Marina Cordeiro

Analista de Marketing na Rock Content

Bacharel em Marketing pela USP, atuando na área do Marketing Digital desde 2015. Especialista em Conversão de Leads, Email Marketing e Automação.
31 publicações feitas.



Case notificação push

Como as notificações por push geraram mais de 200 mil sessões para os blogs da Rock Content

Entenda como as notificações por push geraram mais de 25 mil leads para os blogs da Rock Content.

Nos últimos anos, assistimos as notificações por push saírem dos nossos tablets e celulares para brigarem por espaço nos dispositivos desktop.

E não sem motivo! Fora do universo mobile, essas notificações ganham ainda mais poder: depois de aceitas, podem te ajudar a levar o usuário de volta para o seu site, ou ainda divulgar promoções relâmpago e eventos especiais.

Esses benefícios chamaram a atenção do nosso time de Marketing, mas as push notifications só ganharam nossos corações depois que nós conseguimos desenvolver táticas de divulgação específicas para esse canal e construímos uma rotina em torno disso.

Se você quer entender como essas ferramentas funcionam e como a Rock Content utiliza esse canal no dia a dia, vem comigo!

O começo de tudo

Nosso blog utiliza uma ferramenta de notificações por push desde Setembro de 2017. Naquela época, foi nossa gerente de Marketing, Clara Borges, quem descobriu que esse recurso estava ficando bem conhecido lá fora e merecia uma chance por aqui.

Quatro meses depois, nossa base já tinha aproximadamente 8 mil inscritos e gerava leads e levantadas de mão. O problema é que a ferramenta cobrava em dólares e, com o crescimento exponencial do nosso blog, o recurso ficava cada vez mais caro.

A gente sabia que as notificações por push eram um bom canal, mas precisávamos de uma solução mais adequada a nossa realidade tupiniquim.

Até que um dia, nas minhas andanças virtuais, me deparei com essa cena:

Notificação Push na revista Veja

Busquei a empresa PushNews no Google e fiquei super empolgada: além de disparar notificações, a ferramenta também coletava emails?!

Me inscrevi para fazer um teste de 14 dias e, poucas horas depois, recebi um email do Oskar Lima, Customer Success de lá, me perguntando se eu tinha dúvidas.

Começamos a conversar e eu descobri que a galera da PushNews é fã da Rock (mais um ponto pra eles! rs). Rapport feito, parti para o que mais me interessava: cadê a funcionalidade de captura de email?

Email para a empresa PushNews

Para a minha tristeza, ela ainda estava na versão beta e poucos clientes tinham acesso. Mas o Oskar prometeu que, se a gente fechasse negócio, teríamos acesso a tudo!

A negociação foi intensa. Começar a utilizar a PushNews tinha vários pontos positivos: ferramenta em português, preço em reais e a minha querida funcionalidade de captura de emails.

Apesar disso, essa troca tinha um problema muito sério: nós iríamos perder toda a base conquistada na ferramenta estrangeira (e esse número já estava perto de 10 mil usuários!).

Para quem não sabe, as ferramentas de push notifications trabalham com o navegador dos usuários. Desta forma, as pessoas não precisam baixar nem instalar nada. Basta clicar no botão de opt-in para receber um ID e passar a ser identificado pela ferramenta de disparo. Por isso, geralmente, as bases ficam “presas” às ferramentas nas quais elas foram construídas.

Foram precisos muitos estudos e planilhas, mas eu e a Clara conseguimos provar que, no longo prazo, a troca valia (e muito!) a pena. E foi assim que nós passamos a ser clientes da PushNews.

Adquirindo o hábito

Instalamos a ferramenta nos principais blogs da Rock: neste que você está lendo, no Comunidade Rock Content e no Blog da Rock LATAM.

Graças ao período de trial, eu já estava mais familiarizada com a PushNews e consegui treinar os responsáveis por cada blog para que eles cuidassem de suas respectivas divulgações.

O combinado era focar no compartilhamento de landing pages para atrair novos leads e levantadas de mão. Os títulos precisavam ser bem curtos e, sempre que possível, com um emoji para chamar mais atenção.

Modelos de notificações push

Em julho de 2018, com um novo trimestre começando, resolvi fazer uma análise mais profunda sobre os números adquiridos pela ferramenta e descobri coisas bem interessantes.

Em apenas 6 meses, a galera aqui deste blog conseguiu gerar 27.860 sessões entre posts e landing pages.

Como o foco era divulgar materiais ricos, também geramos 5.532 downloads, ou seja, leads!

Resultados das notificações push no Blog da Rock

Ah! E a minha querida funcionalidade de captura de emails não deixou a desejar: conquistou 7.278 assinantes para a nossa newsletter.

O time LATAM também fez bons números:

Resultados das notificações push no Blog da Rock LATAM

Apesar disso, o time da Comunidade não tinha colocado muita fé na ferramenta. E tinha números bem tímidos para compartilhar:

Resultados das notificações push no Blog Comunidade

Com essas informações em mãos, decidi fazer uma apresentação para compartilhar com o time e incentivar o uso da ferramenta.

Foi bem nessa época que o Oskar, nosso CS na PushNews, me contatou para contar uma ótima novidade: a ferramenta ia se tornar nativa, o que, traduzindo em termos mais simples, significa abandonar o double opt-in e ganhar novos inscritos com um único clique!

Embora o double opt-in seja uma boa prática muito recomendada (principalmente quando se trata de email marketing), abandoná-la significava aumentar exponencialmente a nossa base de assinantes, o que se traduz em mais tráfego e leads.

Decidimos aderir a atualização e acompanhar os números.

Mestres das notificações por push

Com a versão single opt-in instalada — e a empolgação gerada pela minha apresentação anterior —, nossos números dispararam!

Nossa equipe tornou as divulgações por push uma rotina.

E, como os resultados eram rápidos, passamos a divulgar muito mais do que landing pages, ampliando o mix de conteúdos para vídeos, eventos, materiais de parceiros e tudo o que pudesse ser relevante para nossa base.

Cinco meses depois, fiquei feliz em notar que a base aqui do blog saiu de 4.484 usuários ativos (em agosto de 2018) para os incríveis 39.917 usuários no fim de janeiro de 2019! Um aumento de 890%.

Número de usuários ativos

E foi por meio dessa super base que nós conseguimos gerar 55.943 sessões entre landing pages e blog posts. E olha que nesse número não constam as sessões geradas para vídeos do YouTube, eventos e conteúdos de parceiros!

O blog LATAM também não ficou para trás!

Embora os “hermanos” não tenham gostado da funcionalidade de assinatura de newsletter (totalizando apenas 2.101 novos emails entre agosto e janeiro), eles acessaram muitos conteúdos, gerando 85.652 sessões no mesmo período.

Olha como ficou o gráfico do Google Analytics:

Google Analytics do Blog da Rock LATAM

E aqui tem um consolidado dos números:

Resultados das notificações push no Blog Comunidade

Mas o caso mais notório nessa segunda análise foi, com certeza, do time da Comunidade.

Depois de ver o número de sessões e de leads que os colegas estavam conquistando, Dimitri Vieira (editor chefe do blog) e sua equipe decidiram dar uma canseira no PushNews:

Resultados das notificações push no Blog Comunidade

Eles saíram de 547 sessões entre abril e agosto de 2018 para 54.071 entre setembro e janeiro de 2019!

Não é à toa que o gráfico do Google Analytics ficou super acentuado:

Google Analytics Comunidade

Resultados sensacionais, não é?

E é por isso que agora eu vou contar algumas das táticas de cada time!

Push na prática

Aqui na Rock, cada blog possui um público e um objetivo específico.

Este que você está lendo é focado no mercado brasileiro; o blog em espanhol visa atrair o público LATAM; e o blog da Comunidade é 100% dedicado à atração de profissionais freelancers.

E é por conta dessas diferenças que cada um deles utilizam o PushNews de um jeito diferente.

Veja a seguir.

Blog da Rock

No carro-chefe da Rock, disparamos push notifications de domingo a sexta!

Elas tendem a ser bem curtinhas e estão sempre acompanhadas por algum emoji. Além disso, os links são dos mais variados: blog posts, landing pages, vídeos do YouTube e sites parceiros.

Exemplos de notificações push

Os horários variam de acordo com o dia da semana e/ou propósito da mensagem. Geralmente, a gente investe nos horários após o almoço, que é quando a galera ainda está aquecendo o ritmo de trabalho.

Já aos domingos a gente investe em conteúdos mais “lights” bem no fim do dia, quando bate aquela deprê pré-segunda:

Exemplos de notificações push

Blog da Rock — ES

Nosso blog em espanhol foi feito para atrair empresas latino americanas, ou seja, ele recebe visitantes que estão em fusos horários bem diferentes.

Colômbia, Peru, Chile, Uruguai, Argentina, México e até Espanha são nomes frequentes no nossos relatório de “Sessões por país” do Google Analytics.

Apesar disso, nós não personalizamos os horários de acordo com o fuso de cada país. Isso até seria possível, mas acreditamos que todo o esforço envolvido nessa tarefa não traria benefícios igualmente significativos.

Por conta disso, a estratégia aqui foi pegar os horários de pico sinalizados pelo Google Analytics e investir neles.

Além disso, costumamos agendar 2 push por dia, mas configuramos para que uma “apague a outra”, de modo que nenhum usuário que esteja com o computador desligado receba um combo de 2 ou mais mensagens ao ficar online.

De resto, seguimos no mesmo estilo do blog em português: notificações curtinhas e com emojis.

Imersão Freelancer da Comunidade Rock Content

Aqui eu gostaria de compartilhar um caso mais específico.

No último trimestre do ano, o Dimitri Vieira tinha um desafio bem grande: gerar leads para a nossa comunidade de freelancers mesmo com as pessoas pensando em Natal e férias.

Antecipando essa questão, ele decidiu reunir especialistas como Vitor Peçanha, Murilo Leal e Laís Schulz (entre outros) para criar um curso específico para produtores de conteúdo. O conteúdo foi dividido em uma séries de webinars e ganhou o nome de Imersão Freelancer.

O Dimitri divulgou esses webinários através de pop-ups no blog, banners do Rock Convert, emails, posts nas redes sociais da Rock e no perfil pessoal dele, um concurso de referral e… notificações por push!

Esse último canal foi responsável por 10% dos inscritos totais, ou seja, aproximadamente 600 pessoas.

Isso foi possível porque o time da Comunidade fez divulgações pontuais e específicas como, por exemplo, 10 minutos antes dos webinars começarem, eles disparavam uma notificação para toda a base de assinantes de push.

As mensagens utilizavam gatilhos mentais de urgência e autoridade, além de dar uma breve explicação sobre o assunto que seria discutido no webinar do dia.

Notificações push Comunidade

Eles tiveram, em média, 100 cliques cada. Embora o número seja baixo, vale lembrar que essas mensagens foram programadas para serem entregues em até 1 hora após o disparo.

Ou seja, se um assinante das notificações estivesse com o computador desligado durante aquele intervalo de tempo, ele não veria a notificação depois.

Essa prática ajuda a não saturar o usuário e manter a mensagem fresca e relevante para o momento.

Conclusão

Como você pôde notar, as notificações por push são um ótimo canal para divulgar os conteúdos de uma empresa. Quando utilizadas com estratégia e consistência, podem gerar resultados significativos!

E, se você se sentiu inspirado a experimentar a ferramenta PushNews, deixo aqui um link que dá acesso completo e gratuito a ferramenta durante os primeiros 30 dias!

Faça um teste e me conte os resultados!

Product Camp

Product Camp Review: os maiores insights da trilha de Growth Marketing

Produto, Praça, Preço e Promoção. Quem se formou em Marketing ou trabalha com isso já está acostumado com esses famosos 4 P’s do Marketing.

Acontece que no dia a dia, a busca por conteúdos específicos sobre a nossa área de atuação pode nos levar a focar muito mais em um “P” específico e esquecer dos demais.

Por exemplo, refletindo sobre a minha rotina, percebi que eu foco muito em promoção.

Por isso, foi revigorante participar do Product Camp Brasil 2018, o maior evento sobre gerenciamento de produtos da América Latina.

Foram dois dias de conteúdo com mais de 800 pessoas reunidas em São Paulo/SP para aprender e discutir sobre Product Management, UX e Growth Marketing.

Com 24 palestrantes de grandes empresas como Nubank, OLX, Visa, Gympass, MaxMilhas e QuintoAndar, o evento me fez recordar da importância do P de produto e ainda trouxe vários insights sobre foco no cliente e usabilidade.

Apesar disso, hoje eu quero focar no lado B do evento: a trilha de conhecimentos sobre Growth Marketing.

Confesso que esperava “mais do mesmo” dos tradicionais eventos de Marketing Digital, mas o que eu vi me surpreendeu. E abaixo eu conto um pouco das palestras que eu mais gostei:

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Omnichannel: Como gerar uma experiência multicanal para o cliente e como uma área de Growth contribui para isso

Javier Parejo Dolagaray — Head of Growth, Ammo Varejo

OK, vou ser bastante honesta: quando o assunto é Produto & Tecnologia, eu sempre penso em empresas de software como Google, Apple e Amazon.

E mesmo quando eu penso sobre Growth, apenas marcas como Facebook e Dropbox me vêm à cabeça.

Eu JAMAIS pensaria em algo relacionado a cama, mesa e banho. Mas ainda bem que a equipe organizadora do Product Camp pensou!

Por causa deles, eu tive a oportunidade de conhecer o Javier e entender como o foco na experiência do cliente fez a Ammo Varejo aderir a transformação digital.

Hoje, as marcas mmartan e ARTEX possuem uma complexa estratégia omnichannel que engloba e-commerce, franquias, lojas próprias e lojas multi-marcas.

Ele mostrou como tudo isso foi pensado para garantir uma experiência multicanal agradável e consistente. E, mais do que isso, apresentou números que provam que canais online e offline não precisam, necessariamente, ser concorrentes entre si.

Por exemplo, a opção de comprar um produto no site e retirar em uma loja física se mostrou uma oportunidade perfeita para os vendedores sugerirem produtos complementares, aumentando o faturamento de suas lojas.

Resumindo, a equipe de growth da Ammo Varejo sabe tirar proveito da sua extensa base de dados para entender os clientes e criar ações que incentivam o crescimento de suas marcas.

Marketing de Conteudo e Dados

Quando Growth e Branding andam juntos: Case MaxMilhas

Tahiana D’Egmont — CMO & Partner, MaxMilhas

Tahiana começou compartilhando um pouco da história da MaxMilhas (que foi batizada em homenagem ao dono, Max!), mostrou como é a organização da sua equipe de Marketing e então partiu para 3 cases da empresa:

Black Friday

Assim como outras empresas, a MaxMilhas precisa de uma operação especial para comportar o alto fluxo de visitantes durante a Black Friday.

Pensando nisso, em 2018, Tahiana e sua equipe criaram uma campanha na qual os inscritos receberam descontos antes dos demais, como numa lista VIP.

A ação ajudou a antecipar parte da movimentação da Black Friday e ainda garantiu um aumento substancial na geração de leads.

Dia Mundial das Milhas

Celebrada anualmente no dia 6 de Janeiro, essa data é uma iniciativa criada pela MaxMilhas para atrair novos usuários através de uma estratégia de marketing viral.

A ação parte do pressuposto que quanto mais pessoas se cadastrarem, maiores serão os descontos oferecidos — um estímulo incrível para os clientes convidarem amigos e familiares a participarem da promoção!

Por conta da estratégia, essa data desbancou a Black Friday e se tornou o dia de maior faturamento da empresa.

Desafio do Amor a Distância

Conectando a marca com um propósito altamente emocional (relacionamentos), essa campanha utilizou os princípios da gamification engajar com o público e reforçar o branding da MaxMilhas.

Para participar, as pessoas que tinham um relacionamento à distância deviam cumprir 5 desafios:

  • cadastro;
  • troca das fotos dos perfis do Facebook para o avatar da campanha;
  • um post no Facebook avisando os amigos sobre a participação no desafio;
  • outro post fazendo uma declaração de amor;
  • e, por fim, conquistar 100 curtidas no perfil do casal dentro do site da promoção.

Aqueles que cumpriram todas as etapas conseguiram 5 cupons promocionais de 3.000 milhas para garantirem a viagem de reencontro.

O resultado final, além do impacto em brand awareness, foi um aumento significativo no engajamento das redes sociais da MaxMilhas, um alto número de visitantes no site da promoção e dezenas de depoimentos agradecidos que servem como prova social para a empresa.

Quer aprender mais sobre construção de marcas? Acesse nossos ebooks gratuitos:
Manual do Branding
Guia do Employer Branding

Growth Hacking Mindset

Philip Klien — Chief Growth Officer, OLX

“PK” tem um currículo de causar inveja: além de ser o atual diretor de Growth da OLX, já passou por grandes empresas como Twitter, Uber, Predicta e SiteApps.

E foi compartilhando as experiências que viveu nessas empresas que ele conseguiu mostrar que growth é muito mais do que os hacks e as “receitas” que são compartilhados na web.

Dentre os cases que ele comentou, alguns me chamaram a atenção:

A troca do botão “favoritar” por “curtir” no Twitter

Embora essa troca pareça simples e até “irrelevante”, Philip falou que essa mudança trouxe um aumento substancial no engajamento dos usuários do Twitter.

E o mais engraçado é que eu vivi esse momento! Lembro de entrar no Twitter em 2009 e achar muito estranho “favoritar” as coisas. Eu só usava esse botão para “salvar” citações ou links interessantes.

Quando ele virou um coração, passei a utilizá-lo com mais frequência para mostrar o meu suporte ou interesse em algum conteúdo…. e mais pessoas fizeram o mesmo, o que tornou a rede muito mais ativa.

Sua empresa também está no Twitter? Descubra como tirar mais proveito dessa rede social com a ajuda do nosso Guia de Marketing no Twitter.

Concorrentes “pescando” motoristas na frente do escritório do Uber

PK mostrou uma selfie sua na frente do escritório do Uber onde era possível ver algumas pessoas no fundo, com o uniforme de outros aplicativos de transporte.

De acordo com ele, essas empresas sabiam que muitos motoristas iam até o escritório do Uber resolver questões burocráticas e, por isso, aproveitavam o momento para convencê-los a utilizarem seus aplicativos também.

Embora a atitude seja considerada uma tática “black hat”, ela era certeira: a empresa conseguia abordar e adquirir novos usuários com um CAC baixíssimo.

Inovando a Inovação

Pedro Waengertner — CEO, ACE Startups

Confesso que quando vi o nome da palestra do Pedro, não senti muita empolgação: achei o título “startupeiro” demais. Porém, quando ele assumiu o palco, derrubou meu preconceito e muitas das convicções errôneas que são espalhadas no mercado.

O talk foi baseado no livro dele, “A estratégia da Inovação Radical”, e deu uma prévia dos 6 princípios da inovação radical. São eles:

1 – Design organizacional

Ao contrário do que parece, esse tópico não tem nada sobre mesas de ping pong e máquinas de choppe no escritório.

Aqui, design organizacional é sobre incentivar o intraempreendedorismo, ou seja, permitir que os funcionários sejam criativos e pensem em novas iniciativas dentro da própria empresa.

2 – Gestão ágil

De nada adianta deixar as pessoas terem novas ideias se elas não conseguem estruturar o projeto e/ou precisam da validação de diversos stakeholders.

Resumindo, gestão ágil é sobre encontrar o melhor fluxo de trabalho para viabilizar ideias inovadoras.

3 – Parcerias

Já dizia o provérbio africano: “Se quer ir rápido, vá sozinho. Se quer ir longe, vá em grupo.

Como o objetivo da maioria das empresas é ter uma vida longa e próspera, nada melhor do que contar com o suporte de outras companhias para viabilizar novos produtos ou serviços.

4 – “Mate seu próprio negócio”

A ideia aqui é fugir do famoso problema de miopia em marketing e dar espaço para iniciativas que parecem distantes do seu produto ou até mesmo aquelas que vão contra ele.

Por exemplo, você já parou pra pensar no que teria acontecido se a Kodak tivesse investido em inovação e criasse as câmeras fotográficas digitais? Pois é!

5 – Pensamento de investidor

As empresas têm medo de errar. Fato.

E é exatamente por isso que elas precisam aprender a pensar como os investidores: eles colocam dinheiro em 10 startups e sabem que provavelmente 8 delas vão falir.

A questão é que as outras 2 vão dar TÃO certo, que vão compensar as perdas financeiras das outras 8, o que faz o risco valer a pena.

Ou seja, foque nos resultados que você pode obter e não no prejuízo que os seus testes podem causar.

6 – Foco no cliente

Por fim, reforçando a ideia que foi transmitida durante todas as outras palestras, uma inovação que não gira em torno do cliente não terá sucesso.

Simples assim.

Resumindo

A trilha de Growth do Product Camp acertou em cheio ao trazer palestrantes de diferentes mercados para compartilhar cases reais.

Ver na prática o que já foi feito por outras empresas é uma forma de aprendizado muito mais estimulante. Não é à toa que eu aguardo ansiosamente pela edição de 2019!

E você, costuma frequentar muitos eventos sobre Marketing & Produto? Então veja nossa lista com os melhores eventos sobre esse tema no Brasil!

Confira a Biblioteca Online do Marketing Digital

Conheça a Biblioteca Online de Marketing Digital da Rock Content!

Uma das belezas do Marketing Digital é que muito do que essa estratégia propõe pode ser aprendido na prática ou através de conteúdos gratuitos disponíveis na internet.

O problema é que essa mesma abundância de ofertas também leva as pessoas à dúvidas e incertezas: por onde começar a estudar? Que material poderá me ajudar? Onde devo focar meus esforços?

Pensando nisso, organizamos todos os nossos kits, ebooks e planilhas gratuitos em tópicos para que você possa seguir nossas trilhas de conhecimento e potencializar os resultados da sua estratégia!

Vamos nessa?

Neste post, você encontrará materiais sobre:

1 – Essenciais

Marketing Digital: Primeiros Passos

Um kit com um ebook explicando sobre Marketing Digital e seus principais canais, junto com outro focado especificamente na criação de personas e uma planilha de suporte para ajudar a organizar o seu calendário editorial.

Infográfico “A Jornada do Cliente”

Um material rápido e prático que explica para os iniciantes como funciona a jornada do cliente desde o descobrimento da marca até o pós compra.

Esse guia é uma excelente ferramenta de suporte para a compreensão do comportamento dos seus clientes no ambiente online e offline.

Copywriting: Descubra os mistérios dos textos que convertem

Independente da tática que você deseja utilizar, é preciso criar um discurso atraente e influenciador. Para isso, nada melhor do que dominar a arte do copywriting.

Rotinas de Marketing

Se você já conhece todos conceitos, é hora de partir para prática!

Com a ajuda desse ebook você irá aprender como os analistas do time de marketing da Rock Content organizam suas rotinas de trabalho.

Como organizar seu departamento de marketing sem gastar dinheiro

Para quem está começando e precisa de ajuda para consolidar processos, esse material é a escolha perfeita! Ele apresenta 9 recursos gratuitos que você pode implementar para otimizar processos, organizar entregas e gerir recursos.

Indicadores de Marketing e OKRs

De nada adianta colocar uma estratégia em prática se você não acompanha os resultados que ela gera.

Para resolver esse problema, é interessante descobrir quais são os KPIs do seu Marketing e trabalhar com objetivos específicos, mensuráveis e temporais.

Times de Marketing: como estruturar, contratar e escalar

Para que sua estratégia Marketing funcione, é preciso coordenar os esforços de todas as pessoas do time… E esse trabalho começa já no momento da contratação!

É por isso que esse material te explica como selecionar as habilidades necessárias para a sua equipe, qual a melhor forma de treiná-los e como você pode estruturar suas operações de acordo com o número de pessoas disponíveis.

2 – Mídias Sociais

As queridinhas do público também podem (e devem!) participar do seu mix de Marketing. A questão é que, antes de sair criando um perfil em cada uma delas, é preciso planejar cuidadosamente onde e como você deseja marcar presença.

E nós temos um material específico para te ajudar em cada uma delas! Veja:

Facebook

Marketing no Facebook

A rede social do Mark Zuckerberg passou por alguns apuros em 2018, mas continua com um público de peso em sua plataforma.

E é para atrair essas pessoas que esse ebook te explica como criar uma página de empresa, como planejar os conteúdos que serão compartilhados e as melhores práticas para gerar engajamento.

Guia do Facebook Ads

Esse super guia de 76 páginas é recomendado para aqueles que já estão familiarizados com as boas práticas do Marketing no Facebook e agora desejam expandir o alcance de suas páginas através de anúncios pagos.

Chatbots

Existem diversos tipos e formatos de chatbots mas, os mais populares são, com certeza, aqueles que aproveitam a API do Facebook Messenger. E por isso deixamos essa sugestão aqui.

Através desse ebook você entenderá melhor o que são os chatbots, como eles funcionam e o que é preciso para desenvolver o seu (mesmo sem saber programação!).

Instagram

Marketing no Instagram

Desenvolvida pelo norte-americano Kevin Systrom e pelo brasileiro Mike Krieger em 2010, o Instagram vem crescendo exponencialmente mundo a fora. Não é a toa que já bateu a casa dos 500 milhões de usuários!

Com foco em imagens e vídeos de curta duração, essa rede se tornou um excelente canal para divulgação e venda de produtos.

Se você quer aprender como criar um perfil empresarial e atrair potenciais clientes, esse

ebook é para você!

Como melhorar seus resultados orgânicos no Instagram

Material indicado para quem já possui uma conta rodando e bem configurada, porém ainda precisa ganhar visibilidade (e não pode pagar por ela!).

Estratégias de Marketing no Instagram Stories

Feito para combater a ascensão norte-americana do SnapChat, a funcionalidade do “Stories” caiu nas graças dos usuários e se tornou uma ótima tática para compartilhar links e novidades.

Se você deseja aprender o que funciona bem nesse formato, como fazer anúncios nele e onde buscar inspiração para a sua conta, esse ebook é para você!

Guia do IGTV para empresas

O IGTV é a nova plataforma de vídeos do Instagram. Ela permite o compartilhamento de vídeos mais longos (de até 60 minutos) e possui integração total com o aplicativo principal (Instagram).

Apenas contas verificadas (ou de grande alcance) podem ter acesso a esse recurso. Se você faz parte desse seleto grupo, baixe esse material para descobrir como se beneficiar do IGTV!

Twitter

Marketing no Twitter

280 caracteres. Esse é o tamanho limite de um tweet. E ainda assim, a rede social do passarinho azul é uma excelente plataforma para incentivar a comunicação durante programas de TV, jogos e eventos.

Se o seu público também está aqui, baixe esse material para aprender como criar o seu perfil empresarial, quando fazer postagens e como criar anúncios nesse canal.

LinkedIn

Marketing no Linkedin

A rede social queridinha do universo B2B começou a ganhar mais destaque no Brasil nos últimos anos.

Se você também quer usufruir dessa onda de engajamento e aproveitar para conseguir novas oportunidades de negócio, agora é a hora!

YouTube

Marketing no YouTube

Responsável pela ascensão do Marketing de Influência, o YouTube começou com vídeos de “gente como a gente”, mas hoje já se tornou um canal altamente profissional.

Se você acha que é preciso muito dinheiro para criar conteúdo para essa rede, baixe esse ebook e reveja seus conceitos!

Pinterest

Guia Completo do Pinterest para Empresas

Embora o Pinterest esteja aqui na categoria de mídias sociais, na verdade a ferramenta funciona como um motor de buscas. Ou seja, o Pinterest é “tipo um Google” com foco exclusivamente em imagens.

A plataforma já possui mais de 100 milhões de usuários no mundo todo e funciona como um ótimo canal de divulgação para empresas que possuem produtos e serviços com alto apelo visual.

Se você já trabalha com o Instagram, talvez devesse marcar presença no Pinterest também!

3 – Marketing de Conteúdo

Marketing de Conteúdo é uma estratégia de médio a longo prazo que visa engajar seu público-alvo e aumentar o seu número de clientes através de conteúdo relevante e valioso. Essa estratégia é a especialidade da Rock Content e pode trazer resultados incríveis.

Marketing de Conteúdo: Primeiros passos

Se você ainda não conhece muito sobre essa estratégia, esse é o melhor material para iniciar seus estudos.

Junto com ele, recomendamos o curso gratuito do Vitor Peçanha na Universidade Rock Content.

Guia para Criação de Personas

Personas são um dos pilares de uma boa estratégia de conteúdo portanto, não é a toa que nós desenvolvemos um extenso guia exclusivo sobre o assunto.

Leitura obrigatória para quem também trabalha com mídias sociais, email e SEO!

Como fazer Ebooks

Leads são potenciais consumidores de uma marca que demonstraram algum interesse em iniciar um relacionamento com a mesma. Ou seja, quem trabalha com Marketing Digital está a procura de leads qualificadas para fechar negócios… E é aí que entram os ebooks!

Materiais ricos como esses são uma excelente forma de educar seu mercado, gerar valor e capturar leads.

Se a sua empresa já possui um site ou blog com tráfego significativo, é hora de começar a convertê-los com a ajuda desses materiais.

Guia Prático para Divulgação de Conteúdos

Se o conteúdo é rei, a divulgação é a rainha! De nada adianta investir em um se você não trabalhar com o outro concomitantemente.

Por isso, se você já domina a arte da produção de conteúdos (seja em texto, imagem, vídeo ou áudio), descubra como potencializar o alcance desses materiais através de uma sólida estratégia de promoção.

4 – SEO

Search Engine Optimization é a arte de fazer melhorias que possam ajudar seus conteúdos a ganharem destaque nas páginas de resultado dos buscadores como Google, Bing ou Yahoo.

Se você tem interesse em atrair mais visitantes para o seu site ou blog, é imprescindível que você estude os algoritmos de busca e os conceitos de otimização.

Guia do Google Analytics

O Google Analytics é uma ferramenta imprescindível para qualquer site ou blog. Ela é completamente gratuita e te permite coletar informações como: número de visitantes, duração das sessões, localização dos visitantes e muito (muuuuito) mais.

Baixando esse material você irá aprender como instalá-la no seu site e como analisar os números mais relevantes para o seu negócio.

Guia Completo do SEO

Um material incrivelmente extenso e completo (160 páginas!) explicando conceitos como comportamentos de busca, atualizações do Google, fatores de rankeamento, ferramentas de suporte e muito mais.

Guia do Google Search Console

Se você possui um site, deve ter o Google Analytics E o Google Search Console Instalado.

Ambas são gratuitas e fundamentais para uma estratégia de sucesso.

A diferença é que o Google Search Console é mais técnica. Ela ajuda os webmasters a compreenderem como o Google enxerga o seu site (em questões de programação e configuração).

Por conta disso, esse material é indicado para aqueles que já dominam bem os conceitos de SEO e querem se beneficiar de estratégias mais avançadas.

Os segredos do tráfego orgânico

Feito em parceria com a equipe da SEMRush, uma das maiores ferramentas de SEO do mercado, esse tutorial explica como você pode utilizar as funcionalidades do SEMRush para otimizar seu conteúdo para a captura de tráfego orgânico.

Dossiê da Pesquisa de Palavras-Chave

Esse material ensina como realizar pesquisas de palavras-chave em ferramentas pagas e gratuitas, assim como métricas e fatores que são de extrema importância para a realização dessa tarefa.

Excelente para quem irá trabalhar com anúncios e blog posts.

Guia Definitivo para Guest Blogging

Quem já está familiarizado com os fatores que influenciam o rankeamento no Google já sabe: backlinks são extremamente importantes!

E foi por conta disso que a prática de guest blogging caiu no gosto dos editores e especialistas de SEO.

Com a ajuda desse material você irá aprender como encontrar parceiros para trocar guest posts e como abordá-los.

5 – Email Marketing

O email é um canal polemico. Ele reinava na internet dos anos 90, se tornou o temido spam nos anos 2000 e agora voltou com forças (e uma lista de boas práticas) para complementar a estratégia de Marketing de Conteúdo.

Guia do Email Marketing

“Faça Email Marketing, não faça Spam”. Se você quer aprender a forma correta de se utilizar esse canal e como realmente conquistar resultados, esse ebook é para você!

Aprenda como construir sua lista de assinantes, escrever bons emails, utilizar assuntos chamativos e desenvolver bons fluxos de nutrição.

Guia da Newsletter

Dentre as táticas do Email Marketing, as newsletters são uma ótima oferta para se iniciar uma lista de assinantes e começar a desenvolver um relacionamento com a sua base.

Se você está começando a trabalhar com email, esse material deve ser o seu guia!

Guia da Nutrição de Leads

Se você já possui uma ferramenta de email mais robusta (ou até mesmo uma ferramenta de automação de marketing), já pode começar a utilizar táticas de nutrição.

Através de fluxos (ou réguas de relacionamento), você consegue entregar o conteúdo certo, para a pessoa certa, na hora certa — uma verdadeira “carta na manga” para converter mais clientes!

6 – Mídia paga

Se você já leu o nosso guia do Marketing Digital (o primeiro material que foi citado nesse post!), já sabe que as práticas online se dividem entre inbound e outbound.

Inbound são aquelas que atraem as pessoas, enquanto outbound são as táticas que “vão até as pessoas”, por assim dizer.

Enfim, o importante é saber que uma boa estratégia pode trabalhar com as duas práticas sem problemas.

Tudo o que você precisa saber sobre Mídia de Performance

Para dominar os canais pagos do Marketing Digital e entender como você pode utilizá-los em sua estratégia.

Guia Completo do Google Ads

O Google é o rei dos motores de busca. E é por isso que o Google Ads é a maior ferramenta de links patrocinados da internet.

Baixando esse guia você aprende todos os conceitos por trás dos leilões de anúncios e ainda recebe algumas dicas sobre como otimizar e maximizar o seu desempenho.

Publicidade Nativa x Marketing de Conteúdo

Você já começou a ler um texto ou fez algum teste do Buzzfeed e se surpreendeu ao chegar no fim e encontrar uma mensagem do tipo “Esse conteúdo foi patrocinado pela marca X.”?

Isso é publicidade nativa, uma tática de mídia paga que tenta ser menos invasiva do que um banner ou um anúncio mais explícito.

Se você acha que esse formato combina melhor com a sua empresa, baixe esse material para compreender seu conceito e aprender como colocá-lo em prática.

Receba uma avaliação da sua estratégia

nova API whatsapp business

Whatsapp anuncia novas funcionalidades para sua versão empresarial

Aprenda tudo sobre Redes Sociais

No começo do ano o Whatsapp anunciou o lançamento da sua versão para negócios, o Whatsapp Business.

Agora, oito meses depois, a empresa dá sinais de que a empreitada vai bem e só tende a crescer: eles anunciaram no dia 1º de Agosto a criação de uma API que visa facilitar a inclusão do aplicativo entre os canais de comunicação oficial das empresas.

API, para aqueles que não são da área da tecnologia, vem do acrônimo inglês Application Programming Interface, que nada mais é do que um tipo de “ponte” que facilita a transmissão de dados entre sistemas e, consequentemente, empresas.

Focado em empresas de médio e grande porte, a API do WhatsApp Business irá permitir:

  1. Fácil acesso a informações transacionais como, por exemplo, cartões de embarque, acompanhamento de pedidos online e a confirmação de transações.
  2. O uso do Whatsapp como um canal de atendimento comercial. Assim como no caso do Facebook Messenger, as empresas poderão adicionar um botão que leve os usuários diretamente à uma janela de conversa com informações pré-programadas.

Até então, as empresas precisavam criar um link com a ajuda desse tutorial do blog do WhatsApp para facilitar esse diálogo e não conseguiam transmitir dados transacionais de maneira automática.

Com a API, a divulgação do número do Whatsapp empresarial será mais fácil e poderá ser incluída diretamente em anúncios do Facebook.

Apesar da novidade, a empresa esclarece que o foco é e sempre será na boa experiência do usuário. Por conta disso, é o cliente quem deve iniciar o diálogo e, sempre que ele quiser, poderá bloquear as empresas que considera inconvenientes.

As empresas que tiveram interesse em utilizar a API do Whatsapp Business devem se aplicar através deste formulário do Facebook.

Ainda assim, é importante lembrar que o uso dessa funcionalidade pode ter custos. De acordo com o Whatsapp, as empresas não devem enviar mensagens de cunho promocional e terão apenas 24 horas para responder as mensagens dos clientes sem pagar nada por isso.

Outra novidade é que agora o Facebook irá vincular anúncios de empresas que estão no WhatsApp. Essa novidade permite que empresas comprem anúncios para direcionar o público-alvo da empresa para um bate-papo direto no WhatsApp.

Conte para nós o que achou das novidades da ferramenta nos comentários!

Como conseguir seguidores no Instagram

Entenda a importância da entregabilidade para a sua estratégia de email marketing e o que fazer para melhorá-la

Você se esforça para criar um email interessante: usa um assunto chamativo e faz copy super divertido… E depois percebe que as taxas de engajamento estão lá em baixo.

Desanimador, não é mesmo?

Mas talvez o problema não esteja na sua mensagem, mas sim na entrega dela.

De nada adianta todo esse esforço se as pessoas não receberem o seu email.

Para evitar que isso aconteça com você, hoje nós vamos falar sobre um fator fundamental para qualquer estratégia de email marketing: a entregabilidade.

Nesse post, vamos te ensinar como a entrega (ou não) de um email é avaliada pelos provedores de email e o que você precisa fazer para garantir que suas mensagens chegarão com sucesso à caixa de emails dos seus assinantes.

Vamos lá?

O que é entregabilidade?

Antes de explicar o que é entregabilidade, é preciso esclarecer como funcionam os bastidores do email marketing.

Entre o botão enviar do remetente e o clique de abertura do destinatário final existe uma série de acontecimentos pela internet para que a entrega desta mensagem seja possível.

De modo resumido, podemos dizer que o envio de um email funciona assim:

entregabilidade

  1. O remetente envia sua mensagem;
  2. O servidor do remetente codifica o email e transfere suas informações para a internet;
  3. O servidor do destinatário recebe o pedido de entrega da mensagem e realiza uma série de verificações quanto à autenticidade do remetente e sua reputação;
  4. Se tudo correr bem o email é entregue (seja na caixa principal ou na caixa de spam).

A mensagem que passa por todas essas etapas e chega à caixa de emails do lead é considerada como entregue. Enquanto isso, as mensagens que não passam nas verificações são barradas e jamais serão entregues ao destinatário.

Ou seja, entregabilidade é a métrica que avalia quantas das mensagens disparadas pela ferramenta de automação realmente passaram por todas essas etapas e chegaram ao destino final.

Uma taxa de entrega saudável está sempre acima de 95%, mas o ideal é que ela fique entre 98 – 99%, assim você consegue extrair o máximo da sua lista de assinantes.

Entregabilidade vs. Inbox Placement

Quem não tem muita familiaridade com os termos de email marketing pode acabar confundindo entregabilidade com inbox placement.

Inbox Placement pode ser traduzido como “alocação na caixa de emails”, ou seja, depois de entregue, onde o ESP (Email Service Provider) posicionou a mensagem — seja na caixa principal, na aba de promoções ou na caixa de spam.

Mensagens que são direcionadas para a caixa de entrada principal ganham mais atenção dos leitores e normalmente geram uma notificação nos dispositivos móveis, ajudando a aumentar as taxas de engajamento (abertura e clique).

Embora muito importante, o inbox placement é um pouco mais complicado de mensurar porque leva em conta dois fatores:

  • a sua reputação com aquele subscriber em específico — ou seja, se aquela pessoa abre, clica ou move seus emails para diferentes pastas;
  • e a sua reputação com o provedor de email como um todo — ou seja, se a maioria dos assinantes do Gmail (ou Hotmail, ou qualquer outro ESP) estão abrindo, clicando e movimentando seus emails.

Com isso esclarecido, fica a lição: primeiro você cuida da entregabilidade (ou seja, se os emails chegam ou não a caixa de emails dos leitores) e só então que você se preocupa com o inbox placement.

Como acompanhar sua entregabilidade

Agora que você já entendeu a parte conceitual, vamos ver como tudo isso funciona na prática!

A melhor forma de verificar a sua entregabilidade é avaliando esses 3 pontos:

1. Levante dados históricos sobre a sua entregabilidade

Entregabilidade email marketing rock contentEm fevereiro de 2017, quando eu entrei para o time da Rock, estava bem empolgada para colocar a mão na massa e tocar a nossa estratégia de email marketing.

Os 3 primeiros meses foram de puro aprendizado e memorização dos processos: como criar bons copys, os detalhes técnicos do agendamento da campanha e assim por diante.

Quando achei que já dominava bem essas questões e estava pronta para os próximos passos, veio um susto. Ao fazer o fechamento do mês de maio, notei que a nossa entregabilidade estava em 95% — um valor tão baixo que nós só o atingimos durante 3 meses de 2016 quando fomos marcados em uma blacklist.

A partir daí, informei minha supervisora Clara Borges, professora do curso de Email Marketing da Universidade Rock Content, e partimos para a investigação.

Uma taxa de entrega de 95,4% ainda está dentro do aceitável mas, devido ao nosso histórico de entregabilidade, esse valor era claramente um sinal de alerta.

No final, descobrimos que o problema estava na reputação dos nossos IPs compartilhados e acabamos trocando para um IP dedicado.

Apesar disso, aprendemos a acompanhar esses dados de modo mais analítico e estratégico — e eu sugiro que você faça o mesmo!

Ao fim de cada mês, exporte os dados de todos os disparos realizados e calcule a taxa de entregabilidade média (assim como de abertura, cliques, descadastros e marcações de spam). São essas informações vão te ajudar a identificar problemas de modo preciso e talvez até paliativo.

2. Verifique a reputação do seu IP

Na imagem lá de cima nós mostramos que o seu email é disparado por um servidor, certo? Bom, todo servidor possui um número único de identificação conhecido como IP.

Dependendo das configurações da sua ferramenta de automação, seu IP pode ser compartilhado ou dedicado.

IPs compartilhados são aqueles que disparam emails de diversas empresas, enquanto os dedicados são exclusivos de quem os comprou.

Para facilitar a identificação de remetentes de spam e melhorar a experiência dos usuários, todo IP possui uma pontuação chamada de reputação. Esse número varia de 0 a 100 e quanto maior, mais confiável é o remetente da mensagem.

Você pode verificar o seu sender score utilizando a ferramenta da ReturnPath
Valores acima de 80 possuem uma boa reputação.
Valores entre 70 e 80 precisam de atenção.
Valores abaixo de 70 precisam de melhorias urgentes.

No nosso caso, o relatório completo da nossa ferramenta de automação mostrou que a nossa taxa de entrega estava sendo prejudicada por conta da reputação dos IPs que nós compartilhávamos com outras empresas.

IP reputation

A reputação de um IP é influenciada por 6 fatores. São eles:

Engajamento

Quanto mais as pessoas abrirem, clicarem, responderem e/ou encaminharem suas mensagens, maior o nível de engajamento delas.

Isso dá sinais de que o seu email era relevante para aquele remetente, aumentando sua reputação.

Volume constante

Os provedores de internet também avaliam o volume e a frequência com que você dispara emails.

Por conta disso, quem manda um volume muito alto de emails e depois fica dias ou semanas sem realizar novos disparos pode ser interpretado como um remetente de spam.

Para evitar essas questões, utilize um calendário e planeje seus envios de modo estratégico. Isso te ajudará a manter uma comunicação constante e homogênea, aumentando a reputação do seu IP e otimizando a experiência dos seus leitores.

Baixe o nosso template gratuito de calendário de email marketing.

Marcações de spam

Sabe aquele botão que de exclamação que fica logo acima dos emails? Ele existe para que os usuários possam sinalizar para seus provedores de email que uma determinada mensagem é considerada spam.~

Marcação como spam

Essas marcações são extremamente danosas para a reputação do seu IP.

Se alguém te marca como spam, é melhor que você nunca mais envie mais emails para essa pessoa (ou ela também pode reportar as outras mensagens e continuar ferindo a seu IP).

SpamTraps

SpamTraps são, literalmente, armadilhas para capturar remetentes de spam.

Se você disparar mensagens para esses emails, os provedores de internet interpretarão que você está comprando listas ou que você não realiza limpezas na sua base de assinantes e, consequentemente, reduzirão a reputação do seu IP.

Bounce Rates

A taxa de soft e hard bounce da sua lista também influencia (e muito!) na sua reputação.

Soft bounces são erros temporários que impedem a entrega da mensagem como, por exemplo, caixa de email cheia. Enquanto isso, hard bounces são erros permanentes causados por endereços email inexistentes.

Altas taxas de bounce indicam práticas suspeitas e ferem a reputação do seu IP.

Blacklists

Blacklists são bancos de dados em tempo real que indicam se um endereço de IP (ou domínio) é suspeito de enviar spams.

Se você entrar numa blacklist, suas mensagens não serão entregues para os ESPs que levam ela em consideração.

Algumas das blacklists mais famosas do mercado são:

Se o seu serviço de automação não envia alertas automáticos quando você é listado nesses sites, você pode acessá-los manualmente para verificar se o seu IP foi listado e o que você precisa fazer para removê-lo da lista.

3. Fique atento ao nível de email throttling

Alguns provedores de internet (Internet Service Provider – ISP) limitam a quantidade de emails que aceitam de um determinado remetente durante um período de tempo. Se você tentar disparar mensagens acima desse limite, o ISP rejeitará seus emails, resultando em um grande número de retornos.

Essa recusa em entregar a mensagem é temporária e geralmente se resolve em até 72 horas.

Porém, se isso acontecer com muita frequência, fique alerta: após 72 horas os emails são considerados como soft bounce e, ao longo prazo, esses números influenciam na reputação do seu IP.

Como garantir a entregabilidade dos seus emails

A “arte” de ter os seus emails entregues é composta por questões técnicas e de rotina. Para te ajudar com esse desafio, vamos dar uma breve explicação sobre cada um deles.

Aspectos técnicos

Os aspectos técnicos geralmente são os mais “obscuros” para os novatos do email marketing. Muitas vezes eles são automaticamente configurados pela equipe de suporte da sua ferramenta de automação e/ou com o time de TI da sua empresa.

Por conta disso, às vezes os analistas de email não conhecem o impacto que eles possuem na estratégia. Para garantir que a sua estratégia está rodando com tudo em ordem, verifique todos eles!  

1. Configure o SPF

A sigla SPF vem de “Sender Policy Framework”, um sistema que ajuda a internet a ter certeza de que você está autorizado a enviar emails utilizando aquele domínio. Ou seja, ele ajuda a prevenir que outras pessoas mandem emails se passando por sua empresa.

Para mais informações sobre essa configuração, acesse o site oficial. Se você utiliza os serviços do Google Apps pode ler esse tutorial deles (em inglês).

2. Configure o DKIM

O DKIM ou “DomainKeys Identified Mail” funciona como uma assinatura digital. Por conta dele, você consegue dizer que aquele email em específico foi realmente disparado pelo seu domínio e não teve o seu conteúdo alterado.

Para mais detalhes, acesse o site oficial. E se você utiliza o Google Apps, veja o tutorial deles (em inglês).

3. Configure o DMARC

Enquanto o SPF e o DKIM são obrigatórios para as empresas que desejam trabalhar com email marketing, o DMARC  ou “Domain-based Message Authentication, Reporting and Conformance” é um sistema mais novo e, por isso, ainda opcional.

Apesar disso, ele é altamente recomendado porque ajuda a identificar falhas e inconsistências no disparo, bem como o que os servidores devem fazer nessas situações.

Acesse o site oficial para ver mais detalhes e/ou visite o tutorial do Google Apps sobre o assunto (tudo em inglês).

4. Verifique se você possui menos que 10 DNS lookups no seu SPF Record

DNS é o acrônimo de “Domain Name System”, um sistema hierárquico que nomeia computadores, serviços e outros recursos relacionados à conexão com a internet ou redes privadas.

É ele quem mapeia o nome de um domínio para um determinado endereço de IP.

Ás vezes, mesmo com o SPF corretamente configurado, ainda podem ocorrer falhas na verificação.

Isso acontece porque durante a comunicação com os outros sistemas o SPF pode solicitar a procura de informações específicas e, se ele perguntar demais, os ISPs vão achar isso suspeito.

Para evitar que isso aconteça, utilize essa ferramenta para verificar se o seu SPF realiza menos que 10 pesquisas de DNS (DNS lookups).

E para mais informações sobre o assunto, veja esse artigo.

5. Se possível, configure o DNS Reverso

Enquanto o DNS padrão traduz o nome de um domínio para um endereço IP, o DNS reverso mapeia um endereço IP para um nome de domínio.

Isso é necessário porque essas pesquisas são duas coisas diferentes. Embora a pesquisa direta por “exemplo.com” retorne o IP 1.2.3.4, isso não significa que a pesquisa inversa irá resultar em “exemplo.com”.

Por conta disso, configurar um DNS reverso facilita o rastreamento da origem do email, adicionando credibilidade ao servidor que o disparou.

Para aprender como fazer isso, leia este tutorial (em inglês).

6. Verifique se tudo está funcionando corretamente

O DNS possui um recurso chamado “Mail Exchanger Record” ou MX Record. Ele é um registro certificado sobre as informações que são necessárias para a transferência do email de um servidor para o outro.

Se você já fez todas as configurações que eu citei acima, pode fazer um teste no MX Toolbox e no Google’s Check MX para verificar se o seu MX Record possui todas as informações configuradas corretamente.

7. Configure um sistema de Feedback Loop

Para evitar que você continue disparando emails para quem já te marcou como spam, alguma ferramentas de automação desenvolveram um sistema para identificar essas marcações e bloquear esses contatos da sua base.

Se a sua ferramenta não faz isso automaticamente, você precisa configurar esse sistema manualmente.

Para mais informações, leia este post, este e este daqui.

8. Adicione seu domínio em whitelists

Assim como existem listas para identificar remetentes de spam (blacklists), existem listas que visam certificar que determinados IPs são remetentes confiáveis.

Uma das mais famosas é a certificação da Return Path, que é bem cara e exigente no seu processo de avaliação. Por conta disso, ela só é recomendada para empresas que possuem um IP dedicado e realizam mais do que 1 milhão de disparos por mês.

Se esse não for o seu caso, você pode se contentar com a DNSWL.org, que é gratuita.

Apesar disso, nada melhor do que convencer seus leitores a adicionarem o seu endereço de email à lista de contatos pessoal deles. Se você quiser, pode aproveitar o email de boas-vindas para fazer esse pedido. 😉

ebook email marketing

Aspectos de rotina

Digamos que você já fez todas as configurações citadas no tópico anterior. Isso quer dizer que você está liberado para mandar email para todo mundo com entregabilidade garantida?

Não.

Existem algumas práticas que também influenciam na avaliação do que é (ou pode ser) um spam e por isso você também precisa se atentar à elas.

1. Utilize double opt-in

A maioria das empresas utiliza um sistema de single opt-in, ou seja, as pessoas só precisam preencher o email em um formulário para passarem a receber as mensagens daquela companhia.

Embora esse processo seja bem simples e facilite na aquisição de novos assinantes, o mais adequado é utilizar um sistema de double opt-in onde o subscriber precisa reafirmar seu interesse (e permissão) clicando num link de confirmação que será disparado logo no primeiro email.

Se o contato não clicar naquele link, seu endereço de email jamais fará parte da lista de emails ativos.

Adotar essa prática garante que a sua empresa irá conquistar assinantes mais engajados, aumentando, consequentemente, as taxas de abertura e clique dos emails futuros.

2. Higienize sua lista com frequência

Sabia que alguns provedores de email re-utilizam endereços de email abandonados para fisgar remetentes de spam?

Pois é! Essa prática é conhecida como “spam trap” e se a sua empresa for pega disparando emails para esses endereços, a reputação do seu IP será danificada.

Para evitar esse problema, realize limpezas na sua base frequentemente.

Aqui na Rock, por exemplo, temos um fluxo de reativação de leads rodando de forma ininterrupta e, a cada três meses, deletamos todos aqueles contatos que não foram reativados.

SAIBA MAIS:
Como limpar a sua base de emails na RD Station
[TEMPLATE GRÁTIS] Campanha de reativação de Leads

3. Inclua um link de descadastro em todos os disparos

Como nós falamos lá em cima, receber uma marcação como spam é extremamente danoso para o seu IP.

Para reduzir as chances de que isso aconteça, não se esqueça de incluir um link para descadastro em TODOS os emails que você envia.

Isso mostra respeito para com o destinatário e ainda te ajudar a manter sua base ativa e engajada.

4. Utilize um centro de preferências

Às vezes as pessoas até têm interesse no conteúdo que você compartilha, mas não querem receber mensagens com tanta frequência.

Nesses casos, para não perder um contato através do descadastro e nem irritá-lo a ponto de ter sua mensagem marcada como spam, dê a possibilidade de escolha de frequência.

Muitas ferramentas de automação permitem essa opção, facilitando o gerenciamento das preferências do leitor.

Aqui na Rock, por exemplo, os subscribers podem escolher quais emails receber (sendo que cada categoria só realiza 1 único disparo por semana):

Centro de preferências Rock Content

5. Não exagere no uso de imagens e sempre configure o alt text

Antigamente, para avaliar se um email tinha alta probabilidade de ser spam, os filtros realizavam uma varredura no conteúdo à procura das palavras-chaves suspeitas como “fique rico”, “ganhe dinheiro” e outras.

Por conta disso, os remetentes de spam passaram a contornar os filtros utilizando uma única imagem no corpo do email, porque esses sistemas não conseguem ler o conteúdo das figuras.

Hoje em dia os filtros são mais inteligentes e também se baseiam em outros fatores, mas o excesso de figuras ainda é considerado um sinal de alerta. Para evitar esse problema, tente utilizar mais texto do que imagens e sempre configure o campo Alt Text (texto alternativo).

6. Garanta que o seu HTML possui um código limpo e não ultrapasse 102k

Assim como um código bem formatado é essencial para o SEO no seu blog, manter o HTML do seu email limpo é um diferencial (e tanto!) para a entregabilidade das suas mensagens.

Se você tem o costume de escrever o conteúdo das suas mensagens no Word ou no Google Docs, verifique a existência de códigos como <span style=”font-weight: 400;”> e <span style=”background-color: transparent; color: inherit; font-size: inherit;”>. Eles adicionam informações desnecessárias ao código, atrapalhando as configurações do template escolhido.

Além disso, manter o código limpo ajuda a reduzir o peso do HTML. O Gmail, por exemplo, não exibe o conteúdo que excede os 102k. Ao atingir esse limite, a mensagem “[Message clipped]” ou “VER E-MAIL COMPLETO” é exibida, atrapalhando a experiência geral do usuário.

Emails com um HTML estranhamente pesado possuem maior probabilidade de serem sinalizados como spam. Isso pode fazer com que sua mensagem não seja entregue e, caso seja, talvez tenha o inbox placement prejudicado.

Resumindo

Como você pode notar, os provedores de email querem garantir uma boa experiência para seus usuários e, por conta disso, criaram processos e sistemas que ajudam a regulamentar o uso desse canal.

Embora essas questões pareçam complexas e desestimulantes, quem atende a todas elas pode obter um ótimo retorno do email marketing.

Não desanime! Invista o seu tempo nisso e sua estratégia de automação de marketing será altamente beneficiada.

E se você quiser mais dicas sobre automação, não deixe de ler o nosso guia completo sobre o assunto:

guia nutrição de leads

como integrar Hello Bar à RD

Como transferir contatos da Hello Bar para a RD Station

Você já tem um blog rodando e cheio de visitantes, por isso decidiu instalar a Hello Bar para conquistar mais leads e otimizar sua conversão.

Mas tem um problema: você não consegue mandar os emails capturados para a RD Station, que é a plataforma onde você gerencia todos os seus contatos.

Isso reduz a eficiência da Hello Bar e de toda a sua estratégia, porque você precisa cuidar desse processo manualmente e, na correria do dia a dia, nem sempre importa os novos contatos para sua base.

Isso é um pouco desanimador, não é mesmo? Mas… E se eu disser que existe um jeito para conectar Hello Bar e RD Station sem custos, deixando o processo totalmente automatizado?

Gostou da ideia? Então veja o nosso tutorial para aprender essa mágica e aplicá-la na sua empresa!

Atenção: esse tutorial só funciona se o seu plano da RD Station for Pro ou Enterprise, ok?

Se você preferir, pode conferir um passo a passo aqui:

O que é o Zapier?

O Zapier é um site que te possibilita conectar uma (ou mais) ferramentas entre si, sem a necessidade de programação.

Por conta da sua eficiência e praticidade, ele foi carinhosamente apelidado de “motoboy do Marketing” e, desde então, vem nos ajudando a levar informações de uma plataforma para outra.

Para o processo em questão nesse post, vamos precisar de apenas 2 integrações que podem ser realizadas através de uma conta gratuita. Apesar disso, o Zapier também permite criar processos maiores ou mais complexos através de um plano pago.

Se você quiser mais informações sobre essa super ferramenta, não deixe de ler o nosso guia completo do Zapier!

Agora que você já conhece o nosso mensageiro, vamos ao que interessa:Confira nosso tutorial de

Como transferir seus contatos da Hello Bar para a RD Station

O primeiro passo é, claro, criar a sua conta no Zapier.

Como nós dissemos acima, se você não for utilizar a ferramenta para outros propósitos, pode utilizar o plano “Forever Free” tranquilamente.

Em seguida, basta seguir essas instruções:

1. Acesse o Zapier

Faça login e acesse a tela inicial, onde você encontrará a opção “Make a Zap!” no canto superior direito.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

2. Dê um nome para o seu Zap

Agora que você está na tela de configuração do seu Zap, não se esqueça de nomeá-lo. Isso é importante para manter sua conta organizada.

Escolha o nome que quiser, desde que você consiga identificá-lo facilmente.

Nesse caso, como exemplo, vamos utilizar “Hellobar Saia do Lugar > RD Station”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

3. Selecione o aplicativo do gatilho

Em seguida, é preciso configurar o “trigger”, ou seja, o gatilho que irá ativar o processo.

No nosso caso, o gatilho é ativado sempre que alguém preencher suas informações na Hello Bar. Apesar disso, o Zapier ainda não possui uma integração direta com essa ferramenta e para realizar esse processo é preciso utilizar uma alternativa: o Webhook by Zapier.

Para selecioná-lo, basta pesquisar por seu nome na tela de configuração.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

4. Selecione e configure o gatilho

Agora que já selecionamos o aplicativo Webhook, precisamos configurar o gatilho em si. Nesse caso, iremos utilizar a opção “Catch Hook”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Em seguida é possível fazer configurações mais avançadas, mas elas não são necessárias para o nosso processo.

Por isso, deixe a tela em branco e pressione “continue”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Pronto! O gatilho do nosso Zap foi configurado. Você deve ver uma tela parecida com essa:

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Copie o link, mas NÃO feche essa aba! Antes de terminar essa etapa do processo é preciso ir no site da Hello Bar e alterar algumas configurações.

5. Acesse a Hello Bar e selecione seus contatos

Faça login no site da Hello Bar e selecione a opção “Contacts” no menu da esquerda.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Nessa tela você verá todas as listas de contatos que seus pop-ups já geraram. Você irá perceber que o “Email Service” está configurado como Hello Bar porque os seus contatos continuam armazenados dentro da plataforma — e é isso que nós vamos mudar.

Clique no nome da lista para abrir novas opções:

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Na nova tela você terá a opção de editar:

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

6. Altere o aplicativo de integração da Hello Bar

Agora é o momento de dizer à Hello Bar que os emails que ela captura devem ser entregues ao motoboy, digo, ao Zapier.

Para isso, clique em “Nevermind, I want to view all tools”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Depois, basta selecionar a opção webhooks.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

7. Configure o webhook com o link do Zapier

Aqui nós vamos preencher o campo “Webhook URL” com aquele link que foi gerado pelo Zapier no começo do nosso tutorial.

Depois de colocá-lo aqui, não se esqueça de selecionar a check box “POST request” — isso é essencial para o sucesso da configuração.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

8. Volte para o Zapier e teste o webhook

Pronto! Agora que já alteramos as configurações da Hello Bar, é hora de verificar se o nosso webhook está funcionando corretamente.

Volte para o site do Zapier e clique no botão “OK, I did this”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Agora o Zapier irá testar o processo e, se tudo estiver certo, você verá uma tela como essa.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Se o seu teste não funcionar…

Se você não ver a faixa verde, pode ser que a Hello Bar em questão não tenha nenhum contato para ser utilizado como teste.

Se isso acontecer com você, visite o seu site e se inscreva com o seu próprio email ou um endereço fictício.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Em seguida, volte na opção “Catch a Hook” e refaça todos os passos até o momento do teste.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Quando finalmente chegar à tela de teste, clique no botão “Re-test Webhooks by Zapier to get another hook”. Isso deve solucionar o problema.

Se isso não acontecer, basta deixar um comentário com a mensagem de erro e nós vamos te ajudar.

Mas se tudo deu certo, é hora de configurar a segunda etapa do nosso Zap: a ação que nós desejamos que ele faça.

9. Configure a ação na RD Station

Nesse caso, queremos passar os emails dos nossos assinantes para a RD Station, certo?

Por isso, basta selecionar a ferramenta na lista de apps:

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Aqui, é interessante dizer que a RD Station nos permite fazer 3 ações com a ajuda do Zapier:

  • Create Lead, ou seja, criar um novo contato na RD;
  • Lost Deal, para sinalizar uma oportunidade de negócio que não teve sucesso;
  • e Won Deal, para sinalizar uma oportunidade que realmente virou cliente.

No nosso caso, vamos selecionar a primeira opção, “Create Lead”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

10. Conecte o Zapier com sua conta na RD Station

Em seguida, é preciso conectar o Zapier com sua conta na RD Station.

Para fazer isso, você precisa do seu token e private token da plataforma. Se você não sabe quais são eles, basta clicar nos links que aparecem na janela.

Ah! É importante dizer que os links só funcionam se você já estiver logado em sua conta.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Com sua conta conectada, basta selecioná-la e seguir para o próximo passo.

11. Selecione as informações que serão transmitidas

Agora iremos configurar a entrega dos emails na RD Station. Para isso, basta selecionar a opção “email” dentro das informações colhidas pelo hook.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Em seguida, escolha o nome que irá identificar essa conversão na RD Station.

Crie o nome que você quiser, desde que ele seja de fácil compreensão. No nosso exemplo, usamos “subscriber-hellobar”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

É esse identificador que você usará para criar listas de segmentação na RD.

O nome que você escolher ficará assim no histórico da lead:

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

12. Teste o envio de dados

Campos configurados, é hora de testar a conexão entre o Zapier e a RD Station.

Nessa tela você verá um resumo das informações que serão transmitidas que, nesse caso, são apenas os endereços de email e o identificador da conversão.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Se tudo funcionar, você verá uma mensagem de confirmação e pode clicar em “Finish”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

13. Ligue o seu zap!

Pronto! A Hello Bar já sabe que precisa mandar seus contatos para o Zapier que, por sua vez, sabe que precisa entregá-los na RD Station.

Agora só falta você ligar o zap mudando o botão de “off” para “on”.

como passar contatos da Hellobar para a RD Station

Pronto! Agora você não precisa mais se preocupar em importar sua lista de contatos manualmente. O Zapier vai fazer todo o trabalho pesado por você. 😉

Se alguma coisa não acontecer como o esperado ou se você ainda tiver dúvidas, basta deixar um comentário.

E se tudo deu certo, baixe o nosso guia da Newsletter para aprender tudo o que você precisa para iniciar um relacionamento de sucesso com os contatos capturados pela Hello Bar!

guia newsletter

Automação de Marketing

Automação de marketing: tudo que você precisa saber

Quem já ouviu falar sobre Marketing Digital, logo em seguida escutou sobre automação de Marketing. E não é à toa!

O público disponível na internet é imenso e as estratégias de marketing digital que podem te ajudar a atraí-los são inúmeras. Porém, realizar todas elas com primazia é um belo desafio tanto para os pequenos empreendedores quanto para as grandes corporações.

E é aí que entra a automação de marketing!

Ela ajuda as empresas a atingirem potenciais clientes em grande escala, mas de forma personalizada.

Se você ainda tem dúvidas sobre como ela funciona e por que você deve adotá-la, não se preocupe! Neste post nós explicaremos os principais pontos que você precisa saber, como:

  • O que é automação de Marketing?
  • Quais os benefícios da automação?
  • Quais são as dúvidas mais comuns sobre o assunto?
  • O que faz uma boa ferramenta de automação?
  • Quais as principais dicas para ter uma automação de sucesso?
  • Como escolher a ferramenta de automação ideal para a sua empresa?

Preparado? Então, vamos lá!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

O que é automação de Marketing?

Automação de Marketing é a prática de utilizar softwares e outras tecnologias para agir em escala e aumentar os resultados de uma empresa. Por meio dela é possível identificar, acompanhar e agir de forma personalizada com o seu público, melhorando o relacionamento em geral e, consequentemente, as vendas.

Por exemplo, pense na rotina de uma equipe de marketing digital: toda semana eles precisam publicar conteúdos no blog para atrair novos visitantes. Depois, é preciso divulgar esses posts nas redes sociais e gerenciar todo o engajamento que eles geram. Além disso, eles precisam gerar contatos, ou seja, leads para a equipe de vendas, e por isso eles capturam emails ofertando uma newsletter.

Mas a equipe de vendas precisa de mais informações antes de entrar em contato, e é por isso que o marketing produz ebooks, webinars e planilhas que são disponibilizados após o preenchimento de um formulário que pede informações como site, telefone, área de atuação etc.

Avaliando as respostas dos formulários, é possível identificar que algumas pessoas seriam clientes ideais para a empresa deles, mas outras nem tanto. Para esse segundo grupo, é preciso nutrir o relacionamento com a ajuda de conteúdos educativos.

Se tudo isso já não bastasse, a equipe de marketing também precisa mensurar os resultados de suas ações e campanhas, além de avaliar, junto com a equipe de vendas, se eles estão atraindo os clientes corretos para a empresa.

Resumindo, o volume de atividades e processos necessários para fazer essa “máquina” funcionar é gigante. E quanto mais a empresa crescer, maior o número de contatos a serem gerados e trabalhados.

É por isso que as equipes de marketing precisam de ferramentas que reduzam o trabalho manual. Elas ajudam a aumentar a eficiência do time e diminuir o tempo gasto com cada tarefa. E, nesse caso, tempo é dinheiro!

Com a ajuda de uma ferramenta de automação de marketing é possível agendar as postagens nas mídias sociais, disparar emails específicos de acordo com dados ou ações dos contatos, avaliar as pessoas que estão realmente prontas para conversar com a equipe de vendas, mensurar os resultados das campanhas e muito mais!

E não é só isso! Para conhecer as outras vantagens das ferramentas de automação, leia o tópico abaixo.

Quais os benefícios da automação?

As empresas grandes, que lidam com milhares de contatos e clientes, veem na automação um benefício claro: ele facilita o dia a dia dos funcionários e ainda melhora o gerenciamento de tudo.

Mas quem ainda está começando pode se sentir reticente quanto a realizar um investimento nesse caminho. Afinal, se a empresa ainda é pequena, é possível administrar esses detalhes manualmente, não é mesmo?

Independente de qual for o seu caso, saiba que a automação tem muito mais a oferecer, como:

Maior geração de leads

Se a sua empresa já tem a jornada dos clientes bem mapeada, é muito mais fácil criar guias e processos que te ajudem a atrair e capturar mais leads.

E de acordo com a pesquisa TechTrends 2017, se você fizer isso com a ajuda de uma ferramenta de automação, pode conquistar 2 vezes mais contatos.

Melhor geração de oportunidades de venda

Uma pessoa pode não ter interesse no seu produto hoje, mas talvez isso mude daqui 2 ou 3 meses. Nesses casos, você precisa se manter ocasionalmente presente na vida deles, nutrindo o relacionamento com conteúdo útil e educativo, preparando-os para o momento da compra.

Com a automação de marketing é possível fazer esse acompanhamento de forma personalizada, o que aumenta a geração de oportunidades de negócio para a sua equipe de vendas.

Sem essa prática, talvez as pessoas demorariam ainda mais para se sentirem prontas ou nem chegariam ao estágio de decisão de compra.

Reduz o ciclo de vendas

Como a ferramenta de automação te ajuda a acompanhar, gerir e nutrir seus contatos, você consegue deixar o processo de vendas mais consultivo.

Isso quer dizer que os futuros clientes gastam menos tempo argumentando, o que torna o processo de compra mais rápido e eficaz.

Reduz o CAC

CAC é o acrônimo do termo em inglês “cost to acquire customers” ou custo de aquisição do cliente. Ela é a métrica que indica quanto dinheiro você precisou gastar para conseguir um novo cliente para a sua empresa.

Agora, imagine que a sua equipe de marketing realizou uma promoção especial para a Black Friday e teve um retorno incrível: vocês atraíram 20 novos clientes por R$ 50 reais cada. Apesar disso, vocês tiveram que cuidar de cada processo manualmente, analisando perfil a perfil, verificando as informações de cada cliente antes de transferí-las para a equipe de vendas, o que gastou dias e dias de trabalho da sua equipe.

Nesse ritmo, sua equipe não consegue aumentar o impacto ou realizar múltiplas campanhas a menos que contrate mais mão de obra.

Mas, com uma ferramenta de automação, as tarefas maçantes e processuais são otimizadas, e as informações melhor processadas. Desta forma, sua equipe tem tempo de sobra para ampliar os esforços da campanha, atingir mais pessoas e, consequentemente, atrair mais clientes com o mesmo investimento. Resumindo, você reduz o seu CAC!

O que faz uma boa ferramenta de automação de Marketing?

Agora que você já entendeu o que é automação e quais os benefícios que essa plataforma te entrega, é hora de conhecer as principais funcionalidades de uma boa ferramenta e como elas podem colaborar com as suas estratégias de marketing.

Mídias Sociais

Quem trabalha com marketing digital já sabe: “o conteúdo é rei e a divulgação, rainha”.

Para ter sucesso não basta produzir conteúdo, é preciso investir tempo e dinheiro na divulgação e, nesses casos, as mídias sociais são nossas grandes aliadas!

O problema é que publicar na frequência adequada para cada rede, além de acompanhar e gerenciar todos os engajamentos é uma tarefa e tanto. É por isso que as boas ferramentas de automação podem te ajudar a:

  • agendar suas postagens nas redes;
  • monitorar curtidas, comentários, compartilhamentos e etc.;
  • monitorar os cliques que você atraiu pelas mídias sociais;
  • identificar, integrar e acompanhar as interações dos usuários em múltiplas plataformas.

E se você tem interesse em aprender mais estratégias de Marketing para Redes Sociais, não deixe de baixar o nosso kit sobre o assunto:

ebook marketing nas redes sociais

Email Marketing

Outro excelente canal para a divulgação de conteúdos é o email e, por conta disso, essa funcionalidade também é fundamental para as ferramentas de automação.

Com ela devidamente configurada é possível realizar disparos em massa para divulgar sua newsletter, materiais ricos, promoções e etc.

Para maximizar os resultados, também é possível personalizar as mensagens com informações como: nome do contato, nome da empresa e outros dados relevantes, deixando o email com uma aparência mais pessoal e amigável.

Baixe o nosso Guia do Email Marketing e descubra todo o potencial que essa estratégia pode te oferecer através da automação:

ebook email marketing

Geração de leads

Parte fundamental de uma boa estratégia de Inbound Marketing, a geração de leads deve ocupar um lugar de destaque nas funcionalidades de uma boa ferramenta, contendo, por exemplo, as opções:

Criar calls-to-action

Os CTAs ou, em inglês, calls-to-action, são chamadas para a ação que te ajudam a atrair a atenção do leitor e indicar os próximos passos.

Eles podem ser em formato de botão, imagem ou texto e são utilizados para incentivar ações como:

  • convidar o usuário a visitar uma landing page e baixar um material rico;
  • assinar uma newsletter;
  • entrar em contato com sua equipe de vendas;
  • levar o leitor para uma página do seu site ou blog;
  • realizar uma chamada;
  • e muitas outras!

Criar formulários e personalizar campos

Para gerar leads é preciso capturar informações e, nesse caso, os formulários com campos personalizados são os seus melhores amigos.

Com a ajuda de uma ferramenta de automação você consegue definir quais são os dados essenciais para diferentes momentos da jornada do seu consumidor e, pouco a pouco, enriquecer o seu banco de dados.

Criar landing pages e thank-you pages

As landing pages ajudam a converter visitantes em leads por meio de ofertas como:

  • ebooks;
  • webinars;
  • planilhas;
  • checklists;
  • cursos;
  • períodos de teste;
  • descontos e etc.

Já as thank you pages são aquelas que os visitantes verão se preencherem o formulário da landing page com sucesso.

Além de criar essas páginas, uma boa ferramenta permite que você faça isso através de um editor “arraste-e-solte”, o que simplifica o processo e não deixa a sua equipe de marketing dependente de um designer ou programador.

Para maximizar os resultados dessas páginas, também é importante que a ferramenta facilite a realização de testes A/B.

Configurar fluxos de nutrição

Parte complementar do Email Marketing, os fluxos de nutrição permitem disparar uma sequência de mensagens que têm como objetivo construir ou melhorar o seu relacionamento com os contatos.

Essa prática é fundamental para educar os leads e reduzir o ciclo de vendas, por isso uma boa ferramenta ajudará a:

  • programar o envio de emails em datas e horários específicos;
  • disparar emails sempre que um contato visitar uma página relevante como, por exemplo, a página de preços ou cases de sucesso;
  • enviar conteúdos semelhantes ou complementares após o download de um material rico;
  • mandar lembretes para renovação de contrato, atualização de dados e muito mais.

Para dominar as táticas de geração de lead, não deixe de ler o material abaixo:

ebook geração de lead

Gerenciamento de leads

Cuidar de uma base de 10 contatos é fácil, mas gerenciar uma base de 100, 1.000 ou 10.000 é outra coisa! E é por isso que as ferramentas de automação são como super heroínas para a sua equipe de Marketing. Com o auxílio delas você pode:

Segmentar sua base

Mesmo que você trabalhe com uma única persona, ainda assim, é possível segmentar a sua base de inúmeras formas para criar mensagens mais personalizadas e entregar conteúdos realmente relevantes.

Boas ferramentas irão permitir que você crie múltiplas listas de segmentação com base nas informações dos seus contatos ou no comportamento que eles possuem.

Lead Scoring

Para facilitar o acompanhamento da jornada do cliente, as ferramentas de automação de marketing permitem atribuir pontos para as características e ações realizadas pelos seus contatos. Por exemplo:

  • abrir um email = 5 pontos
  • baixar um ebook = 15 pontos
  • visitar a página de preços = 150 pontos
  • empresa localizada fora do Brasil = – 1.000
  • empresa com mais de 50 funcionários = 75 pontos
  • cargo igual a gerente ou diretor = 50

Os leads que apresentarem as pontuações mais altas têm maiores chances de fechar um negócio.

Desta forma, o lead scoring ajuda sua equipe de vendas a identificar rapidamente quais são os contatos que devem ser tratados com prioridade.

Integração com o CRM

Outra característica fundamental para uma automação de sucesso é a integração com um sistema de gestão de relacionamento com o cliente (CRM). Assim, é possível fazer a passagem dos leads qualificados para vendas e ainda manter todo o histórico das interações realizadas com esses contatos.

Ter esse tipo de conexão ajuda a implementar a estratégia de Vendarketing e garantir a sinergia entre as equipes de Marketing e Vendas.

Análise e acompanhamento de métricas

Etapa fundamental de qualquer estratégia, a mensuração e avaliação dos resultados é essencial para compreender o que está funcionando (ou não) na sua estratégia e realizar melhorias.

Com a ajuda de uma boa ferramenta você será capaz de produzir relatórios com informações mais confiáveis e bem detalhadas. Além disso, muitas ferramentas produzem gráficos e comparações automaticamente, facilitando a análise geral.

Quais as principais dúvidas sobre automação de Marketing?

Para quem não está muito familiarizado com as práticas e ferramentas do Marketing Digital, é comum surgirem algumas dúvidas sobre esse assunto, por isso vamos abordar as 2 mais comuns deste caso:

Ferramenta de automação e de Email Marketing são a mesma coisa?

Não, elas não são a mesma coisa!

Embora as ferramentas de email marketing também sejam um um tipo de automação (já que permitem o envio de mensagens em grande escala), elas não oferecem a mesma gama de funcionalidades que uma ferramenta de automação completa.

Ferramenta de automação e CRM são a mesma coisa?

Novamente, a resposta é não!

As duas são ferramentas diferentes, mas complementares. Não é à toa que as boas ferramentas de automação de marketing já oferecem a possibilidade de se integrar com uma ferramenta de CRM.

Enquanto a primeira é extremamente valiosa para a equipe de marketing, a segunda facilita o dia a dia dos vendedores.

Por conta disso, recomendamos o uso das duas: a de automação de marketing para atrair, converter e nutrir leads; e o CRM para acompanhar, organizar e registrar os processos de vendas.

Como garantir o sucesso da sua automação?

Apesar de todos os benefícios que nós já citamos no começo do texto, existem empresas que investem em uma ferramenta de automação e dizem não alcançar o retorno que esperavam desse investimento.

Nesses casos, é comum que os usuários da plataforma não tenham recebido o treinamento necessário para utilizar as funcionalidades da melhor maneira.

Para que isso não ocorra com você, separamos algumas dicas que devem ser levadas em consideração.

Tenha processos e objetivos bem claros

Se você ainda não definiu qual será o processo padrão para uma determinada tarefa ou se você ainda não domina o processo manual, talvez você não esteja pronto para automatizá-lo.

Nesses casos, comece com tarefas pequenas e planeje todas elas estrategicamente. Defina os objetivos de cada uma delas, assim como os KPIs que ajudarão a avaliar o seu desempenho.

Quando você notar que está progredindo, procure por oportunidades de melhoria e automatize as tarefas mais maçantes ou trabalhosas.

Com o tempo você terá maior domínio sobre suas estratégias de Marketing, assim como das funcionalidades da sua ferramenta.

Mantenha um acompanhamento bem próximo

Um erro comum dos principiantes é acreditar que a ferramenta é mágica e cuidará de tudo sozinha. Não faça isso!

Assim como toda tecnologia, as ferramentas de automação devem ser constantemente supervisionadas e alteradas para alcançar os resultados desejados.

Além disso, erros acontecem, assim como mudanças na plataforma, portanto você e sua equipe devem estar sempre preparados para agir quando necessário.

Automatize, mas não generalize!

Embora a ferramenta te ajude a realizar ações em massa, nunca se esqueça de investir tempo na personalização.

Use e abuse das listas de segmentação e dos token de personalização — eles farão toda a diferença quando o usuário estiver interagindo com você!

Não se esqueça dos clientes atuais

Aqui no texto a gente falou muito sobre táticas de atração, conversão e nutrição, mas isso não quer dizer que você deva deixar a fidelização de lado.

Use a sua criatividade para automatizar ações que podem ajudar os seus clientes a aproveitarem seus produtos ao máximo, aumentando as chances deles se tornarem promotores da sua marca.

Enviar cupons de desconto no dia do aniversário, realizar pesquisas de satisfação e oferecer produtos complementares são apenas alguns exemplos de pequenas ações que você pode automatizar.

Faça revisões e melhorias contínuas

Não deixe a sua ferramenta atuando no piloto automático! Fique atento às atualizações de sistema e, sempre que possível, realize testes A/B em busca de oportunidades de melhoria.

As vezes o que traz um ótimo resultado hoje pode não performar da mesma forma daqui 6 meses devido a mudanças mercadológicas ou comportamentais.

Resumindo: procure inovar com certa frequência.

Mantenha sua ferramenta organizada

Hoje você pode ter uma equipe pequena e todo mundo sabe o que é e faz cada página ou fluxo da sua ferramenta, mas se tudo der certo, daqui há alguns meses você terá novos funcionários e um número muito maior de campanhas.

Por isso, seja estratégico desde o primeiro dia: crie regras de nomenclatura para suas landing pages, emails e fluxos.

Isso facilitará a compreensão do que já está na ferramenta, assim como o aprendizado dos colaboradores que se juntarem a sua equipe no futuro.

Como escolher a melhor ferramenta para a sua empresa?

Agora que você já sabe tudo isso sobre automação, deve estar ansioso para escolher sua ferramenta e vê-la funcionando na prática.

Antes de contratar a sua, pesquise quais são as melhores opções para o seu tipo de empresa e use e abuse dos períodos de teste para avaliar:

Funcionalidades

Nem sempre a sua empresa vai precisar ou utilizar todas as funcionalidades de uma ferramenta. Por isso, ao contratar a sua, basta verificar se ela oferece o que você precisa e se essas funcionalidades possuem o desempenho que você espera para facilitar o seu dia a dia.

Facilidade de uso

E por falar em facilidade, certifique-se de contratar uma ferramenta que seja prática e intuitiva. Caso contrário, você vai perder tempo e energia tentando configurar suas ações, o que é contraprodutivo!

Customização

Se você quer uma ferramenta que maximize o seu desempenho, precisa que ela te ofereça uma ampla possibilidade de customização. Isso é fundamental para que você crie processos, páginas e emails que realmente transmitam a sua marca e o seu estilo.

Personalização

Quanto mais personalização, melhor! Certifique-se de que a ferramenta possui tokens de personalização e muitas possibilidades de segmentação. Lembre-se de que este é o segredo para uma comunicação minuciosa.

Integração com outras ferramentas

Assim como é importante conseguir integrar sua ferramenta de automação com uma ferramenta de CRM, existem outros softwares que podem ser fundamentais para a sua empresa.

Antes de tomar a sua decisão, verifique se a ferramenta permite integrações com outras plataformas e como isso funciona na prática. Se o processo for muito complexo ou imperfeito, talvez você deva considerar uma outra opção.

Análise e relatórios

  • Quais números são importantes para sua empresa?
  • Como você irá acompanhá-los?
  • É possível cruzar dados de diferentes plataformas?
  • A ferramenta cria gráficos e comparações automaticamente?
  • Você consegue fazer o download dessas informações e manter um histórico dos dados?

Tudo isso deve influenciar na avaliação dessa característica. Se a ferramenta de automação não te fornece insights relevantes, fica difícil acompanhar o desempenho das ações que você realiza nela.

Treinamento e suporte técnico

Passar por um processo de onboarding e ter fácil acesso ao suporte técnico são atributos primordiais para que você tenha sucesso com sua ferramenta.

Neste caso, não deixe de examinar a duração dos treinamentos, os conhecimentos que serão compartilhados, qual o horário de atendimento da equipe técnica e o prazo limite de resposta dos tickets de suporte.

Na hora da contratação isso não parece tão relevante, mas quando houverem problemas no dia a dia, você precisa ter a certeza de que estará bem assistido.

Custos totais

Além de tudo o que já citamos, é inevitável citar os custos da ferramenta. Algumas trabalham com um preço fixo pelas funcionalidades e um valor variável em relação ao número de contatos armazenados, enquanto outras oferecem pacotes de acordo com o número de funcionários que irão utilizar a ferramenta e o número de contatos da sua base.

Ao avaliar suas opções, não deixe de fazer uma previsão do retorno do seu investimento (ROI) e levar em conta o quanto esses valores progridem com o crescimento da sua empresa e da sua base de contatos. Acredite, isso evitará problemas futuros!

Central de ferramentas de marketing, vendas e gestão

3 Exemplos de ferramentas de automação de Marketing

Como o assunto é bem complexo e cheio de possibilidades, nada melhor do que conhecer o que já está fazendo sucesso no mercado para nortear suas pesquisas e facilitar a busca pela ferramenta perfeita.

Neste tópico, vamos fazer uma breve explicação sobre o RD Station, a HubSpot e o Mautic, algumas das ferramentas de automação de Marketing mais populares do Brasil de acordo com a pesquisa TechTrends 2017.

Vamos lá?

1. RD Station

O RD Station foi desenvolvido pela empresa brasileira, Resultados Digitais, e é por isso que é uma das ferramentas de maior adesão do mercado brasileiro.

Através dela é possível realizar o disparo de email marketing, otimizar seus conteúdos para motores de busca, criar ações de automação e landing pages, gerir suas mídias sociais e sua base de contatos, configurar uma estratégia de lead scoring e acompanhar as ações realizadas pelos seus leads (lead tracking).

Eles oferecem 3 planos de contratação, cada um com um número de funcionalidades e um limite específico para a quantidade de contatos que você pode ter em sua base. O plano basic, o mais barato, começa em R$ 329 por mês.

2. Hubspot

Mundialmente famosa, a ferramenta de automação de Marketing da HubSpot é uma das mais completas do mercado. Apesar disso, ela só é utilizada por 10,4% das empresas brasileiras — principalmente porque o seu preço é em dólar e ela não possui tutoriais e nem suporte em português.

Além das funcionalidades mais populares desse tipo de ferramenta, quem contrata a HubSpot também pode se beneficiar com:

  • integração com o CRM próprio da HubSpot;
  • acompanhamento em tempo real dos resultados de email e conversão de landing pages;
  • listas de segmentação de alta especificidade;
  • dashboards e relatórios personalizados;
  • chat para atendimento dos clientes;
  • lead scoring preditivo baseado em machine learning;
  • tokens de personalização com fallback;
  • opções inteligentes de teste A/B de email marketing;
  • e muito mais!

Por conta do valor do investimento e do número de funcionalidades da ferramenta, eu pessoalmente só indicaria a HubSpot para empresas de grande porte ou de conhecimentos avançados em Marketing Digital.

3. Mautic

O Mautic é uma ferramenta de automação gratuita e de código aberto. Para aqueles que possuem conhecimentos em programação ou uma equipe de suporte para esse assuntos, ela pode se mostrar como uma excelente opção.

Dependendo das habilidades dos seus programadores é possível incrementar as funcionalidades com a ajuda de plugins e integrações com outras ferramentas.

Quem não é tão talentoso com os códigos, pode utilizar a configuração padrão e usufruir das funcionalidades de:

  • geração e nutrição de leads;
  • criação de landing pages;
  • campanhas de automação;
  • e monitoramento das mídias sociais.

Conclusão

Como você deve ter notado, automação de marketing significa interpretar e atuar de forma personalizada em grande escala.

Se você não domina seus processos e não conhece bem o seu público, a ferramenta de automação só vai te ajudar a errar com mais frequência e maior intensidade.

Por isso, seja estratégico: escolha a ferramenta de maior custo benefícios para a sua empresa, aplique nossas dicas de sucesso e fique de olhos nos resultados.

Com o tempo você ganhará mais experiência com a ferramenta e conhecimento sobre o seu público. A partir daí é só manter a fórmula do sucesso e colher os benefícios.

E se você quer conhecer mais uma oportunidade de automação para a sua empresa, não deixe de aprender sobre estratégias de Marketing para Chatbots!

CTA-chatbots-e-marketing

O guia completo da Hubspot

O Guia completo da HubSpot: o que é e como usar a ferramenta!

Quem acompanha as movimentações do marketing digital fora do Brasil com certeza já ouviu falar na HubSpot, e não é a toa!

Além de organizar o maior evento sobre Inbound Marketing do mundo, oferecer certificações gratuitas para capacitar os profissionais do mercado e publicar conteúdos de altíssima qualidade, eles também são os criadores de uma das ferramentas mais famosas do nosso universo de automação.

Se você ainda não a conhece ou não entende o motivo do seu sucesso, continue lendo!

Nesse post nós iremos contar um pouco sobre a história da empresa e oferecer um breve tour por cada um dos seus softwares e suas funcionalidades.

Vamos nessa?

HubSpot, a empresa

A história da HubSpot começou em 2004, quando Brian Halligan e Dharmesh Shah se conheceram durante um curso de MBA no MIT.

Naquela época, Brian atuava como investidor em algumas startups e notou algo curioso: as pessoas estavam ficando muito boas em bloquear as campanhas de marketing e se esquivar dos vendedores.

Enquanto isso, Dharmesh estava atraindo milhares de visitantes para o seu blog OnStartups sem grandes investimentos e nenhuma equipe de suporte.

Após alguns encontros e debates sobre essas situações, os dois chegaram a uma simples conclusão: as pessoas não queriam ser interrompidas por propagandas e nem assediadas pelos vendedores, mas elas queriam ajuda para resolverem seus problemas.

E foi a partir desta ideia que eles começaram a divulgar as estratégias de Inbound Marketing e desenvolveram a solução “all-in-one” que hoje é mundialmente conhecida sob a marca HubSpot.

A empresa ainda mantém sua sede em Cambridge, Massachusetts, nos EUA, mas possui outros 5 escritórios ao redor do globo. Juntos, eles gerenciam os mais de 31 mil clientes que estão espalhados por mais de 90 países.

O sucesso é tanto que em 2016 a empresa obteve mais de 271 milhões de dólares em receita. Sabe como? Através de 3 softwares que podem ser utilizados individualmente ou integrados. E você descobre tudo sobre cada um deles aqui!

HubSpot CRM

A base de tudo começa com o CRM, pois ele é, na verdade, o banco de dados subjacente que capacita as ferramentas de Marketing e Vendas.

Ele é 100% gratuito, permite criar usuários ilimitados e registra até 1 milhão de inscrições (entre contatos e empresas).

Através dele você pode:

Registrar todas as empresas com quem você tem contato

Para isso, basta se cadastrar (gratuitamente), ir no menu de “empresas” e clicar em “Adicionar empresa”.

Adicionando sua empresa na Hubspot

Depois de digitar o site e o nome da empresa, a mágica do HubSpot acontece! O CRM irá pesquisar em um banco de dados com mais de 20 milhões de empresas do mundo todo e completar o seu cadastro com informações como:

  • área de atuação da empresa
  • número de telefone
  • endereço (cidade, estado e país, CEP)
  • número de funcionários
  • receita anual
  • fuso horário
  • descrição
  • se a empresa é pública ou privada
  • página no LinkedIn
  • Twitter

Você pode adicionar quantas empresas quiser e depois pode filtrá-las de acordo com essas informações. Além disso, é possível incluir anotações sobre elas.

Perfil da empresa na Hubspot

Rastrear todos os emails enviados

Se você utiliza Gmail, pode adicionar uma extensão do Google Chrome para traquear seus emails. Desta forma, todo email que você enviar será gravado automaticamente no histórico da empresa.

E, melhor do que isso, a extensão irá te avisar sempre que as pessoas abrirem seus emails.

É como no Whatsapp: além de saber que sua mensagem chegou tranquilamente, você também descobre se ela já foi lida (ou pelo menos aberta!).

Rastreando o envio de email na Hubspot

Além disso, o CRM irá criar um contato para cada pessoa.

Ou seja, se você começou o seu processo de vendas falando com a Maria do almoxarifado, passou pelo Pedro da manutenção e fechou negócio com o Cláudio do financeiro, cada um deles terá um registro e você pode ver um compilado de todos os contatos nos históricos da empresa.

Organizar sua pipeline de vendas

Dentro do menu de “negócios” você terá uma visão geral de todo o processo de vendas.

Menu Negócios no pipeline de vendas da Hubspot

Os campos da pipeline já possuem um padrão, mas você pode modificá-lo de acordo com as necessidades da sua empresa.

Para isso, clique em Personalizar > Editar fases do negócio. Na nova tela, encontre “Pipelines e fases do negócio” e clique em “editar” para renomear, adicionar, excluir ou ordenar as fases do processo.

Fases do pipeline de vendas na Hubspot

Uma vez que você já configurou isso, pode registrar as oportunidades de negócio no menu de negócios ou diretamente no perfil da empresa.

Ah! E você pode criar mais de uma oportunidade de negócio por empresa. Por exemplo, o vendedor A pode criar uma oportunidade para vender cartuchos de tinta e, mais tarde, criar uma nova oportunidade referente a venda de impressoras. Ou vendedores diferentes podem contatar pessoas diferentes em relação a produtos ou serviços diferentes.

Agendar e gerenciar tarefas

Por fim, o CRM da HubSpot também ajuda a organizar sua rotina de trabalho através do menu de tarefas.

Lá você pode criar lembretes e relacioná-los com seus contatos, empresas e oportunidades de negócio.

Gerencialmento de tarefas na Hubspot

E tudo isso fica conectado. Por exemplo, ao visitar os registros de um pessoa, você pode ver quais tarefas estão relacionadas à ela:

Tarefas relacionadas no menu Futuras na Hubspot

Embora todas essas funcionalidades sejam muito bacanas, sozinhas elas não causam um grande impacto na estratégia da sua empresa. E é aí que entram os softwares de Marketing e de Vendas, levando o jogo a um novo nível!

HubSpot Marketing

Idealizado para facilitar a criação de uma estratégia de Inbound Marketing perfeita, o software da HubSpot ajuda você a criar conteúdo, otimizá-lo para ferramentas de busca (SEO), distribuí-lo através das redes sociais e de email marketing, bem como automatizar algumas tarefas que seriam manuais.

Ele possui 5 planos:

  • Grátis — para empresários individuais, profissionais iniciantes e aqueles que desejam experimentar a plataforma. Essa versão só oferece as funcionalidades mais simples do sistema, que não difere muito do CRM, e é bastante limitado.
  • Starter — por 50 dólares por mês (cobrados anualmente) oferece algumas poucas funções a mais do que o plano gratuito. O maior benefício aqui é a liberdade de remover a marca HubSpot das páginas e personalizar os campos que deseja utilizar em seus formulários.
  • Basic — à partir de 200 dólares por mês (cobrados anualmente), esse plano permite trabalhar entre 100 e 15.000 contatos. O valor cobrado irá variar de acordo com a quantidade de contatos e as funcionalidades utilizadas, mas já permite estruturar uma boa estratégia inbound.
  • Professional — permitindo entre 1 mil e 45 mil contatos, esse plano é ideal para profissionais de marketing mais experientes e equipes de marketing em crescimento. Seu preço começa em 800 dólares por mês (cobrados anualmente) e também permite a inclusão de funcionalidades extras.
  • Enterprise — onde a mensalidade começa em 2.400 dólares (cobrados anualmente) e também varia de acordo com o número de contatos trabalhos (entre 10 mil e 500 mil). Aqueles que possuem mais de 500 mil contatos na base precisam entrar em contato direto com a equipe de vendas para negociar os valores. Essa é a versão mais completa do software.

Todos os planos possuem uma taxa única de implementação. Esse valor varia entre 600 e 15.000 dólares e será decidido de acordo com o plano contratado, o tamanho da empresa e o tipo de assistência escolhida.

Por exemplo, a implementação mais cara é feita diretamente na sua empresa (ou na sede da HubSpot)!

Agora que você já sabe os valores, vamos descobrir um pouco mais sobre as funcionalidades.

Quando você acessa o software, vê as seguintes opções no menu:

Dashboard

A primeira tela do Hubspot dá um panorama geral de todas as suas ações de Marketing.

Ela pode ser customizada de acordo com suas preferências mas, no geral, exibe estatísticas e links para relatórios sobre:

  • tráfego
  • número de contatos
  • desempenho das landing pages
  • desempenho do blog
  • métricas de email marketing
  • taxas de conversão

Contatos

A segunda aba do menu te dá acesso a todas as informações relacionadas aos seus contatos. É nela que você encontrará as informações referentes a:

  • base de contatos
  • base de empresas
  • listas
  • fluxos de automação
  • formulários
  • lead scoring
  • e configurações gerais relacionadas aos contatos

Aqui, vale um destaque às funcionalidades de: listas, automação e lead scoring.

As empresas que trabalham com um alto volume de leads ou que possuem um conhecimento avançado sobre inbound podem tirar muito proveito das listas inteligentes, que trabalham com diversos critérios ao mesmo tempo e atualizam as informações em poucos segundos.

Além disso, as opções de automação são inúmeras. É possível criar fluxos de nutrição para nichos bem pequenos e automatizar funções como:

  • Enviar email ao contato
  • Enviar email interno
  • Adicionar ou remover o contato a uma lista de segmentação
  • Criar uma nova oportunidade de negócio
  • Criar uma tarefa ou um lembrete
  • Rotear um novo proprietário para aquele contato
  • Preencher ou limpar determinados campos do contato ou da empresa
  • Adicionar ou remover contatos em outros fluxos de automação

Por último, mas não menos importante, a função de lead scoring ajuda a mensurar e qualificar o engajamento dos contatos através de um sistema de pontos manual ou automático.

Lead Scoring na Hubspot

Conteúdo

O menu de conteúdo é onde você gerencia o coração da sua estratégia inbound. Lá você tem acesso às ferramentas de:

  • gerenciamento de arquivos
  • gerenciamento de design
  • estratégia
  • landing pages
  • blog
  • email marketing
  • calls-to-action
  • anúncios
  • fluxo de leads
  • marketplace
  • e configurações gerais relacionadas ao conteúdo

É importante dizer que, embora a maioria das empresas sejam apaixonadas pelo WordPress e sua infinidade de plugins e integrações, quem utilizar o editor de sites, páginas e emails da HubSpot não ficará desapontado.

Ele foi feito com os profissionais de marketing em mente e, portanto, tenta exigir o mínimo de configurações e integrações técnicas possível.

Aliás, a ferramenta de email marketing merece o seu destaque!

Através do editor do Hubspot você pode:

  • personalizar o nome o email do remetente;
  • adicionar um texto de apoio ao assunto (preview text);
  • pré-visualizar o email em diferentes tipos de dispositivos;
  • fazer envios de teste;
  • receber sugestões de otimização com base nas boas práticas;
  • configurar testes A/B automáticos com base na taxa de abertura, cliques ou engajamento;
  • agendar o envio;
  • e disparar o email de acordo com diferentes fusos horários.

Além disso, após enviar o email a ferramenta coleta uma grande variedade de informações que podem te ajudar a analisar seus resultados e fazer melhorias.

Por exemplo, esse é o painel de performance de um email enviado para a nossa base:

Painel de performance de lançamento na Hubspot

Painel de performance de lançamento na Hubspot com gráficos

Todos os números podem ser aprofundados. Por exemplo, ao clicar em “opened” você consegue ver quantos segundos cada remetente ficou no email e analisar se eles “mal olharam”, “escanearam o conteúdo” ou realmente “leram”.

Incicadores de tempo de visualização de email na Hubspot

Fora isso, é possível analisar quais links obtiveram mais cliques e exatamente onde eles estavam na sua mensagem:

Clickmap do email na Hupspot

Social

A seção relacionada às mídias sociais permite que você conecte suas contas do Facebook, Twitter, LinkedIn e Google+ num único lugar e agende publicações, monitore o engajamento e obtenha relatórios.

Gerenciamento de redes sociais na HUbspot

Relatórios

O menu de relatórios dá acesso a diversas ferramentas estratégicas que permitem mensurar e acompanhar os mais diversos números da sua empresa.

Por exemplo, uma das funcionalidades tem como objetivo supervisionar a autoridade do domínio dos seus principais concorrentes, bem como o tráfego, o número de backlinks e a posição no MozRank:

Comparação entre competidores no Relatório da HUbspot

Enquanto isso, outra funcionalidade ajuda a acompanhar o desempenho das suas principais palavras-chaves e a planejar os próximos passos da estratégia de acordo com o volume de busca, dificuldade de ranqueamento e o custo por clique:

Comparação entre palavras-chave no relatório da Hubspot

Produtividade

Por fim, o menu de produtividade possui 3 ferramentas

  • projetos — que funciona como um Trello, onde você pode criar checklists de todas as ações necessárias para um projeto e designar um prazo e um responsável por cada uma delas;
  • calendário — onde você tem um panorama completo dos agendamentos (e ações realizadas) do blog, email, landing pages e mídias sociais;
  • campanhas — onde você pode analisar os resultados das campanhas em cada canal e verificar qual foi o impacto em termos de tráfego, conversão em leads e conversão em clientes.

HubSpot Sales

O software de vendas da HubSpot visa extrair o máximo do banco de dados do CRM e, unido ao software de Marketing, pode dar uma visão 360º do processo de atração e conversão de uma empresa.

Apesar disso, ele também pode ser contratado individualmente e possui apenas 3 planos:

  • Gratuito — feito para vendedores individuais e pessoas que desejam experimentar a plataforma. Nessa versão o usuário terá acesso a todas as funcionalidades do CRM e algumas novidades como relatório de resultados e upload de documentos, mas tudo em quantidades bem limitadas.
  • Starter — que custa 50 dólares por mês (por usuário) e aceita no máximo 200 usuários. Esse plano possui todas diversas funcionalidades que podem ajudar sua equipe a aumentar a produtividade, reduzir os ciclos de negócios e melhorar as taxas de fechamento.
  • Professional — que custa a partir de 400 dólares por mês e inclui apenas 5 usuários. Cada usuário extra custa 80 dólares e uma empresa só pode ter no máximo 200. Esse plano é o mais completo e possui funcionalidades que incluem inteligência artificial, automação avançada e relatórios personalizados.

No geral, as funcionalidades do software de vendas não são tão robustas quanto as do de Marketing.

Apesar disso, quando aliado ao CRM, ele cumpre com o seu objetivo e facilita o dia a dia dos vendedores.

Nele você irá encontrar:

Dashboard

O dashboard de vendas, assim como o de Marketing, tem como objetivo passar um panorama de todas as ações da equipe de Vendas.

Também customizável, ele transmite dados como:

  • produtividade da equipe de vendas em termos de ligações, emails, reuniões, notas e tarefas;
  • quantidade de contatos no funil de vendas
  • taxa de conversão de cada etapa do funil
  • metas de negociação

Dashboard de vendas na Hubspot

Em seguida, o menu nos dá acesso a:

  • base de contatos
  • base de empresas
  • todas as negociações em andamento na empresa
  • e todas as tarefas a serem realizadas pela equipe.

Até então, tudo é igual ao que nós vimos no software de CRM. A grande diferença está na penúltima opção do menu, onde encontramos a opção:

Ferramentas de vendas

Aqui a HubSpot agrupa várias funcionalidades que otimizam e facilitam a vida dos vendedores, como atalhos de texto (snippets), templates, sequências de email e o envio de documentos (apresentações, kits de mídia etc).

Para mais, outras 2 funções ganham destaque:

  • reuniões — que criam uma landing page de acesso direto à agenda dos vendedores;

Agendamento de reuniões pela Hubspot

  • chat — que permite adicionar um chat no site e rotear os vendedores no atendimento dos clientes.

Chat da Hubspot

Conclusão

Como você pode notar, existem dezenas de motivos pelos quais os softwares da HubSpot são mundialmente populares.

Além de práticos e intuitivos, eles possuem integração com mais de 75 plataformas e ferramentas complementares e permitem que os clientes escolham exatamente o que eles vão contratar (e pagar apenas pelo número de contatos necessários).

Apesar disso, a HubSpot não possui tanta força no mercado brasileiro porque ainda trabalha com preços em dólares e não possui tutoriais e nem suporte em português.

Mas saiba que isso pode mudar! Eles já começaram a traduzir o site para o nosso idioma e vêm realizando ações estratégicas no mercado latino americano para combater os avanços da sua maior concorrente no Brasil: a Resultados Digitais.

Se você ainda não conhece a solução deles, não deixe de ler o nosso guia completo sobre a RD Station!

Tendências de email marketing para 2018

Tendências de email marketing para 2018: saiba o que fazer para encantar os usuários no inbox

Ao chegar na sua empresa, qual a primeira coisa que você faz?

Se você for como eu, muito provavelmente irá abrir sua caixa de email e dar uma escaneada nas últimas mensagens recebidas à procura de algo urgente ou importante.

Esse ato, simples porém extremamente necessário, é só mais um argumento que comprova a importância do email em nossas vidas e em nossas estratégias de marketing.

Por conta disso, nada melhor do que começar 2018 de olho nas expectativas e promessas desse canal, não é?

Mas essa tarefa não é tão simples quanto parece…

Encontrar ou definir essas tendências para o mercado brasileiro é um desafio — e dos grandes! Ao contrário dos Estados Unidos, não temos muitos portais com foco exclusivo nesse canal e, os poucos que temos são rasos ou não se posicionam como autoridade no assunto.

Apesar disso, resolvi me arriscar: vou me basear na experiência que adquiri gerenciando a estratégia de Email Marketing da Rock Content ao longo de 2017 para brincar de vidente e tentar adivinhar as maiores tendências de Email para 2018.

Aceita se aventurar comigo? Então vamos lá!

Popularização de cursos e especializações sobre email marketing

Eu não sei se você também notou, mas em 2017 nós tivemos um aumento significativo no número de cursos e plataformas de ensino à distância como: Universidade Rock Content, Escola RD, HubSpot Academy, Inesplorato, Smartalk, dentre outras.

E isso é bom. Aliás, isso é ótimo!

As instituições normais nem sempre conseguem acompanhar o mercado ou nem sempre são acessíveis à todos. Nesses casos, os cursos online são uma ótima solução para desenvolver ou atualizar profissionais das mais diversas áreas.

E muitas empresas já se atentaram a esses benefícios.

Como muitos desses cursos online são gratuitos (ou mais baratos do que as versões presenciais), algumas empresas os utilizam como requisito de contratação ou diferencial.

Resumindo, em 2018, acho bem provável que os cursos de Email Marketing ganhem novos alunos. E isso terá um efeito extremamente positivo no mercado brasileiro, tanto que irá influenciar nos próximos 2 pontos desse post:

Maior adoção e domínio das ferramentas de automação

Com a popularização dos cursos especializantes, os profissionais de email marketing terão maior domínio sobre as estratégias que podem utilizar, bem como das ferramentas que irão auxiliá-los.

Isso me faz pensar em diversos desdobramentos:

Menos erros na configuração dos tokens de personalização

Sabe quando você abre a sua caixa de email e vê um assunto que começa com uma vírgula?

personalização email

Isso significa que quem escreveu a mensagem deve ter colocado um token com o seu primeiro nome no assunto, só que você nunca preencheu o seu primeiro nome em formulário nenhum. Por conta disso, você recebe esse email de assunto esquisito.

Acredito que com a popularização dos cursos e com o maior domínio das ferramentas de automação, detalhes como esse não passarão despercebidos.

Mais emails com preview text criativo

Também conhecido como preheader ou texto de apoio, o preview text é aquela frase que complementa o assunto do seu email:

email preview text criativo

Quando configurado, ele é uma ótima ferramenta para otimizar o assunto e aumentar as suas chances de persuadir o leitor a abrir a mensagem.

Ele é um recurso simples, mas pode se transformar num bom diferencial. Não ignore-o!

Mais segmentação e personalização

A personalização é tendência no mercado americano desde 2013 (e talvez até antes!). E embora o mercado brasileiro ainda não tenha muito domínio sobre ela, em 2018 nós daremos mais alguns passos nessa caminhada.

Ano que vem, personalize muito além do nome das pessoas e das empresas no contexto do email!

Segmente por localização, por área, por setor, recomende produtos e conteúdos com base no histórico dos contatos, entregue relatórios e curadorias sob-medida.

Crie uma experiência tal qual o feed de recomendações do Netflix ou a playlist de “Descobertas da Semana” do Spotify. Essa é a chave para surpreender seus leitores e conquistar engajamento.

Além disso, também acho que teremos mais empresas utilizando fluxos de nutrição, o que me leva ao meu próximo tópico:

Aumento na adoção de fluxos de boas-vindas

Um bom curso sobre email marketing irá falar sobre os emails de boas-vindas. E os bons alunos não vão deixar essa prática passar batida!

Qualquer site ou especialista gringo já diz isso: o email de boas-vindas é indispensável para uma estratégia de sucesso.

É nele que você irá apresentar sua brand persona, alinhar as expectativas com o leitor e indicar os próximos passos.

Se você fizer isso da maneira correta, pode esperar alta entregabilidade, maiores taxas de abertura, mais cliques e menos marcações de spam.

Resumindo, não tem porque não aderir!

Uso de chatbots para capturar novos contatos

Esse ano os chatbots deram um booom. E eu tenho certeza de que esse movimento não vai parar por aí!

Aproveite essa tendência para engajar seus leitores e capturar novos emails. Chatbots e emails, integrados ao seu CRM, podem criar uma experiência incrivelmente rica para os usuários.

Quer um bom exemplo?

A Resultados Digitais já promoveu uma live no Facebook sobre Email Marketing onde todos aqueles que comentavam com “eu quero” recebiam uma mensagem através do Facebook Messenger (chatbot) pedindo o endereço de email para enviar os slides da apresentação.

exemplo de uso de chatbot integrando messenger e email marketing

Ou seja, além de aumentar o engajamento nas redes sociais, eles ainda capturaram novos contatos!

Resumindo, é aquilo que a gente já sabe: com uma boa dose de criatividade, o céu é o limite!

Notificações por push complementando as estratégias de email

Junto com os chatbots, outra janelinha vem pipocando nas nossas telas: os convites de assinatura de notificações por push.

Confesso que no começo eu fui um pouco cética em relação à essa ferramenta só porque  ela veio do mobile.

Mas ao analisar os resultados dos 3 meses de teste que nós fizemos aqui no blog, fui convencida! As notificações por push são um excelente canal para atrair tráfego e gerar conversões.

Ainda falta uma integração mais eficiente com as plataformas de CRM, mas acho que com a popularização deste canal, em 2018 ele será um grande aliado do Email Marketing.

Experimentos com emails interativos

Por último, confesso que escolhi um tópico que não me parece tendência, mas que eu adoraria ver se popularizando por aqui.

Lá fora já existe uma certa movimentação em relação aos emails interativos e os poucos que vi me deixaram encantada.

São alguns exemplos:

Barras de busca dentro do email

barra de busca dentro do email

Você também pode fazer a busca dessa forma aqui.

Hamburger Menu

Os hamburguers menu abrem e fecham com o clique do usuário.

email hamburguer menu

Carrossel de Imagens


Você pode aprender a fazer emails com carrossel de imagens aqui.

Contagem regressiva

Email countdown timer

Efeito hover em textos, imagens, cores de fundo e motion;

Email Hover Text

E, o meu favorito de todos, mini jogos!

Você pode brincar também aqui.


Você pode brincar também aqui.

Enfim, não acho que isso vá ser tão popular no Brasil quanto já é nos Estados Unidos… mas não custa sonhar não é?

Concluíndo…

Eu não sei se nada do que eu disse aqui vai realmente acontecer… Mas eu adoraria acertar pelo menos uma das minhas “previsões”!

Aliás, para me ajudar, a Rock Content está sorteando 01 acesso completo à Universidade Rock Content (que possui um curso específico sobre Email Marketing).

A vencedora do sorteio foi a Simone Lourenço. Parabéns, Simone!

Como limpar base de emails

Como limpar a sua base de emails na RD Station

Imagine que você acaba de entrar numa empresa e um dos seus primeiros desafios é “dar um jeito nas campanhas de Email Marketing”. Ou talvez você, sozinho, cansado de ler em todos os lados que o email é um dos canais de maior ROI do Marketing Digital, decide que vai fazer isso funcionar na sua empresa para garantir a sua promoção.

Com sua missão definida, você sai em busca dos conhecimentos necessários para realizá-la e descobre que cuidar da sua lista de contatos é imprescindível para o sucesso dessa empreitada.

O problema é que você nem sabe de onde vieram os contatos que estão na sua base e a sua ferramenta de automação já passou por tantas pessoas (e tantos testes) que você nem sabe se pode confiar nas informações que possui.

E aí, o que você faz?

Na dúvida, aqui vai a minha primeira dica: não se desespere! Você vai ter que percorrer um longo caminho, mas o resultado vai valer a pena, prometo.

Como já dizia Lao-Tsé: “Uma longa caminhada começa com o primeiro passo” e o seu é higienizando a sua lista de emails.

Para facilitar um pouco a sua jornada, vou compartilhar como eu fiz (e faço) isso com a base do blog Saia do Lugar através da nossa conta Pro na RD Station.

Preparado? Vamos lá!

Exclua todos os contatos que são Hard Bounce

O primeiro passo para “dar uma geral” na sua lista de contatos é excluir todos aqueles que são Hard Bounce. Sabe por quê?

Hard Bounce é a classificação dada a todos os endereços de emails que NUNCA irão receber suas mensagens, ao contrário dos Soft Bounce, que estão passando por problemas momentâneos na entrega.

Ou seja, quando um contato é marcado como hard bounce pela RD Station, ele se encaixa em uma dessas 3 situações:

  • o endereço de email simplesmente não existe  — o que é muito comum, porque algumas pessoas “inventam” emails aleatórios para não receber spam;
  • o contato foi marcado como soft bounce diversas vezes;
  • ou o servidor de email do lead bloqueou o seu IP ou o seu domínio, impedindo que suas mensagens cheguem a caixa de entrada.

Nesses casos, não adianta fazer drama. Siga os passos abaixo para segmentar esses contatos e excluí-los de vez da sua base:

Acesse a página de “segmentação de leads” dentro do menu “relacionar”.

limpar a base de emails na rd station

Crie uma nova segmentação com um nome de fácil identificação como, por exemplo, “Contatos – HARD BOUNCE” e preencha conforme a imagem a seguir.

limpar a base de emails na rd station

Pronto, agora basta clicar no menu dessa lista e selecionar “Apagar leads”.

limpar a base de emails na rd station

O RD Station irá exibir uma mensagem de confirmação perguntando se você realmente deseja excluir aqueles contatos. Verifique todas as informações e digite a mensagem solicitada.

limpar a base de emails na rd station

Exclua todos os endereços de email descartáveis

Eu não sei se você sabe, mas existem alguns sites na internet que oferecem um endereço de email temporário ou descartável.

Ou seja, a pessoa vai lá, gera uma caixa de emails que irá durar apenas 10 minutos e utiliza esse contato para baixar ebooks e outros materiais de forma “anônima”.

Isso é péssimo para quem cuida da lista de emails, pois esses contatos nunca irão trazer um resultado para a sua empresa e, portanto, estarão apenas sujando sua base.

Para se livrar deles, basta pesquisa pelos domínios dos sites que oferecem esse tipo de serviço. Eles são muitos, mas aqui você encontra alguns dos mais populares:

  • @my10minutemail.com
  • @mailinator.com
  • @maildrop.cc
  • @maildu.de
  • @uapproves.com
  • @mvrht.net
  • @clrmail.com
  • @nada.ltd
  • @morsin.com
  • @boximail.com
  • @mailna.biz

Para eliminar esses emails, basta fazer uma busca manual na sua base de leads utilizando os domínios:

limpar a base de emails na rd station

Em seguida, adicione uma tag em todos os endereços que você encontrar:

limpar a base de emails na rd station

Depois crie uma segmentação utilizando a tag escolhida. No nosso caso, utilizamos a tag “email-falso”:

limpar a base de emails na rd station

E em seguida é só deletar todo mundo:

limpar a base de emails na rd station

Exclua todos os endereços de email suspeitos

Digamos que criar um email descartável é uma “técnica avançada”. Quem não domina todas as funcionalidades da web, como as ferramentas que eu citei anteriormente, muito provavelmente irá inventar endereços de email aleatórios.

E algumas vezes esses endereços podem até existir….  Mas você sabe que quem os criou não deve ser levado a sério.

Ficou confuso? Não se preocupe. Abaixo eu te mostro alguns exemplos:

limpar a base de emails na rd station

limpar a base de emails na rd station

De acordo com a minha experiência, sugiro que você faça uma busca manual na sua base e procure por termos como:

  • palavras de baixo calão — e aqui a dica é: seja criativo! Eu tenho certeza de que os seus leads também serão!;
  • 123;
  • 000;
  • teste;
  • não ou nao;
  • abc;
  • asd — que são os primeiros 3 caracteres da segunda linha do teclado;
  • e o que mais você achar válido!

Grande parte desses endereços serão excluídos ao remover os contatos hard bounce, mas é sempre bom verificar.

Para excluí-los, basta repetir o mesmo processo dos tópicos anteriores: adicione uma tag, crie uma segmentação e delete todo mundo.

Depois disso, você está pronto para a próxima etapa!

Faça um fluxo de reativação

Os fluxos de reativação têm como objetivo “dar uma sacudida” naqueles contatos que estão inativos na sua base. E quando eu digo “inativos” eu quero dizer que eles não abrem ou não clicam nos seus emails há um bom tempo.

Fazer essa limpeza é importante para manter uma lista ativa e engajada. Isso melhora suas métricas e te mantém longe das blacklists e armadilhas de spam.

Mas não se engane! Para que essa medida seja realmente efetiva, não adianta ter medo: os contatos que não forem reativados devem ser excluídos.

Quem quer colher os frutos do email marketing precisa entender que uma lista de contatos só te dá retorno quando ela realmente tem interesse no seu produto. De nada adianta a sua empresa manter uma base de milhões de assinantes se apenas alguns centos abrem e clicam nos seus emails.

Resumindo, o fluxo de reciclagem ajuda a automatizar uma parte da higienização da sua lista, te deixando com tempo livre para focar em questões de planejamento e estratégia.

E aí, gostou da ideia?

Está pronto para criar o seu? Então siga esses passos!

1. Crie uma segmentação de contatos ativos

A primeira etapa do seu fluxo de reciclagem consiste em salvar os contatos que demonstraram o mínimo de engajamento com você.

Ou seja, se a sua empresa fez algum disparo nos últimos meses, as pessoas que abriram ou clicaram nessa mensagem já demonstraram que estão ativas e não precisam passar pela próxima etapa.

Para isso, avalie os últimos emails enviados pela sua empresa e qual o período que será considerado.

No nosso exemplo, utilizamos os emails disparados entre Julho e Novembro de 2017, totalizando 42 mensagens.

Criamos uma segmentação com o nome “Ativos – Julho/Novembro” e selecionamos todas as pessoas que abriram qualquer um desses 42 emails:

limpar a base de emails na rd station

Em seguida, adicione uma tag para identificá-los. No nosso caso, escolhemos a tag “ativo”:

limpar a base de emails na rd station

Pronto, agora vamos trabalhar com quem realmente nos interessa!

2. Crie uma segmentação de contatos inativos

Agora que você já sabe quem está “ativo” na sua base, pode selecionar quem realmente precisa passar pelo fluxo de reciclagem.

Para isso, basta criar uma segmentação que exclua as pessoas que receberam a tag anterior.

limpar a base de emails na rd station

No nosso caso, refinamos ainda mais o grupo ao selecionar aqueles que “não possuem a tag” e que “foram criados antes de 01/11/2017”, porque recebemos muitos contatos novos todos os dias e as chances de eles ainda não terem sido segmentados para receber alguma campanha é muito alta.

Ou seja, ao fazer isso, garantimos que as pessoas selecionadas já estão a pelo menos 30 dias na base, tempo suficiente para ter interagido com um dos 42 emails do período selecionado.

E agora que já sabemos quem precisa ser reativado, podemos partir para a segunda etapa do processo!

3. Crie os emails do seu fluxo de automação

Antes de configurar o fluxo em si, precisamos preparar as mensagens que serão entregues.

No nosso exemplo estamos usando o template da própria Rock Content, de 4 emails.

Se você quiser ver qual o texto de cada um deles, pode baixar uma cópia aqui:

Campanha de reativação de leads ebook

Na RD Station, lembre-se de criar os emails com a finalidade de “Modelo/Fluxo de Nutrição” e escolher nomes de fácil identificação (com ordem cronológica, por exemplo).

como limpar base de emails no rd station

Depois de criar todas as mensagens, basta configurar a automação!

4. Configure o fluxo de automação

Para criar a automação, vá em “Relacionar > Automação de Marketing > Criar fluxo”.

No nosso caso, já estamos utilizando a interface beta, que possui uma nova estrutura e um editor muito mais visual.

Vamos escolher a opção de Fluxo de Nutrição e configurá-lo como prioridade máxima (10):

criar novo fluxo de automação na rd station

Configuramos a entrada de leads como “Ser novo ou já estar na lista de segmentação” e selecionamos a lista criada anteriormente “Inativos – Julho/Novembro”.

como limpar base de email na rd station

Em seguida selecionamos o primeiro email da nossa campanha de reciclagem e dividimos o caminho por email do fluxo.

como limpar base de email na rd station

Quem abrir os emails receberá a tag “ativo”, como todos os outros que nós salvamos lá no início do post.

Quem não abrir irá receber o email seguinte após 2 dias.

Aqui é importante lembrar que você pode (e deve!) configurar o seu fluxo de acordo com as características da sua empresa.

Quer alto engajamento? Adicione a tag naqueles que abrirem e clicarem nos links da mensagem. Quer um fluxo mais rápido? Envie o próximo email 1 dia depois.

Enfim, você decide! É aqui que o seu planejamento estratégico fará a diferença!

Por fim, repita esses passos até incluir todas as mensagens que você criou para o fluxo.

como limpar base de email na rd station

Na última condição, não se esqueça de incluir uma tag para diferenciar os contatos que passaram pelo fluxo e não interagiram com nenhuma mensagem. No nosso caso, adicionamos a tag “excluir”.

E por último, não se esqueça de verificar se a lógica do fluxo está 100% correta. Você deve ver essa tela de confirmação:

como limpar base de email na rd station

5. Ative o fluxo e espere os resultados

Depois de configurar o fluxo é só esperar a magia acontecer.

Calcule quantos dias serão necessários para que um contato percorra todo o fluxo e marque na agenda para não esquecer da última etapa!

Ah! E enquanto a campanha estiver ativa, fique atento à sua caixa de entrada! É comum receber algumas respostas e você deve estar preparado para lidar com elas.

Na primeira vez que fizemos esse tipo de fluxo para o Saia do Lugar, recebemos reações das mais diversas:

como limpar base de email na rd station

Tem aqueles que não se lembram mais de você:

como limpar base de email na rd station

Aqueles que são reativados com sucesso:

como limpar base de email na rd station

E aqueles que não querem ser reativados:

como limpar base de email na rd station

Enfim, fique de olho nas reações e no feedback dos seus contatos!

6. Exclua quem não interagiu com os emails do fluxo

Passado o tempo necessário para um lead percorrer todo o fluxo, é hora de colher os resultados!

Crie uma segmentação com a tag escolhida para aqueles que não abriram (ou clicaram) em nenhum dos seus emails.

No nosso caso ficou assim:

limpar a base de emails na rd station

Em seguida é só excluí-los da sua base, assim como você fez com os hard bounces.

Mas vale um adendo: ao removê-los você estará apagando todas as informações e todo o histórico daquele contato.

O que nós sugerimos é que você faça uma exportação dos dados e deixe tudo salvo em algum lugar, como no Google Drive, por exemplo. Se necessário, você sempre terá um backup para conferir.

7. Limpe as tags que sobraram

O fluxo de reativação pode ser cíclico. Aqui na Rock, por exemplo, fazemos uma limpeza a cada trimestre, porque trabalhamos com uma lista bem robusta.

Por conta disso, é muito importante lembrar de remover as tags que você utilizou nessa campanha. Afinal de contas, um contato que foi marcado como “ativo” hoje, talvez não esteja tão engajado daqui a 6 meses.

A maneira mais fácil de fazer isso é ir em “Relacionar > Base de Leads” e criar uma segmentação manual com tag=”ativo”. Depois, basta ir em “Ações > Remover tag” e excluir a tag.

como limpar base de email na rd station

Se preferir, você também pode excluir as segmentações criadas no início do processo.

8. Analise os resultados e pense em melhorias

O nosso primeiro fluxo de reativação na RD foi feito em Fevereiro de 2017.

Na época, os contatos estavam um pouco abandonados… Não é à toa que Janeiro teve uma taxa de abertura média de 8%.

Tendo em vista esse cenário, criamos o fluxo e ficamos torcendo pelo melhor!

Após 2 semanas de espera, o resultado foi esse:

como limpar base de email na rd station

Analisando essas informações, é possível enxergar algumas oportunidades de melhoria, como trocar os assuntos dos emails 2, 3 e 4, bem como os CTAs dos emails 2 e 3.

Apesar disso, 14% dos contatos que passaram pelo fluxo foram reativados. E mesmo que isso fosse um número pequeno, seguimos com a estratégia e fizemos muitas mudanças.

Hoje, 9 meses depois, nossa base já cresceu 62% e possui uma taxa de abertura média de 22%, ou seja: temos mais pessoas na lista e mais engajamento!

Concluindo…

Esses foram os meus aprendizados em relação a higienização de uma base de contatos. Espero que o meu relato te ajude a ter alguns insights para o seu e te ajude a conquistar resultados cada vez melhores através desse canal.

E se você quer mais dicas para melhorar o seu relacionamento com os clientes via email, não deixe de baixar o nosso Guia da Newsletter!