Laura Bernardes

Analista de Marketing na Rock Content

Analista de Marketing na Rock Content
6 publicações feitas.



Dia Internacional da Mulher

O que 5 lideranças femininas têm a contar sobre o mercado de trabalho

Ser uma mulher e estar presente no mercado de trabalho já é difícil. Ser uma mulher, em um cargo de liderança, no mercado de trabalho é ainda mais desafiador. No Dia Internacional da Mulher fizemos um especial com a história de 5 lideranças femininas na Rock.

O mercado de trabalho ainda não absorveu totalmente a importância do papel feminino dentro de uma corporação.

Segundo a pesquisa Women in the boardroom, da Deloitte, que conversou com 7 mil organizações, em mais de 40 países, apenas 15% dos assentos de conselho são ocupados por mulheres.

No Brasil, esse número fica ainda menor: apenas 7,7% dos assentos pertencem a figuras femininas. Isso coloca o país na 37ª posição em uma escala de 44.

Com tantas barreiras colocadas à frente e provações no meio do caminho, as mulheres que chegam em altos cargos merecem destaque.

Convidamos algumas líderes aqui da Rock Content para contarem um pouco de sua jornada como mulheres dentro do mercado de trabalho.

1. Lizandra Muniz — Gerente de Marketing

Ter referências de líderes mulheres para mim foi o que me fez entender que eu também poderia ser uma. A cobrança externa e interna existe com mulheres o tempo todo, e no mercado de trabalho não seria diferente.

Somos ensinadas que precisamos ser perfeitas, e isso nos impede de tentar muitas coisas. Nunca achamos que podemos.

Ver mulheres comuns e imperfeitas seguindo com suas profissões me ensinou mais do que elas imaginam. Quando percebi que eu poderia ser eu mesma, não carregar o mundo nas costas e ainda ser uma boa líder me senti muito mais leve.

Posso errar, ter defeitos e não preciso dar conta de tudo. Sou tão capaz quanto qualquer outra pessoa e líderes mulheres me inspiram e me mostram que meu gênero não deveria me limitar.

Lizandra Muniz
Lizandra Muniz

2. Talita Batista — Revenue Manager

Já tive minha idade perguntada como forma de diminuir minha autoridade. Já tive que pedir intervenção de um líder homem para me ajudar a resolver uma situação em que eu simplesmente não conseguia ser ouvida.

Já gritaram comigo por ser mulher. Já pediram desculpas para o meu chefe homem por me desrespeitar, não a mim. Já me pediram pra manter as unhas feitas para vender o produto da empresa, afinal, superar a meta todo mês não era suficiente para provar minha competência.

Já fui chamada de brava, mandona e controladora, simplesmente por ser líder, firme e focada em direção aos meus objetivos.

Mas também já tive uma mentora maravilhosa, que me ouviu e empatizou por todas as situações de machismo que já vivi no mercado de trabalho, me ajudando a vivenciá-las com mais serenidade e vencer, seguir.

Pude também transmitir tudo que aprendi, todas as lutas que venci e impactar positivamente a vida e a carreira de outras mulheres, sendo mentora, sendo líder, sendo referência.

Já conversei com garotas que eram exatamente a Talita de 19 anos, falando com elas o que eu gostaria muito de ter ouvido nesta época.

Criei um perfil de empoderamento feminino, escrevi um texto muito pessoal sobre feminismo e carreira (e recebi comentários maravilhosos!). Já fui reconhecida por ser uma líder mulher inspiradora e fui procurada por mulheres para ter conselhos de carreira, de recolocação profissional, de começo de carreira, de direcionamento profissional.

No fim — ou melhor, neste ponto, pois ainda é só o começo —, tudo que já foi passado nesses mais de 10 anos de mercado de trabalho me prepararam para cumprir minha missão: impactar positivamente a vida de mulheres, ajudando-as em seu desenvolvimento pessoal e profissional, com igualdade e respeito.

A luta continua, não desanimamos. Vamos juntas!

Talita Borges
Talita Batista

3. Thais Lavarini — Gerente de Sucesso do Cliente

Crescer mulher não é tarefa fácil, sabe? O divórcio dos meus pais antes mesmo de eu nascer e o falecimento da minha mãe quando eu tinha 7 anos me colocaram em uma realidade de vida bem feminina.

Cresci em um lar dividido com minha avó e minha irmã. Comecei a trabalhar muito nova e tudo que conquistei de lá para cá foi com meu próprio esforço.

A parte mais difícil disso tudo nunca foi as dificuldades financeiras, abrir mão de uma adolescência “normal” para pagar as contas, ou a falta de uma figura paterna/ masculina.

As maiores dificuldades que enfrentei vieram de como eu me autosabotava depois de me deixar afetar por pessoas que tentavam me fazer sentir inferior, ou incapaz.

Desde o questionamento das decisões tomadas, faculdade cursada, pós escolhida, entrar no mestrado a como eu gerenciava as finanças da minha casa, até o cúmulo de ouvir coisas do tipo: “você faria sua mãe remexer no caixão de desgosto”, “você vai ser demitida”. Tudo isso pela escolha das minhas roupas.

Para quem comeu arroz puro no café da manhã, almoço e janta, eu tenho muito orgulho em sustentar minha casa sozinha, cuidar da minha avó que sempre esteve comigo e prover para nós duas uma boa qualidade de vida.

O que eu alcancei até aqui foi porque acredito em mim e isso é algo que eu preciso constantemente me lembrar toda manhã.

Eu tenho essa frase na minha mesa de trabalho e no meu quarto. Olho para ela, penso e a internalizo todos os dias:

“Ninguém pode fazer você se sentir inferior sem o seu consentimento”

Eleanor Roosevelt, ex-primeira-dama dos Estados Unidos

Espero que vocês se lembrem disso todos os dias também!

Thais Lavarini
Thais Lavarini

4. Izabela Guarino — Gerente de Projetos e Parcerias

Mais do que ficar provando nossa capacidade, temos que agir com naturalidade e delicadeza; sem medo soar “mandona” quando você precisa ser gerente, mas também com todo brilho no olho que temos ao desenvolver nossa carreira quando precisamos ser “líderes”.  

A liderança nos traz o presente de poder inspirar pessoas a se desafiarem e criarem um ambiente melhor, mas também nos traz a responsabilidade de evitar qualquer extremismo e disseminar a separação ao invés da união.

Izabela Guarino
Izabela Guarino

5. Luiza Drubscky — Gerente de Marketing

Desde muito nova tive a oportunidade de ter dentro de casa um empreendedor nato que, mesmo sem ter a sua própria empresa, sempre estudou muito sobre gestão, liderança e organização empresarial e financeira.

Meu pai sempre teve um coração de estudante quanto a esses (e vários outros) tópicos e me incentivou a seguir o mesmo caminho.

Quando entrei na Rock Content, em 2014, finalmente eu entendi de onde ele tirava tanto interesse em se aprimorar.

A possibilidade de passar adiante esse tipo de conhecimento adquirido, orientar pessoas no seu desenvolvimento de carreira e, como consequência, trazer cada vez mais resultado para a empresa é o que constitui um líder em sua essência.

E esta, que é uma das maiores satisfações da minha vida profissional, também se apresenta na forma de um dos maiores desafios.

Mas, cá entre nós, é exatamente pela dificuldade de conseguir transmitir esses mesmos ensinamentos adiante que é tão legal e importante continuar nessa jornada. E você, o que mais te motiva e desafia?

Luiza Drubscky
Luiza Drubscky

Apesar de todos os percalços encontrados para chegar até a liderança, estar dentro de uma porcentagem — ainda que pequena — é mais que satisfatório.

E, para seguir aprendendo sobre a importância da diversidade em empresas, não deixe de conferir o que você pode aprender com uma mulher designer em uma área predominantemente masculina.

O que você pode aprender com uma mulher designer em uma área predominantemente masculina

O que você pode aprender com uma mulher designer em uma área predominantemente masculina

Na semana em que se celebra o Dia Internacional da Mulher, trouxemos o relato da nossa designer UI e UX, Jordana Andrade. Sendo uma das poucas mulheres dentro do time, ela contou algumas curiosidades sobre a área de atuação e as dificuldades que enfrenta por ser mulher em uma área predominantemente masculina.

Ao pensar em um time de produto, dentro de uma empresa de tecnologia, qual é o primeiro pensamento que vem à sua mente? Um grupo de homens, sentados de frente para um computador, discutindo sobre ferramentas, códigos e programas?

Socialmente, áreas como essa ganham a percepção de pertencerem mais ao universo masculino do que ao feminino. Aqui dentro da Rock, em nosso time de produto, contamos com poucas, porém capazes figuras femininas.

Com a lembrança do Dia Internacional da Mulher e a certeza de que boas histórias precisam ser contadas, trouxemos o relato da Jordana Andrade, designer UI (interface do usuário) e UX (experiência do usuário).

Siga conosco e conheça a jornada da designer no mundo da tecnologia.

Por que tecnologia

Eu sempre gostei de tecnologia e sempre quis trabalhar na área. Acredito que a área de tech é o futuro e ela pode inclusive solucionar vários problemas sociais e políticos, assuntos pelos quais eu me interesso muito.

Desenvolver tecnologias é parte da existência humana desde os primórdios da humanidade e acredito que podemos melhorar muito a vida de todo mundo nos aprofundando cada vez mais nessa área.

Não tive incentivo da família, mas também não tive resistência, era uma coisa meio difícil de entender para minha mãe e meu pai, mas hoje eles curtem e se orgulham quando eu falo que faço design da experiência do usuário.

Como tudo começou

Sou formada em design gráfico pela Universidade Estadual de Minas Gerais e trabalhei muitos anos na área de criação em várias agências de BH.

Sempre gostei muito da área também mas sempre desejei cuidar de um produto com carinho, ouvindo e investigando o que é melhor para seu usuário, oportunidade que só uma empresa tech pode oferecer.

Papel da designer UI e UX

Aqui na Rock eu sou designer UI e UX. Eu cuido da usabilidade e do visual da plataforma em que nossos clientes e rockers navegam diariamente.

Investigo as demandas de usabilidade (onde está difícil navegar, complicado de achar as informações), pesquiso e crio novas alternativas de navegação para serem implementadas pelo nosso time de desenvolvedores.

Meu objetivo é proporcionar a melhor experiência para todos os usuários da plataforma, com o mínimo de atrito e erros possíveis!

Jordana Andrade
Jordana Andrade

Área predominantemente masculina a se desbravar

Infelizmente a área é predominantemente masculina até hoje, cenário que tem mudado, mas não com a velocidade que eu gostaria.

Existem iniciativas interessantes na área, para ensinar mulheres da periferia a codar, meninas a gostarem de lógica e matemática e a terem noções de programação e robótica desde muito novas, por exemplo, mas ainda precisamos caminhar muito nessa jornada para chegarmos ao domínio da área que os homens detém.

A maioria das empresas tech têm em seus colaboradores muito mais homens em todos os níveis, e quando se fala de liderança, a amostragem de mulheres — principalmente negras — é muito menor ou até inexistente.

Eu gosto de pensar todos os dias que estou aqui não só para trabalhar, me sustentar e fazer o melhor produto que eu posso fazer, mas também para abrir o caminho para tantas meninas e garotas que estão crescendo agora e podem ser as próximas grande gênias de uma geração inteira.

Dificuldades de ser mulher e atuar nesse campo

Todas nós passamos dificuldades diariamente, por sermos subestimadas, por não acreditarem em nossa capacidade de resolver problemas com maestria ou fazer entregas que satisfaçam a necessidade da demanda.

Acredito que temos um caminho longo pela frente, de quebrar os padrões e estereótipos que nos foram incutidos há milênios, desde que a sociedade começou a se estabelecer lá atrás.

As principais dificuldades com certeza são conseguir ser vista como assertiva e não agressiva. 

Isso porque nós, mulheres, temos de ser sempre muito delicadas e educadas, e se saímos desse papel, já somos lidas como grossas ou sem paciência — traços que podem ser vistos como qualidades em um homem, e ultrapassar a primeira impressão que muitos homens têm de nós, de que somos apenas garotas e não sabemos muita coisa.

Essas questões se agravam ainda mais na área se você não for uma mulher branca ou pertencer a outras minorias, como se for neuroatípica por exemplo, então existem mulheres por aí vencendo muito mais barreiras que eu jamais seria capaz de imaginar.

Curiosidade sobre a área que poucas pessoas sabem

Eu gosto sempre de contar para as pessoas — já que muitas ainda não sabem — duas histórias muito interessantes sobre como as mulheres sempre estiveram inseridas na tecnologia e fazendo seu trabalho de forma primorosa.

A primeira programadora da história foi uma mulher, Ada Augusta King, a condessa de Lovelace. Ela escreveu o primeiro algoritmo a ser interpretado por uma máquina (o algoritmo ajudava a máquina analítica de Charles Babbage a computar funções matemáticas).

Outra mulher importantíssima na tecnologia foi Hedy Lamarr, que além de atriz era inventora e desenvolveu um aparelho de interferência em rádios para despistar os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Esse aparelho, além de muito utilizado na guerra, foi a base tecnológica que possibilitou a existência de aparelhos celulares como os conhecemos hoje, sem fios.

As mulheres sempre fizeram um papel importante na área. Desde as computadoras — mulheres que computavam os dados nas enormes máquinas de computação, que ocupavam um galpão inteiro (e que hoje viraram os computadores pequeninos que carregamos para todos os lados) — nós ainda temos muito a adicionar nesse mercado.

Já foi comprovado que a diversidade aumenta a inovação e os ganhos de uma empresa e também que a inteligência coletiva do seu time aumenta com mais mulheres fazendo parte dele.

Conclusão

Segundo estudo realizado pela McKinsey com mais de 1000 companhias, em 12 países diferentes, empresas que apresentavam um grupo de funcionários com maior diversidade tiveram melhores resultados de lucratividade e de criação de valor.

Além disso, segundo pesquisa da Peterson Institute for International Economics, empresas com mulheres em cargos de liderança tendem a ter resultados melhores. Esse dado foi alcançado depois de analisarem mais de 21 mil empresas, de 91 países diferentes.

Negócios que aumentaram a presença de lideranças femininas em até 30% viram um crescimento de 15% na rentabilidade.

Apesar de todos os dados apontarem os benefícios das corporações contarem com a diversidade de gênero, a realidade é bem distinta.

Em estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) foi constatado que a taxa global de força de trabalho feminino foi de 48,5% em 2018 — 26,5 pontos percentuais a menos que homens. Além disso, para cada 10 homens empregados, existem 6 mulheres empregadas.

Por fim, quando o assunto são cargos de gestão e liderança, as mulheres seguem com poucas oportunidades. Conforme apontou o estudo da Peterson Institute for International Economics, cerca de 60% das empresas analisadas não têm mulheres no conselho, mais de 50% não possuem papéis femininos no topo da hierarquia e menos de 5% têm CEOs mulheres.

Mais do que modismo, ações de inclusão e incentivo das mulheres no trabalho de mercado tendem a beneficiar corporações e consumidores.

E, para seguir estudando sobre o assunto, não deixe conferir nosso conteúdo sobre 11 campanhas para mulheres que nos fazem refletir.

O que são os perfis yogi.mp4 e haqnii e como eles causaram tanto buzz no Instagram

O que são os perfis yogi.mp4 e haqnii e como eles causaram tanto buzz no Instagram

Veja como uma empresa da Indonésia causou buzz no Instagram por meio de dois perfis que levavam centenas de curtidas aos comentários que os mencionavam.

Nos últimos dias, usuários do Instagram perceberam uma movimentação um tanto quanto diferente e inusitada na rede social. Pessoas que comentam @yogi.mp4 e @haqnii ganham, quase que instantaneamente, centenas de curtidas nos comentários.

Os internautas especularam que tal fato podia ser um bug da rede social, uma ação de hacker ou apenas um ato intencional para causar buzz.

E foi exatamente isso que aconteceu. Entenda, a seguir, como o lançamento de uma agência de marketing digital na Indonésia deu o que falar no Instagram.

Perfis desconhecidos

Bastava mencionar os perfis @yogi.mp4 e @haqnii para que centenas de curtidas aparececem nos comentários que as mencionava.

buzz  Go Socialid

As contas em questão pareciam ser até mesmo fantasmas. Com poucas informações e fotos, mas com muitos seguidores, começaram a especular se tratavam de contas que vendem seguidores e curtidas.

O perfil @yogi.mp4 conta com mais de 81 mil seguidores e apenas duas publicações, sendo uma delas uma foto em branco.

buzz  Go Socialid

Já a página de @haqnii conta com 100 mil seguidores e 2 publicações. Em sua bio — parte do perfil na qual é possível escrever algo sobre você — existe uma menção a página Go Socialid.

buzz  Go Socialid

Página mencionada

A página em questão é de uma empresa de marketing, localizada na Indonésia, que se lançará no mercado em abril.

buzz  Go Socialid buzz  Go Socialid

Apesar de as páginas que fazem o buzz para a empresa arrecadarem uma quantidade significante de seguidores, a empresa conta, por enquanto, com pouco mais de 9 mil seguidores e diversas postagens que explicam quais serão seus serviços.

O site da Go Socialid descreve a empresa como uma revolução em social media, marketing e gestão. Ainda (em tradução literal do Indonésio), a companhia promete entregar uma boa experiência para aqueles que já tiveram dificuldades com agências de marketing tradicional.

Dentre os serviços oferecidos estão:

  • serviços para aumentar o engajamento (curtidas, seguidores e visualizações);
  • gerenciamento de campanhas publicitárias;
  • criação de conteúdo digital;
  • gerenciamento de redes sociais.

Buzz causado

O buzz causado pela empresa indonésia é notável. Fóruns em redes sociais americanas, páginas brasileiras e outras tantas tentaram descobrir o que se passava com tamanha repercussão dos perfis @yogi.mp4 e @haqnii.

A busca por uma explicação dos perfis, levava diretamente a página da empresa que explica detalhadamente quais os serviços oferecidos.

Ainda, por terem em sua cartela de opções um trabalho de engajamento, a quantidade de curtidas se mostrou eficaz para mostrar a repercussão que eles podem — e querem — alcançar.

O reconhecimento que tal empresa alcançou chegou a ser em escala mundial, conforme mapa do Google Trends.

buzz  Go Socialid buzz go socialid

Estratégias de lançamento como essa podem fazer o nome da empresa. No entanto, é necessário planejamento para alcançar o sucesso.

Se você quer entender como fazer ações de buzz certeiras com a sua empresa, não deixe de ler nosso conteúdo de buzz marketing.

Curso Branding & Buzz

Scroll to text: atualização do Google Chrome promete mudar forma de fazer link building

Scroll to text: atualização do Google Chrome promete mudar forma de fazer link building

Novo recurso do Google Chrome permitirá link para trecho específico de uma página. Entenda como isso pode impactar na forma de fazer link building.

Um dos principais pontos dentro de uma estratégia de Marketing de Conteúdo é o link building. Essa técnica, que influencia diretamente o rankeamento no Google, pode medir a relevância e popularidade de um domínio na internet.

Hoje, os links são feitos em palavras ou frases de um texto e direcionam o leitor até outra página que discorra sobre o assunto.

Em um futuro próximo, o link building ganhará novas permissões.

O Google Chrome está trabalhando em um novo recurso que permitirá ao usuário fazer um link direto para um trecho específico de uma página.

Será como o Youtube, que já permite criar links com o ponto específico que você quer o vídeo começando.

Por exemplo, se você quer compartilhar um vídeo, para que as pessoas vejam o que acontece a partir do minuto 3, consegue criar um link que leva o vídeo a abrir exatamente neste ponto.

Agora, isso será possível também em textos.

Continue a leitura e entenda mais sobre essa nova função.

Função scroll to text

A nova função do Chrome, chamada de Scroll to Text, permitirá que sejam criados links direcionando a trechos e parágrafos de outras páginas

Essa configuração aparecerá em um fragmento da URL, que permitirá aos usuários encontrar rapidamente o trecho do conteúdo que merece destaque.

A função, inicialmente pensada para o GitHub, está passando por modificações para atender aos usuários do Chrome.

No entanto, a própria página do GitHub oferece diversas explicações de como será o funcionamento da nova ferramenta.

Ao fazer referência para um trecho específico de uma página, é desejável ser capaz de linkar diretamente para o trecho. E, hoje, esse tipo de ação não é permitido.

Os usuários, para contornar esse problema, compartilham capturas de tela com trechos mais relevantes do conteúdo ou dão instruções de qual parte do texto a leitura deve começar.

Além de diminuir o engajamento do público com a página de referência, essa barreira dificulta ainda mais a navegação via celular, em que fica mais difícil rolar a página até certos trechos.

O GitHub, propõe, então, que os usuários sejam capazes de linkar um trecho direto ao conteúdo, permitindo que os leitores engajem diretamente com a publicação original

Essa alteração — que aparecerá como uma nova flag no Google Chrome — deve ficar disponível para os usuários do Chrome Canary nas próximas semanas.

Scroll to text nos mecanismos de busca

Nos mecanismos de busca, essa função poderia facilitar ainda mais a procura dos usuários.

Conforme exemplo do GitHub, ao fazer uma busca no Google, será possível encontrar um link para “pular” direto para a página que se procura.

No exemplo dado pela plataforma de hospedagem ao fazer uma busca pelo discurso “Gettysburg Address”, do ex-presidente americano Abraham Lincoln, para saber quais foram as fontes de inspiração de sua fala, é possível encontrar um link da Wikipédia com a opção de seguir direto para o intertítulo que explica a intenção da busca.

Busca por "Lincoln Gettysburg Address source" no Google Intertítulo com busca feita no Google

Como o scroll to text funcionará

Para que esse mecanismo funcione, o GitHub propõe que se codifique um texto snippet no fragmento de URL, prefixado com o “targetText=”.

Considerando que o texto pode ter caracteres inválidos na URL, como espaços, o texto precisa estar codificado com percentual.

Por exemplo: “#targetText=My%20Heading” indicaria que a primeira ocorrência da expressão “My Heading” na página estaria selecionada para ser um link.

Em casos em que o trecho a ser linkado seja muito longo, existirá uma forma de reduzir a URL, para que ela não fique muito longa e interfira diretamente na estratégia de SEO. Isso acontecerá por meio de um código de início e fim — startPiece.*endPiece.

Para especificar o texto snippet dessa forma, basta colocar dois trechos ao targetText, separados por vírgula. Veja este exemplo:

www.example.com#targetText=the%20lazy%20dog,brown%20fox

Esse link levaria ao trecho “The lazy dog jumped over the quick brown fox”.

Como o scroll to text pode mudar a forma de fazer link building

A mudança é excelente para a experiência dos usuários, otimizando a forma como eles encontram certa informação de forma mais prática e direta.

Mas essa mudança não promete mudar apenas os usuários. Ela pode ser um fator de grande mudança para SEOs em todo o mundo.

Afinal, agora um conteúdo específico seu pode receber diversos backlinks externos para um trecho específico, aumentando o número de textos âncora que apontam para aquele texto e o número de palavras-chave que aquele mesmo conteúdo pode rankear.

Por exemplo, dentro do nosso guia completo de SEO, temos uma parte que explica sobre a importância de URLs amigáveis.

Dificilmente qualquer pessoa linkaria para esse texto apenas para que o leitor encontrasse esse parágrafo. O que limitava bastante os textos âncora que apontavam para aquela página.

Com a mudança esse conteúdo pode receber links apontando para diversos tópicos:

Trecho do guia completo de SEO, sobre URLs amigáveis.

Aumentando o volume de backlinks para as suas páginas, mostrando ao buscador como o seu conteúdo pode responder diversas dúvidas dos leitores e aumentando a autoridade da página.

A mudança promete incentivar ainda mais a produção de conteúdos cada vez mais completos e que destrincham um tema de forma completa.

Vale lembrar que com a mudança acontecendo o próprio Google já pode responder suas buscas destacando apenas esses trechos específicos direto na SERP.

Otimizar os seus guias para long tails nunca se tornou tão importante.

Acha que a mudança vai realmente impactar as estratégias de Link Building? Compartilhe os seus pensamentos nos comentários.

Conteúdo baseado em Chrome Story.

o que é seo
Facebook planeja integrar Messenger, Instagram e Whatsapp para troca de mensagens

Facebook planeja integrar Messenger, Instagram e WhatsApp para troca de mensagens

O Facebook planeja integrar os aplicativos Facebook Messenger, Instagram e WhatsApp para troca de mensagens entre si — segundo informação do jornal The New York Times.

A força-tarefa, criada para integrar as três redes, trabalha para unificar a infraestrutura base de envio de mensagens, permitindo que os usuários cruzem informações pelos aplicativos. Essa integração não afetará a funcionalidade de cada um dos apps, que continuarão trabalhando paralelamente.

No futuro, um usuário do Facebook poderá mandar uma mensagem criptografada diretamente para alguém que tenha conta apenas no WhatsApp, por exemplo.

Hoje, apenas o WhatsApp conta com a criptografia de ponta a ponta, que garante o sigilo dos conteúdos enviados. No entanto, Mark Zuckerberg exige que isso seja replicado em todas as redes, como medida de segurança.

Segundo o jornal norte-americano, essa mudança ainda não tem data fixa, mas a expectativa de lançamento é entre o final deste ano e princípio de 2020.

O objetivo, ao permitir esse cruzamento de mensagens, é aumentar o engajamento do público. Segundo pesquisas do portal Statista, o Facebook é a rede social com maior quantidade de usuários. WhatsApp, Facebook Messenger e Instagram ocupam a terceira, quarta e sexta posições respectivamente.

Redes sociais mais usadas no mundo

Retirado de Statista

Com a integração, certamente Zuckerberg está pensando em manter todos esses usuários dentro de seus aplicativos, usando deles como principal serviço de troca de mensagens.

Dessa forma, será possível abrir grande vantagem em relação aos concorrentes, como o Imessage, da Apple, e os aplicativos de troca de mensagem do Google.

O maior engajamento do público pode resultar no aumento do leque de propagandas e de formas de ganhar dinheiro com as redes sociais.

Segundo o The New York Times, a empresa ainda não definiu quais serão as novas ofertas, mas entende que, pela combinação das plataformas, uma possibilidade será cobrar uma taxa dos usuários que queiram fazer dali um espaço de publicidade.

Entenda como a integração pode impactar no seu negócio

A integração das redes sociais pode facilitar — e muito — a vida de quem aposta nas estratégias de marketing digital. Isso porque não será mais necessário iniciar a conversa com um consumidor em potencial em uma rede e ter de trocá-la para outro meio.

Todas as informações poderão ser repassadas, independentemente do aplicativo, garantindo agilidade e uma menor ocorrência de perda de informações no processo.

E se você ainda tem dúvidas de como fazer marketing nas redes sociais, não deixe de conferir nosso guia completo sobre o assunto!

ebook marketing nas redes sociais