e 2º, e 50, letras “a” e “b”, do Código

Decisão: Alteração e advertência

Resumo: A Whirlpool trouxe ao Conar queixa contra campanha em TV e internet da concorrente Samsung veiculada na véspera do Dia das Mães.

Segundo a denunciante, ao prometerem desconto na compra de um segundo produto da anunciante, as peças publicitárias têm potencial para induzir os consumidores ao erro quanto aos termos da oferta divulgada e à própria disponibilidade de estoque.

A Whirlpool mencionou lettering ilegível presente nos anúncios, o que impede os consumidores de conhecerem melhor os contornos e limitações da oferta.

O relator concedeu medida liminar de sustação, mas esta foi revogada depois de pedido da Samsung, que historiou medidas saneadoras. A Samsung apoiou a sua defesa exatamente nestas providências.

Em seu voto, o relator acolheu os argumentos da Whirlpool, considerando irregular a campanha da Samsung.

Por isso, ele recomendou a alteração dos anúncios originais, pena agravada por advertência à anunciante, tendo em vista descumprimento pontual da medida liminar. Seu voto foi aceito por unanimidade.

Campanha: Chamyto – Vamos Descobrir O Lado Genial De Seu Filho

Representação nº: 078/16

Anunciante: Nestlé

Fundamentos: Artigo 27, nº 1, letra “a”, do Rice

Decisão: Arquivamento

Resumo: Consumidora de Itapema (SC) considerou que filme para TV e internet de Chamyto constrange pais e responsáveis com o propósito de impingir consumo, o que é reprovado pelo Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária, além de sugerir que o produto pode favorecer o desenvolvimento intelectual da criança.

A anunciante enviou defesa ao Conar, negando as motivações da denúncia, considerando que a peça publicitária respeita de forma estrita a ética publicitária, destacando, antes, a atenção da mãe às necessidades do filho.

A relatora concordou, em linhas gerais, com os argumentos da defesa e propôs o arquivamento da representação, voto foi aceito por unanimidade.

Campanha: Pirataria É Crime – Dia Internacional Da Mulher

Pirataria é Crime vetada pelo CONAR

Representação nº: 039/17

Anunciante: Pedaços de Amor

Fundamentos: Artigos 1º, 3º, 6º, 19, 20 e 50, letra “c”, do Código

Decisão: Sustação

Resumo: O Conselho Superior do Conar, motivado por ofício da Coordenação Estadual de Política para a Diversidade Sexual, da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Governo do Estado de São Paulo, propôs representação contra anúncio em mídia exterior e internet com o título acima, divulgando a loja de cosméticos Pedaços de Amor.

A peça publicitária é ilustrada com foto de um travesti em trajes provocantes usando banheiro masculino. Uma grande quantidade de reclamações de consumidores foi recebida nos dias seguintes.

A direção do Conar recomendou sustação liminar da exibição do anúncio enquanto aguardava pela defesa da anunciante, que optou por não se manifestar.

O relator confirmou a sustação. Segundo ele, a representação “aprofunda a sintonia do Conar com a sociedade para coibir as iniciativas descoladas não só dos padrões éticos de conduta, mas do respeito que deve orientar nossas relações em qualquer âmbito.

Pessoas com pessoas, pessoas com marcas e marcas com marcas”. Seu voto foi aceito por unanimidade.

Conclusão

No tópico acima, você pode conhecer alguns casos julgados pelo CONAR.

Graças à debates crescentes sobre temas como machismo e diversidade mais pessoas se sentem dispostas a expressar suas opiniões e, consequentemente, novas denúncias chegam até o CONAR.

Para se ter uma ideia, o UOL realizou um estudo que descobriu que de 2006 a 2016, denúncias de machismo aumentaram 87,5%.

Portanto, se você não concorda com alguma peça publicitária que infrinja algum dos artigos do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária, faça a sua voz ser ouvida e registre a sua denúncia!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e deixe o seu comentário abaixo!

infográfico experiência no ecommerce

Como escolher a melhor plataforma de e-commerce

A escolha da plataforma para o e-commerce é uma decisão muito importante, visto que ela é a responsável por todo o funcionamento de sua loja virtual. Por isso, ela tem influência direta tanto no desempenho quanto no sucesso de seu negócio.

Diferente do que algumas pessoas acreditam, não comece o seu e-commerce com qualquer plataforma para depois trocá-la por uma melhor ou mais completa.

Ao realizar essa prática, você definitivamente vai ter perdas significativas que podem prejudicar os resultados da sua loja virtual.

Então o meu conselho é que você invista em uma plataforma que consiga atender as demandas atuais e necessidades futuras de seu e-commerce.

Para ajudar nessa escolha, elaborei este post com algumas informações importantes para você levar em conta no momento de decisão.

Além disso, aqui você também vai poder conferir um comparativo entre algumas plataformas disponíveis no mercado.

Ao chegar ao final deste post, você estará mais preparado para realizar a escolha da melhor plataforma para o seu e-commerce!

O que levar em conta na hora da escolha?

Escolher uma plataforma para o e-commerce é uma grande responsabilidade. Para ajudá-lo nessa escolha, você vai conhecer neste tópico, os principais pontos que devem ser  avaliados no momento de decisão.

Ficou interessado? Vamos lá!

Orçamento

O primeiro ponto é realmente saber o quanto você pode investir em uma plataforma.

Não adianta achar uma opção super completa que atenda o seu negócio se ela não está dentro do orçamento que você pode gastar.

Por isso, analise os preços oferecidos e os benefícios disponíveis para saber o que de fato você está pagando.

Modelo

A sua plataforma pode ser open source e SaaS.

Com a open source você tem acesso aos direitos de uso e pode fazer customizações. Por isso, elas apresentam um custo maior e demoram mais para serem implementadas.

Já com uma plataforma SaaS é possível criar o seu e-commerce de forma mais prática e a um menor custo. As atualizações e manutenções são feitas pelo próprio provedor e acontecem para todos os usuários.

Para decidir sobre o modelo de plataforma ideal para o seu negócio, reflita sobre a demanda da sua loja virtual, os profissionais existentes em seu time e sobre o orçamento disponível.

Suporte

Saber sobre o suporte oferecido pela plataforma é algo essencial. Afinal, se você passar por alguma dificuldade, provavelmente, vai querer que ela seja resolvida o mais rápido possível, não é mesmo?

Essas informações podem não parecer muito importantes, mas pode acreditar que em breve você vai precisar delas.

Então, antes de assinar o contrato, descubra quais canais de suporte são oferecidos e qual o tempo médio de resposta. Assim, você  vai poder saber se o que é oferecido está adequado a demanda do seu e-commerce.

Versão teste

Nem sempre todas as funcionalidades da plataforma funcionam igual ao prometido.

Para não correr esse risco e acabar adquirindo uma plataforma que, na prática, pode não ser tão boa assim, peça uma demonstração e tire um tempo para testá-la.

Velocidade da plataforma

Saber sobre a velocidade da plataforma é algo essencial principalmente quando lembramos das grandes datas do comércio. Elas podem atrair muitos visitantes e acabar congestionando o seu e-commerce.

Projeção de vendas

Como algumas plataformas cobram por número de usuários cadastrados é importante se planejar. Além disso, descubra como é feito e em quanto tempo esse processo de ampliação da conta precisa para registrar novos clientes.

Design responsivo

Segundo a E-commerce Trends 2017, 44,3% dos respondentes utilizam o smartphone para realizar compras em lojas virtuais.

Ou seja, é essencial que a plataforma seja responsiva para que os usuários que acessarem o seu e-commerce pelo dispositivo móvel tenham uma boa experiência de compra..

Customização

Personalizar o seu e-commerce para que ele fique com uma identidade única e mais atrativa é uma ótima estratégia para conquistar mais visitantes. Por isso, descubra quais  são as opções de customização, os custos e se é possível realizá-las por conta própria.

Integração

Saber se a plataforma oferece a possibilidade de integração com outros serviços ajuda a otimizar processos, gerenciar informações e, claro, a disponibilizar um atendimento mais completo ao cliente.

Métodos de pagamento

Oferecer várias opções de pagamento é uma ótima forma de evitar que um potencial cliente deixe de concluir uma compra por falta de um método que o atenda. Por isso, invista em um plataforma que ofereça essas opções e diminua os entraves das vendas em seu e-commerce.

Funcionalidades importantes para uma plataforma

Além dos critérios abordados no tópico anterior, existem outras funcionalidades que podem fazer toda a diferença em sua plataforma. Como:

  • campo para comentários;
  • recurso de review;
  • campo para assinatura de newsletter;
  • canais de atendimento ao cliente (chat, ticket, telefone e email);
  • certificado SSL;
  • Otimização para SEO.

Quanto mais recursos sua plataforma tiver, mais otimizado será o seu tempo e maiores serão as chances de oferecer uma boa experiência de compra para os seus clientes.

Comparativo entre plataformas

Agora, você vai poder conferir um comparativo entre as principais plataformas para e-commerce disponíveis no mercado.

Com os dados já abordados no início do texto e com as informações presentes neste tópico, você estará cada vez mais preparado para escolher a melhor a opção de plataforma para o seu negócio.

Você sabia que a aheadWorks realiza uma pesquisa para descobrir quais são as plataformas de e-commerces mais utilizadas em todo o mundo?

A edição de 2016, revelou o seguinte panorama:

comparativo entre plataformas de ecommerce

Tendo como base esses resultados, selecionamos as quatro plataformas mais utilizadas para analisá-las. Confira a seguir:

Magento

magento

A Magento é uma plataforma open source e a mais utilizada em todo o mundo. Ideal para grandes e-commerces .

Os seus principais pontos fortes são as opções ilimitadas de customização. Ela oferece diversos tipos de plugins, uma grande variação de templates, tradução para outros idiomas, e até mesmo reconhecimento de moedas estrangeiras.

Já o seu ponto fraco se concentra na dependência de um bom provedor de hospedagem. Sem ele, a sua velocidade pode ficar comprometida ou mesmo sair do ar.

Woocommerce

woocommerce

A Woocommerce é uma plataforma open source ideal para atender e-commerces pequenos.

O seu download gratuito e a sua fácil usabilidade são seus grandes atrativos.

Porém, algumas extensões e opções de plugins podem apresentar um preço elevado. Além disso, existe o risco de ter conflitos entre alguns plugins, que podem impactar na velocidade e mesmo na segurança do plataforma.

PrestaShop

prestashop

A PrestaShop é uma plataforma open source ideal para pequenos e médios e-commerces.

Duas grandes vantagens são a sua fácil instalação e opção do idioma português.

Uma desvantagem é que grande parte dos plugins oficiais não são gratuitos.

Shopify

shopify

A Shopify é uma plataforma Saas ideal para pequenos e médios e-commerces.

Além de apresentar um período de teste gratuito, a plataforma também permite ao usuário criar o e-commerce de forma simples e personalizável.

Em compensação, a página de checkout não apresenta opção para ser customizada.

 

Quer conhecer mais opções de plataforma?

Confira o Gartner Magic Quadrant for Ecommerce 2017! Com ele é possível descobrir quais são as principais plataformas de e-commerces mundiais, além de conhecer os pontos fracos e fortes de cada uma.

Bônus: Plataformas para e-commerces brasileiras

Além dos exemplos listados no tópico anterior, existem inúmeras opções excelentes de plataformas brasileiras para e-commerces. Como:

Conclusão

A falta de um planejamento na escolha da plataforma, pode trazer danos definitivos para o seu e-commerce.

Para que isso não aconteça, coloque em prática as dicas abordadas neste post e realize a melhor escolha para o seu negócio!

Se você tem interesse em aprofundar ainda mais o seu conhecimento sobre o mercado de e-commerces, não deixe de fazer o download gratuito do ebook abaixo.

Ebook gratuito - E-commerce: Da criação à fidelização de clientes

Descubra outras práticas de sucesso para o seu e-commerce!


 

Deixe a sua opinião sobre esse tema, nos comentários abaixo.

E-commerce on demand

E-commerce on demand: você já considerou essa possibilidade para sua loja virtual?

Você já imaginou como seria muito mais fácil para o seu e-commerce se ele não tivesse que ter todos os produtos oferecidos em estoque?

Pois fique sabendo, que já existe uma solução para isso, o E-commerce On Demand.

Neste post, você vai conhecer o que é e quais são os benefícios dessa estratégia para a sua loja virtual!

O que é E-commerce On Demand?

De forma resumida, é uma modalidade que envolve a comercialização de produtos personalizados de acordo com o desejo do consumidor.

Por isso, as mercadorias apenas são produzidas a partir de uma demanda, ou seja, não necessitam de estoque para serem armazenadas.

Toda a organização do e-commerce precisa ser pensada para atender com eficiência os pedidos recebidos.

Afinal, vale ressaltar que nesse modelo, a produção apenas inicia a partir de uma solicitação. Então, para que tudo corra dentro dos prazos estipulados é preciso que todas as etapas estejam muito bem sincronizadas.

Bônus: On Demand X Dropshipping

A modalidade On Demand é similar a de Dropshipping porém, elas não são idênticas e  cada uma apresenta suas particularidades.

Dropshipping

Quando falamos em dropshipping, estamos nos referindo ao processo no qual o consumidor compra pela loja virtual. Por ela não apresentar um estoque, o pedido feito é repassado para o fornecedor que é o responsável por enviar o produto adquirido direto para o cliente.

O papel do e-commerce nessa estratégia é de apenas notificar o fornecedor sobre o pedido recebido e o consumidor sobre a entrega do produto.

As principais vantagens do dropshipping são:

    • Menor custo de investimento;
    • Maior possibilidade de expansão;
  • Oportunidade de comercializar uma gama variada de produtos.

Em relação às desvantagens, temos:

    • Menor margem de lucro;
    • Maior chance de erros serem cometidos pelo fornecedor;
  • Complexidade em relação ao frete.

On Demand

Como foi abordado no início deste post, os e-commerces que atuam em modelo On Demand produzem produtos personalizados e por isso, também não apresentam estoques.

Diferente do dropshipping, eles não conseguem produzir produtos tão variados pela personalização limitada e nem enfrentam um frete tão complexo.

As maiores vantagens são:

    • Não correr o risco de ficar com mercadorias paradas que não foram vendidas;
    • Maior controle sobre todo o processo de produção;
  • Menor custo de investimento.

Já entre as desvantagens estão:

    • Limitação na variedade dos produtos comercializados;
    • Necessidade de uma plataforma adequada ao modelo On Demand;
  • Maior planejamento para estruturar o negócio.

Conclusão

Este foi um dos vários posts sobre e-commerce que você pode ler aqui no blog!

Com ele você pode conhecer mais sobre a tendência On Demand e como ela pode ser uma ótima opção caso você tenha interesse em tornar o seu negócio mais dinâmico e claro, queira inovar e se destacar no mercado.

Se você gostou, compartilhe o post nas suas redes sociais!

Quer melhorar ainda mais o desempenho da sua loja virtual? Aprenda aqui com o nosso ebook gratuito!