Por Raphael Pires

Publicado em 12 de fevereiro de 2020. | Atualizado em 28 de fevereiro de 2020


O presenteísmo é uma condição cada vez mais comum no mercado de trabalho. Trata-se de algo difícil de identificar e que atrapalha a produtividade de toda a organização. Neste artigo, vamos mostrar o que é presenteísmo, como identificá-lo e como evitá-lo.

ilustração sobre presenteísmo
Às vezes é melhor ficar em casa do que ir trabalhar doente ou com problemas pessoais graves.

Você já ouviu falar de presenteísmo no trabalho? Esse tipo de situação razoavelmente comum em empresas demonstra que a presença do profissional no escritório nem sempre determina seu nível de engajamento com os projetos do qual faz parte.

Mas o que é exatamente essa condição? Como ela afeta profissionais e toda a agência? O que você pode fazer em sua gestão para evitar? Vamos responder a essas e outras perguntas abaixo. Confira!

O que é presenteísmo?

O presenteísmo é o nome dado ao problema de funcionários irem trabalhar sem estarem em plenas condições, seja por doenças, ferimentos ou outros fatores. Ou seja, está presente fisicamente, mas não está apto a realizar suas funções devidamente.

Todos nós já passamos por momentos em que estávamos presentes em um local, mas nosso foco e pensamentos estavam longe dali. O corpo está ali, a mente, não. É até natural que isso aconteça devido a momentos de estresse, de tédio, de preocupação com um fator externo ou futuro etc.

Mas, quando essa condição se torna constante e crônica, deixa de ser um momento de distração para se tornar um real problema para a empresa. Sobretudo em negócios movidos por criatividade, como agências, essa falta de dedicação e engajamento atrapalha a comunicação, mina a colaboração entre a equipe e ocasiona falhas e atrasos em projetos.

Todo gestor quer sua equipe focada e motivada, por isso é importante ter noção da questão para identificar e mitigá-la quando for possível.

Qual a diferença entre presenteísmo e absenteísmo?

Para deixar ainda mais claro como se dá o presenteísmo, podemos compará-lo com um conceito parecido, porém estruturalmente diferente: o absenteísmo.

Nesse caso, existe a mesma perda de conexão entre o trabalhador e seu ofício, mas ela se manifesta na ausência física constante dentro do escritório. São faltas por motivos físicos e emocionais, atrasos constantes, despreocupação com horários.

A grande diferença para a gestão de pessoas é que, nesse caso, é mais fácil notar mudanças de comportamento. O absenteísmo ficac aparente em pouco tempo. Já o presenteísmo é uma situação mais sutil, muitas vezes invisível. Por isso, pode ser até mais prejudicial a longo prazo.

De que forma essa situação normalmente acontece em uma agência?

Queremos deixar um ponto muito claro: o presenteísmo não é intencional na maioria dos casos. Não é indicação de má-fé ou mau-caráter e funciona como qualquer outro tipo de transtorno mental.

O mais comum é que ele se dê por meio da falta de motivação ou de carga excessiva de trabalho. O colaborador perde a conexão e o prazer de realizar suas funções e não consegue se engajar nos projetos.

Outras condições que causam o presenteísmo são cansaço físico e mental extremo, doenças, depressão e até a Síndrome de Burnout. Geralmente, não acontecem de uma vez só, mas em um processo de distanciamento gradativo que afasta as prioridades do profissional daquele trabalho que precisa ser feito.

Como identificar o presenteísmo?

Exatamente por ser uma condição que se implanta aos poucos na mente de uma pessoa, é difícil identificar prontamente o que está acontecendo. O processo pode durar semanas ou até meses e atrapalhar o workflow de toda a equipe nesse tempo. Por isso, é essencial identificar o presenteísmo já em seus primeiros sinais. Veja quais são os sintomas na rotina de quem sofre do problema.

Mudança de comportamento

Líderes precisam investir no relacionamento próximo com seu time exatamente para conseguir identificar mudanças de comportamento assim que acontecem. O presenteísmo deixa profissionais mais calados, menos engajados, letárgicos ou constantemente estressados. Sinais de cansaço físico exagerados também podem ser um indício.

Falta de interação com outros colaboradores

Não só em seu comportamento próprio, mas a forma como o profissional interage com os colegas também pode apontar o presenteísmo. Muitas vezes, ele se distancia, deixa de participar de confraternizações e não conversa com os outros nem nas pausas durante o trabalho.

Queda de produtividade

Um dos maiores impactos do presenteísmo é na produtividade do colaborador. De uma hora para outra, passa a realizar uma tarefa no tempo em que fazia três. Inclusive, essa gestão de tempo ruim é um grande indício. No começo, sempre há uma desculpa, mas elas não escondem o problema por muito tempo.

Aumento na incidência de erros

Além da quantidade, a qualidade do trabalho também é afetada. Com a falta desse engajamento e da motivação, o profissional com presenteísmo passa a não se preocupar com seu trabalho, cometendo erros e se limitando a fazer o mínimo possível para considerar tarefas concluídas.

O que um gestor pode fazer para resolver e evitar o presenteísmo?

Na maioria das vezes, mitigar o presenteísmo é uma questão de prevenção. Você precisa criar um ambiente que estimule positivamente a equipe e exija sempre seu cuidado e atenção. Veja algumas dicas!

Investir em mais comunicação dentro da empresa

A interação social sadia é fundamental para reter não só talentos como a vontade deles em participar de verdade da rotina da empresa. A comunicação é a maior arma contra o presenteísmo.

Isso significa não só um sistema estruturado de comunicação interna e endomarketing, como ferramentas de colaboração em tempo real para o trabalho e até a socialização em festas e eventos entre os membros da equipe. Isso cria uma identidade, uma noção de grupo que mantém os profissionais focados em seu trabalho e em ajudar os companheiros.

Elaborar uma estrutura transparente de feedbacks

Ainda no assunto comunicação, a forma como o gestor implementa feedbacks pode reduzir muito a incidência de presenteísmo.

Avaliações objetivas e construtivas, sem levar questões pessoais para a discussão, demonstram problemas a serem resolvidos, mas também oportunidades a serem exploradas. Quando o foco da empresa como um todo é no futuro, isso evita que as pessoas se desmotivem com o presente.

Definir cargos e responsabilidades

Outra causa do presenteísmo é a falta de objetividade no trabalho. O que eu estou fazendo aqui? Qual é minha função neste projeto? Muitos profissionais se fazem essa pergunta de vez em quando. É sua obrigação responder de forma prática e dar a todos um propósito.

Contribuir para a qualidade de vida

Horários mais flexíveis, um escritório com opções de lazer para as pausas, investimento na saúde física e emocional da equipe: todos esses pontos podem diminuir o estresse e a estafa no trabalho — dois dos principais fatores causadores do presenteísmo.

Criar um ambiente inovador e instigante

Felizmente, agências são negócios bastante propícios para evitar essa condição. Isso porque o engajamento do profissional muitas vezes vem do apoio que é dado para inovar, ser criativo, testar novas ideias e propor novos caminhos.

Portanto, intensifique esse esforço em seu empreendimento. Abra espaço para a inovação, pergunte sempre o que cada um pode fazer para contribuir com peças que nunca foram testadas antes.

Esse senso de propósito, essa vontade de alcançar um objetivo é a vacina perfeita contra o presenteísmo. Se você aplicá-la na equipe, ganha profissionais focados e preparados para lidar com qualquer projeto que venha pela frente.

Agora que você já sabe do problema do presenteísmo, que tal aprimorar seu lado gestor de publicidade? Baixe este e-book e veja um guia completo!

Nova call to action

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *