CNV (Comunicação Não-Violenta): o que é, quais são os seus pilares e como praticar

Desenvolver habilidades da CNV pode ajudar nas suas relações profissionais e pessoais. Aprenda mais sobre o conceito de comunicação não-violenta, quais são seus pilares e formas de aplicá-la no seu cotidiano para resolver conflitos ou ter interações mais valiosas e duradouras.

Atualizado em: 02/06/2022
cnv

Precisando de conteúdo para sua empresa? Encontre os melhores escritores em WriterAccess!

O marketing e a publicidade estão sempre em busca das melhores maneiras de alinhar a linguagem ao público-alvo, para assim solucionar suas demandas. A comunicação não-violenta (CNV) tem propósitos bem parecidos a partir da percepção das necessidades do outro e a forma mais eficiente de comunicar as suas demandas.

A CNV é uma abordagem capaz de trazer uma série de benefícios para as relações, para o mundo dos negócios e até mesmo para o desempenho de cada indivíduo da empresa. Por esses motivos, reunimos as informações necessárias para trabalhá-la satisfatoriamente. Veja aqui:

    Veja como comunicar-se de forma empática no seu cotidiano e trazer resultados para suas conexões profissionais e pessoais.

    Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

    Não se preocupe, não fazemos spam.

    O que é comunicação não-violenta?

    De acordo com Marshall Rosenberg, psicólogo que desenvolveu o conceito de CNV, a comunicação não-violenta é aquela que é construída a partir de habilidades de linguagem e comunicação que intensificam nosso caráter humano, mesmo que exista um conflito ou situação adversa. Assim, em vez de reações automáticas e superficiais, a CNV garante respostas conscientes e baseadas na percepção de si e dos outros.

    Vale lembrar que o processo comunicação envolve dois ou mais indivíduos, os emissores e os receptores da mensagem. Usando o conceito de CNV, os participantes vão ouvir (ou ler) a informação ou relato prestando atenção às necessidades fundamentadas de forma clara, bem como nos sentimentos que aquela situação estaria lhe causando.

    Depois da escuta ativa e atenta e da autorreflexão para entender seus próprios limites e necessidades, o indivíduo que está sendo interpelado vai expressar sua posição de forma objetiva, respeitosa e transparente.

    A comunicação não-violenta pode ser aplicada para comunicações internas da empresa, gestão do sucesso do cliente, redes sociais e qualquer outra interação que você precise produzir. E no mundo corporativo, ela pode integrar sua marca, reforçando características como honestidade, fidelidade e foco na satisfação do cliente.

    Mesmo antes do conceito ser desenvolvido, muitas pessoas já usavam a CNV. Porém, a partir de seu estudo e desenvolvimento de um conceito que listava suas boas práticas e possibilidades para adquirir tais habilidades, a comunicação não-violenta ganhou espaço no mundo dos negócios, especialmente nas áreas de vendas, que envolve negociações, marketing e publicidade, que estão regularmente interagindo com o público-alvo e mercado.

    Qual a origem da comunicação não-violenta?

    Rosenberg em sua biografia, ainda na juventude, vivenciou episódios de violência e segregação que o marcaram. Com o passar dos anos, decidiu cursar psicologia para aumentar sua compreensão sobre o comportamento humano violento.

    Já como psicólogo formado e depois de ter sido bem-sucedido com sua clínica, resolveu tornar-se taxista para estar mais próximos das pessoas sem ter uma relação financeira que ditasse sua visão para a psicologia. Mais tarde, depois de muitas experiências valorosas, retomou aos estudos para adquirir seu PhD em Psicologia Clínica.

    A disseminação da CNV deu-se em um momento crítico da história dos EUA. A segregação da população por questões raciais tornava a comunicação violenta e improdutiva. Restrições a determinados locais, áreas separadas e outras políticas que davam condições diferentes para cada indivíduo só intensificavam os debates e ações violentas.

    Foi quando Rosenberg começou a mediar conflitos e estudar formas de orientar alunos, professores e outros membros da comunidade acadêmica a se comunicar melhor, além de apoiar e atuar em movimentos para o fim da segregação.

    Rosenberg propunha uma postura pacífica para resolução de problemas e a escuta sem julgamentos fazendo com que as partes que se encontravam em oposição parassem e refletissem sobre outra a perspectiva, trazendo a empatia para um momento de conflito tão tenso.

    Sua contribuição com a disseminação dos conceitos da CNV ganhou apoio de outros colegas da área, sendo adotada por gestores, políticos, médicos, educadores, policiais, entre outros.

    Em 2005 seu livro “Comunicação Não-Violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais” foi lançado trazendo os pilares da CNV.

    Quais são os pilares principais da CNV?

    O contexto histórico de conflitos, violência e segregação que inspirou o criador do termo CNV foi intenso. E, se as boas práticas de comunicação não-violenta foram capazes de ajudar em tais resoluções no passado, os problemas atuais que pessoas e profissionais enfrentam em suas interações parecem até menores.

    Abaixo separamos os pilares principais da CNV, veja quais são seus principais elementos.

    Consciência

    É preciso conhecer seus sentimentos e atitudes primeiramente, ou seja, trabalhar seu autoconhecimento. Identifique suas forças e fraquezas e entenda seus desejos e anseios — faça tudo isso sem julgamentos. Essa é uma comunicação íntima e, ainda assim, fundamental para que as demais sejam conduzidas de forma clara e justa.

    Linguagem

    A linguagem tem o poder de atrair ou afastar os interlocutores, seja pela escolha das palavras, pelo tom de voz, ou ainda das expressões e forma de verbalizar as ideias.

    Então, para uma boa comunicação, o primeiro passo é refletir antes de falar considerando o que precisa ser compreendido pela outra parte, quais as possíveis emoções que ela pode ter em relação ao assunto e qual a melhor maneira de comunicar isso.

    Esse é um pilar muito importante para trabalhar nas redes sociais, por exemplo. Um profissional da odontologia que deseja trazer conteúdos sobre pacientes com traumas e medo de procedimentos deve evitar termos difíceis de compreender, descrições frias sobre dor etc.

    Isso porque tal linguagem pode afastar ainda mais os interlocutores. Em vez disso, usar palavras compreensíveis e descrever o processo, delimitando o início, meio e fim, pode ser muito mais empático e motivador.

    Comunicação

    Depois de se preparar para a fala com o autoconhecimento e a escolha da linguagem mais adequada, é hora de ouvir atentamente o outro, que pode iniciar a conversa de maneira natural ou ser questionado.

    A atenção deve ser na mensagem do interlocutor. Suas reações, informações, formas de se expressar devem ser percebidas e registradas, mesmo que essas ideias não estejam sendo construídas sob os pilares da CNV, afinal de contas, nem todo mundo vai ter acesso ou interesse nesse aprendizado.

    É comum que durante uma conversa, as pessoas comecem a ouvir o outro e mudem o foco para as respostas que deseja dar para cada argumento. Algumas ficam até impaciente para cortar a fala do outro e opinar.

    Essas não são posturas adequadas para a comunicação não-violenta e, quase sempre, acaloram os conflitos. Em vez disso, mantenha o foco em toda a fala do interlocutor ponderando, inclusive, pela construção da ideia e a forma como os sentimentos vão entrando em cada parte do argumento.

    Isso não significa que as duas partes vão concordar sempre ou terão opiniões similares. Ouvir é um ato de respeito a percepção do outro, e por essa atitude é possível cativar a confiança do outro de que uma solução comum será encontrada.

    Influência

    O estudo da CNV não tem como objetivo aprimorar seu poder de convencimento a qualquer custo. Não é sobre aprender a impor sua opinião sem que o outro perceba. Mas sim com o aprendizado que muitas vezes as duas partes terão que ceder para encontrar a melhor solução.

    Em um conflito, os envolvidos querem ganhar e acreditam em um primeiro momento que só existem duas opções: ser o vencedor ou o perdedor. Mas a partir do uso da comunicação não-violenta para tais situações, é preciso encontrar variáveis satisfatórias para todos.

    Separamos aqui alguns artigos sobre posicionamento de marcas que podem te interessar:

    Como praticar CNV diariamente?

    Para colocar a CNV em prática, vale usar seu passo a passo que consiste em: ouvir e observar, indagar os sentimentos, compreender as necessidades e argumentar. Nessa programação, a comunicação terá passado pelos principais pilares da CNV, ou seja, consciência, linguagem, comunicação e influência. Entenda mais abaixo!

    Observe a pessoa e o contexto

    Observe as reações do interlocutor, separe o indivíduo da ação e escute sem julgamentos. Isso ajudará na compreensão das diferentes mensagens que o outro deseja transmitir e se fazer entendido. Vale lembrar que, muitas vezes, o próprio indivíduo não terá certeza sobre suas ideias e sentimentos.

    Deixá-lo falar também é uma oportunidade para que ele se entenda e consiga nomear suas necessidades.

    Identifique os sentimentos

    Os sentimentos de todos os envolvidos podem mudar o rumo da conversa, ou torná-la inviável. E, muitas vezes, eles não estão claros. Por isso, dedique atenção ao que você está sentindo e almeja, bem como observe as emoções do outro.

    Compreenda as necessidades

    Depois de identificar os sentimentos, foque nas necessidades. Na verdade, eles andam juntos e essa será uma reflexão quase subsequente. Ainda assim, pondere se eles estão alinhados com o que você esperava e procure caminhos para que todas, ou as principais demandas possam ser atendidas.

    Comunique e argumente

    Usando a linguagem correta e todas as observações anteriores, argumente suas ideias e até sentimentos. Como reforçamos, elas nem sempre serão iguais ao do interlocutor e, por você ter demonstrado respeito às ideias dele, é esperado que ele faça o mesmo e, assim, uma solução intermediária seja encontrada por todos.

    Em um atendimento ao cliente humanizado, por exemplo, é preciso avaliar o que ele está precisando e as emoções que cercam a negociação. Ao mesmo tempo, o vendedor precisa considerar suas demandas, emoções e o quanto a venda é importante para ele. Com tudo isso mapeado, é possível fazer uma abordagem personalizada, que cative o outro por demonstrar que ele foi ouvido ativamente.

    Não compare ou julgue

    Vale reforçar que opiniões e necessidades diferentes sempre vão existir. Todavia, é preciso respeitá-las. Ao fazer isso, além de conquistar a confiança e admiração do outro, você também estará em paz com seus sentimentos e necessidades. A CNV serve para saber comunicar melhor, mas seus benefícios também são percebidos por quem a pratica.

    A CNV é usada em diversas áreas e os treinamentos de vendas e atendimento ao cliente recorrentemente usam suas ideias para melhorar as abordagens de seus times. E, não é incomum ver na mídia casos em que atendentes de lojas estavam sendo empáticos e até repetindo as reações de um cliente mais exaltado. Mais uma vez, não se trata de concordar, mas de demonstrar que se importa com a opinião do outro e deseja encontrar uma solução pacífica e satisfatória.

    Trabalhando a CNV nos relacionamentos internos, comunicação com o mercado e gestão de clientes, o negócio conseguirá fortalecer seu posicionamento e confiabilidade. Quer refletir mais sobre isso? Acompanhe uma entrevista completa e legendada com a Sarah Dawley, da Hootsuite sobre a forma mais humana das marcas se posicionarem das redes sociais.

    Compartilhe
    facebook
    linkedin
    twitter
    mail

    CONTEÚDO CRIADO POR HUMANOS

    Encontre os melhores freelancers de conteúdo no WriterAccess.

    CONTEÚDO CRIADO POR HUMANOS

    Encontre os melhores freelancers de conteúdo em WriterAccess.

    Inscreva-se em nosso blog

    Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email

    Posts Relacionados

    Compre conteúdo de alta qualidade com a WriterAccess.

    Tenha acesso a mais de 15.000 freelancers especializados em redação, edição, tradução, design e muito mais, prontos para serem contratados.

    Fale com um especialista e amplie seus resultados de marketing.

    A Rock Content oferece soluções para produção de conteúdo de alta qualidade, aumento do tráfego orgânico e conversões, e construção de experiências interativas que transformarão os resultados da sua empresa ou agência. Vamos conversar.