O que é Freelancer? Guia completo para trabalhar na modalidade

Freelancer, ou freela, é um termo em inglês que se refere a um profissional liberal que presta serviços de modo autônomo para empresas ou pessoas, por períodos determinados de tempo. Além de ser favorecido por questões tributárias, ele tem a facilidade de conseguir trabalhos no mercado digital.

O que é freelancer

Você provavelmente já pegou um job ou outro para fazer no fim de semana ou depois do expediente. Talvez você tenha um amigo que decidiu trabalhar por conta própria, seja porque a empresa não estava pagando o suficiente, porque não aguentava mais a rotina ou porque decidiu se aventurar por outros caminhos.

Esse tipo de profissional, que tem se tornado cada vez mais comum em algumas áreas, recebe o nome de freelancer, e uma das características de quem trabalha na modalidade é a liberdade de horários e uma definição própria da carga de trabalho.

Quer entender melhor sobre o que é freelancer e nunca mais ter que responder “tô com uns projetos aí” quando te perguntarem sobre o trabalho? Eu já te dou as respostas para as dúvidas mais comuns, que são:

    Acompanhe a leitura!

    1. O que é freelancer?

    Freelancer é um profissional liberal que trabalha de forma autônoma e presta serviços para empresas ou pessoas por períodos determinados de tempo. Além de ser favorecido por questões tributárias, o freelancer tem a facilidade de conseguir trabalhos no mercado digital.

    Apesar de esse tipo de trabalho só ter se popularizado de vez nas últimas décadas, a palavra “freelance” existe desde o século XIX. A origem do termo é geralmente atribuída a Sir Walter Scott, que a usou no livro Invanhoé lá em 1819, em um trecho em que um dos personagens oferece a outro seu serviço de “lanceiros livres” — ou, no original em inglês, “free lances”.

    Nos dias de hoje, freelancer designa o profissional que trabalha por conta própria, prestando serviços para empresas ou pessoas físicas de maneira autônoma.

    Em vez dos lanceiros da idade média, hoje podemos encontrar como freelancers profissionais como designers, redatores, fotógrafos, jornalistas, programadores, músicos, pintores, profissionais de marketing, entre vários outros.

    Nota do editor:
    Quer iniciar na carreira de freelancer? Baixe o nosso ebook sobre o assunto!

    2. O que é necessário para ser um freelancer?

    2.1 Organização

    Em primeiro lugar, é fundamental ser uma pessoa bastante organizada. Como autônomo, você será responsável por tudo o que está relacionado à sua vida profissional: as tarefas a cumprir, os prazos de cada uma delas, a comunicação com o cliente, a precificação dos seus serviços, além garantir que os pagamentos estejam em ordem.

    Por isso, se você não tiver o hábito de manter tudo organizado, vai ser muito fácil se perder e prejudicar sua imagem no mercado.

    2.2 Disciplina

    Também é preciso disciplina para garantir que tudo será entregue no prazo, já que você não terá um chefe nem alguém te perguntando se tudo está em dia.

    Sem disciplina, é muito provável que você se distraia o dia inteiro e acabe trabalhando madrugada adentro para terminar tudo a tempo. Além de prejudicar o resultado final do seu trabalho, isso também faz mal para a sua saúde e sua qualidade de vida!

    2.3 Networking ou redes de contato

    Outro ponto importante para quem deseja se aventurar como profissional autônomo é ter uma ampla lista de contatos para conseguir boas oportunidades. Com esse tipo de trabalho se tornando cada vez mais comum, também estão surgindo plataformas que facilitam a vida dos freelancers das mais variadas áreas e os conectam com potenciais clientes.

    Mesmo assim, quanto mais pessoas você conhecer, maiores são suas chances de conseguir trabalhos interessantes.

    Nota do editor:
    Para aprender sobre vida de freelancer, redação web, storytelling e muito mais, confira a ementa da Imersão Freelancer e garanta seu acesso gratuito a mais de 10 horas de videoaulas que te ensinarão a ter sucesso na carreira autônoma! 😉

    2.4 Definição de um nicho de trabalho

    A carreira como freelancer é interessante porque o profissional pode trabalhar com um leque diferente de áreas ou indústrias. É bem comum que em início de carreira a gente pegue o que aparecer, já que os clientes ainda são escasos.

    Atualmente, áreas relacionadas com marketing digital e produtos digitais em geral são ótimos nichos para explorar.

    No entanto, e ao ser um mercado competitivo, definir um nicho faz uma diferença: quanto mais você se especializa na área, melhor. Se você tem experiência na indústria automobilística, por exemplo, sua produção de conteúdo vai ser mais rica e profunda, já que o conhecimento técnico é sinônimo de alta qualidade.

    Se você for designer com experiência em UI ou UX, e além disso tem fluência em línguas estrangeiras, o trabalho para empresas que desenvolvem produtos digitais a nível global é uma ótima oportunidade.

    3. É preciso ter diploma para trabalhar como freelancer?

    Depende. Algumas áreas de atuação, como engenharia ou contabilidade (nas quais é possível trabalhar de maneira autônoma prestando consultoria), exigem sim um diploma para que o profissional possa atuar.

    Em outras áreas, é perfeitamente possível prestar serviços sem uma graduação completa. Esse é o caso, por exemplo, da fotografia, do design e da programação.

    Porém, é importante entender que, mesmo que não haja nenhuma exigência legal por um diploma nessas áreas, o próprio mercado faz essa filtragem: profissionais não graduados podem ter mais dificuldade para encontrar demandas ou precisar cobrar preços menores para se manterem competitivos. De todos formas, profissionalize sua carreira freelancer, e inclua boas práticas como um processo de onboarding definido, branding apropriado e claro, contratos para não ter problemas de pagamento.

    Afinal, o diploma serve como uma comprovação a mais de que você é qualificado para aquele trabalho.

    Uma maneira de contornar essa dificuldade é montar um bom portfólio com os trabalhos que geraram os melhores resultados para seus clientes.

    Esse documento é uma seleção dos seus melhores trabalhos, que pode ser enviado a potenciais clientes para convencê-los das suas habilidades e funcionando melhor que um currículo.

    Confira um compilado de dicas e leituras para se desenvolver e ter melhores resultados como um freelancer!
    Marketing Pessoal: o que é e como trabalhar sua imagem profissional
    Personal Branding: a importância de estabelecer sua marca pessoal
    Gig Economy: entenda o que é essa tendência e como fazer parte!
    Trabalho Remoto: 8 sites e 10 dicas para ganhar dinheiro sem sair de casa
    As 13 melhores opções de trabalho de fim de semana!
    Nômade digital: o que é, como se tornar um e as principais vantagens
    Tudo o que você precisa saber sobre um profissional autônomo

    4. Qual é a diferença entre MEI e freelancer?

    O Microempreendedor Individual (MEI) foi a maneira encontrada pela legislação brasileira para regularizar a quantidade crescente de trabalhadores que prestavam serviços como autônomos e de forma individual.

    Já para quem se dedica exclusivamente ao trabalho como autônomo, isto é, é freelancer de carreira, ser MEI é uma excelente maneira de se manter em dia com as obrigações fiscais e evitar dores de cabeça com a Receita.

    Uma das principais vantagens dessa categoria para o freelancer é o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), o que permite a emissão de nota fiscal e abre uma série de possibilidades de trabalhos com empresas. A formalização traz consigo o pagamento de tributos, que garantem direitos previdenciarios, por exemplo.

    O freelancer, por outro lado é quem faz trabalhos para empresas com as quais não tem vínculos empregatícios. Estas atividades podem ser recorrentes ou esporádicas.

    Portanto, MEI é uma categoria tributária e freelancer é uma modalidade de trabalho.

    Caso você esteja se perguntando se isso vale a burocracia e os impostos, saiba que o MEI pode optar pelo Simples Nacional, o que reduz bastante a papelada, e está isento de tributos federais, como Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL.

    Se você está considerando uma carreira como freelancer, não deixe de conferir se a sua área de atuação está enquadrada como MEI e regularizar sua situação. O processo pode ser feito online pelo Portal do Empreendedor.

    E caso queira saber ainda mais sobre o assunto, acesse o nosso Guia definitivo para se tornar um freelancer MEI!

    5. Quais são as vantagens e desvantagens?

    5.1 Mais flexibilidade e autonomia

    O principal atrativo da vida de freelancer é a flexibilidade que esse tipo de trabalho propicia. Além de fazer seu próprio horário, como autônomo você também poderá trabalhar no ambiente em que preferir(em casa, em cafés, em bibliotecas), com as roupas que quiser, e poderá tirar férias quando for melhor para você.

    5.2 Em alguns casos, pode pagar mais

    Em um emprego formal, independentemente da sua carga de trabalho, o salário é o mesmo. Já como freelancer, é você que determina quanto vai receber por hora ou por demanda, e quanto mais trabalhos você pegar, mais dinheiro vai cair na sua conta.

    Dependendo da sua área de atuação e das suas habilidades profissionais, é possível aumentar consideravelmente o valor da sua hora de trabalho sendo autônomo.

    5.3 Benefícios trabalhistas

    Outro ponto negativo é que, como autônomo, você não terá direito a uma série de coisas garantidas para quem for contratado sob o regime da CLT, como 13º salário, folgas remuneradas e FGTS.

    Mais uma vez, a organização se faz necessária aqui para ser capaz de tirar férias sem passar dificuldade ou para não precisar se preocupar com a falta de dinheiro se ficar doente e incapacitado de trabalhar por alguns dias.

    5.4 Falta de estabilidade

    Por outro lado, a vida de freelancer é marcada por uma instabilidade financeira bem maior. Assim como é possível tirar um dinheiro extra se o volume de demandas for alto, também é bem provável que em um determinado período apareçam menos oportunidades e o dinheiro seja menor no fim do mês. Para se dedicar a uma carreira de autônomo, é preciso estar confortável com essa incerteza e ter uma boa organização financeira para não passar apertos apertos nesses momentos.

    6. Quais são os principais erros de quem quer ser freelancer?

    Já falamos várias vezes ao longo do texto sobre a importância da organização para os freelancers, mas também existem muitos outros erros que podem prejudicar a vida e a carreira desse profissional. Dê uma olhada em alguns deles e não corra o risco de manchar seu nome no mercado:

    6.1 Não encarar os freelas como transações profissionais

    Um erro muito comum, cometido principalmente por novatos, é não entender os trabalhos como o que eles de fato são: trabalho. Não é porque você está executando suas tarefas de pijama e com seu cachorro no colo que você pode fazer tudo de qualquer jeito.

    Por melhor que você seja no seu ofício, uma postura pouco profissional vai te tirar do mercado rapidinho. Atitudes como não cumprir prazos, não responder o seu cliente (ou dar respostas pouco respeitosas) e entregar um serviço com menos qualidade do que o combinado (seja por falta de organização ou por desleixo) vão te deixar com uma péssima reputação!

    6.2 Não ter planejamento financeiro

    Conforme já dissemos, trabalhar como freelancer traz certa instabilidade, além dos imprevistos que podem acontecer com qualquer um.

    Como a sua renda mensal é variável e você não terá apoio do seu empregador caso fique doente e precise se ausentar por uns dias, é o seu planejamento financeiro que vai te manter tranquilo nos períodos de vacas magras.

    O segredo para um bom planejamento é ter consciência de quanto dinheiro você tem, quanto vai receber e quanto e como está gastando. Essas informações são as bases para qualquer decisão envolvendo suas finanças, seja fazer uma reforma na sua casa, escolher o melhor momento para tirar férias ou até optar por almoçar fora ou pedir comida.

    Por isso, comece seu planejamento anotando todas as suas fontes de renda e todos os seus gastos, categorizando-os conforme o tipo de despesa.

    Listamos nossos principais conteúdos sobre ferramentas para impulsionar seu trabalho como freelancer ou autônomo! Confira!
    Portfólio: o que é, como fazer e exemplos para criar um portfólio
    Bullet Journal: o que é e o passo a passo de como fazer o seu
    Como usar o Guiabolso: veja como funciona esse aplicativo de finanças
    Hotmart: o que é e como funciona ganhar dinheiro com infoprodutos
    Monetizze: o que é e como funciona essa plataforma de infoprodutos
    Eduzz: como fazer o cadastro e lucrar com o programa de afiliados

    Se você está atualmente em um emprego fixo e está considerando trocá-lo por uma carreira de autônomo, uma boa ideia é fazer uma reserva financeira suficiente para 1 ou 2 meses antes de se demitir. Assim, você tem uma tranquilidade a mais para os momentos iniciais, quando ainda estiver montando uma base sólida de clientes.

    Depois que você já tiver se estabilizado como freelancer e os trabalhos estiverem vindo com certa regularidade, tente guardar uma determinada quantidade da sua renda, todo mês, principalmente se a sua área for afetada por sazonalidades. É isso o que vai te tranquilizar nos períodos de menos trabalho.

    Outra ideia interessante para fazer seu pé de meia é separar o que você pagaria de INSS e FGTS se estivesse empregado e aplicar em um investimento de baixo risco, como uma renda fixa.

    6.3 Misturar vida pessoal e profissional

    Trabalhar de casa seguindo os seus próprios horários parece um sonho para muita gente, mas guarda uma armadilha: se você não tiver cuidado, sua vida profissional irá invadir sua vida pessoal e vice-versa.

    Quando o seu ambiente de trabalho e seu ambiente de repouso são os mesmos, é difícil entender muito bem os limites de cada um. Isso pode tanto fazer com que você acabe trabalhando nos momentos de descanso quanto dificultar que você saia do “modo folga” e tenha disciplina para começar os trabalhos.

    Para driblar essa situação, muitas pessoas preferem trabalhar fora de casa, em bibliotecas, cafeterias ou espaços de coworking. Se você não quiser sair de casa para trabalhar (como é o caso de quem trabalha melhor à noite), separe um ambiente específico para funcionar como o seu “escritório”, que não se misture com sua área de lazer, e estabeleça horários claros de início e término do seu dia produtivo.

    Alguns freelancers vão ao extremo de trocar de roupa, sair de casa e entrar de novo para entrar no clima de trabalho. Por mais cômico que pareça, essa é uma boa maneira de fazer seu cérebro entender que é hora de concentração.

    Materiais e leituras recomendados para freelancers iniciantes:
    Como se iniciar na carreira freelancer
    Trabalho Freelancer: Todos os segredos desvendados!
    Redator freelancer: a sua nova oportunidade de carreira!
    Guia de Produção de Conteúdo para Web 2.0
    Como conciliar trabalho e estudos – O guia definitivo

    6.4 Esperar que os clientes caiam do céu

    Nem sempre um bom trabalho é o bastante para que você tenha projeção no mercado. Não é por acaso que mesmo as grandes empresas têm um departamento inteiro dedicado à captação de clientes: é preciso se promover para ganhar visibilidade.

    Para isso, o primeiro passo nós já mencionamos: networking. É muito provável que suas primeiras oportunidades como freelancer cheguem por indicação, seja de amigos, familiares ou (mais provavelmente) de pessoas com quem você já trabalhou.

    Aproveite os contatos feitos em experiências profissionais anteriores ou em sala de aula, com colegas e professores, caso ainda esteja na faculdade. Se estiver pensando em abandonar um emprego fixo, lembre-se de sair deixando portas abertas. Quem sabe seu antigo empregador se torna seu cliente?

    Também divulgue seu portfólio e não deixe de aproveitar as muitas plataformas que surgem a cada dia. Com uma rápida pesquisa na internet, não é difícil encontrar as melhores para o seu mercado, como a plataforma da Rock Content.

    7. Quais profissões estão em alta para trabalhar como freelancer?

    Existem diversos setores nos quais o modelo de profissional independente se encaixam bem. Alguns jobs possuem curtíssima duração, como no caso de produtores de conteúdo. Outros são mais longos e podem até mesmo durar anos, dependendo do contrato firmado com a empresa.

    Apesar dessa revolução acontecer atualmente, algumas profissões já apresentam um bom mercado para quem quer navegar pelos mares do trabalho freelancer. A seguir, conheça algumas delas.

    7.1 Redator

    A produção de conteúdo freelancer nunca foi tão valorizada quanto hoje. Com o marketing de conteúdo em alta, muitas empresas recorrem aos blogs para conquistarem mais clientes para suas cartelas.

    Com isso, há uma grande demanda por redatores no mercado, que devem aplicar, além da boa ortografia, técnicas de Searching Engine Optimization, link building, storytelling e experiência do usuário.

    Nesse setor, destacam-se os profissionais com conhecimentos em diferentes áreas e criatividade.

    7.2 Revisor

    Em uma linha semelhante à anterior, a profissão de revisor também é bastante exigida na atualidade. Afinal, é preciso passar um pente fino nos textos antes que, de fato, sejam publicados.

    Muitas vezes, como a quantidade de conteúdo criada é enorme, os redatores não possuem conhecimento aprofundado sobre o tema proposta, então pode ser uma boa ideia especializar-se em uma área específica de revisão.

    As habilidades desejadas, além das já citadas para redatores, incluem atenção, concentração e um domínio amplo da norma culta portuguesa.

    7.3 Planejador de pautas

    Outra opção é trabalhar na parte inicial da estratégia, traçando as melhores oportunidades de produção de conteúdo para os clientes!

    Isso significa fazer uma boa pesquisa sobre a palavra-chave, estudar bem a página de resultados do Google para a kw e definir qual será o tipo de conteúdo a ser produzido:

    • Tamanho do artigo;
    • Formato do artigo (lista, imagético, infográfico, etc);
    • Estágio do funil do conteúdo.

    7.4 Designer gráfico

    O setor de criação também oferece diversas oportunidades para freelancers. São muitas as peças compostas diariamente, o que abrange desde pequenas e médias empresas a grandes multinacionais.

    As imagens personalizadas são cada vez mais requeridas no ambiente de negócios. Graças a isso, a carreira como profissional independente nessa área é muito promissora. É possível criar contratos mais longos ou cobrar por peças individuais.

    É possível desenvolvê-las para diversos usos, como redes sociais, e-mail marketing, posts em blogs, websites, banners e outros materiais gráficos offline, como cartões de visita e flyers.

    7.5 Social Media

    As redes sociais são o grande filão do marketing digital atualmente. Não adianta, aquela história de que “o sobrinho consegue fazer” não engana mais ninguém. É preciso um especialista para cuidar das mídias sociais.

    Administrar páginas corporativas, criar calendários editoriais e analisar métricas valiosas para aumentar o engajamento com o público é essencial para todos os tipos e tamanhos de negócios.

    Por isso, essa é uma área cuja demanda cresce a cada dia. E há serviços para diversas plataformas, como o Facebook, Instagram, LinkedIn e Twitter. E, é claro, muitos dos jobs exigem conhecimentos em mais de uma rede.

    Para ser um freela de social media, é preciso um bom domínio do português, perfil analítico para mensurar os dados recolhidos e capacidade de interagir com as pessoas.

    7.6 Tradutor

    A tradução é outro setor com alta demanda no mercado contemporâneo. Os serviços variam, mas geralmente são voltados ao conteúdo textual, como livros, blog posts ou conteúdo interno de sites.

    Para atuar nessa área, é preciso ter conhecimento em, pelo menos, duas línguas. O português, é claro, e o idioma original do texto. Em um mundo cada vez mais globalizado, várias empresas precisam migrar para o Brasil, o que pode trazer ótimas oportunidades de trabalho.

    7.7 Arquiteto

    Mas não apenas na atmosfera de internet surgem serviços para trabalhar como freelancer. Na arquitetura, por exemplo, há uma grande demanda. Projetar e idealizar espaços exige tempo, portanto esse tipo de serviço pode gerar renda por um período mais extenso.

    O setor de construção está em constante crescimento, então a demanda é contínua. Um arquiteto deve gostar de matemática e ter habilidades artísticas, já que terá que desenhar e projetar locais internos e externos.

    7.8 Contador

    A contabilidade é um setor que oferece demanda constante. A área financeira parece ser uma das mais promissoras para se trabalhar como freela, já que exige conhecimento técnico avançado e as tarefas não podem ser realizadas por amadores.

    Sendo assim, é preciso saber elaborar demonstrações contábeis, escrituração, balanços, perícias judiciais e extrajudiciais. Ou seja, tudo aquilo que envolve o patrimônio da empresa.

    7.9 Jornalista

    Estudantes e profissionais de jornalismo possuem diversos campos para atuação. Além dos diferentes veículos, como rádio, TV, revistas e jornais, há também o jornalismo web, que apresenta grande volume de crescimento nos últimos anos.

    Nesse sentido, o profissional freelancer se encaixa muito bem. É possível, por exemplo, exercer funções à distância ou selecionar matérias específicas para confecção.

    Muitos ainda confundem essa profissão com a de redator, mas a verdade é que o trabalho de um jornalista envolve um longo processo de apuração, entrevistas, decupagem e execução do serviço.

    Um bom jornalista deve ser curioso, ter um bom domínio do português (seja qual for o setor escolhido) e saber lidar com as pessoas.

    7.10 Desenvolvedor

    O ramo da tecnologia cresce a cada dia. Graças a isso, uma geração de programadores surgiu nos últimos anos, uma profissão complexa e que exige alto grau de instrução. Por outro lado, ela é muito valorizada. Então, se você é da área de TI, pode garantir um dinheiro extra ou até viver somente como freelancer.

    Há diversos ramos, desde o desenvolvimento de aplicativos móveis, softwares, hardwares, games, back-end, front-end, full stack, programadores executivos e web. Dentro deste último, há ainda diferentes linguagens, como HTML, Java, C++, PHP, Python, Ruby, Perl e .NET.

    O requisito básico para prestar esse tipo de serviço é, claro, entender de programação, lógica, infraestrutura e banco de dados.

    7.11 Editor de vídeos

    Esse segmento também se relaciona com a produção de conteúdo. Porém, no lugar de textos, o freelancer de edição de vídeos se especializa em recursos audiovisuais.

    O consumo de vídeos na web aumenta gradativamente, sendo um dos principais formatos atualmente e com projeções otimistas para o futuro.

    Esse profissional precisa ser criativo e, é claro, saber utilizar softwares de edição de vídeos, como Premiere, Final Cut e Sony Vegas.

    7.12 Professor

    Uma das profissões mais antigas do mundo também se adequou ao contexto moderno. O mais legal é que a internet possibilita que profissionais de diversas áreas possam repassar o seu conhecimento sobre o assunto o qual dominam, mesmo à distância.

    O trabalho de um professor inclui o ensino de idiomas, disciplinas escolares e até mesmo aperfeiçoamento em setor do mercado. Investir em aulas online ou presenciais pode ser um ótimo caminho para alcançar o sucesso como professor independente.

    Agora que você já sabe tudo sobre a vida de freelancer, chegou a hora de descobrir apostar na carreira. Faça parte da nossa comunidade e produza conteúdo para as melhores marcas sem burocracias e com foco no seu talento!

    Compartilhe
    facebook
    linkedin
    twitter
    mail

    Gostou deste conteúdo?

    Envie-o para seu e-mail para ler e reler sempre que quiser.

    Posts Relacionados

    8 tendências de design que dominarão 2022

    alt Guilherme Pimenta
    out 18 | Leitura: 8min

    Os melhores conteúdos para sua carreira freelancer, direto na sua caixa de entrada

    Inscreva-se para receber no e-mail conteúdos exclusivos e em primeira mão.