Playbook para Freelancers da Rock Content: o guia completo sobre as modalidades de produção

Todas as principais informações que você precisa saber sobre as modalidades de produção da Rock Content reunidas em um só lugar. Confira o Playbook para Freelancers!

Playbook para Freelancers

Quando falamos nas modalidades de atuação dos freelas da Rock, costumam surgir dúvidas sobre o que a rotina de trabalho exige de cada um desses profissionais. Pensando nisso, decidimos reunir, em um só lugar, um guia sobre como cada freela deve desempenhar a sua função da melhor forma possível.

Abordamos neste Playbook para Freelas da Rock as modalidades de Planejamento, Redação, Transcrição, Email Marketing, Revisão e Diagramação. A tendência é que este texto seja atualizado com frequência, a fim de abordar as novas ofertas que surgirem. 

Este conteúdo serve, inclusive, como material complementar a outros, por exemplo:

Boa leitura!

[toc title=””]

1. Guia do Freela de Planejamento

Processo de produção de pautas

O que é uma tarefa de pauta

A tarefa de pauta fica disponível nas nossas plataformas, sendo criada pelo moderador ou pelo cliente do projeto, para que os freelas de planejamento possam elaborar uma ou mais, de acordo com a necessidade da estratégia. A pauta é importante, pois serve como um guia para direcionar a produção do conteúdo — que será escrito na etapa seguinte do processo. 

A pauta é relevante para a estratégia e para o alinhamento interno entre planejamento, redator e cliente. Visto que é a partir da pauta que o texto será elaborado, todas as informações dela podem impactar diretamente a produção do conteúdo e também a expectativa que o cliente tem em relação ao conteúdo.

Portanto, é crucial seguir as orientações que são passadas para a criação da pauta e também seguir as boas práticas que recomendamos.

Todas as tarefas de pauta são criadas com base no mapeamento de conteúdo. Trata-se de um documento trimestral criado pelo moderador responsável pelo projeto e validado pelo cliente, abordando quais serão as palavras-chave, os direcionamentos e as personas usadas em cada um daqueles 3 meses.

Portanto, há um alinhamento antes de a tarefa de pauta ser criada e disponibilizada para a base.

O que um freela de planejamento faz

O freela de pauta é responsável por pegar a tarefa em uma de nossas plataformas, escrever a(s) pauta(s) seguindo as informações básicas e entregar ao moderador ou diretamente ao cliente, para que este siga com a aprovação. Após a pauta ser aprovada, seguimos para a etapa de produção do conteúdo.

O que esse freela deve entregar

O freela de planejamento deve entregar as pautas que foram solicitadas, com as informações mais importantes, formulando o direcionamento para o redator e garantindo o alinhamento com as expectativas do cliente quanto ao conteúdo que receberá.

As pautas devem conter, obrigatoriamente, estas informações:

  • título;
  • persona escolhida;
  • estágio do funil;
  • a CTA que deve ser usada no final do texto;
  • descrição completa;
  • referências;
  • palavra-chave e palavras-chave secundárias (se houver).

Não podemos esquecer de informar o tipo de conteúdo que será escrito pelo redator e a quantidade de palavras. Essas informações darão base para o responsável pela redação se organizar em relação à estrutura do texto.

Os tipos de pauta

Trabalhamos com vários tipos de pautas, que são escolhidos de acordo com:

  • a estratégia do cliente;
  • o segmento em que ele atua;
  • as necessidades que são identificadas ao longo do projeto;
  • o plano que ele adquiriu na Rock.

Vale ressaltar que, como mudamos constantemente aqui na Rock, novos formatos de conteúdo surgem e podem não estar listados a seguir. Portanto, é sempre interessante que o freela procure conteúdos no blog Comunidade Rock Content e recorra ao moderador do projeto para tirar dúvidas ou caso precise de ajuda.

Todas as pautas trabalhadas atualmente devem conter, principalmente, o título, a indicação da persona, o estágio do funil e um tipo de conteúdo. Abaixo seguem os modelos de pauta com os quais trabalhamos atualmente. Confira:

  • regular de 500, 1000 ou 1500 palavras: nesse modelo, o freela deve incluir todas aquelas informações para direcionar a produção do redator (título, persona, estágio do funil, CTA, descrição, referências e palavra-chave). É um tipo de pauta considerado mais básico;
  • regular de 2 mil ou 3 mil palavras: aqui também usamos o modelo de template tradicional, mas, além das informações habituais, o freela deve fazer uma lista com os links obrigatórios ao longo do texto e os termos que devem ser usados ao lincar. Também é esperado que o freela coloque uma sugestão de apresentação do texto, em tópicos, contendo a introdução, sugestões de intertítulos a serem trabalhados ao longo do conteúdo e a conclusão;
  • extensão: esse tipo de conteúdo é recomendado para clientes que têm o texto publicado no blog há pelo menos 6 meses. Na extensão, geralmente acrescentamos 500 ou 1000 palavras ao conteúdo, atualizando o que já foi escrito, ajustando os intertítulos e acrescentando novas informações.

É recomendável que o título não seja alterado e que o freela de planejamento indique o link do texto original, a quantidade de palavras dele, quantas palavras serão acrescentadas e o tamanho final mínimo esperado.

Com essa estratégia, temos a possibilidade de melhorar a performance do conteúdo no Google e o rankeamento das palavras-chave.

Conteúdo avançado é um tipo de conteúdo extremamente valioso, pois uma entrevista é usada como principal referência para a sua produção. Podem ser trabalhados conteúdos de topo, meio ou fundo de funil, de maneira mais profunda, detalhada e técnica.

Além das informações básicas, a pauta de conteúdo avançado deve ter sugestões de intertítulos e referências que poderão complementar a entrevista. Também é interessante incluir sugestões de perguntas para o entrevistado responder.

Ebook — pode ser avançado — é um tipo de material rico. Com ele temos, por exemplo, a possibilidade de captar leads por meio de uma landing page no site do cliente, coletando informações como nome, email, telefone, entre outras.

A pauta de ebook deve conter uma descrição geral, explicando o objetivo dele e, em seguida, uma introdução, os intertítulos que serão trabalhados e a orientação sobre a conclusão. Os tópicos devem ser detalhados, apresentando referências específicas sobre os assuntos tratados. 

É importante indicar referências gerais sobre o assunto do ebook para direcionar a produção do redator. 

Um ebook também pode ser avançado, sendo que a diferença consiste na realização de uma entrevista como referência e o freela de pauta pode pontuar as perguntas que serão feitas, como no conteúdo avançado.

Fluxo de nutrição é a etapa seguinte ao ebook. Após o material ser baixado, podemos começar a enviar uma série de emails para nutrir aquele lead e ter a possibilidade de convertê-lo de alguma forma.

Ao fazer o fluxo, o freela de pauta deve escrever qual é o objetivo daquele fluxo de nutrição e indicar o teor das mensagens dos emails que serão enviados na sequência, seguindo os modelos do template e o estágio do funil indicado para cada email.

Descrição de produto ou categoria é um tipo de pauta mais usado por clientes que têm um e-commerce junto à sua estratégia.

Ao escrever uma pauta de descrição de produto ou categoria, o freela de pauta deve passar as informações sobre aquele item, lembrando que a CTA sempre deve indicar o link para a venda do produto. Além disso, é recomendado usar palavras-chave secundárias para complementar a estratégia.

Conteúdo avançado é um tipo de conteúdo extremamente valioso, pois uma entrevista é usada como principal referência para sua produção. Ele podem ser de topo, meio ou fundo de funil, apresentando informações de maneira mais profunda, detalhada e técnica.

Além das informações básicas, a pauta de conteúdo avançado deve conter sugestões de intertítulos e referências que poderão ser usadas para complementar a entrevista. Também é uma boa prática apresentar sugestões de perguntas para o entrevistado responder na etapa seguinte.

Infográfico é um outro tipo de material rico que pode ser usado para complementar algum texto ou ser baixado em uma landing page, por exemplo. É recomendado que o infográfico tenha um CTA que não envolva hiperlink, como sugerir compartilhamento nas redes sociais. 

O freela precisar fazer uma descrição completa de como deve ser aquele material, apresentando o objetivo e acrescendo as informações do template para direcionar a produção.

Material rico rápido. Existem 3 tipos de material rico rápido e todos têm 500 palavras. Podemos trabalhar com checklist, guia rápido ou passo a passo, dependendo da estratégia do cliente.

Em todos os casos, o planejador deve incluir uma descrição do objetivo daquele material e listar tópicos que devem ser trabalhados, além da introdução e da conclusão.

Guest post é uma pauta estratégica para as duas empresas envolvidas. Uma delas escreve sobre determinado assunto para outra, e vice-versa. Na pauta, é preciso seguir o padrão normal de título, descrição, palavras-chave e referências, além de colocar o template que seguimos, para orientar o redator.

Responsabilidades do Freela de Planejamento

Estruturar o conteúdo 

Como já vimos, o freela de pauta é responsável por ajudar o redator na estruturação do conteúdo por meio das informações enviadas na pauta. Portanto, é importante produzir descrições completas, com uma linha de raciocínio coerente, mas, ao mesmo tempo, sem engessar o trabalho do redator e sem a famosa “encheção de linguiça”.

Pesquisar referências 

A parte das referências de uma pauta é crucial para a elaboração do conteúdo. Afinal, é com base nelas que o redator entenderá melhor o assunto para escrever o texto. Dessa forma, confira algumas dicas para escolher bem as referências de uma pauta:

  • priorize as que estão mais atualizadas — sugerimos escolher referências que tenham no máximo 5 anos e ter atenção em relação às referências que sempre passam por mudanças e atualizações, como as da área de medicina, leis, entre outras.
  • opte por referências de sites confiáveis — a Wikipédia, por exemplo, não é confiável, pois qualquer um pode acessá-la e editar as informações;
  • conforme o tamanho do conteúdo for aumentando, a quantidade de referências deve acompanhar — por exemplo, 5 referências para um texto de 500 palavras, 8 para um de 1000 e assim por diante;
  • evite referências de sites que são concorrentes do seu projeto. Entretanto, caso seja necessário lincá-las na pauta, lembre-se de orientar o redator — na descrição — a não citar ou inserir esses links ao longo do conteúdo;
  • todas as sugestões de referências previstas para as ideias daquele projeto precisam ser contempladas na pauta;
  • as referências da pauta devem contemplar todos os tópicos sugeridos na descrição. Logo, se houver 3 dicas na pauta, as referências precisam abranger, pelo menos, essas sugestões;
  • se for colocar um arquivo de PDF como referência, pontuar quais páginas devem ser lidas pelo redator e em quais tópicos ou capítulos aquelas informações devem ser utilizadas.

Analisar o funil do cliente

Por último, mas não menos importante, o freela de pauta deve entender sobre funil de vendas e como ele impacta a estratégia do cliente e as pautas. Afinal, o estágio do funil de um conteúdo influencia diretamente no tom de voz que será trabalhado, nas informações passadas, na CTA escolhida e nos eventuais resultados para o leitor.

Critérios de avaliação

Para ser um freela de pauta na Rock, você precisa passar por um processo de candidatura, sendo avaliado por um Analista de Sucesso do Freelancer. Quando há a aprovação, o freela entra em nossa base e a equipe de Talent Network auxilia com a verificação da possibilidade de incluí-lo nos projetos.

Em casos de reprovação, o freela pode realizar uma nova tentativa dentro de 48 horas e recebe um feedback para auxiliá-lo nas próximas tentativas.

Durante o processo de avaliação da candidatura de pauta, nós seguimos alguns critérios para estabelecer a qualidade da tarefa de teste daquele freela para entendermos se ele está apto a atuar nas nossas plataformas.

Esses critérios estão relacionados com o entendimento da tarefa que foi passada, a qualidade das pautas (escolha das palavras-chave, detalhamento da descrição, elaboração de um título criativo e estratégico, adequação à persona e ao tema) e a qualidade geral da entrega. O freela recebe um feedback da sua candidatura com base em todo o trabalho que foi realizado. 

2. Guia do Freela de Redação

Processo de produção de redações

Todo cliente da Rock Content passa pelo processo de construção da estratégia, definição da persona e, frequentemente, planejamento do conteúdo. Então, chegamos à etapa de produção dos materiais, que demandam diferentes formatos de acordo com o plano de cada projeto.

Um redator completo consegue entender a finalidade de cada tipo de conteúdo e adaptar linguagem, estrutura e abordagem a fim de entregar valor ao cliente, oferecer melhor experiência ao usuário e gerar mais resultados na estratégia de Marketing de Conteúdo.

O que é uma tarefa de redação

Ao acessar a plataforma, o redator encontra convites para tarefas relacionadas à categoria em que foi habilitado. Antes de iniciar a produção, é importante conferir o tamanho da tarefa e o prazo de produção — a fim de fazer um planejamento adequado —, além de verificar as orientações da pauta.

Ler atentamente a pauta antes de pegar a tarefa é fundamental para garantir familiaridade e domínio com o assunto.

Alguns formatos de conteúdo são mais comuns nas nossas plataformas. Veja:

  • blog post: são textos destinados ao blog de cada cliente, com tamanhos variados, definidos a partir do número de palavras — 500, 1000, 1500, 2000 e 3000;
  • ebook: material rico que, após a produção, passa pela etapa de diagramação. O ebook tem a finalidade de captar leads que serão qualificados posteriormente;
  • landing page: ao acessar a página de download do ebook, o usuário encontra uma página com um texto breve que resume o conteúdo do material e o convida para realizar o download;
  • conteúdos de email: são utilizados para qualificar leads ou reforçar o posicionamento da marca;
  • infográfico: material rico, de leitura rápida, com informações relevantes, como estudos, pesquisas etc. Por ser diagramado, promove uma leitura ainda mais dinâmica, o que auxilia no engajamento e na retenção de leads;
  • extensão de conteúdo: são blog posts que já foram postados e, por gerarem bons resultados, devem ser estendidos e atualizados. Além de entregar uma melhor experiência ao leitor, indica ao Google que a página traz informações novas;
  • conteúdo avançado: pode estar em diferentes formatos, mas é um tipo de conteúdo em que a principal referência é uma entrevista concedida pelo cliente ou outra pessoa considerada autoridade no assunto;
  • transcrição de áudio: as entrevistas feitas para um conteúdo avançado são gravadas e devem ser transcritas. Após isso, a transcrição é delegada ao redator para servir como fonte de pesquisa;
  • roteiro de vídeo: é a estrutura prévia de um vídeo que relaciona o áudio e a imagem com o tempo. Posteriormente, o vídeo será produzido e distribuído.

O que um freela de redação faz

O redator tem um papel importante no sucesso da estratégia de Marketing de Conteúdo de cada cliente. Isso porque, cada vez mais, o Google valoriza a qualidade do conteúdo como critério de rankeamento das páginas.

Um bom conteúdo é aquele que traz informações relevantes para o leitor, tem recursos de escaneabilidade e apresenta uma escrita clara e fluida, além de estar isento de erros gramaticais e ortográficos.

Por isso, o redator não tem a função única de escrever textos. Na verdade, o primeiro passo desse profissional é entender a finalidade do conteúdo, assim como as principais dores da persona. A partir disso, o freela deve conferir as referências, fazer pesquisas externas e entregar informações relevantes e seguras aos leitores.

Tudo isso garante que a persona terá uma boa experiência no blog do cliente, elevando a autoridade da marca nos mecanismos de pesquisa e tornando-a uma fonte confiável com respeito ao assunto tratado.

O que esse redator deve entregar

Diante dos diferentes formatos de conteúdo, o redator deve entregar textos com estrutura, linguagem e abordagem adequados a cada um deles. Além disso, todo conteúdo deve estar alinhado à estratégia do cliente, assim como às principais dores da persona, que serão sanadas com o material que está em desenvolvimento.

Outro fator determinante nas entregas é o cumprimento das exigências de SEO. Para isso, a palavra-chave deve ser inserida de forma estratégica e natural, os hiperlinks precisam ser coerentes com o contexto da abordagem e os intertítulos devem ser convidativos e descritivos, assim como a CTA, que precisa levar o leitor a dar o próximo passo na interação com o blog.

A junção de todos esses fatores resulta em uma boa experiência para o leitor, e esse é o principal fator valorizado pelo Marketing de Conteúdo. Desse modo, o atendimento das técnicas de SEO e a relevância e a adequação das informações apresentadas engajam os usuários com a marca e promovem o sucesso da estratégia.

Responsabilidades do Freela de Redação

O redator é peça fundamental na estratégia de Marketing de Conteúdo. Além de entregar materiais de qualidade, é importante que o profissional trabalhe a fim de oferecer uma boa experiência ao leitor. Diante disso, é preciso cumprir algumas etapas que garantem o alinhamento da produção.

Atenção à pauta

A pauta é o principal norte de desenvolvimento do conteúdo. Ela deve ser considerada fielmente na etapa de produção, já que descreve o que foi pensado no momento do planejamento, tendo sido previamente aprovada pelo cliente.

Isso significa que todas as orientações descritas ali estão alinhadas às necessidades da persona e adequadas à estratégia de Marketing de Conteúdo do cliente. As referências presentes na pauta devem ser utilizadas, mas o redator pode — e deve — buscar dados externos para complementar ainda mais a relevância do material.

Importante: se houver Social Posts no plano do cliente, cabe ao freelancer de redação produzir as chamadas disponíveis na tarefa — levando em conta a quantidade mínima de 80 caracteres por legenda para rede social.

Qualidade da escrita

Ter o domínio da escrita é essencial para transmitir a informação de forma clara e construtiva. Isso é importante porque uma leitura fluida resulta em uma melhor experiência para o leitor e, consequentemente, faz com que ele se engaje mais facilmente com os materiais disponibilizados pela marca sobre a qual o redator está escrevendo.

Para melhorar constantemente a qualidade da escrita, podemos apontar algumas boas práticas, como:

  • adote o hábito da leitura na sua rotina;
  • separe um tempo para escrever e evite fazer essa atividade às pressas;
  • após concluir a escrita, leia o texto em voz alta;
  • faça uma revisão minuciosa do material;
  • utilize corretores ortográficos;
  • acompanhe o blog da Comunidade Rock Content.

Originalidade

Antes de falar sobre originalidade, é fundamental entendermos o que configura o plágio: a prática descreve a cópia de qualquer ideia, abordagem etc. Todo elemento textual que não for de sua autoria é um plágio. Um texto traduzido, por exemplo, configura plágio, assim como a cópia da estrutura de um conteúdo, entre outros casos.

Essa prática, além de comprometer o trabalho do redator na plataforma da Rock Content, também pode ocasionar problemas jurídicos e impactar negativamente a marca do cliente.

Todo conteúdo entregue aos clientes da Rock Content deve ser 100% original. Isso significa que o redator deve construir os materiais a partir de referências, pesquisas, seu conhecimento e sua experiência com o assunto

Sempre que houver necessidade de citar alguma informação de outra fonte, como leis, estudos, pesquisas, entre outras, é essencial lincar o dado para o material de origem.

Pesquisa

Ainda que toda pauta esteja acompanhada de referências selecionadas na etapa de planejamento do conteúdo, faz parte do trabalho do redator ir em busca de materiais complementares, que tornarão o conteúdo ainda mais rico e relevante.

Por isso, as referências têm a finalidade de nortear o conteúdo, mas não devem limitá-lo. Uma boa prática é pesquisar dados complementares, como pesquisas e estudos, que transmitem mais credibilidade ao leitor.

Entretanto, durante o processo de pesquisa, é essencial ter atenção à origem da informação. Sabemos que nem todas as páginas disponíveis na internet tem procedência confiável, por isso, a veracidade da informação deve ser garantida pelo redator. 

Outro fato que requer atenção é a data de publicação: evite referências antigas e sempre preze por conteúdos publicados recentemente, já que, desse modo, as informações estarão mais atualizadas.

Realização dos ajustes

O ajuste é uma das partes mais importantes do processo de produção. Isso porque o redator consegue rever o seu texto a partir da visão de outros profissionais, como o revisor ou o analista da Rock Content ou, até mesmo, o próprio cliente.

O pedido de ajuste vem acompanhado de um feedback que descreve quais pontos do texto devem ser revistos e corrigidos. Após o pedido, o redator tem 24 horas para atendê-lo. Caso o prazo não seja cumprido, a tarefa pode ser cancelada e delegada a outro redator.

Critérios de avaliação

Toda redação passa por algumas avaliações durante o processo produtivo. A finalidade é apontar o desempenho do redator durante a tarefa, assim como sua adequação ao projeto para o qual está escrevendo. Os principais critérios considerados ao avaliar uma tarefa são:

  • adequação do material em relação ao que foi pedido na pauta;
  • relevância das informações apresentadas;
  • qualidade da escrita.

Na RC1 (antiga plataforma da Rock Content), as tarefas são avaliadas entre 1 e 5 estrelas. Já na RockStudio (a nova plataforma), as tarefas recebem uma nota entre 0 e 10.

Além da nota, o time de analistas e o de Talent Network acompanham outros fatores inerentes ao trabalho dos freelancers, como pontualidade, comportamento, relacionamento, utilização dos recursos da plataforma, cumprimento dos ajustes, entre outros.

Atender a um prazo é muito importante para a eficiência da estratégia de Marketing de Conteúdo do cliente. Isso porque todo blog tem um calendário editorial e deve manter a recorrência das publicações para continuar gerando bons resultados. Quando um conteúdo não é entregue no prazo, esse calendário de publicação pode ser impactado.

Sendo assim, antes de iniciar qualquer tarefa, confira o prazo de produção e faça seu planejamento. Porém, caso precise de um tempo maior, basta procurar o moderador responsável pela tarefa e negociar a entrega.

Lembrando que abandonos ou expirações não justificadas podem impactar negativamente a permanência do redator no time de favoritos do projeto ou até mesmo na plataforma.

3. Guia do Freela de Transcrição

Processo de transcrições de entrevistas

Antes de falarmos sobre a transcrição em si, para que você entenda melhor o contexto, é importante saber a qual dos times da Rock a oferta de transcrição de áudio pertence.

A transcrição de áudio é um dos processos da equipe de produção avançada (ou conteúdo avançado), que faz parte do time de conteúdo e tem como objetivo principal a realização de entrevistas.

Um conteúdo avançado, portanto, permite estabelecer uma relação mais próxima com os clientes e contempla, sobretudo, as 4 seguintes demandas:

  • personas complexas: dependendo do nível de conhecimento e da tecnicidade da nossa persona em sua área de atuação, só é possível conversar com ela por meio de um conteúdo baseado em entrevistas. Isso ocorre porque, em muitos casos, as informações dispostas na internet não se consolidam como referências suficientes;
  • temas técnicos: quando um redator se depara com assuntos excessivamente técnicos, complexos ou polêmicos, fica difícil explicar o assunto de forma clara e didática. Nesse contexto, profissionais e autoridades no tema podem contribuir com diversos tipos de analogias, experiências e conhecimentos durante uma entrevista, o que ajuda a suavizar as informações que farão parte do conteúdo;
  • projetos com necessidades específicas: mesmo que a persona e os temas a serem tratados não sejam tão complexos, existem particularidades que podem sugerir a necessidade de uma entrevista, em virtude do perfil do cliente. Alguns exemplos são:
  1. a alta exigência em relação à personalização do texto;
  2. o tipo de autoridade que se pretende atingir;
  3. a flexibilidade necessária no processo de produção dos conteúdos.
  • assuntos com abordagens específicas: como, aqui na Rock, a produção dos conteúdos é bastante diversificada e pode ser voltada para diferentes etapas do funil de vendas, pode ser que a expectativa de determinados clientes em relação a alguns textos não sejam contempladas. Assim, a entrevista cumpre um papel de alinhamento, dotando o texto de um caráter mais autoral e atendendo aos anseios dos nossos clientes.

Em resumo, o conteúdo avançado cumpre um importante papel: ele torna possível falar de assuntos sobre os quais não há muitas fontes disponíveis na internet, realizando a ponte entre profissionais com conhecimento técnico e redatores extremamente capacitados.

Para que essa ponte dê certo, além de uma entrevista completa, uma boa transcrição é fundamental!

O que é uma tarefa de transcrição

Quando uma entrevista é feita e um áudio é gerado a partir dela, uma das principais dificuldades está no processo de transcrição. Esse momento é especialmente complexo no marketing de conteúdo porque não basta reproduzir as palavras que foram ditas pelo entrevistado. É crucial entender as principais ideias da fonte e organizar um material de transcrição completo!

Principalmente em entrevistas mais extensas, é comum que as conversas percam o rumo e, por vezes, não respondam ao que foi apontado na pauta. Em outros casos, além disso, pode ser que o entrevistado repita a mesma informação em diferentes trechos. Isso ocorre sobretudo quando o assunto é mais técnico e o interlocutor quer reforçar algum ponto.

No texto escrito, em contrapartida, essas redundâncias não têm muito sentido. Dessa forma, o ideal não é apenas transcrever o que foi dito de forma literal, mas também reorganizar alguns trechos para que o material resultante da entrevista faça sentido.

Uma boa analogia que costumamos utilizar é a de que a transcrição é um material de estudo feito com base no que foi aprendido no momento da entrevista. Dessa forma, assim como se você estivesse estudando para uma prova, é importante organizar as informações e ajustar alguns possíveis desvios do professor durante a explicação da matéria.

O peso da entrevista em uma pauta de conteúdo avançado

Tão primordial quanto selecionar as melhores palavras para a produção de um artigo é consolidar as melhores referências para embasar as informações que serão apresentadas nele.

É com isso em mente que, aqui na Rock, a maioria das pautas é produzida por analistas de planejamento ou freelancers da categoria, que são profissionais treinados para organizar as instruções de um texto de acordo com as estratégias e as especificidades de cada cliente.

Dar a devida atenção a esse momento facilita a vida de toda uma cadeia de produção, o que afeta positivamente o trabalho de redatores, revisores, analistas, designers e, consequentemente, dos clientes.

Nas pautas de conteúdos com entrevista, no entanto, a consolidação do material é uma tarefa um pouco mais complexa. Isso porque, além das referências de outros artigos, esse tipo de pauta deve contar com mais uma fonte específica de informações: a entrevista.

Resultante de uma conversa entre um produtor editorial da Rock e uma autoridade no tema abordado — indicada pelo cliente —, esse material tem como objetivo apresentar algumas das principais informações que devem estar presentes no artigo final. Por conta disso, é imprescindível que ele seja organizado de maneira clara e que reproduza fielmente as informações repassadas pela fonte.

Nos conteúdos avançados, esse material se consolida como o principal guia para a produção do texto, já que ele é feito com base na pauta e pensado para embasar o trabalho do redator.

Por que as transcrições passaram a ser delegadas

Até dezembro de 2018, todas as transcrições eram feitas pelos produtores editoriais da Rock, que são justamente os profissionais que realizam as entrevistas. Isso evidentemente trazia alguns benefícios, mas gerava também certas dificuldades.

Por serem os profissionais que estudam sobre os temas tratados para elaborar as perguntas e conduzir as conversas, os jornalistas já tinham uma ideia de como o material deveria estar quando a entrevista acabava. Sendo assim, eles já partiam para a transcrição sabendo o que era para ser cortado.

Por outro lado, ainda que feito internamente por um bom tempo, esse processo ocupava muito esses profissionais, já que eles poderiam estar fazendo outras entrevistas nesse tempo e atendendo a mais clientes.

O fator chave, em meio a esses prós e contras, foi que já sabíamos da qualidade da nossa base de freelancers e das experiências com transcrição que alguns de vocês já tinham. Assim, esse foi um aspecto preponderante para que a Rock decidisse começar a delegar as tarefas da categoria.

Mas isso não seria feito sem antes estruturar um processo sério e instrutivo para os freelancers dessa categoria, já que, por melhor que você seja, é um tanto mais difícil fazer uma transcrição de uma conversa na qual você não estava presente, certo?

Responsabilidades do Freela de Transcrição

A partir do momento em que você pega uma tarefa de transcrição — que, normalmente, varia de 7 a 70 minutos —, fica responsável por entregar um material que municie a produção do artigo de forma satisfatória. Cada tarefa se baseia em uma forte relação de confiança entre quem delega e quem desempenha o que foi proposto.

Dessa forma, é importante ter isso em mente na hora de pegar esse tipo de tarefa. Como o tempo estipulado por nós para a conclusão de uma tarefa de transcrição é, em média, o dobro do tempo do áudio, você deve sempre se planejar para assumir tal demanda.

Vale ressaltar que, em geral, o prazo que damos para o cumprimento das tarefas é de 1 ou 2 dias úteis. Ele possibilita que, com uma boa organização, o freelancer da categoria consiga encaixar essa demanda em meio aos compromissos do cotidiano e, por conta do tempo de sobra, desempenhe um bom trabalho.

Também vale destacar que para ser freela é necessário aceitar um termo de confidencialidade. Por isso, é importante manter sigilo em relação aos projetos e, no caso específico das tarefas de transcrição, às informações mais agudas transmitidas pelo entrevistado. Esse é um pressuposto básico para quem deseja trabalhar como freelancer para a Rock.

O que esse freela deve entregar

Visando instruir quem tem interesse em pegar tarefas desse tipo, em setembro de 2018 fizemos um webinar sobre transcrição para explicar os pontos fundamentais dessa oferta. 

Nessa apresentação de pouco mais de uma hora, constam algumas das informações mais importantes sobre a categoria. Portanto, caso se interesse pelo assunto e ainda não tenha visto o webinar, recomendamos fortemente que você se aventure por lá.

De maneira resumida, as principais demandas e atribuições de um freelancer de transcrição de áudio que foram tratadas por lá são:

  • ter atenção às orientações da tarefa que são inseridas pelos produtores editoriais;
  • entregar a tarefa no prazo determinado;
  • seguir os critérios de qualidade e as orientações apresentadas no webinar (falaremos sobre isso daqui a pouco);
  • ficar atento a feedbacks de melhoria dos produtores editoriais e trabalhar em cima deles;
  • buscar fazer mais do que uma transcrição literal;
  • pensar sempre se você, como redator, gostaria de receber as informações estruturadas daquela forma.

Qual software utilizar para fazer a transcrição de áudio

É claro que, conforme realizar as transcrições, cada um vai encontrar seu próprio estilo e a forma que achar mais confortável de desempenhar o processo. Uns, por exemplo, preferem colocar o áudio em uma velocidade maior (para pausar com frequência), enquanto outros optam pelo áudio desacelerado — para transcrever simultaneamente, sem interrupções.

E ambas as opções são válidas! Sem querer entrar no mérito de qual formato seria certo ou errado, nós temos ciência de que, em meio a todas essas escolhas, o que importa, na verdade, é um bom resultado. Desse modo, você é livre para fazer da forma que julgar mais eficiente.

O que indicamos, em meio a isso, é apenas a utilização do software otranscribe, que permite controlar o som e digitar o texto na mesma página. Com essa ferramenta, você pode alterar a velocidade do áudio com facilidade, pausar (e despausar) com a tecla ESC e fazer um trabalho mais dinâmico, independentemente da sua forma de trabalhar.

Depois que a transcrição é finalizada por lá, é só passar o material por um editor de texto para ajustá-lo aos padrões da Rock, e, finalmente, submetê-lo na plataforma. O envio pode ser feito colando o texto transcrito no campo de redação ou até mesmo inserindo o link de um arquivo do Google Drive, o que também é bastante prático.

Critérios de avaliação

Quando a oferta de transcrição de áudio estava em consolidação, levantamos e reunimos internamente os principais pontos que, com base na prática desse processo, seria importante que os freelancers observassem.

Por conta do fato de que grande parte do time vem de um contexto jornalístico, em que, normalmente, o que se espera das transcrições são apenas as informações objetivas, o ponto mais ressaltado nessa conversa (e nos alinhamentos posteriores) foi de que a transcrição para o marketing de conteúdo se difere bastante da jornalística.

Isso porque as informações consolidadas na transcrição da Rock não vão servir de base para matérias tradicionais, mas sim para conteúdos que apresentam um assunto específico e buscam imprimir o discurso e a linguagem de um determinado cliente. 

Levando em conta que tudo isso ainda deve ser adaptado de acordo com as melhores práticas para a produção de conteúdo, o que é fundamental para que o texto performe bem e o blog do cliente tenha resultados positivos com a Rock.

Diante dessas reflexões, levantamos 6 critérios para determinar se uma transcrição de áudio foi realizada com qualidade. Veja:

  1. não se ater somente aos fatos: como dissemos, no marketing de conteúdo não são só as informações objetivas que importam. Desse modo, é fundamental focar o “como” e o “porquê”, ajudando o redator a entender o assunto;
  2. valorizar os exemplos dados pelas fontes: os exemplos têm importante papel na fala de um entrevistado e, contanto que sejam considerados relevantes em relação à pauta, devem estar presentes no material;
  3. não se esquecer de considerar a persona e o funil de vendas: assim como em todas as outras tarefas disponibilizadas pela Rock, essas informações são imprescindíveis para uma boa entrega;
  4. cortar vícios de linguagem e corrigir erros de português: em determinados trechos, o entrevistado pode não se expressar bem ou não conseguir concluir um pensamento de forma fluida, o que não impede que você refine explicação. O importante não é transcrever de forma literal, mas de forma que faça sentido para o redator;
  5. adequar o material aos padrões de texto da Rock: além do que mencionamos, outro aspecto muito importante é que, quanto mais os materiais seguirem o guia de estilo da Rock, melhor e mais eficiente será o trabalho do redator. Portanto, mesmo que o documento de transcrição não seja o texto final, é sempre importante estar atento ao Guia de Estilo da Rock;
  6. tomar o devido cuidado com as informações em off repassadas pelo entrevistado: por serem conversas, em alguns casos bastante longas, a fonte pode abordar outros aspectos e informações que ele conta apenas por uma relação de proximidade com o entrevistador. Assim, é importante cortar informações com essas características.

De modo geral, não há muitos segredos em relação às tarefas de transcrição. Como explicado, elas são pontes que ligam um profissional com conhecimento técnico a um redator que quer entender melhor sobre o assunto.

Sendo assim, mais do que se atentar aos detalhes, o principal ponto é se colocar no lugar do outro. E esse movimento deve se dar tanto em relação ao entrevistado, que é a fonte das respostas, quanto em relação ao redator, que receberá o material para escrever.

Com esse exercício, fica muito mais fácil entregar um trabalho mais satisfatório, atendendo às expectativas de todos os envolvidos no processo. 

Ficou alguma dúvida? Caso tenha ficado, entre em contato com algum dos produtores editoriais da Rock e deixe-nos saber em que podemos ajudar. Por outro lado, se as informações tiverem ficado suficientemente claras, utilize tudo que foi compilado aqui e continue de olho nos nossos feedbacks para melhorar o seu trabalho.

4. Guia do Freela de Email Marketing

Processo de produção de email marketing

O que é uma tarefa de email marketing

O email marketing é outro formato de conteúdo que a Rock Content oferece aos clientes. Trata-se de um material estratégico, pois fala diretamente com os potenciais consumidores, auxilia na evolução do funil de vendas e reforça o posicionamento da marca. 

Todavia, o redator deve trabalhar para atrair e reter a base de contatos do cliente, e isso é feito entendendo e cumprindo as especificidades desse tipo de conteúdo.

Atualmente, existem dois formatos de email marketing oferecidos pela Rock Content:

  • newsletter: conteúdo disparado em uma frequência determinada de acordo com a estratégia de cada cliente, com o objetivo aumentar o tráfego do blog e manter a presença da marca;
  • fluxo de nutrição: sequência de emails disparada após o acesso a um material rico, como ebook ou infográfico. O objetivo é avançar o lead no funil de vendas e convertê-lo como cliente.

O que um freela de email marketing faz

O freela de email marketing deve entender os diferentes formatos desse tipo de conteúdo e desenvolver materiais convidativos e objetivos que engajem os destinatários.

Além disso, ainda que seja um conteúdo disparado para uma base de diversos contatos, o redator deve garantir que o texto não seja impessoal e que seja capaz de envolver o leitor, direcionando-o para a próxima etapa de interação com a marca.

O que esse freela deve entregar

Ainda que seja um conteúdo com alto poder de conversão, o tempo médio de leitura de um email é muito baixo. Por isso, o redator tem o desafio de entregar ao leitor um material envolvente, objetivo, pessoal e escaneável.

Para isso, algumas boas práticas podem ser adotadas, como:

  • respeitar o limite máximo de palavras de cada tipo de conteúdo;
  • negritar trechos relevantes ao longo da mensagem;
  • trabalhar uma linguagem neutra de gênero;
  • provocar questionamentos e chamar o leitor para a ação;
  • trabalhar o texto sempre na primeira pessoa do singular.

Responsabilidades do freela de email marketing

Assim como na redação de outros formatos de conteúdo, o freelancer de email marketing deve entregar um material com boa qualidade de escrita e informações relevantes, mantendo a fidelidade à pauta e à estrutura.

A principal especificidade do email marketing é a linguagem, que é diferente de um blog post ou outro conteúdo. Aqui, ainda que o email acompanhe a assinatura de uma marca, ele é enviado de uma pessoa a outra — o que demanda ainda mais proximidade e pessoalidade.

Critérios de avaliação

Os conteúdos de email marketing também têm uma nota atribuída ao final de cada etapa do processo de produção. Isso descreve o desempenho do redator ao longo da tarefa e auxilia na identificação dos pontos de melhoria.

Assim como a redação de blog posts, o email marketing também considera prioritariamente o cumprimento das exigências da pauta, a relevância das informações e a qualidade da escrita. Podemos desmembrar esses três pontos principais em critérios específicos, como:

  • tamanho do conteúdo;
  • abordagem dos assuntos;
  • escaneabilidade;
  • objetividade;
  • linguagem;
  • uso adequado de variáveis;
  • estrutura.

Assim como um blog trabalha com um calendário editorial que determina a data ideal de publicação de cada conteúdo, os textos de email marketing também têm o dia certo de disparo. Por isso, o cumprimento do prazo também é acompanhado, já que qualquer atraso pode gerar um impacto negativo na estratégia do cliente.

5. Guia do Freela de Revisão

Processo de revisão de conteúdos

O que é uma tarefa de revisão

A tarefa de revisão é a etapa seguinte à tarefa de redação. Ou seja, depois que o texto é escrito pelo redator, ele fica disponível para os freelancers de revisão. 

Dependendo do projeto, pode existir ainda uma etapa posterior, que é a moderação feita pelo analista do projeto. Ele vai verificar se o trabalho do revisor foi realizado adequadamente e se todas as diretrizes para a produção do conteúdo foram levadas em conta, antes de entregar o texto ao cliente.

Em outros fluxos de trabalho, pode existir o autoflow, quando é o próprio freela de revisão que entrega a demanda diretamente ao cliente por meio da plataforma.

O que um Freela de Revisão faz

A maioria dos conteúdos produzidos pela Rock passa pelas mãos dos nossos freelancers de revisão. Visto que nós dependemos muito do trabalho desses profissionais, precisamos confiar neles de olhos fechados. É uma tarefa de grande responsabilidade.

Na Rock, o trabalho de revisão de textos é especial, pois se mistura às funções de copidesque e de preparação de originais. O revisor pode e deve modificar as sentenças o quanto achar necessário para conseguir o máximo possível de clareza e relevância.

Ou seja, além de garantir a correção gramatical do texto, ele também precisa ficar atento a vários outros aspectos que asseguram a relevância daquele conteúdo, além da sua adequação ao ambiente digital e à estratégia de marketing do cliente. 

Responsabilidades do Freela de Revisão

Correção gramatical

Essa é a mais explícita — mas não a única — das responsabilidades do revisor freelancer. Uma vez que os erros gramaticais podem tirar a credibilidade de um artigo, precisamos que cada peça de conteúdo esteja de acordo com a norma culta da língua portuguesa. 

Algumas das preocupações estão relacionadas com:

  • ortografia;
  • concordância verbal e nominal;
  • pontuação;
  • coerência;
  • coesão;
  • uso adequado de conectivos;
  • repetição de palavras em trechos próximos;
  • redundâncias;
  • regência verbal e nominal;
  • uso de crase;
  • uso de demonstrativos;
  • clareza de explicações e conceitos;
  • padronização de unidades de medida e grafias de numerais e outros elementos.

Mesmo que o texto seja lido com toda a atenção, é imprescindível passá-lo por um corretor automático antes de submetê-lo na plataforma. Esse tipo de ferramenta é capaz de encontrar errinhos que, muitas vezes, passam despercebidos pelos nossos olhos. Recomendamos o LibreOffice, que é muito bom e gratuito.

Adequação à pauta

Como explicamos, o trabalho do revisor freelancer da Rock vai além das questões textuais, pois é preciso assegurar que o conteúdo esteja apropriado para a web. Nesse sentido, a adequação à pauta é uma das maiores preocupações.

Como cada texto tem um objetivo dentro da estratégia, é essencial que ele siga a pauta, pois é ela que vai direcionar a abordagem. Cabe ao revisor verificar se cada aspecto mencionado nesse planejamento foi contemplado no conteúdo de maneira coerente e lógica.

Além dos tópicos a serem abordados, a pauta também indica qual é a palavra-chave a ser trabalhada e o CTA que deve estar presente no final do texto — ambos escolhidos de acordo com a estratégia de Marketing Digital do cliente. É responsabilidade do redator conferir se essas informações estão corretas.

Outra indicação importante é o tipo e o tamanho do texto. É preciso ficar atento não só à quantidade mínima de palavras que o conteúdo deve ter, mas também às suas especificidades. Há determinados tipos de conteúdo que exigem elementos especiais, como é o caso de infográficos ou ebooks com fluxo de nutrição ou com landing page, e tudo isso estará descrito na pauta.

Adequação à estratégia do cliente

Além de conferir se todas as informações pedidas na pauta foram incluídas, é imprescindível verificar outros aspectos que compõem a estratégia do cliente. Veja se o conteúdo levou em conta as especificidades da persona e se responde às suas perguntas. 

Verifique nas orientações da estratégia qual é a linguagem pedida pelo cliente e se há palavras proibidas ou alguma peculiaridade — como a escrita de um termo de determinada forma, o uso de itálico em palavras estrangeiras, a padronização de grafia de algum jargão, apenas para citar alguns exemplos. 

As diretrizes para a produção do conteúdo devem ser lidas com minúcia, para que nenhum detalhe deixe de ser contemplado.

SEO e formatação do texto

As regras de SEO são essenciais para o sucesso de uma estratégia de Marketing de Conteúdo. Afinal, são elas que vão garantir que o artigo seja rankeado nos mecanismos de busca e encontrado pelo leitor.

Os dois pontos principais são a formatação das heading tags e o uso e o posicionamento da palavra-chave. Vamos por partes?

Palavra-chave

A palavra-chave deve constar no conteúdo ao menos três vezes: na introdução, na conclusão (no parágrafo anterior ao CTA) e em um intertítulo (quando possível).

O ideal é que ela tenha exatamente a mesma grafia indicada pela pauta nesses três locais (o que auxilia na conferência do moderador responsável) e variações ao longo do restante do conteúdo.

Entretanto, pode ser necessário adaptar as palavras-chave para favorecer a experiência de leitura, levando em conta o fato de o Google ser semântico. Caso o redator faça alguma alteração ou tome liberdades quanto a essa expressão, lembre-se de conferir se ele deixou algum esclarecimento na caixa de comentários.

De qualquer forma, se surgirem dúvidas, entre em contato com o analista responsável e com o próprio freela de redação, marcando-os na tarefa, para alinhar a questão em relação àquela demanda específica.

Heading tags

As heading tags nada mais são que os intertítulos do texto. Elas são a chave para que o mecanismo de busca consiga “mapear” o conteúdo. 

Utilizando a formatação adequada, mostramos ao Google qual é o assunto tratado pelo conteúdo. Por isso, é importante que eles sejam relevantes, incluindo contendo a palavra-chave.

Para verificar se o redator fez um bom uso das heading tags, analise a hierarquia dos intertítulos e subintertítulos e veja se a organização faz sentido e “costura” o texto como um todo. 

Os intertítulos principais devem estar formatados em H2, os subintertítulos em H3 e assim sucessivamente. O ideal é usar o H4 e o H5 apenas em conteúdos maiores, que precisam de uma subdivisão mais detalhada. 

Conferência e inserção de hiperlinks

É trabalho do redator inserir os hiperlinks necessários ao longo do conteúdo. Entretanto, se não houver nenhum, esperamos que o revisor nos ajude com essa questão — deixando, é claro, um feedback construtivo para o redator. 

Se houver links, verifique se os textos âncora foram bem pensados. Eles estão coerentes com o link que carregam e com o conteúdo em si? É muito comum que os redatores busquem por uma palavra genérica na lupa do blog e façam um hiperlink arbitrário com base naquele termo, mas essa não é uma boa prática.

Por exemplo, não faz sentido colocar hiperlink para um texto sobre “comprar apartamento na planta” em um conteúdo sobre cuidados de jardinagem só porque eles têm a palavra “planta” em comum. Contamos com os revisores para verificar o link building e retirar os hiperlinks inadequados, se for o caso, substituindo-os por outros mais coerentes.

Escaneabilidade

Um texto é considerado escaneável quando é possível “passar o olho” por ele e entender a sua estrutura, encontrando facilmente as informações. É papel do redator garantir que o conteúdo tenha essa característica. Veja a seguir alguns elementos essenciais:

O tamanho dos parágrafos

Evite parágrafos muito longos, porque eles criam blocos de texto que dificultam a leitura e prejudicam a legibilidade. Aqui na Rock, definimos que cada parágrafo deve ter entre 4 e 6 linhas — considerando como parâmetro a caixa de edição de texto da plataforma, com o zoom do navegador em 100%. 

Além do tamanho, confira se cada parágrafo tem uma lógica própria, se apresenta uma progressão em relação ao anterior e se “prepara o terreno” para o raciocínio abordado no próximo — temos um conteúdo sobre tópico frasal que pode ajudar nessa questão. 

Os parágrafos devem ser “blocos” de sentido que guiam o leitor pelo conteúdo. Portanto, a questão envolve muito mais que a estética: um parágrafo bem-construído e com um tamanho razoável ajuda na experiência de leitura e aumenta a relevância do texto.

O uso de negrito 

O uso de negrito é uma boa prática em conteúdos longos (como os de 3 mil palavras) ou diagramados (caso dos ebooks). Mas é preciso ter atenção aos trechos negritados: eles estão ajudando ou apenas poluindo o texto visualmente? Coloque-se no lugar do leitor e pense no seguinte: ao acessar o conteúdo, que informação você acha que ele está procurando?

O negrito também é útil para ressaltar benefícios, alertas, instruções, dados, dicas e outras partes importantes do conteúdo que devem ter destaque. 

Entretanto, lembre-se sempre de verificar na estratégia do cliente se o negrito é exigido. Se não for, não é necessário incluir. 

O alinhamento

Entre os elementos da formatação, temos o alinhamento do texto, ou seja, o tipo de “mancha gráfica” que ele apresenta na tela e a definição das suas margens.

Embora o alinhamento “justificado” — aquele que fica “certinho” nas duas margens — possa parecer mais organizado, a realidade é que o alinhamento à esquerda é considerado muito melhor para textos para a web.

Ele ajuda a guiar o olhar do leitor, que quase instintivamente sabe qual é a linha que ele acabou de ler e qual é a próxima, por causa dos tamanhos irregulares.

As heading tags

Vimos acima que as heading tags são os intertítulos do texto, formatados de maneira que o mecanismo de busca entenda qual é o assunto. Entretanto, essa divisão também beneficia a escaneabilidade e melhora a experiência de leitura. Ela organiza o conteúdo, guia o raciocínio e ajuda o leitor a encontrar mais facilmente as informações que procura. 

Uma excelente dica para verificar se as heading tags foram elaboradas corretamente é analisar se elas correspondem aos tópicos pedidos na pauta, deixando clara a abordagem do texto.

O ideal é que elas sigam a mesma estrutura frasal. Por exemplo, se é um texto de passo a passo, os intertítulos devem começar com verbos no imperativo. 

Pedidos de ajuste

Algumas vezes, você pode se deparar com um texto mal-escrito, que não seguiu bem a pauta, que não explicou bem algum conceito ou que deixou faltar alguma informação importante. Nesses casos, é possível voltar a tarefa para o redator, para que ele faça as alterações.

Porém, esse recurso deve ser usado com sabedoria, combinado? Se você mesmo puder fazer a alteração, isso é o que esperamos de você — inclusive para não obstruir o fluxo de produção e o calendário editorial do cliente. Inserir hiperlinks e formatar o texto corretamente, por exemplo, também são obrigações do revisor caso o redator falhe nesses aspectos.

O ajuste deve ser solicitado apenas em casos de necessidade — como quando você não entende do assunto tanto quanto o redator e, por isso, não tem conhecimento técnico para acrescentar a informação que está faltando.

Além disso, é essencial ser cortês — sempre! — e explicar de maneira muito clara qual é o ajuste necessário.

Nota

Atualmente, trabalhamos com duas plataformas: a que chamamos de RC1 e a Rock Studio, que está sendo implementada aos poucos. Em ambas, o revisor precisa dar uma nota ao texto que foi revisado. 

Em RC1, três critérios são avaliados com notas de 1 a 5. São eles: 

  • qualidade da escrita;
  • adequação à pauta;
  • relevância do conteúdo.

Com base na nota dada em cada critério, a plataforma calcula automaticamente a média entre elas, e o resultado é a nota final atribuída ao redator.

No caso de Rock Studio, a nota é geral, de 1 a 10. Os critérios devem ser semelhantes, mas podem ser mais abrangentes. No caso de notas menores que 7, a plataforma abre botões com alguns motivos comuns para notas mais baixas, e é preciso escolher entre eles.

De qualquer forma, mesmo com a ajuda desses botões, é obrigatório elaborar um feedback para o redator. Veja mais sobre essa questão no próximo tópico.

Feedback

Os freelancers de redação são colegas de trabalho, e uma parte importante da função do revisor é ajudá-los a se desenvolverem e aprimorarem suas habilidades. Isso só é possível por meio de feedbacks completos, construtivos, didáticos e claros.

Explique bem o que estava errado e por quê. Dê exemplos, forneça material de leitura, dê dicas de como o redator pode melhorar. Quanto mais instrutivo é o feedback, mais valioso ele é para quem produziu o conteúdo.

Mas não adianta dar uma verdadeira aula no feedback e não ser educado, concorda? Prezamos a cordialidade nas nossas relações de trabalho, e isso é especialmente importante para os freelancers!

Para compreender com mais detalhes o que esperamos dos nossos Freelas de Revisão nos fluxos de trabalho na plataforma, confira o nosso Guia de avaliação e feedbacks para revisores da Rock Content!

Critérios de avaliação

Os principais critérios que os analistas utilizam para avaliar os freelas de revisão são:

  • a qualidade do trabalho: verificamos se o revisor está cumprindo com todas as expectativas no que diz respeito ao nível de qualidade dos textos;
  • o comprometimento: também checamos se o revisor entrega as tarefas no prazo, cumpre com os combinados e se tem uma postura de parceria em relação aos analistas;
  • o comportamento: como já frisamos, consideramos essencial a cordialidade em toda comunicação que acontece por email ou pela plataforma, seja ela dirigida aos analistas, aos clientes ou a outros freelancers envolvidos na tarefa;
  • a proatividade e o trabalho em equipe: valorizamos bastante o revisor que antevê problemas e ajuda a equipe a resolvê-los por meio de um mindset proativo, em vez de reativo;
  • a vontade de aprender e de se desenvolver: o trabalho com a língua é um eterno work in progress, e um revisor de texto nunca pode se dar por satisfeito. Pesquisar sempre, ser curioso, buscar conhecimento e aprimorar habilidades são atitudes muito bem-vindas.

Checklist

Por fim, aqui está uma checklist para guiar o seu trabalho como revisor freelancer da Rock. Trata-se de uma lista bem abrangente de todos os aspectos do texto que devem ser checados e, se necessário, corrigidos. Você pode aplicá-la no seu dia a dia ou usá-la como base para fazer a sua própria listagem. 

Seja qual for a sua escolha, recomendamos fortemente que você tenha algum tipo de sistema ou método que ajude a contemplar todos os elementos essenciais para um conteúdo para web.

Veja nossa sugestão a seguir.

  • Título
    • Revise o título. Em RC1 não é possível modificá-lo, mas pode deixar um comentário para o analista caso encontre algum erro. Em Rock Studio, você mesmo pode fazer a alteração, mas também é necessário deixar o analista ciente.
    • Ou seja, caso haja a necessidade, lembre-se de substituir o “x” pelo algarismo devido.
    • Remova as tags somente se for uma tarefa que será publicada diretamente depois da conclusão das etapas de produção. Exemplos:
      • tags com o tipo de conteúdo: “[CONTEÚDO COM ENTREVISTA]”;
      • de meses: “[MAIO/2021]”;
      • com a quantidade de palavras: “[2k]”;
      • aviso de reserva: “[RESERVADA PARA GIO]”.
    • Já as de atualização de conteúdo (ex.: “[ESTENDER]”), “[NEWSLETTER]” e “[FEED]” devem ser mantidas.
  • Pauta e Texto
    • As orientações da estratégia sobre linguagem e estilo foram seguidas?
    • O texto foi bem escrito? Está coeso e coerente? Há erros gramaticais?
    • Os nomes próprios estão grafados corretamente?
    • A persona foi considerada?
    • A pauta foi seguida?
    • A palavra-chave foi usada e bem posicionada?
    • O CTA foi seguido? Está convincente?
    • O plano do cliente inclui chamadas sociais? Elas foram feitas? Estão convincentes?
    • O tipo e o tamanho do conteúdo foram respeitados?
  • SEO e formatação
    • O redator incluiu hiperlinks? Eles foram bem posicionados? Os textos-âncora são coerentes com os links? Os links são coerentes com o conteúdo? Eles estão ativos? São atuais? Levam a páginas confiáveis? Levam para a concorrência?
    • As heading tags estão formatadas corretamente, segundo a hierarquia ideal? Elas são relevantes para a proposta do texto? Estão padronizadas, com a mesma estrutura frasal? 
    • Há uso de destaques gráficos, como negrito e itálico? Os trechos destacados são de fato relevantes?
    • O conteúdo está alinhado à esquerda? 
    • Os parágrafos têm um tamanho razoável?
    • As social posts (chamadas para redes sociais) foram preenchidas pelo redator com, no mínimo, 80 caracteres?
  • Nota e feedback
    • Dê a nota e deixe um feedback completo, construtivo e cortês.

Por fim, vale ressaltar que a equipe interna da Rock está sempre disponível para ajudar em qualquer dúvida ou dificuldade que você tiver — basta mandar um comentário ou um email ao moderador responsável.

6. Guia do Freela de Diagramação

Processo de diagramação

O que um freela de diagramação faz

O processo de diagramação de um material gráfico consiste em várias etapas, que vão desde a criação do grid, passando pela escolha da fonte tipográfica e a hierarquização da informação, até a criação ou a escolha de imagens que façam sentido para a finalidade do conteúdo. 

É, basicamente, um processo de organização e harmonização entre as informações textuais e visuais em uma peça, a partir da escolha estratégica de recursos e elementos gráficos.

As escolhas devem ser estratégicas para que a peça gráfica comunique a informação correta da maneira mais adequada possível e de uma forma que ajude a persona.

Para isso, disciplinas como psicologia cognitiva e semiótica são indispensáveis na elaboração de um material que funcione, seja atrativo visualmente e contribua para a experiência de quem o consome

A Rock Content produz diversos tipos de materiais gráficos úteis para estratégias de marketing de conteúdo. Entre eles estão: 

  • ebooks; 
  • infográficos estáticos ou animados;
  • banners de CTA para blogs;
  • vídeos. 

Temos também uma equipe qualificada de designers e diagramadores que trabalham na elaboração de templates para a produção dessas peças.

Isso significa que o diagramador freelancer não precisa se preocupar com a parte estrutural dos leiautes, como grid, margens, estilos de fonte tipográfica, etc. Afinal, tudo isso estará pré-definido nos arquivos fornecidos:

  • .indd (Indesign);
  • .ai (Illustrator);
  • .psd (Photoshop);
  • .prproj (After Effects).

Mas é interessante que o(a) freelancer de diagramação também tenha uma base técnica de design, pois serão de sua responsabilidade:

  • os respiros da peça;
  • a aplicação eficaz da hierarquia da informação;
  • a escolha adequada de imagens, conforme a persona e o assunto;
  • a aplicação correta e coerente do logo e das cores da identidade visual dos clientes;
  • a interpretação das solicitações de possíveis especificidades.

Se você foi aprovado no teste técnico para diagramador(a) freelancer, mas ainda tem pouca experiência na área, não se preocupe: há também uma equipe de analistas que auxilia no desenvolvimento técnico da Rede de Talentos e vai lhe proporcionar uma experiência incrível de aprendizado e crescimento. 

Os tipos de tarefas

O papel da diagramação no processo de produção de conteúdo é, basicamente, o de transformar o texto em um produto gráfico útil para a estratégia dos clientes.

Em nosso fluxo, a diagramação é a última, mas não menos importante, etapa da produção do conteúdo. Isso significa que o diagramador é responsável por se certificar de que o material cumprirá com a função proposta — de maneira eficaz e otimizada. Dessa forma, o freelancer da categoria tem autonomia para:

  • negritar partes importantes do texto, caso seja necessário;
  • questionar a escolha do template, se ele não for adequado para a estrutura do texto; 
  • sugerir o estilo de imagens mais adequado à persona e ao tema; 
  • opinar sobre a formatação diferenciada de algum trecho do conteúdo, desde que tudo seja negociado e vise à qualidade geral do material.

A questão visual é, portanto, imprescindível para as funções às quais se prestam os ebooks, os infográficos, os banners etc. Por isso, esses materiais devem ser concebidos com cuidado e atenção aos detalhes. 

Ebook

O ebook, por exemplo, tem a função de servir como material rico para o lead. É um tipo de produto que o ajuda a sanar sua dor com uma leitura fluida e prazerosa e um conteúdo completo, extremamente informativo e específico — ele tem que valer o preço das informações pessoais fornecidas em troca do download.

Uma boa diagramação otimiza o próprio texto, garantindo que a persona faça uma leitura eficiente, com as pausas necessárias — promovendo, assim, uma assimilação inconsciente da autoridade da marca por meio das cores, das imagens e de uma aplicação correta do logo.

Infográfico

O infográfico existe para que o leitor interprete dados numéricos e pontuais de maneira fluida e didática. Em uma estratégia de marketing de conteúdo, essa peça pode ser usada como um blog post, uma síntese de um conteúdo, uma publicação em redes sociais ou, até mesmo, um material rico. 

É uma peça gráfica majoritariamente visual, de assimilação rápida. Nesse caso, a boa diagramação é imprescindível para garantir sua funcionalidade!

Responsabilidades do Freela de Diagramação

A principal responsabilidade do diagramador é entregar um material de qualidade, coerente com a identidade visual da marca do cliente e que mantenha certa consistência em relação às demais peças gráficas produzidas pela Rock Content. Para isso, é importante que o freelancer:

  • respeite a estrutura do template fornecido — sabendo adaptá-lo com criatividade ao briefing indicado pelo cliente;
  • siga o prazo estipulado para cada tarefa;
  • mantenha um relacionamento saudável e produtivo com todos os envolvidos no projeto;
  • finalize corretamente os arquivos, que devem ser enviados somente aos analistas.

A seguir, entenda melhor sobre o que a Rock espera do freelancer de diagramação em cada um desses pontos já apresentados.

Briefing

O briefing das tarefas de diagramação consiste em um formulário preenchido pelo cliente, que inclui obrigatoriamente:

  • o arquivo do logo da empresa;
  • as cores — primária e secundárias — a serem utilizadas no leiaute;
  • o template;
  • o estilo de imagem a ser usado para ilustrar o conteúdo;
  • as redes sociais da empresa.

E ainda pode incluir:

  • o branding guide, ou manual da marca, da empresa;
  • observações sobre especificidades do material.

Os arquivos do logo nem sempre estarão em sua condição ideal para serem aplicados no material, como bem sabem os designers que já trabalham com freelancing.

Por vezes, você vai precisar, por exemplo, “negativar” a imagem para aplicá-la em fundos coloridos, caso a versão branca não tenha sido encaminhada a você. Mas só faça isso se a imagem for simples e usar cores chapadas! 

Não se aventure a editar uma imagem que tenha elementos 3D ou degradês, pois você pode ferir os direcionamentos de uso daquela marca. Na dúvida, visite o site do cliente e procure as diferentes aplicações do logo.

As cores selecionadas pelo cliente podem ser as da marca ou cores sortidas que ele considere que façam sentido para o assunto do material — e elas estarão identificadas por meio de seu código hexadecimal. 

Não se prenda à ordem em que elas são listadas — isso nem sempre é um indicativo de grau de importância e você tem liberdade para escolher qual será a principal e quais serão as secundárias. Apenas certifique-se de que a hierarquia das cores esteja condizente com a identidade visual daquela marca, se for o caso.

A Rock Content oferece aos clientes diversas opções de templates. Por isso, não se surpreenda quando o briefing indicar um template com o qual você ainda não estiver familiarizado.

E não se preocupe: todos eles são pré-configurados para que a tarefa de diagramação seja otimizada! Apenas garanta que o grid daquele leiaute será respeitado, aplicando corretamente os estilos de parágrafo e caractere, configurando os swatches de maneira prática e aplicando os hiperlinks sobre os devidos elementos.

As opções de estilo de imagem são duas:

  • ilustrações vetoriais;
  • imagens humanizadas.

Quando o briefing indicar ilustrações vetoriais, você deve adaptar as imagens à identidade visual do cliente sempre que for necessário. Isso significa que as cores devem ser as da marca (ou as da tarefa) e o estilo da ilustração precisa ser visualmente consistente com a identidade da empresa e com sua persona.

Se o branding guide do projeto estiver anexado ao briefing, é recomendável adaptar o template conforme orientações do guia sobre fontes institucionais, estilo de imagens, cores e elementos gráficos padrões da marca. 

Entretanto, sempre analise a viabilidade da personalização em cada caso, principalmente quando se tratar de fontes institucionais: se a fonte não for open source e não tiver sido disponibilizada junto com os arquivos da marca, solicite-a. Nunca faça download de arquivos piratas!

As observações da tarefa podem solicitar quaisquer especificidades e você deve segui-las à risca. De solicitações como “mesclar os dois estilos de imagens” a “não utilizar fotos de pessoas usando roupas de frio”, todas precisam ser respeitadas e, caso surja alguma dúvida a respeito, questione o analista ou o cliente antes de seguir com a diagramação.

Prazos

Os prazos de entrega do preview e do arquivo finalizado são pré-determinados para cada tipo de material e sempre estarão indicados na plataforma. A princípio, eles são inegociáveis, salvo em casos de imprevistos urgentes que você venha a ter. 

Nesses casos, o analista responsável deve ser notificado imediatamente, para avaliar se é viável manter a tarefa com você, negociando novas datas de entrega, ou se será necessário delegar a outro freelancer, de modo que a estratégia e a experiência do cliente não sejam prejudicadas.

Por isso, só se comprometa com tarefas de diagramação quando tiver certeza de que conseguirá cumprir o prazo estipulado. Se você identificar uma demanda que já está disponível há muito tempo na plataforma, mas que tem um prazo difícil de seguir, entre em contato com o analista antes de pegá-la e tente negociar uma data viável para a entrega.

Além disso, evite abandonar tarefas sem explicar o motivo, pois essa é uma prática que pode prejudicar sua reputação enquanto freelancer e abalar a confiança que o analista deposita em você.

Relacionamento com o cliente

O freelancer é um fator extremamente importante para o sucesso do cliente. Por isso, esse profissional deve sempre prezar pelo relacionamento saudável com todos os envolvidos em cada tarefa.

Sabemos que isso pode ser mais desafiador em alguns casos, mas sempre use o bom senso e a empatia para lidar com situações que se mostrarem desafiadoras. Você tem autonomia para educar o cliente com respeito a solicitações de ajustes, mas tente sempre se colocar no lugar dele, prezando sempre por uma comunicação empática na plataforma.

A propósito, ao aderir ao termo de responsabilidade e de prestação de serviços da nossa plataforma, você, como freelancer, concorda em atender a todas as solicitações de ajustes dos clientes até que a tarefa esteja aprovada e que o pagamento já tenha sido liberado

Por isso, não ignore nenhuma mensagem direcionada a você solicitando alterações, mesmo que sejam pedidos inviáveis: é sempre melhor perguntar, a fim de esclarecer eventuais dúvidas! Solicite exemplos e arquivos de referência e, em caso de especificidades complexas, negocie prazos viáveis e informe se alguma solicitação for prejudicar a qualidade estética do material.

Lembre-se de que o Analista de Design estará disponível para ajudar você a resolver problemas complexos — portanto, caso precise de qualquer coisa ou tenha dificuldade em algum processo, notifique a nossa equipe!

Arquivos

Se você foi aprovado(a) no teste técnico de diagramação, já sabe que, ao finalizar uma tarefa, o arquivo aberto da peça deve ser enviado ao analista. Lembre-se, entretanto, que não podemos enviá-lo ao cliente!

No contrato com a Rock Content, as empresas concordam que não receberão arquivos abertos de peças produzidas a partir de templates e isso deve ser seguido à risca, a fim de mantermos a consistência visual dos trabalhos entregues.

O cliente pode reivindicá-lo apenas se a peça for exclusiva, mas não se preocupe: isso certamente será notificado previamente ao freelancer quando for necessário. 

Por isso, caso algum cliente contate você — por email ou pela plataforma —, solicitando o arquivo aberto, lembre a ele de que os freelas não têm autorização para enviá-lo e, se necessário, envolva o analista de diagramação na discussão. 

Critérios de avaliação

Existem três principais critérios para os freelancers de diagramação serem mantidos na rede de talentos:

  1. quantidade de tarefas expiradas;
  2. quantidade de tarefas abandonadas;
  3. nota de avaliação das tarefas.

As tarefas expiradas são as que não foram entregues dentro do tempo de produção estipulado pela plataforma. O prazo anuncia tanto a data quanto a hora limite para que a etapa seja finalizada adequadamente e, quando isso não é respeitado, o freelancer é automaticamente retirado daquela incumbência e a tarefa é disponibilizada novamente para a rede de talentos. 

Conforme já destacamos, é extremamente importante informar ao analista com antecedência, caso o prazo de entrega torne-se inviável para você. Mas lembre-se: os analistas estarão disponíveis apenas em horário comercial.

Portanto, evite depender de retornos durante os finais de semana e não peça ajustes de prazo em cima da hora. Cada freelancer tem o limite de duas tarefas expiradas durante um mês.

As tarefas abandonadas são aquelas que um freela pegou, mas desistiu de seguir em frente com a produção delas por clicar no botão “abandonar tarefa”. Essa prática costuma ser prejudicial para o processo, pois, a partir do momento em que um freelancer se compromete com a produção de um material, os clientes e os analistas contam com ele para seguir o fluxo de trabalho. 

Sempre que precisar abandonar algum job, lembre-se de informar o motivo, a fim de que o analista avalie a situação. Inclusive, os freelas de diagramação têm o limite de dois abandonos por mês.

Cada tarefa finalizada recebe uma avaliação numérica que considera os seguintes critérios:

  • O freelancer respeitou o template e sua estrutura?
  • Seguiu o estilo de imagens solicitado?
  • As imagens são condizentes com o assunto e a persona?
  • As cores e o logo da empresa foram aplicados corretamente?
  • O trabalho tem qualidade estética — hierarquia correta, respiros suficientes, boa escaneabilidade e imagens de qualidade?

Em RC1, a nota de avaliação vai de 1 a 5, sendo que números abaixo de 4 indicam necessidade de atenção. Já em Rock Studio, a nota de avaliação varia entre 1 e 10, sendo que classificações abaixo de 8 são consideradas preocupantes

Notas baixas recorrentes podem indicar a necessidade de reciclagem ou a inviabilidade de continuar na base. É importante, portanto, que cada freela faça um controle de sua média e acompanhe sua evolução, pedindo ajuda e tirando dúvidas com os analistas sempre que sentir necessidade, para seguir sempre crescendo!

Compartilhe
facebook
linkedin
twitter
mail

Gostou deste conteúdo?

Envie-o para seu e-mail para ler e reler sempre que quiser.

Posts Relacionados

Como escrever melhor pode aumentar a sua renda?

alt Redator Rock Content
dez 1, 16 | Leitura: 5min

Como o É o Tchan me ensinou a escrever para a web!

alt Luiza Drubscky
jul 27, 15 | Leitura: 4min

Pelo ou Pêlo: tem acento? Veja agora como se escreve!

alt Samanta Jovana
abr 18, 17 | Leitura: 2min

Os melhores conteúdos para sua carreira freelancer, direto na sua caixa de entrada

Inscreva-se para receber no e-mail conteúdos exclusivos e em primeira mão.