Lucas Azevedo

Analista de Sucesso do Cliente


3 publicações feitas.



Descrição de produto no e-commerce

8 dicas para elaborar a descrição de produto perfeita em seu e-commerce

Você já deve saber que a descrição de produto no e-commerce é extremamente importantes para aumentar as suas vendas.

Entretanto, é um erro pensar que elas devem apenas listar os recursos e características dos produtos.

Além de estabelecer a autoridade da sua loja e ajudar o seu cliente a entender melhor a solução que você vende, uma descrição bem feita influencia positivamente sua estratégia de SEO.

Isso significa que mais pessoas vão encontrar seus produtos e ter a chance de comprá-los se você fizer uma descrição relevante. Os principais objetivos de uma boa descrição de produto no e-commerce são atrair visitantes e transformar essas pessoas em clientes.

Por isso, suas estratégias de SEO e otimização de conversão devem incluir descrições de produtos bem escritas, atraentes e persuasivas.

Quer saber como fazer essa melhoria no seu e-commerce? Então, continue a leitura e confira como alavancar as suas vendas com descrições matadoras!

O que é a descrição do produto?

As descrições dos produtos são a base de conteúdo em qualquer site de comércio eletrônico para informar, educar e convencer os clientes a comprarem.

Elas representam a sua empresa no momento que o usuário entra na página para realizar uma compra e precisa responder a perguntas simples, como:

  • O que é esse produto?
  • Que problemas ele resolve?
  • O que o torna diferente de outros produtos?
  • Do que é feito e de onde ele vem?
  • Como uso este produto?

Uma boa descrição deve destacar as principais características do produto e seus benefícios, para fornecer ao visitante informações e argumentos suficientes para que ele clique no botão comprar.

Para começar a elaborar o texto na sua página de produto, você precisa entender o impacto que a descrição tem no processo de compra. Vamos lá?

Qual a importância de uma boa descrição de produto?

As descrições dos produtos desempenham dois papéis muito importantes.

Em primeiro lugar, eles influenciam a taxa de conversão de um site. Em segundo, elas contribuem na otimização para os mecanismos de busca.

Do ponto de vista dos usuários

Esse é o ponto de vista mais importante, ok? Acerte nele, que o Google é consequência.

Gera confiança

Uma texto caprichado é sinal de profissionalismo. Um texto rico e original é sinal de conhecimento e qualidade.

A descrição é uma oportunidade de mostrar comprometimento com a qualidade em todos os aspectos do seu negócio. Ela te posiciona como uma autoridade que vai melhorar a vida do cliente.

A desconfiança é uma das principais barreiras para a compra online. Capriche, gere credibilidade e conquiste o público.

Amplifica o desejo

Seus clientes não podem sentir o produto fisicamente. A descrição é a ferramenta que você tem para responder dúvidas e despertar a imaginação.

Você deve oferecer as informações que os clientes precisam para comprar o produto que procuram. A descrição realça os benefícios e mostra para o cliente que ele precisa comprar — agora — para resolver seu problema.

Desafoga seus canais de atendimento

Sem as descrições, os usuários podem ficar confusos com os produtos em seu site e acabar desistindo.

Além de afastar seu tráfego, os produtos sem descrições podem sobrecarregar seus canais de atendimento ao cliente.

Inclusive, uma ótima maneira de entender as dúvidas que você precisa sanar em seus textos é consultar os e-mails que você já recebeu.

Você pode atualizar o texto para responder as principais perguntas e reduzir os e-mails e ligações de clientes.

Do ponto de vista dos motores de busca

As descrições dos produtos são uma das táticas de SEO mais subestimadas.

Além de informar e influenciar seus visitantes a comprar seus produtos, as descrições atingem palavras-chave importantes e direcionam mais tráfego para a sua loja.

Os mecanismos de busca não conseguem ler imagens, e os “bots” precisam do texto para contextualizar cada página.

Ou seja, páginas de produtos com informações ricas permitem que os motores de busca mostrem resultados que atendem à necessidade de quem faz a consulta.

Para conseguir esses resultados, você deve primeiro seguir algumas boas práticas que vão cativar clientes e trazer mais visitantes. Olha só:

O que NÃO PODE faltar em uma descrição de produto

1. De que o produto é feito

Descreva de que o produto é feito, ou no caso de um serviço, o que ele inclui.

Quem pensa em comprar uma carteira, gostaria de saber se ela é feita de couro autêntico ou sintético, por exemplo.

Aqui vai uma boa dica para agilizar esse processo: você pode entrar em contato com a marca ou a fábrica e pedir a ficha técnica. Eles tem tudo isso pronto.

O ideal é pegar essas informações e organizar de uma maneira única, para evitar textos repetidos.

Ah, não esqueça de avisar se o produto é feito localmente, utiliza materiais orgânicos ou sustentáveis. É uma maneira fácil de gerar confiança na qualidade de seus produtos.

2. Medidas detalhadas

As dimensões dos seus produtos precisam estar claras. Imagina comprar um móvel na internet sem saber se ele cabe na sua casa?

A dica acima também vale aqui. Você pode pedir a ficha técnica com todas as medidas, ou então montar uma ficha de recebimento e pedir para o seu estoquista, ou responsável, tirar as medidas importantes enquanto estiver conferindo a carga.

Inclusive, é uma maneira legal de envolver outras pessoas da sua operação e mostrar a importância dos mínimos detalhes no e-commerce.

Se você vende roupas, “P, M, G” não é o suficiente. Você precisa incluir as medidas para cada parte do corpo.

Além de deixar o cliente mais seguro, você ainda reduz a chance de trocas. Sei que o custo com frete é uma pulga atrás da orelha.

3. Formate seu texto para alguém com pressa

A formatação da descrição de produto é tão importante quanto o conteúdo. Você precisa prender a atenção do seu visitante.

Facilite as coisas para seus visitantes — que provavelmente estão com várias janelas do navegador abertas.

  • Destaque palavras com negritos e faça uso de intertítulos para atrair os olhos do leitor para onde você quer.
  • Os tópicos em bullet points são uma excelente maneira de agrupar as especificações do produto de uma forma legível.
  • Apresentar informações em pequenos blocos, pontuados ​​por ícones, pode ajudar a melhorar a retenção

Agora que cobrimos o básico, vou passar algumas dicas para dar um passo a mais e escrever descrições de produto matadoras. Vamos lá!

8 dicas para elaborar a descrição de produto perfeita

Uma excelente descrição do produto no e-commerce atrai o leitor.

E, para seduzir o seu público, o primeiro passo é conhecer e ser seduzido pelo seu produto.

Apaixone-se pelo que vende. Estude suas utilidades. Maravilhe-se com os detalhes.

E depois comece…

1. Escreva para a pessoa que AMARIA conhecer o seu produto

Se você está vendendo alguma coisa, eu espero que saiba quem é o seu público alvo e quem é a sua persona. Você desenvolveu o seu produto com alguém em mente, certo?

Não importa o tipo de texto que você for escrever, você deve sempre escrever para uma pessoa, e não para um grupo de estranhos.

Faça uma persona e toque na frustração, na dor e nos desejos de alguém específico.

Quando você escreve para alguém, esse alguém sente que é compreendido. Então, ele clica em “Adicionar ao carrinho”, e você recebe seu pagamento.

2. Pesquise Palavras-Chave

Encher as páginas com palavras-chave era uma prática nos primórdios do SEO. Felizmente, as mudanças nos algoritmos dos mecanismos de pesquisa deixaram as buscas mais inteligentes.

Essa mudança permite que os redatores sejam mais criativos na produção de descrições relevantes com foco no cliente.

As palavras-chave devem aparecer naturalmente em títulos e descrições, pois vão ajudar os clientes a encontrarem o produto em seu site, marketplaces e nos motores de busca.

O melhor jeito de começar é usando uma ferramenta de pesquisa de palavras-chave, como o Google Keyword Planner, para determinar as consultas mais populares. Você também pode utilizar o Google Search Console para descobrir quais as palavras levam tráfego para as suas páginas.

Leve em conta as palavras-chave com alto volume de pesquisa, mas identifique também os termos de cauda longa. Eles têm menos pesquisas, mas convertem bem e são mais fáceis de rankear.

3. Adote um tom de voz consistente com a sua marca

Após identificar as palavras-chave mais eficazes, você pode pensar em como transmitir as informações do produto usando esses termos e sinônimos relacionados, em textos que falam a linguagem da sua persona, no tom de voz exclusivo da sua marca.

É muito importante prestar atenção às palavras-chave, mas não em detrimento da sua identidade de marca e da boa comunicação com o seu público.

Abaixo, coloquei dois trechos de descrições para jaquetas de couro. Os textos têm palavras-chave semelhantes para descrever as características, mas utilizam abordagens diferentes para se conectar com o público-alvo.

Qualidade acima de tudo:

Descrição de jaqueta de couro em um e-commerce

A escolha das palavras “clássica”, “original que inventou o estilo” e “durabilidade a longo prazo” remetem a ideia de um produto atemporal que é um investimento, e não uma tendência de moda.

A página de produto na Schott NYC tem uma descrição longa focada na qualidade do material e na rica história da marca, responsável por inventar este estilo de jaqueta.

A marca moderna de luxo:

Descrição de jaqueta de couro em e-commerce

A descrição da All Saints também remete a idéia de uma jaqueta de motociclismo, mas em vez de citar a tradição, usa a palavra “nova”, e em vez de destacar o material, destaca os detalhes estéticos. “Crafted” remete a ideia de artesanato, para valorizar o lado luxuoso do produto. Para engajar o público jovem, ainda aproveitam a página de produto para incentivar o compartilhamento de imagens nas redes sociais.

Uma marca jovem de fast fashion, poderia deixar de lado o material para enfatizar como o produto é a última tendência e passa uma atitude descolada.

O importante é entender o que o seu público procura e mostrar, através da sua descrição, que o seu produto é capaz de atender as expectativas. Para isso, você pode usar a dica abaixo.

4. Conte uma história

Pense sempre na sua audiência. Descrições genéricas tendem a ser ineficazes, pois não abordam as dificuldades e objetivos de nenhum grupo específico.

Compreender o seu público — falar a língua deles — tem  um papel fundamental na hora de criar uma descrição de produto envolvente e relevante.

As descrições dos produtos não devem apenas transmitir o que é o seu produto, mas aproximá-lo da realidade do cliente e conectar com emoções para estimular uma decisão de compra.

Uma pesquisa realizada pela Nielsen, líder em pesquisas de mercado, concluiu que as emoções são peças chaves para o sucesso da publicidade.

Estes mesmos gatilhos emocionais podem ser aplicados nos sites de e-commerce desde o momento que o cliente chega no seu site até a hora em que ele vai para o seu carrinho.

Um atalho para abordar os desejos e emoções mais obscuros de sua persona? Conte uma história. Descreva como seria ter o produto em mãos, no corpo, nos pés, na vida…mostre como ele se encaixa no dia-a-dia do cliente.

A Kaufman Mercantile, sempre usa referências situacionais em suas descrições de produto:

Descrição de produto da loja Kaufmann Mercantile

A descrição do produto acima faz alusão ao “ritual sagrado de preparar uma xícara de café ao acordar”, um “momento de paz antes de um dia corrido”.

O Buffer tem um ótimo texto sobre a ciência da emoção no marketing e quais emoções estimulam o leitor a agir (compartilhar, comprar, recusar).

Também temos alguns materiais bem interessante para você ter ideias de como conectar com as emoções do seu cliente:

Seja criativo mas cuidado com textos muito longos. A visualização no mobile tem se tornado um fator cada vez mais importante para posicionamento nas buscas. Textos criativos e relevantes, mas curtos, são melhores para suas práticas de otimização dispositivos móveis.

5. Conecte atributos e benefícios

É importante listar os atributos e recursos do seu produto. Esse tipo de informação pode ficar abaixo da sua descrição principal ou em uma aba separada, dependendo do layout do seu site.

Você deve destacar o principal benefícios que cada uma delas traz para o cliente. Lembre-se: ele compra soluções.

Os atributos são o que o seu tem ou inclui, como “cartão de memória 128GB” ou “Costura reforçada”.

Os benefícios são o que seu produto faz para melhorar a vida do seu cliente, como “Não se preocupe em ficar sem espaço para suas fotos nas férias” ou “Produto construído de forma durável, para que você possa usá-los por anos”.

Use essa técnica quanto estiver listando os materiais e construção do seu produto, como a Zappos faz:

Descrição de produto da Zappos

A Huckberry também é um ótimo exemplo de como exibir informações técnicas sem intimidar os clientes. Cada produto possui listas de características, materiais e medidas, em tópicos embaixo da descrição principal.

Este layout permite que a loja responda questões comuns sobre o produto, passe informações técnicas ao seu cliente mais sofisticado e mostre para novos clientes que a marca é uma especialista no assunto.

Descrição de produto Huckberry

6. Use palavras sensoriais

Na hora de contar a sua história e descrever os atributos e benefícios, use palavras sensoriais para trabalhar os sentimentos do leitor.

Adjetivos sensoriais são ferramentas poderosas para ajudar seus clientes a imaginar seu produto enquanto estão lendo um texto.

A Nespresso é um excelente exemplo de como usar gatilhos emocionais. Quando ela descreve as cápsulas de café, usa palavras descritivas como “rico”, “sutil” e “encorpado” para o cliente “sentir” o gosto e o cheiro do café.

Para valorizar as máquinas, escolhem palavras como “inovadora”, “beleza” e “única”. São palavras usadas para atribuir valor a suas máquinas de expresso.

Descrição de produto Nespresso

Eu não sei sobre você, mas eu prefiro uma mordida de “Mousse de chocolate aveludada que derrete na boca” do que “mousse de chocolate”.

A linguagem que remete ao toque, ao gosto, ao cheiro e ao som ilumina uma área do cérebro conhecida como córtex somatossensorial.

É por isso que uma frase como “A água gelada correu silenciosamente pelos tornozelos dela” tem mais impacto do que “Ela colocou os pés no riacho”.

Combine seu produto com palavras que evocam as sensações dos atributos do produto. Por exemplo:

Palavras que passam ideia de textura, como “crocante” e “fofo”, podem ser usadas para descrever alimentos e “sedoso” ou “liso” podem ser usadas para roupas e até produtos de beleza.

Descrevendo uma mesa de mogno? Use palavras que evoquem solidez e força, como “robusta”, “pesada”, “resistente”, “confiável”, etc.

Um tênis de corrida? Bons adjetivos podem ser “leve”, “rápido” e “macio”.

Um exemplo de como combinar um pouco do que falamos até agora:

“Esse tênis tem uma sola inovadora feita com uma leve borracha de alta densidade, proporcionando uma pisada macia que conserva sua energia, permitindo treinos mais longos.”

O truque é encontrar o equilíbrio certo e ser bem específico na hora de destacar os pontos fortes de seus produtos.

Lotar a descrição com adjetivos vagos pode deixar seus clientes confusos e seu texto desprovido de qualquer significado real.

Acenda os córtices somatossensoriais de seus clientes. Eita!

gif boom

8. Prova social, uma poderosa arma de persuasão

Você provavelmente já está usando alguma ferramenta de reviews e avaliações em seu e-commerce, mas já pensou em usar essas avaliações para tornar suas descrições de produtos mais atraentes?

Vasculhe seus comentários, positivos e negativos, e use-os para enfrentar diretamente os medos e ilustrar benefícios inesperados na descrição do seu produto.

Se uma review disser: “Eu estava com medo de que este drone não fosse poderoso o suficiente para alcançar o quintal do meu vizinho”, acrescente na sua descrição algo como: “Com medo de que esse drone não seja suficientemente poderoso? Graças a uma bateria de lítio recarregável com alta durabilidade você pode voar por todo o seu bairro — quantas vezes quiser!”

Independentemente do nicho e do público da sua loja, melhorar suas descrições de produtos pode ter um impacto enorme no seu tráfego orgânico e nas suas taxas de conversão.

Você não deve parar por aqui. Coloque em prática as dicas do e-book Conteúdo para E-commerce e explore mais estratégias de conteúdo para para atrair clientes, converter mais vendas e aumentar o faturamento!

Estratégia de conteúdo para lojas virtuais

Marketing de Conteúdo vs. Ads

Marketing de Conteúdo X Ads: quem vence essa batalha?

Toda empresa deseja conquistar clientes e aumentar a sua receita. Para isso, o primeiro passo é tornar o seu negócio conhecido conhecido. E, para quem está fora da internet, isso pode ser mais difícil.

Fortalecer a presença digital é importante para empresas de qualquer tamanho e em todos os estágios de desenvolvimento. Para isso, você pode adotar estratégias de marketing digital.

O marketing digital envolve dezenas (ou, quem sabe, centenas) de estratégias e táticas para atrair clientes e aumentar as vendas.

Apesar desta diversidade, a maioria pode ser agrupada em dois principais tipos: inbound e outbound. O primeiro envolve prospecção passiva, enquanto o segundo se vale da ativa.

Existem diferentes estratégias em cada categoria, mas as principais são o marketing de conteúdo e os anúncios em redes como o Google e o Facebook. Existe um debate sem fim entre qual é melhor e qual é o equilíbrio certo entre os ads e os métodos orgânicos.

Decidir entre investir em conteúdo ou em links patrocinados é difícil para qualquer empresário. Como toda escolha, é imprescindível você entender bem suas opções.

Neste post, vamos abordar o que cada uma dessas escolhas têm para oferecer, como essas estratégias podem te ajudar a construir uma forte presença online e resolver o dilema Marketing de Conteúdo x Ads: no octógono, quem ganha?

Quais são as vantagens dos anúncios?

Um bom anúncio consegue alcançar as pessoas certas e no melhor momento. Campanhas no Adwords ou no Facebook são uma excelente opção para promover seu negócio, produto ou serviço de maneira direcionada, segmentada e também mensurável.

Eles trazem uma série de benefícios, como:

    • Direcionamento: é possível direcionar o seu alvo exatamente para o seu objetivo;
    • Controle da mensagem: total controle do texto, design e outros elementos que serão exibidos;
    • Segmentação: você pode segmentar a sua audiência e definir quem receberá a oferta;
    • Vendas: você oferece anúncios em momentos de alto interesse das pessoas, como é o caso do Google Adwords, ou relacionadas ao seu interesse, como no Facebook. Em ambos os casos, isso gera maior possibilidade de vendas;
    • Resultado imediato: um anúncio começa a valer assim que você pagar, aumentando as chances da página de destino receber acessos imediatos.
  • Maior potencial de alcance: os anúncios pagos colocam seu site em uma posição privilegiada, possibilitando que você apareça entre os primeiros resultados (Google Adwords) ou que tenha maior alcance orgânico com suas postagens (anúncios em redes sociais).

Quais os benefícios do marketing de conteúdo?

O marketing de conteúdo tem benefícios bem abrangentes. Se você seguir as melhores práticas na hora de montar e executar uma estratégia, pode:

  • Gerar brand awareness: aumentar o reconhecimento da sua marca, produtos e/ou serviços que sua empresa oferece;
  • Melhorar o engajamento com a marca: provocar mais interações e, consequentemente, o engajamento das pessoas;
  • Educar o mercado: muitas vezes, seu público não entende os produtos oferecidos pela sua empresa. O marketing de conteúdo permite que você explique melhor os serviços e produtos oferecidos, além de tudo que envolva o universo da sua marca;
  • Gerar leads: o Marketing de Conteúdo não se limita somente a audiência. Uma de suas vantagens é conseguir informações de possíveis clientes e qualificá-los;
  • Gerar vendas: é possível guiar os leads por todo o processo de compra e prepará-los para a tomada de decisão;
  • Diminuir custo por venda: se você gastar demais para trazer um cliente, a venda pode nem valer a pena;
  • Aumentar o lifetime-value: ou seja, aumentar o tempo que o cliente contrata seu serviço. É mais barato vender para um cliente atual do que trazer um novo.

Quanto custam essas estratégias de marketing digital?

Custos sempre entram em jogo quando falamos de qualquer tomada de decisão. É óbvio que nenhuma dessas estratégias sai de graça, mas elas têm estruturas de custo bem diferentes.

Os anúncios seguem um modelo simples. Na maioria dos casos, você paga por cada clique que o seu anúncio gera. Diferentes plataformas têm custos diferentes e cada segmento tem um nível de competitividade.

Tanto no AdWords quanto nos anúncios do Facebook, o anunciante tem total controle sobre os valores investidos. É possível determinar quanto será gasto por mês, por dia e por campanha.

Existe uma certa previsibilidade em relação aos resultados depois que a sua campanha já estiver ativa há algum tempo, mas antes de começar é impossível dizer com certeza quanto você vai pagar por cada real que vender.

No marketing de conteúdo, as coisas são igualmente complicadas. Aqui, você não precisa pagar para iniciar uma estratégia. Começar a fazer content marketing é relativamente barato. Você precisa de um domínio, um blog e conteúdo!

Em vez de dinheiro, precisa investir pesado com tempo e conhecimento para desenvolver, publicar e distribuir conteúdos relevantes em vários canais, além de ter um comprometimento de longo prazo.

Basicamente, isso é o que você precisa para iniciar uma estratégia de marketing de conteúdo na sua empresa, mas com o tempo, será necessário investir também em ferramentas ou parceiros especializados para dar o próximo passo.

Em ambos os casos, é possível começar pequeno para depois alavancar a base. Da mesma forma, alguém pode investir milhões por mês em qualquer uma dessas campanhas e ver resultados maiores.

Pra agora ou pra depois: curto prazo ou longo prazo

A diferenciação entre ganhos de curto e de longo prazo é o grande divisor de água entre anúncios pagos e marketing de conteúdo.

O seu conteúdo deve ser tratado da mesma forma que uma patente ou uma marca registrada. Ele é um ativo, e não uma despesa.

Quando você cria um bom conteúdo ele vai trabalhar a seu favor por muito tempo. Postagens de blog continuam a gerar novo tráfego anos depois da data de publicação.

No entanto, a maior força de marketing de conteúdo também é a sua maior fraqueza. Demora tempo para você construir seus ativos.

Nos primeiros meses de sua estratégia de marketing de conteúdo você verá poucos ganhos em relação à receita. O custo inicial por lead acaba sendo maior já que você provavelmente vai precisar permanecer firme na execução por algum tempo antes de conquistar sua primeira oportunidade.

Mas, em alguns meses, você começará a ver retornos exponenciais. O custo diminui ao longo do tempo pelo fato dos conteúdos já publicados continuarem gerando cada vez mais visitas e leads.

Com o tempo, seu conteúdo conquista autoridade, seu tráfego e sua reputação aumentam, e seu investimento é diluído, gerando mais clientes e um consequente aumento do retorno sobre o investimento (ROI).

A publicidade paga, por sua vez, pode trazer um retorno mais imediato, mas nela, o seu retorno só aumenta se você colocar mais dinheiro na mesa. Sua receita pode aumentar, mas o seu ROI permanece mais ou menos constante.

Se você anunciar uma série de produtos para um público definido durante um período, você estará focado em alcançar o maior número possível de conversões naquele espaço de tempo. Você paga um valor praticamente linear por esse resultado, mas assim que tira o dinheiro da mesa, esse benefício desaparece.

Já escolheu o seu vencedor?

Decidir quem ganha essa batalha dependerá do seu momento e seu contexto. Afinal, não existe uma única resposta para essa pergunta. O vencedor varia de acordo com o que você está tentando alcançar no momento.

Tanto os anúncios quanto o marketing de conteúdo são efetivos, desde que você execute-os corretamente. A maior diferença entre os dois é o prazo e a gama de objetivos possíveis.

Com marketing de conteúdo, você vê melhores ganhos de longo prazo em várias áreas. Com anúncios, você vê ganhos mais imediatos e previsíveis.

Tráfego Orgânico x Tráfego Pago

O marketing de conteúdo concentra-se no aumento da presença orgânica do seu site em motores de busca como Google, Bing e Yahoo, trazendo pessoas interessadas para seu domínio. A propaganda de pesquisa paga, por outro lado, é focada em públicos-alvo específicos.

Obter tráfego orgânico desses buscadores não requer nenhum gasto direto de mídia, mas exige tempo para produzir conteúdo relevante, fazer atualizações no site e construir referências para fortalecer a autoridade do seu domínio.

SEO é um compromisso de longo prazo, na maioria dos casos exigindo 6 meses de trabalho para ver os resultados.

As soluções de publicidade paga oferecem um ROI mais imediato e podem gerar um alto volume de tráfego relevante para o seu site assim que você confirmar a campanha, exigindo um investimento direto em anúncios. Esse custo varia com a concorrência para os termos de pesquisa que você almeja.

Existem excelentes benefícios tanto para os esforços de pesquisa orgânicos quando para as campanhas pagas. Quando feitos corretamente, ambos levarão a excelentes resultados.

Em qual contexto está a sua empresa?

O mix de investimento em cada estratégia será diferente para cada negócio. Fatores como objetivos, público-alvo e orçamento irão impactar qual estratégia é melhor para o seu negócio.

Também é preciso levar em consideração o estágio da empresa em seu ciclo de vida, em que indústria ela atua e as forças competitivas em jogo.

No entanto, como regra geral, você deve utilizar a publicidade paga de forma moderada e estratégica, porque ela é um ciclo que nunca termina!

Os profissionais do marketing precisam gerar leads para vendas e os anúncios oferecem uma solução imediatista. O orçamento de publicidade paga aumenta constantemente para entregar os resultados que a equipe de vendas espera. É um ciclo sem fim.

Compare isso com uma abordagem de marketing de conteúdo, que não é uma solução imediata. O desenvolvimento precisa de tempo, recursos e ferramentas.

Em seguida, é preciso esperar mais tempo para obter tração nos resultados dos buscadores e nos canais de distribuição onde o seu público vive.

Mas, uma vez que você alcançar uma massa crítica de conteúdo e criar a rotina de nutrir seus canais de desenvolvimento e promoção de conteúdo, a atração fica cada vez mais barata.

Empresas novas ou com presença imatura na web podem se beneficiar muito com anúncios no início do seu ciclo. A medida que a empresa cresce e amadurece, ela pode converter para um modelo de estratégia focada no marketing de conteúdo.

Normalmente, sua melhor aposta é empregar uma combinação dos dois, considerando suas necessidades e o tempo disponível.

Os anúncios vão ajudá-lo a construir sua base e ter retornos imediatos, enquanto o conteúdo irá sedimentar um crescimento contínuo com um custo cada vez menor.

Como combinar marketing de conteúdo e ads?

Embora cada vez mais empresas e marcas estejam adotando a relação custo-benefício do marketing de conteúdo, é importante lembrar que mesmo a estratégia de marketing digital mais acessível exige algum investimento financeiro.

Anúncios e marketing de conteúdo podem ser aliados

O marketing de conteúdo continua a ser uma das formas mais eficazes de gerar exposição para sua marca, mas obter resultados está ficando cada vez mais desafiador.

Imagina quantos blog posts e quantas imagens são postados e compartilhados por dia. O volume de coisas na internet aumenta numa velocidade muito maior do que a audiência.

Se as postagens de blog representarem a maior parte de sua estratégia de conteúdo, você precisará fazer muito mais do que apertar o botão “publicar” para vencer seus concorrentes. É aí que você pode usar fontes de tráfego pagas para melhorar o ROI.

O melhor conteúdo é aquele que chega ao público certo no lugar certo. Se você está lutando para dar visibilidade para o conteúdo que criou, porque não utilizar anúncios patrocinados para melhorar o seu alcance?

Assim, você pode chegar nas pessoas certas rapidamente, através da segmentação correta.

Mesmo madura, a sua estratégia de marketing de conteúdo ainda tem a ganhar com os ads.

Amplificar o alcance de conteúdos que estão dando certo é uma boa forma de combinar as duas estratégias. Digamos que você publique ou compartilhe um blog post sobre um certo assunto e ele tenha uma performance muito acima da média.

Faça com que isso seja ainda maior! Se você for ágil com o seu orçamento de marketing e suas táticas, pode aproveitar a popularidade de uma publicação e pisar no acelerador para turbinar esses resultados.

O Marketing de Conteúdo ajudando os anúncios

Não importa a sua escolha, nunca deixe o conteúdo de lado. Se você acha que pode construir um negócio na base de anúncios pagos, uma hora o modelo fica insustentável.

Chega um ponto em que as pessoas não escolhem um produto porque ele a perseguiu pela internet.

Criatividade é a variável de sucesso. Para entrar na frente de todos com seu anúncio você precisa de conteúdo muito bom. Se sua chamada for ruim, a foto não der vontade de comer com os olhos e a sua página de destino fraca, você não vai atrair e não vai converter.

O mindset do marketing de conteúdo é muito importante para as suas campanhas pagas. Todas as empresas na internet, de certa forma, são empresas de mídia. Em algum nível, você está produzindo conteúdo.

Lembre-se: o público possui mais poder do que nunca para escolher onde irá encontrar conteúdo, principalmente falando de internet.

É muito fácil fechar uma página ou ignorar um banner agressivo, mas todos procuram ativamente por conteúdo, seja no Google ou nas redes sociais.

Foi-se o tempo em que éramos obrigados a assistir intervalos comerciais. O marketing hoje é focado em engajamento e percepção positiva de marca. O conteúdo incrível que você produz pode servir de isca perfeita na sua campanha de ads.

Já pensou que os acessos ao seu blog e o engajamento com seus e-mails e peças nas redes sociais podem ser os jabs para o gancho matador de uma campanha no Adwords ou Facebook Ads?

Essas pessoas que receberam informações e valor da sua empresa provavelmente tem uma percepção de valor maior da sua marca, e estão mais próximas de comprar.

Ambas essas ferramentas permitem a criação de campanhas de remarketing para audiências personalizadas com base nessas interações com o seu site.

E agora… quem ganhou: Marketing de Conteúdo ou Ads?

Espero ter tirado algumas dúvidas sobre cada uma dessas estratégias, com as vantagens, desvantagens e custos para informar a sua decisão ao investir no marketing digital.

Com essas informações, elabore uma estratégia tanto paga quanto orgânica que esteja de acordo com o contexto da sua empresa. Leve em consideração o seu segmento, tempo de vida e necessidade de gerar caixa, por exemplo.

A principal diferença entre estes dois competidores é a velocidade dos resultados e a variação do retorno com o tempo:

  • os anúncios são imediatos, o marketing de conteúdo de longo prazo;
  • o marketing de conteúdo aumenta seu retorno com o passar do tempo, enquanto o ROI dos anúncios tende a permanecer o mesmo.

Lembre-se: essas estratégias não se excluem e na verdade se complementam muito bem.

A competição pelos primeiros lugares nos motores de busca em algum ponto vai envolver a amplificação da sua mensagem. Se ela é boa, porque não divulgar para as pessoas certas na hora certa com um anúncio?

O comportamento na internet gira em torno de conteúdo, por mais simples que ele seja. Aplique os conceitos do marketing de conteúdo nas suas campanhas pagas para otimizar a atração e a melhorar a conversão em suas páginas de destino.

Aproveite também a audiência que o seu site conquistou e crie campanhas de remarketing voltadas para quem é um fã da sua mensagem.

Agora, é hora de mandar ver! Aprenda aqui como criar a sua campanha no adwords, anúncios efetivos no Facebook, e iniciar uma estratégia de marketing de conteúdo.

Baixe o ebook marketing de conteúdo: primeiros passos

Documente suas ações, meça os resultados e seja criativo.

Abraços e bons negócios!

tipos de consumidores

Facebook Ads: aumente suas conversões utilizando públicos personalizados por tráfego no site

Você quer aumentar as conversões em sua landing page? Que tal aproveitar melhor o potencial dos seus clientes e visitantes, aqueles que já demonstraram interesse em sua oferta?

É possível atingir esse público importante de forma simples através da plataforma de anúncios do Facebook.

A rede social oferece uma ferramenta que segmenta seus públicos com base nas interações com as páginas do seu site para impactar esses usuários em cada etapa do funil de vendas.

A segmentação por públicos personalizados do seu site é imbatível em sua assertividade.

Ele permite que você segmente consumidores por comportamento para identificar as melhores oportunidades de conversão.

Você pode direcionar seus anúncios no Facebook baseado em quais páginas a pessoa visitou, quais não visitou, o número de vezes que acessou e muito mais.

Incrível, não?

Esses anúncios são uma tática incrível para conhecer melhor seu público e aumentar a sua taxa de conversão. Aproveite as dicas e comece agora mesmo!

Quem está interessado? Exiba o anúncio certo para as pessoas certas

O poder dos anúncios do Facebook está na segmentação.

Mais importante do que escrever o texto perfeito, selecionar a imagens mais chamativa e decidir qual o valor do lance é atingir as pessoas que têm mais chance de realizar a ação desejada.

E quem são essas pessoas? Na maioria dos casos, elas são quem já visitou o seu site antes.

Segmentar uma audiências avançada personalizada pelo tráfego do seu site permite criar campanhas de remarketing no Facebook que vão atingir pessoas que já interagiram com o seu produto ou conteúdo, ou seja, demonstraram interesse na sua proposta de valor.

Com uma boa combinação de filtros, os seus anúncios vão atingir apenas quem teve uma interação qualificada com o seu negócio.

As principais opções de filtro são:

  • As páginas do seu site que alguém visitou (ou não visitou);
  • A frequência com que alguém visita o seu site ou página específica;
  • O tempo de permanência em seu site ou uma determinada página;
  • Quanto de receita ele já gerou para o seu negócio.

O tráfego do seu site é um tesouro de oportunidades e trabalhar essa segmentação é bem mais eficiente do que gastar todo seu orçamento visando pessoas que não te conhecem.

Cada filtro desses ainda tem detalhes que podem ser combinados para montar uma estratégia de segmentação para anúncios com grande chances de sucesso.

facebook ads

É fácil fazer esses anúncios segmentados no Facebook?

Qualquer anunciante do Facebook com um site pode criar anúncios de remarketing para visitantes do site. Você só precisa colocar na sua página um trecho de código (também chamado de “pixel“).

Sempre que esse pixel é disparado, o Facebook é notificado de que um usuário visitou uma página do seu site.

O Facebook busca às regras de anúncio que você criou para conferir se esse usuário pertence a algum público segmentado e decidir qual anúncio ele deve receber

O seu papel é criar regras que vão direcionar os visitantes para grupos específicos com base nas páginas específicas que eles visitaram, quando essa visita ocorreu, e qual foi o comportamento dele no site.

Depois de formar esses grupos você pode criar anúncios criados perfeitamentes para o tipo de atividade executada em seu site. Assim, você oferece soluções sob medida para o tipo de experiência do visitante, em cada etapa do funil.

Instalou o pixel do Facebook no seu site é quer começar a usar essa ferramenta poderosa? Vão bora ver como.

Como criar uma audiência segmentada pelo público do seu site

criar público personalizado no facebook ads

Agora que o seu pixel está instalado corretamente é hora de criar públicos segmentados para os visitantes do site!

Um detalhe importante antes de começarmos: você não precisa de um pixel diferente para cada página do site e nem para tipos de audiência. Cada conta de anúncio do Facebook tem apenas um pixel que precisa estar em todas as páginas do site.

O ideal é que você crie um pixel avançado para rastrear conversões e valores, mas esse tipo de remarketing pode ser feito com o pixel básico.

Ok, agora vamos criar as regras que determinam em quais audiências os visitantes do seu site vão ser enquadrados. Para isso, siga os seguintes passos:

    1. Acesse o modulo Audiencias no Facebook Ad Manager
    2. Clique em Públicos e depois em Criar Públicos
    3. Selecione Públicos Personalizados
    4. Clique em Tráfego do Site

Pronto, você chegou na tela onde vai potencializar a sua audiência. Agora deve explicar para o Facebook qual comportamento você quer trabalhar.

Quais São As Opções de Segmentação No Facebook?

Opções de segmentação no Facebook Ads

Não estava exagerando quando disse que essa é uma ferramenta muito poderosa! São muitas regras de segmentação dentro de uma única opção de público.

Veja algumas opções que você pode utilizar para aumentar a taxa de conversão das suas campanhas:

  • Todos os visitantes do site;
  • Pessoas que visitaram uma página específica;
  • Pessoas que visitaram uma página específica, mas não visitaram uma outra;
  • Pessoas que visitam uma página com certa frequência;
  • Pessoas que passam muito tempo no seu site;
  • Opções avançadas por eventos pixel (a principal é Conversões, ou “Purchases”);
  • Combinações personalizadas.

Vou explicar cada uma delas e dar exemplos de como podem melhorar as suas campanhas.

1. Todos os visitantes do site

Fazendo a segmentação por todos os visitantes do site

A primeira opção é segmentar todos que visitaram o seu site. Essa opção é a mais abrangente, mas pode ser o suficiente se você não tem um alto volume de acessos.

O Facebook permite indicar uma janela de tempo de 1 a 180 dias. Quem acessou o seu site há menos dias tende a ser mais relevante porque a experiência foi mais recente. Quanto mais recente a data limite for, menor será o seu público.

É por isso que você pode indicar a janela de tempo para essas visitas. Digite o período que deseja e clique em Criar Público.

Leve em consideração o volume de tráfego que seu site recebe para não criar uma audiência restrita demais.

Caso o número de acessos da página seja mais alto você pode criar mais de uma audiência deste tipo para trabalhar anúncios diferentes para reengajar visitantes mais antigos com uma oferta chamativa.

2. Pessoas que visitaram uma página específica

Segmentação baseada em pessoas que visitaram uma página específica

Você pode gerar uma audiência de pessoas que visitaram uma página específica, que pode ser uma certa landing page, um produto, uma publicação no blog ou até mesmo um grupo de páginas.

Essa opção é muito boa para quem tem possui alto volume de acessos que permita enviar anúncios segmentados pelo tipo de experiência do usuário.

Para fazer isso basta inserir os URLs exatos, ou termos que ele contenha, e qualquer pessoa que tenha visitado esses URLs será adicionada ao seu público.

Observe que existem opções para “URL contém”, “URL não contém”  “URL é igual a” e que também é possível determinar o intervalo em dias.

Ao selecionar  “URL contém” você pode inserir URLs parciais ou termos para segmentar visitantes por várias páginas relacionadas.

Através desse agrupamento você pode anunciar um carrossel de posts semelhantes para quem lê sobre um temas. Pode criar um público que baixou vários materiais ricos e trabalhar uma oferta.

É excelente também para um e-commerce onde é possível trabalhar trabalhar anúncios relacionados ao tipo de produto acessado.

A outra opção deste tipo de público é selecionar “URL é”. Aqui, você vai indicar para o Facebook que ele só deve capturar as pessoas que visitaram uma página específica.

3. Pessoas que visitaram uma página específica, mas não visitaram outras

Pessoas que visitaram uma página da web específica mas não outras

A simples combinação de URLs acessados pode acabar incluindo páginas indesejadas. Uma boa prática para evitar este tipo de problema é combinar “URL Contém” com “URL Não Contém”.

É mais fácil entender na prática.

Digamos que você tenha um e-commerce. Com essa opção de segmentação você pode separar as pessoas que viram a sua página de carrinho, mas não chegaram até sua página de confirmação de compra.

4. Refinar pela frequência com que alguém visita o seu site ou página específica

Segmentação pela frequência de visitação

Você pode clicar em “Further Refine By” para refinar ainda mais esse comportamento de acesso às suas páginas, indicando a frequência

Frequência é o número de vezes que a pessoa acessou a página. Uma alta frequência pode indicar que alguém está bastante interessado em um conteúdo ou produto.

Essa variável pode ser filtrada por “Igual ou maior que”, “Maior Que”, “Igual”, “Não é Igual”, “Menor ou Igual”, “Menor Que”.

Uma exemplo prático é criar audiências com pessoas que acessaram um conteúdo/produto várias vezes, mas não realizaram a ação que você queria. Geralmente essa pessoa estão bem engajadas ou querem muito alguma coisa mas existe alguma barreira no caminho da conversão.

Você pode atingi-la com conteúdos de fundo de funil ou oferecer um benefício extra para conseguir a conversão.

5. Refinar pelo dispositivo utilizado para acessar o site

Segmentação pelo dispositivo

Ao clicar em “Refinar ainda mais por” você ainda tem a opção de filtrar pelo dispositivo que a pessoa acessou o seu site.

Separar por dispositivos nos públicos personalizados por acesso é diferente de separar por dispositivos na veiculação do anúncio.

No filtro de público você informa ao Facebook que a audiência são pessoas que já acessaram o seu site em algum dispositivo (celular, android, desktop).

No anúncio, você diz que o seu anúncio só vai aparecer para quem – no momento do anúncio – estiver navegando através do device tal.

É confuso então um exemplo:

Você pode mostrar um anúncio de um produto ou landing page que vai ser veiculado apenas no desktop para pessoas que acessaram seu site pelo celular.

Muitas vezes o consumidor navegar pelo mobile para converter no desktop, e assim você consegue lembrar ele de concluir a ação mais tarde quando estiver no computador.

6. Segmentar pelo tempo de permanência na página

Segmentar pelo tempo de permanência na página

O tempo gasto na página geralmente indica o engajamento da pessoa com o conteúdo.

Aqui você consegue selecionar as pessoas que ficam mais tempo na sua página para qualificar melhor o tráfego antes de exibir um anúncio para alguém que nem mesmo leu o que você tinha a dizer.

Esse agrupamento funciona por percentual, e também pode ser segmentado por seu site como um todo ou por página(s). Você pode precisa escolher o percentual e o Facebook segmenta esse número de pessoas que passaram mais tempo na página nos últimos dias.

7. Pixel Avançado: Segmentar Por Eventos

Segmentar por eventos - pixel avançado

Se você tem o novo pixel do Facebook instalado pode utilizar os vários eventos e tipos de conversão para atingir as pessoas em cada etapa do fluxo.

O mais importante de todos os eventos avançados é o evento de conversão, e é com ele que vamos trabalhar.

O evento “Purchase” indica uma conversão no seu site e ao selecioná-lo o Facebook vai criar uma audiência baseada nas pessoas que já converteram no seu site.

Você pode refinar pelo número de vezes que essa conversão aconteceu, com que frequência ela aconteceu, em qual período de tempo e também o valor.

Essa opção é excelente para trabalhar o pós venda, tentar um upsell ou venda complementar. Ela também funciona muito bem quando utilizada em conjunto com as ferramentas de audiências semelhantes e segmentação por interesses.

8. Tudo Junto e Misturado

O mais legal é que todas essas opções podem ser usadas ao mesmo tempo.

Digamos que você tem um e-commerce, tipo de site onde o remarketing funciona extremamente bem. Você poderia criar uma audiência que:

  • Visitou um tipo de produto do site, com a opção de URL Contém;
  • No mínimo 3 vezes, com a opção de frequência;
  • Nos últimos 60 dias, com a limitação do período;
  • Não visualizou a página de Check Out (não comprou) com a opção de não visitou página que o URL Contém.

O objetivo poderia ser exibir um anúncio contendo um cupom de desconto as pessoas que acessaram alguns produtos muitas vezes recentemente mas não compraram.

Algumas outras ideias com audiências combinadas são

  • Anunciar um produto que resolve o problema levantado em um post que a pessoa acabou de ler no blog. Use o tempo de duração na página para filtrar as pessoas que realmente consumiram a informação.
  • Um anúncio para quem acessou a página confirmação apenas uma vez nos últimos 180 dias oferecendo outro novo produto que complementa a experiência dessas pessoas. Você ainda pode indicar que gostaria que ela já estivesse demonstrando interesse acessando a página desta segunda oferta.
  • Convidar para um webinar as pessoas que mais acessam páginas sobre um determinado assunto.

As possibilidades são muitas e criam audiências segmentadas que passam a ser alimentadas automaticamente pelo tráfego do seu site.

Segmentar seus anúncios para qualificar tipos de públicos e comportamentos dentro do seu site viabiliza o trabalho com alto volume de leads sem prejudicar a experiência do consumidor.

Basta entender a jornada de compra do seu cliente, aplicar a segmentação de leads em cada etapa e usar a imaginação para entregar anúncios relevantes e chamativos.

Essa é apenas uma das ferramentas disponíveis para turbinar sua atuação nas redes sociais, sendo o Facebook apenas uma delas.

Confira este guia completo de como fazer marketing de conteúdo nas redes sociais para conquistar o seu público com posts relevantes.

ebook marketing nas redes sociais