Por Camila Casarotto

Redatora Freelancer da Rock Content

Publicado em 2 de junho de 2020. | Atualizado em 2 de junho de 2020


Os impactos da covid-19 no SEO podem trazer mudanças para as suas estratégias de otimização. É preciso entender como a pandemia afeta o comportamento dos usuários na busca, como o Google está reagindo a isso e quais medidas você deve tomar. Acompanhe agora para saber como agir no “novo normal”.

O ano de 2020 trouxe desafios que ninguém imaginava. Um vírus desconhecido até poucos meses atrás infecta milhões de pessoas, colapsa sistemas de saúde, quebra empresas, retrai economias, esvazia as ruas das cidades e modifica hábitos e comportamentos.

E como o marketing reage a tudo isso? Como em toda a sua história, o marketing deve acompanhar as mudanças. Por isso, profissionais de Marketing Digital precisam entender os impactos da covid-19 no SEO para se adaptar ao novo cenário.

As intenções de busca, o comportamento dos consumidores, o tráfego dos sites e o sistema de pesquisa do Google, por exemplo, estão se modificando durante a pandemia. Mas as mudanças devem ir além desse período e se estender para o “novo normal” que vamos viver daqui em diante.

Agora, vamos entender melhor como a covid-19 está afetando o universo das buscas e otimizações e como os profissionais de SEO podem se adaptar a esses impactos. Siga conosco:

Como o novo coronavírus mudou o comportamento de busca?

O Google é o oráculo dos tempos atuais. Para qualquer dúvida, ele está lá com as respostas que as pessoas querem encontrar.

Isso já era realidade antes de 2020. Com o aparecimento da covid-19, o buscador adquiriu uma importância ainda maior para resolver as dúvidas das pessoas, que ficaram intrigadas com a situação.

As estatísticas do Google Trends mostram como as buscas refletiram as mudanças que aconteceram desde os primeiros meses do ano.

Primeiramente, surgiram muitas dúvidas sobre o vírus e a doença: “o que é coronavírus”, “febre é sintoma do coronavírus”, “coronavírus transmite pelo ar?” foram algumas perguntas.

Outras pesquisas sobre prevenção, como “onde encontrar álcool gel” ou “como fazer máscaras” também apareceram bastante.

Busca por álcool gel

Como a maioria dos países decretou algum tipo de distanciamento social, as pessoas ficaram nas suas casas. Com isso, as dúvidas se concentraram em atividades caseiras, como “home office”, “delivery”, “receita de bolo”, “como cuidar das plantas” ou “lives de hoje”.

Busca no Google por "Lives"

Ao mesmo tempo, há uma preocupação grande com a economia, as empresas e os empregos. Desde março, as buscas relacionadas a “desemprego” tiveram uma disparada, enquanto as empresas buscam soluções relacionadas a “demissões” e “home office”.

Busca no Google por "desemprego"

Mas, à medida que o novo coronavírus avança, também se percebe uma ansiedade sobre quando tudo vai voltar ao normal. “Quando o coronavírus vai acabar”, “vacina contra coronavírus” e “quando as aulas voltam”, por exemplo, são dúvidas comuns.

Busca por "vacina" no Google

De maneira geral, perceba como as intenções de busca refletem as prioridades das pessoas nesse momento. Os usuários estão pesquisando por dúvidas e necessidades essenciais para a saúde, bem-estar e finanças, principalmente. 

Além disso, eles buscam informações que transmitam segurança e conforto em uma situação que escancara a vulnerabilidade do ser humano. O buscador é visto como um lugar seguro que vai trazer as respostas que precisamos diante dessa insegurança.

E o Google precisa se preocupar com a segurança das informações que oferece. A responsabilidade é grande! Logo mais, você vai ver que o buscador está tomando medidas nesse sentido.

Quais medidas o Google tomou diante da pandemia?

Diante do avanço da pandemia, milhares de empresas tomaram iniciativas para ajudar pessoas e empresas mais vulneráveis e atender melhor as demandas dos consumidores. O Google está entre elas.

Percebendo a importância do buscador no momento e a necessidade de oferecer informações confiáveis e atualizadas, o Google tomou algumas medidas relacionadas às buscas. Vamos ver quais foram:

Cobertura on-SERP

O Google passou a promover uma cobertura on-SERP sobre a doença. Quando o usuário faz uma busca relacionada ao coronavírus ou covid-19, o Google modifica toda a página de resultados (chamada de SERP) para rapidamente trazer respostas prontas e qualificadas.

Cobertura covid-19 on-SERP
Cobertura do Google sobre covid-19

Repare que a SERP traz uma série de informações sobre a doença em forma de featured snippets e knowledge graph. Esses dados são extraídos apenas de fontes confiáveis, como a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Além disso, há um inédito menu na SERP (à esquerda, no desktop; no topo, no mobile), que permite navegar entre Visão Geral, Sintomas, Prevenção, Tratamento e Estatísticas. O Search Engine Land, aliás, cogita que essa mudança veio para ficar.

Avisos sobre a covid-19 na SERP

O Google desenvolveu uma ferramenta para que os sites possam oferecer avisos sobre a covid-19 — fechamento de instituições, restrições de transporte, orientações sobre o isolamento etc. — diretamente no snippet da SERP.

O recurso é oferecido prioritariamente a sites de governo, saúde e escolas, mas também pode ser usado por outros sites, que apenas podem demorar um pouco mais para ver a publicação. 

Os avisos devem ser configurados com dados estruturados ou via Google Search Console. Eles ficam assim na SERP:

Exemplo de aviso sobre a covid-19 na Pesquisa Google

Google Shopping gratuito

A pandemia afetou muitos negócios. Alguns fecharam as portas, outros estão batalhando para sobreviver.

Diante desse cenário, o Google viu a oportunidade de ajudar o marketing de pequenos e médios negócios com vendas online que estão sem verba para publicidade. Por isso, o Google liberou a listagem gratuita de produtos no Google Shopping, o que antes era possível apenas com investimento.

Segundo o anúncio oficial, essa atualização seria disponibilizada nos Estados Unidos em abril e expandida para outros países ao longo de 2020. Mais adiante você vai saber melhor como funciona o Google Shopping orgânico e como aproveitá-lo.

Informações atualizadas sobre eventos

A pandemia fez muitos eventos serem cancelados, adiados ou virtualizados. Então, o Google quer que essas informações apareçam atualizadas para os usuários.

Nas marcações de dados estruturados, o desenvolvedor já podia adicionar dados sobre eventos. Agora, há outras marcações para definir o status do evento (cancelado, adiado, reagendado ou online) e, quando houver, a data e o local em que vai ocorrer.

Novas etiquetas no Google Meu Negócio

O Google também adicionou novas etiquetas nas páginas de restaurantes do Google Meu Negócio. Agora, eles podem destacar o modo de operação durante a pandemia (refeição no local, para viagem ou entrega). Veja um exemplo de como aparece na SERP:

Novas etiquetas Google Meu Negócio

Nova experiência no Google Notícias

O Google Notícias também foi atualizado durante a pandemia — afinal, é uma das mais importantes fontes de informação, especialmente no combate às fake news.

O Google criou uma página especial sobre a covid-19, com filtros por região e assuntos e prioridade para veículos de mídia de confiança.

O Google também fez atualizações no box de Principais Notícias (Top Stories) que aparece na SERP. Nas buscas relacionadas ao novo coronavírus, ele prioriza fortemente as notícias locais e, no mobile, aceita páginas que não sejam AMP, o que antes não era permitido.

Orientações a governos e autoridades de saúde

O Google também passou a orientar sites de governo e autoridades de saúde sobre SEO para melhorar a sua visibilidade na SERP.

O buscador criou uma página de práticas recomendadas para esse tipo de site e ainda criou um grupo de suporte técnico específico, a fim de solucionar rapidamente suas demandas.

Outras medidas

O Google não é só o buscador. Outras várias medidas foram tomadas nas diversas áreas de negócio do Google, inclusive uma parceria com a Apple no desenvolvimento de tecnologias para ajudar os governos no combate ao coronavírus.

Neste link, você pode acompanhar todas as iniciativas da empresa em relação à covid-19: blog.google/inside-google/covid-19/

Quais são os impactos da covid-19 no SEO?

Todas essas mudanças no Google são as respostas do buscador aos efeitos da pandemia, a fim de melhorar a experiência de busca durante esse período.

Agora, queremos analisar também quais são os impactos da covid-19 no SEO e como você pode reagir a eles, inclusive às mudanças que o Google já implementou.

A intenção também é melhorar a experiência de busca dos usuários, mas especialmente colher melhores resultados para o seu site nesse momento de crise.

Vamos a eles:

Fortalecimento do SEO como mídia orgânica

Apesar do cenário turbulento, o mercado de SEO pode ter certo otimismo nesse momento. Diante da retração do consumo e das vendas, grande parte das empresas está cortando gastos com mídias pagas (links patrocinados, Facebook Ads etc.).

Veja este gráfico que mostra as mudanças nos investimentos em publicidade digital:

Impacto covid-19 em Ads
Fonte: eMarketer

Na contramão dessa tendência, está o SEO. Um bom posicionamento nos buscadores é uma mídia orgânica para a sua marca, ou seja, você não precisa pagar para estar lá. É claro que talvez você precise investir em equipe, treinamentos, ferramentas, mas, ainda assim, o custo-benefício é muito melhor que nas mídias pagas.

O SEO pode demorar um pouquinho para trazer resultados, mas o retorno é sustentável no longo prazo, diferentemente de um anúncio, que traz resultados apenas enquanto há investimento.

Além disso, você pode continuar produzindo conteúdo e otimizando o site durante a crise; porém, sem verba, não pode continuar colocando dinheiro em anúncios.

E aí está um grande diferencial do SEO em tempos de coronavírus. As empresas estão percebendo a importância de investir em mídias com resultados sustentáveis, que não sejam diretamente afetadas por momentos de crise e mantenham a marca firme nessas situações.

Powered by Rock Convert

Alterações no tráfego de determinados setores

Um dos primeiros impactos que você pode verificar no seu site é em relação ao tráfego. 

Embora alguns sites tenham mantido a média de visitas, a maioria sentiu algum efeito — um aumento ou uma queda no tráfego. Essa variação depende de quanto o seu setor está relacionado à pandemia e aos seus impactos sociais e econômicos.

No início da pandemia, Neil Patel fez um levantamento sobre o crescimento ou declínio de tráfego orgânico em sites de determinados setores:

Crescimento ou perda de tráfego durante a covid-19

Enquanto os conteúdos relacionados a finanças, alimentação, saúde e mídia estão em alta, outros diversos assuntos não-prioritários para o momento estão em queda, com destaque para viagens. Mas a grande maioria está perdendo visitantes.

É possível também que uma grande alteração tenha acontecido nas primeiras semanas, devido à mudança repentina na rotina das pessoas. Agora, os acessos já podem ter se estabilizado. É necessário ficar de olho nas métricas de tráfego para acompanhar essa evolução.

Outra observação importante é analisar se não há outros fatores influenciando o tráfego. Você pode ter sofrido uma penalização do Google ou ter algum problema de SEO técnico no seu site, por exemplo. Corrigir isso pode trazer um retorno rápido do seu tráfego.

Se o seu setor está sendo diretamente afetado pela crise, é provável que a retomada do cotidiano gere um volume de busca muito maior que o normal. Porém, ainda não sabemos quando isso vai acontecer. É fato que muitos negócios vão sofrer por um longo tempo.

Enquanto isso, você precisa navegar no cenário que vivemos hoje. E, assim como o Google está fazendo, você também precisa oferecer o que os usuários estão precisando agora. Eles querem informações confiáveis, segurança para tomar decisões, soluções para melhorar sua vida nesse período.

Então, pense como o seu negócio pode se adaptar. Nos próximos tópicos, vamos nos dedicar a uma série de medidas que você pode adotar para ter melhores resultados e aumentar as visitas mesmo neste período de crise. O que não pode é ficar alheio à situação atual.

Segurança e confiabilidade das informações

A maior preocupação do Google nesse momento é a segurança dos usuários. Esse é um momento de grande vulnerabilidade da saúde e das finanças das pessoas.

E não falta quem tente se aproveitar dessa situação para obter ganhos desonestos. Golpes financeiros, ataques de malware, publicações de fake news e qualquer promessa fraudulenta de cura para a doença estão na mira do buscador. O CEO do Google deu esta declaração:

Declaração Google sobre segurança e confiabilidade da informação

Embora tenha se acentuado com o coronavírus, essa preocupação não é de hoje. Na publicação das diretrizes de qualidade da busca (Quaity Rater Guidelines), o Google expressa a importância do EAT.

Essa sigla é formada pelas iniciais de Expertise (nível de conhecimento), Authoritativeness (autoridade) e Trustworthiness (confiabilidade). Esses são os pilares que devem nortear a produção dos seus conteúdos.

Nesse momento, são ainda mais importantes, já que proporcionam segurança aos usuários sobre as informações que você está oferecendo, especialmente em sites sobre saúde, finanças e direitos (sites YMYL).

Além disso, oferecer segurança ao usuário também significa prevenir seu site de ataques. Ter um site seguro significa proteger informações sensíveis dos seus clientes e do seu próprio negócio.

Se isso ainda não for motivo suficiente, saiba que o Google considera a segurança do site como um dos seus fatores de rankeamento.

Marketing de Conteúdo com sensibilidade

Marketing de Conteúdo deve ser sempre centrado na persona. É com a persona que você quer se comunicar, é ela que você quer educar, é a ela que você quer vender. Para isso, você precisa entender os seus comportamentos, interesses, dúvidas e necessidades.

Então, como o Marketing de Conteúdo deve reagir quando a persona passa por um momento de crise? É isso que está acontecendo nesse momento. A pandemia afetou todas as pessoas, de uma maneira ou outra, inclusive a sua persona.

Então, o Marketing de Conteúdo precisa continuar centrado na persona, mas também considerar o contexto. É claro que você pode (e deve) continuar produzindo conteúdos relacionados ao seu negócio. A questão é replanejar as pautas para se adequar ao contexto e atender melhor as necessidades da persona agora.

Primeiramente, é preciso ter sensibilidade para o momento. Não é hora de querer se aproveitar da vulnerabilidade das pessoas nem querer lucrar em cima da situação.

O maior exemplo negativo são as lojas que aumentaram o valor do álcool-gel no início da pandemia no Brasil — e foram rechaçadas pela população. Não faça nada parecido no seu conteúdo.

Uma boa maneira de produzir conteúdos com responsabilidade é esclarecer como está a situação da sua empresa, quais medidas está tomando e quais mudanças os clientes podem perceber. Transparência é essencial — gera confiança e mostra que a empresa é feita de pessoas.

Para manter a produção dos conteúdos, você também pode analisar quais produtos ou conteúdos têm mais demanda (o Google Trends pode ajudar nisso) e como você pode ajudar nesse momento.

Há boas oportunidades. A SAP, por exemplo, criou um evento virtual para o seu tradicional dia de levar os filhos ao trabalho (Take Yout Child to Work) — uma forma de oferecer valor a colaboradores e consumidores no contexto atual com um conteúdo inédito.

Tenha empatia para perceber como a pandemia está afetando a persona e como os seus conteúdos podem oferecer valor a ela agora. É momento de estreitar os laços de confiança.

Jornadas de compra cada vez mais online

O distanciamento social e as restrições de deslocamento entre cidades e países colocaram as pessoas dentro de casa por tempo indefinido.

Por mais que os gastos em compras não-essenciais tenham se retraído, as pessoas não deixaram de consumir. Só que agora, com o comércio fechado, elas só têm uma opção: comprar pela internet.

Isso fez com que muitos negócios que ainda resistiam ao Marketing Digital migrassem para a internet. Restaurantes aderiram aos aplicativos de delivery, lojas físicas entraram no comércio eletrônico (ou ao menos disponibilizaram algum canal de contato e vendas online) e diversas marcas reativaram perfis abandonados nas redes sociais.

E o mesmo aconteceu com os clientes. Quem ainda relutava em fazer compras pela internet, por insegurança ou simplesmente resistência, passou a acessar as lojas virtuais, tirar dúvidas nos chats e fazer pagamentos online.

Primeira compra online durante a covid-19
Fonte: Nielsen

Se esta já era uma tendência, agora ela está ainda mais forte: as compras serão cada vez mais online. Empresas que aderiram às vendas online não devem deixar mais esse canal de lado, e quem passou a comprar pela internet não deve deixar esse hábito para trás.

No SEO, é importante perceber que toda a jornada de compra deve acontecer pela internet. Isso significa que o Marketing de Conteúdo e as pesquisas de palavras-chave devem acompanhar o consumidor em toda a sua jornada, das primeiras buscas até a compra.

Além disso, perceba também que a forma de pesquisar e comprar muda, já que o consumidor está mais reticente na hora de gastar e quer estudar mais antes de comprar.

Por isso, o Marketing de Conteúdo pode investir ainda mais em conteúdos educativos para conduzir o consumidor na jornada, que tende a ser mais longa, em vez de empurrar a venda já no início.

Powered by Rock Convert

Fortalecimento do consumo local

O incentivo a marcas locais já era uma tendência relacionada ao consumo consciente.

Cada vez mais pessoas buscam produtos de pequenas empresas e produtores locais, em um movimento para fortalecer a economia regional, ajudar as comunidades e reduzir os impactos no meio ambiente que a produção industrial em larga escala gera. No contexto da pandemia, essa consciência se tornou mais forte.

Vários fatores apontam para o fortalecimento do consumo local. O coronavírus afetou a economia global, e todos os países devem sofrer algum nível de recessão.

Na maioria deles, as pequenas empresas são responsáveis pela maioria dos empregos e boa parte do PIB. No Brasil, são responsáveis por mais da metade dos empregos e 30% do PIB (Sebrae/FGV).

A pandemia afetou também as relações econômicas mundiais. Em alguns países, como no Brasil, percebe-se uma grande dependência da importação de produtos, especialmente da China e EUA. Portanto, abre-se uma tendência para um maior protecionismo e incentivo à produção local.

Outro fator que aponta para o fortalecimento das marcas locais é a redução das viagens internacionais — ao menos temporariamente. Com menos deslocamentos, a tendência é que as compras se regionalizem.

Portanto, o consumo tende a se tornar mais local, como forma de ajudar a salvar empregos e reerguer economias. Então, cabe às marcas mostrar o seu envolvimento e comprometimento com a comunidade local.

Nas estratégias de SEO, os negócios locais têm uma ferramenta poderosa para fortalecer sua presença: o Google Meu Negócio.

Essa é a principal ferramenta de SEO local que o Google usa para rankear as marcas nas buscas locais. Para isso, você precisa ter sempre um cadastro completo, correto e atualizado, inclusive com as mudanças no atendimento que estão em vigor.

Nestes links, você pode encontrar as orientações do Google para empresas de alimentação e empresas de varejo.

Além disso, você também pode publicar posts sobre a covid-19, com atualizações e alterações nas operações da empresa durante a pandemia, e responder os clientes na seção de Perguntas e Respostas do Google Meu Negócio.

Com esses dois recursos, você pode interagir mais de perto com os consumidores e fortalecer suas raízes locais.

Surgimento do Google Shopping orgânico

Um dos impactos da covid-19 no SEO foi o surgimento de um novo canal de divulgação para os produtos de lojas virtuais. Aí está uma boa oportunidade para potencializar as suas vendas.

Como explicamos, uma das medidas do Google diante da crise da pandemia foi a disponibilização do Google Shopping gratuito.

Antes, o Google Shopping só estava disponível para anunciantes. Agora, qualquer e-commerce que cadastre seus produtos no Google pode exibi-los nos resultados de buscas transacionais.

O Google Shopping vai continuar oferecendo a mídia paga. São os anúncios pagos do Google Shopping Ads que vão aparecer no carrossel na SERP e nas primeiras posições da aba Shopping.

A listagem orgânica dos produtos vai aparecer depois desses anúncios e funcionar como uma grande vitrine gratuita para as empresas no buscador.

Inicialmente, esse recurso está sendo lançado nos Estados Unidos, mas a previsão é que seja disponibilizado em outros países ao longo do ano. Ou seja, provavelmente ainda durante a crise.

Enquanto a solução não chega ao Brasil, você já pode criar uma conta e cadastrar seus produtos no Google Merchant Center. Essa é a ferramenta que o Google disponibiliza para as lojas listarem seus produtos, e é esse índice que o buscador acessa para mostrar os itens nos resultados da busca.

Se você já tem uma conta lá, aproveite para selecionar mais produtos para exibição, especialmente aqueles que fazem mais sentido no momento atual.

Uso de dados estruturados na SERP

O uso de dados estruturados já tinha grande força no SEO. Sua missão é organizar informações do site para facilitar a leitura pelo Google, que pode usá-las para criar rich snippets na SERP e, assim, gerar mais cliques para a página.

Nesse momento, o Google está dando ainda mais ênfase ao uso de dados estruturados na sua cobertura on-SERP, para oferecer informações úteis e atualizadas rapidamente.

Os avisos sobre a covid-19 na SERP e as informações atualizadas sobre eventos, por exemplo, são medidas tomadas pelo Google baseadas em dados estruturados.

Mas não é só isso: nesse momento, o Google também recomenda usá-los nas FAQ, para responder perguntas frequentes sobre o impacto da covid-19 no seu negócio, e na listagem de produtos, para informar a disponibilidade de estoque.

Sites de receitas, bastante procurados devido à campanha para ficar em casa, também podem se beneficiar bastante dos dados estruturados para atrair mais cliques na SERP.

Então, é hora de colocar a mão no código para configurar os dados estruturados das suas páginas. Talvez você tenha que pedir ajuda a um desenvolvedor, mas existem plugins e algumas soluções no Google Search Console que podem facilitar esse trabalho.

A seguir, você pode conferir as orientações do Google para cada uma dessas soluções:

Nessas páginas, você vai perceber que existem vários outros tipos de dados estruturados (para vagas de emprego, cursos, livros, avaliações etc.). Então, vale a pena analisar também quais deles o seu negócio pode aproveitar.

Aumento do uso do desktop

Aí está uma mudança jamais prevista por especialistas. O que temos visto nos últimos anos é um aumento consistente do mobile na rotina dos consumidores. Ok, essa tendência continua sendo irreversível.

Só que um dos impactos da covid-19 no SEO foi o aumento no uso do desktop pelos usuários. Faz sentido: com mais tempo em casa, as pessoas voltam a usar seus computadores e notebooks para trabalhar no home office, estudar ou apenas se entreter. O celular, é claro, não deixa de ser usado, mas pode ficar em segundo plano nesse momento.

Veja os gráficos abaixo. Eles mostram um crescimento muito mais expressivo no acesso aos sites do Facebook, Netflix e YouTube, em relação aos apps mobile.

O que isso tem a ver com SEO? Você já deve saber que ter um site responsivo e funcional em qualquer tamanho de tela é essencial, certo? Então, não deixe de lado as estratégias de otimização para dispositivos móveis.

Porém, o aumento momentâneo no uso do desktop mostra que nenhum dispositivo pode ser ignorado. Os consumidores migram de um aparelho para outro conforme o contexto — e esse contexto pode mudar a qualquer momento, como a pandemia está mostrando.

Portanto, ao desenvolver e otimizar o seu site, teste as funcionalidades em todos os tamanhos de tela. Independentemente do contexto e do dispositivo, você sempre deve oferecer a melhor experiência ao usuário.

Importância dos indicadores

O coronavírus movimenta o noticiário a cada dia. Basta uma semana para mudar completamente o cenário da pandemia e as perspectivas para o futuro. Há pouca previsibilidade, porque estamos lidando com um vírus que não é muito conhecido.

Portanto, você deve manter os olhos atentos aos indicadores de SEO da sua empresa. Qualquer movimento em relação à pandemia pode mudar o comportamento e os interesses dos usuários e os efeitos sobre o seu negócio.

O Google Analytics e o Google Search Console são os seus maiores parceiros nessa tarefa. Eles ajudam a entender como o seu público está se comportamento nesse período.

Além disso, trazem relatórios sobre o desempenho do Marketing Digital, para entender o que está dando certo ou errado e em quais estratégias você deve investir para ter mais retorno.

Além disso, ferramentas como SEMrush ou Ahrefs trazem um olhar mais específico para as métricas de SEO, inclusive sobre os seus concorrentes. A concorrência em todos os mercados — assim como a disputa por posições no ranking do Google — pode flutuar bastante, já que a pandemia está afetando todas as empresas.

Acompanhar os indicadores ajuda a dar mais previsibilidade para o seu negócio em tempos tão incertos. De olho neles, você pode tomar decisões com mais segurança. Mas, nesse momento, é interessante reavaliar as decisões e o planejamento com mais frequência (a cada semana, talvez), já que as mudanças acontecem a toda hora.

O que esperar do futuro do SEO a partir da pandemia?

Ainda não sabemos quando, mas a pandemia vai passar. Só que a sociedade não vai passar incólume por uma crise dessas proporções. Nossa geração nunca passou por nada parecido.

Por isso, é certo que a crise vai passar, mas também é certo que não vamos voltar ao normal. O que está no nosso horizonte é um “novo normal”, em que vamos ter novos hábitos, novos desafios, novas demandas.

A Nielsen preparou um quadro com as diferentes etapas da covid-19 no comportamento dos consumidores. Veja como a saída será marcada por preocupações e cautela:

Impacto da covid-19 no comportamento do consumidor
Fonte: Nielsen

E é isso que vai acontecer também no Marketing Digital. O futuro do SEO foi atravessado pelos impactos da covid-19. Por isso, não é possível falar de tendências para os próximos anos sem considerar as mudanças que a pandemia trouxe.

Profissionais da área também precisam se adaptar às mudanças que o coronavírus trouxe para a sociedade, para o comportamento de busca e, de maneira mais pontual, para as mudanças na SERP do Google.

Não temos bola de cristal para prever o futuro. Mas podemos apostar que o “novo normal” do SEO para os próximos meses (ou anos) aponta para uma preocupação extrema do Google com a confiabilidade das informações e uma atenção redobrada das marcas com a produção de conteúdo de valor para o usuário.

Perceba que não estamos falando de tendências novas, mas sim do impulso que elas ganham a partir da pandemia.

Além disso, a restrição do consumo — que deve se prolongar por bastante tempo… — coloca o mercado de SEO em evidência, já que essa é uma estratégia de excelente custo-benefício. Profissionais de SEO precisam se preparar para mostrar o seu valor para marcas que estão com orçamentos retraídos.

Outros momentos de crise mostraram que as empresas que conseguem se manter firmes e fazem o dever de casa nesse período colhem os frutos quando a situação volta ao normal —ou, nesse caso, ao “novo normal”.

Portanto, preocupe-se agora em fazer o melhor que você pode, mesmo que não seja tudo o que você gostaria. Estamos em meio a uma pandemia, e não há como não ser afetado.

Para as marcas, o mais importante é ter responsabilidade e humanidade. Os consumidores estão atentos às marcas que estão sendo corretas nesse momento e vão saber reconhecer seus esforços. O que você está fazendo hoje vai fortalecer o seu negócio no futuro.

Agora, se você quiser saber mais detalhes de como otimizar o seu negócio local para aparecer bem nas buscas do Google, baixe o nosso ebook completo sobre SEO Local com todas as dicas!

SEO LocalPowered by Rock Convert

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *