Por Cayo Woebcken

Redator freelancer da Rock Content.

Publicado em 7 de agosto de 2019. | Atualizado em 12 de dezembro de 2019


Realizar uma gestão de carreira é o ato de estruturar um plano de crescimento profissional para os colaboradores de uma empresa. Isso proporciona uma oportunidade de crescimento muito valorizada pelos profissionais, o que, entre outras coisas, facilita a captação e a retenção de talentos.

O que profissionais de ponta buscam ao assumir um novo emprego? Naturalmente, um salário adequado ao cargo e um ambiente de trabalho satisfatório são fatores muito valorizados por qualquer pessoa, mas, tão importante quanto, são as oportunidades de crescimento oferecidas pela empresa.

A possibilidade de crescer profissionalmente é um atrativo enorme no processo de captação e retenção de talentos. Contudo, é importante lembrar que o desenvolvimento do colaborador não é responsabilidade apenas da empresa, mas também dele mesmo. Por isso, aprofundar-se nas práticas da gestão de carreira é fundamental para ambas as partes.

Entendendo a relevância dessa questão, cada vez mais empresas investem na elaboração de planos de evolução profissional, criando um ambiente benéfico tanto para o negócio quanto para seus colaboradores. Quer saber mais sobre o assunto? Neste texto, vamos abordar os seguintes tópicos:

O que é gestão de carreira?

O nome não deixa dúvidas. Gestão de carreira se refere a um conjunto de práticas que têm como objetivo a estruturação de um caminho para guiar a trajetória profissional de um indivíduo. Dessa forma, trata-se de algo que precisa ser pensado em longo prazo, focando não apenas o cargo ocupado no momento, mas também nas possibilidades de promoção.

Se você tem experiência na gestão de empresas, vai notar que planejar uma carreira é uma atividade muito semelhante à criação de um plano de negócios. Para começar, é importante entender as particularidades de cada caso, iniciando pelos pontos fortes, que precisam ser potencializados, e os fracos, que devem ser aprimorados.

Além disso, é preciso ter em mente desde o princípio qual objetivo você quer atingir. Afinal, se você projeta uma carreira no ramo administrativo ou financeiro, o processo será diferente do de alguém que planeja trabalhar diretamente com a gestão de pessoas. A partir da definição clara de uma meta, é possível planejar o caminho até ela.

Assim, fica mais fácil focar o desenvolvimento das competências necessárias para atingir o nível desejado de evolução profissional. Nesse sentido, podemos separar tais conhecimentos em dois tipos: técnicos e comportamentais. Falaremos mais sobre eles a seguir.

Competências técnicas

As competências técnicas são, ao menos em tese, mais fáceis de serem desenvolvidas. Isso porque elas podem ser trabalhadas por meio de cursos de capacitação, workshops e coisas similares. Tal tipo de conhecimento é aplicado diretamente para executar as tarefas atribuídas ao cargo do profissional.

Então podemos citar como habilidades técnicas tudo o que pode ser aprendido e aplicado por meio de estudo. Isso inclui a capacidade de redigir textos de qualidade, de planejar projetos, de operar sistemas e muito mais. Claro que esses atributos, sozinhos, não garantem o sucesso no mundo dos negócios, o que expõe a necessidade de pensar em inteligência comportamental.

Competências comportamentais

Ao contrário das técnicas, que podem ser aprendidas a partir de estudos, as competências comportamentais se desenvolvem por meio da experiência profissional. Um exemplo muito comum é a capacidade de trabalhar em grupo, que é fundamental para a potencialização de qualquer carreira.

Portanto, as competências comportamentais demandam certa vivência para que sejam absorvidas, o que pode ser frustrante para alguns. Entender e levar isso em consideração ao planejar a carreira é fundamental, afinal, seguir o caminho com calma e sem pular etapas é o que possibilita o amadurecimento profissional.

Qual é a relação da gestão de carreira com o desenvolvimento profissional?

Se questionado, qualquer trabalhador vai afirmar que pretende se desenvolver profissionalmente. Todo mundo sabe que essa é uma forma eficiente de se manter relevante no mercado e melhorar as próprias oportunidades. O grande problema é que nem todos sabem como alcançar esse objetivo em comum. Daí vem a importância da gestão de carreira.

Trata-se de uma ferramenta primordial para aprimorar as competências técnicas e comportamentais, citadas no último tópico. Dessa forma, o desenvolvimento profissional deixa de ser um objetivo raso para se tornar algo completamente atingível.

Assim, podemos dizer que a relação entre a gestão de carreira e o desenvolvimento profissional é de dependência. Sem o primeiro, o segundo não tem chances de acontecer. A boa notícia é que esse tipo de gestão pode receber atenção tanto dos colaboradores quanto da própria empresa, já que ambos se beneficiam com seu sucesso.

Quais são as vantagens para a empresa que faz gerenciamento de carreira?

As vantagens destinadas aos colaboradores com a aplicação do gerenciamento de carreira você já sabe. A gestão possibilita um desenvolvimento profissional que potencializa suas oportunidades de mercado e abre espaço para possíveis promoções dentro da própria empresa. Mas o que a companhia tem a ganhar com esse tipo de política?

Aperfeiçoamento do colaborador

O resultado natural de um gerenciamento de carreira eficaz é a qualificação do colaborador. Isso significa uma melhora gradativa em seu desempenho profissional e até na forma como se encaixa na companhia. Dessa forma, o investimento no desenvolvimento de um indivíduo traz reflexos positivos para toda a organização.

Sob a influência de uma boa gestão de carreira, o colaborador vai potencializar o desenvolvimento de suas competências técnicas e comportamentais. Assim, além de cometer menos erros e adotar as melhores práticas, ele vai encontrar maior facilidade em estabelecer um relacionamento saudável com o restante da equipe.

Tudo isso contribui para um ambiente de trabalho muito mais produtivo e motivador, o que, sem dúvidas, alavanca a capacidade lucrativa do empreendimento.

Você também pode se interessar por estes outros conteúdos!
👉 Gestão de Tarefas: o que é e as 5 melhores ferramentas para fazê-la
👉 Sistema de gestão: quais os tipos, as vantagens e como escolher um
👉 Onboarding de colaboradores: como integrar novos funcionários à equipe – Rock Content
👉 Como usar Marketing de Incentivo para engajar os colaboradores

Melhoria constante dos produtos e serviços

Um colaborador feliz com seu desenvolvimento profissional tende a se mostrar muito mais motivado. Isso, junto às competências técnicas desenvolvidas, cria um ambiente propício para a constante melhoria dos produtos e serviços. Isso ocorre graças à eliminação de gargalos e à diminuição da ocorrência de erros no processo produtivo.

Além disso, a qualificação das equipes permite que elas tenham uma visão mais aprofundada das tarefas que realizam. Se você faz uma gestão baseada em feedbacks, o que é recomendado, pode se aproveitar de insights valiosos para aprimorar seus processos internos.

Aumento da competitividade no mercado

Contratar um novo colaborador não é uma tarefa tão simples. Além de encontrar o candidato ideal para ocupar a vaga, é preciso superar a concorrência de outros agentes do mercado, que também buscam talentos para seus negócios. Assim, é preciso pensar sobre o que faria alguém optar por trabalhar na sua empresa em detrimento de outra.

Muita gente acredita que a única resposta para esse questionamento é um salário mais robusto. Os honorários oferecidos naturalmente são importantes, mas existem outros fatores. Cada vez mais, profissionais preferem empresas que os valorizem e possibilitem seu crescimento profissional.

Então, se você adota uma política que dá importância à gestão de carreiras, contará com uma vantagem competitiva na hora de garimpar o mercado por talentos.

Retenção de talentos

Da mesma forma que a gestão de carreiras facilita a captação de talentos, ela é um elemento extremamente importante para retê-los. Para começar, um profissional que enxerga oportunidades dentro da empresa que trabalha tem poucos motivos para deixá-la. Isso diminui a taxa de rotatividade e evita longos processos burocráticos.

Além de serem mantidos, os talentos da empresa podem se desenvolver, ou seja, assumir cargos mais altos com o passar do tempo. Essa é uma excelente forma de gerar gestores competentes, experientes e com forte identificação com a companhia.

Como fazer a gestão de carreiras da sua equipe? Veja 4 dicas!

Bem, neste ponto você já entende a importância da gestão de carreiras para os resultados da sua empresa. Então vamos focar em 4 dicas práticas fundamentais para implementar essa ideia no seu negócio.

1. Conte com um bom processo de seleção

Como já ficou claro ao longo do texto, uma gestão de carreira com foco no desenvolvimento profissional não depende apenas da empresa, mas também do colaborador. Com isso em mente, estruture um processo de seleção capaz de filtrar os candidatos e focar aqueles que se encaixam nos objetivos que você quer alcançar.

Para isso, é fundamental contar com uma cultura organizacional bem definida e que proporcione um ambiente propício ao crescimento profissional. Dessa forma, o colaborador recém-chegado já terá meio caminho andado para seguir uma gestão de carreira qualificada e se tornar um ativo cada vez mais valioso para o negócio.

2. Mapeie as competências necessárias

É fundamental que, durante a estruturação da gestão, você entenda definitivamente quais competências precisam ser desenvolvidas em cada setor da empresa. Se você está lidando com profissionais de marketing criativo, por exemplo, vai precisar focar habilidades relacionadas a comunicação, criatividade etc.

Em outras áreas, como a tecnologia da informação, podem existir outros aspectos mais relevantes, como a habilidade técnica de operar determinados softwares. Em todo caso, o ponto é que você deve entender as peculiaridades de cada cargo e aplicar o procedimento adequado para a qualificação profissional.

3. Defina as progressões de carreira

É fundamental que todo o processo se desenrole sob a possibilidade de o profissional exercer outros cargos. Por isso, é preciso definir com antecedência qual caminho poderá ser seguido e quais critérios serão analisados antes de uma possível promoção. Além disso, é interessante estipular o tempo necessário para a conclusão do processo.

Se você vai adotar políticas nesse sentido, é crucial investir na comunicação interna e transmitir transparência. Sem critérios claros e objetivos, a promoção de um colaborador pode gerar questionamentos internos e afetar o clima da empresa.

4. Acompanhe os resultados

Como todo tipo de gestão, acompanhar os resultados é a única forma de saber sobre seu nível de eficiência. Monitore de perto os profissionais encaixados na gestão de carreira, defina indicadores de performance e encoraje feedbacks. Se necessário, faça alterações para tornar o processo mais proveitoso.

Adotar uma política com foco na gestão de carreira dá ao seu negócio uma vantagem competitiva importante na hora de buscar talentos no mercado. A oportunidade de crescimento é um fator positivo para os colaboradores, que se sentem motivados e menos inclinados a deixar a empresa. Trata-se de um cenário em que todos saem ganhando.

Uma ferramenta importante para a gestão de carreira é o PDI. Por isso, separamos um artigo para você entender o que é o plano de desenvolvimento individual e como ele pode ser empregado em seu negócio. Confira!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *