Por Redator Rock Content

um de nossos especialistas.

Publicado em 29 de agosto de 2020. | Atualizado em 11 de setembro de 2020


Apesar de supostamente receber quantias bilionárias para manter o Google como seu buscador padrão no iOS, iPadOS e macOS, a Apple dá sinais de que chega a hora de ter seu próprio mecanismo de pesquisa.

Há rumores de que a Apple se movimenta nos bastidores do mundo da tecnologia para criar um buscador próprio, que funcione da mesma forma que o Google no sistema operacional de seus dispositivos. Quer saber como essa mudança afeta seu site em WordPress?

Com a chegada de uma nova tecnologia de pesquisa, as configurações do algoritmo podem adicionar mais requisitos, o que significa que os proprietários de sites precisarão adaptar suas configurações de SEO para as diretrizes de ranqueamento do novo mecanismo de pesquisa.

Existem vários indícios que atestam a criação desse novo buscador: desde anúncios de emprego para engenheiros de pesquisa — as vagas enfatizam a capacidade de lidar com integração entre Inteligência Artificial (IA), aprendizado de máquina e processamento de linguagem natural (PNL) — até a escolha do Spotlight Search para os dispositivos com a nova versão beta iOS 14 e iPadOS 14.

Além disso, o Applebot, o web crawler da Apple que rastreia páginas na web, realiza indexações e é usado por produtos como a Siri e o Spotlight Suggestions desde 2015, teve sua página de suporte atualizada recentemente.

A documentação do Applebot atesta que o robô respeita as regras estipuladas por arquivos robots.txte quando não encontra menções a ele, segue as diretrizes especificadas para o Googlebot.

Mas, desde o lançamento da tecnologia, suspeita-se ser uma pista para a criação de um mecanismo de pesquisa próprio pela Apple, uma vez que não faz sentido ter um web crawler quando a Siri e o Spotlight usam o Bing para retornar buscas e o Wolfram|Alpha para algumas respostas específicas.

Powered by Rock Convert

Segundo informações do Coywolf, esse mecanismo de busca da Apple pode atuar como um hub de dados personalizados, semelhante ao Google Assistente em dispositivos Android e, talvez, privativo e sem anúncios.

Dessa forma, a Apple retornaria resultados de pesquisa inteligentes, com base nas informações registradas no dispositivo, como na seção de contatos, documentos, email, eventos ou disponíveis em arquivos, mensagens, mapas, músicas, notas, notícias, fotos, lembretes, programas de TV e filmes dos usuários do iOS.

A Reuters também relatou em julho de 2020, que a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido se mostrou insatisfeita com os acordos entre a Apple e o Google em seu relatório que investiga plataformas e publicidade digitais, porque são tratativas que criam uma barreira à entrada e expansão de outros concorrentes no mercado.

Os competidores prejudicados seriam o Bing, Yahoo e DuckDuckGo, todos supostamente pagadores para serem opções de mecanismo de busca nos dispositivos da Apple, segundo o relatório.

Os reguladores do Reino Unido ainda afirmaram que as autoridades de fiscalização deveriam exigir das empresas a exibição de opções nas quais os usuários decidem qual buscador definir como padrão durante a configuração do dispositivo e restringir a capacidade dos buscadores de monetizar as posições padrão.

Caso o acordo entre a Apple e o Google chegue ao fim e no Reino Unido essas mudanças sejam implementadas, isso pode gerar um efeito cascata em toda a União Europeia, conforme concluído pelo fundador e editor-chefe da Coywolf, Jon Henshaw.

Mas, enquanto a Apple não lança sua própria tecnologia de buscadores, que tal aprender como fazer o seu site aparecer nas primeiras posições do Google?

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *