Por Autor Convidado

pela Rock Content.

Publicado em 7 de março de 2020. | Atualizado em 6 de março de 2020


Veja no artigo escrito pela Ahgora como aumentar a produtividade no home office!

O trabalho remoto já não é mais uma novidade no mundo do trabalho. Sem dúvidas, é um caminho sem volta e o RH precisa estar preparado para esse novo modelo. É uma característica visível da nova geração de colaboradores, que buscam mais qualidade de vida e experiências positivas em sua carreira profissional. 

Mais do que uma tendência, o trabalho remoto pode ser necessário em diversas ocasiões, além de trazer benefícios para a empresa. A economia de recursos, como tempo e dinheiro, é um deles. Já para o colaborador, a flexibilidade é um dos pontos positivos. Afinal, quem nunca sonhou em trabalhar de casa? 

Um dos maiores desafios desse novo formato é a gestão dos funcionários que trabalham remotamente. Neste artigo, falaremos sobre a definição de trabalho remoto e o que diz a legislação trabalhista sobre home office. Além disso, vamos dar dicas para melhorar a produtividade de equipes que atuam nesse modelo. 

Vamos lá! 

O que é trabalho remoto?

Como o próprio nome já diz, é a possibilidade de o profissional realizar tarefas fora do ambiente corporativo. Trabalhar de qualquer lugar se tornou um desejo que está cada vez mais no topo da lista de muitos colaboradores. Muitas pesquisas já revelam que essa flexibilização do trabalho pode gerar grandes ganhos, como veremos a seguir. 

É preciso dizer que nem todo trabalho se encaixa nesse novo modelo. Funções que exigem a operação de maquinário, times de venda de produtos em loja e profissionais da saúde demandam presença física na hora do trabalho. Assim, por mais interessante que pareça ser, o trabalho remoto não vale para todos. E nem em um único modelo.

O que diz a lei

A principal diferença para os colaboradores contratados nesse regime é a remuneração. Em vez de receber o pagamento pelo horário de trabalho, o profissional é pago pelas tarefas executadas em um período acordado entre o empregador e o empregado. 

Outro ponto é que o controle da jornada de trabalho não é obrigatório. Lembrando que, empresas que possuem 20 colaboradores ou mais, precisam fazer essa gestão, imprescindivelmente. Além disso, o comparecimento do profissional na empresa para a realização de tarefas específicas, como reuniões de alinhamento presenciais, não descaracteriza a forma de contratação.   

Trabalho remoto x trabalho externo 

Esses conceitos são bem parecidos e fica fácil de serem confundidos. Vale lembrar que trabalho externo e trabalho remoto não são a mesma coisa. Em primeiro lugar, o trabalho externo configura a situação em que o profissional executa sua atividade fora da empresa, em função do seu tipo de função – é o caso de motoristas, profissionais da construção civil ou representantes, por exemplo. 

Já no trabalho remoto, o colaborador executa suas atividades com o uso de ferramentas tecnológicas e de comunicação. A atuação acontece fora das dependências da empresa, por um período determinado ou não. É o chamado teletrabalho ou home office, como veremos a seguir. 

Home Office

Antes de implantar o home office na empresa, é importante que o empregador tenha certeza sobre a infraestrutura necessária para a realização das atividades remotamente. Ainda, é essencial que haja a definição de horários de horários de trabalho e a agenda a ser cumprida. Tudo para evitar que a produtividade seja afetada.

Mais um detalhe importante sobre o assunto é que o empregador deve ter total responsabilidade em instruir os profissionais para que não ocorram acidentes ou doenças. Para isso, o gestor pode requerer um termo de aceite do profissional, em que este se compromete a seguir as orientações do empregador. 

Mesmo assim, não dá para negar que empresas e colaboradores podem se beneficiar, e muito, com a implantação do trabalho remoto ou home office no negócio.  

Por que implantar?

  • Redução de custos: qualquer economia pode fazer a diferença no orçamento das empresas. Todo mundo sabe que ter profissionais trabalhando no ambiente empresarial gera custos contínuos. No final do mês, de pouco em pouco, essa conta pode ficar bem grande. E o home office pode ajudar nesse sentido – o aluguel de um espaço físico, por exemplo, pode ser dispensado. Ou o ambiente pode ser menor em função de alguns profissionais da equipe trabalharem remotamente. 
  • Atração de talentos: já falamos aqui que trabalhar de casa é o desejo da maioria dos profissionais hoje em dia. Mais do que uma boa remuneração, quem trabalha no cenário atual busca passar por experiências enriquecedoras em sua carreira, em um ambiente flexível e incentivador de novas ideias e da criatividade. Inclusive, essa flexibilidade é uma das principais características consideradas pelo profissional na hora da escolha do trabalho. Por isso, é considerado um diferencial na atração e retenção de talentos.
  • Produtividade: certamente, essa é uma das principais preocupações das empresas ao implantar o home office. Em contrapartida, muitas pesquisas apontam bem o contrário – colaboradores que trabalham de casa são mais produtivos. Isso porque o deslocamento, algo enfrentado todos os dias por grande parte dos profissionais, leva ao cansaço mesmo antes de se chegar ao trabalho. E, claro, influencia na produtividade do colaborador. 

Garantir a produtividade dos colaboradores em trabalho remoto é um grande desafio. A distância pode interferir na comunicação, elemento essencial em para uma boa gestão de equipes. Porém, já há diversas ferramentas disponíveis no mercado que podem auxiliar nesta tarefa. 

Produtividade x custo

Muitos gestores e líderes de times ainda acreditam que o controle da jornada de trabalho dos profissionais é suficiente para garantir a produtividade. Mas, não é bem assim. A realidade é que, além de entender o que é feito, é preciso saber o resultado do esforço investido pelos colaboradores. 

Há diversas ferramentas de gestão de projetos que podem auxiliar os líderes nesse processo. A partir delas, é possível definir quais atividades devem ser realizadas em certo período de tempo pela equipe. Já os colaboradores sinalizam o seu gestor sobre o tempo dedicado à realização de cada uma delas. Com isso, o gestor tem o poder de saber:

  • O custo real de cada atividade, projeto ou cliente;
  • O tempo investido pelos profissionais em cada tarefa;
  • Qual o ganho gerado em cada atividade, considerando o custo do profissional.

 Com esses dados em mãos fica bem fácil otimizar o tempo da equipe.    

5 dicas para aumentar a produtividade no home office 

Bom, você deve ter percebido que o trabalho remoto funciona, mas não para todas as empresas. Ainda assim, algumas orientações podem auxiliar para que o home office funcione de verdade, aumentando a produtividade dos colaboradores:

  1. Tenha uma boa comunicação com a equipe, mesmo que à distância;
  2. Faça a gestão do tempo e atividades dos colaboradores;
  3. Controle a jornada de trabalho e incentive a autogestão dos profissionais;
  4. Estimule o colaborador a ter um local adequado para o trabalho;
  5. Realize encontros presenciais para alinhamento.

E aí, gostou? Esperamos que você tenha tirado suas dúvidas sobre trabalho remoto. Se você já implantou ou está no processo de adesão ao home office na sua empresa, compartilhe a sua experiência com a gente!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *