Vídeos e Podcasts

Vídeos e Podcasts são dois tipos de mídia populares na internet e de fácil consumo pelos usuários. Por isso investimos na criação de materiais nesses formatos para que você aprenda na maneira leve e didática sobre os assuntos mais relevantes sobre Marketing Digital.
Você verá materiais como:

  • Rock Hacks: vídeos curtos com dicas de marketing
  • Rock Cast: o podcast da Rock Content
  • Entre outros materiais

Como absorver o conteúdo de uma vídeo aula

Como absorver o conteúdo de uma vídeo aula de forma eficiente

No nosso dia a dia, o número de distrações é extremamente alto e nos acompanha em qualquer lugar. Basta uma rápida verificada no seu smartphone ou qualquer outro dispositivo móvel para o foco seja desviado por muitos minutos e até horas.

Com os estudos, não é diferente. Se você já estudou durante um dia inteiro por meio de uma plataforma online e ficou desanimado para retomar àquela vídeo aula que parou na metade porque teve a sensação de que não absorveu nada, saiba que você não está sozinho!

Ainda que aprender seja uma atividade muito prazerosa, muitas vezes não conseguimos criar uma dinâmica favorável para que prevaleça os nossos aprendizados.

Por isso, vamos mostrar algumas dicas para você manter o ritmo de estudos e tirar máximo aproveitamento do aprendizado virtual.

Como escolher o curso ideal

Nada é mais importante que realizar a escolha do material que deseja consumir. Com o avanço tecnológico, criar cursos online se tornou muito mais simples. Consequentemente, a variedade e quantidade de cursos aumentou significativamente.

Hoje em dia, vários cursos são oferecidos exclusivamente online, sem a possibilidade da realização presencial. É possível encontrar cursos sobre quase qualquer tema que seja de seu interesse. Não  importa se o seu desejo é aprender a cozinhar pratos sem glúten ou conhecer mais sobre a língua e a cultura inglesa, você encontrará um curso adequado.

Cursos no formato EAD apresentam diversas vantagens quando comparados aos cursos presenciais, começando pelo preço. Independente de ser uma graduação completa ou um curso livre, cursos digitais quase sempre são mais baratos que cursos presenciais.

Muitos cursos online, inclusive, são gratuitos, como os cursos de Marketing de Conteúdo e de Produção de Conteúdo para a Web, da própria Rock Content.

Mas se o preço é menor, a qualidade é a mesma? A qualidade dos cursos online pode ser equivalente ou superior aos cursos presenciais. Como os custos para produção são menores e é possível ter uma grande quantidade de alunos ao mesmo tempo, o preço do curso pode ser menor para cada aluno.

Cursos de maior qualidade tendem a ter um um preço maior, mas isso não é regra. Ainda assim, procurar cursos bem avaliados pelo mercado antes de realizar o pagamento é uma boa ideia.

Para quem deseja fazer mais de um curso, hubs de cursos online que oferecem muitas opções por um preço mensal pode ser uma boa ideia. A Universidade Rock Content oferece planos nesse formato para alunos interessados em marketing digital. Mas, se, o interesse for em um único curso, as possibilidades também são praticamente infinitas.

É claro que o ideal, antes de iniciar qualquer curso, seja online ou presencial, pago ou gratuito, é pesquisar muito sobre o curso e sobre a instituição.

Visite sites como Reclame Aqui e verifique se as reclamações dos clientes foram atendidas. Pesquise também sobre a autoridade da empresa que está oferecendo o curso, converse com ex-alunos e visite páginas nas redes sociais para saber o que estão falando dessa empresa.

Confira o conteúdo programático e não tenha medo de entrar em contato com a plataforma que oferece a aula, caso julgue necessário. Verifique também a quantidade e o conteúdo de aulas e módulos e veja se tudo o que você precisa saber está presente nas vídeo aulas oferecidas. Caso não esteja, talvez seja interessante buscar outras possibilidades de cursos ou procurar complementos em blogs especializados no assunto.

Os cursos online também permitem flexibilidade de horários. Com exceção de uma ou outra aula online que possa ocorrer ao vivo em cursos de carga horária mais elevada, é possível assistir às aulas de acordo com a sua disponibilidade.

As vídeo aulas podem ser acessadas de qualquer lugar, em qualquer horário, mas sempre fique atento se o seu curso tem prazo para entrega de exercícios e para finalização das aulas.

Ler os termos de condições e serviços não é prática comum para os brasileiros, mas é algo altamente recomendado. Só assim você saberá todos os seus direitos, suas obrigações e o conteúdo que você vai receber pelo valor investido.

Mesmo os termos de cursos gratuitos podem exigir algum tipo de cessão ou obrigatoriedade e explicam, claramente, o que você vai receber (e se vai receber algo) com a conclusão do curso. Alguns cursos gratuitos, por exemplo, não dão direito ao certificado. Fique atento e não tenha preguiça de ler o termos e instruções disponíveis na plataforma escolhida.

Fique atento aos detalhes

Muitas pessoas perguntam se existem desvantagens nos cursos online. A questão é um pouco delicada porque existem algumas características que podem incomodar algumas pessoas, mas não são, necessariamente, desvantagens.

A ausência física de colegas, por exemplo, pode gerar certo desconforto, mas permite que as aulas sejam mais dinâmicas devido ao baixo número de interrupções.

Além disso, a disciplina pessoal necessária é maior, pois o aluno é quem controla todos os seus horários de estudo. E se você decidir estudar em casa, outras distrações como a televisão ou a cama podem facilmente vencer a disputa da sua atenção.

Por isso, criar uma rotina com horário e local de estudo é uma opção que facilita que seu corpo e cérebro entendam que aquele momento é de estudo.

Mas então, como tirar proveito máximo das vídeo aulas?

Planejar é preciso

No Brasil, não temos muito a cultura do planejamento. Planejar pode parecer uma perda de tempo mas, na verdade, um bom planejamento pode poupar muito tempo em um futuro próximo. Por isso, nossa primeira dica é: planejar-se com cuidado e atenção.

Não crie metas fáceis demais, pois assim, você não estará se esforçando o suficiente. No entanto, as metas precisam ser atingíveis. Não adianta, também, criar metas impossíveis.

Adapte a meta à você. Se você estiver na dúvida de como fazer, crie uma meta que pareça plausível, depois teste, avalie e faça as alterações necessárias.

Comece criando uma programação diária, semanal e mensal de estudo. A programação semanal pode ser um pouco mais detalhada e precisa ser construída todo início de ciclo semanal de estudos, assim como a programação mensal.

Com uma meta clara sobre tema e assunto de estudos de cada dia e horário, fica mais difícil se distrair ou perder o foco com assuntos desimportantes.

Policie a si mesmo

Separe um horário e espaço adequado para seus estudos. Se você estudar sempre nos mesmos dias da semana e no mesmo horário, seu cérebro se acostuma e fica mais difícil ceder às tentações.

Se possível, estude em algum local onde dificilmente alguém irá te incomodar. Evite cômodos da casa que são barulhentos, como sala de estar ou cozinha. Se você dispuser de um escritório em casa, ótimo. Se seu lar é sempre confuso e cheio, experimente salas comunitárias de estudo ou mesmo uma biblioteca pública. Lembre-se de se certificar sobre a disponibilidade de Wi-fi do local.

Antes de começar, prepare o cérebro e o corpo. Entenda que aquele momento é de estudo e concentre-se nas aulas.

Para aumentar a motivação, uma boa técnica é permitir-se um pequeno presente após bater sua meta diária ou semanal, como assistir a um episódio de um seriado ou qualquer outra coisa que te dê prazer.

E depois de tanto planejamento, finalmente chega a hora de começar. E agora?

Mão na massa

Ainda assim, nem sempre é fácil seguir o seu planejamento, certo?

Para quem tem dificuldade de concentrar no conteúdo passado, a dica é fazer anotações. Crie “blocos” ou “cadernos” de anotações para não se perder. Hoje existem diversas plataformas gratuitas, como Evernote ou Google Docs, que facilitam esse processo e podem ajudar muito.

O tipo de anotação pode variar de pessoa para pessoa: há quem prefira anotar cada palavra, há quem prefira anotar somente as ideias principais. O fato é que as anotações ajudam na memorização e internalização dos conteúdos.

Não hesite em pausar e voltar os vídeos. Se não entendeu alguma parte, reveja a vídeo aula até que o conceito esteja claro. Se quiser pausa-la para realizar anotações, também não pense duas vezes.

Para quem for estudar por períodos longos, faça uma pausa de 15 minutos a cada 2 horas. Isso diminui a fadiga e aumenta a absorção do conhecimento. Se possível, faça alongamentos durante os descansos. Isso ativa a circulação e pode evitar problemas ou dores que desconcentram e diminuem o ritmo de estudo.

Se o curso ou vídeo aula fornecer exercícios para serem resolvidos, não deixe de fazê-los. Assim, você valida seu aprendizado e garante a fixação do conteúdo.

Por fim, revise! Revisar suas anotações e o que você aprendeu pode parecer entediante, mas com certeza vai fazer a diferença na hora de aplicar, na prática, o que foi ensinado, além de aumentar a fixação do que foi estudado.

Assistir cursos online pode ser incrivelmente útil, desde que você tenha um pouco de disciplina.

A dica é descobrir o que funciona para você, quais são seus objetivos e, principalmente, o que você planeja aprender. Assim, você pode seguir nossas dicas e adaptá-las de acordo com as suas necessidades e possibilidades.

E, se você já possui a rotina de estudar online e conhece outra boa dica que ficou de fora desta nossa lista? Então deixe um comentário e conte para a gente qual a sua rotina de estudo e como faz para aproveitar o máximo dos seus conteúdos.

Esse conteúdo foi escrito por André Jota, redator da plataforma de cursos livres Learncafe.

 

Vídeos mobile

Vídeos mobile: entenda a importância de usá-los em sua estratégia!

A TV está ligada, mas você está de olho no vídeo que publicaram no Facebook. Na fila do mercado, você ri discretamente enquanto assiste a uma filmagem enviada pelo WhatsApp. E, antes de dormir, você olha no celular o trailer de um filme no YouTube.

Você já passou por alguma dessas situações, né? Essas cenas são cada vez mais comuns, porque o vídeo mobile tomou conta das nossas vidas!

A todo o momento, o celular nos acompanha.

Ele está ali para, num momento livre, assistirmos a algum vídeo na internet. Pode ser uma gravação caseira dos amigos, um clipe do seu ídolo, um episódio da sua série favorita, uma palestra da sua área de estudo.

Dá para assistir a tudo na web.

E se o celular está sempre junto, a tendência é que os vídeos online sejam mais frequentemente consumidos na tela do smartphone.

E o que isso significa para a sua marca? Se você quer se adequar ao comportamento do consumidor atual e conquistar sua atenção, precisa também participar dessa tendência!

Neste post, vamos explicar para você a importância de investir no vídeo mobile dentro da sua estratégia de marketing digital. Vamos lá?

5 razões para investir em vídeo mobile

Duas estratégias já merecem a atenção da sua empresa: o vídeo marketing e o mobile marketing. Imagine, então, juntá-las: as razões para investir nelas se multiplicam!

É isso o que acontece com o vídeo mobile. Reunimos abaixo as principais razões para você investir nisso:

1. Adaptar-se a novos hábitos do consumidor

Se antes o conteúdo em vídeo era restrito à televisão, hoje a internet oferece uma infinidade de opções. E você nem precisa estar no sofá de casa para assistir! Em qualquer lugar, a qualquer hora, é só dar o play no celular.

Os dados confirmam isso.

No Brasil, os smartphones ultrapassaram os desktops no acesso à internet ainda em 2014, segundo o IBGE. E, em uma pesquisa do IAB de 2015, 37% dos brasileiros disseram que assistiam a mais vídeos pelo celular atualmente do que há um ano.

Portanto, ao pensar em vídeo mobile, você está criando uma maneira de fazer parte do dia a dia do consumidor, já que vídeos e celular estão frequentemente presentes na sua rotina.

2. Conquistar atenção na jornada de compra

Hoje as decisões de compra não são tão simples como antes. O consumidor passa por diversos canais, transita entre online e offline, consome diferentes conteúdos, avalia as variadas opções e, enfim, toma sua decisão.

Nessa jornada, o celular já funciona como um assistente pessoal de compra, em que o usuário pode tirar dúvidas, consultar informações e ver depoimentos de outros consumidores.

Então, os vídeos também podem ser usados nesses momentos estratégicos de decisão, com um poder a mais: eles são envolventes, capazes de captar a atenção e persuadir com eficiência.

3. Criar uma conexão emocional com o consumidor

Investir em vídeo mobile é também uma maneira de se aproximar do seu público. O celular proporciona uma experiência mais íntima do que a TV ou o desktop, já que você está bem próximo do usuário — literalmente na sua mão, cara a cara com ele.

Segundo uma pesquisa do Google, usuários de smartphone têm mais chances de sentir uma conexão emocional com marcas que criam conteúdo em vídeo do que a audiência de TV (2x mais) e de desktop (1.3x mais).

Portanto, essa é a sua oportunidade de conversar com o consumidor e conquistar sua confiança, despertando laços emocionais nessa relação.

4. Aumentar o engajamento nas redes sociais

No Facebook e no Instagram, mais de 100 milhões de horas de vídeos são assistidas todos os dias. E, entre 2012 e 2015, a publicação de vídeos nessas plataformas cresceu 616%.

Os números são impressionantes, né? Quem logo percebeu isso foi Mark Zuckerberg, que passou a investir nesse formato dentro das redes sociais.

Para as marcas, o Facebook e o Instagram oferecem a oportunidade de aumentar o engajamento do consumidor, uma vez que os conteúdos em vídeo são mais valorizados na timeline em relação a outros formatos — e ganham mais atenção ainda do usuário mobile.

5. Aumentar o tráfego e o engajamento no site

Vídeos são uma importante ferramenta do Marketing de Conteúdo, desde que ofereçam conteúdos de valor para o público. Isso significa não apenas abordar assuntos interessantes, mas também facilitar que eles sejam consumidos em qualquer dispositivo.

Quando isso acontece, eles têm o poder de gerar um tráfego relevante para o site ou blog, já que o usuário quer “saber mais” se o assunto lhe interessa.

Outro benefício é a capacidade de aumentar o tempo de permanência na página. Afinal, quando o vídeo é bom, dá vontade de assistir até o final! E o Google sabe reconhecer isso para melhorar seu ranqueamento na busca.

Principais plataformas de vídeo mobile

Se a jornada do consumidor é multicanal, a sua estratégia de vídeo mobile também deve ser. O conteúdo precisa transitar por diferentes canais para ser encontrado e visualizado por mais usuários.

Por isso, a dica é criar uma estratégia multiplataforma. Veja agora as principais plataformas com as quais você pode trabalhar:

YouTube

Só esses dados já mostram por que sua estratégia de vídeo mobile deve passar pelo YouTube:

  • É a plataforma mais popular especializada em vídeos online;
  • Mais da metade das visitas vem de dispositivos móveis (fonte);
  • Os usuários gastam mais de 1h por dia, em média, no YouTube pelo celular (fonte).

Você tem um potencial de alcance enorme! Com técnicas de SEO para YouTube, você potencializa ainda mais as chances de ser encontrado na busca.

Facebook

O Facebook rivaliza com o YouTube no mercado de vídeos, apesar de não ser especializado nesse formato de conteúdo.

Algumas soluções, como os anúncios em vídeo, as lives e o autoplay no feed, favorecem os vídeos no Facebook. E, como o acesso pelo aplicativo móvel é enorme, seu vídeo pode alcançar milhares de usuários.

Instagram

Assim como o Facebook, o Instagram também passou a valorizar os vídeos, porém ainda sem tantos recursos.

O aplicativo conta também com o autoplay no feed, que aumenta as visualizações, e oferece as Stories, que podem ser gravadas ou ao vivo. O importante é que os vídeos no Instagram sigam as características dos posts da rede: criativos, naturais e estéticos.

Vimeo

O Vimeo é uma plataforma especializada em vídeos online, que chegou a rivalizar com o YouTube. Porém, com a popularização do concorrente, ela passou a se dedicar a conteúdos criativos e de alta qualidade.

Hoje, ela reúne um público mais crítico e segmentado. Por isso, pode valer a pena se o seu foco é a qualidade do vídeo, não tanto a viralização.

Plataformas para webinars

É uma opção para quando você quiser transmitir uma palestra ao vivo ou conversar com o seu público. Você pode interagir e tirar suas dúvidas em tempo real.

WebinarJam e GoToWebinar (pagas) são exemplos de plataformas para webinars, que também oferecem bons aplicativos para usuários mobile.

Audiência e engajamento: quem está vendo e interagindo com seus vídeos?

Vídeo mobile tem tudo a ver com comportamento do consumidor. Por isso, para entender o desempenho da sua estratégia e otimizá-la, é preciso também olhar para as respostas que o usuário dá ao seu conteúdo.

Os dados sobre vídeos se dividem em métricas de consumo do conteúdo (como número de visualizações ou minutos assistidos) e de engajamento (como compartilhamentos e comentários).

Essas métricas também devem ser cruzadas com as informações de perfil do público de cada plataforma, como o seu canal de origem ou o dispositivo utilizado.

Por exemplo: ao cruzar os dados, você pode perceber que quem acessa seus vídeos do YouTube pelo celular assiste até a metade, enquanto quem assiste pela TV vai até o final. Isso mostra, talvez, que seu conteúdo é longo demais para o mobile.

Com esses dados de audiência e engajamento, bem como o cruzamento entre eles, você pode saber exatamente quem está vendo a interagindo com os seus vídeos e, assim, otimizar a sua estratégia para atender ao seu público.

5 ideias de conteúdos em vídeo para produzir

O celular não é igual à TV nem ao desktop. Por isso, na hora de produzir o seu vídeo mobile, é preciso pensar no dispositivo, no formato da tela e no contexto do usuário enquanto assiste ao conteúdo no smartphone.

De olho nisso, veja agora algumas sugestões de vídeos que funcionam bem no mobile:

1. Depoimentos

Cada vez mais, a jornada de compra passa pelo celular e é influenciada pelas opiniões de outros consumidores.

Então, una essas duas tendências e produza vídeos com depoimentos positivos sobre a sua marca para gerar mais conversões.

2. Demonstração de produtos e serviços

A demonstração permite que o consumidor visualize o produto sendo usado na prática e aumente a confiança para comprá-lo. É uma forma de tangibilização — estratégia essencial para vender na internet, que não permite tocar ou experimentar o produto.

3. Branded content

Branded content é o conteúdo produzido para entreter o público, não diretamente vender.

Algumas marcas tiveram sucesso nessa estratégia produzindo filmes e séries, como as campanhas da Intel. Os vídeos são altamente envolventes e geram grande repercussão.

4. Webinars

Webinars são palestras ou seminários transmitidos ao vivo pela internet. Você pode usar esse formato para estreitar o relacionamento com o seu público, que pode interagir em tempo real. Além disso, é uma forma de demonstrar sua autoridade no mercado.

5. Por trás das câmeras

Os consumidores têm curiosidade para saber o que acontece dentro da sua empresa. Então, aproveite este gatilho para apresentar os bastidores e humanizar seu negócio. Se preferir, você pode fazer uma live e mostrar que “quem sabe faz ao vivo”!

Percebeu como o vídeo mobile é importante para a sua estratégia? Você vai ficar, literalmente, nas mãos do consumidor, de cara a cara com ele, numa conexão emocional que nenhum outro formato é capaz de proporcionar.

Agora, se você já entendeu a importância de usar vídeo mobile, também precisa saber como fazê-lo aparecer na busca dos usuários. Veja a nossa Checklist SEO de YouTube para otimizar seus vídeos!

Facebook Instant Videos

Instant Videos: novidade do Facebook vai fazer o pré download de vídeos para serem vistos offline

Todos nós já passamos por isso: estar sem WiFi, querer assistir um vídeo no Facebook e o pacote de dados móveis não permitir. Mas essa realidade está prestes a mudar!

O Facebook está testando uma nova feature, chamada Instant Videos. Ela vai fazer o pré download de vídeos na própria plataforma enquanto você estiver no Wi-Fi. Posteriormente, eles poderão ser vistos sem necessidade de conexão à internet — ou sem consumir o seu pacote de dados. 😉

O usuário vai identificar os vídeos que já foram baixados através do ícone de raio presente neles.

A novidade foi compartilhada pelo social media da The Next Web, Matt Navarra, em seu Twitter e confirmada pela TechCrunch:

Facebook Instant Videos

Por enquanto a novidade está em teste para um grupo restrito de usuários em dispositivos Android.

Novidade reflete tendências do Facebook

Essa novidade reforça o grande interesse do Facebook em consolidar-se também no mercado de vídeos, o que foi evidenciado no anúncio do lançamento do Facebook Watch.

Mas ela também reflete um outro aspecto: a preocupação da maior rede social do mundo em fornecer uma melhor experiência para o usuário e mantê-lo por mais tempo na plataforma.

A feature é inspirada no Instant Articles, cujo objetivo era proporcionar um carregamento mais rápido de páginas para o usuário. Como os vídeos demoram ainda mais para carregar, o Instant Videos é uma ótima opção.

O Facebook também já tinha testado uma visualização do feed na qual conteúdos de mais fácil carregamento aparecessem primeiro.

Mas o que parece realmente funcionar é atender o interesse do usuário, pensando na acessibilidade e no custo-benefício. O que, com o Instant Videos, poderá ser proporcionado de maneira mais fácil.

E aí, gostou da novidade?

Aliás, esse é mais um motivo que mostra a necessidade do seu negócio investir em vídeos. Quer saber como? Baixe nosso ebook gratuito sobre Marketing em Vídeo!

marketing em vídeos

Como criar um curso online

Como criar um curso online de forma simples: aprenda agora a planejar, executar e vender!

Você já fez um curso online? Se ainda não, é provável que tenha ao menos considerado essa opção. Saiba que milhões de pessoas se encaixam na mesma situação.

Falar sobre o avanço da tecnologia e mudanças dos hábitos de consumo é chover no molhado, mas o fato é que muita gente está ganhando dinheiro ensinando outros à distância.

Mas assim como a ideia de ganhar dinheiro com blog, encontrar nos cursos uma fonte de renda (além de outros benefícios) pode parecer um sonho distante.

E se eu te disser que não é bem assim? E se eu fizer melhor, te ensinar como criar curso online, do planejamento à venda, e até mostrar o que você precisa fazer depois do lançamento?

Parece bom? Então relaxe e continue a leitura, pois é exatamente isso que você vai ver neste guia completo!

Qual o apelo dos cursos online, afinal?

Antes de mergulhar de cabeça na preparação do seu curso, vamos dar um passo atrás, a fim de ter uma visão mais ampla do mercado de educação digital.

Isso requer responder a uma pergunta importante: por que os cursos online têm tanto apelo, afinal de contas?

Há alguns anos era muito comum ver poucas opções e muita desconfiança, cenário que já se reverteu completamente e apresenta hoje uma gama enorme de cursos.

Existem até plataformas inteiras voltadas para a criação e comercialização desses cursos.

Analisando essa situação, podemos concluir que tal mudança vem acontecendo por conta de pelo menos 3 motivos:

Novas possibilidades de carreira

O primeiro motivo para o aumento tão grande dos cursos online nos últimos anos é a quantidade de novas profissões que têm surgido no mercado.

Principalmente no que diz respeito à profissões digitais, como blogueiro ou youtuber, não se exige (e nem existe) um curso formal, digamos assim.

Logo, a melhor opção é aprender por meio de cursos online, que oferecem conhecimento sobre os mais diversos assuntos de maneira profissional e prática.

Benefícios para quem ensina e para quem aprende

Para quem ensina, existem muitos benefícios em criar um curso online.

É possível fazer isso, por exemplo, para ganhar dinheiro ou para gerar autoridade para uma marca, como parte de uma estratégia maior de marketing de conteúdo.

Já quem aprende tem acesso a conteúdo de qualidade, com conveniência e por um preço normalmente mais baixo do que os valores cobrados em instituições convencionais.

Mudança de foco do mercado

Por muito tempo, se deu mais ênfase ao título profissional que alguém adquiria por completar um curso do que por sua capacidade de implementar o que estudou no dia a dia.

Felizmente esse cenário mudou. A ideia agora é que mais vale a experiência prática e as habilidades de um candidato do que apenas ter um diploma na mão.

Isso faz com que mais profissionais, mesmo os já formados em cursos superiores, busquem aumentar sua capacitação por meio de cursos online.

O que você precisa saber antes de criar um curso online

Como criar um curso online de qualidade  —  e que consiga um bom número de vendas  —  sem conhecer nada sobre o segmento em que está entrando?

Vamos evitar essa armadilha de maneira muito simples.

Analisaremos juntos alguns fatos que você precisa saber sobre o assunto antes de se aventurar na promoção e venda do seu próprio conteúdo.

Lembrar-se deles vai ajudar você a manter o equilíbrio entre a criatividade necessária para criar algo que chame atenção e a visão analítica que vai levar o projeto a dar lucro.

Basicamente, são 3 verdades que você precisa ter em mente:

Existem vários formatos de curso online

Isso mesmo, você pode apostar em diversos formatos de curso. Então, se chegou até aqui pensando que um curso online não é para você por falta de verba para investir em vídeos, pode se animar.

Para quem não tem condições  —  ou ainda tem receio  —  de investir na produção de conteúdo em vídeo, é possível criar um curso em email.

Uma alternativa é criar um curso que funciona como uma série de posts, ou com algumas atividades interativas e que fica disponível no seu site.

A concorrência é forte

A concorrência entre os cursos online de praticamente qualquer tema é muito forte. Mas será que estou dizendo isso para desanimar ou preocupar você?

Muito pelo contrário, é apenas para que você se esforce ainda mais para criar o melhor curso possível e garantir que nem o melhor dos competidores ameace o sucesso que o seu projeto busca!

Ter os desafios vivos na mente ajudará a elevar o padrão de qualidade e tomar cada decisão pensando em entregar o melhor para os seus alunos.

Não existe uma fórmula única

Existem várias formas de criar um curso e vendê-lo de forma bem-sucedida. Esse curso apresenta uma série de ações que você pode fazer para ter maiores chances.

Mas fórmula mágica é algo que você não vai encontrar em lugar algum! Por isso, não espere por soluções prontas ou que não envolvam trabalho.

Seguir este guia vai dar bastante trabalho sim. A questão é que os benefícios fazem toda a jornada valer a pena.

Agora sim você está pronto para iniciar a produção do seu curso. E como você já deve estar ansioso, não vou enrolar. Apenas siga o passo a passo a seguir:

Planejamento

Planejamento é sempre uma missão complicada. Por um lado, muitos passam a vida inteira fazendo planos em cima de planos, que nunca saem do papel.

Vendo esse tipo de comportamento, outras pessoas adotam uma atitude de que é preciso agir mais e planejar menos, ou seja, acabam por agir sem planejamento algum.

O resultado, em ambos os casos, é o mesmo: fracasso. Por isso, tenha em mente que o planejamento do seu curso precisa ser bem feito, mas ativo.

Em outras palavras, ele deve “empurrar” o seu projeto para frente, em vez de servir como ferramenta de procrastinação.

O planejamento talvez seja a etapa mais importante do seu projeto, por isso é a que conta com o maior número de passos: são 7 no total.

Siga cada um de perto, e terá uma estrutura que vai agilizar e facilitar o seu trabalho nas fases seguintes do projeto:

1. Escolha seu tema

Sobre o que você vai ensinar? Esse é o primeiro ponto que precisa ser definido, antes de qualquer outro. E existem dois motivos para isso:

  1. Você precisa conhecer muito bem o tema sobre o qual vai falar;
  2. Como você vai ver nos passos seguintes, o seu tema terá influência sobre o restante do planejamento.

A dica aqui é simples: escolha um tema que você domine bem, mas que também seja prazeroso para você.

Isso faz toda a diferença na qualidade do material que será capaz de produzir e vender.

2. Pesquise o mercado

O mercado para cursos online pode ter um tamanho bem diferente, dependendo do tema que você escolher para ensinar.

Por isso, logo depois de escolher seu tópico de ensino, pesquise bem o tamanho do mercado (qual é o total de pessoas que busca cursos sobre isso), quem domina nele e qual fatia toma.

3. Conheça bem a concorrência

Depois de ter uma noção geral do mercado, se aprofunde nos seus principais competidores.

Qual a abordagem deles para o tema em questão? Quais são seus métodos? Que tipo de material oferecem? Quanto cobram?

Descobrir vários aspectos sobre seus concorrentes vai ser de grande ajuda para que você possa encontrar um diferencial e se destacar aos olhos do público.

4. Defina detalhes do curso

Alguns detalhes sobre o funcionamento do curso em si também precisam ser definidos sem demora. Caso contrário, podem atrapalhar outras decisões importantes e atrasar o desenvolvimento do projeto.

Alguns desses detalhes incluem:

  • duração: qual vai ser a duração total do curso? Além disso, quanto tempo cada aula vai ter?
  • formato: o curso será em vídeo, por email, em formato de livro interativo ou outro?
  • nível do ensino: para quem o curso se destina? Iniciantes no tema, amadores ou profissionais experientes?

Como dá para ver, são questões que terão impacto direto na sua produção de conteúdo, montagem de cronograma e estrutura, e precisam ser decididos rapidamente de acordo com os seus objetivos e verba disponível.

5. Entenda qual a estrutura necessária

Agora que já tem uma espécie de esqueleto do curso em mente, você tem condições de definir qual será a estrutura utilizada na preparação dele.

Essa estrutura envolve fatores como:

  • estrutura física: será preciso alugar equipamentos ou espaço para produzir o curso? Terá de contratar profissionais para auxiliar na parte técnica?
  • tempo de produção: quanto tempo vai levar para preparar todo o material que pretende oferecer?
  • material de apoio: que tipo de material de apoio será disponibilizado? Áudio, links com conteúdo extra, tempo para perguntas e respostas?

6. Escolha a plataforma

Existem várias plataformas de criação e publicação de cursos online, entre as quais você terá de escolher.

Se resolver oferecer o curso por email, terá de escolher um software de email marketing (se ainda não tiver um favorito).

Algumas dessas plataformas são:

7. Considere os canais de divulgação

Quais serão os canais de divulgação que você vai usar para promover o seu curso?

Talvez você ainda não tenha a mínima ideia, então vou adiantar uma recomendação que farei mais a frente, quando ensinar como divulgar seu curso. A lista inclui:

Então, desde já, pense em quais redes sociais usar, quais seriam bons blogs para publicar seus guest posts e, de modo geral, explorar bem todos os canais que pretende usar.

Execução

De nada adianta planejar com perfeição e executar de qualquer jeito. Essa é a fase do projeto que vai determinar como o produto final será e, consequentemente, o seu potencial de lucro.

É como um filme, livro ou série de TV: um material de baixa qualidade com a divulgação certa pode vender bem no lançamento, mas perderá força e não terá sucesso a médio e longo prazo.

Da mesma forma, seu curso precisa de força para continuar gerando resultados muito depois de lançado, e isso só será possível se tiver qualidade.

Para garantir que isso aconteça, não deixe de tomar nenhuma das medidas abaixo:

1. Selecione material de referência

Por mais que você domine o tema sobre o qual vai ensinar, é importante selecionar referências úteis para consultar  —  e também se inspirar  —  antes de produzir a sua versão final do conteúdo.

Esse material vai ser de grande ajuda também para garantir que as informações passadas sejam atualizadas e exatas, e vai garantir que seu curso seja relevante.

2. Elabore um roteiro

Elaborar um roteiro do que será abordado em cada aula é vital para que antes mesmo de produzir o conteúdo final você já saiba exatamente sobre o que vai fazer.

Se o formato for em vídeo, nem se fala! Ai você pode optar por escrever exatamente o que será dito ou simplesmente lançar anotações pontuais a fim de manter a naturalidade.

O importante é seguir o roteiro, que vai trazer ordem e dar um aspecto mais profissional ao curso.

3. Produza o conteúdo definitivo

Agora sim, vamos produzir o conteúdo final. Se você já tiver feito um roteiro completo para o seu curso em vídeo, esse é o momento de gravar todos eles.

Se o curso vai ser escrito e o roteiro era apenas para dar uma visão geral, nesta etapa você vai produzir o material final que os alunos verão.

4. Inicie a divulgação pré-lançamento

Não espere até o curso ficar pronto para começar a sua divulgação.

É preciso criar expectativa, para que os alunos fiquem ansiosos pelo curso bem antes de ele estar disponível.

Assim como um grande filme conta com vários trailers para chamar a atenção do público, comece a usar seus canais de divulgação para dar uma visão de bastidores e oferecer pequenas prévias do material.

5. Finalize o produto

Depois de ter produzido todo o conteúdo, ainda resta finalizá-lo. Seja por revisar o que foi escrito, editar o que foi gravado ou refinar os materiais de referência e o visual do site, há muito a fazer.

Uma boa edição fará toda a a diferença entre um curso mediano, que será facilmente esquecido pelos alunos, de um curso inesquecível, que vai gerar recomendações e depoimentos favoráveis.

Divulgação

Todo o esforço para preparar e criar o curso infelizmente não são garantia de sucesso. Aliás, é por isso que a frase “Propaganda é a alma do negócio” se tornou tão popular.

Basta observar qualquer segmento de mercado para encontrar exemplos de produtos praticamente iguais, mas com um se destacando bastante por conta de um marketing bem-feito.

Como o nosso guia foi feito para te levar a ter um produto bem-sucedido, não podiam faltar algumas lições práticas sobre marketing, não é mesmo?

Algumas táticas não podem ficar de fora da divulgação do seu curso online. Por isso, recomendo que você:

1. Produza conteúdo para blogs

O ideal é que você tenha tanto um blog próprio quanto invista na criação de guest posts.

Como já dito, isso não precisa ser feito só depois de finalizar o produto, mas enquanto você cria. Dessa forma, não vai precisar esperar muito tempo entre a finalização e o lançamento.

2. Invista em sua base de emails

Se já tiver uma base de emails, não pense duas vezes antes de fazer uso dela!

Se não tiver, a produção de conteúdo para blogs vai ajudar exatamente nisso, e fazer com que tenha alguns assinantes dispostos a ver mais sobre o que você tem preparado para eles.

O email marketing é um dos canais que apresentam melhor índice de conversão no marketing digital, por isso é tão útil na sua estratégia e não deve ser deixado de lado.

3. Use links patrocinados

Links patrocinados, ou seja, usar anúncios nos mecanismos de busca e nas redes sociais também é uma ótima opção, especialmente durante o lançamento do seu produto.

Essa estratégia é perfeita para otimizar e acelerar os resultados enquanto os alunos ainda não conhecem a qualidade do curso e você não pode colher frutos de recomendações.

4. Use bastante as redes sociais

Já ficou claro o quanto as redes sociais são importantes para o plano de marketing do seu curso ser bem-sucedido.

Mas usar bastante as redes sociais não significa usar todas as redes que existem! Foque apenas nas que têm mais a ver com o tema e o público que você busca impactar.

Isso lhe dará mais tempo para interagir com qualidade e ver índices mais altos de conversão.

Venda

Se neste ponto do projeto você estiver sentindo um friozinho na barriga, eu entendo, é normal.

Afinal, você passou um bom tempo produzindo e divulgando o curso, e todo o esforço vai ser validado em definitivo pelo resultado das vendas.

Mas não se esqueça de que se você chegou até aqui e conseguiu executar bem os passos anteriores, tem bons motivos para se animar e esperar pelo melhor.

Se você acompanha o blog já sabe que vai precisar de uma boa landing page, mas para dar vender bem é indispensável que você também:

1. Crie chamadas à ação para os seus conteúdos

Depois de lançar o curso, continue produzindo conteúdo de qualidade em seu blog, redes sociais e outros canais, e crie chamadas à ação direcionando os leitores para ele.

Isso certamente vai ajudar a aumentar as vendas e manter o interesse do público vivo pelo conteúdo que você criou.

2. Use provas sociais

Provas sociais, como depoimentos de alunos satisfeitos, parceiros estratégicos que ofereçam uma avaliação positiva da sua marca ou do seu material e apoio de influenciadores digitais são incríveis para gerar conversões.

Procuramos por esse tipo de prova o tempo todo, e quanto mais provas sociais você conseguir apresentar, mais chances de vender o seu curso.

3. Aposte em gatilhos mentais

Gatilhos mentais, como o princípio da escassez, também são ótimos para gerar uma percepção de valor positiva nos potenciais alunos e fazê-los comprar seu curso.

Vale a pena ler este post que preparamos sobre o assunto e escolher um ou mais dos gatilhos apresentados nele para usar na sua estratégia de vendas.

4. Ofereça algo de graça

Que tal oferecer algumas aulas do curso de graça, para que o público consiga experimentar um pouco da experiência que terão ao comprar o curso todo?

Esse tipo de ação funciona muito bem, ao passo que a pessoa fica imaginando como seria se tivesse acesso ao material completo.

Combinar essa tática com alguns gatilhos mentais bem escolhidos pode ser tudo que você precisa para aumentar as vendas.

O que fazer depois de lançar o curso

O curso já foi lançado, as vendas parecem estar indo bem. Agora finalmente acabou o seu trabalho, certo? Pode até ser, mas isso seria um enorme desperdício!

Se quiser continuar obtendo resultados com o curso, mesmo depois de um bom tempo, ainda tem trabalho a fazer:

Mensure seu progresso

Mensurar o progresso do seu curso significa observar como anda o volume de vendas com o passar do tempo, qual é a taxa de conclusão do curso e quais são as avaliações dos alunos.

Tudo isso vai ajudar você a perceber o quanto seu curso é relevante e ajustar o que for necessário para ter resultados melhores.

Atualize o material e lance novas edições

Atualize o material com base nas suas análises de progresso, conforme aumenta seu conhecimento e novas soluções alteram o que você ensinou anteriormente.

Depois disso, lance novas edições do curso e considere oferecer acesso gratuito para quem já o comprou  —  se usar o modelo de assinatura.

Agora que você sabe como criar curso online, é hora de colocar tudo que aprendeu aqui em prática! Por seguir todos os passos, você vai conseguir espalhar ajudar milhares de pessoas e lucrar bastante com o seu conteúdo.

Uma das melhores formas de ensinar em um curso é por meio de videoaulas. Se você faz uso desse recurso, veja dicas práticas para engajar melhor seus alunos!

Facebook Watch

Facebook lança o Watch: plataforma de vídeos é a nova aposta de Mark Zuckerberg

O Facebook anunciou hoje sua nova proposta: o Facebook Watch, uma plataforma de vídeo. Será essa uma ideia de Mark Zuckerberg para ameaçar o Youtube? Veremos a seguir.

A nova feature foi anunciada ontem (09 de agosto de 2017). Ela funcionará como uma página exclusiva para vídeo e a ideia é abrigar produções originais.

A ideia, na verdade, é parear o Facebook Watch com os principais serviços de vídeo do mundo, como Youtube e Netflix.

O Watch funcionará tanto para desktop, quanto para mobile e o app para TV.

No entanto, o serviço será disponibilizado apenas para um restrito grupo de usuários e produtores nos EUA — por enquanto, alguns dos produtores serão nomes de peso como BuzzFeed, Tastemade e Condé Nast.

Mas para quê o Facebook está fazendo isso?

Essa é uma pergunta bem sensata. Afinal, muitas pessoas já assistem vídeos no Facebook todos os dias.

No entanto, elas não pensam no Facebook como um lugar para assistir vídeos — os vídeos apenas fazem parte do feed.

A intenção é, portanto, criar um espaço exclusivo para os vídeos (o que tem como consequência também mais Ads, ou seja, lucro para o Facebook).

Podemos pensar o Watch como um Youtube dentro do Facebook.

O Facebook tem a intenção de realmente se configurar como uma plataforma para produções originais e canais disponibilizarem seu conteúdo e interagir com a audiência.

Além disso, o próprio Facebook tem a intenção de criar produções próprias, num modelo que indica algo aproximado ao que a Netflix já faz.

Veja o vídeo de lançamento do Facebook Watch:

Introducing Watch

Posted by Facebook on Wednesday, August 9, 2017

E como ele funcionará?

O feed normal será mantido, com interação normal entre os usuários. O Watch será uma nova plataforma dedicada para os vídeos.

O Watch será dividido em duas partes principais: “Discover” e “Watchlist” — os nomes em português ainda não foram criados.

Facebook Watch: Discover e Watchlist

Discover

A aba das descobertas é o feed principal. Nele, é possível encontrar vídeos produzidos por alguns canais para o Facebook, podendo ser vídeos ao vivo ou gravados.

Os usuários poderão usar as reações do Facebook e comentar nos vídeos, e também se juntar à grupos sobre o vídeo e  — assim como já acontece nas transmissões ao vivo.

Além disso, os vídeos serão organizados, nessa aba, em categorias e seções de acordo com o que as pessoas assistem e interagem.

Segundo o post de anúncio do Facebook, você encontrará seções como:

  • Mais comentados:  produções que tiveram muitos comentários;
  • O que está fazendo as pessoas rir: vídeos com muitas reações “Haha”;
  • O que seus amigos estão assistindo: vídeos relacionados ao que seus amigos estão seguindo.

Marketing no Facebook

Watchlist

Essa aba, que podemos traduzir como lista para assistir, é a parte dedicada às preferências do usuário, como as produções que ele escolheu seguir.

Assim, as novidades relacionadas à seus interesses serão mostradas nessa parte.

A novidade promete ter seu alcance ampliado, mas o Facebook ainda não divulgou mais detalhes. Você acha que a nova feature tem realmente o potencial de concorrer com grandes serviços de vídeo? Deixe sua opinião nos comentários!

Ah, e não deixe de baixar nosso ebook Marketing em Vídeo e aprenda como fazer esse tipo de conteúdo com maestria!

marketing em vídeos

 

 

Defeitos no conteúdo em vídeo

Os defeitos do seu conteúdo em vídeo que não estão deixando você sair do lugar

O mundo online se transformou em algo audiovisual. As redes sociais estão cheias de vídeos e cada vez mais conteúdo é postado diariamente no YouTube. Por isso, deixar de produzir o que chamamos de vídeo marketing pode ser andar para trás com a sua empresa.

Se você deseja começar a sua produção com o pé direito, precisa analisar bem essa lista com os erros que você não pode cometer quanto o assunto for vídeo marketing.

1. Não adequar o conteúdo à rede social escolhida

Cada uma das redes sociais têm uma linguagem e um formato diferente. Isso acontece para que sejam únicas e, claro, neste caso, são sempre os usuários que se adaptam à rede. Isso acontece só no início, já que ao longo de toda a “vida” da rede social são realizados testes para ver possíveis melhorias e, assim, conseguir cada vez mais usuários para ela.

Observamos isso através da imensidão de “snaps” que surgiram no Facebook, WhatsApp, Instagram e no Messenger. Para, enfim, um fazer ainda mais sucesso, o Stories do Instagram.

As diferenças chegam a ser desde a quantidade de texto, no Twitter temos apenas 140 caracteres, até nos vídeos. No Instagram, por exemplo, eles não podem passar de um minuto.

No Facebook vídeos com legenda fazem sucesso, já que as pessoas não costumam aumentar o volume para ouvir o áudio.

Outro formato que também tem ganhado espaço nas redes sociais é o vídeo pocket. Nele são inseridas imagens e algumas frases para contar sobre determinada situação. Isso pode ser exemplificado pelas receitas e por tutoriais.

Mas existem diversos formatos de vídeos que você pode abordar em sua estratégia de vídeo marketing. Veja alguns destes formatos no vídeo abaixo:

Inove nas redes sociais para atrair o público

Quando fizemos um vídeo sobre aquecimento para gravar vídeos no Aio, resolvemos colocar vídeos curtos no Instagram.

Ao invés de postarmos pedaços importantes do vídeo, pegamos apenas os aquecimentos dos dois apresentadores. Observe como acrescentamos separadamente em nosso perfil:

Aquecimento do meu Aio

O mais interessante do vídeo marketing é que você pode soltar a imaginação. Para assim, conseguir engajar os seus seguidores sempre de maneira bem criativa. Além disso, tente variar os tamanhos e formatos dos vídeos.

Aproveite o Stories e passe a fazer vídeos na vertical. Já pensou nisso?

No Dia da Toalha fizemos um vídeo promocional. Nele explicamos o significado da data e ainda, ao final, mostramos as promoções do Beved para o mês dos nerds.

Afinal, o vídeo marketing precisa trazer um conteúdo ou uma história interessante para atrair o seu público. Veja o resultado abaixo.

2. Não definir bem o público que será atingido pelo vídeo marketing

Assim como no marketing digital, as ações do vídeo marketing precisam ser pautadas nas personas. Ter identificado quem você deseja atingir com aquele vídeo é essencial para que ele tenha o impacto que deseja.

Além disso, quando se tem um público bem definido fica muito mais simples entender como escrever roteiro e conseguir, de fato, um resultado. Entenda melhor como fazer isso dando um play no vídeo abaixo:

O roteiro será essencial para guiar a equipe durante todo o processo de gravação.

Será um vídeo falado ou uma produção mais voltada para o cinema? Escreva o que for falar e quais imagens precisam para explicar determinadas partes no roteiro.

E, claro, sempre opte por detalhar como deseja que a cena seja feita. Pensar o quadro a quadro é essencial, principalmente quando a equipe ainda está entrando nos eixos.

Lembre-se que os videomakers possuem um lado mais autoral. Dê ideias mas não exija mínimos detalhes, já que eles saberão qual ângulo e enquadramento serão melhores para cada situação.

Faça isso sem deixar de lado a sua opinião. Sempre tente explicar como imaginou a cena e discutam juntos o que seria mais interessante fazer em cada caso. Isso é uma forma de manter a equipe mais engajada e unida.

3. Esquecer o storytelling

A narrativa, também chamada de storytelling, é o que fará o seu vídeo chamar a atenção que ele necessita. Nos vídeos do Aio, por exemplo, sempre damos um jeito de contar uma história antes de passar o conteúdo.

No vídeo que criamos sobre Como se aquecer para gravar vídeos e no de Como gravar com colaboradores tímidos fizemos isso e foi o maior sucesso. Aproveitamos até para lançar um trailer do que seria o vídeo e, assim, deixamos os seguidores ansiosos. Veja um deles abaixo.

Se você adora animação, vale pensar em sites como o Animoto e o Animaker. Neles você conseguirá fazer animações simples para os seus vídeos. Vale usar do storytelling para que os conteúdos fiquem muito mais divertidos.

Mas, claro, lembre-se de entender se o seu público curte animações. Caso contrário, tente outra forma de interagir com eles. Teste e veja qual funcionará melhor.

4. Deixar de lado as emoções

Já parou para observar quais vídeos você mais engaja ou curte? Será que eles são aqueles que te fazem pensar a respeito de algo? Ou que te fazem sorrir? Ou até aqueles que te emocionam?

Exatamente! Fazer as pessoas sentirem alguma emoção é parte essencial do vídeo marketing.

Conseguir causar a empatia das pessoas é o objetivo principal de uma produção de vídeo. Por isso, tente ao máximo se conectar com o seu público.

Em um mundo onde os celulares estão sempre à mão, é preciso entender como chamar atenção da maneira correta. Por isso, faça produções de vídeo marketing que atraiam os seus clientes, mas sempre escolha a rede social certa. Já que cada público está presente em uma rede diferente. Descubra em qual o seu está!

Quando falamos sobre o webinar no AioCast, percebemos algo muito importante relacionado ao conteúdo capaz de converter mais.

Por exemplo, percebemos que em um webinar seria possível converter menos leads do que através de um ebook. Mas, o webinar trazia mais interação e envolvimento com o público do que um ebook, já que o impacto emocional atraía muito mais! Ouça as dicas no AioCast.

Quando for pensar no roteiro do vídeo, lembre-se de analisar quais sentimentos quer invocar em seu público. Quer transmitir raiva, ser engraçado ou emocionar? Para isso, planeje atentamente como fazer com que esse objetivo seja concluído.

5. Cadê a criatividade?

Esse planejamento para criar o roteiro perfeito de um vídeo necessita de criatividade. Fazer um vídeo comum mostrando a Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte, por exemplo, qualquer um faz.

Mas saber aproveitar o espaço e tirar dele conteúdo só acontece com um roteiro e uma temática incrível antes.

No Aio nós já fizemos um vídeo na Orla da Lagoa e, adivinhem?

Não era falando sobre o quão lindo é, e sim ensinando a fazer enquadramentos para vídeos. Algo essencial para aprimorar a sua criatividade é pensar como um cineasta. Dessa forma você transformará a gravação através dos enquadramentos.

Fazer um brainstorming com a equipe de produção também é uma ótima ideia para surgir produções de vídeos interessantes. Ter uma equipe ávida por produzir conteúdo é essencial neste processo.

Por isso, vá atrás de produtores de vídeos criativos e engajados com as redes sociais.

E se eu errar?

Bem, se você errar, o melhor é admitir o erro com o máximo de leveza possível. Assim, o seu público também aprende com os seus erros. E, claro, todos somos seres humanos, então, errar deveria ser comum. Aquele velho ditado de que quanto mais erramos, mais aprendemos com os nossos erros!

O que não vale é falar “ah, acontece, né?” e deixar por isso mesmo. Afinal, os erros precisam servir de lição para aprendermos com eles.

No Aio fizemos um conteúdo sobre como ter um áudio incrível nos vídeos, mas, ao produzirmos o vídeo seguinte, foi o nosso áudio que deu problema. Por isso, tivemos que gravar tudo outra vez.

Como sempre damos dicas para não gastar muito dinheiro com as produções, fizemos este vídeo, que deu erro, usando como microfone os fones de ouvido de celular. Mas durante a gravação desconectamos um dos fones sem perceber e o áudio parou de ser gravado.

O nosso editor tentou consertar, mas não teve jeito! Apesar disso, a parte com o áudio gravado com microfone de celular ficou incrível. Por isso, resolvemos gravar usando a mesma técnica.

Regravamos tudo, mas tivemos a ideia de mostrar o nosso erro. Assim mais produtores de conteúdo em vídeo aprenderiam conosco e não cometeriam estes mesmos erros. Olha só como fizemos o nosso vídeo marketing para o Facebook abaixo:

Conclusão

A produção de vídeo marketing depende de qual é o seu público e em qual rede social ele se encontra. É necessário planejar o vídeo através de um roteiro, pensar nos enquadramentos e, claro, nas emoções que deseja transmitir.

A criatividade deve estar anexada junto ao storytelling a fim de desenvolver uma narrativa que engaje e gere resultados. Só assim o vídeo marketing será eficiente naquilo que deseja atingir!

E, claro, só vamos aprender como fazer o conteúdo certo se testarmos. Só saberemos o que engaja mais se analisarmos o resultado final.

E se der errado? Então, você deve ter sempre em mente que devemos aprender com tudo. Vale tirar as coisas positivas das partes ruins e ganhar um aprendizado brilhante com isso!

Você já faz vídeo marketing em sua empresa? Conte o que está achando dos resultados nos comentários!

Como criar um canal no Youtube

Aprenda como criar um canal no Youtube e dar os primeiros passos!

Mais de um bilhão de usuários cadastrados. 400 horas de vídeos adicionados por minuto. 1 bilhão de horas consumidas por dia em sua plataforma. Já sabe de quem estou falando?

Isso mesmo, do gigante Youtube.

A rede social, que já ocupa a 4ª posição no ranking das mais populares no Brasil, tem pelo menos 21% da população do país ativa em sua plataforma, e vem se tornando uma alternativa cada vez mais interessante para donos de empresas.

Quer aprender como fazer seu marketing no Youtube?

Então continue lendo porque no texto de hoje ensinaremos como criar um canal no Youtube do zero!

Eu devo investir no Youtube?

O Youtube é uma rede social em constante expansão, e suas estatísticas apenas reforçam a importância que ela desempenha no mercado atualmente.

Segundo uma pesquisa da Content Trends 2016, o Youtube é a 3ª rede social mais utilizada (42,4%) entre as empresas. Já nos Estados Unidos esse valor sobe para 61% de utilização.

Metade dos acessos vem de plataformas mobile, e cada sessão dura uma média de 40 minutos dentro da rede.

Não só isso, o Youtube oferece integração com várias outras plataformas, como o WordPress, Facebook, Twitter, Blogger, Tumblr etc.

Antes de clicar no botão de criação do canal, porém, é fundamental entender sua persona e o seu modelo de negócios.

Seu público está no Youtube? Ele consome vídeos? Empresas do seu ramo também produzem conteúdo em vídeo?

Se a resposta for sim para todas as perguntas, então pronto, você pode partir para a criação de sua conta.

Caso ela tenha sido negativa, porém, é hora de estudar alternativas diferenciadas para uma estratégia de marketing com vídeo.

Não descarte o Youtube de primeira. Pode ser que seu público ainda esteja carente da produção audiovisual, ou que ninguém em sua área tenha arriscado subir um vídeo na rede.

Vale aqui uma pesquisa aprofundada sobre o tema e, de todo modo, o Youtube ainda é uma ótima alternativa para trabalhar palavras chave e garantir a integração de diferentes formatos para suas redes sociais.

Como criar um canal no Youtube?

O primeiro passo para criar um canal no Youtube é ter uma conta Google.

Caso você ainda não tenha a sua, acesse a página de criação de contas do Google e preencha o formulário com os seus dados (ou da sua empresa).

Crie sua conta no Google

Lembre-se de que essas informações serão usadas para todos os produtos ligados ao Google, como Gmail, Blogger, Adwords e, claro, o Youtube.

Agora que você já tem uma conta do Google, basta acessar a página inicial em www.youtube.com e clicar em “Fazer login” no canto superior direito.

Login no Youtube

Após o seu primeiro login você será levado à página de configurações de conta. Uma vez nessa tela, selecione a opção “Criar um novo canal” na parte inferior.

Visão geral da conta no Youtube

Logo então a página de criação de marcas se abrirá para você.

Criando uma conta de marca no Youtube

A diferença desse tipo de conta para uma conta tradicional do Google está na possibilidade de se ter múltiplos proprietários com acesso ao canal. Por conta disso, essa é uma alternativa altamente sugerida se você trabalha com uma equipe de marketing, por exemplo.

Para além do Youtube, contas de marca podem também sincronizar com o Google+, Google Meu Negócio e o Google Fotos.

Enfim, escolhido o nome de sua conta de marca, clique no botão “criar” e sigamos para a próxima tela.

Página de conta no Youtube

Assim que a página terminar de carregar você terá o seu primeiro canal pronto para uso!

Mas é claro que o trabalho não termina aí.

Agora é hora de customizar o seu canal e torná-lo apresentável para seu público.

Comece clicando na opção “adicionar arte do canal” no banner superior. Na tela seguinte você poderá escolher entre fazer o upload de uma foto ou buscar algo da galeria vinculada à sua conta.

O tamanho recomendado é de 2560 x 1440 pixels para esse banner superior, e não se esqueça de que ele também deve estar alinhado com as diretrizes da identicidade visual definida para seu negócio.

Não escolha e maneira aleatória!

O banner é a primeira coisa que o usuário encontra ao acessar o seu canal, e por isso é fundamental que ele traduza sua marca e crie expectativas reais sobre o conteúdo postado.

Escolhida a imagem, você poderá alterar o corte dela em cada dispositivo.

Arte do canal em diferentes formatos

O próximo passo agora é o de adicionar uma descrição ao seu canal. Clique no botão “adicionar descrição” e uma tela se abrirá com espaço para texto.

Esse campo é ideal para que você apresente aos usuários uma visão geral do que será postado em seu canal. Você poderá escrever um texto de até mil caracteres, incluindo links.

Descreva os tipos de conteúdo, a frequência de envio, as redes sociais que sua empresa tem e, caso queira, um pouco sobre a história do seu negócio.

Descrição do canal no Youtube

Por fim, carregue um avatar (uma simplificação do logo de sua empresa, por exemplo) e sua conta já estará personalizada e pronta para uso.

Nada como criar um canal no Youtube e deixá-lo a cara do seu negócio!

E como excluir um canal no Youtube?

Se, por alguma razão, você decidir excluir o seu canal do Youtube, lembre-se sempre de que é possível apenas ocultá-lo temporariamente.

Essa funcionalidade permite que você esconda o conteúdo do seu canal para reativá-lo mais tarde, evitando a perda de dados e envios importantes para seu negócio.

Ao ocultá-lo, porém, todos os comentários e respostas feitas por sua conta serão excluídos permanentemente da rede.

A boa notícia é que informações como o nome, vídeos, curtidas, inscrições e inscritos do seu canal se manterão, caso você decida retornar.

Essa alternativa é altamente recomendada, já que a exclusão é 100% irreversível, enquanto que o ocultamento pode ser revertido caso os planos de sua empresa mudem no futuro.

Para ocultar ou excluir o canal, basta acessar as configurações avançadas da conta. Em seguida, clique na opção “excluir canal” no canto inferior de sua tela.

Excluindo canal no Youtube

Você será convidado a fazer um novo login e as seguintes opções ficarão visíveis:

Opções de excluir canal no Youtube

A partir daí é só selecionar a alternativa desejada e prosseguir com a exclusão ou ocultamento.

Caso você tenha optado por apenas ocultar o canal temporariamente, poderá reativá-lo pela tela de criação de contas do Youtube. Depois de preenchido o formulário, seu antigo canal estará de volta e pronto para ser usado.

11 dicas para quem está apenas começando

Agora que você já sabe como criar um canal no Youtube, é hora e torná-lo ainda mais interessante para o seu público.

Separamos abaixo 11 dicas práticas que podem ajudar na hora da customização:

  1. Escolha um nome fácil de ser lembrado (e digitado!);
  2. Invista em uma identidade visual que seja capaz de traduzir o seu negócio, e lembre-se de combiná-la com suas outras redes e blogs;
  3. Faça análises constantes no seu canal. Métricas como visualizações, curtidas, taxa de abandono, comentários etc. são fundamentais para que você entenda o que o seu público realmente quer no canal.
  4. Não economize na hora de editar e garanta equipamentos de qualidade para seu canal. Esse pode ser o diferencial do seu conteúdo;
  5. Assista canais de sucesso e estude sua fórmula. Opte por negócios que tenham um público próximo do seu, assim fica muito mais fácil entender o que dá certo ou não no Youtube;
  6. Construa relações duradouras dentro da rede social. Você pode até conseguir parcerias com canais e influenciadores para seus vídeos, basta procurar e se mostrar aberto a parcerias;
  7. Considere a monetização do seu canal levando em conta a persona. De nada adianta colocar anúncios em seus vídeos se a taxa de abandono se multiplicar. Avalie bem o comportamento do seu público e invista em diferentes frentes de monetização. Vale até vídeo patrocinado no seu canal;
  8. Storytelling pode ser a sua melhor aposta no Youtube, afinal de contas, quem não quer ouvir uma boa história? Considere sua persona, seus gostos pessoais, e então invista em maneiras interessantes de prender sua intenção com um conteúdo criativo e inovador;
  9. Entenda como as tags funcionam na rede. Elas têm um papel fundamental na categorização de seu vídeo dentro dos mecanismos de buscas do Youtube. Aproveite do potencial do Google Adwords para entender as melhores oportunidades de tags;
  10. SEO é sempre uma boa opção, e quanto a isso não há o que discutir. Otimize títulos, descrições, imagens, tags, meta e tudo mais o que for possível dentro do seu canal do Youtube. Esse tipo de cuidado garantirá acessos orgânicos e melhores posições nos buscadores;
  11. Integre seu canal a outras mídias sociais. Aproveite da função de “incorporar” do Youtube para integrar o seu conteúdo a outras redes, como twitter, por exemplo. Se o seu blog está hospedado no WordPress, há a possibilidade de incorporar vídeos pela opção de inserção de mídia.

Gostou? Então aproveite para conhecer nosso conteúdo completo sobre Marketing no Youtube!

Aproveite que já está aqui e dê também uma passadinha por nossos guias definitivos. Você com certeza encontrará o suporte necessário para que sua estratégia de marketing digital dê certo!

Erros em estratégia de vídeo

Por que sua estratégia de vídeo não está trazendo resultados?

Quem tem um negócio — seja online ou offline — e quer aumentar sua relevância na internet e, claro, seus lucros, precisa ter uma boa estratégia de marketing digital.

Isso inclui ter perfis relevantes nas redes sociais, produzir conteúdo de qualidade, investir em anúncios e muito mais.

E quando se fala em marketing digital, a maioria das pessoas já sabe — ou deveria saber — que vídeos são uma excelente ferramenta. Afinal, eles podem ser usados em vários contextos e te ajudam a gerar mais leads, oportunidades e clientes.

Vídeos são capazes de simplificar sua mensagem, aproximam sua marca do público, deixam sua comunicação mais dinâmica e ajudam sua empresa a vender mais.

E algumas estatísticas ajudam a comprovar isso:

  • 91% dos internautas consomem vídeos on-line e no Brasil temos a maior taxa de espectadores de vídeos da América Latina (ComScore);
  • 52% dos consumidores ficam mais confiantes em comprar após ver um vídeo do produto (Invodo);
  • Os visitantes ficam 2 minutos a mais nos sites que possuem vídeos (ComScore);
  • 90% dos compradores na internet afirmam que vídeos ajudam na decisão de compra – (FastCompany);
  • 69% do tráfego global da internet virá de vídeos até 2017 (Cisco).

Essas e outras estatísticas você encontra no ebook Marketing em Vídeo.

Porém, apesar de todo o sucesso dos vídeos no marketing e de sua comprovada eficácia, muitas pessoas ainda não conseguem aproveitar todo o seu potencial e acabam tendo resultados abaixo do esperado.

Isso acontece, na maioria das vezes por causa de erros simples, mas muito graves, que podem colocar em risco toda a sua estratégia.

Se você está passando por isso com seu negócio, é hora de rever seu trabalho com vídeos e investir em práticas mais eficientes e assertivas.

E o primeiro passo para isso é identificar os erros que você tem cometido.

Portanto, para te ajudar, nós criamos esta lista com os 5 erros mais comuns que as pessoas cometem quando se trata de marketing com vídeos e que podem estar atrapalhando também a sua estratégia.

Dê uma olhada em cada tópico, veja se você está praticando algum deles e dê o primeiro passo para melhorar seus resultados!

5 erros que podem estar comprometendo seus resultados com vídeo marketing

1. Não pensar no seu público

O primeiro erro que a maioria comete e que as impede de ter um bom retorno com vídeos é o mais grave e que pode acabar arruinando sua estratégia como um todo: não pensar no público.

As pessoas são a parte mais importante de qualquer ação de marketing e você sempre deve pensar nelas antes de começar a produzir qualquer conteúdo — seja ele em vídeo ou não. Caso contrário, você pode ter sérios prejuízos.

De nada adianta você ter bons materiais se o conteúdo não for aquele que sua audiência está buscando.

Você precisa colocar os desejos do seu público antes de qualquer ambição sua e entender que só assim você poderá produzir vídeos de sucesso.

Como resolver?

Para resolver essa situação, o indicado é que você defina seu público e estude-o, caso ainda não tenha feito isso. Entenda seus desejos, necessidades, como ele se comporta na internet, qual sua idade e etc.

Criar personas para seu negócio pode ajudar muito nesse ponto.

2. Não ter uma boa qualidade técnica nos conteúdos

Além do mais, é preciso sempre garantir que seus vídeos tenham uma boa qualidade técnica.

O maior atrativo de um vídeo é sua capacidade de reunir áudio e imagem em um só conteúdo e, portanto, você precisa garantir que pelo menos esses dois pontos estarão impecáveis.

Afinal, não existe nada pior do que tentar ver um conteúdo e ele ter uma má qualidade de imagem ou um áudio que você não consegue entender, certo?

Não ter materiais gravados com cuidado e do jeito certo pode fazer você perder muito em engajamento, potencial de compartilhamento e comprometer o sucesso de seus conteúdos.

Como resolver?

Ao contrário do que muita gente pensa, não é difícil gravar bons vídeos. Você não precisa ter os equipamentos mais caros, ou uma equipe super entendida do assunto: só precisa de conhecimentos básicos e corretos.

Aqui temos alguns artigos que podem te ajudar muito — sem que você precise gastar rios de dinheiro:

3. Não otimizar seus conteúdos para busca

Se você produz bons conteúdos, tem que garantir que eles serão encontrados pelas pessoas. Caso contrário, você estará apenas perdendo tempo e dinheiro.

Hoje quando as pessoas querem resolver algum problema ou sanar uma necessidade do seu dia a dia, a primeira coisa que a maioria faz é procurar pela solução na internet.

E é nesse momento que o seu conteúdo precisa aparecer! Se isso não está acontecendo, com certeza sua estratégia não está sendo efetiva o suficiente.

Como resolver?

Para que seus materiais sejam encontrados, é preciso investir em boas práticas de SEO para vídeos.

Isso inclui entender um pouco sobre palavras-chave e os interesses do seu público, trabalhar bem com os títulos e descrições dos conteúdos, investir em tags estratégicas e muito mais.

4. Baixo investimento em divulgação

Muito relacionada ao ponto anterior, uma boa divulgação é essencial se você quer ter sucesso com seus conteúdos. Afinal, o público precisa saber que o seu conteúdo existe, mesmo que não esteja procurando por ele naquele momento.

Se seu conteúdo não é bem divulgado, ele corre o risco de cair no esquecimento rapidamente e de, então, não trazer o retorno esperado para sua estratégia.

Portanto, sempre garanta que seus conteúdos estão sendo bem divulgados e que estarão acessíveis ao público que acompanha você ou sua marca.

Como resolver?

Se você precisa melhorar a divulgação dos seus materiais, uma boa dica é começar investindo mais nas redes sociais.

Divulgue teasers e chamadas dos vídeos no Facebook, LinkedIn e Twitter e incentive o compartilhamento dos conteúdos. Caso você tenha alguma verba sobrando pense também em investir em Ads.

Publique também seus vídeos em seu blog e site e conte com boas parcerias de divulgação. Caso você tenha uma boa base de emails e tenha um bom relacionamento com as pessoas, envie também este conteúdo por email.

5. Não fazer análises e melhorias nos conteúdos

Para que um conteúdo seja o melhor possível para o público, ele precisa ser avaliado e reajustado constantemente.

Todo material que você publica gera dados e, a partir destes dados, é possível identificar pontos de melhoria e de destaque em sua estratégia.

Se você não presta atenção ao que seus resultados estão dizendo e só produz conteúdos de forma aleatória, você provavelmente não está tendo o máximo retorno que poderia conseguir com seus vídeos e deve trabalhar para mudar isso.

Como resolver?

Para melhorar este ponto, você deve ficar atento aos dados gerados por cada conteúdo que você publica e tirar conclusões a partir deles.

Por exemplo, se você percebeu que as pessoas só assistem seus vídeos até o segundo minuto e todos os conteúdos têm no mínimo 5, isso pode indicar que você precisa tomar cuidado com a duração dos conteúdos e, talvez, produzir vídeos mais curtos.

Então, a partir disso, você deve fazer testes para ver qual duração é a mais adequada e aplicar o resultado no restante dos seus conteúdos.

O processo sempre deve ser: análise -> hipótese -> confirmação.

Pronto para melhorar sua estratégia de vídeo marketing?

Muitas pessoas conhecem o poder do vídeo na internet, mas ainda hesitam em trabalhar com esse formato por medo do processo de produção e por não saber como lidar com esses conteúdos em termos de análise, inserção na estratégia e etc.

E em muitos casos, mesmo quando optam por produzir vídeos, as pessoas não sabem utilizar esse formato de forma eficiente e acabam não tendo bons resultados – o que pode levá-las a desistir.

Portanto, se você já usa vídeos ou está pensando em começar a investir nesse tipo de conteúdo, fique atento aos pontos que citamos acima e sempre trabalhe com seus materiais de forma estratégica e alinhada com o resto de suas ações de marketing.

Isso vai ajudar a garantir melhores resultados e levar sua comunicação a outro patamar.

Caso queira conferir mais conteúdos sobre o universo dos vídeos – produção, divulgação, estratégia e mais, acesse o Blog da Samba Tech. Lá você poderá encontrar os melhores conteúdos sobre o assunto.

E para entender melhor como fazer um bom marketing com vídeos, nós indicamos este material aqui: o e-book sobre marketing em vídeo.

Leia tudo, estude e veja as melhores formas de melhorar seu trabalho!

 

Podcast sobre design para conversão

RockCast #024: Design para conversão – como começar a ter resultados?

No nosso novo formato, o RockCast vem com mais convidados, novos temas, novos quadros e com um bate papo muito mais interessante para vocês que nos acompanham! Você pode conferir os episódios antigos do RockCast aqui.

O tema do  RockCast #024 é: Design para conversão – como começar a ter resultados?

Para conversar com a gente trouxemos o Thiers Ferreira, do nosso time de Design, e o Rodrigo Nascimento, CEO da Buscar ID.

Nesse RockCast, falamos sobre:

  • Como podemos definir o que é Design para conversão?
  • Qual a diferença de simplesmente fazer Design?
  • Por que empresas não podem ignorar essa ferramenta?
  • O que uma empresa precisa saber antes de começar
  • Dicas de design para conversão

Ouça agora o RockCast #024: Design para conversão – como começar a ter resultados?

Links que falamos no podcast:

Não deixe de ouvir e deixar seu feedback para a gente! Aproveite também para adicionar o nosso feed de podcasts no seu agregador preferido:

Até o próximo episódio! 🙂

Abraços,

Liz

Growth Hacking e Traction

RockCast #023: Descomplicando Growth Hacking e Canais de Tração

No RockCast #023, conversamos sobre Growth Hacking e Traction. Quais são as melhores técnicas de crescimento para empresas?

No nosso novo formato, o RockCast vem com mais convidados, novos temas, novos quadros e com um bate papo muito mais interessante para vocês que nos acompanham! Você pode conferir os episódios antigos do RockCast aqui.

O tema do  RockCast #023 é: Descomplicando Growth Hacking e Canais de Tração

Para conversar com a gente trouxemos o Renato Mesquita, nosso gerente de Marketing, e a Lana Kantor, analista do nosso time de Planejamento.

Nesse RockCast, falamos sobre:

  • O que é Growth Hacking?
  • Marketing vs Traction
  • O que são canais de tração
  • Como escolher os canais certos para sua empresa

Ouça agora o RockCast #023: Descomplicando Growth Hacking e Canais de Tração

Links que falamos no podcast:

Não deixe de ouvir e deixar seu feedback para a gente! Aproveite também para adicionar o nosso feed de podcasts no seu agregador preferido:

Até o próximo episódio! 🙂

Abraços,

Liz