Como melhorar o posicionamento do site do seu cliente no Google

Quando se trata de posicionamento no Google, há sempre alguma coisa a aprender. Ainda mais que o buscador faz atualizações constantes para ser um modelo na pesquisa web.

Como melhorar o posicionamento no google

Nunca há um lugar seguro quando se trata de posicionamento no Google. Afinal, são constantes as mudanças nos algoritmos, adições e atualizações que, em vez de facilitar, tornam cada vez mais complexo o trabalho do especialista em SEO.

Contudo, é preciso entender que, para o buscador, todos esses avanços são fundamentais — são eles que proporcionam ao Google a possibilidade de ser o que é: uma referência quando o assunto é buscar o que se precisa.

Nesse sentido, resta aprender e adaptar o seu conteúdo para ele estar não só de acordo com os algoritmos do buscador, mas que possa oferecer o que realmente as pessoas estão querendo.

A questão é: se você já tem experiência, provavelmente, fez boa parte do que é exigido tanto on-page quanto off page, não é? Dizemos quase porque há sempre como melhorar o desempenho do site e conseguir atingir as melhores posições na SERP.

Neste guia, vamos apresentar algumas estratégias avançadas para chegar lá. Confira!

Como ranquear no Google em posições melhores?

Caros analistas de SEO, a busca é constante por encontrar aquele método certeiro, não é? A tática que fará com que o seu site fique nas melhores posições, ali, na primeira página do buscador. Na verdade, existem mesmo formas de conseguir isso e podemos dizer que não são estratégias SEO tão complexas, mas que exigem atenção. Separamos aqui algumas das principais que você precisa conhecer. Continue!

1. Atenção ao tamanho do conteúdo

A questão em volta do tamanho do conteúdo é um pouco complexa. Dizemos isso porque você já deve ter ouvido ou lido que isso não é tão importante, entretanto, não é verdade. Claro que você não deve deixar que o número de palavras o impeça de produzir, mas a verdade é que o Google tem tendência a colocar posts mais longos nas melhores posições.

Por quê? Bem, primeiro é preciso dizer que não é qualquer texto longo, os algoritmos do buscador são avançados o suficiente para avaliar o que o seu post diz e saber se há realmente informações relevantes. E é disso que estamos falando, um conteúdo longo não consegue as melhores posições porque tem 2000 palavras, mas sim, pois, geralmente, oferece uma completude em relação ao assunto tratado.

Lembre-se, quanto mais completo, mais fácil é o trabalho do Google. Ele não precisa classificar um monte de posts só para encontrar a resposta para as questões relacionadas ao assunto. Nesse sentido, criar textos bem completos, que cubram tudo o que querem saber é fundamental, e isso não é possível com um post de 500 palavras. 

2. Trabalhe as palavras-chave

Isso não é uma novidade para você, analista de SEO, sabemos disso. As palavras-chave são os pilares da otimização, é por elas que o Google faz boa parte do seu ranqueamento. Justamente por isso é que temos a certeza que você não viu tudo sobre esse assunto. Vamos lá?

LSI

Vamos começar com o que chamamos de palavras-chave LSI, uma técnica avançada para lidar com essa etapa. Elas são palavras ou frases com ligação ao tópico principal, geralmente, são variações ou complementos. Veja um exemplo: se eu estou procurando marketing digital, provavelmente, algumas das palavras relacionadas seriam SEO, produção de conteúdo etc.

As LSIs são peças importantes para quem quer saber como otimizar o conteúdo para a web, pois ajudam o Google a confirmar que você está falando realmente sobre o assunto. Existem muitas maneiras de encontrar esse tipo de palavra-chave, inclusive, no próprio buscador — a aba de pesquisas relacionadas pode fornecer boas ideias.

Use palavras-chave diferentes

Ao longo de seu texto, é interessante ter uma variedade de palavras-chave. Essa estratégia é uma forma de ajudar a alavancar conteúdos em que você busca aumentar o seu nível de tráfego. A tática é utilizar o Google Search Console como ferramenta para descobrir quais palavras fazem parte do seu conteúdo, mas ajudam a ranquear o seu post sem esse propósito.

A seção de “desempenho” pode fornecer essas informações. Muitos dos dados que estão ali não são novidades, mas sempre há algo que pode ser útil. O objetivo é pegar essas palavras-chave que estão lá por “acidente” e tentar tornar o seu post mais adequado para elas também.

Quem sabe colocar esse termo mais vezes durante o texto, desenvolver mais conteúdos sobre o tema ou fazer outro post dedicado ao assunto. Há muitas possibilidades e todas fazem parte de estratégias voltadas a como gerar mais visitas no seu site.

Use os termos mais específicos

Não pense que os termos específicos são aquelas palavras-chave raras, pouco usadas. Na verdade, elas são bem básicas e óbvias, e, geralmente, ajudam a determinar outros termos mais variáveis. Elas são as que vêm primeiro em sua cabeça quando você pensa em procurar um assunto. Por exemplo, se sua intenção é ranquear para sapatos, provavelmente, usará comprar sapatos, onde encontrar sapatos novos etc.

No entanto, isso não significa que seja tão simples assim, pois muitos desses termos são tão óbvios que tendem a ser mais difíceis de encontrar os que realmente ajudarão o seu conteúdo. Porém, para achá-los, algumas perguntas podem ajudar: sobre o que é o meu post? O que é oferecido? Para quais palavras-chave eu quero ranquear?

Outra coisa que deve ter em mente é que esses termos não são curtos. Eles são, em boa parte, mais longos. Em uma busca por doce de leite, esse conjunto de palavras parece uma boa ideia, mas pode ser bem mais específico usar doce de leite Mococa, por exemplo.

3. Faça listas com suas possibilidades

A busca por ranquear o seu conteúdo não pode se basear apenas em uma palavra-chave, mesmo que específica. A ideia é que você tenha um grupo delas, uma lista com todas aquelas que têm relação com o seu texto. Veja, a intenção é tornar o que você produz mais abrangente e essa é uma forma de conseguir.

A estratégia é usar vários termos relacionados a uma ideia para ranqueá-la da melhor forma possível. Você terá que usar diferentes ferramentas combinadas para conseguir encontrá-las, desde do search console do Google, até plataformas de SEO mais especializadas como Moz, SEMrush, Ubersuggest etc. 

Procure pelas palavras long tail, pois elas ajudam a especificar melhor o seu post. Além disso, como base, use as palavras-chave específicas que comentamos no tópico anterior para encontrar algumas sugestões para a lista. Lembre-se de que ali não deve conter apenas long tail específicas só porque são relacionadas, elas devem ser relevantes para o seu conteúdo.

4. Use a competição ao seu favor

O pioneirismo não existe quando se trata de ranquear as palavras-chave corretas. São milhares de conteúdos produzidos e claro que, em algum, o termo que você está pensando agora foi usado. A intenção não é a exclusividade, como vimos, isso é impossível, mas o que é possível fazer é usar justamente essa falta de unicidade para beneficiar o seu conteúdo.

Geralmente, quando fazemos a busca pela palavra-chave encontramos uma série delas que já são utilizadas por nossos concorrentes. Algumas até não são tão populares, mas estão lá. Essa é uma força da natureza do SEO que não deve ser combatida: seus concorrentes estão na frente e já encontraram aquelas que são mais lucrativas, que geram valor. Porém, é aí que toda essa competição pode estar ao seu favor.

Nada de tentar achá-las, elas já estão ali, no post do seu adversário. Primeiro, tenha bem-determinado qual é o seu alvo, procure encontrar URLs que estão relacionadas.

Agora, busque todos os termos relacionados a esse assunto e que ranquearam. São essas outras palavras-chave que você deverá usar.

5. Preste atenção ao Search intent

O termo é em inglês para falar de um aspecto muito importante quando se trata de produção de escrita web. Comentamos bem por cima sobre os algoritmos do Google e, de fato, eles estão cada vez mais inteligentes para classificar as páginas na internet. Contudo, existe um código específico que consegue descobrir se o seu site é adequado para a palavra-chave a qual está relacionado — o Rank Brain. 

Parece uma coisa simples ler um site dessa maneira quando você é humano, contudo, para máquinas, diversos processos de análise são bem mais complexos de serem executados e o Google ter esse mecanismo é um avanço. Mas o que significa isso?

De forma geral, quer dizer que o buscador avalia se os usuários obtêm o que buscam na sua página. Portanto, quanto mais o seu conteúdo apresentar isso, melhor. Ele deve ser capaz de oferecer exatamente o que as pessoas estão procurando, e isso não é possível apenas com palavras-chave, certo? Esse será um trabalho que mexe diretamente com o processo de pesquisa de assuntos e também com a produção mesmo. Por isso, fazer perguntas como se fosse o usuário pode ajudar.

Por exemplo, o que o usuário que busca por determinado termo quer encontrar? Quais são as respostas, ou seja, posts que já estão disponíveis na SERP do Google? Entre outros. Essa é uma boa forma de conseguir gerar um conteúdo de valor que seja exatamente o que o Google quer para as primeiras páginas.

6. Saiba o que as pessoas realmente querem

Essa é uma dica que tem tudo a ver com o que falamos no tópico acima. Você encontrou a palavra-chave certa e está criando em torno do assunto, porém, isso não é o suficiente. Para que a sua estratégia dê certo, mais do que ser um conteúdo com informações de valor, ele precisa ser exatamente o que as pessoas querem.

Nesse sentido, não é possível trabalhar com achismos, não dá para determinar tópicos e palavras-chave sem existir uma pesquisa sobre o que os usuários estão buscando, sem elas estarem alinhadas com a intenção. Parece básico e é, mas essa percepção pode passar despercebida.

A verdade é que sem que seu conteúdo esteja direcionado a dar respostas, é provável que ele não resista muito tempo nas primeiras páginas. Sendo assim, a sua procura por um termo ou por um assunto ideal também deve levar em conta outros pontos: quais são as páginas ranqueadas? O que há de comum nelas? O que está nas pesquisas relacionadas?

Por exemplo, se o seu termo principal é presente de Natal, você poderá observar que o Google mostrará conteúdos relacionados, como cestas de Natal, post de ideais de presente, imagens de caixas decoradas. Sabendo disso, pode direcionar seus conteúdos para estarem alinhados com esses elementos.

7. Atenção aos padrões de autoridade

O nível de autoridade é um dos fatores do SEO mais complexos de se conquistar, porque não há uma estratégia definida. Depende tanto de qualidades externas quanto internas e isso pode fazer com que o trabalho do analista e do produtor seja constante. Pois bem, o que precisamos notar, nesse caso, é que o Google prioriza um padrão de qualidade para todos os sites.

Você pode, inclusive, encontrar essas informações nas diretrizes de qualidade de pesquisa do buscador. Algumas são mais fáceis de se administrar, enquanto em ouros casos, não há nada que se possa fazer. No entanto, vamos focar no que podemos controlar: padrões editoriais dos textos, como colocar informações confiáveis, escrever conteúdos com valor e fontes, evitar repetições de posts, cuidar da ortografia e estilo, além de ser bem-produzido.

Eu sei que você deve estar se perguntando como o Google checa tudo isso? A resposta é que os seus algoritmos têm mecanismos de aprendizagem que podem avaliar o seu conteúdo a cada período de uma maneira mais aprofundada. Adequá-los é uma boa forma de controlar essa parcela de autoridade e gerar conteúdos de alta qualidade.

Bem, quando se trata de posicionamento no Google, os meios de se conquistar são diversos, justamente por não ser um local estável. Os algoritmos aprendem cada vez mais como ler o que publicamos e descobrir qual é a relação do nosso conteúdo com o que o usuário precisa. 

Por isso, além de cuidar de como o assunto será tratado é preciso entender as técnicas que envolvem a otimização, como linkbuilding, meta description, heading tags etc. para facilitar que os algoritmos percebam o que o seu conteúdo pode trazer de relevante.

A melhor forma é estudar cada vez mais tanto as atualizações dos robôs do Google quanto as estratégias de SEO. Exatamente por isso produzimos um material completo em formato de e-book que trata de tudo o que você precisa saber sobre a SERP. 

Entenda agora como funciona o principal motor de busca do Google!

Compartilhe
facebook
linkedin
twitter
mail

Gostou deste conteúdo?

Envie-o para seu e-mail para ler e reler sempre que quiser.

Posts Relacionados

Os melhores conteúdos para sua carreira freelancer, direto na sua caixa de entrada

Inscreva-se para receber no e-mail conteúdos exclusivos e em primeira mão.