Pedro Galvão

Estagiário de Marketing na Rock Content

Estudante de publicidade, viciado em livros e séries. Catálogo ambulante de subcelebridades.
17 publicações feitas.



social listening

Social Listening: como construir uma imagem de marca mais sólida junto ao público

Entenda como funciona a prática que pode ajudar seu negócio a melhorar sua comunicação com o público, solucionar problemas e até mesmo aumentar as vendas!

Social Listening é a denominação de um conjunto de ações de monitoramento de termos chave em diversos canais que, quando feito de maneira certeira, pode trazer benefícios e insights para sua marca.

Neste post vamos explicar como fazer esse monitoramento, quais as principais vantagens que esse conjunto de práticas pode trazer para a rotina da sua equipe e ainda indicar ferramentas que podem ser usadas para facilitar esta tarefa. Vamos lá?

Monitoramento

Bom, antes de passar para os ganhos de incluir o Social Listening na sua rotina, é essencial aprofundar no significado deste conceito.

Para você que ainda está se perguntando de que maneira o monitoramento pode ser feito, calma que vamos passar por este assunto.

Social Listening, portanto, designa uma forma de se manter informado sobre elementos online que cercam o universo da sua marca. Mas, como isso funciona na prática?

Por meio de palavras-chave, você consegue saber o que sua audiência está falando sobre sua empresa, seu produto, sobre a concorrência, seu mercado e até mesmo identificar oportunidades de atuação!

Para isso, é importante que você utilize alguma ferramenta que agrupa e apresenta esses dados, possibilitando a leitura e interpretação deles.

Ainda neste post vamos apresentar algumas possibilidades para que você escolha a que mais atende suas demandas.

Então, de maneira resumida, você vai “escutar” o que está sendo dito sobre sua marca e assuntos correlatos que forem de interesse da sua empresa para conseguir insights variados e, por vezes, até mesmo iniciar uma interação com o público.

Duas coisas que devem ser mencionadas são que Social Listening não diz respeito somente a redes sociais.

Ele também pode englobar outros canais como blogs e portais de notícias. A disponibilidade para monitorar esses canais vai depender da ferramenta escolhida.

Outra coisa é que é importante reconhecer que a potencialidade do Social Listening está para além da questão de marca —que é parte importante do processo.

Muitas vezes, o monitoramento é visto como algo ligado puramente a prevenção de crises e entendimento de saúde da marca.

Porém, é importante expandir as possibilidades para está prática já que ela pode apresentar melhorias estruturais na sua empresa, como um todo.

Quais os principais benefícios

Agora que você já compreendeu o que define a prática de Social Listening vamos passar por alguns pontos que ressaltam a potência desta prática no cotidiano.

Veja, a seguir, alguns dos benefícios dessa observação online.

Monitoramento de marca

Este é um dos benefícios mais claros quando falamos de listening, mas não devemos esquecer da importância de saber o que é dito online sobre sua marca.

Algumas pessoas confundem esse monitoramento com uma questão de ego da empresa, porém, é justamente de maneira oposta que você deve se posicionar.

Monitorar sua marca é essencial para ajudar seus clientes, reconhecer erros e prevenir adversidades.

Muitas crises em redes sociais são ocasionadas quando uma situação que não é do conhecimento da sua empresa surge online e toma proporções grandes.

Portanto, saber o que acontece nessas plataformas pode ser um ótimo termômetro para entender se sua empresa está conseguindo manter a comunicação efetiva da maneira como foi planejada e se está entregando a experiência que seus clientes esperam de você.

Concorrência

O Social Listening também auxilia você a se manter atualizado com tudo que as empresas do seu ramo estão fazendo.

No Marketing, o monitoramento de concorrentes já é uma prática difundida e usar ferramentas de listening para intensificar este movimento é essencial.

Essa atenção com seus concorrentes pode te ajudar a ter insights de ações, a perceber práticas que não deram certo e até mesmo a entender forças e fraquezas das empresas que atuam no mesmo ramo que a sua.

Suporte ao cliente

As redes sociais já se tornaram canais de resolução de problemas. O lugar que antes era ocupado pelas linhas telefônicas, passa agora a fazer parte das plataformas sociais.

Por isso, sua empresa precisa monitorar estes canais para auxiliar e se mostrar sempre próximo do público.

Segundo pesquisa da Hootsuite, 59% dos americanos com contas em redes sociais pensam que o serviço ao cliente por meio das mídias sociais fez com que seus problemas fossem resolvidos mais facilmente.

Neste tópico, é importante usar o monitoramento para buscar soluções rápidas para seus clientes, além de saber como responder a críticas e mensagens mais assertivas de maneira mais respeitosa e resolutiva possível.

É essencial demonstrar para seu cliente que sua empresa está junto com ele, inclusive, com transparência e honestidade na resolução de erros.

Além disso, o marketing boca a boca ainda tem resultados surpreendentes. E nada como um bom atendimento para mostrar que sua empresa realmente se preocupa em cuidar dos clientes.

O exemplo acima ficou bem famoso na internet quando um pet, chamado Belinha, devorou o cartão de seu tutor. Walter explicou a situação para a empresa, que teve um cuidado especial na hora de ajudar seu cliente.

Além de enviar uma cartinha escrita à mão por um dos colaboradores da empresa, a NuBank também mandou um brinquedo para o pet se divertir.

Esse tipo de ação não é tão simples de ser feita, porém é um exemplo de como a fintech encontrou uma maneira de se aproximar e humanizar seu atendimento.

Essa relação só reafirma a postura da empresa como solucionadora de problemas e preocupada com os clientes.

Desenvolvimento de produtos/serviços

Este tópico é um incentivo a pensar nas oportunidades e insights que você pode tirar dos comentários dos usuários sobre sua marca.

Um fluxo grande de mensagens similares pode indicar uma oportunidade de resolver um problema na sua empresa ou uma ideia que pode se tornar um novo produto.

Por isso, essa observação deve ser feita de maneira cuidadosa para que oportunidades de mudança significativas não sejam ignoradas.

Social Selling

As oportunidades de desenvolvimentos, comentadas no tópico acima, estão diretamente relacionadas ao por que de as pessoas buscarem o que sua empresa oferece.

Pensando no exemplo da Rock, uma dúvida comum para nossa persona é “Como rankear no Google”.

Nesse sentido, realizar um monitoramento dos termos na frase pode nos auxiliar a encontrar possíveis novos clientes para a Rock.

Pensando no monitoramento da concorrência, por exemplo, esse tópico se aplica quando os usuários reclamam de outras marcas ou de serviços que não atenderam às expectativas prestadas por outras empresas do seu setor.

Isso pode significar uma oportunidade de sua empresa se destacar, ressaltando seus diferenciais em relação às outras.

Porém, nesses casos, é essencial ter muita cautela e pensar em como sua empresa pode usar essas informações para melhoras seus serviços e atrair mais clientes, sem, necessariamente, intervir e comentar opiniões sobre seus concorrentes — já que isso pode causar uma impressão errada das ações da sua marca.

Em Social Selling, ainda é possível observar usuários que apresentem problemas no seu serviço, interceptando oportunidades de atuação.

Pesquisa de Marketing

Ouvir e ler as opiniões de seu público sobre seu negócio é uma das formas de realizar pesquisas sobre sua audiência.

Precisa de dados para reformular sua persona? Ou quer levantar argumentos convencer sua empresa de que seu serviço precisa de mudanças?

As práticas de Social Listening podem auxiliar a reunir dados que permitem a formação de hipóteses.

SEO

As práticas de monitoramento, assim como as de SEO, estão diretamente relacionadas a escolha de palavras-chave. Pensando nisso, é possível tirar dois principais pontos positivos deste semelhança.

A primeira é que, utilizar sites de monitoramento e sugestão de palavras-chave para traçar parte da sua estratégia de Social Listening pode ser um bom caminho para ajudar a compor sua lista de termos buscados.

No segundo ponto, é útil usar palavras-chave para mapear a sua produção de conteúdo. Se sua persona está falando muito sobre determinado assunto do universo da sua marca, por que não produzir um material sobre ele?

Assim, você pode resolver uma dor do seu público e orienta a produção de conteúdos que têm chances grandes de colaborar significativamente para compor o tráfego do seu blog.

Colocando sua estratégia em prática

Uma ressalva que deve ser feita antes de falarmos da estratégia propriamente dita é relativa a escolha dos termos que serão monitorados.

Algumas ferramentas só permitem a adição de múltiplos termos mediante acréscimo no pagamento.

Como esse tipo de condição pode dificultar o rastreio de muitos termos, o recomendado é que o nome da sua empresa seja o principal termo na busca.

Ou seja, se por questões de budget, ou de tempo não, for possível monitorar múltiplas palavras-chave, dê preferência para o nome da sua marca.

Dito isso, como elencar a lista de termos que vão guiar seu monitoramento? Apesar de no tópico anterior já termos dado algumas dicas, nesta seção vamos exemplificar como selecionar as melhores palavras-chave.

Escolhendo suas palavras

Essa primeira dica é a mais importante para sua estratégia! Anote o nome da sua empresa, os erros mais comuns de digitação que as pessoas têm na hora de buscar sua marca e possíveis abreviações

Exemplo: Rock Content, Rocket Content, Rock Contente, RC.

Mapeie temas comuns sobre os quais sua persona fala ou têm dúvidas.

Exemplo: Marketing Digital, Marketing de Conteúdo, Redes Sociais, SEO;

Elenque quais outras empresas da sua área você quer monitorar.

Pode ser interessante para sua metrificação dividir as menções em três categorias:

  • positivas;
  • negativas;
  • neutras.

Lembrando que algumas das ferramentas que vamos indicar já tem essa função automática. Porém, é sempre bom ter atenção para entender se a função realmente é precisa.

Essa separação pode auxiliar na hora de entender como é a reputação da sua empresa online.

Inclusive, esse balanço auxilia na melhora da visão que os usuários têm de seu negócio, caso ela não seja tão positiva.

A separação também aumenta a previsibilidade de crises em redes sociais, já que elas vão possibilitar uma visão mais ampla de uma situação não favorável.

Cuidados e dicas para monitorar bem

Cautela na hora de abordar pessoas! Muitas vezes, como o monitoramento não é feito só por meio de menção direta ao seu perfil, pode ser que as pessoas não queiram iniciar um contato direto e que, até mesmo, se sintam desrespeitadas pela sua empresa ao iniciar esse diálogo.

Portanto, analise a situação e procure medir se a sua empresa pode (e deve) atuar diretamente na resolução direta de um problema junto ao usuário, por exemplo.

Essa atenção também vale para monitoramento de concorrência. Como citamos, é importante saber o que marcas do seu segmento estão fazendo.

Porém, a abordagem de usuários que não estão satisfeitos com os serviços de uma concorrente pode ser invasivo e desrespeitoso.

Manual do Atendimento ao ClientePowered by Rock Convert

Além dos cuidados na hora de dialogar com seu público, também é essencial cuidado com sua estratégia. Um monitoramento saudável deve ser feito diariamente para evitar que situações desfavoráveis passem despercebidas e tomem proporções indesejadas.

Porém, se não for possível realizar o acompanhamento diário, aposte na maior frequência possível e tenha em mente os pontos positivos que essa prática pode trazer para sua marca.

Junto à frequência de checagem, é interessante que você trabalhe a maleabilidade da lista de palavras-chave. É claro que alguns termos não vão sair da sua lista, como o nome da sua empresa.

Como a sua persona pode mudar ao longo do tempo, é essencial que você acompanhe e atualize os termos buscados para se manter alinhado com seu público.

Ferramentas

Depois de passar por todos os principais pontos de uma estratégia de Social Listening, vamos indicar algumas ferramentas que podem facilitar a rotina de cuidados de monitoração.

Dois mecanismo gratuitos que podem ajudar na hora de realizar sua pesquisa são o Tweetdeck e o Google Trends.

O Tweetdeck é uma ferramenta exclusiva para o Twitter, mas ela pode ser muito útil e permite uma busca abrangente de palavras-chave dentro da rede.

Já o Google Trends tem a desvantagem de não apresentar números muito precisos, mas pode ser uma maneira interessante de acompanhar o fluxo de menções a sua marca.

Busca por Rock Content no Google Trends Busca por Rock Content no Google Trends

Passando para as ferramentas pagas, a Quintly é uma empresa bastante conceituada e é um dos exemplos que estabelece um panorama profundo sobre sua empresa no ambiente digital.

A Mention te ajuda a rastrear o termo escolhido para além das redes sociais. O que pode facilitar na hora de identificar aparições na mídia e em jornais.

A Brandwatch é uma companhia focada em fornecer análises de dados sobre a presença online de empresas.

E, além dessas, a Sprout Social já é bem relevante no meio de redes sociais e abrange não só a leitura e observação de dados, mas também o agendamento de postagens e gerenciamento de perfis.

Monitorar para melhorar

Agora que você já entendeu a importância do Social Listening para sua estratégia de Marketing, que tal começar a colocá-lo em prática?

Comece estudando um pouco sobre as plataformas e entenda quais os termos chave para seu negócio.

Depois é só estabelecer uma frequência de monitoramento e registrar seus dados, para conseguir analisar como estão os resultados ao longo do tempo.

Quanto mais você apurar o que as mudanças nas menções de marca significam, mais controle sobre a sua narrativa de marca você vai ter. Assim, sua empresa se fortalece e constrói uma imagem mais sólida junto ao público.

Se quiser saber mais sobre redes sociais e monitoramento, não deixe de conferir nosso conteúdo sobre as principais ferramentas para monitorar hashtags nas redes sociais.

Kit Marketing nas Redes SociaisPowered by Rock Convert
Mudança no objetivo do Facebook é a salvação da rede?

Mudança no objetivo do Facebook pode ser uma tentativa de salvação da rede

Em meio a polêmicas sobre a segurança de dados dos usuários, Mark Zuckerberg fez uma postagem com o novo posicionamento que a rede social busca.

Dentre as polêmicas que rodeiam o Facebook ultimamente, o criador da rede social, Mark Zuckerberg, fez uma postagem prometendo novos direcionamentos para o Facebook, baseados em segurança, privacidade e permanência breve de conteúdos na rede.

No começo do mês de março, Zuckerberg usou seu perfil na rede para publicar um texto extenso que reflete a busca por um novo posicionamento pela rede.

Continue a leitura e entenda os pontos abordados por ele.

Reconquistar a confiança?

Depois de passar por inúmeros problemas e polêmicas envolvendo a segurança de dados a plataforma parece estar em busca de reconquistar o público.

Em uma iniciativa que acompanha o comportamento dos usuários de redes sociais, Zuckerberg explica os novos direcionamentos da empresa (que, vale lembrar, também refletem o Instagram e do Whatsapp) voltados para o estreitamento dos compartilhamentos.

Usando uma analogia, o post compara o feed atual do Facebook com a praça de uma cidade. Tudo que é falado pode ser percebido por todos, enquanto a nova proposta seria mais semelhante com a sala de uma casa, privada e segura.

Isso significa que quando o usuário escolher compartilhar algo, menos pessoas terão acesso ao conteúdo.

“Interações privadas. As pessoas devem ter lugares simples e íntimos, onde tenham controle claro sobre quem pode se comunicar com eles e confiança de que ninguém mais pode acessar o que compartilham” — esclareceu em sua postagem.

Outro fator relevante na fala do empreendedor foi relativo ao tempo de vida das postagens e criptografia na rede.

Segundo ele, aumentar a efemeridade dos posts cria um ambiente mais favorável para que os usuários sejam mais espontâneos, além de impedir que postagens antigas retornem para prejudicá-los.

Aliado a isso, a encriptografia, que já é observada no Whatsapp, permite que o vazamento de informações privadas seja evitado.

Outro fator apontado na fala de Mark foi a intenção de integrar, de maneira intuitiva, a comunicação entre plataformas. Ele cita o exemplo do plano de usar Messenger e Whatsapp como as principais formas de comunicação (integradas) no Facebook.

Zuckerberg cita as compras feita pelo Facebook, em que o usuário precisa passar seu número de telefone para se comunicar via Whatsapp com o vendedor. Esse tipo de exposição de intimidade seria evitado com a integração.

Permitindo que um usuário enviasse pelo Messenger mensagens para o Whatsapp sem, necessariamente, saber o telefone pessoal do usuário.

Novos preceitos

Na declaração, o empreendedor fez uma lista com alguns dos valores guias deste novo período.

Encriptografia

O intuito é assegurar que as comunicações entre usuários permaneçam privadas e seguras. A proposta afirma que tornar os dados encriptografados previne o acesso indevido, inclusive por parte da plataforma.

Reduzir permanência

Diz respeito ao tempo de vida das publicações online. Espera-se que, ao encurtar a permanência de conteúdos, as pessoas possam se sentir mais confortáveis e autênticas nesses canais.

Segurança

A ideia é fazer tudo ao alcance da empresa para garantir segurança por meio de encriptografia.

Interoperabilidade

Apesar de ser uma palavra complicada, ela designa a comunicação transparente entre dois sistemas. E se refere a integração entre WhatsApp e Messenger, por exemplo, em uma tentativa de unificar a comunicação entre plataformas.

Armazenamento seguro de dados

Segundo o texto, os usuários devem esperar que a rede não guarde dados sensíveis em países com condições consideradas frágeis de direitos humanos (como privacidade) e liberdade de expressão, para impedir que dados sejam acessados inapropriadamente.

Previsão de mudanças

O texto não deu previsões sobre quando as mudanças serão aplicadas efetivamente. E não deixou claro se o Facebook, na disposição de feed observada hoje, será sobreposto por esta nova maneira de se comunicar.

Zuckerberg ainda afirma que a proposta de valor deste modelo não se baseia em acumular amigos ou seguidores, mas sim focar em permitir que os usuários utilizem suas as plataformas para conversas mais significativas.

Principais desafios

Na publicação, o dono do Facebook também levanta alguns possíveis problemas e desafios para a execução deste nova proposta.

Pensando a nível de segurança, a encriptografia de dados precisa ser pensada cuidadosamente, para evitar que conteúdos criminosos ou nocivos sejam divulgados pela plataforma.

Afinal, privacidade irrestrita pode viabilizar um terreno fértil para atuação criminosas.

Outro desafio é relativo às empresas que investem em Ads nas diferentes plataformas. Afinal, se sua empresa cria um anuncio no Facebook, ela deseja aparecer, ao máximo, para sua audiência.

A unificação e estreitamento das mensagens na plataforma pode afetar a maneira como os anúncios são elaborados. Por isso, a rede social ainda deve pensar em maneiras de beneficiar os anunciantes nestes casos.

Para além de dificuldades técnicas, o Facebook enfrenta, desde 2018, sucessivos golpes na reputação da empresa. Além do grande escândalo da Cambridge Analytica, o Facebook recebeu inúmeras denúncias relacionadas a falta de segurança na rede.

Uma delas, inclusive, foi feita após a publicação de Zuckerberg e diz respeito a um documento contendo centenas de milhares de senhas de usuários não encriptografadas (ou seja, as senhas estavam visíveis) disponibilizado para centenas de colaboradores da empresa, desde o ano de 2012.

A empresa já confirmou a veracidade dos fatos e pretende notificar os usuários afetados o mais rápido possível.

Com todos os aspectos levantados, dá para entender o motivo do Facebook buscar alternativas para fugir da maneira atual de compartilhamento de conteúdo.

Mas será que essa nova configuração de rede social seria uma nova tendência emergente? Pode ser que este movimento de levar as conversas privadas se torne uma adversidade para as empresa. A solução é continuar acompanhando as atualização sobre o assunto.

Não perca os posts do nosso blog e saiba tudo que acontece no universo do Marketing Digital!

Marketing no FacebookPowered by Rock Convert
Crise em redes sociais: como prevenir, gerenciar e resolver

Crise em redes sociais: como prevenir, gerenciar e resolver

Instabilidades são comuns em todo tipo de negócio. No entanto, é possível fazer planos de ação para caso a rede social do seu negócio seja alvo de reclamações.

Passar por momentos de crise é algo inevitável para qualquer empresa. No entanto, para os negócios que já se transformaram digitalmente, as instabilidades ganharam um novo caráter: as crises em redes sociais.

No mundo online, qualquer tipo de acontecimento pode ganhar grandes proporções, gerando um buzz indesejado para seu negócio.

Preparar-se para momentos como esse e entender como agir quando eles acontecem se tornou imprescindível. Neste post, você vai aprender como encarar crises em redes sociais de maneira prudente e cautelosa.

Antes de passarmos para a prática, é importante reconhecer quais medidas podem ajudar a evitar que essas situações aconteçam. Continue a leitura e veja como evitar e lidar com crises.

Crise: como evitá-las?

Essa pergunta não tem uma resposta exata, já que muitas crises são causadas por elementos externos à sua marca e, portanto, não estão sob seu controle.

O importante é focar nos fatores sob os quais sua empresa tem controle e identificar possíveis pontos de vulnerabilidade, afinal, se preparar para estes eventos é a melhor maneira de enfrentá-los.

E quais são eles?

Uma dica básica sobre o tópico é manter a sua empresa longe de assuntos polêmicos. Discussões que não envolvam seu negócio diretamente e/ou que não acrescentam nada a seu público devem ser evitadas a todo custo.

Não tome partido em assuntos que podem prejudicar a imagem da sua empresa!

Além disso, uma estratégia coesa em redes sociais pode ajudar a prevenir crises ocasionadas por falhas de comunicação.

Portanto, ter uma persona definida, uma equipe responsável pela comunicação bem treinada e alinhada são fatores que podem ajudar a minimizar o risco de algum desentendimento neste campo.

Treinar todos os seus colaboradores para lidar com possíveis crises também é um fator preventivo que pode auxiliar caso algum imprevisto ocorra.

Pense em uma situação de emergência, tudo flui muito mais fácil quando as pessoas envolvidas já sabem como agir.

Também é importante que pontos de vulnerabilidade da sua empresa sejam mapeados. Dessa forma, é possível elaborar documentos em formato de plano de ação sobre estas questões e se preparar para caso algo aconteça nesse sentido.

Ok, você já tomou todos os cuidados anteriores e, mesmo assim, uma crise aconteceu? Veja como agir a seguir.

Lidando com a crise

Primeiros passos

O primeiro passo é saber garantir que a situação enfrentada trata-se realmente de uma crise.

Como identificar? Pense no problema de maneira macro: quantas pessoas estão insatisfeitas com seu negócio? Um grupo de quatro pessoas insatisfeitas não configura uma crise, mas um grupo de 200 sim.

Você confirmou que sua marca está mesmo em crise, agora você precisa manter o máximo de calma possível para tentar entender como a crise começou.

A questão pode ter sido originada por algum problema interno, por alguma desinformação enganosa por parte do seu público ou até mesmo por um concorrente.

O importante é rastrear a origem do problema e entender quem foram os perfis que primeiramente disseminaram a informação, eles devem ser pontos de monitoramento já que foram a fonte inicial do problema.

Unindo pessoas estratégicas

Depois disso, você precisa reunir dois grupos de colaboradores que vão ativamente da resolução do problema. Essas pessoas devem ser escolhidas estrategicamente na empresa para ajudar na solução da crise.

A primeira equipe, junta, deve traçar um plano ordenando as prioridades de ação para combater a crise. A partir disso é importante elaborar um Comunicado Oficial. Nele, sua empresa vai se declarar ciente do problema e informar que já está buscando soluções.

Nessa hora também é essencial pensar no tom da mensagem. Não é interessante se justificar excessivamente, mas sim reconhecer que o problema existe e que sua empresa está buscando resolvê-lo.

Procure maneiras de compensar as pessoas afetadas diretamente pelo problema, mas cuidado para não parecer que você está tentando “comprar” as pessoas prejudicadas.

Tudo neste momento deve ser feito com muito cuidado. Uma ação mal compreendida pela sua audiência pode intensificar a crise.

Um recurso que deve ser utilizado é o estabelecimento de diferentes públicos com os quais sua empresa precisa conversar. Pense em grupos diferentes que precisam entender as razões para a crise em diferentes níveis.

Por exemplo: o posicionamento perante os funcionários da empresa precisa ser diferente da resposta dada aos clientes ou aos seguidores de determinada rede social. Com esse entendimento, fica mais fácil unificar a mensagem e construir uma comunicação sem falhas nas redes sociais.

O segundo grupo será, basicamente, os propagadores da mensagem elaborada pelo primeiro grupo. Enquanto o G1 planeja como a comunicação será efetuada, o G2 comunica às pessoas com base na estratégia.

Dessa maneira, as orientações serão centralizadas em um grupo específico de pessoas, o que evita interferências na sua mensagem.

Alinhando a comunicação

Se a crise se originou no Facebook, por exemplo, é interessante lançar o comunicado primeiramente neste canal. E monitorar como estão os outros. Por vezes, comunicar em todas as plataformas com a mesma linguagem pode espalhar a mensagem que a sua empresa quer refrear.

É imprescindível que neste momento sua empresa congele quaisquer campanhas ou divulgações que estiverem rodando nas redes sociais, já que elas podem potencializar a repercussão da crise ou até mesmo passar a impressão de que a sua marca está indiferente a situação.

Sempre que possível, tente levar as conversas com pessoas sobre o caso para o privado. Fica mais fácil responder prontamente e resolver problemas de maneira não-pública. Além disso, um usuário nervoso pode contagiar outros descontextualizados.

Além disso, é importante monitorar agressivamente tudo que é dito sobre a sua marca para que o problema não tome proporções maiores e estoure novamente.

Palavras-chave durante a crise

Bom-senso: essencial para não piorar a situação e saber lidar de maneira adequada com os eventuais desdobramentos do problema.

Pluralidade de opiniões: é importante que toda a comunicação da crise seja construída em conjunto (dentre as pessoas selecionadas para tal função). Os comunicados devem passar por aprovação de cada um para permitir que falhas no discurso sejam mais facilmente identificadas.

Isso viabiliza coesão nas falas da empresa e ajudam a impedir que a crise seja agravada por declarações infelizes ou mal elaboradas.

Monitoramento: sua empresa precisa sempre estar por dentro do que está sendo falado sobre ela (mesmo em situações que não configuram uma crise).

Imagine um cenário em que informações desconhecidas estão afetando diretamente a reputação da sua empresa? Conhecimento é poder, para que você possa agir sobre uma situação você precisa entender o máximo possível sobre ela.

Depois da crise

O momento tempestuoso passou, agora está tudo resolvido certo? Ainda não!

Depois que a situação se acalmar é hora de entender quais os impactos a longo prazo daquele problema. Utilizando uma analogia, durante um incêndio primeiro você apaga o fogo e depois estuda quais foram os prejuízos.

Então essa é a hora de fazer um estudo profundo sobre as consequências que a crise teve para sua marca. Como estamos falando de redes sociais, você deve estar atento para perda de seguidores, avaliação da suas páginas, comentários nos posts, respostas no privado, menções do seu nome e tudo aquilo que tangencia sua produção de conteúdo nesses canais.

As redes sociais são ótimos termômetros para entender qual foi o prejuízo para confiabilidade da sua marca.

Além disso, sua empresa precisa de um entendimento completo dos motivos que levaram à crise. Se o erro foi da sua empresa é dever da marca impedir que ele aconteça novamente. Entender e reparar são palavras importantes para a recuperação da crise.

Defina como vai ser o posicionamento público da sua empresa diante de questionamentos sobre a crise.

Como você vai responder em uma entrevista, por exemplo, se questionarem sobre o ocorrido? Esse alinhamento deve ser passado a todos os funcionários da empresa.

Passar por um momento tempestuoso é algo esperado quando uma marca aumenta sua visibilidade. Porém, é a maneira como sua empresa lida com esta situação que vai mostrar para o público se ele pode confiar no seu negócio ou não.

Grandes crises já acabaram com a reputação de empresas relevantes. Mas algumas marcas conseguiram reverter o quadro de crise de maneira a saírem quase intactas do período desequilibrado.

Você conhece algum exemplo de empresa que foi um case de sucesso em superar uma crise? Comente aqui embaixo e acompanhe nossos conteúdos sobre redes sociais!

ebook marketing nas redes sociais
Do digital ao ponto de vendas: como a bebida Xeque Mate usou das redes sociais para se lançar no mercado

Do digital ao ponto de vendas: como a bebida Xeque Mate usou das redes sociais para se lançar no mercado

Nascida no ano de 2015, a bebida mineira Xeque Mate usou das redes sociais como principal estratégia para se lançar o mercado.

Hoje já estamos acostumados a pensar na comercialização de produtos nas redes sociais como algo que faz parte do cotidiano. Mas esse é um fenômeno recente e que aponta para a adaptação das plataformas aos novos hábitos dos clientes.

Mas como esse processo começou? É interessante perceber como essa possibilidade democratizou a venda online, deixando os usuários menos dependentes de sites de e-commerce e plataformas pagas. O que fez com que produtos que começaram sua vendas nas redes possam chegar hoje as prateleiras de lojas físicas!

Redes sociais como plataformas comerciais

Com a popularização das redes sociais, as marcas perceberam uma grande oportunidade de estar mais perto do público e criar um canal de interação direta. Essa possibilidade foi sendo difundida e, com ela, a demanda por locais de comercialização de produtos e serviços dentro destas plataformas.

A Social Media Trends 2018 apontou que 94% da empresas que responderam a pesquisa estão presentes nas redes sociais e 51% delas afirmou que o principal motivo para essa presença foi a necessidade aumentar o número de vendas e clientes. A Likestore e Soldsie são exemplos de empresas que atuam neste segmento.

Porém, as empresas donas de redes sociais perceberam um potencial não explorado e o Facebook e Instagram (que são propriedades de uma mesma empresa) resolveram este problema através da incorporação dos e-commerces dentro destes canais.

O Instagram Shopping e o Marketplace do Facebook surgiram como soluções que resolvem a ausência de um suporte para venda direta nas plataformas. Como estas funcionalidades são gratuitas, as marcas puderam aderir ao uso delas sem precisar desembolsar um dinheiro a mais.

Das redes sociais para a folia: o case da Xeque Mate

Introduzir um produto artesanal no concorrido mercado de bebidas alcoólicas pode ser desafiador. Porém, a marca Xeque Mate apostou em um sabor diferenciado e este ano vem com tudo para conquistar o carnaval de 2019 e cair no gosto do público.

A empresa, que fabrica a bebida composta por rum, chá mate, limão e xarope de guaraná, nasceu em Belo Horizonte e começou de maneira tímida. As primeiras distribuições eram feitas em festas locais, mas, grande parte do produto era comercializado nas redes sociais, e a demanda por este produto deu um salto de 2015 para cá.

Hoje, a marca está presente em estabelecimentos de mais de 10 cidade brasileiras e só pensa em expandir. A bebida é uma grande aposta na época do carnaval, em que os foliões buscam novos sabores para marcar o período.

A empresa aposta no visual sofisticado nas redes sociais, demonstrando cuidado em construir um feed que está de acordo com o valor que a empresa quer atribuir ao produto.

Para entender mais sobre a marca, seu crescimento no mercado nacional e essa popularização do produto, conversamos com Alex Freire, um dos criadores da empresa, que nos contou sobre as novidades e desafios de lançar um produto no setor.

1. Como surgiu a marca Xeque Mate? Como vocês enxergam o posicionamento de vocês no mercado de bebidas alcoólicas?

A empresa surgiu quando um dos sócios (Gabriel Rochael) criou a primeira mistura de chá mate, rum, guaraná e limão, para atender um cliente que, na época, organizava bares de eventos.

O mesmo drink foi colocado em diversas outras festas, sempre com uma saída surpreendente. Alex Freire, sócio em alguns eventos e grande amigo, então viu uma possibilidade de negócio e resolveram investir na marca.

2. No princípio, as vendas foram feitas somente pelas redes sociais. Por qual motivo vocês escolheram esse canal? Por que motivo decidiram começar a venda física?

Na verdade no princípio mesmo da empresa as vendas eram apenas para eventos produzidos por nós ou por amigos próximos da cena independente de BH.

A venda por redes sociais veio logo depois porque era nossa única opção já que não tínhamos pontos de venda fixo, com o tempo fomos fechando novos pontos de venda e a venda ‘física’ foi se tornando uma fatia mais considerável em nosso faturamento.

3. Quais são as maiores dificuldades de posicionar um produto artesanal em meio a um público que pode não estar familiarizado com esse valor de marca?

Na verdade, estamos em uma época em que o artesanal está em alta. As pessoas têm dado mais valor à qualidade dos produtos, seus ingredientes, processo de fabricação e até mesmo aos valores da marca.

4. Vocês podem falar um pouco mais sobre as estratégias de venda que estão envolvendo a conquista do mercado mineiro e do Brasil, de uma forma geral?

Nossa estratégia de vendas sempre foi baseada na experiência do cliente. Investimos constantemente na qualidade da bebida e buscamos estar presente, em um primeiro momento, em todos eventos que valorizassem a cultura local e todos os valores que acreditamos.

5. Já dá para adiantar alguma novidade sobre a atuação e estratégias da marca para o carnaval de 2019?

Nós estamos lançando nosso Draft Rum 8% Vol. em latas de 310 ml, reduzindo consideravelmente o lixo e facilitando a logística para consumir a bebida o mais gelada possível e em todos os momentos do carnaval. 

6. A diferença de teor alcoólico entre as versões chopp e engarrafado foi pensado para atender demandas diferentes dos consumidores? Como vocês enxergam esta decisão?

Na verdade, apesar de ter a mesma composição básica, são 2 produtos diferentes. O da garrafa é um licor seco de erva mate com 15% vol. e o da lata um draft rum gaseificado com 8% vol.

A ideia de reduzir o teor alcoólico veio para aumentar a refrescância e o volume consumido por pessoa.

7. Como você enxerga o crescimento da marca desde o ano passado. E como espera estar no ano que vem?

Estamos tendo um crescimento muito expressivo desde 2017. E agora, para 2019, estamos investindo para atender novos mercados, como grandes redes de distribuidores e supermercados. Atualmente, vendemos apenas para clientes diretos, eventos e bares.

Espero que sejamos bem recebidos pelas grandes redes e possamos cada vez estar mais próximo de nossos consumidores.

Como você pôde ver, estar presente nas redes sociais pode trazer diversos benefícios as estratégias do seu negócio. Seja por meio das plataformas de vendas criadas, seja pelo maior conhecimento do público: não espere para criar a sua conta!

E, se você busca por maneiras de melhorar as suas conversões no Instagram, não deixe de conferir nossas 9 dicas para tornar seu perfil uma máquina de gerar leads!

ebook marketing nas redes sociais


site kit by google

Google anuncia plugin com integração com Analytics, Search Console e muito mais

O Google anunciou um novo plugin para WordPress que fornece insights das ferramentas da empresa para usuários da plataforma.

A novidade promete facilitar a experiência dos usuários da marca. Confira mais sobre a ferramenta abaixo.

Chamado de Site Kit by Google, o recurso permite que o acesso a informações como Buscador do Google, Analytics, AdSense e PageSpeed Insights (que identifica possibilidades de otimização para seu site), tudo isso pelo painel de administrador do WordPress.

Como funciona o Site Kit by Google?

A empresa apresentou a novidade por meio deste comunicado:

“Com o Site Kit instalado, os usuários do WordPress podem acessar, de maneira unificada, insights, possibilidades e produtos do Google diretamente por meio do painel de administrador do WordPress. O Site Kit também fornece links para os produtos do Google para relatórios avançados e configuração de uso.”

O Google vai lançar a funcionalidade para testes beta no início de 2019. Usuários interessados em instalar o plugin pode se inscrever para uma versão teste aqui.

Esse recurso não adiciona novos insights aos que já estão disponíveis nas ferramentas do Google, mas ele torna muito mais fácil o acesso a estes recursos.

Por exemplo, os usuários podem navegar para uma página em seu website e clicar no botão Site Kit no painel do administrador para ver informações daquele domínio, em específico.

plugin do google 1

O plugin ainda notifica o usuário quando atingir marcos de publicação e mostra algumas estatísticas para os posts recém-publicados.

plugin do google 2

Os planos do Google para expandir as possibilidades e integrações do Site Kit no futuro vão se basear no feedback dos usuários da versão beta.

Gostou da novidade? Então aproveite também para já ir melhorando os seus conhecimentos sobre as plataformas da empresa, como é o caso do Google Analytics!

Guia Completo do Google Analytics

Conteúdo traduzido e adaptado de artigo do Search Engine Journal.

falha de segurança do quora

100 milhões de usuários têm seus dados vazados por falha de segurança do Quora

O Quora é uma rede social de perguntas e respostas, em que usuários se ajudam resolvendo questões dos mais diversos assuntos.

Essa plataforma estreou sua versão em português em 2018, apesar de já ter 8 anos de existência.

Mas nosso objetivo aqui não é falar sobre a sua estreia no país, mas sim sobre como nem ela escapou da onda de vazamentos de dados que afetou as maiores redes sociais neste ano.

Por isso, continue com a gente e saiba mais sobre a quebra de segurança que afetou mais de 100 milhões de usuários.

Como ocorreu o vazamento de dados do Quora?

Em um comunicado oficial, o Quora anunciou que a falha que ocasionou o vazamento das informações dos usuários foi causado por um acesso externo não autorizado ao sistema da empresa.

O anúncio foi feito pelo CEO da plataforma, Adam D’Angelo, em um email enviado aos usuários da plataforma e também por meio do blog do Quora.

Ele afirmou que os times de segurança interna e uma empresa líder em perícia digital e segurança online estão investigando o caso. As autoridades oficiais responsáveis também foram notificadas.

A companhia acredita ter identificado a origem do vazamento e está tomando providências para resolver o problema, e enquanto a investigação está em andamento, continuará fazendo melhorias de segurança.

O Quora ainda explicou que perguntas e respostas feitas de maneira anônima não foram afetadas pelo vazamento, uma vez que o site não registra dados de pessoas que realizam postagens não identificadas.

A companhia está, no momento, notificando usuários que tiveram dados comprometidos e desconectando todos os perfis que possam ter sido afetados como medida de precaução.

Além de invalidar as senhas de tentativas de acesso posteriores aos vazamentos (para impedir acessos indevidos às contas). Um FAQ sobre as medidas sobre o vazamento está disponível aqui.

Quais foram as informações afetadas?

De acordo com a empresa, os dados que podem ter sido capturados são:

  • Informações do usuário e conta, nome, email, IP, identidade do usuário, senha, configurações da conta, dados personalizados
  • Ações públicas e conteúdos incluindo rascunhos, perguntas, respostas, comentários, blog posts, e upvotes (recurso semelhante ao “curtir”).
  • Dados importados de outras redes sociais autorizadas por usuários, contatos, informações demográficas, interesses, tokens de acesso (já invalidados)
  • Ações não públicas, solicitações de resposta, downvotes (reação negativa)
  • Conteúdo não público, mensagens diretas, sugestões de edição

Dados financeiros foram afetados?

Em outro artigo na página de ajuda da empresa eles disseram que estão confiantes que nenhuma informação de natureza financeira dos parceiros foi comprometida.

Alguns tokens associados ao processo de pagamento de serviços fornecidos pela companhia foram “temporariamente comprometidos”, mas o Quora confirmou que nenhum dos tokens desta categoria foi usado desde o incidente e nenhuma informação financeira foi alcançada.

Todos os usuários com contas a pagar também tiveram seus tokens de acesso resetados. Nenhuma informação financeira pessoal está, no momento, vulnerável.

Será que o vazamento de dados vai continuar sendo um dos grandes vilões no ano de 2019?

Comente abaixo qual sua opinião sobre a segurança de dados online! E acompanhe nosso blog para ficar por dentro das notícias sobre redes sociais.

Conteúdo traduzido e adaptado de artigo no TechCrunch

Instagram vai eliminar fakes

Instagram vai eliminar curtidas, comentários e usuários fakes da plataforma!

A possibilidade de comprar fama e resultados de Marketing Digital no Instagram pode estar com os dias contados! O aplicativo está lançando uma atualização com o objetivo de eliminar seguidores e likes de perfis falsos.

Uma grande parte das curtidas e followers estavam sendo adquiridos por meio de ferramentas externas, que prometem promover sua presença na plataforma.

Essa ação segue uma tendência em curso das redes sociais que estão, cada dia mais, preocupadas em minimizar os efeitos causados pelos perfis falsos nas plataformas.

No pronunciamento dado pela empresa eles explicam:

“Nos últimos tempos, todos vimos casos de usuários que utilizam aplicativos para crescer a audiência no Instagram de maneira artificial. Todos os dias as pessoas vem ao Instagram para ter experiências reais, incluindo interações genuínas.

É nossa responsabilidade assegurar que essas experiências não sejam interrompidas por atividade não autêntica. Começando hoje, nós vamos começar a remover likes, seguidores e comentários de contas falsas que usam aplicativos externos para potencializar sua popularidade.

Nós desenvolvemos ferramentas de machine learning para ajudar a identificar contar que utilizam esses serviços e remover essa atividade inautêntica.

Esse tipo de comportamento é ruim para a comunidade, e aplicativos externos que geram curtidas, comentários e seguidores falsos violam as Diretrizes da Comunidade e Termos de Uso.”

Isso deixa claro a importância de aprender a ganhar seguidores no Instagram, pela qualidade das suas postagens.

Ebook Instagram Stories

Quais as consequências para os usuários?

Isso pode significar um problema para alguns usuários. Por meio de investigações, a empresa descobriu que os serviços aquisição de seguidores e likes são amplamente utilizados pelas plataformas sociais.

O que agrava essa situação é o fato de que número de seguidores é  usado como um status simbólico na plataforma.

Afinal, a popularidade da rede é medida, em grande parte pelo número de followers.

Pensando nisso, profissionais que trabalham com redes sociais obviamente querem que seus clientes tenham mais seguidores do que a concorrência.

Assim, dá para entender como funciona a lógica da compra de seguidores e curtidas.

Alguns segmentos, como as agências de modelos, recusam-se trabalhar com clientes que não alcancem um número mínimo de seguidores nos perfis pessoais do Instagram.

Isso tudo intensifica a  atividade dos perfis fake — e quando você inclui Marketing de Influência nessa conta, é fácil perceber porque esses serviços “milagrosos” se tornaram tão populares. Afinal, o Instagram permite gerar receita com base no tamanho da sua audiência!

E o acesso a tudo isso é muito simples — uma busca rápida no google por “comprar seguidores no Instagram” resulta no surgimento de algumas das ferramentas “autênticas”.

O Instagram também percebeu que muitos desses apps usavam as contas dos usuários para alimentar atividades futuras — como curtir e seguir outras contas na plataforma. A empresa também planeja reverter esse quadro, eliminando esse tipo de atividade.

Todos esses são movimentos importantes para o Instagram, particularmente dado à crescente do marketing com influencers.

O Facebook, por exemplo, está trabalhando para tornar o trabalho com influenciadores mais transparente com ferramentas como Anúncios de Conteúdo de Marca  e seu Gerenciador de Colaboradores da Marca, que têm a proposta de conectar empresas à pessoas relevantes na plataforma para divulgação.

Dado à facilidade de adquirir serviços de influencers, Facebook e Instagram sabem que eles precisam fazer mais para assegurar que o serviço oferecido por eles está gerando resultados reais para fazer valer o investimento.

Do contrário eles perdem credibilidade e dinheiro investido, o que, claramente, é ruim para os negócios de uma maneira geral.

Todas as redes sociais estão trabalhando mais nesse esforço de resolver este problema – o Twitter está removendo contas falsas com uma precisão maior do que nunca e o LinkedIn está aprimorando seu processo para remover conteúdos spam.

Mas o Instagram, que demonstra ser a plataforma com o maior possibilidade de investimento em marketing, é um dos locais que apresenta uma demanda mais urgente.

Enquanto é trabalho das marcas se aprimorar para identificar os usuários com influência genuína sob o público buscado, qualquer participação que as plataformas puderem ter nesse processo já é um facilitador.

O Instagram ainda informa que outros updates virão nas próximas semanas como parte das medidas adicionais que estão sendo tomadas para diminuir a atividade inautêntica na plataforma.

E aí, essa mudança vai impactar seu perfil?

Qualquer que seja a resposta, fica bem claro que o melhor caminho é conquistar seguidores de verdade, por isso, não deixe de conferir o nosso material completo sobre como melhorar os seus resultados orgânico no Instagram:

Como melhorar seus resultados orgânicos no Instagram ebook

Novo recurso do Facebook e Instagram vai mostrar quanto tempo o usuário usa os apps

Aprenda tudo sobre Redes Sociais

Esse artigo é uma tradução e adaptação do texto original do TechCrunch.

Nas próximas semanas será testado esse novo recurso (primeiramente disponibilizado somente nos EUA) que permitirá aos usuários maior gestão do tempo nas redes sociais.

Os apps vão registrar, diariamente, o uso das plataformas e apresentar, em forma de gráficos separados por dia, o tempo online dos usuários atualizado em minutos.

Um print do recurso mostra que ele poderá ser acessado ao clicar em ‘Configurações’ e ‘Seu tempo no Facebook’ e no Instagram em ‘Configurações’ e ‘Sua atividade’.

Facebook-and-Instagram-Your-Activity-Counter

Fonte: Techcrunch (Facebook and Instagram now show how many minutes you use them)

Além dos gráficos, você também poderá programar notificações que te avisam ao atingir um limite de tempo determinado pelo próprio usuário. Também é possível silenciar as notificações por um período de até 8 horas (para períodos maiores é necessário buscar nas configurações de notificação do próprio app, ou até mesmo no celular).

Esse limite auto-imposto de uso dos aplicativos, no entanto, não os torna inacessíveis, portanto caberá ao usuário decidir se continuará com o uso após alcançar seu ‘limite’.

Manutenção do bem estar online

Essa medida vai de encontro à visão do CEO do Instagram Kevin Systrom, que já havia demonstrado anteriormente seu desejo de permitir que os usuários tenham maior consciência sobre o tempo gasto no app.

Em uma fala de maio, Systrom declarou “Entender como o tempo passado online impacta as pessoas é importante, e é responsabilidade de todas as empresas serem honestas sobre isso. Nós queremos ser parte da solução. Eu encaro essa responsabilidade com seriedade.”

É interessante perceber as medidas que o Instagram, em particular, tem adotado visando direcionar os usuários para um uso mais consciente. Outra ação recente que segue essa linha é a notificação que mostra ao usuário quando ele termina de ver os conteúdos inéditos da sua timeline.

Instagram-notificacao-de-fim-de-postagens

Fonte: Techtudo (Instagram avisa ‘Isso é tudo’ para quem já viu todos os posts)

Enquanto não chega no Brasil…

Como esse novo recurso ainda não está disponível no Brasil, vamos indicar alguns apps que podem te ajudar a ter uma noção maior de como você está sendo o uso das suas redes sociais.

Teste e descubra qual a melhor opção para você:

Nós sabemos que as redes sociais podem ser ótimas ferramentas de trabalho, e por isso pode ser difícil se desconectar.
Mas é importante usar seu tempo online da melhor maneira possível. Assim você não perde nada que está acontecendo no cenário digital, e também evita cair na tentação da procrastinação online.

Mas e você? Tem passado mais tempo do que pode nas redes sociais? Comente aqui embaixo e fique de olho nas nossas próximas atualizações sobre redes sociais!

Insights sobre engajamento e alcance no Facebook

Estudo revela insights sobre engajamento e alcance no Facebook

Quem trabalha com Marketing em redes sociais sabe que as mudanças e atualizações constantes das plataformas podem dificultar na hora de recolher os resultados.

Por isso, é essencial estar atento ao surgimento de novos recursos e possibilidades nessas plataformas.

É importante buscar novas maneira de acompanhar métricas de Social que traduzam o diálogo da audiência com sua marca. Fator essencial para aumentar o engajamento com o público de forma consistente e criar um canal de comunicação referência!

Neste conteúdo vamos falar das regras de relevância de interações no Facebook, do aumento significativo das novas formas de expressão nas redes sociais e entender o que elas significam para o alcance de sua fan page.

O que significa engajamento?

Talvez, você já saiba disso, mas o número de seguidores de uma página, de maneira isolada, não é uma boa métrica para medir seu progresso nas plataformas.

Ele é o que chamamos de métrica de vaidade, uma vez que ter muitos seguidores não significa necessariamente que eles estão interagindo com os conteúdos que seu perfil compartilha.

Afinal, eles podem não fazer parte da persona que você deseja alcançar.

Guia para criação de personas

É aí que entra o engajamento. Ele é formado pela soma de interações do seu público com seu perfil que permite que sua análise da página seja mais completa.

Mas o que constitui esse resultado? Essa pergunta pode ter respostas variadas diferentes ao longo da vida de cada rede social.

Por exemplo, em 2016, o Facebook lançou as reações que mudaram a forma de analisar como o seu conteúdo é recebido (vamos falar mais delas adiante).

Lembra-se que antes a rede social só permitia interações de “curtir”, “compartilhar” e “comentar” nos posts?

Então, desde que essas novas opções foram lançadas, o site viu o uso delas aumentar em 433% (confira), isso é muita coisa!

O Facebook percebeu que um “like” não era mais suficiente para expressar o que os usuários gostariam com a plataforma e isso abriu brecha para a criação de opções que possibilitam expressar sentimentos um pouco mais complexos do que apenas aprovação.

Fonte: Quintly (Facebook’s new Reactions are being used more – a lot more)

Esse teste deu tão certo que o site já ampliou o uso das reações para o Facebook Stories e esse recurso já está sendo testado para o Instagram também (na categoria de Stories).

Ficou claro como o engajamento é um dos fatores essenciais quando se trata de monitoramento e medição de resultados em redes sociais?

Estimular conversas significativas

Essas mudanças estão todas contribuindo para reafirmar uma nova política anunciada pelo Facebook no início do ano que visa promover mais conversas significativas na rede.

Ou seja, a partir do momento que a plataforma possibilita que o usuário reaja emocionalmente a uma publicação (e, adicionado a isso recentemente, a possibilidade de “upvote” e “downvote” para destacar comentários mais pertinentes, de maneira semelhante ao Reddit) o site pretende aumentar as possibilidade de comunicação dentro da plataforma.

O que essas redes sociais conseguem com esse aumento da expressão individual é tornar a experiência do usuário nesses locais mais completa para fazer com que eles passem mais tempo nessas plataformas.

Quanto mais tempo as pessoas passarem nas redes, mais os famosos Ads se tornam interessantes para anunciantes.

Pode-se perceber esse direcionamento observando também a novidade do lançamento da plataforma exclusiva para produtores de conteúdo do Facebook e até mesmo o IGTV no Instagram.

Agora que você já entendeu o que é engajamento e por que ele tem se transformado ao longo dos anos vamos analisar cada ação no Facebook.

Como o Facebook percebe essas reações?

Essa pergunta, assim como as sobre engajamento, pode ter diferentes respostas ao longo do tempo. Antes da possibilidade de reagir a posts existirem podia-se responder essa pergunta com a seguinte ordem: Compartilhar > Comentar > Curtir.

Depois da chegada das reações isso mudou um pouco.

A curtida continuou sendo a expressão menos potente, pensando que o esforço que um usuário tem para comentar ou compartilhar algo é bem maior do que apenas um “like”.

CONTEÚDOS RECOMENDADOS
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no Facebook
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no Instagram
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no LinkedIn
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no Twitter
👉 [Ebook gratuito]: Marketing no Youtube

Depois entraram as reações, que são um pouco mais expressivas do que só gostar de algo (o esforço demandado pela ação do clique também é menor em comparação com outras). Após dessas duas possibilidades que fica um pouco mais difícil de dizer o que vale mais.

Um estudo lançado recentemente pela Quintly analisou em mais de 44 milhões de posts no início de 2018 propôs uma questão interessante para pensar no valor de cada ação do usuário dentro do Facebook.

Antes, como comentado lá em cima, um compartilhamento significava mais do que um comentário, o que pode ser explicado por alguns fatores incluindo que ao compartilhar algo o usuário também entende aquele conteúdo como algo que ele se identifica a ponto de reproduzir na sua própria timeline.


Fonte: Quintly (Facebook’s new Reactions are being used more – a lot more.)

Porém, nesse estudo foi percebido que 18% das interações com posts são compartilhamentos, contra apenas 12,1% de comentários. Ou seja, fazer seu público conversar com sua página é cada dia mais difícil e é uma ação mais valorizada pelo Facebook.

Das reações qual é a mais valiosa?

Depende, na verdade elas não têm valor diferente entre si, mas servem para analisar como a audiência está reagindo ao seu conteúdo.

Mas lembre-se isso não quer dizer que só porque seus posts estão tendo muitas ‘hahaha’ significa que sua audiência está gostando dele.

Tudo depende de contexto, se você postar alguma notícia triste ou revoltante e as pessoas reagirem com “Grr” ou “Sad” isso pode não ter relação com sua marca, mas sim com o conteúdo que você acabou de compartilhar. A mesma coisa com as outras possibilidades.

O “haha” pode ser uma manifestação de ironia. Portanto foque na mensagem que você quis passar e estude os resultados a partir disso.

É interessante pensar em como esses sentimentos são complexos de serem analisados pensando na seção da pesquisa da Quintly que fala que o México é o país com que mais usa as reações.

Assim como a Coréia do Norte é a que mais reage com “angry” e o Afeganistão sai na frente no uso do “sad”.


Fonte: Quintly (Facebook’s new Reactions are being used more – a lot more.)

Uma série de fatores influenciam nesses resultados. Incluindo acontecimentos de cada país que colaboram para que as pessoas se expressem dessa maneira.

Mudanças políticas, acidentes e tragédias possuem reflexos perceptíveis nas redes e alguns deles podem ser medidos observando esses dados de uso das reações (e também é importante relembrar do destacamento temporal que a pesquisa foi feita, de janeiro a abril de 2018).

Por isso, na hora de estudar esses dados é importante ter um cuidado maior, já que na hora de interpretar emoções (por mais limitadas a um botão que sejam) olhe sempre para o que você quis passar com seu conteúdo e como o público reagiu.

E o engajamento no Instagram?

O Instagram também merece destaque porque, apesar da lógica de funcionamento diferente da do Facebook, ele vem se mostrando uma plataforma mutável e propícia para desenvolver novas ideias.

Recentemente, foi anunciado que a rede passou a valer mais de 100 bilhões de dólares e cada dia mais cresce em popularidade!

Enquanto o Facebook tem oportunidades em seu formato, o Instagram explora o audiovisual. O app usa muito as imagens e vídeos para promover uma comunicação construída por esses elementos.

O feed do Instagram não oferece a possibilidade de usar reações, portanto as interações que você deve ficar de olho na rede são curtidas nas fotos, número de comentários, menções à marca e número de seguidores do perfil.

A novidade do app em questão de métricas, fica por conta dos stories.

Neles você pode observar as respostas do público a estímulos como respostas de quiz (sim ou não), no uso da barra de emoji ou mesmo em mensagens diretas para os perfis de empresas.

Além disso, em páginas maiores é possível medir o tráfego a partir do recurso de inserir links no stories (o famoso “deslizar para cima”).

Isso facilita muito a captura de atenção do usuário, além do fato de que chamada para ação de acesso ao conteúdo é um comando simples que não demanda tanto do usuário quanto ir até o link da bio, por exemplo.

Para finalizar, nossa dica é explorar sempre as novas funcionalidades dessas redes para entender quais formato trazem mais resultados para cada público.

Isso é essencial porque com o tempo os hábitos da sua audiência vão mudar e seu perfil deve acompanhá-los.

A IGTV, que é o mais recente lançamento da empresa, já vem sendo usada como plataforma para hospedar conteúdos de alguns perfis.

Bom, se esse canal vai prosperar é algo que só saberemos com tempo, por isso invista tempo em testar e medir resultados dessas novas ferramentas, afinal nada melhor do que ser pioneiro em recursos que estão se popularizando.

Por isso é uma ótima forma para você investir em maneiras novas de produzir materiais!

O Instagram já mostrou que é um adversário grande quando lançou o recurso do stories na disputa contra o Snapchat.

E o Facebook já provou que vai investir cada vez mais na interação entre usuários e as marcas que quiserem ter destaque no site terão que batalhar cada vez mais por esse espaço.

E você, que estratégias utiliza para manter o interesse do público? Comente aqui embaixo e confira o estudo completo da Quintly para não perder nenhuma informação sobre as reactions no Facebook!

Guia do IGTV para Empresas

Reddit

Reddit: conheça a rede social baseada em fóruns que já é maior que o Twitter e LinkedIn

Não é de hoje que as redes sociais buscam sempre aumentar a popularidade para, quem sabe um dia, desbancar o Facebook. E essa tarefa parece cada dia menos impossível, se levarmos em conta os recentes escândalos que acabaram prejudicando a imagem da plataforma.

Nesse cenário, uma rede social que ainda não é tão conhecida no Brasil mas que apresentou crescimento constante nos últimos tempos é o Reddit. O site combina fóruns que discutem assuntos variados para criar uma verdadeira comunidade.

Quer saber mais sobre essa rede e suas vantagens? Continue conosco:

O que é o Reddit, como funciona e seu crescimento

O Reddit funciona como plataforma de compartilhamento. Seja de links, opiniões e desenvolvimento de comunidades. É um local de troca de opiniões, em um momento histórico onde isso pode estar cada vez mais complexo de se fazer.

O que move a rede social são as postagens dos usuários, que só podem ser feitas por aqueles que possuem uma conta na plataforma. Assim como qualquer fórum, existem postagens de notícias, tópicos opinativos e muitos outros.

Para o usuário, isso tudo vai aparecer em sua página inicial como no exemplo:

Reddit versão antiga

Apesar de parecer um pouco confusa, essa interface é extremamente simples. E como vamos explicar mais para frente, existe uma curadoria do que irá aparecer em seu feed, caso você possua uma conta por lá.

Existem outros pontos muito interessantes e que incitam discussões na plataforma. Um deles é a possibilidade de “curtir” ou “descurtir”, na rede chamados de “upvote” e “downvote”, nos comentários de outros usuários, dando relevância ou não para eles.

Além disso, a plataforma também trabalha com gamification, prática tendência no mercado, por meio do Karma. Que é basicamente uma pontuação para cada usuário, baseado nos upvotes e downvotes que seus tópicos e comentários já receberam.

Como você pode perceber, funciona através do compartilhamento de conteúdo, o que pode parecer muito parecido com todas as outras. No entanto, seu maior diferencial está no poder das comunidades que ele cria. E é esse o motivo de seu crescimento.

Atualmente, o Reddit já conta com mais de 300 milhões de usuários ativos, número já maior que o do Twitter e que o LinkedIn! Estando atrás apenas do Facebook e Instagram, e pode chegar a ameaçar essa hegemonia em pouco tempo.

Vantagens do Reddit

A ascensão dessa rede é resultado de uma combinação de fatores que a tornam única. Entenda quais são elementos:

Tempo de permanência

Os usuários do site tendem a permanecer nele um tempo muito longo, se comparado às outras plataformas (mais de 15 minutos contra 6 min e 23 s do Twitter, por exemplo) o que pode ser resultado do modo como a plataforma modera seus conteúdos.

Ao contrário de outras redes, o Reddit funciona baseado em moderação por pessoas, enquanto os outros sites usam algoritmo para indicar conteúdos semelhantes. O método direcionado por humanos pode auxiliar a diversificar as sugestões, o que faz com que tempo de permanência no site seja maior.

Potencial para anúncios

O Reddit era visto com receio por anunciantes devido a resistência dos usuários a publicidade feita anteriormente na rede. Porém isso está mudando, a plataforma se mostra mais aberta a mudanças que favoreçam a entrada dos ads no site.

Dentre os upgrades feitos pela plataforma pode-se destacar a melhora na coleta de dados e de conversão para facilitar o entendimento das métricas para anunciantes. Também as alterações na estrutura das campanhas para aumentar a eficiência, além da possibilidade de alcançar mobiles com anúncios através do app.

Tamanho de imagens de redes sociais

Conversa com nichos específicos

Outro elemento que faz parte da proposta da rede social é explorar os diversos fóruns, que são divididos por temas, ou seja, os usuários que participam de discussões envolvendo os mais diversos assuntos. Essas separações pode ser valiosa para as marcas na hora de buscar públicos específicos e para estabelecer diálogos com a audiência sem precisar arriscar na hora de delimitar o alcance dos anúncios.

Por todos esses fatores que o Reddit tem se consolidado como um terreno fértil em meio a outras redes sociais que já começam a demonstrar sinais de desgaste. Conte para a gente, você já conhecia o site? Acha que ele realmente tem futuro entre os gigantes da área? Comente aqui em baixo!

ebook marketing nas redes sociais