Por Ivan de Souza

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicado em 19 de outubro de 2020. | Atualizado em 19 de outubro de 2020


De todos os canais de marketing online, o site é o mais importante. Afinal, é por meio dele que você gera oportunidades de negócio para fazê-lo crescer também na internet. Assim, saiba aqui se ainda vale a pena ter um site.

Será mesmo que ainda vale a pena ter um site? Bom, para muitas pessoas, um site é o espaço online dedicado a trazer informações sobre a sua empresa assim como os produtos ou serviços ofertados por ela. Portanto, toda vez que alguém quiser saber mais sobre o seu negócio, basta acessar o seu site e navegar pelas seções a fim de saber sobre a empresa, seu histórico, ofertas e formulários para entrar em contato.

Contudo, outra pergunta que muitos também se fazem é: por que ter um site se, hoje em dia, muitas pessoas estão presentes nas redes sociais? Realmente, independente do nicho em que você atue, certamente o seu público faz parte de alguma rede social. Mas, é preciso lembrar do propósito desses canais: as pessoas acessam as redes para acompanhar e interagir com pessoas e marcas.

Já o site é dedicado não apenas a apresentar a sua empresa, mas também gerar novas oportunidades de negócio. Por essa razão URLs de sites podem ser encontradas em bios de redes sociais, assinaturas de e-mails, menus de blogs, entre outros canais, porque o site é o principal canal para ajudar a sua empresa na internet.

Já deu para perceber que a resposta para a pergunta do título deste artigo é sim, vale a pena ter um site. Para saber a importância disso no seu negócio, continue a leitura! Passaremos pelos seguintes pontos:

Se ainda vale a pena ter um site, como ele pode ajudar a sua empresa?

Para responder essa pergunta, imaginemos as situações abaixo.

  • Quando você precisa buscar um tipo de roupa específico, a qual canal recorre? Google ou Facebook?
  • Quando precisa saber como alugar um imóvel, onde busca informações? Instagram ou Google?
  • Se procura um ERP para a sua empresa, a qual meio recorre? Google ou seu histórico de e-mails?

Provavelmente sua resposta foi Google para todas ou maioria das perguntas. Da mesma forma que você faz consultas no Google, o seu público também faz. A forma de estar visível nesses resultados de busca é a partir de um site.

Se você trabalha com venda simples — isto é, de produtos que podem ser comprados sem o auxílio de um vendedor, como roupas, cosméticos, eletrônicos, etc — o site pode ser um e-commerce com a finalidade de atrair visitantes e convertê-los em clientes com poucos cliques. 

Caso seu negócio requeira que o prospect seja contatado por um representante comercial para que a venda possa acontecer, o site também é fundamental. Ter um espaço que diga “fale com um consultor” é o ponto-chave para transformar visitantes em MQLs, uma vez que eles tenham encontrado o site da sua empresa, ponto que abordaremos a seguir.

Ser encontrado mais facilmente

Uma vez entendido que o primeiro passo para gerar novos negócios na internet a partir de um site é ser encontrado em mecanismos de busca como o Google, surge a pergunta (que talvez você esteja se fazendo neste momento): como fazer isso?

Bom, há duas formas de você ser visto nos resultados do Google: via anúncios pagos ou de forma orgânica. Na primeira, você precisa investir no Google Ads, na segunda deve aplicar as técnicas de SEO para conseguir visibilidade sem depender de anúncios.

O primeiro passo para aparecer organicamente nos motores de busca é identificar quais são as palavras-chave mais relevantes no seu nicho. Elas são os termos que as pessoas inserem nos buscadores para encontrar o que procuram, por exemplo: “vale a pena ter um site” é uma palavra-chave inserida para encontrar conteúdos como este que você está lendo.

Ferramentas como SEMRush e Keyword Planner mostram quais são as palavras-chave mais procuradas no seu nicho. Mas, para fazer com que você apareça nos resultados de busca delas, é necessário produzir o melhor conteúdo.

Para isso, você deve desenvolver a estratégia certa que envolve dois passos básicos: a criação da persona e o desenvolvimento do funil de vendas

A persona é um personagem semifictício que representa o seu cliente ideal de modo que todos os conteúdos feitos — independente do formato — devem ser feitos com base nela e na sua jornada que é ilustrada pelo funil de vendas.

O funil traz os estágios pelos quais a persona passa para comprar um produto ou serviço. Essa jornada começa no topo do funil (momento em que ela descobre ter um problema), se desenvolve no meio do funil (quando ela passa a buscar uma solução) e termina no fundo do funil (etapa em que ela encontra quem resolve o problema).

Assim, os conteúdos devem ser construídos com base nessas etapas do funil com a finalidade de atrair, engajar e converter o seu público em clientes a partir do seu site.

Powered by Rock Convert

Ter mais autoridade

Pensemos no seguinte: você vai até uma loja de calçados para comprar um tênis. Lá, você encontra um de marca conhecida, e outro de uma marca que ninguém conhece. Qual você vai escolher?

Muito provavelmente tanto você quanto a maioria das pessoas escolherá a marca conhecida por saber o nível de qualidade e credibilidade que ela traz em seus calçados. O mesmo acontece com o seu público, ele escolhe comprar o produto ou serviço da empresa que tem maior autoridade no seu segmento de atuação

Uma das formas de construir autoridade online é marcar presença na internet, por isso frisamos acima a importância de ser encontrado nos motores de busca, o que requer a aplicação do SEO, pois quem aparece na primeira página dos resultados do Google certamente tem autoridade no seu nicho.

Porém, apenas estar visível não é o suficiente, o conteúdo produzido pela sua empresa também é essencial para demonstrar a autoridade. Quem produz conteúdos muito úteis e informativos a respeito de um determinado assunto destaca a autoridade que tem sobre ele. Por isso, é recomendável ter um blog dentro do domínio do seu site para publicar esses conteúdos.  

Relacionamento com a audiência

Uma das vantagens que a internet 2.0 trouxe foi a interação entre o público e as marcas. Nos tempos em que o marketing era composto basicamente por meios de comunicação tradicionais — como TV, rádio, revista, jornal — era mais difícil as pessoas estarem em contato direto com as empresas. Porém, hoje, isso pode ser feito por meio de um direct no Instagram.  

Para que isso aconteça, é preciso que os canais de contato com a sua empresa estejam disponíveis em pontos estratégicos do seu site. A seção de “contato”, por exemplo, deve estar no menu para que os visitantes possam ver e acessar o formulário para falar com um representante.

Além disso, os botões das redes sociais também devem estar presentes no rodapé ou na barra lateral dos blog posts. Dessa forma, os visitantes podem entrar em contato com sua empresa a partir desses canais também. Inclusive, as redes vêm sendo usadas como serviços de SAC que contam tanto com um time de suporte quanto um chatbot.

Bom lugar para vender

Já que falamos em redes sociais, vamos resgatar a pergunta que fizemos no começo deste artigo: em tempos de Facebook, Instagram e Tik Tok, por que ter um site? Porque, além de ser o principal canal de uma estratégia digital, o site é o lugar ideal para vender.

Quando uma pessoa lê um blog post, sua principal intenção é se informar; nas redes sociais, interagir; no e-mail, ambos. Mas, quando o objetivo é comprar um produto ou serviço, o canal procurado é o site, sobretudo por trazer as características completas das ofertas e as opções de compra caso a venda seja feita online.

Claro que isso não impede que outros canais sejam usados para fins comerciais, tanto é que o Facebook tem o seu Marketplace e o Instagram conta com diversas lojas que usa unicamente a rede social para vender os seus produtos. Mas, o site tem uma grande vantagem que abordaremos a seguir.

O site é um espaço seu

Alguns youtubers fazem muito sucesso e receita até o dia em que recebem mais de três strikes e seus canais são retirados do ar. Sabe por que isso acontece? Porque o canal pertence ao YouTube, não a eles.

O mesmo vale para influenciadores que usam as redes sociais para ganhar destaque na web e, consequentemente, dinheiro, chegando a viver unicamente de suas postagens e audiência. Até que, subitamente, suas contas são deletadas assim como todos os seus seguidores. Isso ocorre porque tampouco as redes pertencem a eles.

Por outro lado, com um site é diferente, ele é um espaço somente seu e você tem total autonomia sobre o conteúdo a ser publicado nele. Além disso, mesmo que o site seja invadido e todos os dados sejam perdidos, eles podem ser restaurados a partir de um backup.

As redes sociais podem acabar ou perder popularidade (como aconteceu com o Orkut, MySpace, entre outras), mas o sucesso do seu site e a permanência dele na web depende apenas do seu esforço e dedicação. 

Como é possível ter um site para a sua empresa?

Para ter um site, são necessárias três etapas: escolher um domínio, um servidor e um CMS.

O domínio é o endereço do seu site, enquanto o servidor é o espaço online em que os arquivos dele são armazenados. Para organizá-los, você deve contar com um CMS, ou seja, um sistema de gestão de conteúdos, sendo o WordPress um dos mais recomendados do mercado.

Por sinal, agora que você sabe que sim, ainda vale a pena ter um site, convidamos você a conhecer o Stage, ferramenta para criação de sites e blogs profissionais em WordPress. Para saber de que maneira essa solução pode ajudar o seu negócio, conheça o Stage, além de agendar uma consultoria gratuita com um representante.

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *