Por Ivan de Souza

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicado em 24 de junho de 2020. | Atualizado em 24 de junho de 2020


Se o seu objetivo for começar a fazer negócios online, ter um site é essencial. Contudo, muitas dúvidas surgem nesse momento como, por exemplo: o que é necessário para criar um site, como escolher o tipo mais apropriado e como fazê-lo ser encontrado na internet. Se essas dúvidas também são suas, continue a leitura para saná-las de uma vez.

Hoje em dia, as empresas sabem da importância de estar presente na internet, pois num mundo onde as pessoas estão cada vez mais conectadas, estar ausente dos meios online significa ter menos chances de gerar novas oportunidades de negócio. Por isso, é essencial ter um site cuja gestão seja feita por meio de uma plataforma simples e intuitiva como o WordPress.

No entanto, algumas pessoas ainda se perguntam: um site ainda é tão importante assim? Afinal de contas, há outros canais online que também são explorados – redes sociais, e-mail, vídeos, podcasts, até mesmo o WhatsApp. Logo, por que ter um site em vez de alguma dessas outras mídias?

A verdade é que ter um site não impede que a sua empresa esteja presente nesses outros canais. Contudo, todos eles, no fim das contas, levam as pessoas ao site no momento em que elas se interessam a adquirir o produto ou serviço que você oferece. Por essa razão, o site é o principal canal de uma estratégia digital de modo que ele é sim muito importante.

Para que você saiba tudo que é necessário para ter um site que gere resultados para o seu negócio, desenvolvemos este guia completo que passa pelos pontos abaixo.

Vamos em frente?

 

O que é preciso para criar seu site do zero?

site

Comecemos explicando quais são os três pontos necessários para a criação de um site: objetivo, domínio e hospedagem.

Objetivo

Apesar de termos dito que o site é o seu principal canal online, o primeiríssimo passo pode ser feito offline: a definição do objetivo. Por mais que um site seja a sua identidade virtual, como dono ou representante de uma empresa, certamente você quer que ele traga resultados, certo?

Por essa razão, é preciso determinar qual objetivo o site deve auxiliar você a conquistar. Aumentar os lucros? Fortalecer a marca? Aumentar a sua autoridade digital? Ao estabelecer onde você quer chegar, os próximos passos podem ser dados. 

Domínio

A etapa seguinte é o registro do domínio. Ele é o endereço do seu site, ou seja, a URL que é inserida na barra de endereços depois do HTTP ou HTTPS para acessá-lo.

É fundamental que o domínio transmita a ideia principal do seu modelo de negócio. Por isso, dê preferência para que ele leve o nome da sua empresa e que a extensão seja condizente a ele. 

Por mais que as categorias mais conhecidas sejam .com e .com.br, há outras que podem se adequar a cada perfil. Advogados, por exemplo, podem usar adv.br, enquanto universidades podem optar pelo edu.br.

Hospedagem

Toda vez que você acessa um site, uma série de elementos aparecem na tela: textos, imagens, vídeos, arquivos, etc. Todos eles precisam ser armazenados num lugar da internet para que sejam exibidos dessa forma. Por isso a necessidade de se contratar um servidor de hospedagem

Ao fazer essa contratação, você pode instalar o CMS de sua preferência (sobre o qual falaremos mais adiante aqui neste artigo) e usá-lo para subir os conteúdos e artigos necessários para o seu site.

Algumas soluções trazem tanto o espaço de hospedagem quanto a instalação do CMS ao mesmo tempo. Um exemplo é o Rock Stage, produto desenvolvido pela Rock Content, que te permite criar um site em WordPress em poucas etapas.

 

Quais são os tipos de site

site

Também é necessário que você saiba quais são os tipos de site existentes para determinar qual é o mais apropriado para o seu modelo de negócio. Por isso, apontamos aqui os principais.

Site institucional

Se a sua ideia for apresentar a sua empresa na internet, tal como os produtos e serviços que ela oferece, um site institucional é a opção mais apropriada. Afinal, eles funcionam como uma espécie de cartão de visitas online, pois permite que os visitantes conheçam mais a respeito do seu negócio.

Além disso, a criação desse tipo de site é mais simples de maneira que ele pode ser finalizado mais rapidamente em comparação a um e-commerce, por exemplo. Basicamente, um site institucional traz as seguintes seções:

  • quem somos: aqui é feita uma apresentação sobre a empresa, sua história, missão, visão e valores;
  • produtos ou serviços: nesta seção são descritos os produtos ou serviços oferecidos;
  • contato: esta página deve conter um formulário de contato para que o seu público possa te contatar. 

Site dinâmico

Este tipo é conhecido por unir diferentes seções num só site, o caso mais comum são aqueles que unem tanto site quanto blog de modo que seus conteúdos estejam conectados entre si.

Vejamos um exemplo: uma empresa que venda camisas customizadas e faz uma publicação no blog sobre as vantagens de personalizar uma camisa. O CTA deste artigo pode ser justamente um convite para que o leitor conheça esse tipo de serviço oferecido pelo negócio.

Dessa forma, o site dinâmico acaba sendo uma das opções mais adequadas para aqueles que estão buscando aumentar os seus resultados orgânicos na internet.

Loja virtual / e-commerce

Este é o formato de site mais simples de entender, pois se trata da venda de produtos ou serviços pela internet a partir do site. 

Para que uma loja virtual seja bem-sucedida, é preciso que ela tenha uma boa performance tanto em desktop quanto em mobile. Afinal, a experiência de compra precisa ser bem executada em todos os tipos de dispositivos. 

Além disso, o carregamento do site também precisa ser rápido e a descrição dos produtos deve ser bastante detalhada para que os visitantes não tenham dúvidas na hora de comprar.

Assim, é fundamental que o checkout seja bem intuitivo e que haja as mais diversas formas de pagamento para que o cliente não abandone o carrinho por esse motivo.

Sites em WordPress podem ter suas lojas virtuais criadas em ferramentas como o WooCommerce.

Site one-page

Conteúdos de sites one-page são exibidos numa só tela em vez de dividi-los por seções dentro do menu. Portanto, são sites adequados para o público interessado em ver toda a informação reunida numa só tela, geralmente pessoas mais jovens por estarem habituadas com a rapidez na internet.

Apesar do formato não ter a vantagem de aplicar as técnicas de SEO em páginas diferentes, o que amplia as chances de ser localizado no Google, sites one-page costumam ter uma boa responsividade, o que faz a experiência do conteúdo ser ainda mais incrível.

Portal

Estes são sites mais completos e diversos em comparação com os que vimos até então. Buscadores como o Google ou sites de notícias como o G1 são considerados portais porque reúnem uma quantidade grande de dados e informações. 

A principal finalidade de reunir tantos conteúdos é para continuar atingindo o público que o consome e, assim, manter o modelo de negócios ativo e funcionando.

Por sinal, portais precisam contar com redatores (internos ou externos) para conseguir atender a demanda alta de textos, além de um servidor dedicado capaz de suportar uma quantidade alta de acessos de maneira que o site não caia.

Hotsite

Os hotsites são criados a caráter temporário para promover alguma campanha sazonal de marketing. Também é bastante utilizado para o lançamento de produtos ou serviços novos.

Uma característica do hotsite é justamente a oportunidade de focar num tema específico, o que torna o site mais objetivo e faz aumentar as chances de conversão. Por isso, hotsites são comumente usados para campanhas de mídia paga com a finalidade de atrair tráfego qualificado que tenha mais chances de gerar novos negócios.

Landing Page

Por fim, temos as landing pages. Numa primeira impressão elas são bem similares aos hotsites porque também são focadas num tipo específico de oferta. Porém, a diferença é que ela pode ser trabalhada de forma perene, não apenas em épocas sazonais ou de lançamentos.

Por essa razão, elas são muito utilizadas para o oferecimento de e-books e outros tipos de material rico produzidos com a finalidade de gerar leads. Ao clicar aqui, você pode conferir um exemplo de landing page construído nesse formato.

 

CMS: como fazer a gestão dos conteúdos do seu site

site

Conforme você pôde ver acima, independente do tipo de site que você venha a escolher, ele deve apresentar os conteúdos que são armazenados no seu servidor. Para organizá-los, é necessário o uso de um CMS.

CMS é a sigla de Content Management System, isto é, sistema de gerenciamento de conteúdo. Portanto, a partir dele, você tem total controle de todas as páginas, blog posts, arquivos e afins do seu site. 

Powered by Rock Convert

Um dos sistemas mais conhecidos é o WordPress por ter um dashboard simples de operar, a ponto de que até mesmo empreendedores sem conhecimentos profundos de linguagens de programação (como CSS ou HTML) podem gerir as funções essenciais de seus sites. 

WordPress

Para criar um site no WordPress, é necessário seguir alguns passos manuais dentro do servidor conforme apontamos até aqui.

Os três principais elementos usados em sites WordPress a fim de ter uma boa performance e gerar resultados são: templates, plugins e widgets. Vejamos agora cada um deles.

Templates

Todo site construído em WordPress tem como base um template, também chamado de tema. Eles atribuem a aparência do site e você pode personalizar alguns desses atributos como, por exemplo: botões, cores, layout, fonte,etc.

Por isso, toda vez que o WordPress é instalado no seu site, o passo seguinte é escolher o template. A plataforma dispõe de alguns temas gratuitos e também pagos. Dependendo do objetivo que o seu site tiver, é recomendável investir num template premium que atenda as necessidades que o seu negócio tem.

Plugins

Por falar em necessidades, os plugins cumprem o papel de exercer funções que sejam fundamentais para o seu site. Vejamos abaixo alguns exemplos.

Se você quiser fazer com que o público conheça as suas redes sociais, basta instalar um plugin que tenha essa funcionalidade. Por outro lado, se a ideia for gerar leads, plugins que disponibilizem formulários de contato podem fazer com que visitantes sejam convertidos em leads, aumentando as suas chances comerciais.

Contudo, é preciso lembrar a importância de instalar apenas plugins que sejam de extrema confiança a fim de evitar invasões de hackers que possam trazer malwares ao seu site.

Widgets

Os widgets também são importantes para deixar o seu site WordPress do jeito que você quer. Podemos começar pelo menu, todos os elementos que nele se encontram são adicionados e geridos a partir dos widgets.

A sidebar do blog também é definida pelos widgets. Se você tiver muitos acessos vindos de desktop, é pertinente ter uma sidebar que atenda os seus objetivos. 

Na sidebar, você pode inserir links dos posts mais acessados, botões que levem os usuários a baixar algum material rico ou mesmo CTAs que os convidem a comprar seu produto ou serviço (caso a oferta seja simples, como comprar um calçado) ou falar com um consultor de vendas (caso a oferta seja complexa, como contratar um software corporativo).

 

SEO: como fazer o seu site aparecer na internet

site

SEO é a sigla de Search Engine Optimization, ou seja, Otimização para Sistemas de Busca. Assim, além de atrair o público-alvo, os conteúdos também precisam ser amigáveis para o Google a fim de aparecer nos primeiros resultados das páginas de busca.

Para conseguir atingir esses resultados, é necessário que a sua estratégia de Marketing de Conteúdo esteja bem construída. 

Como fazer uma estratégia de Marketing de Conteúdo?

Ela é composta por dois estágios: criação da persona e composição do funil de vendas. Vejamos como cada um é feito.

Persona

A persona é um personagem semi-fictício que representa o cliente ideal que você tanto quer conquistar. Por isso, todos os conteúdos criados para o seu site devem ser embasados nela.

Os pontos mais importantes a serem considerados durante o processo de criação da persona são a definição do objetivo que ela tem e desafios que enfrenta. Para que você consiga fazer isso de forma sucinta, confira este gerador de personas que desenvolvemos.

Funil de vendas

O funil de vendas também é chamado de jornada de compra, pois ilustra a trajetória que a persona traça para comprar a sua oferta. Portanto, todo produto ou serviço tem um funil que é dividido em três estágios:

  • topo do funil: nesta primeira fase, a persona descobre ter um problema;
  • meio do funil: em seguida, ela começa a buscar soluções para esse problema;
  • fundo do funil: por fim, ela descobre quem pode sanar esse problema.

Caso esteja se perguntando qual relação o funil tem com o seu site, basicamente os conteúdos de topo e meio de funil serão usados para atração e engajamento com o seu público no blog, enquanto os de fundo de funil serão majoritariamente usados no site para descrever seus produtos e serviços. 

Planejamento de conteúdo para SEO

Agora que você já sabe o que é SEO, deve estar se perguntando de que maneira ele é feito, certo? Não se preocupe, pois esta é uma dúvida bem comum, por isso listamos a seguir o passo a passo que você deve seguir para aplicá-lo no seu site.

Passo 1: escolha de palavras-chave

Os termos que as pessoas inserem no Google e outros motores de busca para fazer uma procura são chamados palavras-chave. Assim, para que as páginas do seu site sejam encontradas nessas buscas, elas devem ter a palavra-chave inserida no texto.

Vejamos um exemplo. Uma empresa que vende celulares precisa criar uma página para o Samsung Galaxy S20. Logo, esta será a palavra-chave da página dedicada a venda desse produto.

Um ponto importante: evite inserir a palavra-chave repetitivamente na tentativa de rankear a qualquer custo. Há muito tempo isso funcionava, mas hoje é considerada uma prática de black hat e seu site pode ser punido pelo Google. Portanto, faça a inserção de forma natural e em pontos estratégicos como primeiro parágrafo, subtítulo e último parágrafo.

Passo 2: criação do calendário editorial

Após levantar as palavras-chave dos seus conteúdos, caso isso inclua aquelas que serão inseridas nos seus blog posts, criar o calendário editorial é fundamental.

Nele você aponta os dias em que os conteúdos serão publicados, o que torna sua rotina de postagem mais organizada.

Passo 3: etapas da produção de conteúdo

Quando o assunto é produzir conteúdo, uma dúvida recorrente é: como começar? Afinal, o objetivo desta estratégia não se resume a criar textos bonitos para o seu site ou blog e sim conteúdos estratégicos capazes de gerar chances de negócio.

Por essa razão, a produção segue quatro etapas: pauta, redação, revisão e publicação.

A pauta traz o escopo do conteúdo, ou seja, a palavra-chave em foco, título, persona resumida, referências, links obrigatórios, entre outros pontos necessários para o redator escrever o texto de maneira correta.

Uma vez que a pauta é criada, o redator pode começar a produção. Na terceira etapa, ela é analisada por um revisor que confere se o artigo está condizente com a pauta e se há erros gramaticais que precisem ser corrigidos. 

Caso a sua empresa não conte com profissionais que possam exercer essas funções, veja no Marketplace do iClips como conseguir conteudistas para você.

Após a conclusão dessas etapas, a quarta e última é a publicação do texto no site ou blog para que ele possa começar a gerar resultados. E por falar nisso…

Passo 4: acompanhamento de resultados

Ao fazer a publicação dos seus conteúdos, você precisa acompanhar o desempenho dele a fim de ver se está tendo o desempenho esperado. Para isso, você deve contar com a ajuda de duas ferramentas (gratuitas) que o Google oferece: Google Search Console e Google Analytics.

O Google Search Console tem como função mostrar como está o seu desempenho em termos de rankeamento, isto é, para quais palavras-chave seu site – e até mesmo cada uma de suas páginas – está rankeando, quais são suas posições na SERP, número de impressões, cliques e CTR.

Já o Google Analytics mostra o desempenho do seu site e suas páginas. de modo que você consegue saber os números de visitas, quais são as páginas mais acessadas, as fontes de tráfego, entre outros pontos.

Assim, os dados que essas duas ferramentas trazem são capazes de te fazer ver de que forma você pode melhorar o seu desempenho. Se um conteúdo importante estiver na quarta posição, por exemplo, e for o que mais traz acessos ao seu site, ele pode ser melhorado e promovido para alcançar a primeira posição e trazer ainda mais resultados.

Seguindo esses passos, você poderá se certificar de que o site está levando o seu negócio a alcançar os objetivos esperados. Como dissemos no começo deste post, ele é o seu principal canal de aquisição, portanto, foque majoritariamente nele dentro da sua estratégia digital.

Porém, agora resta saber quais são as etapas para a criação do seu site, não é mesmo? Então, confira agora este artigo que produzimos totalmente dedicado ao assunto!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *