Como criar posts pilares

Para uma estratégia SEO, os post pilares podem fornecer um bom impulso para ranquear, principalmente, por trazer mais relevância para o site ou blog

Como criar posts pilares

Infelizmente, focar apenas nas palavras-chave para classificar o seu conteúdo não é mais uma grande vantagem. Acredite ou não, a arquitetura e a organização têm muita influência em como o seu post estará posicionado. Agora, não basta só ter a informação certa em algum ponto do seu conteúdo, é preciso sinalizar por meio de outros termos ao longo do texto, e isso tem muito a ver com o que chamamos de post pilar.

Imagine que você entra na pesquisa do Google em busca de informações sobre um fone de ouvido aberto bluetooth. Bem específico, não é? Se é isso o que está procurando, você faz parte dos 64% dos usuários que procuram por termos de quatro ou mais palavras.

É mais da metade das pesquisas e indica duas coisas: primeiro, que há muita gente pesquisando termos específicos. Segundo, que os especialistas em SEO precisam apostar cada vez mais em um conteúdo completo e organizado para que o usuário encontre todas as informações que precisa em um só lugar.

Neste post, vamos nos aprofundar sobre os posts pilares e como eles são a resposta para tornar o seu conteúdo completo para o Google. Continue!

O que é um conteúdo pilar?

A ordem dos assuntos não é bem-estruturada em boa parte dos sites. Claro, as palavras-chave estão ali, hiperlinks, a estrutura de títulos, etc. porém, a organização de cada tema na página não existe. 

Basicamente, a maioria das postagens é pensada de uma maneira individual. Isto é, se formos falar de marketing digital, provavelmente, só abordaremos os princípios desse assunto. No entanto, é um tema com diversos outros tópicos, informações que estarão em outros posts que não terão ligação nenhuma com o conteúdo primário. Isso sem falar em suas URLs disputando espaço nos buscadores com repetições de conteúdos.

Caso o usuário queira entender as diferenças entre Outbound Marketing e Inbound, por exemplo, ele terá que ir em outro texto, já que as informações não estão organizadas ali. Nesse sentido, encontramos um tipo de página que é a solução para esses problemas de organização e estrutura — o post pilar. Ele é um grande post que traz a resposta completa sobre um tema, dividido por grupos de tópicos acessados por links, geralmente, no início da página. É como se fosse um post base e dentro dele tivesse outros posts. Entendeu?

Nós, da Rock, temos um bom exemplo de como funciona isso: é o nosso post sobre marketing digital. Você observará que é uma página extensa, com hiperlinks logo no início que levam aos principais tópicos do texto — essa é uma boa amostra de um post pilar.

O que são páginas cluster?

O post pilar tem a característica de ser bem maior do que os posts tradicionais. Você observará que esse tipo de página não trata do tema de maneira aprofundada, para isso, ela tem os tópicos, ou melhor, as páginas cluster — conteúdos que esclarecem um aspecto específico do tema e são organizados de acordo com as palavras-chave relacionadas à principal.  

O formato desse tipo de página é bastante variável, ela pode ser tanto um blog, uma página de solução ou até mesmo uma parte do conteúdo. O objetivo é que tudo o que seja ligado ao tema principal esteja em um lugar só. Dessa forma, além de ter um post mais estruturado, a sua autoridade para os motores de busca aumenta.

Qual é a importância de um post pilar?

Segundo o meio&mensagem, 41% dos usuários aceitam a primeira resposta que aparece na página de busca. No início deste texto, usamos o exemplo do fone de ouvido, dessa vez, supomos que o usuário esteja interessado em buscar por fones abertos e fechados. 

O seu blog tem um conteúdo pilar que fala especificamente sobre fones nas primeiras colocações. Esse usuário acessa e encontra ali um tópico que fala sobre aparelhos abertos e fechados, além de se deparar com as principais diferenças e para quem é indicado cada um.

É um exemplo bem simples, mas ressalta uma das vantagens do post pilar — não é só um conteúdo completo, mas pode aparecer em pesquisas simples e atender qualquer tipo de usuário.

Como é projetado para gerar valor, ele mantém o seu blog nas primeiras posições do Google e pode ser uma ótima estratégia para o funil de vendas. Além disso, oferece alguns outros benefícios para os seus resultados, eles são:

  • o usuário passa mais tempo na página do seu site;
  • existe menos taxa de rejeição, já que se encontra o que procura no seu post, então, não há necessidade de voltar para o Google para fazer outra busca;
  • por ser um conteúdo completo, é visto como uma referência, logo, traz backlinks e muito mais compartilhamentos em redes sociais;
  • tráfego de longo prazo para o seu site;
  • conteúdo de valor;
  • altas classificações na SERP do Google.

Como fazer um conteúdo pilar?  

De maneira geral, a base para um post no seu blog ou uma página pilar não são muito diferentes. A ideia é passar uma informação, organizando ela por tópicos, mas o conteúdo pilar é bem mais extenso e aprofundado. Além disso, a sua estrutura é pensada de uma maneira diferente que um post normal. Vamos entender como você pode fazer um conteúdo como este a seguir. Continue!

Mapeamento de conteúdo

Mapear o seu conteúdo é o estágio de busca de palavras-chave utilizando ferramentas de SEO. É, muitas vezes, a principal etapa da estratégia para ranquear o post. Como estamos falando de um conteúdo pilar, você não procurará apenas por um tipo. A ideia é pesquisar a principal e as relacionadas aos assuntos complementares ligados ao tema, elas farão parte das páginas cluster.

Além disso, você não só olhará para os posts de seus concorrentes, quando se trata de páginas pilares, terá que pesquisar para o seu. O objetivo é buscar por posts antigos que possam ter relação com o tema — uma vez que é difícil escrever um novo conteúdo se não souber o que já se tem. Lembre-se de que quanto mais único for o seu post, melhor é a sua posição no buscador.

À medida que for mapeando o seu conteúdo, existem algumas coisas interessantes para se fazer:

  • ajustar os posts existentes a estratégia de post pilar — pegar o conteúdo e combiná-los, por exemplo;
  • analisar o que deixou de falar nos textos antigos que pode ser abordado nesse;
  • organizar os posts relacionados do seu blog em uma tabela. É interessante dividir entre conteúdo já feito, novo e o que entrará na página pilar.

Análise a SERP

A SERP é uma sigla para Search Engine Results Page, é a página de resultados dos buscadores e é o objetivo de boa parte das estratégias de SEO. Mas, aqui, ela não é o foco, veja mais como um complemento do que fará no mapeamento de conteúdo. A ideia é analisar quais são as páginas e, principalmente, as soluções que estão na SERP.

Esse é um momento para estudar qual tipo de perguntas são feitas sobre o tema do seu post pilar. Há trechos em destaque? Anúncios? Esses são bons indicadores para entender qual é a necessidade dos usuários.

Aproveite essa oportunidade para pegar ideias. Afinal, algumas ferramentas, como SEMrush e Moz, têm mecanismos que refletem a SERP, além de mostrar detalhes sobre o tipo de palavra-chave usada — isso é um ótimo material para desenvolver o seu conteúdo.

Padronizando o texto 

Vamos começar do básico: a estrutura e o conteúdo são os principais focos desse tipo de post, mas ela tem um padrão a ser seguido. Primeiramente, deve oferecer uma introdução, uma visão geral sobre o tema e depois, hiperlinks que levam para as páginas cluster.

Em relação ao conteúdo, as características básicas são:

  • deve responder uma pergunta ou fornecer uma solução com informações exatas e amplas;
  • precisa ser diferente em termos de detalhes dos outros conteúdos sobre o tema;
  • deve ser útil e interessante.

Linkagem interna

Para uma estratégia SEO, os links são um divisor de águas para posts padrões. Isso não é muito diferente em relação aos pilares. É por meio deles que os sites de busca conseguem avaliar a relevância e autoridade do seu conteúdo — e, acredite, isso conta muito.

Algumas das mudanças dos algoritmos do Google são totalmente focadas em links, principalmente, na linkagem interna. Se são irrelevantes para o post, pode ter certeza que influenciará como o buscador vê o seu site. Sendo assim, o cuidado deve ser dobrado ao escolher quais farão parte da sua página pilar. 

A ideia é que os links do seu conteúdo sejam posts relacionados, isso ajuda a mostrar a conexão com o que é abordado nas páginas cluster. Além disso, é importante que estejam bem-posicionados, já que cada lugar na página tem um peso diferente. Geralmente, links colocados na introdução têm muito mais importância que em outras partes.

Otimização do conteúdo pilar

Não pense que a distinção está apenas no tamanho do post ou na profundidade do tema. O SEO também deve ser pensado de uma maneira diferente dos conteúdos tradicionais. Para ficar mais fácil, a gente dividiu em pequenos tópicos para você entender melhor cada etapa. 

Palavra-chave

Demos uma pincelada durante este texto sobre as palavras-chave. O processo de escolha é o mesmo de um post padrão, exceto que se deve pensar em usar palavras-chave secundárias para as páginas cluster. 

Todas as palavras escolhidas precisam ser relevantes e, por mais longo que o seu conteúdo seja, evite usar em excesso. Sempre invista em um uso orgânico e natural para o conteúdo.

Estrutura e páginas cluster

Agora é hora de pensar em como ficará a organização do conteúdo na página pilar. O pensamento inicial é que em seu interior deve-se abordar o máximo de tópicos possíveis sobre o tema principal. 

Planeje, também, a posição dos tópicos que serão linkados à página pilar — lembre-se: se o conteúdo está completo, o usuário não pode sair de sua página para buscar mais sobre o tema. Atente-se para que os tópicos cubram os detalhes do tema e sejam relevantes.

Imagens

No caso das imagens, procure adicionar atributos alt em todas que utilizar.

Planejamento e escrita

Depois da estrutura e organização, o texto é a segunda parte mais importante do post pilar. Por ser extenso, é fundamental que o assunto seja desenvolvido de forma aprofundada. Os tópicos representam os detalhes sobre o tema, as palavras-chave escolhidas devem ser relevantes e relacionadas.

Também, atente para a qualidade e não para a quantidade. Aqui, não importa tanto chegar a 1.000 palavras por tópico, é importante entregar conteúdo de valor se quer ter um ranqueamento elevado. 

Por isso, serão necessárias atualizações recorrentes do assunto para manter a sua página na primeira posição da SERP. Afinal, o objetivo é que a página pilar seja um guia, forneça para o usuário tudo o que precisa — então, procure sempre por novidades sobre o tema para manter esse conteúdo realmente completo.

SEO

Por fim, o SEO falará mais alto na hora de escrever o texto. O foco é responder às perguntas dos usuários, por isso, o conteúdo deve ser direto e qualquer um deve ser capaz de entender sobre o assunto, nada de usar conceitos muito específicos quando se combina a redação e o SEO. Caso não tenha jeito, coloque a definição em alguma parte do texto, de preferência na primeira vez que citar o termo.

Falamos neste texto sobre o post pilar, sua importância para a estratégia de ranqueamento, além, é claro, de dar algumas dicas sobre como é possível fazer esse tipo de página. Recapitulando, é uma ótima forma de gerar valor ao seu blog ou site, mas também tornar o seu conteúdo uma referência para o mercado. No entanto, focar em um material único e bastante completo é fundamental para que a estratégia de post pilar funcione. 

Caso você seja um redator ou analista SEO e esteja procurando formas de ter mais experiência no mercado e aumentar sua renda, se inscreva agora em nosso banco de talentos!

Compartilhe
facebook
linkedin
twitter
mail
Renata Figueiredo
Briefing

Paula Peres

Renata Figueiredo
Copyediting

Thiago Murça

Gostou deste conteúdo?

Envie-o para seu e-mail para ler e reler sempre que quiser.

Posts Relacionados

Os melhores conteúdos para sua carreira freelancer, direto na sua caixa de entrada

Inscreva-se para receber no e-mail conteúdos exclusivos e em primeira mão.