Por Ana Júlia Ramos

Redatora freelancer da Rock Content

Publicado em 7 de janeiro de 2020. | Atualizado em 11 de março de 2020


Manter-se atualizada é essencial para que uma empresa possa crescer de forma saudável. Vamos ajudar nesse processo com uma lista das 10 principais tendências de mercado do ano de 2020. Comércio eletrônico, conteúdo interativo e serviços automatizados são algumas delas, além de outras atividades que também envolvem os setores de tecnologia e inovação.

Falar sobre empreendedorismo implica estar sempre atualizado com relação às principais tendências de mercado. 

Com uma boa dose de leitura, você será capaz de entender o panorama atual do mercado e não perder nenhuma das novidades que vêm tomando conta do mundo. 

Algo que as principais tendências têm em comum é o fato de muitas delas terem como pilar a informatização e o uso de tecnologia. Quem ficar para trás nessa, terá muito prejuízo no futuro!

Hoje em dia, mais do que nunca, é preciso acompanhar todo esse volume de informações e saber usá-las a favor do seu negócio.

Por isso, neste post, você vai aprender mais sobre os seguintes tópicos:

  1. Conteúdo interativo
  2. Diversidade, inclusão e propósito
  3. Trabalho remoto
  4. Comércio eletrônico
  5. Segurança digital
  6. Infraestrutura 5G
  7. Serviços automatizados
  8. Mobile first
  9. Tecnologia disruptiva
  10. Computer vision

Continue a leitura e entenda mais sobre cada um desses pontos!

1. Conteúdo interativo

O conteúdo interativo, que faz parte de estratégias de Marketing Digital, pode ser considerado facilmente como uma das principais tendências para o ano de 2020

De forma geral, a interatividade passou por um processo de crescimento junto com a presença da tecnologia no dia a dia do usuário.

Com tanto volume de informação chegando em questão de segundos, a concorrência por um espaço nas timelines e feeds é cada vez maior.

Por isso, surgiu a necessidade de investir em um formato capaz de atrair a atenção de forma rápida, interessante e eficaz.

Conteúdos como formulários, vídeos interativos, landing pages e ebooks se transformaram em uma solução para quem deseja ir além do óbvio e conquistar engajamento.

Calculadora interativa da Hubspot

A calculadora interativa feita pela Hubspot é um exemplo de como gerar engajamento, leads e dados valiosos sobre os usuários

2. Diversidade, inclusão e propósito

Oferecer os melhores produtos, se comunicar através dos melhores canais, investir em infraestrutura de ponta ou contratar os melhores funcionários: nada disso funciona quando não existe diversidade, inclusão e propósito.

O aumento do debate sobre pautas importantes como racismo, presença de mães no mercado de trabalho e barreiras de idade, por exemplo, foi responsável por jogar luz a uma triste realidade. 

Muitas empresas se escondiam em meio a discursos rasos quando, em seu dia a dia, não promoviam um ambiente seguro para seus colaboradores.

E, com o termo “seguro”, é preciso entender que atitudes que antigamente eram vistas como aceitáveis, hoje em dia já não são mais toleradas.

Por isso, esses três pilares devem ser vistos acima de tendências que vão e voltam, como obrigação social.

Mais do que negócios lucrativos, tenha uma visão humana a respeito dos colaboradores, clientes, audiência nas redes sociais ou qualquer outra pessoa que eventualmente entre em contato com a sua empresa.

Além da inclusão e diversidade, o propósito se faz importante mais do que nunca. Não ignore a missão e visão da sua empresa e entenda que uma proposta de valor bem construída é capaz de encantar e engajar multidões. 

3. Trabalho remoto

A transformação digital foi responsável por inovar a rotina de centenas de milhares de pessoas em todo o mundo. 

Se antigamente era impossível trabalhar de casa, quando existiam fortes barreiras como velocidade da internet e falta de um bom computador, hoje em dia o problema virou solução.

Várias profissões já não demandam o tradicional “bater ponto” na empresa.

E os dados não mentem: a pesquisa “O futuro do trabalho”, que teve como objetivo entender o futuro do mercado de trabalho na visão dos profissionais brasileiros, apontou informações interessantes sobre o home office.

Pensando nos próximos 12 meses que se seguiram desde a época em que a pesquisa foi feita, no ano de 2017, 34,3% dos profissionais pretendiam incentivar mais esse modelo de trabalho em suas empresas.

A motivação, de acordo com eles, é percebida das seguintes formas:

  • 56,2% acreditam no aumento de produtividade;
  • 61,5% acreditam no aumento da qualidade de vida do funcionário;
  • 58,6% acreditam na redução de custos dos colaboradores.

Mesmo que você ainda não tenha a possibilidade de flexibilizar essas questões de trabalho, vale ficar de olho.

A preocupação com o bem-estar pessoal, saúde mental e qualidade de vida vêm transformando a realidade de trabalhadores e suas expectativas em relação aos contratantes.

4. Comércio eletrônico

A comodidade de fazer compras na palma da mão entrou em casa sem pedir licença. 

Se até poucos anos atrás o delivery ficava restrito a alguns serviços específicos e por meio de ligações telefônicas, hoje em dia já não é possível listar o volume de aplicativos e sites de e-commerce.

Comida, remédios, móveis, aparelhos eletrônicos e, até mesmo, itens mais complexos são apenas algumas das ofertas que esse nicho oferece.

Especialistas têm como previsão um crescimento de 265% no ano de 2021 em um mercado que já conta com mais de 4 trilhões de dólares em movimento (de acordo com a Beeketing).

Exemplo de comércio eletrônico — Netshoes

Toda essa quantidade massiva de dinheiro representa uma gama incrível de possibilidades que, por sua vez, demandam um investimento interessante quando comparados a outras propostas — já que gastos como estrutura e mão de obra, por exemplo, são economizados.

5. Segurança digital

A segurança digital é um assunto que não era tão discutido nos últimos anos, mas que agora ganhou a atenção até mesmo daqueles que não atuam diretamente com tecnologia ou proteção de dados.

No Brasil, tivemos a criação da “Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais”. Ela entrará em vigor a partir de agosto deste ano e é responsável por regulamentar as políticas de privacidade e compartilhamento de informação pessoal na internet

Ou seja: empresas deverão tomar cuidado e seguir estritamente as boas práticas na hora de coletar, guardar, analisar ou processar os dados das pessoas. 

Quando pensamos no impacto que a ação terá na vida do cidadão, falamos em um cenário gigantesco.

É só imaginar a quantidade de organizações que acumulam dados sobre seus clientes ou leads que fizeram um simples cadastro na internet.

O movimento, que segue em escala global, fez com que consultorias e empresas se especializassem e investissem na área, além do terem contribuído para o desenvolvimento de plataformas e aplicativos com maior segurança e oferta de privacidade.

6. Infraestrutura 5G

Os mistérios que envolviam a possibilidade de um mundo com internet ultrarrápida já não são mais tão secretos assim. 

A rede em 5G tem previsão de lançamento neste ano e, de acordo com especialistas, será responsável por conectar praticamente qualquer tipo de objeto com a internet e fazê-lo funcionar de forma satisfatória.

Isso terá impacto ainda maior na automatização de casas, carros e serviços que hoje em dia ainda são considerados como “analógicos”, mas que em um futuro bem próximo poderão ser desempenhados a partir de um simples clique na tela do celular.

Outro ponto de impacto do 5G na vida das pessoas é a possibilidade cada vez maior de ter uma internet com velocidade similar ao wi-fi em qualquer lugar. 

7. Serviços automatizados

Caminhando junto aos avanços da infraestrutura 5G, os serviços automatizados podem ser vistos como uma consequência natural da melhoria nas velocidades de rede

Como exemplo, imagine aquelas casas que parecem ter sido retiradas de um filme: ao abrir o aplicativo, é possível regular a luz dos ambientes, ligar o som, fechar as cortinas, liberar a porta para os convidados e selecionar a temperatura ideal do ar-condicionado.

Por mais que muitos desses recursos já sejam reais para algumas pessoas, ele ainda não pode ser percebido de forma corriqueira no dia a dia do cidadão comum: a tendência é que a partir do ano de 2020, a tecnologia torne-se ainda mais acessível.

Uma implicação prática da automatização que pode ser percebida com maior frequência é a substituição de boa parte da mão de obra humana por tecnologia autossuficiente.

O McDonalds vem alterando drasticamente a proporção entre atendentes e grandes tablets que fazem o pedido de forma automatizada. 

Serviços de autoatendimento no McDonalds

A ideia, na teoria, não é “acabar” com os humanos e transformá-los em robôs, mas sim direcionar os profissionais para atividades mais complexas e que demandam maior atenção. 

8. Mobile First

De acordo com dados da consultoria Cisco, até o ano de 2023, 70% da população em todo o mundo terá acesso ao mobile.

A expectativa é que o número seja de 5.7 bilhões de pessoas, ou seja, a necessidade de investimento em conteúdo e suporte para esse formato é cada vez maior.

Parece um absurdo pensar nisso em pleno ano de 2020, mas ainda acontece de muitas plataformas rodarem perfeitamente no desktop enquanto apresentam um péssimo desempenho móvel. 

O foco na experiência do usuário, então, demanda que empresas e plataformas saibam compreender o fluxo e invistam em ambientes de qualidade, com carregamento leve, boa usabilidade e adaptação em diversos tamanhos de tela.

Exemplo de site mobile first

O site da Apple é um exemplo de boa adaptação da web para o mobile. A navegação pelo celular não é prejudicada ou impactada com recursos que funcionariam muito bem no computador, mas que prejudicam a experiência em dispositivos como tablets e smartphones.

É hora de repensar o site da sua empresa — muito provavelmente, a maior parte do seu público pode estar realizando o acesso pelo celular e você nem sabe disso

9. Tecnologia disruptiva

De forma geral, a tecnologia disruptiva pode ser vista como uma solução inovadora que agrega novas propostas a um modo de funcionamento nunca visto antes.

A inteligência artificial e suas implicações são grandes exemplos. Se você acredita que isso é coisa de cinema e está distante de você, a tendência é que o ser humano fique cada vez mais “amigo” das máquinas.

Um grande exemplo — e que já é visto no Brasil — são os carros inteligentes. A ideia é que o motorista sinalize o trajeto completo e deixe o veículo cuidar do restante.

Tecnologia disruptiva da Tesla

Empresas como a norte-americana Tesla, que conta com grandes estratégias de marketing em relação a seus carros, vêm realizando inúmeros testes (vários deles com resultados não muito positivos) mas a tendência é que a tecnologia dê uma guinada neste ano e novos modelos sejam lançados.

Além da IA, existem outros tipos de ideias inovadoras que muito provavelmente já fazem do seu dia a dia em algum nível (ou começarão a fazer muito em breve):

  • realidade virtual e aumentada;
  • internet das coisas;
  • robótica avançada;
  • Big Data.

10. Computer vision

Um tipo de tecnologia disruptiva que merece destaque é o Computer Vision. De forma simples, o estudo está relacionado aos computadores e máquinas que enxergam.

A China pode ser considerada como um dos melhores exemplos práticos da implicação dessa tecnologia.

No país, mais de 170 milhões de câmeras fazem monitoramento visual de pessoas e são capazes de identificar criminosos ou desaparecidos, por exemplo.

Além disso, a leitura também oferece informações como o gênero e a idade da pessoa identificada, além do modelo de carro que ela usa, parentes e até mesmo outros indivíduos que ele entra em contato com frequência.

O uso já é considerado como um “Big Brother” da modernidade e é alvo de críticas ao redor do mundo, mas implicações menos rigorosas já podem ser feitas para facilitar a vida do ser humano:

  • reconhecimento facial para entrar em casa ou no trabalho;
  • desbloqueio de celulares e outros aparelhos eletrônicos;
  • melhora em exames de imagem como ultrassonografia, radiografia e tomografia;
  • inspeção e garantia da qualidade de produtos antes que eles sejam comercializados;
  • veículos autônomos. 

O mais interessante entre todas essas tendências é que é possível tirar boas lições de empreendedorismo mesmo nos casos em que elas ainda não podem ser diretamente aplicadas.

Assim, é possível ter um panorama muito importante da forma em que o mercado vem caminhando e como a população será impactada com as novidades.

Observar o comportamento do mundo, suas mudanças, padrões e desafios traz a oportunidade de desenvolver produtos e serviços com muito mais propósito e maiores possibilidades de gerar conversão e engajamento. Não perca esta chance!

Se você gostou de descobrir e entender mais sobre as tendências de mercado para 2020, conheça o nosso kit de Marketing Digital e esteja pronto para aplicar as melhores estratégias no seu negócio.

primeiros passos no marketing digitalPowered by Rock Convert

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *