Vídeos e Podcasts

Vídeos e Podcasts são dois tipos de mídia populares na internet e de fácil consumo pelos usuários. Por isso investimos na criação de materiais nesses formatos para que você aprenda na maneira leve e didática sobre os assuntos mais relevantes sobre Marketing Digital.
Você verá materiais como:

  • Rock Hacks: vídeos curtos com dicas de marketing
  • Rock Cast: o podcast da Rock Content
  • Entre outros materiais

Como o curso marta garcia obteve 80% da receita via blog

Como o Curso Marta Garcia gera 80% da sua receita por fontes orgânicas

É realmente inspirador ver histórias como a do Curso Marta Garcia. Histórias que mostram como o marketing digital e de conteúdo podem mudar o rumo de uma empresa e impactar a vida de milhares de pessoas.

Neste case, você vai entender como as estratégias de marketing digital que o Curso Marta Garcia empregou em seu dia a dia levaram a empresa ao próximo patamar no mercado de cursos de proficiência em inglês.

Vai entender os desafios e vitórias de uma estratégia de marketing de conteúdo, e como isso reflete no ânimo de profissionais e no resultados de uma empresa. E, principalmente, vai entender como o Curso Marta Garcia já adquiri 80% de sua receita por meio de vias orgânicas.

O que é o Curso de Línguas Marta Garcia?

Com cursos de inglês voltados principalmente para pessoas que desejam se aplicar para mestrados e doutorados, o Curso de Línguas Marta Garcia surgiu da experiência e método de ensino da Professora Marta Garcia, 15 anos atrás.

Marta, que já era professora a 15 anos, decidiu reunir seus conhecimentos em um curso presencial para alunos que iriam realizar exames de proficiência em inglês instrumental.

Com uma metodologia que busca aprendizado rápido e eficiente, os alunos são capacitados para não só serem aprovados em exames para mestrado e doutorado, como também ler artigos acadêmicos com mais desenvoltura e velocidade.

Por trás do conhecimento e capacidade didática da Professora Marta, seu filho, João Garcia, cuidava da parte administrativa do negócio, buscando soluções para geração de matrículas.

Durante os primeiros 10 anos de empresa, o curso era dado presencialmente, em Fortaleza, onde ainda está a estrutura física do Curso Marta Garcia.

Mas, com o modelo de curso validado, João sabia que o online era a melhor forma de expansão do negócio. Em 2013 ele decidiu interromper seus projetos paralelos para se dedicar integralmente ao projeto de levar o curso para todo o Brasil.

Foram 6 meses de projeto até ter o curso disponibilizado em uma plataforma online e pronto para receber alunos.

E o resultado? Um número inexpressivo de cursos foi vendido. Eles tinham o produto e a plataforma, mas não conseguiam ligar a oferta com a demanda.

O desafio

João precisava de formas para gerar oportunidades para o curso online, e foi nesse momento que começou a pesquisar sobre marketing digital.

Decidiu investir em uma ferramenta que já conhecia, o Google Adwords (hoje Google Ads), para gerar novas matrículas. Com a chegada de novas oportunidades ficou claro que o Curso Marta Garcia precisava de uma estrutura melhor para gerar e trabalhar leads.

A empresa contratou o plano mais simples de uma ferramenta de automação, e começou a gerar landing pages para suas campanhas de mídia paga, além de trabalhar com email marketing para sua base.

Entrando no mundo da automação de marketing, João começou a entender o processo de aquisição de oportunidades orgânicas por meio de conteúdo. Ele se interessou cada vez mais pelo marketing digital, e decidiu que era o momento de começar uma estratégia de conteúdo.

Assim nasceu o blog do Curso Marta Garcia, focado em levar conhecimento para uma alunos que buscavam proficiência em inglês instrumental.

Com menos de 2 meses de estratégia e por volta de 6 conteúdos publicados, João abandonou a produção de novos conteúdos.

Você pode estar cansado de saber que marketing de conteúdo é uma estratégia a longo prazo, e que resultados imediatos são raros e enganadores.

Mas, naquele momento, João ainda era iniciante em marketing digital, e a necessidade de gerar resultados em vendas impactou em sua decisão de parar.

Afinal, se uma estratégia não deu resultado em dois meses, por que levar adiante?

Os conteúdos pararam, mas o interesse por marketing digital não. João continuou procurando soluções para sua empresa, consumindo conteúdos e indo a palestras. Em especial, um tema o chamou a atenção: SEO.

A Rock Content já estava em seu radar, por suas pesquisas sobre marketing e vendas, mas neste momento João destacou a importância que os conteúdos da Rock tiveram em seu aprendizado.

Após muitos blog posts, ebooks e até uma palestra do Peçanha no RD on the Road, ele resolveu que precisava insistir com seriedade em uma estratégia de conteúdo.

Só com um bom posicionamento no Google, e geração de oportunidades orgânicas, seria possível implementar um modelo de receita previsível, como ele desejava.

Entendendo que precisava de uma estratégia consolidada, o Curso Marta Garcia fechou uma parceria de conteúdo com a Rock Content.

A Parceria

João tinha um objetivo bem claro em mente:

“A ideia inicial era começarmos a produzir conteúdos de forma sistemática e estratégica trabalhando todas as etapas do funil (topo, meio e fundo) e implementar a estratégia de link building interno para fazer o lead avançar no funil através dos conteúdos.”

João Garcia, Diretor de Marketing

Ele conta que ainda no processo de entrada deles na Rock, um consultor entrou em contato por telefone, fazendo uma análise de quesitos básicos no site do Curso Marta Garcia que estavam atrapalhando seu ranqueamento.

Após corrigi-los, João percebeu uma pequena melhora em seus resultados de tráfego. Ele colocou essa como uma pequena vitória a curto prazo. E atenção: são essas vitórias que constroem o resultado final desse case.

Apesar de já possuir uma persona, insistimos que o estudo fosse refeito, levando em conta aspectos mais profundos de comportamento e interesse. A partir daí teve início a produção de conteúdos para o blog, com foco em gerar oportunidades para o Curso Marta Garcia.

Apesar da frequência de postagem, e toda a estratégia de SEO por trás, João percebia que seus resultados ainda vinham primordialmente de mídia paga.

Mesmo já tendo ampliado muito seu conhecimento sobre marketing digital, o sentimento de que os resultados orgânicos não estavam aparecendo o incomodava muito, e durante os primeiros meses de estratégia ele esteve bem perto de interromper mais uma vez sua produção de conteúdo.

Com conversas com a equipe da Rock, e também dos outros parceiros de marketing, João entendeu que abandonar a estratégia naquele ponto era desperdiçar o dinheiro investido até então, e abrir mão da estrutura de ranqueamento que ele estava construindo.

E como o tempo é o melhor amigo do marketing de conteúdo, os resultados começaram a aparecer.

Os Resultados

Mais uma vez foram pequenas vitórias que levaram o João a retomar seu ânimo na estratégia de conteúdo.

Como todo bom fã do Google Analytics, ele acompanha com frequência seus indicadores por meio de dashboards e do app da ferramenta. Um dia ele notou um aumento no tráfego fora da curva.

Ao rastrear de onde vieram as novas visitas, percebeu que um de seus artigos chegou às primeiras posições da SERP!

SERP para mestrado à distância

Isso voltou a acontecer nas semanas seguintes, e ele viu suas posições no Google subirem de mês a mês.

Por exemplo: seu artigo sobre os melhores mestrados a distância aceitos pelo MEC ganhou o featured snippet para a palavra-chave ‘mestrado a distancia’, gerando um aumento enorme das visitas em seu blog.

O post sobre os phrasal verbs mais usados na língua inglesa teve um resultado semelhante.

Com isso chegaram mais acessos, foram gerados mais leads e foram vendidos mais cursos. As pequenas vitórias diárias levantaram a moral do João e sua equipe, e ele mergulhou de cabeça no marketing de conteúdo.

Contratou o SEMrush e tomou as rédeas do planejamento de pautas. E assim os resultados apareceram:

“Quando contratamos a Rock Content tínhamos uma média de 20 mil sessões por mês.

Estamos atualmente com uma média de 120 mil sessões.”

E melhorar o topo do funil refletiu em toda a empresa, com um aumento de aproximadamente 200% no faturamento, comparando o início de 2019 e antes da parceria com a Rock Content.

E, de todo o faturamento da empresa, 80% vem de fontes orgânicas. Isso é o maior indicativo do sucesso da estratégia de Inbound Marketing e dos conteúdos divulgados no blog.

A empresa vem se destacando não só como parceira da Rock. O Curso Marta Garcia alcançou resultados e virou estudo de caso com vários de seus outros parceiros.

Com uma estrutura de geração de oportunidades orgânicas rodando, João se dedica a aprimorar a estratégia, sempre pensando em novas formas de levar valor para seu público potencial e melhorar ainda mais seus resultados.

Fizemos, inclusive, um case sobre um desafio específico que o Curso Marta Garcia vivenciou durante sua estratégia, e como João e sua equipe o contornaram. Se quiser entender como eles usaram sua persona para evitar a escassez de conteúdo, o post está aqui.

E aqui é preciso destacar o valor que isso gera para uma estratégia de conteúdo que desenvolvemos.

Quando um cliente chega ao nível de envolvimento que o João teve, a estratégia ganha uma pessoa a mais na análise, planejamento e desenvolvimento de ações, mas com todo o conhecimento que só alguém que está dentro da empresa pode oferecer!

Ele dedicou seu tempo à rotina de marketing que geraram estes números a longo prazo.

O exercício diário de SEO on Page, checando fatores de ranqueamento com o plugin Yoast, por exemplo, não trouxe resultados da noite para o dia. Foram as pequenas vitórias, as posições conquistadas e as melhoras em taxas de conversão que construíram os resultados finais.

Este case mostra o impacto que do marketing digital para uma empresa que entendeu e investiu em uma estratégia, que sabiam que poderia os levar para o próximo nível. E como este existem outros.

Quer se tornar um case de sucesso? O primeiro passo é começar!

Agendar consultoriaPowered by Rock Convert


palestras motivacionais

Conheça as 4 melhores dicas para fazer webinars que vendem para o seu negócio

Se você é um profissional de Marketing Digital atento, já notou que os webinars estão ganhando espaço nas estratégias de comunicação. Seja para gerar e nutrir leads ou até mesmo para fechar vendas, o fato é que esse formato de conteúdo tem gerado muito engajamento.

Para se ter uma ideia da força dos seminários online, um estudo indicou que 73% dos comerciantes B2B apontam os webinários como uma das melhores opções para engajar a audiência e gerar leads.

No entanto, nem sempre a ação é um sucesso. Isso porque ainda é um desafio para muitos compartilhar a tela com um número relevante de pessoas realmente interessadas.

O motivo? Para toda nova ação de marketing que surge, é comum inúmeras empresas apostarem sem nenhum planejamento estratégico com a justificativa que ‘’meu concorrente já está fazendo’’ ou ‘’é digital, é simples, não tem segredo’’.

O resultado? Dinheiro e tempo jogados fora. E o desperdício de uma ferramenta que, quando bem utilizada, pode gerar bons frutos para todo tipo de negócio.

E para que você também não cometa estes erros, fique atento para os 4 maiores segredos dos webinars que geram vendas — de verdade — que separamos para você.

Devo incorporar os webinars na minha estratégia digital?

Se você ainda está se perguntando se vale mesmo a pena investir na realização de webinars, ou se você já investiu e falhou e está com o pé atrás de tentar novamente, temos uma boa notícia. Sua marca e o seu público só tem a ganhar.

Isso porque, por meio dos webinars você terá a possibilidade de responder, em tempo real, todas as dúvidas e objeções de compra do seu mercado, aumentando não só a autoridade da sua marca mas acelerando a jornada de compra de quem te assiste.

E não se preocupe sobre a assertividade desse investimento. Pesquisas apontam que mais de 80% dos internautas preferem assistir a um conteúdo ao vivo do que ler um blog post, por exemplo.

Ou seja, com um planejamento adequado, é mais que possível ter um ROI positivo dessa ação.

Vamos descobrir agora como fazer?

a jornada do cliente

4 segredos para realizar webinars que vendem

Apesar da possibilidade que as redes sociais e diversos aplicativos trouxeram para realizarmos lives a qualquer hora, dar início a um webinar sem se atentar para alguns pontos-chave pode resultar em muita frustração.

Para não correr esse risco, confira as dicas abaixo!

1. Planejar (com antecedência) é preciso

Se você não deseja passar pela desagradável experiência de preparar um excelente conteúdo e, na hora H, não contar com ninguém para te assistir, você precisa trabalhar com um bom planejamento.

Realizar webinars que vendem não é algo que ocorre do dia para a noite. O ideal é ter um cronograma.

Em seguida, veja um roteiro de planejamento que você poderá utilizar para os webinars de sua empresa. Podendo também, é claro, adaptar para sua realidade.

  • De três a quatro semanas antes do webinar

É fundamental escolher um bom tema para discutir com sua audiência ao vivo. E ter o assunto em mãos com antecedência é muito importante, pois é ele que guiará toda a divulgação do evento.

Por isso, analise quais os temas são interessantes para a sua empresa abordar e que poderão trazer bons resultados e engajamento na hora do show.

Faça uma pesquisa sobre quais assuntos estão mais quentes no seu mercado. Você pode usar ferramentas como o Google Trends para não errar.

É nesse momento que também deverá ser definido a data exata de realização do webinar. Não deixe de considerar se haverá algum outro evento importante ou feriados próximos. Pois fatores como esses podem afetar negativamente a aparição da audiência.

Data do evento definida, é hora de criar um calendário com as datas de divulgação e já dar o start nessa jornada.

  • Duas semanas antes do webinar

Com duas semanas antes do evento é ideal que sua landing page de divulgação já esteja pronta. Lembre-se de deixá-la bem atrativa.

Envie e-mails para sua base convidando-os para participar do evento. Não deixe de fazer testes A/B para aqueles que não abriram os primeiros e-mails e para aqueles que abriram mas não clicaram para se cadastrar no evento.

Também é importante apostar na divulgação pelas redes sociais. Peça ajuda para que todo seu time divulgue, de tempos em tempos, o evento.

Se possível, vale investir em mídias pagas nas redes mais adequadas para seu negócio. Assim, sua mensagem irá mais longe e você tem possibilidade de renovar sua base de leads.

  • Uma semana antes

Neste momento, é hora de acompanhar de perto as inscrições, para ver se será necessário reforçar a divulgação do evento.

Para aqueles que já estão inscritos, é hora de refrescar suas memórias com e-mails de lembrete do evento. Só não vale exagerar, hein?

E para quem estará na linha de frente do webinar, esse é o momento ideal para começar a preparar o roteiro.

Apesar de ser um evento ao vivo, ter em mãos um guia de tudo que será abordado ajudará não só na recordação de tópicos importantes como a deixar o vídeo mais claro, já que ele seguirá uma linha de raciocínio pré-definida.

ebook email marketing

  • No dia anterior

Faltando um dia para o webinar, é hora de se atentar para os preparativos finais.

Faça testes de áudio, iluminação e captação de vídeo, para não ser surpreendido no dia do evento. Ou mesmo, ter que atrasar o início da transmissão por conta de problemas técnicos.

Aqui, vale mais um lembrete aos inscritos bem como uma última chamada para quem ainda não se inscreveu.

E para quem vai realizar o evento, proponha um ensaio com sua equipe. Essa é uma forma de garantir que o webinar respeitará o tempo proposto e o realizador estará preparado para responder todas as perguntas que vierem.

  • No dia do webinar

No dia da transmissão do webinar, envie um email aos leads inscritos, relembrando-os sobre o início do webinar e enviando o link da transmissão ao vivo.

Procure sempre iniciar no horário marcado e interaja com os participantes durante o evento, respondendo às perguntas e agradecendo-os ao final.

  • Após o webinar

Ainda não acabou!

No dia seguinte ao do webinar, vale enviar um email para aqueles que participaram, com links para materiais que são complementares ao conteúdo que foi abordado.

Procure, também, coletar feedbacks sobre o webinar. Estas informações serão úteis para avaliar os resultados obtidos e promover melhorias para eventos futuros.

Planejamento é a base de todos os webinars que vendem. Por isso, não deixe de tratar essa etapa com todo cuidado e atenção, para que os resultados sejam os melhores, desde o começo do processo.

2. Mais conteúdo de valor, menos empurra-empurra de oferta

Imagine o quão desagradável seria para sua audiência assistir por meia hora, ou mais, uma propaganda ininterrupta dos produtos ou serviços da sua empresa.

Ainda que seu objetivo seja conquistar vendas ao final do webinar, seu foco, na hora da transmissão, deve ser oferecer conteúdo de qualidade e relevante para quem o está assistindo.

O papel da sua empresa é nutrir sua base de contatos com informações relevantes, ajudando-a a caminhar em sua jornada de compra.

E como falamos acima, os webinars cumprem bem esse papel. Ao responder as dúvidas que surgirem, você reforçará a autoridade e confiança na sua marca perante seu mercado. E as vendas serão apenas consequência desse processo.

3. Engajamento é fundamental

Um dos pontos mais importantes para os webinars que vendem, é a interação e o engajamento gerado com a audiência. Procure promovê-la durante todo o evento com naturalidade.

Você pode optar por deixar o chat aberto para perguntas ou liberar apenas no final. Mas é importante sanar todas as dúvidas, ou, pelo menos, as principais, com total clareza.

Ações que instiguem a curiosidade e ajudem na manutenção da permanência de todos os participantes durante todo o webinar também são muito bem-vindas.

Por isso, é válido planejar promoções, sorteios de brindes ou mesmo deixar uma última informação valiosa para ser revelada apenas no final. Fatores como esse instigam a curiosidade.

4. Nunca se esqueça do Call To Action

O Call To Action, ou chamada para ação, é o último dos principais segredos para webinars que vendem. Afinal, ele será o responsável por levar a sua audiência para o próximo estágio do seu funil ou para a conversão, propriamente dita.

O CTA pode ser um convite para acessar a página da empresa e conhecer os produtos e serviços que ela disponibiliza, baixar algum ebook ou material adicional que será disponibilizado. Ou mesmo alguma oferta ou promoção especial para quem assistiu o webinar.

A ideia aqui é ter uma oferta de valor ao final do evento e não desperdiçar essa oportunidade.

Como foi possível ver, realizar um webinar que vende vai muito além de iniciar uma transmissão ao vivo na sua rede social ou plataforma preferida e esperar a mágica acontecer.

Por isso, com um bom planejamento e um conteúdo de qualidade, essa ferramenta só tem a contribuir positivamente com sua estratégia de Marketing Digital.

Ficou interessado em conhecer um pouco mais sobre o universo dos conteúdos audiovisuais para a web? Então confira o nosso material completo sobre Marketing em Vídeo!

marketing em video

Esse conteúdo foi produzido pela equipe da VidMonsters.

Ganhar dinheiro na internet com vídeos

Para além do Youtube: descubra 5 formas de ganhar dinheiro na Internet!

Enquanto milhares de produtores de conteúdo tentam se firmar como grandes youtubers, recentemente assistimos essas personalidades fazendo o caminho oposto e investindo em estratégias fora do YouTube.

Isso porque, de uns tempos pra cá, esta rede tem dificultado cada vez mais a monetização dos vídeos e tornado bastante difícil a vida de quem se dedica ou quer se dedicar exclusivamente ao ofício de youtuber.

Por causa de um incidente recente no qual grandes anunciantes do YouTube estavam tendo seu conteúdo exibido em canais impróprios, a plataforma mudou bastante suas regras de monetização e isso desagradou boa parte dos produtores.

Para quem está começando na rede, agora é necessário atingir 10 mil visualizações antes que os conteúdos possam ser monetizados.

Parece simples, mas segundo uma pesquisa realizada pela Samba com 2000 produtores de todo o país, 85% das pessoas não atingem 1.000 visualizações por vídeo, sendo que 36% não chegam a registrar nem 100 visualizações.

E, para quem já está na rede, as regras para ter anúncios nos conteúdos estão mais duras.

O YouTube tem prezado bastante por conteúdos taxados como family friendly e isso está gerando insatisfação em diversos youtubers, como o conhecido Felipe Neto, que recentemente lançou seu próprio aplicativo e não quer mais ficar a mercê dessa plataforma.

Por isso, nesse momento, quem quer se tornar um youtuber ou já tem uma carreira dentro do YouTube precisa começar a pensar em novas formas de conseguir renda na internet. Depender apenas do YouTube hoje é um risco e as pessoas já estão percebendo isso.

Se esse é o seu caso, a seguir listamos 6 caminhos alternativos que você pode seguir para conseguir sustentar-se como produtor de conteúdo e ter mais lucro, independente do tamanho do seu canal.

1. Product Placement

Uma das técnicas mais adotadas pelos produtores de vídeo e que é capaz de gerar um bom lucro é o product placement. Mas o que é isso e como fazer?

Quando você já tem certa relevância no YouTube é normal que algumas marcas comecem a entrar em contato — ou que o produtor entre em contato com as marcas — para divulgação dos produtos delas e merchan. E muitas vezes isso é feito usando product placement, que é um tipo de divulgação, porém mais sutil e menos direta do que outras técnicas.

Para que você entenda, vamos a uma situação comum: você já viu algum vídeo de culinária em que a pessoa que está cozinhando usa um ingrediente de uma marca específica e dá certa ênfase à ele, falando o nome da marca, por exemplo? Isso é product placement.

Nesses vídeos, a pessoa não vai perder tempo falando das milhares de qualidades do produto. Porém, só o fato de ela ter apresentado a marca e usá-la em suas receitas já é extremamente relevante e reforça não só a memória do produto como sua confiabilidade e qualidade.

Esse tipo de merchandising é muito valioso para as marcas e pode ser muito lucrativo para os produtores de conteúdo. E não são apenas grandes Youtubers que podem apostar nesse tipo de estratégia!

Quando se tem um conteúdo de qualidade e que é relevante para um nicho específico, mesmo que ele não tenha milhões de visualizações, ele se torna atraente para as marcas e pode começar a ser patrocinado por elas.

2. Portal de conteúdo profissional

Quando um produtor começa a trabalhar no YouTube, ele fica limitado às políticas da rede em todos os sentidos — desde a personalização do canal até a sua monetização. Por isso, criar um portal profissional é importante e pode aumentar, e muito, os lucros do negócio.

No YouTube, como já citamos, você só conseguirá ganhar uma quantia considerável de dinheiro se conseguir entregar muitas visualizações. Já em um portal próprio, até mesmo com uma pequena audiência, já é possível conseguir uma boa renda e manter sua produção sustentável.

Por exemplo, se você tem 100 pessoas assistindo à um curso que você colocou no YouTube, você provavelmente não irá ganhar nada com isso.

Porém, se você tem essas mesmas 100 pessoas pagando por seus cursos de forma pontual ou recorrente em um portal profissional — mesmo que eles custem bem barato — já será possível ganhar uma quantia considerável. E o melhor é que hoje já é muito simples ter seu próprio portal de conteúdo!

E esse é um caminho que muitos Youtubers têm seguido!

Como citamos lá na introdução, recentemente o Felipe Neto, dono de um canal com mais de 15 milhões de inscritos, lançou seu próprio aplicativo para que pudesse ter contato direto com sua audiência e pudesse monetizar suas produções como bem entendesse.

Whindersson Nunes, o maior Youtuber do país, também seguiu por esse caminho e lançou seu próprio curso de “Como ser um Youtuber”, fora do YouTube, em uma plataforma com o tipo de monetização que ele escolheu.

Nesses casos, o YouTube se torna uma plataforma de atração de público e, com “conteúdos de isca” leva as pessoas para o portal profissional, que é a parte mais importante da estratégia.

3. Conteúdos patrocinados

Quando os produtores de conteúdo se tornam influenciadores, assim como no caso do product placement, é normal que as marcas os queiram como representantes de seus produtos.

A diferença desse tipo de estratégia para a primeira que apresentamos é que, nesse caso, a exposição do produto e sua propaganda se dão de forma mais explícita e direta. Conteúdos patrocinados são sempre sinalizados para a audiência como tal e dão um foco especial no produto ou marca que estão em questão.

Um excelente exemplo disso é um vídeo feito por JoutJout em seu canal sobre um anti-odor. O vídeo, apesar de manter a identidade e a abordagem tradicional da produtora, é totalmente focado no produto e é marcado como “merchan” logo em seus primeiros segundos.

Vale lembrar que esse tipo de estratégia pode ser usada não só no YouTube, mas também em outras redes, como o Instagram, em que é muito popular a hashtag #publipost.

E assim como no product placement, essa técnica não é restrita aos grandes produtores, uma vez que existem muitas pessoas gerando conteúdo de qualidade para nichos específicos e valiosos.

Conteúdos patrocinados são excelentes e podem ajudar o produtor de conteúdo a ter uma renda extra, mas é preciso ficar atento: o produto e a marca tem que estar alinhados ao conteúdo e aos valores do canal. Caso contrário, o efeito pode ser ruim e o produtor pode perder em credibilidade e audiência.

4. Venda de produtos licenciados

Grandes produtores de conteúdo, que conseguem transformar seu canal em uma marca forte, com identidade e valores, podem apostar na venda de produtos licenciados para complementar sua renda.

Hoje, é muito comum vermos canais usando essa estratégia e tendo suas próprias “lojinhas”, em que vendem camisetas com bordões do canal, pelúcias, canecas, cosméticos (no caso de canais de maquiagem, principalmente) e muito mais!

A loja do Porta dos Fundos, por exemplo, é bastante relevante e ajudou a estabelecer o canal como uma marca forte no país. Se você tem um canal que já tem produtos próprios e admiradores da marca, não tenha medo de criar sua loja!

5. Blog

Por fim, se você é Youtuber e quer uma renda extra, uma excelente opção é criar seu próprio blog. Com ele, além de conseguir mais visibilidade para seu canal, atraindo anunciantes e parceiros, você pode ter seus próprios espaços para inserção de publicidade e fazer artigos patrocinados, por exemplo.

Com um blog, você aumenta o alcance da sua marca a faz seu conteúdo ser reconhecido e consumido até por quem não tem tanto contato com vídeos ou com o YouTube. Além do mais, com um blog você pode expandir seu conteúdo, detalhá-lo e ter materiais ainda mais ricos e completos.

Esse é o caso, por exemplo, do blog da Danielle Noce. Ela é YouTuber e tem um canal de culinária com quase 2 milhões de inscritos, e mantem seu próprio blog em que publica suas receitas, conta sobre sua vida, faz especiais com anunciantes e fortalece sua marca.

Pronto para ampliar sua renda?

Agora que você já conhece novas formas de ganhar dinheiro a partir de seu canal de vídeos — sem ficar dependendo apenas da monetização do YouTube — é hora de colocar a mão na massa e aplicar aquilo que for coerente com seu conteúdo e o nível do seu canal.

Quem quer ter um negócio bem sucedido jamais deve ficar preso a um só canal e a uma só estratégia de monetização.

Afinal, isso pode colocar toda a produção de conteúdo em risco e fazer com que ela não seja algo sustentável a longo prazo. Por isso, faça testes, procure por alternativas simples, como o blog ou o portal profissional, e não fique parado!

E, se você quiser descobrir ainda mais sobre o YouTube e os segredos dessa plataforma que impactam sua audiência, leia também este material aqui. Ele vai te ajudar a ter uma visão geral da rede e a entender outros pontos que podem estar comprometendo sua estratégia.

Youtube Reels

Agora o YouTube também tem seu Stories! Conheça o Reels, novidade da plataforma.

A última epidemia de vídeos do mundo parece finalmente ter convencido o maior gigante da área a criar seu próprio Stories. Primeiro criado pelo Snapchat e agora já comum no Instagram, Facebook, Messenger e até mesmo no Skype, agora é a vez do YouTube ter seu próprio Stories.

Mencionada de forma breve em um comunicado de ontem do Youtube, a novidade — batizada de Reels — embora seja inspirada nas outras redes, foi desenvolvida com suas próprias características.

A novidade estará disponível para os Creators da Comunidade do YouTube. Entre essas pessoas, temos nomes como Anitta e o dj Marshmello.

Como funciona o Reels?

Enquanto nas outras redes os formatos de Stories tem a duração máxima de 10 segundos e desaparecem após 24 horas, os Reels poderão ter até 30 segundos e ficarão disponíveis de acordo com a determinação do criador — que pode ser até mesmo para sempre.

Além disso, ao contrário dos “tradicionais” Stories, o Reels não irá aparecer no topo da página inicial do Youtube.

Eles estarão em uma nova página totalmente dedicada aos canais dos Criadores da Comunidade. Para estarem nessa nova página, o Criador precisará ter o mínimo de 10.000 inscritos em seu canal.

Para gravar um Reels, basta fazer o mesmo de outras redes! O Creator vai poder gravar um vídeo em seu celular direto na plataforma (ou fazer o upload de algum já existente), aplicando filtros e adicionando músicas e stickers.  Depois, basta disponibilizá-lo pelo tempo desejado.

Youtube Reels

Expectativas para o Reels

De acordo com a TechCrunch, a partir de entrevista concedida pelo YouTube, a ideia da nova feature é aproximar ainda mais Criadores e usuários a partir da possibilidade de criar mais conteúdo, de forma rápida e fácil. Ela pode ser extremamente útil para os youtubers, principalmente.

O Reels tem o ponto extremamente positivo de não se tornar inconveniente para o usuário do YouTube. Embora o Stories tenha sido muito bem aceito no Instagram, ele não é tão bem visto (ou usado) no Facebook e Messenger.

Por estar em uma aba separada, o usuário irá engajar com o conteúdo disponibilizado pelos Creators no formato de Reels apenas quando entrarem na página específica.

Mas o YouTube não deixou de considerar a possibilidade do Reels receber mais espaço caso os usuários engajem muito com o novo formato de conteúdo.

Essa pode ser uma grande oportunidade para criadores de conteúdo atrair e engajar mais sua fanbase, potencializando seu sucesso na rede.

A novidade está sendo testada para um grupo selecionado de criadores e usuários para testes e ajustes e, embora ainda não tenha uma data definida, em breve estará disponível para o público em geral.

Quer saber agora mesmo como conseguir sucesso no YouTube e crescer seu canal? Confira nosso ebook gratuito Marketing no YouTube!

seo para youtube

 

Vídeoaulas para monetizar no youtube

Como utilizar videoaulas para monetizar um canal do YouTube

Muitos profissionais têm aderido a novos estilos de ocupação e estão buscando ganhar dinheiro trabalhando em casa. As mudanças na economia e a mobilidade proporcionada pela internet permitiram essa busca por uma renda autônoma.

Além disso, com o aumento exponencial da produção de conteúdo em vídeo, canais de compartilhamento como o Youtube se tornam cada dia mais relevantes e presentes na vida das pessoas.

Nesse contexto, criar um canal no youtube virou requisito para quem compartilha conteúdo online. Muitas pessoas têm monetizado seus canais e estão ganhando dinheiro com essa nova profissão: o youtuber.

Contudo, sabemos que quanto ganha um youtuber não é renda suficiente para muitos profissionais, que buscam outras alternativas de monetizar seus vídeos. Neste texto vamos falar sobre como utilizar videoaulas como uma alternativa para ganhar dinheiro com o Youtube.

Como monetizar o seu canal no Youtube

O Youtube monetiza os conteúdos publicados em sua plataforma através da inserção de publicidade nos vídeos, como comerciais no início ou no meio dos vídeos ou banners que aparecem no rodapé.

Para ganhar dinheiro com o Youtube, é preciso passar por alguns passos. Primeiramente, você precisa configurar o seu canal no Google AdSense, uma ferramenta de anúncios criada pela Google, que é proprietária da marca Youtube e que possibilita a monetização em diversos sites.

Além disso, é preciso ter mais de 18 anos, os vídeos precisam ter conteúdo original, músicas sem copyright e o canal precisa ter mais de 10 mil visualizações.

A partir deste número, o Youtube avalia o canal para confirmar se está dentro de todas as conformidades e então você pode começar a inserir anúncios em seus vídeos e, consequentemente, gerar receita no Youtube.

Além da receita gerada através dos anúncios no Youtube, um canal que tenha muita visibilidade pode atrair outras marcas que desejam promover seus produtos para aquela audiência específica.

Nesse caso, o Youtuber recebe pela divulgação daquela marca e os ganhos variam de acordo com o tamanho e engajamento do canal.

Como ganhar dinheiro além da plataforma

Uma vez que você tem um canal no youtube que está gerando receita e um público fiel ao seu conteúdo, você pode começar a utilizar outras ferramentas e estratégias para gerar receita.

Nesse contexto, uma excelente ideia para ganhar dinheiro trabalhando em casa é compartilhando o que você sabe e vender cursos online. Você pode se tornar um professor e ensinar pessoas que querem dominar algum assunto que você tem facilidade. Se pergunte no que você é especialista, ou seja, o que você pode ensinar.

As pessoas buscam aprender sobre tudo na internet hoje em dia. Existe muita gente que busca cursos online para aprender diversas línguas estrangeiras, por exemplo.

Mas não é preciso ficar preso apenas a matérias escolares: o público procura na internet certificações para várias ferramentas utilizadas em ambientes de trabalho ou até mesmo tutoriais para aprender uma receita específica. Explore essa demanda e ensine o que você domina.

Algumas coisas você deve manter em mente antes de começar a criar cursos onlines ou videoaulas:

  • Divulgue para sua comunidade: você pode se perguntar qual a utilidade em ter esforços para o canal no Youtube sendo que suas videoaulas serão vendidas através de outro canal. Porém, você deve ter em mente que ter uma comunidade já engajada com o seu conteúdo é um passo essencial para ter sucesso na venda de cursos. Portanto, divulgue esse seu produto para esses seguidores e verá o resultado aparecer;
  • Faça prévias: por ser uma mídia de consumo mais rápida, você deve fazer vídeos sobre o tema que vai abordar nas videoaulas, mas que sejam abordados de forma mais abrangente, para que no final você possa ofertar seu curso. Use as tags de forma correta, relacionando-as com o tema, dessa forma o alcance será maior;
  • Escolha uma plataforma EAD: você deve pensar onde vai disponibilizar seu curso para venda. Na hora de escolher o LMS, é preciso levantar alguns pontos que são essenciais para o desenvolvimento do seu trabalho. A segurança da sua plataforma digital é a primeira coisa que deve ser analisada. Observe se a plataforma possui HTTPS, que simboliza a certificação de segurança, ou seja, a possibilidade de ser hackeado é bem menor. Além disso, você deve verificar se existe um suporte financeiro para os alunos efetuarem o pagamento, além de outras funções administrativas que serão essenciais para seu negócio.

Leia mais em: Plataforma Para EAD, entenda como funciona

Dicas para produção de videoaulas

Crie um roteiro

O roteiro se trata de um guia, que não tem objetivo de engessar seu vídeo, e sim tornar sua expressão mais espontânea sem fugir do tema proposto. Fazer esse planejamento e tê-lo em mãos facilita a produção do vídeo, bem como saber quais assuntos abordar e de que forma trabalhar cada um deles.

Se comunique com o seu público específico

Cada público, uma linguagem. Estude quem são os inscritos no seu canal, qual a idade, hábitos. Quanto mais características da sua audiência você souber, melhor. Ajustando a linguagem e conteúdo ao seu público, você conquista uma ligação mais forte com seu aluno.

Interaja com seus alunos como com seus seguidores

Você já está acostumado a fazer vídeos para o seu canal, portanto sabe que por meio da interação é possível criar um material online dinâmico sem perder a seriedade necessária. Mostre que você se preocupa com o ensinamento que está repassando ao aluno.

Crie canais de diálogo e esteja aberto a perguntas. Aqui, a postura também interfere. Não precisa assumir um personagem em frente à câmera. Seja quem você é, sem robotização. Faça com que o aluno esqueça que há uma tela entre ele e o aprendizado.

Atenção ao cenário

O que está ao seu redor nunca pode chamar mais atenção do que está sendo transmitido. Portanto, cuidado com itens que são colocados no cenário. Evite utilizar um enquadramento com um fundo sem nada para compor a imagem.

Utilize pelo menos um quadro que tenha relação com o tema da sua videoaula. Cuide da iluminação e prefira locais claros e bem iluminados. Desta maneira, você consegue criar material online mais interessante, menos poluído e eficaz.

Destaque os conceitos chave

Escreva as palavras chave do lado esquerdo da imagem, pois é o primeiro local que o aluno irá olhar. Se fizer isso de maneira manual, utilizando um quadro negro, por exemplo, cuide com a caligrafia. Caso você decida inserir as palavras na edição, escolha uma fonte fácil de ser lida de qualquer dispositivo e cuide com a cor.

Use o mesmo padrão visual do canal do Youtube

É importante criar certo padrão no seu produto, pois isso faz com que o aluno capte melhor o que lhe é dito e  transmite profissionalismo e credibilidade. Além disso, tendo em vista que a ideia é criar unidade com seu canal do Youtube, utilize o mesmo padrão visual, que também ajuda a criar uma rotina para quem está te acompanhando.

  • Use sempre a mesma vinheta;
  • Tenha sempre a mesma estrutura em suas videoaula;
  • Padronize a linguagem utilizada dentro de cada curso.

Conclusão

Ter um canal no Youtube já se tornou fonte de renda para uma nova classe de profissionais que estão compartilhando seus conteúdos na internet. Porém, viver exclusivamente da receita adquirida na plataforma pode ser limitante. Nesse contexto, trouxemos a ideia de como vender videoaulas pode ser uma fonte de renda alternativa para Youtubers e influenciadores.

A vantagem dos vídeos enquanto produtos digitais é que são facilmente compartilháveis. Seja pela forma como envolvem e engajam o público, seja pelos canais onde são publicados.

O universo do empreendedorismo digital está em constante crescimento e tem conquistado seu espaço. A dica que temos para te dar é estar antenado com as possibilidades e aproveitar as oportunidades que estão surgindo. Estude o mercado de vídeo aulas e explore sua criatividade!

Texto escrito por Victoria Cezimbra, do time Criativo e Marketing da Eadbox, designer gráfica em formação e administradora.

Screencast: entenda o que é e como gravar vídeos com ele!

Conteúdos em vídeo estão entre as grandes tendências do marketing digital, e não estamos falando de uma moda qualquer que deve desaparecer em breve.

Pelo contrário, vídeos sempre foram grandes condutores de tráfego, mas as dificuldades técnicas e o custo de realização eram altos, de forma que só empresas com um orçamento de marketing mais elevado podiam investir no formato.

Felizmente, o cenário mudou a ponto de ser possível criar vídeos de qualidade profissional apenas com um smartphone.

Um dos melhores formatos de conteúdo em vídeo é o screencast. Esse modo de conversar com o público e engajá-lo só cresce e é perfeito para quem deseja iniciar a produção de conteúdo multimídia.

Quer saber mais sobre o assunto? Fique ligado, vou te mostrar tudo que precisa saber para começar a criar screencasts incríveis!

O que é um screencast?

Screencast é um vídeo que grava o que acontece na tela do computador. Como assim?

Por exemplo, tutoriais que mostram como usar um software geralmente são feitos no formato de screencast, para facilitar que o público veja exatamente como é a interface do produto e onde ele deve ir para realizar cada tarefa.

Assim, para criar um screencast basta conseguir um programa que grave o que acontece na tela do seu PC e editar essa gravação. Simples, não?

4 tipos de conteúdo que você pode criar usando screencasts

Sabia que você pode criar vários tipos de conteúdo usando screencasts? Cada um desses materiais pode ser usado para atingir objetivos diferentes e complementar perfeitamente a sua estratégia de marketing.

Veja pelo menos 4 tipos de conteúdo que você pode criar por meio de um screencast, e qual alvo ele ajudará a alcançar:

1. Tutoriais e cursos online — geração de leads e vendas diretas

O primeiro tipo de conteúdo que pode ser gravado em forma de screencast é o de ensino, como tutoriais ou mesmo cursos online completos.

Isso é muito comum para quem tem conhecimento em um software específico e deseja ensinar o público a dominar seu uso ou quem deseja educar o mercado sobre assuntos que envolvem tarefas realizadas online.

Esse tipo de conteúdo instrutivo pode ser produzido para gerar leads para a sua empresa ou mesmo para vender de forma direta, cobrando uma mensalidade ou um valor fixo pelo material.

2. Vídeos de introdução e implementação — retenção de clientes

Mais um bom uso dos screencasts é no processo de onboarding da sua empresa.

Assim que um cliente começa a usar o seu produto, ele precisa de ajuda para ver o valor da solução que acabou de contratar, e criar pequenos vídeos de introdução, que o ensinem a dar os primeiros passos, é de grande ajuda.

Isso contribui para a retenção e diminui os cancelamentos, tanto imediatos quanto depois de alguns meses.

3. Demonstração de produto — complemento do processo de vendas

Em muitos casos, o conteúdo de qualidade é fundamental para ajudar a fechar vendas mais difíceis, principalmente se o produto ou serviço que você vende envolve um processo complexo de negociação.

Nesses casos, contar com screencasts em momentos pontuais da interação com os prospectivos clientes pode ser um poderoso recurso, que ajudará a fechar mais acordos.

4. Chamadas sociais — geração de tráfego

Que dizer de criar screencasts como forma de atrair a atenção dos seus fãs para algum conteúdo do seu blog? Você pode criar apresentações de slides e gravar vídeos curtos para usar como chamadas nas redes sociais.

Isso ajudará a gerar tráfego para o seu blog e é um bom exemplo de como os vídeos podem ser usados tanto como figura central quanto para ajudar a promover outros tipos de conteúdo.

4 canais que você precisa usar para conseguir resultados com seus screencasts

O sucesso de um screencast não depende só do tipo de conteúdo que você vai produzir, mas também dos canais que vai usar para promovê-lo.

A boa notícia é que existem vários canais muito interessantes para apresentar seus vídeos e garantir que eles atinjam o objetivo para o qual foram feitos.

Separei uma lista com 4 destes canais, e vou mostrar porque eles são boas opções, além de dar algumas dicas de como usar cada um da melhor forma possível na divulgação dos seus vídeos.

Sua estratégia não será a mesma se você não publicar vídeos nos seguintes canais:

1. Youtube

Criar um canal do Youtube é regra para quem deseja investir com seriedade na produção de vídeos, quer você resolva apostar só nos screencasts ou em outros formatos também.

A maior plataforma de vídeos do mundo é a primeira parada de todos os que desejam consumir conteúdo nesse formato, então crie e promova o seu canal para otimizar os resultados da sua estratégia de screencasts.

2. Redes sociais

As redes sociais vem logo atrás do Youtube em termos de engajamento e alcance dos vídeos.

A aposta do Facebook em lançar o Watch também mostra que a tendência é cada vez mais conteúdo em vídeo, de preferência nativo, nesses sites.

3. Blog

O Youtube e as redes sociais são canais incríveis para aumentar a exposição da sua marca e do seu conteúdo, mas o blog é um canal exclusivo, no qual você pode controlar totalmente a mensagem a ser passada para a sua audiência.

Contar com vídeos de qualidade vai aumentar seu tráfego e ajudar no SEO, já que fatores como o tempo de permanência no site e número de páginas visitadas deve aumentar.

4. Landing pages

Landing pages são feitas para convencer a persona do valor de uma oferta, certo? Conteúdo em vídeo é perfeito para persuadir de forma mais eficaz!

Sabendo disso, você pode usar screencasts curtos em suas landing pages, para aumentar a taxa de conversão e obter melhores resultados.

5 ferramentas perfeitas para gravar seu screencast

Está convencido do valor do screencast, mas não tem nem ideia de por onde começar quando se trata da parte técnica do projeto? Não se preocupe, também pensamos nisso por você!

Aqui você vai encontrar uma lista de ferramentas apropriadas para a criação de screencasts profissionais, capazes de fortalecer a imagem da marca e engajar o seu público.

Separamos a lista entre as ferramentas de captura de tela e edição de vídeo, as duas etapas principais da gravação do seu vídeo.

É claro que essas não são todas as ferramentas disponíveis no mercado, mas são opções suficientes para quem busca tanto opções gratuitas para iniciar a produção de screencasts quanto recursos mais robustos e profissionais.

Captura de tela

Para começar a nossa lista, vamos aos softwares de captura de tela. Algo importante a lembrar é que alguns já possuem recursos simples de edição.

Então dependendo do seu objetivo, nem nem vai precisar de um segundo programa para editar. As nossas recomendações são:

1. Camtasia 

Tido por muitas pessoas como o melhor software para gravar screencasts, o Camtasia, que é produzido pela TechSmith, é bem completo. Por isso mesmo sua versão completa custa 199 dólares.

A boa notícia é que o sistema possui uma versão de testes gratuita para te ajudar a tomar uma decisão informada.

2. Webnaria

O Webinaria já é um software open source gratuito, ou seja, mantido pela comunidade de desenvolvedores que se dedicam ao projeto.

Não possui tantas opções quanto o Camtasia e outras ferramentas pagas, mas é simples de usar e pode ser perfeito para iniciar as suas gravações.

3. CamStudio

Mais uma opção simples e gratuita, o CamStudio permite gravar toda a atividade da sua tela, mas sem grandes opções de edição ou customização.

O lado bom é que o programa é gratuito, basta encontrar um sistema de edição de vídeos para fazer o acabamento, se necessário. E vamos ver algumas opções logo abaixo.

Edição de vídeo

Se você precisa de algo mais do que os recursos de edição dos softwares acima podem oferecer, ou se prefere realizar essa etapa do trabalho em um ambiente diferente, uma das opções abaixo certamente dará conta do recado:

4. Windows Movie Maker/iMovie

Não importa se você tem um PC Windows ou um Mac, existe um software perfeito para atender às suas necessidades.

Movie Maker e iMovie são as opções mais óbvias para quem precisa editar vídeos, já que são ferramentas gratuitas e, em muitos casos, vem instaladas com o sistema operacional.

5. Adobe Premiere 

A Adobe já é associada a software profissional, então nem é preciso comentar muito sobre a capacidade do Premiere.

Vale lembrar, porém, que uma ferramenta de qualidade profissional como essa tem preço mais elevado, a partir de R$105,00 por mês no modelo de assinatura.

Como de costume, você pode optar por uma versão gratuita de testes antes de decidir se vai comprar o aplicativo ou não.

A produção de um screencast não é tão complexa, mas exige cuidados técnicos para realmente engajar a audiência e trazer os resultados que você espera. Felizmente, agora você já sabe tudo que é preciso para ter sucesso com essa estratégia!

Quer aprender mais sobre como fazer marketing em vídeo? Baixe nosso ebook completo e domine de uma vez por todas o uso de vídeos na sua estratégia de atração de clientes!

marketing em vídeos

 

 

Aplicativos para criar vídeos

41 aplicativos gratuitos para criar vídeos de forma fácil e rápida no seu celular!

Confira os melhores aplicativos para criar vídeos gratuitamente de forma fácil e rápida no seu celular!

Você sabia que, até 2020, 82% do tráfego da Internet será gerado por vídeos. E que, no mesmo ano, espera-se que o consumo de vídeos online irá ultrapassar a TV? (Confira mais dados sobre vídeos neste post.)

Fazer vídeos em sua estratégia de marketing não é somente uma opção: é fundamental investir neste formato de conteúdo para atrair e engajar seu público.

E, ao contrário do que muitos pensam, fazer vídeos não é uma tarefa impossível ou que exige equipamentos profissionais.

Na verdade, o mais importante ao fazer vídeos para sua marca é ter uma estratégia bem definida e um planejamento do que você vai produzir. Não basta gravar a #hashtag do momento entre os youtubers, elaborar vídeos estratégicos é fundamental!

Se você quer aprender como fazer isso,  baixe o ebook gratuito e completo sobre Marketing em Vídeos.

marketing em vídeos

Pronto, agora que você já sabe como construir sua estratégia e já pode planejar seus vídeos, o próximo passo é começar, de fato, a produzí-los.

Mas como?

Você pode usar várias opções! Pode investir em uma gravação mais profissional em um estúdio ou até mesmo comprar uma câmera.

Porém, uma maneira mais acessível e que está ao alcance das mãos é fazer vídeos com o celular.

Atualmente existem vários aplicativos que tornam isso muito mais fácil e profissional! Você pode investir em transmissões ao vivo, screencasts ou gravar e editar seus vídeos normalmente.

Pensando nisso, fiz uma lista com 31 aplicativos gratuitos para criar vídeos para você baixar agora mesmo!

Ah, e se você também precisa editar suas fotos no celular para deixá-las ainda melhores, confira também nossa lista com 93 aplicativos de fotos (89 são gratuitos)!

1. Splice ou Quik

O Splice (iOS) ou Quick (Android) é um aplicativo de fácil e rápida edição desenvolvido pela GoPro. Basta selecionar as fotos e vídeos e uma música que ele faz as montagens e transições.

Download: iOS / Android.

2. Magisto

O Magisto permite que você crie vídeos a partir das fotos selecionadas em sua galeria. É possível acrescentar trilha sonora e efeitos de transição.

Download: iOS / Android.

3. Adobe Premiere Clip

Aplicativo desenvolvido pela Adobe, uma das maiores referências em edição gráfica do mundo, o aplicativo tem uma interface incrível e permite que você grave, monte e recorte vídeos, além de adicionar trilhas sonoras e alguns outros recursos.

Download: iOS / Android.

4. VídeoShow

Aplicativo de fácil utilização que permite uma variedade de recursos. Além de montar o vídeo, é possível adicionar legenda, desenhos com a caneta do app e adesivos. Não há limite de tempo para os vídeos.

Download: iOS / Android.

5. Vintage Retro Camera

Com esse aplicativo é possível criar vídeos com efeito retrô, com se tivessem sido feitas em filmadoras analógicas, com os ruídos característicos.

Download: Android.

6. iMovie

O iMovie tem uma interface amigável e é de fácil uso. Faça o upload de vídeos e crie seus cortes e transições.

Download: iOS.

7. Estúdio Stop Motion

Como o nome sugere, esse aplicativo é dedicado a produzir vídeos em stop motion. Além disso, ele permite a aplicação de filtros e efeitos sonoros.

Download: iOS / Android.

8. Action Movie FX

Gosta de ação? Precisa criar vídeos com efeitos especiais? O Action Movie FX vai permitir que você coloque explosões, monstros e outros recursos inspirados no mundo de Star Wars ou X-Man, por exemplo.

Download: iOS.

9. Action Movie Creator

Tem proposta similar ao anterior, mas foi desenvolvido para Android.

Download: Android.

10. KineMaster

O KineMaster é um aplicativo diferenciado! Permite editar os vídeos em várias camadas, usando também imagens e textos, aplicar várias músicas, além de regular a imagem com recursos de brilho, contraste e mesmo aplicação de filtros. É possível, ainda, exportar os vídeos em Full HD.

Download: iOS / Android.

11. Artisto

O Além da edição de fotos, o Artisto permite que você crie vídeos curtos a partir de imagens, além de contar com mais de 15 filtros.

Download: iOS / Android.

12. Lapse It

Vídeos em time-lapse, aquela técnica que junta várias fotos tiradas em sequência com intervalos curtíssimos, são um ótimo recurso visual para construir vídeos interessantes. O Lapse It Pro é um aplicativo dedicado à esse estilo.

Download: iOS / Android.

13. Vine

Apesar de não estar mais em seus anos de glória, o Vine já foi um aplicativo muito usado. A ideia é gravar pequenos vídeos de apenas 6 segundos, que são reproduzidos em loop. É um recurso legal para criar gifs e memes.

Download: iOS / Android.

14. Boomerang

O Boomerang é outro aplicativo que bem popular graças ao Instagram. Ele grava vídeos curtos que passam em loop e, assim como o Vine, é uma ótima opção para criar gifs.

Download: iOS / Android.

15. Minecraft Stop-Motion Movie Creator

Se você ama Minecraft, esse aplicativo é para você! Com ele é possível criar vídeos em stop motion com os personagens da série.

Download: iOS / Android.

16. Movie Maker FilmMaker

Com esse aplicativo você conseguirá cortar, agrupar, aplicar efeitos e filtros, dentre outros recursos, aos seus vídeos.

Download: Android.

17. VidTrim

O VidTrim é simples, mas prático e rápido para quem quer fazer edições pelo celular. Oferece todos os recursos básicos necessários.

Download: Android.

18. Flipagram

O Flipagram permite criar vídeos combinando fotos, vídeos, efeitos, slides e músicas.

Download: iOS / Android.

19. Videorama

O aplicativo tem uma interface amigável e permite que você combine fotos e vídeos, cortando, acelerando e usando efeitos.

Download: iOS.

20. PocketVideo

Esse aplicativo foi desenvolvido pensando especialmente nos youtubers e vloggers. A ideia é que o usuário crie todo o vídeo no próprio app: desde a gravação, passando pela edição e, por fim, publicando no Youtube.

Download: iOS / Android.

Se você está procurando mais informações no YouTube para melhorar seu canal, conseguir mais views e engajar os usuários, faça o download esse guia completo sobre marketing no Youtube.

seo para youtube

21. YouNow

O YouNow é um aplicativo dedicado a transmissões online. Com ele é possível criar grupos de interação (chats) em cada transmissão, aproximando a experiência entre usuários.

Download: iOS / Android.

22. Montaj

O Montaj, com o nome sugere, permite que você faça montagens entre vídeos de 5 segundos. Basta gravar ou selecionar o vídeo e depois adicioná-los a um storyboard e combina com músicas e filtros.

Download: iOS.

23. Instagram

Embora seja uma rede social, o Instagram vem cada dia mais trazendo recursos de edição que o tornam um aplicativo bem completo neste aspecto. Além da edição de fotos, também é possível editar vídeos curtos (até um minuto) com os filtros do aplicativo. Com o Stories, ainda, é possível gravar vídeos de 10 segundos, aplicando filtros, textos e stickers.

Download: iOS / Android.

24. MSQRD

Esse aplicativo permite que você troque rostos ou coloque máscaras em seus vídeos de selfie, com no Snapchat. A diferença é que ele também permite a transmissão ao vivo no Facebook.

Download: iOS / Android.

25. Vue

O Vue é um aplicativo que permite a montagem de vídeos, mas seu grande diferencial são os stickers e filtros.

Download: iOS / Android.

26. Viddy

Com uma interface que lembra muito o Instagram, o Viddy permite que você edite seus vídeos, cortando-os e aplicando efeitos, cores e filtros.

Download: iOS.

27. AndroVid

Esse app permite cortar e mixar fragmentos de vídeos, aplicar filtros e alguns efeitos, como câmera lenta ou sépia.

Download: Android.

28. FilmoraGo

O FilmoraGo é bem intuitivo e permite agrupar vários vídeos, fazer cortes, inserir efeitos de transição, músicas e ajustes de imagem.

Download: iOS / Android.

29. Perfect Video

Com esse aplicativo você tem acesso aos recursos de corte, efeitos e transições. Seu único defeito é que, para retirar a marca d’água, é necessário comprar o aplicativo. Com exceção disso, o aplicativo é gratuito.

Download: iOS / Android.

30. Camcorder

Esse aplicativo simula uma filmadora VHS, aplicando os efeitos, ruídos e sinais característicos delas.

Download: iOS / Android.

31. Efectum

O Efectum permite criar vídeos em câmera lenta, rápida ou reverso, permitindo aplicar diferentes efeitos em trechos diferentes do vídeo.

Download: Android.

32. MobCrush

Essa é pros gamers que adoram competir! Com esse app você pode fazer a transmissão ao vivo de suas partidas.

Download: iOS / Android.

33. Stream

O Stream é outro aplicativo para transmissões ao vivo. Sua característica mais interessante é permitir que você ou outros usuários com acesso à sua live gravem pequenos trechos da transmissão para depois compilar e fazer os “melhores momentos”.

Download: iOS.

34. VideoShop

Esse aplicativo permite que você monte o vídeo da forma que queira, cortando, agrupando, selecionando melhores momentos e aplicando músicas e efeitos sonoros, além de efeitos.

Download: iOS / Android.

35. VidLab

O VidLab tem vários filtros interessantes disponíveis, disponibiliza recursos de correção da imagem, além de permitir que você adicione textos em partes específicas do vídeo.

Download: iOS.

36. PowerDirector

Com esse aplicativo, você vê seu vídeo em um storyboard detalhado, sobre o qual pode trabalhar diversos aspectos, como volume, velocidade, espelhamento, texto, corte, dentre outros, em pontos específicos.

Download:  Android.

37. CuteCUT

O CuteCUT também mostra seu vídeo em um storyboard. Nele, você pode adicionar montagens, textos e juntar seus vídeos e fotos para formar um só.

Download: iOS / Android.

38. Cameo

Cameo

O Cameo é uma aplicativo desenvolvida pela Vimeo, uma das maiores referências em vídeo do mundo.

Ele se propõe a ser um aplicativo de fácil uso. Segundo a própria descrição, basta cortar e combinar vídeos do rolo da câmera com alguns toques e depois selecionar efeitos para melhorar a imagem e uma trilha sonora.

Download: iOS.

39. MovieMaker

O MovieMarker é um dos aplicativos de vídeo com a interface mais amigável. Ele permite montar o vídeo, mas seu recurso mais legal são os letreiros, que você pode variar cor e tamanho e são muito criativos.

Download: iOS.

40. SlideShow Movie Maker

Como o nome sugere, a ideia é criar um slideshow com suas fotos e vídeos e aplicar uma música. É simples e prático de usar.

Download: iOS.

41. Slideshow Creator

Esse aplicativo tem o mesmo intuito do anterior, mas foi desenvolvido para aparelhos Android.

Download: Android.

Bônus: 8mm e FilMic Pro

Esses resolvi trazer como bônus pois são aplicativos pagos.

O 8mm é o queridinho para gravar vídeos no estilo vintage, com efeitos e ruídos característicos. E não é a toa: uma curiosidade é que esse aplicativo foi usado por Malik Bendjelloul para gravar o documentário “Searching for Sugar Man”, vencedor de um Oscar. O aplicativo custa U$D 1,99 na App Store e você pode fazer o download aqui.

Já o FilMic Pro é um aplicativo semi-profissional que permite diversos ajustes em seus filmes. É um aplicativo realmente muito completo, que vai deixar que você monte um vídeo como queira, ajustando foco, cores, timing e tudo mais. O único porém é que ele é bem mais caro que a maioria dos aplicativos (U$D 14,99 na App Store). Você pode fazer o download para iOS aqui ou para Android aqui.

Viu como é possível criar um conteúdo incrível usando apenas o celular, criatividade e muita estratégia?

Se você gostou dessa lista e quer receber mais conteúdos assim diretamente no seu email, assine nossa newsletter! Você pode escolher entre recebê-la todos os dias, uma vez por semana ou uma vez por mês!

Febre dos Motion Graphics

A febre dos Motion Graphics: entenda tudo sobre esse assunto

O Motion Graphics (em português: videografismo) é sem dúvida uma das maiores tendências da produção audiovisual em todo o mundo.

Famoso por conseguir explicar com facilidade conceitos e ideias no contexto de pequenas e grandes empresas dos mais diversos ramos, a técnica consegue gerar grande impacto visual e, em geral, representa uma opção muito mais vantajosa financeiramente do que outras alternativas de produção.

De maneira bem simplificada, Motion Graphics é dar vida ao design gráfico por meio da animação, ou seja, quando elementos como círculos, linhas, retângulos, textos, mapas, setas e ícones movem-se no tempo e no espaço da tela para contar uma história.

O que poucos sabem é que Motion Graphics é um recurso quase tão antigo quanto o próprio cinema.

O francês George Meliés, que tornou-se conhecido com o surgimento do cinema no final do século XIX, já usava algumas técnicas de stop motion, que mais tarde influenciariam no surgimento do Motion Graphics.

A partir de Meliés, diversos artistas e profissionais procuraram, com todo esforço, criar gráficos em movimentos, muitas vezes de maneira heróica.

Com o passar dos anos, as técnicas foram evoluindo, surgiram os softwares e a importância do Motion Graphics foi aumentando de maneira exponencial, sendo atualmente utilizado no cinema, na televisão, na Internet, na publicidade e de várias outras formas.

Você confere mais sobre esta incrível História do Motion Graphics nesta postagem especial sobre o assunto.

Principais estilos de Motion Graphics

Com essa evolução tecnológica no cenário do Motion Graphics, foram surgindo vários estilos, que você confere abaixo:

Estilo 3D

É muito comum ouvir a expressão 3D, que representa as 3 dimensões que somos capazes de enxergar. Ou seja, quando nos referimos a esse estilo estamos falando de imagens nas quais é muito perceptível a ideia de profundidade, perspectiva e de um ambiente que se assemelha com a realidade.

Essa alta fidelidade com a realidade se deve ao estilo possuir pontos de fuga, sombras, reflexos, iluminação e texturas realistas. Além disso, são comuns movimentos de câmera que lembram filmes de Hollywood.

Como as animações 3D possuem muita relação com o mundo real, elas são fáceis de entender. Outro ponto forte é que conferem autoridade ao vídeo, já que é sabido que este estilo em geral representa um investimento várias vezes maior do que outras técnicas de Motion Graphics.

Flat Design

Uma revolução em relação aos estilos realistas, a premissa aqui não é tão intuitiva, mas é poderosa. Se os usuários já estão acostumados com o ambiente virtual, não é mais necessária toda aquela “sujeira” (sombras, iluminação, reflexos etc.), é possível simplificar e tornar as imagens mais claras e elegantes.

Nesse sentido, tudo que não é essencial, deve ser descartado. Então vão-se as sombras, os reflexos, os pontos de fuga, os degradês e assim em diante.

O estilo transmite uma ideia de algo moderno e inovador e por ser mais simples de fazer, tende a ter um custo mais atrativo.

A revolução do Flat Design foi tão importante que atualmente há diversos estilos que se desdobraram deste conceito inicial. Assim sendo, entender a profundidade dessa mudança no imaginário coletivo é fundamental para perceber o contexto das artes visuais na era digital.

Algumas das variações do Flat Design são: Flat Design Long Shadow, Flat Design com Degradê, Flat Design Linhas Finas e Material Design.

Whiteboard Animation

Whiteboard Animation, ou Animação em Quadro Branco, é um estilo que busca inspiração nas aulas e nos professores, que desenham e escrevem os ensinamentos no quadro. Assim, é forte a associação com a transmissão de ideias, conteúdos ou até histórias em um ambiente de aprendizado.

Este estilo possui ainda uma atmosfera íntima e próxima da audiência, que acaba sendo uma ótima oportunidade para chamar atenção no meio da multidão.

Além de tudo isso, este estilo tende a prender muito a atenção de quem assiste, pois as pessoas gostam muito de olhar como as imagens vão sendo formadas. Você já deve ter parado por aí para ver algum artista de rua trabalhando em uma pintura, não é mágico?

Infantil

Quando nos referimos ao estilo infantil, estamos falando na realidade de uma intenção: alcançar e cativar a atenção das crianças. Assim, podem ser usados diversos dos estilos de design, mas com adaptações para o público em questão.

Algumas características são o uso de cores vivas e estilo mais exagerado ou caricatural de ilustrações, assim como pode ser visto nos exemplos desta postagem aqui.

Dentre as vantagens deste estilo estão a possibilidade de atingir um público que em geral não irá se interessar por outros estilos e também o maior potencial que os vídeos infantis têm de viralizar.

Há muitos estilos de design e de design em movimento. Para descobrir os diversos outros, é só acessar esta incrível postagem aqui.

Os usos do Motion Graphics

O Motion Graphics está presente nos mais diversos estilos de vídeos, para os objetivos mais diferentes possíveis.

Alguns dos formatos possíveis são:

Cada um destes formatos traz suas particularidades e podem usar os mais diversos estilos.

O Motion Graphics também pode ser combinado com animações 2D e 3D, gravações tradicionais ou em estúdio chroma key. Para descobrir vários exemplos de vídeos em Motion Graphics, nesses diversos estilos, é só clicar aqui.

Com tudo isso, há duas razões principais para acreditar que o Motion Graphics continuará dominando a Produção Audiovisual:

  • Motion Graphics permite uma escala maior do que gravações externas ou animações 3D, possibilitando a produção de uma quantidade maior de vídeos, cobrindo diversos tópicos com a mesma verba. Este ponto é particularmente importante para Marketing de Conteúdo em Vídeos.
  • A técnica é talvez a mais eficaz para explicar qualquer coisa rapidamente e de maneira efetiva, com base na famosa Teoria dos Dois Canais, que defende que, ao transmitir informações ao mesmo tempo através de dois canais (oral e visual), atingimos um nível superior de aprendizado e lembrança.

Onde usar vídeos em Motion Graphics?

Até aqui tudo bem, você escolheu o estilo e o formato ideal e já tem um vídeo incrível em Motion Graphics.

Mas e agora? Como fazer com que este vídeo alcance os resultados prometidos?

Você pode ter o melhor vídeo de todos, mas se não pensar na distribuição desse conteúdo, de nada terá adiantado.

Até bem pouco tempo, a única opção certeira era o Youtube, pioneiro nesse ramo e com uma história de encher os olhos. Até hoje é de longe a melhor opção para Vídeo SEO (para ranqueamento orgânico dos vídeos e do site da empresa) e também oferece boas oportunidades em sua sua opção paga, o Youtube Adwords.

Nessa batalha pelos vídeos na Internet, porém surgiu um outro concorrente bem forte, o Facebook, que com sua opção de vídeos vem ganhando espaço rapidamente.

Embora o Facebook ofereça oportunidades de ranqueamento orgânico bastante limitadas, é bom lembrar que vídeos possuem um alcance 135% maior que as postagens comuns, você ainda pode usar a opção de Facebook Live que oferece talvez a melhor plataforma de propagandas da internet. A opção paga da rede social se destaca pelo alcance e segmentação aprofundada do público.

Os vídeos no Instagram também vem conquistando seu lugar no bolo publicitário dos vídeos na internet, com dezenas de milhões de pessoas assistindo a vídeos diariamente na plataforma.

O Instagram é famoso pela criatividade. Ele possui a maior média de usuários seguindo marcas e o engajamento é fantástico: 10 vezes maior do que no Facebook e 84 vezes maior do que no Twitter. Não à toa, cerca de 40% dos vídeos mais populares da plataforma são de empresas, que em 2016 obteve investimento de cerca de 200 mil anunciantes somente no Brasil.

Outro jogador importante é o Twitter, que desde 2013 passou a aceitar posts em vídeo e possui um público que adora conteúdo de empresas em sua timeline. O Twitter possui um excelente sistema de Ads que possibilita direcionar campanhas baseadas em canais que o público já acompanha.

Na plataforma, vídeos geram até 2,5 vezes mais interação e 2,8 vezes mais retweets do que status em texto, uma ótima oportunidade de gerar mais engajamentos e resultados.

Além disso, ao contrário dos famosos 140 caracteres dos textos que tendem a limitar a comunicação, a duração permitida para os vídeos, de até 140 segundos, é mais do que suficiente. No Brasil a rede social possui mais de 30 milhões de contas e o país é o segundo maior mercado do Twitter, ficando atrás somente dos EUA.

Depois de tudo isso, o que fica é uma ideia de que todo o processo de produção de vídeos em Motion Graphics é muito importante. Ter atenção sobre qual estilo e formato é adequado para os objetivos estipulados é o primeiro passo para uma produção de sucesso. Em seguida, uma produção e uma distribuição de qualidade são essenciais!

Se você gostou desse artigo, não deixe de curtir, comentar e compartilhar com todos os seus amigos. E até a próxima!

 

live video

Live vídeo: descubra como transmissões ao vivo podem ser úteis para sua estratégia de marketing

Transmissões ao vivo já têm espaço cativo nas estratégias de grandes empresas como Starbucks, Chevrolet, Buzzfeed, Sephora e Snickers.

Esse formato de vídeo ganhou espaço nas redes sociais e vem cada vez mais para mostrar que existe alternativa de programação para além da mídia tradicional. 

Você quer se aproximar do seu público?

Quer formar laços de confiança?

Quer deixar sua marca mais forte?

Quer mostrar o lado humano de sua empresa?

Então já passou da hora de investir nas transmissões ao vivo.

Continue lendo o texto de hoje e descubra como aproveitar de todo o potencial do Live Vídeo na sua estratégia de marketing.

Transmissões ao vivo: como elas se aplicam ao marketing?

Hoje em dia não é mais possível pensar em uma estratégia completa de marketing sem a integração de conteúdos em vídeo.

Seja uma palestra, uma propaganda ou até mesmo uma animação, a verdade é que o seu negócio precisa estar preparado para lidar com as transformações nas demandas do público, e isso inclui um formato que permita cada vez mais interação com a persona.

É nesse cenário que surge o Live Stream.

Esse formato de transmissão engloba uma série de valores que fazem toda a diferença na gestão de seu público e suas mídias sociais, tais como:

  • Imediatismo: Uma transmissão ao vivo só existe na condição de “ao vivo” naquele instante imediato em que ela é produzida. Mesmo que um usuário tenha acesso posterior à gravação, a experiência jamais será a mesma daquela proporcionada pelo Live Vídeo.
  • Singularidade: Cada transmissão é única. Não adianta ensaiar e tentar reproduzir um vídeo ao vivo, isso é impossível. A interação com o público, a escolha de palavras, o contexto e tom de vozes não podem ser replicados, e é isso que as torna tão desejáveis.
  • Interatividade: Aqui está o ponto chave da transmissão ao vivo. As possibilidades de interação com os seus usuários fazem com que eles entendam a importância que têm para a empresa. Não só isso, uma transmissão ao vivo abre espaço para a coleta de feedbacks em tempo real e solução de dúvidas pontuais sobre o serviço ou produto oferecido.

O que uma transmissão ao vivo realmente oferece ao público é esse contato humanizado que pode ser estabelecido em favor de sua marca.

Você pode preparar bate papos, jogos, exposição de novos produtos, bastidores, coleta de feedback, sessão de perguntas e respostas, transmissão de eventos, shows e palestras na empresa, cotidiano de seus colaboradores e tudo mais que couber nas demandas da sua persona.

Com as transmissões ao vivo o seu negócio sobe para um patamar diferenciado no que diz respeito à interatividade com o público, que só tem a ganhar desse novo canal de comunicação.

Quais os empecilhos?

E se as transmissões ao vivo são tão benéficas, por que poucas empresas brasileiras apostam nessa alternativa?

A resposta é simples: medo.

Medo de errar, medo de comprometer o nome da empresa, medo de colocar uma palavra fora do lugar e, principalmente, medo de não fazer sucesso.

As limitações de aparelhagem também ficam no caminho de diversos empreendedores, mas, na era dos celulares de alta performance, isso é o de menos.

O que mais pesa, ainda hoje, é a ideia de que toda apresentação ao vivo precisa ser impecável, e que cada palavra precisa antes ser ensaiada.

Esqueça essa ideia.

O que mais conta na apresentação ao vivo é a fluidez com que você consegue transmitir as ideias que preparou.

Nada de memorizar suas falas. Aproveite de ferramentas como slides, por exemplo, para não perder o ritmo da apresentação, e concentre-se em ser agradável e se comunicar com o seu espectador.

Treinar a voz, assistir a vídeos da concorrência e separar os assuntos que devem ser abordados em tópicos são algumas estratégias que podem ser adotadas para ajudar na hora de apresentar o seu vídeo ao vivo.

Como fazer uma transmissão ao vivo?

YouTube

Quando o assunto é vídeo, é natural que o Youtube seja a nossa primeira opção.

A rede social está entre as mais importantes para os brasileiros, e já conta com mais de 6 bilhões de horas de vídeos assistidos mensalmente.

Na hora de transmitir seus vídeos online, porém, é preciso atenção: a rede oferece duas opções diferentes de formatação do conteúdo (“transmitir agora” e “eventos”) para além da alternativa mobile.

A principal diferença entre elas está nas suas opções de controle da transmissão.

Se você começar o seu live vídeo por meio da alternativa “Transmitir agora”, o Youtube tratará de detectar automaticamente o frame e resolução da transmissão. Assim, quando estiver online, a rede fará uma redução dos dados de modo a permitir que usuários que dependam de resoluções mais baixas também tenham acesso ao conteúdo.

Para a opção de “Eventos”, porém, você tem muito mais liberdade na criação de sua transmissão ao vivo, podendo definir horário de início, múltiplos canais de stream, privacidade e até mesmo testar com antecedência para checar o equipamento

Mas lembre-se de que, antes de tudo, é preciso ter atualizado no seu computador o software de codificação utilizado pela rede.

Pelo smartphone, basta acessar o app e depois clicar no ícone de câmera que fica na barra superior.

Transmissão ao vivo no Youtube

Foto: Helito Bijora

Caso deseje, você pode adicionar um título, usar filtros e conferir comentários e acessos instantâneos.

Uma das maiores vantagens do Youtube Live está no seu Analytics que, além dos dados de acesso, mostram também informações como sexo e localidade dos espectadores. Caso queira, um relatório completo fica disponível para download após o final da transmissão.

Facebook

Dentre todas as opções de transmissão ao vivo, a mais popular ainda é a do Facebook.

Ter a exibição de vídeos atrelada à sua fanpage é uma vantagem e tanto, portanto, é fundamental entender como funciona essa ferramenta na rede social mais popular do mundo.

Para começar, abra a página do Facebook no seu navegador e clique na área “No que estou pensando?” no topo do feed de notícias.

Em seguida, selecione a opção “Vídeo ao vivo” e, caso queira, adicione uma descrição.

live no facebook

Por fim, clique em “Transmitir ao vivo” e pronto, seu vídeo será exibido para seus seguidores depois de uma contagem de três segundos.

Durante toda a transmissão é possível acompanhar quem está assistindo, comentários, compartilhamentos, alcance e reações deixadas por seu público.

Cada Live Video pode durar até 4 horas e, pelo Facebook, é possível selecionar uma audiência específica que terá acesso ao conteúdo.

Essa é uma vantagem para quem trabalha com diferentes púbicos segmentados, além de ajudar no controle do tipo de conteúdo que chega a cada uma de suas personas.

Por fim, a transmissão ao vivo pelo Facebook garante que os usuários que mais interagem com sua marca recebam uma notificação a respeito do seu vídeo – que rankeará melhor que conteúdos em texto e imagens estáticas na rede.

Instagram

O Instagram Live oferece uma plataforma um pouco mais intuitiva na hora de gravar os seus vídeos, com a diferença de que cada transmissão ao vivo ficará disponível por apenas mais 24h após a exibição.

Essa alternativa faz parte do polêmico Stories, que hoje é um segmento importantíssimo para o Instagram, com mais de 100 milhões de usuários ativos diariamente.

Graças ao clima de imediatismo do Instagram Stories (quando comparamos com outras redes como o Twitter ou Facebook) o ideal é fazer uso da alternativa de Live Video apenas para questões mais casuais.

Bate papos e demonstrações rápidas de produtos encaixam bem com a dinâmica do Instagram, ao contrário de longas palestras e shows, que ficam melhor no formato do Facebook.

Para usar o modo ao vivo é bem simples:

  • Abra o aplicativo;
  • Selecione a opção de Stories no canto superior esquerdo;
  • Arraste a tela para a esquerda para selecionar a opção “ao vivo”;
  • E pronto.

Cada transmissão pode ter a duração máxima de 1h, usuários ao vivo ganham uma marcação ao redor de seu avatar no Stories e ainda podem aparecer na aba de “descobertas” do Instagram.

Assim como no Facebook, pelo instagram Live é possível acompanhar quem visualiza sua transmissão, comentários, reações etc. Caso seja necessário, é possível também banir algum usuário tóxico daquele vídeo.

 Twitter

A alternativa de vídeos ao vivo pelo Twitter não é tão popular hoje em dia, mas para empresas que têm forte presença na rede, pode ser uma boa opção.

A funcionalidade de transmissão ao vivo foi implementada em meados de 2016, quando a rede decidiu que seria uma boa ideia herdar algumas características do antigo Periscope.

Para fazer sua transmissão, basta selecionar a opção “Ao vivo” que aparece no app assim que você pede para compor uma nova mensagem.

Live vídeo no Twitter

Durante a transmissão você terá acesso aos comentários, número de espectadores e curtidas.

Depois da exibição o seu vídeo pode ficar disponível para visualização na timeline do Twitter, e será automaticamente enviado ao Periscope, mesmo que você não tenha uma conta por lá.

Caso queira outras opções de plataforma para Live Stream, considere também redes como:

  • UStream
  • Justin.Tv
  • LiveStream
  • Twitch
  • Veetle

4 marcas que já usam de transmissões ao vivo no marketing

Se você ainda tem dúvidas a respeito da efetividade de uma estratégia que contemple o uso de transmissões ao vivo, é bom conferir essa lista que preparamos com 4 empresas incríveis que já uniram essa alternativa com os seus esforços no marketing digital.

Dunkin Donuts

A Dunkin Donuts é uma empresa especializada em – adivinhe – donuts. Sua sede americana tem lojas em vários estados no Brasil, e é bem conhecida pelo apelo visual de suas propagandas e produtos.

Em fevereiro de 2016 eles decidiram fazer uma live (a primeira de sua página no Facebook) mostrando a confecção de um bolo gigante de donuts.

A postagem rendeu uma média de 44 mil visualizações – não muito, se considerarmos a popularidade da marca – mas foi um buzz e tanto nas redes, o que ajudou na divulgação do nome e inspirou uma série de usuários a testar em casa a receita do bolo.

Sephora

A Sephora é uma rede mundial de cosméticos fundada na França e, para aumentar o índice de engajamento com seu público pelo Facebook, decidiu aproveitar do recurso de Live Vídeo para promover uma sessão de perguntas e respostas.

Para essa campanha, a empresa líder na área de beleza convidou especialistas do mercado para responder às perguntas dos espectadores durante 30 minutos, além de apresentar bate papos sobre tendências, cabelos e dicas de moda.

Com um clima casual, os apresentadores da Live aproveitavam para indicar produtos da própria loja para usuários que enviavam perguntas, o que colaborou – e muito – para o aumento das vendas e circulação nas suas lojas online.

Starbucks

O Starbucks foi mais uma empresa que decidiu fazer bom uso da ferramenta de Live Vídeo do Facebook.

Em 2016 a empresa, conhecida mundialmente pela rede de cafeterias que começou nos Estados Unidos, aproveitou do evento de cadastro de votantes para fazer sua primeira transmissão ao vivo, aproveitando do engajamento da comunidade para mostrar que a empresa também se preocupava com as questões cotidianas da sociedade.

A campanha ajudou na divulgação do nome Starbucks e, claro, no estreitamento das relações da marca com seu público.

Buzzfeed

Ao contrário das outras marcas aqui citadas, o Buzzfeed não tem um produto ou um serviço específico à venda. Todo o seu faturamento vem de conteúdos patrocinados e anúncios em sua página.

Em uma de suas primeiras transmissões ao vivo, a rede, especializada em conteúdo, decidiu lançar um desafio: quantos elásticos posso colocar em uma melancia antes que ela exploda?

Com essa premissa eles conseguiram mais de 800 mil espectadores para acompanhar a transmissão de aproximados 45 minutos.

Consegue imaginar esses números para sua empresa? Com 800 mil usuários ligados na sua marca, o potencial de engajamento e alcance do seu conteúdo são altíssimos!

O recurso de Live Vídeo traz infinitas possibilidades de promoção do seu negócio, e não pode ser deixado de lado na hora de montar uma boa estratégia de marketing digital.

Quer saber mais? Aproveite então para conhecer nossa seleção de materiais ricos e prepare-se para conseguir resultados cada vez melhores!

Vídeos para instituições de ensino

Como instituições de ensino podem usar os vídeos para ampliar seus negócios

As instituições de ensino atuais — sejam elas de nível médio ou superior — precisam se renovar constantemente para acompanhar as necessidades e desejos de seus alunos.

Cada vez mais conectadas à tecnologia e à ferramentas educacionais, as pessoas hoje esperam que as escolas e universidades sigam essas tendências e sejam atualizadas em termos de interação, comunicação e transmissão do conhecimento.

Portanto, essas instituições precisam conhecer não apenas a realidade do mercado de educação, mas também o contexto em que seus estudantes estão inseridos. Só assim será possível conseguir seu interesse e engajamento, além de aumentar o sucesso do negócio.

Por isso, diversos locais já estão investindo em ferramentas tecnológicas, telas interativas, espaços 3D, realidade virtual e muito mais. Porém, é possível ir além do espaço físico da instituição e manter um contato mais próximo e amigável com os alunos. Sabe como? Com a ajuda da internet e dos vídeos online.

Uma pesquisa realizada pelo IBGE no final do ano passado (2016), mostrou que mais de 100 milhões de brasileiros já têm acesso à internet — o que representa 58% da nossa população.

E entre quem fica conectado, segundo um outro estudo da We Are Social (2015)  a média de tempo gasto navegando chega a até 9 horas diárias, quando somamos o período em desktops e smartphones.

Quando se trata de consumo de conteúdo, os vídeos vêm ganhando destaque. Segundo uma pesquisa feita pelo Google (2015) de todo o tempo que as pessoas passam online, 15 horas semanais já são dedicadas ao consumo de vídeo. E segundo a ComScore, a tendência é que até 2019, 80% do tráfego de internet seja gerado por vídeos.

Portanto, se uma Instituição quer se destacar e sair na frente no mercado, uma ótima ideia é aproveitar essas tendências.

É importante começar a pensar em como a internet e os vídeos podem ajudar e começar a investir neles. Para te ajudar, vamos falar de algumas estratégias que você pode adotar desde já para ter melhores resultados e ampliar seu negócio.

Vídeo Institucional

O vídeo institucional é um tipo de conteúdo extremamente indicado não só para empresas do setor educacional, mas para qualquer negócio que queira se posicionar de forma mais séria e clara diante do mercado.

No caso das Instituições de ensino, que precisam realmente ser autoridade e ter credibilidade no que ensinam, o vídeo institucional se faz ainda mais necessário.

Com ele, é possível mostrar a missão da Instituição, seus valores, o que ela preza, o que oferece em termos de estrutura e muito mais. Essa é a forma mais fácil de conquistar o público logo no primeiro contato, seja no site, em uma landing page, ou em um evento, por exemplo.

Vídeos são elementos extremamente atrativos e pesquisas já comprovam que em páginas com esse tipo de conteúdo, 60% das pessoas tende a dar play antes mesmo de ler uma palavra sequer do texto.

Portanto, se você quer mais relevância e visibilidade para a sua Instituição, aposte nesse tipo de abordagem. Pense nos pontos que vale a pena destacar em relação a sua instituição, faça um bom roteiro, pegue depoimentos de professores e alunos, capriche nas imagens e mostre seu trabalho ao mundo!

Transmissão de eventos

Instituições de Ensino normalmente realizam uma série de eventos internos — festas, apresentações culturais, rodadas de palestras, exposições e etc. — e mostrar isso à comunidade externa pode ser uma excelente maneira de atrair mais interesse para o negócio.

Afinal, esses eventos mostram que a Instituição se importa não só com o desenvolvimento acadêmico e profissional dos alunos, mas também com sua formação pessoal e social.

Então, sempre que for realizar esse tipo de acontecimento, analise se não vale a pena investir em uma transmissão em tempo real, usando o Facebook Live ou uma ferramenta mais profissional, ou faça uma gravação para distribuir depois.

Esse tipo de conteúdo pode ser postado em um canal específico ou divulgado no site ou nas redes sociais da empresa e gera bastante engajamento e curiosidade no público.

Além do mais, esses eventos fazem com que as pessoas se sintam interessadas pela instituição e pelo que ela pode oferecer e deem mais atenção a ela em seu dia a dia e na hora de procurar por um local para estudar.

Redes Sociais

O Brasil tem 97 milhões de pessoas conectadas às redes sociais hoje e é o líder da categoria na América Latina. De acordo com uma pesquisa (2016), o tempo que as pessoas passam navegando por essas redes já chega a mais de 3h diárias e é um dos maiores do mundo.

Ao mesmo tempo, não é novidade que os vídeos são o novo formato de conteúdo mais “queridinho” dessas redes e têm ganhado cada vez mais relevância. No Facebook, por exemplo, os conteúdos em vídeo são capazes de gerar muito mais compartilhamentos e likes do que apenas fotos ou textos.

Portanto, é extremamente importante que sua instituição esteja presente nessas plataformas e que invista nos vídeos como a principal forma de se comunicar com o público.

Nessas redes, mais do que o vídeo institucional e os eventos, você pode publicar conteúdo educativo, dar dicas de estudo, fazer quadros com os alunos e professores e, assim, aproximar o público da sua instituição e se firmar como autoridade em sua área de atuação.

É interessante também pensar em investir em anúncios nessas redes, uma vez que o alcance e o engajamento com os conteúdos aumenta significativamente quando há uma ação de impulsionamento.

Atividades complementares online

Saindo um pouco da parte da divulgação e atração de novos públicos, existem várias formas de utilizar os vídeos para expandir a atuação de uma instituição também para o espaço online.

Por exemplo, se um local trabalha apenas com materiais físicos e aulas no modelo tradicional — presencial — ele pode começar a disponibilizar conteúdo online exclusivo para os alunos e se fazer uma referência também no meio digital.

Quando as pessoas precisam fazer pesquisas ou estudar, na maioria das vezes recorrem à internet — e aos materiais nem tão confiáveis que ela fornece — e isso pode acabar prejudicando o desempenho acadêmico.

Portanto, pode ser muito interessante criar um portal em que os alunos possam ter acesso a materiais e atividades complementares à aula, como forma de estudar e se preparar para testes e exames.

Nesse caso, vale pensar novamente em oferecer o material em formato de vídeo, uma vez que ele é mais didático, mais fácil de consumir e é o tipo de conteúdo que mais se aproxima do presencial que conhecemos.

Cursos online

Se você quer expandir ainda mais o seu público e levar conhecimento para quem não teria acesso à sua instituição de forma presencial, você pode pensar em criar cursos online! Esses cursos podem ser para formação acadêmica, de graduação, por exemplo, ou no formato livre, como um curso de reforço para uma matéria específica ou um pré-vestibular.

Assim, você pode alcançar não só quem já estuda com sua instituição no modelo presencial, mas também outras pessoas que querem se especializar mas não têm tempo ou moram longe demais para fazer isso da forma tradicional.

Essa é uma excelente forma de expandir seu negócio e, ao mesmo tempo, levar conteúdo de qualidade a quem quer aprender!

Para fazer isso, basta analisar a realidade atual de sua instituição, o que ela já oferece em termos de ensino e, então, definir o tipo de conteúdo que pode ser oferecido online.

E, assim como no exemplo acima, é interessante que o material principal do ambiente digital seja disponibilizado em vídeo — uma vez que esse é um formato mais atrativo, rico e capaz de gerar mais engajamento no público.

Com pouco investimento, você pode, por exemplo, criar um estúdio dentro da própria instituição e aproveitar os recursos que você já tem para gravar os vídeos.

Pronto para começar?

A internet e os vídeos online oferecem infinitas possibilidades a quem quer empreender e expandir seus negócios e as instituições de ensino precisam estar atentas a isso. Afinal, os alunos esperam que elas acompanhem as evoluções tecnológicas e querem sentir que estão tendo acesso ao que há de mais novo e eficiente quando se trata de educação.

Portanto, avalie a situação atual de sua instituição, veja como ela pode melhorar sua atuação em termos de marketing e de negócios e comece a trabalhar com conteúdos e abordagens inovadoras — como os vídeos online!

E caso você precise de inspiração para começar, pode dar uma olhada neste e-book aqui, que fala sobre vídeo marketing, ou nesse, que tem foco em criar e divulgar cursos online.

Depois, é só colocar a mão na massa e se preparar para ter mais sucesso expandindo seu negócio!