Google Analytics: O Guia Definitivo

Mensure as suas estratégias

Sabe aquela impressão de que você não sabe se está atingindo os objetivos? Se a campanha está dando certo? Se o investimento está dando retorno?

É comum que as empresas invistam em marketing, mas não saibam se estão alcançando resultados. Porém, assim, elas estão desperdiçando um dos grandes benefícios do marketing digital: o poder de mensuração.

A internet é cheia de dados. Tudo pode ser captado, medido, mensurado. Porém, só um software é capaz de reunir tantas informações e torná-las compreensíveis para os humanos, que podem então utilizá-las na inteligência estratégica.

Atualmente, a principal plataforma de análise da web é o Google Analytics. Ele capta e fornece dados para qualquer tipo e porte de negócio, já que é gratuito e fácil de usar. E quanto mais você souber explorar a ferramenta, mais insights consegue extrair dela.

Então, acompanhe o nosso Guia Definitivo sobre Google Analytics para saber tudo sobre essa importante ferramenta!

Google Analytics
O que é o Google Analytics
Parte 1

O que é o Google Analytics?

O Google Analytics é uma plataforma de análise de dados da web. Ele coleta informações dos usuários e transforma em relatórios, que podem ser usados para avaliar o desempenho de um site ou aplicativo e incrementar as estratégias de marketing.

Mas como a ferramenta consegue captar esses dados? O Google Analytics usa um código JavaScript, que deve ser instalado em todas as páginas.

Quando uma pessoa navega por elas, o código coleta cookies, armazenados no navegador do usuário, que informa como ele se envolve com o site. Então, essas informações são processadas pela ferramenta e fornecidas ao proprietário do site.

Assim, o Analytics consegue identificar, por exemplo, a origem do usuário que acessa um site, qual palavra-chave ele pesquisou, o tempo que durou a visita ou quais páginas ele percorreu até fazer uma compra.

Quer entender melhor? Confira esses links sobre Google Analytics:

Por que utilizar o Google Analytics
Parte 2

Por que utilizar o Google Analytics?

If you can’t measure, you can’t manage. Essa frase explica por que mensurar as ações de marketing: se você não pode medi-las, não conseguirá administrá-las. Afinal, você precisa saber qual caminho a estratégia está tomando, para otimizá-la e alcançar os resultados.

Uma ferramenta como o Google Analytics é sua maior parceria para isso atualmente. Ela serve para monitorar o seu site ou aplicativo e identificar como está o seu desempenho em tráfego, engajamento e conversões, de acordo com as ações do usuário nas páginas.

Então, você também deve utilizar o Google Analytics para conhecer o consumidor. Os dados que a ferramenta fornece ajudam a compreender a jornada de compra, que está cada vez menos óbvia e linear, e oferecer uma boa experiência durante esse processo.

Em relação a outras plataformas, o Google Analytics ainda é gratuito, fácil de mexer e oferece integração com outros produtos do Google, como Adwords e Search Console.

Leia esses conteúdos para entender melhor por que mensurar ações com Google Analytics:

Como o Google Analytics pode ajudar na estratégia de Marketing de Conteúdo
Parte 3

Como o Google Analytics pode ajudar na estratégia de Marketing de Conteúdo

O objetivo do Marketing de Conteúdo é gerar uma percepção positiva sobre a marca por meio de conteúdos relevantes para o público. Portanto, está muito relacionado à experiência do usuário dentro do site.

Se essa estratégia for baseada em dados de desempenho do seu conteúdo, você consegue otimizá-lo para ter melhores resultados. Então, conheça algumas análises importantes para orientar o Marketing de Conteúdo:

Páginas mais acessadas: Elas mostram os temas mais populares e são uma oportunidade de criar links internos que valorizem outras páginas do site.

Conversões: Você pode analisar quais posts geram mais conversões, como um download ou uma venda, que também são objetivos da produção de conteúdos.

CTAs: Você pode definir metas para os botões de call-to-action nas suas páginas, para identificar se eles estão atraindo o clique e engajando o usuário.

Dispositivos: Se o seu site é mais acessado em smartphones, por exemplo, é preciso garantir que o conteúdo e as páginas sejam mobile-friendly.

Com essas informações em mãos, otimize os conteúdos que apresentam melhor desempenho e corrija os que têm menos acessos, engajamento e conversões.

Saiba mais sobre como o Google Analytics ajuda no Marketing de Conteúdo:

Principais métricas
Parte 4

Principais métricas

O Google Analytics é fácil de mexer, mas existem algumas nomenclaturas que podem deixar você em dúvida. Elas são importantes para compreender as métricas principais da plataforma, que são básicas para fazer análises. Conheça algumas delas:

Sessões: Tempo que o usuário fica ativo no site. O número de sessões mostra quantas visitas o site recebeu em um período.

Usuários: Visitantes únicos, que iniciaram pelo menos uma sessão no período, ou seja, que visitaram o site independentemente do número de vezes.

Taxa de rejeição: Porcentagem de sessões que não registraram interações com a página. Uma rejeição alta nem sempre é ruim, como em um blog, em que o usuário apenas lê o post e fecha a página.

Páginas por sessão: Número médio de páginas visitadas durante uma sessão. Mostra se o conteúdo está incentivando a navegação pelo site.

Duração média da sessão: Tempo médio que o usuário permanece ativo no site. Ajuda a avaliar se o conteúdo está sendo lido pelos visitantes.

Veja mais explicações sobre as principais métricas do Google Analytics:

Fontes de aquisição de tráfego
Parte 5

Fontes de aquisição de tráfego

O Google Analytics permite não só avaliar o desempenho do seu site, mas também as estratégias de divulgação.
É isso que as fontes de aquisição de tráfego ajudam a compreender. Você pode avaliar os canais que mais atraem tráfego e conversões, assim como o comportamento dos visitantes de cada origem. Veja quais são as possíveis fontes de tráfego para o seu site:

  • Organic search (link nos resultados orgânicos do Google)
  • Social (link em um post orgânico ou pago nas redes sociais)
  • E-mail (link em um e-mail marketing ou newsletter)
  • Direct (URL digitada pelo usuário diretamente no navegador)
  • Referral (link em outro site que cita a sua página como referência)
  • Paid search (link nos resultados pagos do Google, pelo Adwords ou Adsense)

Então, com esses dados, você pode otimizar sua estratégia de divulgação, de acordo com os objetivos que espera de cada canal de marketing.

Confira esses conteúdos para entender melhor as fontes de aquisição de tráfego:

Acompanhar as conversões
Parte 6

Acompanhar as conversões

Todo negócio quer gerar conversões em seu site. E quando falamos em conversões, nos referimos a toda ação concluída pelo usuário que seja importante para o negócio.

Elas podem ser relacionadas ao objetivo maior do site, que geralmente impacta na rentabilidade do negócio. Por exemplo:

  • Realizar uma compra
  • Solicitar um orçamento
  • Inscrever-se em um evento
  • Fazer o download de um material

Mas conversões também podem ser as pequenas ações do usuário que demonstram seu engajamento com o site e ajudam a alcançar aquele objetivo maior. Por exemplo:

  • Assistir a um vídeo
  • Assinar a newsletter
  • Permanecer X minutos na página
  • Compartilhar nas redes sociais

No Google Analytics, todas essas ações podem ser medidas, para avaliar a eficiência da estratégia. Para isso, você precisa configurar Metas, sobre as quais veremos a seguir.

Agora, para saber mais sobre análise de conversões, veja esses conteúdos:

Configurar metas e atribuir valores
Parte 7

Configurar metas e atribuir valores

O Google Analytics permite que você configure Metas para monitorar as conversões do seu site. Portanto, é você quem define quais são os objetivos importantes para o seu negócio. Na aba Administrador, você poderá criar as Metas, que são de quatro tipos:

Destino: A meta é o acesso a uma URL específica, como uma página de conclusão de compra. Nesse caso, você pode associá-la a um Funil de Conversão, que permite acompanhar o caminho do usuário até a meta.

Duração: A meta é o tempo de duração de uma sessão. Por exemplo, se o usuário fica bastante tempo na página de um blog, significa que ele provavelmente leu o post.

Páginas/telas por sessão: A meta é o número de páginas visitadas em uma sessão, quando o objetivo é avaliar se o usuário está consumindo outros conteúdos no site.

Evento: A meta é uma ação do usuário definida pelo administrador, como reproduzir um vídeo, usar a barra de rolagem ou clicar no botão de compartilhamento social.

Para cada meta, é possível também atribuir um valor monetário. Assim, você pode avaliar o retorno financeiro das conversões e focar naquelas que rendem mais para o seu negócio.

Quer entender melhor as Metas do Google Analytics? Confira esses conteúdos:

Segmentos
Parte 8

Segmentos

O Google Analytics já oferece várias informações prontas. Mas melhor ainda é quando você consegue personalizar os relatórios para gerar mais insights.

É o caso da criação de Segmentos para analisar subconjuntos de dados. Por meio de filtros, é possível visualizar informações de determinado grupo, com os filtros que você desejar (localização, idade, duração da sessão, origem de tráfego, entre outros).

Por exemplo, se você filtrar apenas os usuários de um estado do país e perceber que eles estão comprando menos determinado produto, pode ser que tenha surgido um concorrente. Se analisar os visitantes que geram conversões de alto valor para o seu negócio, é possível compreender melhor o seu perfil e comportamento.

Esses conteúdos explicam em detalhes por que e como usar os Segmentos:

Erros mais comuns
Parte 9

Erros mais comuns

Por ser uma ferramenta tão completa, pode ser que você se perca com tantas informações e possibilidades de personalização. Por isso, evite esses principais erros na plataforma:

Não compreender a taxa de rejeição: A taxa de rejeição alta nem sempre é um sinal negativo. Antes de se preocupar com ela, avalie o conteúdo e o objetivo das páginas, além do mercado de atuação do negócio.

Não instalar o código corretamente: O código de acompanhamento do Analytics é responsável por coletar os dados, por isso ele deve ser instalado em todas as páginas do site para gerar relatórios confiáveis.

Contabilizar o tráfego dos colaboradores: O tráfego interno de uma empresa pode aumentar consideravelmente o número de visitantes, mas ele é relevante para o negócio? Você pode isolar esse tráfego das análises.

Desconsiderar sazonalidades: Analise o site de olho no calendário. Uma queda no tráfego pode ser preocupante, mas também pode ser causada por algo natural, como o clima ou um feriado.

Nesses links, você pode conferir outros erros comuns:

Dicas importantes
Parte 10

Dicas importantes

Está na hora de começar a mensurar suas ações no Google Analytics! Mas, antes, confira algumas dicas essenciais para aproveitar essa plataforma da melhor maneira:

Integre com outros produtos do Google: Essa é uma das grandes vantagens do Google Analytics, então aproveite. Integre suas contas do Adwords, do Adsense, do Search Console e obtenha mais dados relevantes da ferramenta.

Utilize as anotações: Utilize as anotações para marcar nos relatórios acontecimentos importantes para o negócio, como lançamento de uma campanha e uma notícia na imprensa.

Parametrize as URLs
: Você pode adicionar parâmetros às URLs de campanhas, como a origem, a campanha ou a palavra-chave do anúncio. Assim, você extrai os dados com mais clareza.

Configure dados de pesquisa interna: Saber o que os seus usuários estão pesquisando na busca interna do site pode trazer insights relevantes. Configure esse relatório na ferramenta para obter esses dados.

Confira outras dicas essenciais: