Por Camila Casarotto

Redatora Freelancer da Rock Content

Publicado em 26 de agosto de 2019. | Atualizado em 26 de agosto de 2019


SEO para YouTube são as estratégias de otimização de canais e vídeos para melhorar o posicionamento nos resultados da busca. O YouTube é a maior plataforma de vídeos da internet e é considerado também um dos maiores buscadores. Por isso, é importante saber como otimizar o seu conteúdo por lá.

Estratégias de SEO para YouTube são cada vez mais adotadas pelas marcas. Afinal, quem não gostaria de estar no topo das buscas da maior plataforma de vídeos da web?

O YouTube é um fenômeno da internet. Criado em 2005, ele conquistou tantos usuários que chamou a atenção do Google. Não precisou de muito tempo no ar para ser comprado pelo buscador, em 2006, e se transformar em um gigante.

A plataforma teve um papel essencial na transformação dos vídeos em um dos principais formatos de conteúdo, tanto para o consumo quanto para o Marketing Digital.

Graças a ele, os vídeos se tornaram democráticos: hoje qualquer pessoa — ou marca — pode publicar e assistir a uma infinidade de conteúdos audiovisuais na web.

E, com tanta disponibilidade de vídeos na plataforma, o YouTube se viu obrigado a organizar todos esses conteúdos em sua ferramenta de busca.

Para terem uma boa experiência na plataforma, os usuários deveriam encontrar facilmente os vídeos do seu interesse. Por isso, a plataforma criou um algoritmo capaz de rankear os melhores conteúdos para cada busca.

Assim, os canais têm hoje um desafio: quem quer mais visibilidade, deve adotar estratégias de otimização dos vídeos para que eles apareçam mais bem posicionados.

A essas estratégias, damos o nome de SEO para YouTube. E é sobre isso que vamos falar neste artigo. Acompanhe agora para saber tudo sobre esse assunto!

O que é SEO para YouTube?

Antes de ver o que é SEO para YouTube, vale a pena voltar algumas casinhas e entender o que é SEO.

Search Engine Optimizationé o conjunto de estratégias de otimização da experiência do usuário que visa melhorar o posicionamento de uma página nos mecanismos de pesquisa.

Engloba questões de programação, design, produção de conteúdo e relacionamento com outros sites, para que os buscadores considerem que aquela página é o melhor resultado para aquilo que o usuário busca.

É claro que, quando se fala em SEO, o que se pretende é conquistar as primeiras posições do Google. Afinal, esse gigante da internet domina mais de 90% das buscas no mundo inteiro. Bing, Yahoo! e Baidu são os outros buscadores que ficam com o restante desse share.

O Google tem uma missão: “organizar as informações do mundo para que sejam universalmente acessíveis e úteis para todos”. Ou seja, ao rastrear, indexar e rankear os conteúdos da web, o buscador quer que os usuários encontrem os melhores resultados para as suas buscas.

Para isso, o Google desenvolveu um algoritmo inteligente, capaz de identificar as páginas que oferecem uma boa experiência e eliminar dos resultados aquelas que usam spam, plágio ou outras práticas maliciosas.

Dito isso, vamos entender agora o que é SEO para YouTube.

Sistemas de busca existem em muitos outros lugares da internet. Quando você acessa um site, por exemplo, geralmente existe lá uma busca, que vasculha os conteúdos internos. Nas redes sociais, também há um mecanismo de pesquisa interna.

É isso também que acontece no YouTube, que oferece o seu próprio sistema de busca para que os usuários encontrem facilmente os canais e vídeos que procuram.

E a plataforma tem bastante peso entre os buscadores da internet: este estudo de 2017 mostrou que o YouTube tinha um número maior de pesquisas que Yahoo! e Bing, por exemplo.

principais motores de busca

Vale lembrar que a plataforma de vídeos foi comprada pelo Google. Por isso, o YouTube adota a mesma inteligência de pesquisa do buscador e tem o mesmo propósito: oferecer a melhor experiência de busca ao usuário. Neste vídeo, o próprio YouTube faz uma breve explicação de como funciona o seu algoritmo de busca:

Quando o usuário digita algum termo de pesquisa no YouTube, os robôs da plataforma vasculham os canais e vídeos para entregar os melhores resultados, em ordem de relevância, para ele. E, para determinar quais são os melhores resultados para cada pessoa, o algoritmo considera diversos fatores.

Os históricos de pesquisa e de navegação do usuário — assim como no Google — são pontos importantes para personalizar a página de resultados. Mas, para quem publica conteúdo no YouTube, é importante saber que o algoritmo adota também critérios de engajamento e de otimização do canal para rankear os resultados.

Por exemplo: um vídeo que preenche corretamente os campos de título, tags e descrição tende a ter um melhor posicionamento do que aquele que não faz isso.

Um canal do YouTube que costuma receber vários comentários e curtidas também se posiciona melhor do que aquele que não tem um bom engajamento.

Por que isso acontece? Porque a plataforma entende que esses vídeos entregam uma experiência mais valiosa ao usuário.

E é isso também que o próprio algoritmo do Google entende. Como o buscador e o YouTube pertencem à mesma empresa, existe uma integração entre as plataformas.

Então, quando alguém pesquisa no Google, o buscador apresenta também um carrossel de conteúdos em vídeo, tanto do YouTube quanto de outras plataformas, que forem mais pertinentes para aquela busca.

Veja o exemplo abaixo:

busca no google

Portanto, as otimizações de SEO para YouTube que você fizer valem para a busca dentro da plataforma, mas também para disputar esse espaço na pesquisa do Google.

As 11 melhores técnicas de SEO para YouTube

SEO para YouTube não é uma receita de bolo. Mesmo que você siga todas as orientações, a decisão de quais resultados vão aparecer para o usuário depende do algoritmo da plataforma, que é bastante complexo. 

Ele considera inúmeros critérios, regras e cálculos para determinar o rankeamento, inclusive fatores que independem das suas ações (como a navegação do usuário).

No entanto, quanto mais você ganhar pontos com o algoritmo de pesquisa do YouTube, mais chances tem de alcançar as primeiras posições.

Portanto, vamos ver agora algumas técnicas para que o YouTube favoreça o seu canal e os seus vídeos nos resultados das buscas dos usuários.

Acompanhe!

Você pode se interessar por esses outros conteúdos

👉 Como ser um youtuber: 11 dicas para ter um canal de sucesso

👉 Vlog: o que é e como produzir para seu canal do Youtube

👉 Monetização de vídeos no Youtube: como funciona

👉 Top 10 maiores canais do Youtube no Brasil e no mundo [2019]



1. Realizar uma pesquisa de palavras-chave antes de tudo

Palavras-chave são essenciais no SEO para YouTube, assim como para o Google. Por meio delas, a plataforma identifica o tema do vídeo, indexa o conteúdo e associa-o às buscas dos usuários.

Para isso, elas devem ser inseridas em determinados campos — título, tags e descrição, por exemplo, como veremos a seguir — na hora de fazer o upload do arquivo, de maneira que o YouTube possa coletar essa informação e usá-la no rankeamento.

Portanto, você precisa saber quais palavras-chave melhor identificam os seus vídeos e, ao mesmo tempo, têm potencial para atrair mais espectadores ao seu canal.

Vamos agora ver algumas dicas para fazer uma boa pesquisa de palavras-chave com foco no SEO para YouTube. Essas dicas podem ser usadas para preencher os campos depois que você gravar os vídeos, mas também para ter ideias de conteúdos com potencial para o seu canal.

Primeiramente, você pode usar uma ferramenta básica do YouTube: o autocomplete da barra de busca.

autocomplete do youtube

Ela serve para facilitar a busca dos usuários, com base nos termos que costumam ser mais procuradas na rede.

Por isso, ela também pode ajudar os criadores: você pode ter novas ideias de palavras-chave que tenham bastante procura na rede e, assim, aumentar o potencial de visualização dos seus vídeos.

Outro passo da pesquisa de palavras-chave é fazer um benchmark. Sim, os seus concorrentes também podem ajudar você!

Para isso, visite os canais que são autoridades no seu nicho. Se eles possuem uma boa audiência e muitas visualizações, provavelmente eles adotam as boas práticas de SEO para YouTube e sabem como usar as palavras-chave. Então, analise quais são os termos que eles usam nos seus vídeos mais populares.

Para isso, quando você estiver no canal, vá na aba de Vídeos e selecione a opção de classificar por vídeos mais populares.

videos mais populares do canal do youtube

No caso do canal da Rock Content, por exemplo, o vídeo que aparece no topo da lista é este: “Marketing de conteúdo: montando uma estratégia – Conteúdo e Marketing”.

Você já pode imaginar que uma das principais palavras-chave desse vídeo é “marketing de conteúdo”, não é? Se quiser analisar mais a fundo, você também pode descobrir as tags que foram usadas nesse vídeo.

Porém, elas não estão visíveis para os usuários. Para isso, você deve abrir o código-fonte da página do vídeo (ao clicar com o botão direito) e procurar pelas “keywords” dentro do código.

Além disso, você também pode analisar as estatísticas do seu canal. Dentro da análise de origem do tráfego, estão os termos mais usados para chegar até os seus vídeos. Ali, você pode encontrar inspirações para gravar novos conteúdos ou incluir palavras-chave nos seus uploads.

Neste case da Mindvalley, você pode ver também as ferramentas que a empresa indica para pesquisar palavras-chave:

  • Keywords Everywhere: extensão gratuita do Google Chrome para SEO que mostra uma estimativa do volume de pesquisas mensais às caixas de busca do Google e do YouTube.
  • Google Trends: ferramenta gratuita do Google que mostra tendências de pesquisa (é possível filtrar apenas buscas no YouTube) e serve para identificar temas em alta.
  • VidIQ: extensão gratuita do Google Chrome que adiciona uma barra de informações aos vídeos no YouTube.

2. Selecionar palavras-chave com bom potencial de alcance

Com as dicas acima, você já tem uma boa lista de palavras-chave. Então, como selecionar os melhores termos para os seus vídeos?

É claro que você deve pensar: “vou escolher as palavras que têm mais busca!”. Sim: os termos mais populares tendem a atrair mais gente. Porém, eles têm mais concorrência — e os concorrentes podem ser grandes marcas e influenciadores, com quem fica difícil competir.

Por isso, provavelmente a melhor escolha — principalmente se você tem um pequeno negócio — são as palavras-chave que chamamos de cauda longa (ou long tail).

Elas não têm um tráfego tão espantoso, mas também não têm tanta concorrência, por isso é mais fácil ganhar um bom posicionamento. Além disso, elas costumam representar buscas de fundo de funil (ou seja, mais próximas da conversão).

Mas como saber quais são as palavras-chave de cauda longa? Geralmente elas são mais longas (três palavras ou mais) e representam uma busca mais específica.

“Marketing de conteúdo”, por exemplo, é uma palavra de topo de funil. Gera bastantes acessos, mas o ranking para ela é muito mais concorrido.

Mas você pode afunilar essa busca utilizando o termo “marketing de conteúdo instagram”, que já filtra os concorrentes. Se você escolher o termo “marketing de conteúdo instagram stories”, a busca fica mais específica ainda e você aumenta as chances de posicionar bem o seu vídeo.

De qualquer forma, é sempre importante selecionar palavras-chave que tenham relação com o conteúdo do vídeo. Imagine levar usuários que buscam por “marketing de conteúdo instagram stories” para um vídeo que fala sobre dicas de decoração.

Não funciona. Sabe por quê?

Porque o usuário vai abandonar o seu vídeo com apenas alguns segundos de exibição. Isso conta pontos negativos na avaliação do YouTube sobre o engajamento do vídeo e, consequentemente, no seu rankeamento. É um tiro no pé.

3. Utilizar um bom título de vídeo

Depois de fazer uma boa pesquisa de palavras-chave, você já tem uma boa seleção de termos em mãos. Então, o que fazer com eles?

Um dos campos em que a palavra-chave precisa aparecer é o título. Esse é um dos fatores mais importantes para o YouTube fazer a indexação e o rankeamento do conteúdo. E, para que o vídeo apareça bem posicionado, o título deve ser o mais próximo possível da busca do usuário.

No caso do vídeo da Rock Content, por exemplo, o conteúdo fala essencialmente sobre Marketing de Conteúdo. Por isso, a principal palavra-chave desse vídeo é “marketing de conteúdo” e aparece logo no início do seu título.

seo para youtube: usa um bom titulo para o video

Além disso, um estudo realizado pela Briggsby analisou a correlação entre posicionamento dos vídeos na busca do YouTube e os possíveis fatores de rankeamento da plataforma.

Em relação aos títulos, a empresa percebeu que os primeiros lugares das buscas costumam usar a correspondência exata da palavra-chave no título do vídeo.

A pesquisa também mostrou que títulos mais longos tendem a ter desempenho pior, já que as primeiras posições são mais objetivas: os 20 primeiros colocados têm, em média, 47-48 caracteres no título (o máximo é 100 caracteres).

ranking de video com base no tamanho dos títulos

Portanto, procure manter os seus títulos mais concisos e com a palavra-chave exata. Essas constatações não são regras, mas vale a pena considerá-las.

Lembre-se também de que o título do vídeo pode ser o primeiro contato do usuário com o seu conteúdo.

Por isso, ele precisa descrever o que os espectadores vão assistir, mas também instigá-los a clicar no seu vídeo. Sendo assim, vale uma pitada de criatividade, que pode aguçar a curiosidade.

4. Inserir as tags (marcadores) do vídeo

Quem trabalha com SEO para o Google sabe que encher o código de uma página com keywords nas meta tags não faz mais sentido. O buscador já não utiliza mais esse aspecto como fator de rankeamento — já que ele foi largamente usado como spam.

No YouTube, porém, as tags ou marcadores são essenciais para o rankeamento de um vídeo. Elas são um dos fatores que o YouTube utiliza para identificar os assuntos de um vídeo e fazer a indexação correta, mas também para fazer a recomendação de vídeos relacionados. E essas sugestões também são uma importante fonte de tráfego para os seus vídeos.

Nesse campo, o YouTube permite usar 120 caracteres. Aconselhamos que você utilize de 6 a 8 palavras, para não confundir o algoritmo com termos que se distanciem do seu conteúdo.

5. Escrever descrições inteligentes

A descrição é outro campo importante que deve ser preenchido no upload do vídeo. Esse texto deve trazer informações sobre o que o vídeo fala, da maneira mais descritiva possível.

Se o título precisa ser conciso, a descrição pode ser mais longa e detalhada. Você tem até 5000 caracteres para isso.

A descrição é essencial para o rankeamento por dois motivos. Ela pode ser um instrumento de persuasão para que o usuário acesse o vídeo, já que o trecho inicial da descrição aparece nos resultados da busca (por isso, tente manter as principais informações no início do texto). Assim, com uma descrição atraente, você pode aumentar o engajamento do vídeo e ganhar pontos com o YouTube.

A descrição também serve para que o algoritmo da plataforma identifique o conteúdo do vídeo. Por isso, aqui você deve incluir as palavras-chave que representem os temas tratados no vídeo. Assim, você aumenta as chances de rankeamento para esses termos.

Aproveite a descrição para adicionar mais informações e engajar os usuários de outras formas.

No texto, você pode incluir chamadas para ação (CTAs), como um convite a se inscrever no canal ou fazer download de algum material no seu site (preferencialmente com links encurtados).

Outra ideia é usar marcações de tempo para direcionar o espectador a determinados conteúdos de destaque dentro do vídeo, especialmente em conteúdos mais longos.

É possível também inserir hashtags no texto, que geram links para os usuários encontrarem novos vídeos sobre aquele termo. Mas não exagere: se tiver mais que 15 hashtags na descrição do vídeo, o YouTube ignora todas elas.

6. Editar o nome do arquivo

Você sabia que as técnicas de SEO para YouTube começam antes mesmo de fazer o upload do vídeo? Isso acontece porque você já precisa incluir a palavra-chave principal do conteúdo no nome do arquivo.

Em vez de subir o vídeo com um nome cheio de códigos e números (ex.: VID_94800805.mp4), que é incompreensível para o YouTube, utilize um nome descritivo com a palavra-chave inserida (ex.: como-fazer-seo-para-youtube.mp4).

Assim, a plataforma consegue identificar, já no nome do arquivo, sobre o que ele trata.

7. Fazer transcrições e legendas dos vídeos

O algoritmo do YouTube não é capaz de ler imagens e vídeos — ele só entende textos e códigos. Por isso, uma das estratégias que você pode adotar para que ele entenda do que se trata o seu conteúdo é fazer transcrições e legendas.

A transcrição é a transformação em texto daquilo que o vídeo fala. Você pode fazer essa transcrição manualmente por conta própria ou utilizar a ferramenta do YouTube que facilita esse trabalho (veja as instruções neste link).

Ao adicionar marcações de tempo na transcrição, você pode também transformá-la em legendas.

Elas servem para que os usuários possam acompanhar o vídeo mesmo se não puderem acionar o áudio e funcionam como ferramenta de acessibilidade para pessoas com deficiência auditiva.

Além de adicionar as legendas, você também pode usar o texto da transcrição na descrição do vídeo para dar mais informações sobre o vídeo aos espectadores.

canal do youtube rock content

8. Fazer vídeos mais longos

O estudo da Briggsby — que citamos antes — também chegou a duas constatações sobre a relação entre o ranking e a duração dos vídeos:

  • vídeos com menos de 2 minutos tendem a ficar mal posicionados;
  • a duração média das 5 primeiras posições é de 11min44s.

Portanto, vale a pena começar a investir em vídeos mais longos, que tenham cerca de 10 minutos. Provavelmente eles atendam as expectativas de quem procura conteúdos mais completos e aprofundados. Por outro lado, vídeos com menos de 2 minutos tendem a ser mais superficiais.

Não estamos dizendo que você deve se prender a esses números, ok? Essas constatações servem apenas para nos dar orientações. Porém, vale ressaltar: mais vale a relevância que a duração do vídeo. Por isso, se você investir em conteúdos de qualidade, não se preocupe tanto com o tempo do vídeo.

9. Aumentar o CTR nos resultados da busca

CTR (Click-Through Rate) representa a taxa de cliques dos usuários no seu vídeo entre os resultados da busca.

Ter uma alta taxa de cliques significa, aos olhos do algoritmo do YouTube, que o seu vídeo se mostrou relevante para aquela palavra-chave pela qual o usuário pesquisou. Por isso, o CTR também é um importante fator de rankeamento.

Mas é claro que você não pode influenciar diretamente essa taxa. O que você pode fazer é aumentar as chances de os usuários clicarem no seu vídeo.

Para isso, o resumo que aparece nos resultados da busca deve ser atrativo e relevante para a busca.

seo para youtube: Aumentar o CTR nos resultados da busca

Vamos analisar, então, tudo o que você pode editar nesse resumo:

  • o título, que deve incluir a palavra-chave principal;
  • o início da descrição, que deve ser persuasiva já nas primeiras palavras;
  • a miniatura do vídeo, que deve ser atrativa e trazer alguma informação complementar aos outros elementos.

Assim, aumentam as chances de o usuário clicar no seu vídeo.

10. Aumentar o engajamento do público

Em analogia ao SEO para o Google, podemos dizer que as dicas que demos até agora se referem ao SEO On Page — ou seja, tudo o que está ao alcance do próprio editor.

Do outro lado das estratégias, está o SEO Off Page, que engloba fatores que não estão sob controle do site. No caso do Google, refere-se principalmente ao link building, ou seja, as relações com outros sites e os links que recebe deles.

No caso do YouTube, o link building não está entre os fatores de rankeamento. Por mais que um vídeo seja linkado em outros sites, o algoritmo não conta com esse dado para rankeá-lo, embora isso ajude a gerar mais visualizações.

Na plataforma de vídeos, diferentemente, pode-se dizer que o SEO Off Page se refere ao engajamento da audiência.

Afinal, receber comentários e likes ou aumentar o tempo de visualização do vídeo não estão sob controle do canal, que pode apenas estimular os usuários a interagirem mais. E isso tem um grande peso para o algoritmo!

Portanto, sempre incentive que os seus espectadores interajam de alguma forma com o seu vídeo:

  • curtir (o famoso “dá um joinha!”);
  • comentar;
  • inscrever-se no canal;
  • compartilhar o vídeo.

Todos esses fatores pesam bastante no rankeamento do YouTube, pois indicam se o seu vídeo atendeu (ou superou) as expectativas dos usuários.

Quanto aos comentários, vale ressaltar: uma das melhores formas de incentivar comentários é respondê-los! Assim, os usuários se sentem valorizados e voltam mais vezes para comentar.

Além disso, também é importante adotar estratégias para manter o usuário engajado com o vídeo até o final. Esse é um importante fator para o Google avaliar se você está oferecendo algo que realmente interessa à audiência.

De outra forma, o público abandonaria o vídeo rapidamente, o que pesa negativamente no rankeamento. Você pode, por exemplo, prometer algum bônus para quem assistir ao vídeo até o final. 

11. Divulgar o canal e os vídeos

Já demos dicas de como aumentar a interação da audiência com seus vídeos. Porém, para chegar a esse ponto, você precisa antes levar essa audiência até o seu canal!

Ao otimizar o título, a descrição e as tags dos seus vídeos, você já vai aumentar a visibilidade dentro do próprio YouTube.

Porém, você deve ter outros diversos canais de marketing que podem ser usados para divulgar os vídeos fora do YouTube e aumentar as visualizações.

Vamos listar agora algumas dicas para fazer isso:

  • incorpore os vídeos em posts do seu blog que tenham assuntos relacionados;
  • produza vídeos institucionais e de demonstrações de produtos para divulgar no site;
  • divulgue nos conteúdos de email marketing e na assinatura do email;
  • divulgue os vídeos nas redes sociais;
  • responda mensagens e comentários de usuários com vídeos;
  • participe de grupos, fóruns e sites de perguntas e respostas (como o Quora) e responda os usuários com vídeos do seu canal.

Em qualquer uma dessas ações, lembre-se de uma palavra essencial: relevância. Insira vídeos apenas em contextos em que eles forem relevantes, que agreguem valor ao usuário.

Não adianta forçar a barra, ok? Isso só vai resultar em frustração para o usuário, que vai acessar o seu vídeo e logo abandoná-lo porque não era aquilo que ele estava procurando.

Agora que você já leu todo o artigo, vamos lembrar de algo que falamos lá no início: a experiência do usuário. Lembre que esse é o foco do YouTube e do Google e deve ser o seu também.

Portanto, todas as dicas que demos neste artigo têm um propósito maior: melhorar a experiência dos usuários da internet. Pensar em títulos criativos e utilizar legendas, por exemplo, têm o objetivo de facilitar a vida das pessoas e agregar valor ao ato de assistir a um vídeo na web.

Tenha certeza que, quando você mira na experiência do usuário, o algoritmo sabe reconhecer os seus esforços de otimização.

Agora, para aproveitar melhor as dicas que trouxemos neste artigo, é importante saber como explorar os vídeos no Marketing Digital. Então, aprenda como fazer isso: leia o nosso manual de uso de vídeos em sua estratégia de marketing de conteúdo.

Manual do uso de Vídeos no MKT ConteúdoPowered by Rock Convert

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *