Por Ivan de Souza

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicado em 3 de abril de 2018. | Atualizado em 8 de abril de 2020


Os desafios inerentes a abertura de uma empresa podem acabar com o sonho de muitas pessoas de conquistar independência financeira montando o próprio negócio. Contudo, algumas frustrações e dores de cabeça podem ser evitadas quando o investimento inicial é calculado corretamente. Estipular com exatidão o número de recursos que é preciso para tirar uma ideia […]

Os desafios inerentes a abertura de uma empresa podem acabar com o sonho de muitas pessoas de conquistar independência financeira montando o próprio negócio. Contudo, algumas frustrações e dores de cabeça podem ser evitadas quando o investimento inicial é calculado corretamente.

Estipular com exatidão o número de recursos que é preciso para tirar uma ideia do papel também não configura uma tarefa simples. Mas com dedicação e estudo de mercado, fica mais fácil criar um bom planejamento financeiro e, consequentemente, aumentar as suas chances de sucesso.

Quer aprender a estimar todos os custos do começo do seu empreendimento? Siga a leitura e confira!

Considere a análise de break even para determinar o seu investimento inicial

O break even consiste numa importante metodologia para a saúde financeira de qualquer negócio. Uma vez que, revela a partir de qual momento sua empresa terá lucro. Para chegar a tal conclusão, é preciso analisar alguns elementos como:

  • Custo Fixo – CF: são os tipos de despesas que dizem respeito a fatores de produção fixos, aqueles que não se alteram com a quantidade de produção ou vendas. Tais como os custos com a infraestrutura: aluguel do espaço físico, equipamentos, dentre outros;
  • Custo Variável – CV: são os custos que sofrem interferência de diversos fatores e, em virtude deles, se alteram. Por exemplo: com a quantidade de produção ou de trabalho, gasto com pessoal, matéria prima etc;
  • Custo Total – CT: corresponde a soma dos custos fixos e variáveis;
  • Vendas: montante auferido pela comercialização dos seus serviços ou produtos;
  • Receita Total – RT: consiste no valor obtido ao se multiplicar o preço unitário do seu produto pelo número de vendas realizadas;
  • Lucro Total – LT: é calculado subtraindo receitas totais dos custos totais.

O ponto de equilíbrio do break even é simbolizado por “RT = CT”.

Então vamos a um exemplo prático:

Preço produto (P): R$ 50,00;

Quantidade vendida (Q): 5.000 unidades;

Custos fixos (CF): R$ 100.000,00;

Custos variáveis (CV): R$ 150.000,00;

Resultado: (CT = CV + CF) => CT = R$ 250.000,00

(RT = P x Q): RT = R$ 50,00 x 5.000 => RT = R$ 250.000,00

(LT = RT – CT): LT = R$ 250.000,00 – R$ 250.000,00 => LT = ZERO

No exemplo acima, o ponto de equilíbrio do negócio é atingido ao efetuar 5.000 vendas. Logo, é importante saber que o lucro somente é auferido após superar essa quantidade.

Calcule os gastos com a infraestrutura

Independente do fato de a sua atividade demandar um espaço físico ou operar apenas no cenário digital, tenha em mente que será necessário reservar boa parte do orçamento para empregar na infraestrutura. Adquirir todos os equipamentos e ferramentas a fim de deixá-lo em pleno funcionamento.

Dessa forma, além de idealizar o aluguel ou compra de um local para instalação do estabelecimento, alguns pontos estratégicos não poderão ficar de fora do seu planejamento financeiro, tais como:

  • móveis;
  • maquinário;
  • estoque;
  • transporte dos produtos;
  • materiais e equipamentos para as funções administrativas;
  • segurança.

Vale lembrar que, o custo de um imóvel varia de acordo com a região escolhida, bem como suas características. Então este aspecto deve ser bem avaliado para se chegar a conclusão da alternativa mais vantajosa.

Para as atividades essencialmente virtuais, embora os gastos sejam inferiores, não podemos ignorar a categoria de infraestrutura do orçamento.

Negócios no modelo home office certamente precisaram de um bom serviço de telefonia e internet, equipamentos de informática como impressora, computadores, e, muito provavelmente, o investimento em armazenamento em nuvem.

Informe-se sobre os custos com legalização da empresa

O início de qualquer atividade empresarial exige o cumprimento de algumas normas legais. Burocracias são sinônimo de despesas e, portanto, exigem uma reserva de capital.

Nesse sentido, o primeiro gasto para legalizar a sua empresa será com o registro do contrato social e CNPJ — os documentos responsáveis pela certificação da existência da sua empresa, assim como o ramo de atuação e o objetivo a que ela se destina.

Powered by Rock Convert

Ademais, este é momento que são definidos o capital social é outros detalhes específicos sobre as questões societárias.

Apenas com o registro desses dois documentos na Junta Comercial, o empreendedor deve desembolsar uma média de R$300. Mas antes desta etapa, se faz necessário a contratação de um advogado, que participará do processo de elaboração do contrato social e assinará o mesmo.

Entretanto, abertura de uma empresa não está condicionada apenas a estas formalidades. Antes de abrir as portas, também é fundamental obter uma série de alvarás que autorizam o início das atividades. É necessário conseguir, por exemplo:

  • alvará sanitário: responsável por certificar que aquele imóvel possui condições de higiene sanitária satisfatória para a empresa atuar. O seu custo médio é de R$100, mas caso não esteja tudo em ordem, ainda pode haver dispêndio de mais capital para adaptação às normas;
  • alvará do corpo de bombeiros: atesta que o imóvel apresenta equipamentos de proteção para combate a incêndio, também no valor R$100;
  • alvarás específicas, conforme a atividade exercida.

Verifique quanto seus produtos ou serviços custam para serem produzidos

Superadas as etapas de delimitação de orçamento para infraestrutura e formalização da empresa, outro aspecto indispensável, e que muitas vezes é negligenciado pelos empreendedores, diz respeito ao capital necessário para que toda a “mágica” aconteça — para que seus produtos e serviços estejam no ponto de comercialização.

Preocupar com os recursos necessários à produção e vendas dos itens idealizados pela marca é importante. Mas colocar no papel o valor dos custos administrativos também é uma condição para que o seu plano de investimento inicial dê certo.

O mais indicado nesse momento é deixar uma reserva de 5% do valor estipulado como seu capital de giro, pois situações inesperadas podem ocorrer, e se não houver uma quantia razoável em caixa para manter as operações indispensáveis da atividade por determinado período, o negócio corre de sérios riscos de fracassar.

Assim, se o capital de giro mensal equivale a R$30.000, logo, para assegurar o funcionamento da empresa por um período de 3 meses seria necessário acrescentar nos seus cálculos de investimento inicial a margem de segurança, perfazendo um total de R$94.500.

Nesse contexto, uma boa dica para ter noção de seus custos operacionais é realizar uma pesquisa mercadológica, utilizar a metodologia benchmarking com o propósito de:

  • analisar as ações e sistema operacional dos maiores players do mercado que você atua;
  • verificar as estratégias que esses concorrentes usam de forma bem-sucedida;
  • checar quem são os seus parceiros e fornecedores etc.

Tudo isso pode te ajudar a ter uma ideia do tempo estimado para o retorno financeiro da sua empresa, bem como do capital de giro necessário.

LEIA TAMBÉM
👉Confira tudo que você precisa para criar o site da sua empresa
👉 Saiba porque o WordPress é a plataforma adequada para o seu site
👉 Crie um blog para o seu negócio usando o Rock Stage

Tenha noção do seu fluxo de caixa

O fluxo de caixa é um instrumento essencial para o planejamento financeiro da sua empresa. É o responsável por apurar a presente situação de saldo e projetar suas operações para que sempre haja recursos disponíveis nas finanças da empresa.

Elaborar esse tipo de controle antes da abertura do negócio não é uma tarefa tão simples, principalmente por ainda não existir uma entrada concreta de capital. A base de clientes ainda não está formada, e a empresa não conquistou seu espaço no mercado.

Apesar disso, trabalhar com fluxo de caixa desde o início permitirá que você trace estratégias de crescimento, e reserve uma parte dos recursos para aproveitar de oportunidades inesperadas que surjam no seu caminho.

De maneira bem simplificada, o fluxo de caixa de sua empresa pode ser composto pelos seguintes tópicos:

  • lançamento dos compromissos já assumidos e valores de crédito conhecidos, ou estimáveis com certa margem de segurança;
  • cômputo de despesas variáveis, como os gastos com energia elétrica, água, folha de pagamento;
  • estimativa de vendas diárias.

Calcule a sobrevivência do negócio enquanto uma base de clientes não for criada

Mesmo com o estudo pré-operacional do mercado, o engajamento com público-alvo pode ser um processo lento. E nesse período, a empresa deve ter recursos suficientes para sobreviver.

Se não há outra fonte de renda além daquela advinda pela comercialização dos seus produtos e serviços, torna-se fundamental projetar todos projetar um orçamento que cubra todos os gastos por um período mínimo de seis meses.

É indicado estabelecer uma reserva de 5% a 10% sobre o seu orçamento total; para resguardar de possíveis eventualidades.

Reserve uma parcela do orçamento para o setor de marketing

Não podemos esquecer que toda empresa iniciante necessita, mais do que qualquer outra, exercitar a sua imagem no mercado. Isto é, ganhar visibilidade e levar a sua mensagem ao público-alvo. Fator este que demanda investimento em campanhas de marketing.

A boa notícia é que, apesar de ser um item obrigatório no seu planejamento financeiro, hoje, graças ao marketing digital, o acesso às estratégias de marketing foi democratizado. É possível estruturar ações que caibam desde os orçamentos mais modestos até os mais dispendiosos, tudo isso cumprindo seu objetivo com a mesma eficiência.

A definição de um investimento inicial é a peça-chave para determinar o quanto de dinheiro você precisará para garantir o sustento do seu empreendimento nessa fase tão delicada. Ao programar e estruturar todos os pontos em que os recursos serão alocados, tem-se uma ideia clara não somente das primeiras despesas, mas do mínimo necessário ao funcionamento da empresa.

Gostou deste post? Viu como mensurar todos os gastos com a abertura e funcionamento do seu negócio pode ser decisivo para que o seu empreendimento seja bem-sucedido? Então para dominar esse assunto de uma vez por todas, baixe o nosso e-book sobre capital de giro.

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

24 respostas para “Conheça os 172 principais fatores de rankeamento do Google em 2020”

  1. Gestão Mídias Sociais MBA disse:

    I liked !

  2. […] Google e ver os resultados. Mas esse método tem vários problemas. Um deles, como sabemos, é que o Google não é igual para todo mundo. O segundo problema: apenas usando o Google, é difícil comparar o seu site com os concorrentes, […]

  3. […] para derrotar os adversários do Google. A otimização no algorítimo era voltada para diminuir o rankeamento de sites que desrespeitavam as regras do Google, e que com práticas ilícitas (chamadas de black hat) […]

  4. […] pela comunidade de “Mobilegeddon”) a Google realizou alterações significativas em seu modo de rankeamento de sites. A partir dessa data, as páginas que não disponibilizarem uma navegação amigável para […]

  5. […] E se você ainda fica um pouco perdido sobre quais métodos ou utilitários poderia usar para melhorar a eficácia de seu programa de marketing on-line, saiba que há boas soluções disponibilizadas na própria Internet. O Google, por exemplo, traz muitos recursos que as empresas não devem ignorar ou perder de vista. E a maioria deles de forma gratuita. Por acaso você sabia disto? Pois descubra algumas propriedades que vão ajudá-lo a melhorar a posição de sua empresa e como r… […]

  6. […] para motores de busca – visa potencializar e melhorar o posicionamento de um site no rankeamento das pesquisas no Google e outros sites […]

  7. […] nas primeiras posições nos mecanismos de buscas da internet. É exatamente para proporcionar boas colocações nos rankeamentos que investir em SEO (Search Engine Optimization) é tão importante. Em um primeiro momento as […]

  8. […] Lembre se que nem sempre você deve tratar como uma regra máxima tudo aquilo que o Google diz a respeito de SEO, mas de qualquer forma é importante saber qual é a posição pública do Google é em relação às estratégias que você deseja empregar para estar bem posicionado nos rankings de busca. […]

  9. […] Mas não se preocupe. Com as ferramentas do Google Search Console, você pode deixar seu site tinindo. Vai melhorar a velocidade com que as páginas carregam, conseguirá entender melhor de onde vem o tráfego, identificará defeitos na pintura do HTML, recauchutará a lataria dos links, turbinará a linkagem interna e também poderá acelerar o SEO, melhorando o ranqueamento de suas páginas. […]

  10. […] marketing digital é quase um clichê falar da importância do seu site estar bem posicionado nos rankings das ferramentas de busca, como o Google. Afinal, você tem um conteúdo (ou produto) e precisa que ele seja visto e […]

  11. […] seu público alvo é a sua colocação nos mecanismos de buscas. Portanto, se é do seu interesse melhorar o seu posicionamento no ranking dos principais mecanismos de busca será necessário investir em uma ferramenta chamada SEO Pessoal. Com ela você poderá atingir […]

  12. […] conteúdo para elas utilizando táticas de SEO é o que pode fazer com que seu site tenha um melhor rankeamento nos mecanismos de busca, fazendo com que seus clientes o encontrem mais […]

  13. […] Ledo engano, e qualquer pessoa que tenha um blog e entenda o mínimo de SEO sabe disso. Uma URL bem estruturada é um dos fatores preponderantes para que os motores de busca melhorem a qualificação de um site diante do rankeamento. […]

  14. […] SEO, em mais de uma maneira. Com este post pretendemos te mostrar como trabalhar os vídeos de modo a se destacar nos rankeamentos de busca. […]

  15. […] em termos de SEO. O próprio Google dá dicas valiosas sobre o que e não fazer para que seu site obtenha bons resultados em seu buscador e em cima disso muitas pessoas criam seus websites achando que seu projeto vai deslanchar […]

  16. […] será automaticamente o que alavancará suas métricas. O importante é que você saiba que o Google gosta de artigos que procuram explicar por completo um tópico ao invés de apenas falar superficialmente sobre os […]

  17. […] de conteúdo vai muito além do que simplesmente postar artigos em um blog. São necessárias ações de otimização para mecanismos de busca, compartilhamento em redes sociais, estudos sobre a área, […]

  18. Mihail Tipa disse:

    Excelente artigo. Dicas muito boas. Nos já usamos algumas destas coisas citadas neste blog no nosso site http://www.dezireimoveis.co…, mas ainda falta muito para ser feito. Obrigado pelas dicas.

  19. Sergio Antonio Meneghetti disse:

    Excelentes dicas! Grato pelo trabalho. Prosperidade!!!$$$

  20. Renan disse:

    Ótimas dicas, conteúdo de extrema qualidade apontei o seu artigo no meu blog http://renansouza.com/
    Obrigado por ter ajudado.

  21. Meninas vips disse:

    Parabéns pelo texto e conteudo do site, estou sempre online vendo as novidades, irei indicar para a redação do site para dar destaque para o seu site, muito bom parabéns. quero fazer meu site subir http://www.scortvips.com.br/

  22. Rock Content disse:

    Ei Jefferson. O mercado de SEO ainda é relativamente novo no Brasil. Especialmente o SEO de qualidade.
    Essas coisas ainda acontecem, mas a cada dia ficará mais difícil de se deparar com esse tipo de coisa. O Google pensa na experiência dos usuários.

    Por exemplo, se você procurar palavras-chave relevantes no mercado de marketing digital, dificilmente encontrará resultados que não são de blogs de qualidade como o marketingdeconteudo.com, resultados digitais ou viver de blog, por exemplo.

    Quando os conteúdos de qualidade começarem a ganhar força nos demais mercados, esse tipo de site tende a perder o seu espaço.

  23. Rock Content disse:

    Que bom que gostou João! Espero que te ajude bastante!

  24. Andre Mousinho disse:

    Que bom que gostou Sergio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *