Conheça agora os 3 principais CMSs do mercado!

Conhecer os principais CMSs disponíveis no mercado pode ser de grande ajuda na hora de escolher o melhor para o seu blog. Quer saber mais sobre o assunto? Então confira o nosso post!

A importância conquistada pelo marketing digital é indiscutível. Se você ainda tem dúvidas, preste atenção neste dado: a adoção do Marketing de Conteúdo tem crescido de forma exponencial.

Na edição de 2018 da Content Trends, 73% dos respondentes declararam que têm investido nessa frente. E 61,8% das operações que não adotam pretendem fazer isso.

Para ter uma estratégia bem-sucedida nessa área, as empresas não podem deixar de investir na presença digital das marcas.

Para estabelecê-la de forma eficiente, o ponto de partida é a organização da plataforma de comunicação na internet. Ela pode ser ancorada num site institucional, blog corporativo, loja virtual, enfim, é extensa a lista de opções.

Porém, para qualquer uma dessas alternativas, é imprescindível entender como funcionam os principais CMSs do mercado. É a partir desse conhecimento que você vai conseguir escolher o seu Content Management System e, com isso, ter um canal que atenda às suas necessidades e responda às exigências do seu público.

O assunto despertou o seu interesse? Então, você está no lugar certo. Preparamos um post completo sobre o uso dos principais CMSs. Vamos explicar tudo o que você precisa saber sobre WordPress, Drupal e Joomla.

Entenda os diferenciais dos principais CMSs do mercado

WordPress

O WordPress é o mais popular dos CMSs do mercado. Estima-se que 40% dos sites presentes na internet adotem o sistema.

É claro que isso não quer dizer que ele seja o ideal para o seu negócio. A sua organização pode ter outras necessidades, porém, ainda assim é importante entender como ele funciona, certo?

Vamos começar pelas vantagens:

Para começar, leve em conta essa informação: a maioria dos serviços de hospedagem permite que a configuração do WordPress seja feita com apenas alguns cliques, isso é possível porque o sistema já vem instalado, exigindo apenas ajustes de personalização e inserção do conteúdo.

Quem trabalha com isso sabe que esse é um diferencial importante, uma vez que a não compatibilidade entre os sistemas pode render muita dor de cabeça para os gestores.

Outro ponto positivo é o gigantesco volume de templates e plugins disponíveis para os usuários, tanto pagos quanto gratuitos. Na prática, isso significa que você vai conseguir incrementar bastante o seu projeto, independentemente da sua natureza.

Se for um blog corporativo, há excelentes opções não apenas em termos de templates, como de funcionalidades criadas para facilitar a interação com o seu público, uma das demandas do consumidor.

A título de curiosidade, vale o registro de que o WP nasceu justamente para suprir as demandas específicas nessa área, por isso até hoje ele ocupa uma posição de destaque para esse tipo de projeto.

Entre as facilidades, destaque para as formas de publicação dos conteúdos. Com uma interface similar a usada pelos editores de textos mais comuns (como o Word), ela não exige conhecimentos técnicos de linguagem web.

Outra vantagem também é a facilidade para a criação de e-commerces pela plataforma. Sem muita complicação é possível acrescentar várias funcionalidades na página da loja virtual.

Escolhendo os plugins adequados, você consegue:

  • ter uma página atrativa para a exibição dos produtos;
  • cadastrar e gerenciar os itens da loja;
  • inserir e administrar os usuários;
  • fazer a gestão do estoque;
  • configurar métodos de pagamentos;
  • integrar seus sistemas de entrega.

Apesar da praticidade dessa ferramenta, não se engane: é importante contar com serviços especializados. Por mais que se busque conhecimento sobre o assunto, é difícil competir com quem lida com essas questões no dia a dia e, portanto, tem experiência no emprego desses recursos.

De qualquer forma, os gestores dos projetos devem ter uma boa noção do que vão encontrar em cada sistema, até para cuidar melhor da orientação estratégia dos projetos.

Pesa ainda a favor do WP a sua extensa comunidade. Além de ajudar na resolução dos problemas por meio dos fóruns, ela é responsável pela produção de diversos tutoriais, o que ajuda bastante quem está iniciando a jornada na plataforma.

Há ressalvas em relação à adoção do WordPress? Claro que sim, uma vez que nenhum sistema é perfeito. Uma delas diz respeito à segurança. Como em todo sistema open source, de código aberto, é preciso redobrar a atenção.

Os problemas mais comuns são relacionados aos ataques de hackers e outros incidentes do tipo.

Dica dos especialistas: é possível minimizar os riscos com a instalação de plugins de segurança e a adoção de medidas preventivas, como a atualização constante do sistema.

Guia do WordPress para blogs corportativos

Joomla

Concorrente direto do WP, o Joomla compartilha com o seu congênere algumas características: o código aberto e a facilidade de expansão.

Dito isso, vale destacar que estamos nos referindo a um CMS que tem uma variedade maior de ferramentas para se trabalhar.

E o fato delas serem nativas gera uma vantagem importante: são menores as chances de problemas, como ocorre quando se empregam no projeto as chamadas extensões.

Mas nem tudo é perfeito. O uso do Joomla pode exigir mais conhecimento técnico do usuário. Isso pode ser um complicador para quem não domina muito bem a linguagem web. No entanto, o aprendizado será bem recompensado, uma vez que a partir daí você vai ter um sistema que roda com mais facilidade.

Assim como acontece com o WordPress, são comuns sistemas de hospedagem que contam com instaladores automáticos desse CMS. Nesse caso, melhor para o usuário, que pode se concentrar apenas na personalização da página.

Nesse contexto, ao fazer a seleção dos templates, é possível fazer o filtro por tipo de site, seja uma página institucional, e-commerce, blog corporativo, portal de notícias etc.

No quesito personalização, o Joomla é diferente do WordPress. Em vez de ter acesso a um diretório com os temas, será preciso buscar na internet os modelos e fazer o upload.

Mas tem uma vantagem: trata-se de um sistema mais flexível. Com isso, o site tem tudo para ficar mais adequado às necessidades do negócio em questão, o que pode ser um diferencial importante na conquista da sua persona.

O sistema permite, inclusive, que você reorganize os caminhos de navegação, que não são tão engessados como no WordPress.

A gestão do conteúdo é um dos pontos fortes do Joomla. Assim, sem digitar uma única linha de código, o usuário consegue organizar e categorizar seus conteúdos.

Outra questão importante: sites mais complexos vão contar com mais recursos “nativos”. Ou seja, considere essa alternativa se pretende trabalhar com fóruns, portais ou mesmo e-commerce.

No quesito segurança, o Joomla leva vantagem. Primeiro, por não ser tão popular, é menos suscetível aos ataques. Segundo, tem um sistema de autenticação em dois passos, o que minimiza os riscos.

Qual CMS é mais indicado para o seu negócio? A resposta para essa pergunta depende de muitos fatores. Portanto, desconfie de quem for taxativo em relação ao assunto, sem conhecer os detalhes do seu projeto.

Drupal

Tão popular quanto o WordPress, o Drupal tem a preferência de muitas empresas, principalmente das que têm projetos de sites mais complexos.

Para se ter ideia, figuram entre os seus clientes empresas como Sony, Warner, Disney, Nokia, Sun, WhiteHouse, BMG e Sony Ericsson, além de algumas institucionais de bastante peso internacional, como Nações Unidas, Casa Branca e até a Nasa.

Carregamento rápido e segurança são pontos que se destacam no seu uso, assim como as possibilidades de personalização. Nesse caso, vale a observação: as edições e atualizações podem ser feitas, porém, exigem mais conhecimento técnico por parte do usuário.

A exemplo do WordPress e do Joomla, estamos falando de um sistema de código aberto e gerenciado pela comunidade. No entanto, trata-se de uma opção mais avançada do ponto de vista técnico. Se isso é bom para garantir mais versatilidade ao projeto, também pode representar custos mais altos com os desenvolvedores.

A maior prova disso é que essa é uma reclamação recorrente em relação ao Drupal: facilidade de uso. Muitos usuários consideram que o WordPress leva vantagem nesse quesito.

É provável que isso tenha a ver com o volume de opções disponíveis em termos de módulos e outros elementos importantes na criação dos sites. Anote aí: o Drupal trabalha com um diretório de extensões enorme, bastante similar ao do WordPress, mas existem mais módulos pré-instalados.

Para quem está em busca de soluções específicas para determinados setores, o Drupal tem recursos importantes. Ele oferece soluções pré-montadas para os segmentos de saúde, ONGs e universidades, entre outros.

Se o seu projeto pertence a um desses segmentos, avalie os recursos, uma vez que pode ser uma boa saída para agilizar o processo de instalação e de manutenção do sistema de gerenciamento de conteúdo.

Outro diferencial importante do Drupal refere-se à área de administração. Ela oferece diversas opções de personalização desde o início do projeto. Por que isso é importante? Simples, você terá mais controle sobre o site.

No passado, eram comuns as reclamações de que esse diferencial tornava a interface da plataforma mais complicada. A empresa investiu em melhorias nesse sentido e conseguiu simplificar o processo.

E se encontrar problemas na hora da execução? Hoje o Drupal também dispõe de uma comunidade bastante ativa na internet, o que significa que as equipes vão contar com o suporte necessário.

Não há muitas diferenças, também, em relação às práticas de otimização. Os principais CMSs do mercado contam com excelentes ferramentas para melhorar o desempenho dos conteúdos nos buscadores.

No caso do Drupal, além dos recursos nativos (como o cachê embutido que acelera o carregamento das páginas), estão disponíveis várias extensões criadas justamente para melhorar o SEO.

Vale destacar ainda a questão da segurança. Há consenso entre os profissionais da área que esse pode ser considerado um dos pontos fortes do Drupal. 

Ela é garantida a partir de requisitos básicos do sistema e por meio de extensões. É o caso do módulo que gera automaticamente os relatórios, indicando os pontos fracos do site.

Em relação aos aspectos negativos do Drupal, podemos indicar:

  • a necessidade de os profissionais terem mais domínio da parte técnica. Dito de outra forma: a curva de aprendizado costuma ser mais lenta. Nada que não possa ser feito, mas considere que vai levar mais tempo para a tarefa;
  • a exemplo do WordPress e do Joomla, a empresa precisa ter domínio próprio e de hospedagem PHP/MySQL.

Até pelas questões abordadas acima, não é difícil deduzir que, no caso do Drupal, trata-se de uma opção a ser considerada pelas empresas mais preocupadas com a escalabilidade do projeto. Se for esse o seu caso, vale a pena investir numa solução mais complexa e com mais flexibilidade.

Por que é preciso investir num CMS?

Ter um sistema adequado para a gestão do conteúdo é primordial hoje para as empresas não apenas em função da praticidade e do ganho de tempo. A concorrência no ambiente digital está cada vez mais acirrada e, sem qualidade, é impossível reter a atenção do público.

Outro aspecto importante a ser considerado é a relevância conquistada pelo digital na estratégia de atração e retenção de clientes. Independentemente do setor, é difícil imaginar que uma empresa possa expandir o seu negócio sem recorrer aos recursos dessa área.

Se ainda tiver dúvidas sobre isso, lembre-se de que a transformação digital deixou de ser uma tendência, faz parte da realidade atual das empresas. As suas implicações alcançam diversas frentes do negócio, porém, não podemos ignorar a relevância da comunicação.

Ter uma plataforma que consiga valorizar a experiência do usuário é condição básica nesse ambiente. Além disso, é crucial aproveitar os recursos disponíveis para entender melhor o comportamento dos clientes e, a partir daí, ter respostas mais precisas para as suas demandas.

Resumindo, não basta ter um site estático. Aquela ideia de um “cartão de visitas virtual” não atende mais às exigências do consumidor. Não faz sentido, portanto, que as empresas deixem de valorizar o uso de recursos mais sofisticados para aprimorar sua presença no ambiente online.

Quais critérios devem orientar sua escolha de um CMS?

Como você deve ter percebido, a escolha do CMS ideal para o seu negócio exige atenção a diversos fatores.

Considerando as condições da sua empresa, analise os seus objetivos no ambiente digital, o orçamento disponível para o projeto e, claro, as funcionalidades que atendem à sua demanda.

Além de avaliar as características dos principais CMSs do mercado, vale também conferir outras opções menos populares, como Wix, Bloggler (que pertence ao Google), TextPattern e Radiant.

Para aprofundar mais suas pesquisas, não deixe de ler nosso guia definitivo do blog corporativo.

guia definitivo do blog corporativo

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo