Aprenda como emitir um Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF)

    Todo empresário sabe da importância de estar sempre em dia com as obrigações fiscais e o quanto isso reflete positivamente na estabilidade e crescimento da empresa.

    Manter-se livre de débitos tributários é uma das regras do empreendedorismo e um dos primeiros passos para se alcançar o sucesso, pois lhe permite trabalhar com segurança e tranquilidade.

    Entretanto, diante da quantidade e diversidade de tributos a pagar, essa tarefa nem sempre é tão simples o quanto parece, podendo gerar dúvidas e insegurança nos empreendedores quando chega o momento de quitar tais débitos.

    O DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) é um dos documentos de arrecadação mais utilizados e importantes.

    Instituído pelo Ministério da Fazenda e Receita Federal, apresenta-se como um dos grandes responsáveis por levar a receita dos tributos aos cofres públicos. Por esta razão, estar familiarizado como ele é requisito essencial para todo empresário.

    Tem dúvidas sobre o que é e para que serve? Acompanhe o post de hoje e aprenda agora mesmo!

    O que é DARF?

    DARF é a sigla que representa o Documento de Arrecadação de Receitas Federais e, como o próprio nome diz, trata-se de um documento responsável por levar aos cofres públicos federais uma parcela considerável da arrecadação.

    Utilizado tanto por pessoas físicas quanto por pessoas jurídicas, as guias podem ser pagas mensalmente, trimestralmente, semestralmente e até anualmente, a depender dos impostos a serem recolhidos.

    O documento facilita bastante a vida do empresário, uma vez que, através dele, é possível unificar o pagamento de diversos impostos, taxas e contribuições em uma só guia de recolhimento, evitando desgaste e perda de tempo em filas.

    Alguns dos principais tributos quitados por empresas através do DARF são o IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica), PIS (Programa de Integração Social), COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e outras contribuições para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

    LEIA TAMBÉM
    Confira tudo que você precisa para criar o site da sua empresa
     Saiba o que é banco de dados e a importância dele para o seu site
    Crie um blog para o seu negócio usando o Stage

    Quais os tipos de DARF?

    Agora que você já sabe o que é um DARF, vamos falar sobre os dois tipos existentes: o simples e o comum. Acompanhe!

    O DARF Simples foi implantado em janeiro de 1997 sendo muito utilizado por pessoas jurídicas para o pagamento de tributos de maneira unificada.

    Portanto, veio para simplificar a arrecadação em empresas de pequeno porte: a guia informa um valor para todos os impostos, devendo ser paga de uma só vez.

    Atualmente o DARF simples não é mais utilizado, visto que foi substituído pelo DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), implantado após a Lei Complementar 123 de 2011, que instituiu o Simples Nacional.

    O DARF Comum foi implantado em abril de 1997, poucos meses depois da entrada do DARF Simples e tem sido muito utilizado até os dias atuais, tanto por pessoas físicas quanto jurídicas.

    Através dessa guia, é feito o recolhimento do PIS incidente sobre o faturamento da empresa, o II (Imposto de Impostação) e o IR (Imposto de Renda) da empresa ou cidadão.

    Portanto, consiste em uma guia idêntica para contribuintes pessoas físicas e jurídicas, havendo apenas diferenciação nos códigos de pagamentos.

    Como emitir um DARF?

    O procedimento para emissão do DARF é relativamente simples, podendo ser realizado pelo próprio empresário.

    A opção mais eficaz e segura se dá através do programa da Receita Federal denominado Sicalc, que tem como principal benefício a atualização mensal de acordo com a taxa Selic vigente.

    Com isso, ao entrar no site da Receita Federal e acessar o Sicalc, será solicitado o preenchimento de alguns dados:

    • Nome e telefones de contato;
    • CPF ou CNPJ, de acordo com o contribuinte;
    • Período de apuração do tributo;
    • Código do pagamento (fornecido no próprio site da Receita);
    • Data do vencimento;
    • Valor a ser pago;
    • Multas e juros, caso haja;
    • Valor total (calculado automaticamente).

    Logo em seguida, o sistema emitirá a guia com o código de barras que deverá ser pago na rede bancária. Conforme dito, você poderá preencher sozinho o DARF, mas caso sinta-se inseguro, procure auxílio de um profissional.

    Emissão em atraso

    Imprevistos acontecem, não é mesmo? E caso você perca o prazo para a emissão do DARF, é possível retirar a guia posteriormente.

    Nesse caso, acesse a página da Receita Federal e preencha manualmente o DARF, ou, no caso do IRPJ, é possível emitir a guia através do programa para cálculo e emissão do DARF, também disponível no sítio eletrônico.

    Portanto, mesmo que você não consiga realizar o pagamento no dia correto, não deixe de regularizar a sua situação o mais rápido possível.

    Retificação do DARF

    Pode ser que, ao preencher o DARF, você cometa algum erro e a guia apresente inconsistências. Nesse caso, é necessário realizar uma retificação.

    O procedimento possui duas fases: primeiramente você deve acessar a página da receita e fazer o download de um formulário (Redarf), preenchê-lo e assinar as duas vias que serão impressas.

    Logo em seguida, você deverá protocolar essa retificação em uma agência da Secretaria da Receita Federal.

    O segundo passo, também poderá ser feito via internet, caso você possua certificação digital.

    Cuidados importantes

    O DARF é um documento de extrema importância para a empresa. Portanto, você precisa ter alguns cuidados relacionados à essa guia.

    Ao preencher, tenha bastante cuidado para não cometer erros e antes de gerar a guia faça uma revisão detalhada dos dados informados.

    Você viu que é possível retificar possíveis erros, porém isso lhe dará mais trabalho. Sendo assim, evite desperdícios de tempo!

    Além disso, após pagar a guia seja cuidadoso e guarde bem os comprovantes de pagamento.

    Você poderá precisar usá-los caso haja algum erro no sistema, uma fiscalização ou até mesmo para realizar balanços fiscais em sua empresa.

    Hoje você absorveu conhecimentos importantes para seu negócio.

    O DARF é um documento muito importante e saber do que se trata, quando e como emiti-lo torna o cotidiano empresarial mais fácil.

    Isso lhe trará bons frutos, especialmente no que diz respeito à saúde financeira e regularidade do seu empreendimento.

    Agora que você conheceu um pouco mais sobre o DARF, que tal aprender a fazer a sua gestão financeira? Unindo conhecimentos assim, sua empresa só tem a ganhar!

    Compartilhe
    facebook
    linkedin
    twitter
    mail

    Inscreva-se em nosso blog

    Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email

    Posts Relacionados

    Quer receber mais conteúdos brilhantes como esse de graça?

    Inscreva-se para receber nossos conteúdos por email e participe da comunidade da Rock Content!