‘Não comece a produzir conteúdo até que você entenda a história da sua marca’, diz Brianna Dunbar, Podcaster e Growth Expert

entrevista Brianna Dunbar
Estratégias de Conteúdo com Patrícia Moura

Não é novidade que a internet e o mundo hoje estão repletos de informações e conteúdo. Tanto que muitas marcas podem ter começado a se perguntar o que mais há para criar e como acompanhar as tendências.

Nesse sentido, tem-se falado constantemente sobre a necessidade de humanizar o conteúdo e investir em estratégias para que ele se destaque. Mas como você pode se diferenciar para um público difícil como o que temos hoje, e o mais importante: você pode criar um conteúdo realmente impactante se você não sabe quem você é?

Essa foi a busca que levou Brianna Dunbar, fundadora do incrível podcast Badass Basic Bitch, ao sucesso e ao crescimento de um negócio multimilionário.

Trabalhando com conteúdo e desenvolvimento de marca, Brianna de repente percebeu que havia criado toneladas de marcas diferentes, mas, no final das contas, ninguém sabia quem ela era. “Eu não era ninguém, mas estava construindo todas essas grandes marcas… foi quando percebi por mim mesma que quando as pessoas me procuravam, eu queria que elas soubessem quem eu sou e eu queria controlar essa narrativa.”

Foi quando ela começou sua própria marca e deu um rosto, uma voz e um coração ao seu conteúdo, tornando-o vivo. Isso atraiu as pessoas, fazendo seu público crescer exponencialmente.

Nesta Jam Session da Rock Content, que é um mix de entrevistas, webinars e muito mais com os melhores profissionais de Marketing do mundo, Brianna compartilhou sua história e deu dicas e insights brilhantes sobre construção de marca e criação de conteúdo.

Mãe solteira de três filhos, ela conseguiu reunir um público imenso e alcançar grandes oportunidades de negócios ao se deixar ser honesta e vulnerável ao seu público e criar conteúdos humanos, pessoais, autênticos e atrativos.

“Você não consegue ter uma marca sem conteúdo”, afirma. “Não comece a produção de conteúdo até que você entenda a história da sua marca, até que você tenha essa noção de quem você é ou o que sua empresa representa. Literalmente, não faça nada até ter essa história e as diretrizes da marca.”

Para te inspirar ainda mais a criar conteúdos incríveis, confira as dicas da Brianna e saiba como dar mais vida à sua marca e enriquecer sua narrativa para que seu público realmente queira ouvir mais de você.

Confira isso (e muito mais) na entrevista legendada (ou leia a transcrição abaixo):

Transcrição

TaQuanyia “TQ” Boston: Hoje temos a incrível Brianna Dunbar-DeMike como nossa palestrante convidada.

Ela tem um podcast incrível chamado Badass Basic Bitch, o que permitiu que ela alcançasse um público numeroso de mais de 750 mil pessoas, enquanto constrói autoridade de marca, quando se trata de criação de conteúdo e branding.

Além disso, ela também está no mundo do empreendedorismo, já tendo criado, vendido e colaborado com diversas startups. Ela está arrasando na sua carreira enquanto é mãe de três filhos e com mais uma a caminho.

Brianna, obrigada por estar conosco hoje.

Brianna Dunbar-DeMike: Obrigada! Eu estou muito animada por estar aqui hoje, obrigada por me receber.

TaQuanyia: Sem problemas. Então, eu sempre gosto de estrear a passarela para nossos convidados. Fale um pouco sobre você e um pouco sobre sua trajetória profissional.

Brianna: Claro. Como você disse, eu sou uma mãe de três, e uma que está a caminho. Para mim, este é, provavelmente, o fato mais importante sobre mim. Em certo momento eu fui mãe solteira de três e casei novamente no ano passado. Por isso, estou indo para o número quatro. Venho de uma educação muito humilde. Eu cresci em um subúrbio de Nova York.

Uma de cinco, minha mãe era uma mãe solteira de cinco filhos e foi uma luta para ela sustentar todos nós. E o ambiente escolar sempre foi difícil, mais tarde descobri que tinha dislexia e TDAH e só quando eu consegui estabelecer a maneira que eu queria trabalhar, e o que funcionava melhor para mim que comecei a ver sucesso na minha carreira, e foi aí que comecei a Zen Content.

Essa foi minha primeira empresa, cresceu para ser um negócio multimilionário. Vendi em três anos. Mas no geral, passei os últimos 15 anos construindo marcas para algumas empresas realmente incríveis como Walmart, Nationwide, todas as subsidiárias da Pottery Barn.

Então estou animada para falar sobre este tema, que eu sei que você vai entrar, mas em 2019, decidi que era hora de construir minha própria marca.

TaQuanyia: Uau! Apenas uau. Você falou sobre realmente superar a adversidade e garantir que você assuma o controle de sua vida e construa algo do qual possa se orgulhar.

Muito obrigada, Brianna, por compartilhar isso comigo.

E o assunto de hoje, nós vamos explorar as oportunidades que o Marketing de Conteúdo traz.

Embora haja uma variedade de tópicos a serem abordados, nos concentraremos principalmente na construção de marca, no alinhamento entre a criação de conteúdo, as mensagens da marca e os benefícios de usar todas essas coisas juntas.

Então, Brianna, como você é uma profissional experiente em criação de conteúdo, quais você considera os principais benefícios em conectar a marca e o conteúdo e como eles se relacionam e associam?

Brianna: Sim, é realmente interessante, porque como eu disse, eu já construí diversas de marcas e, no final do dia, ninguém sabia quem eu era. Eu não era ninguém, mas estava construindo todas essas grandes marcas, seja sua estratégia de marca ou a criação de conteúdo dos seus sites.

No final de 2019 decidi que era a minha hora, e o que percebi, para responder sua pergunta, é que você não pode ter uma marca sem conteúdo e, no final das contas, não importa se você está deslizando para a esquerda ou para a direita, quando você tem um encontro, qual a primeira coisa que você faz? Você dá um Google em alguém, não é? Assim que você dá match com alguém, você procura essa pessoa no Google. Se você faz entrevistas de emprego, qual a primeira coisa que você faz antes de entrevistar alguém?

Você procura ela no Google, você tenta achar seu perfil nas redes sociais, seu site, qualquer coisa sobre ela. E foi aí que eu percebi que quando as pessoas pesquisam sobre mim, eu quero que elas saibam quem eu sou, eu quero controlar essa narrativa, e eu só posso fazer isso criando um bom conteúdo e criando minha própria marca.

TaQuanyia: Uau, isso é tão impactante, especialmente para novas empresas ou empresas que já estão estabelecidas e que estão buscando ter controle da história da sua marca,ou da narrativa da sua marca, para, como você disse, ter essas pessoas, esse público-alvo, os descobrindo.

Então, muito obrigada. E sabe, nós vimos a evolução do conteúdo digital, não é? Ao longo dos anos. Passou de textos longos para imagens estáticas, depois vídeos e áudios e agora, você sabe, estamos no Instagram, Tik Tok, Reels e YouTube. Como você vê as marcas evoluindo à medida que o conteúdo evolui?

Brianna: Sabe, isso é interessante, porque é claro que há uma tendência significativa em que dizem que conteúdos longos estão morrendo lentamente e surgirão cada vez mais conteúdos em formatos curtos. E, na verdade, eu não acredito totalmente nisso. Acredito que estamos vendo uma tendência significativa de demanda por conteúdos curtos, mas não acho que os conteúdos longos vão desaparecer e tudo vai se tornar vídeos de 15 a 30 segundos.

Tem um porquê do Tik Tok ter começado com vídeos de 15 segundos e agora você pode fazer vídeos de minutos, né? Isso é tentar encontrar um equilíbrio. Eu acho que os formatos de vídeos curtos são divertidos, interativos, você pode se relacionar com eles, são envolventes. Mas é difícil trazer uma mensagem neles. Sabe, é bem difícil.

Existe uma diferença entre, aqui está o meu discurso de elevador, aqui está o meu discurso de elevador de 30 segundos e então isso deixa você interessado e então aqui está o meu livro sobre mim. E acho que os vídeos rápidos são essa porta de entrada, de apresentação, aqui está um gostinho, um trecho, mas depois entre pela porta e perceba que há mais sobre mim do que apenas esses golpes rápidos.

Então eu acho que os vídeos em formato curto, especialmente para as marcas, ou conteúdos curtos, especialmente para as marcas, vão servir para que você receba as informações ou as mensagens o mais rápido possível, para que você fique interessado. Então eu retenho você com o formato mais longo, aumento a autoridade, num tipo de conteúdo e mensagem mais vulnerável.

TaQuanyia: Isso faz muito sentido e fala sobre como o conteúdo é criado, né? No começo, quando você está escrevendo algo, como um post de blog, você tem que prender aquele leitor e é isso que esses vídeos curtos podem fazer.

Mas, sabe, você realmente quer retê-los o suficiente para levá-los ao restante deste conteúdo. Isso é tão importante e muito obrigada por compartilhar essa perspectiva.

Sabe, eu sempre pergunto, quais são os desafios que você vê os profissionais de Marketing enfrentando ao implementar uma estratégia de branding, sempre que eles precisam usar o Marketing de Conteúdo como o alicerce da sua Estratégia de Marketing?

Brianna: Sim, acho que tentar descobrir quem são eles. Especialmente para empresas mais novas ou pessoas mais novas que querem construir sua marca, isso pode ser muito caótico e confuso.

Como, para mim, “sou mãe, sou empresária, sou esposa, eu adoro cozinhar, eu adoro fazer artesanato”, tipo, ok senhora, isso é demais. Acho que restringir, não perder sua marca, mensagem e propósito, mas ainda ser consistente. Acho que essa é provavelmente a outra coisa: é difícil ser consistente, você tem que ter disciplina e, sabe, isso é uma coisa difícil de fazer.

Acho que essas são provavelmente as grandes coisas e, por último, provavelmente, encontrar os recursos para criar o conteúdo. Você não é escalável. Você não pode simplesmente produzir mais e mais conteúdo sozinho. Sua equipe de três não pode produzir todo o conteúdo que você deseja criar. Então, ser estratégico e terceirizar.

E então, o último é encontrar a capacidade de ter esse conteúdo evergreen e redirecionar o conteúdo e adaptá-lo de maneiras diferentes, para que você não reinvente a roda toda vez que produz algo.

TaQuanyia: Uau, que informação valiosa! Especialmente o que você estava dizendo sobre continuar a ser consistente, mas também perceber, ei, quando você precisa de ajuda, ter certeza que você terá essa ajuda disponível e encontrar esses recursos e, em seguida, criar esse conteúdo perene, evergreen, que durará e que fará com que seu público volte para mais.

E você definitivamente fez uso dessas dicas porque, bem, novamente, você é uma pessoa incrível que construiu um grande número de seguidores.

Como você é conhecida pelo seu podcast e este é um canal que vem crescendo e continua crescendo para você, quando se trata de audiência, como os podcasts podem realmente se destacar de outros formatos de conteúdo?

Brianna: Sim, há duas coisas aí: como o seu podcast se destaca dos milhares e dezenas de milhares de podcasts que já existem e como você se destaca de outros conteúdos que você poderia fazer?

Acho que, em termos de destacar seu podcast dos outros, é encontrar esse espaço em branco. Para mim, era tudo sobre as vozes das mulheres. É difícil encontrar podcasts ou mesmo canais onde possamos ouvir mulheres aparentemente comuns falarem sobre seus grandes sucessos, e eu sentia que você tinha que ser a Cheryl Sandbergs do mundo para que sua história fosse ouvida.

E não era isso que eu queria. Sabe, há tantas mulheres incríveis fazendo coisas, e você pode se relacionar muito com isso, porque é literalmente sua vizinha, ou sua amiga, ou sua irmã, ou quem quer que seja, e você se relaciona demais, você olha para eles, ouve essas histórias e diz “sabe, ela pode fazer isso, eu também posso” versus ouvir a história de Christina Tosi, onde você fica tipo, “tudo bem, obviamente ela começou a Milk Bar, ela é um gênio”.

E então eu acho que é encontrar esse espaço em branco e o que e como ser diferente. Em termos de como se destacar de outros formatos de conteúdo, não acho que você precisa se destacar por si só. Eu sempre recomendo fazer vídeo e, em seguida, o que você faz é pegar esse conteúdo de formato longo e colocá-lo em trechos.

E então eu corto todos eles e compartilho no Instagram, no meu Instagram pessoal e no meu Instagram profissional, que é o Instagram do Badass Basic Bitch. E no Tik Tok, também temos nosso Tik Tok. Trata-se de redirecionar esse conteúdo e aproveitá-lo em diferentes plataformas, de diferentes maneiras.

E você ainda está aumentando seu público em todas essas plataformas e isso vem apenas de um conteúdo longo cortado.

TaQuanyia: Isso faz muito sentido, tentar diversificar os canais que você usa pode ajudá-lo a aumentar seu público e acho que esse é um ótimo conselho para todos os tipos de marcas.

E como seu podcast foi capaz de ajudar na construção da sua marca pessoal?

Brianna: Isso é muito interessante. Eu comecei o podcast como uma jornada de cura para mim, eu vivi muitos traumas, e usei o podcast como um meio de contar minha história, mas também me curar por meio de histórias de outras pessoas.

Os assuntos que tratamos lá eram variados e isso me permitiu entender a mim mesma, meu propósito e o que eu defendo. E isso, por sua vez, me permitiu descobrir qual é a minha marca, e acho que essa é, provavelmente, a maior coisa que veio disso, porque quando você pensa sobre quem você é, pode ser muito difícil. Porque muitas pessoas ficam “eu sou tantas coisas” ou “eu poderia ser tantas coisas”. Ou “o que me faria ter uma audiência, se eu pudesse ser essas coisas?”

E no final das contas, você não vai crescer se estiver fingindo ser algo que não é ou se você está tentando ser algo que você não é. Para mim, pessoalmente, me permitiu descobrir o que exatamente é a minha marca e isso abriu esse “eu” autêntico e vulnerável, que aumentou meu público e me permitiu ter mais palestras pagas; cresceu meu Instagram significativamente.

Acho que quando comecei meu Instagram pessoal, eu tinha talvez 20.000 seguidores e mais de 80.000, em um ano. Meu Instagram profissional, começamos com 100 pessoas e agora somos mais de 30.000. Na verdade, consegui muitas oportunidades de trabalho. Teve uma que eu peguei, muitas que recusei.

Mas isso me permitiu essas escolhas: as pessoas vinham até mim e me perguntavam se eu queria ser entrevistada versus eu pedindo para ser entrevistada. Cresceu meu LinkedIn e, honestamente, minha comunidade na minha vida real, não apenas nas redes sociais. Mas isso me permitiu melhorar os relacionamentos em minha própria comunidade, no cotidiano.

Então, abriu várias portas para mim, em todos os aspectos.

TaQuanyia: Isso é um sucesso e realmente parece que você teve tempo para humanizar sua marca e, assim como você disse, certificar-se de que você era autêntico e realmente contava a história, é o que naturalmente atraiu as pessoas para sua narrativa, seu conteúdo e permitiu que você crescesse seu público.

Então eu acho que isso é tão fundamental, e sabe, se você planeja ou não ser um influenciador digital é um plano.

Queríamos perguntar: por que os profissionais de Marketing devem se preocupar com sua marca pessoal?

Brianna: Sim, para mim acho que essa é uma ótima pergunta, porque a maioria das pessoas pensa que se você está no Instagram, tem um podcast, está no TikTok, quer ser um influenciador digital. E se eu não quiser ser um influenciador, então não preciso fazer nenhuma dessas coisas.

E o que sempre digo a eles é que eu não quero ser uma influenciadora digital, não é por isso que eu faço isso. Eu não vendo nada no Instagram, eu não faço anúncios, normalmente não faço anúncios. Eu tenho alguns patrocinadores para o meu podcast, mas geralmente não empurro anúncios para as pessoas comprarem coisas.

Mas, aqui estão os benefícios, para mim: estou construindo outra empresa e os benefícios de ter uma marca são quando vou arrecadar dinheiro. Esses investidores vão me conhecer por mais de cinco minutos que eu estou me apresentando para eles, porque eles vão saber que eu tenho todas essas outras coisas.

E me desculpe, com um nome como Badass Basic Bitch, eles vão ouvir alguma coisa. Eles vão, ao menos, rolar a tela e talvez alguma coisa chame a atenção e talvez eles escolham investir em mim. Quando eu vou contratar pessoas para a minha empresa, eles vão me procurar, eles vão ver que eu sou sobre empoderamento, que eu falo sobre conselhos de carreira, que eu falo sobre melhorar a si mesmo e sobre mindfulness e mentalidade, e acredito que eles estarão mais propensos a querer se juntar à minha equipe e falar sobre o que eu falo.

Quando vou vender meus serviços para alguém, tenho uma pegada digital de quem sou e as posições em que acredito. Trata-se de servir meus clientes e quero o melhor para meus clientes e aqui estão todas essas coisas que tenho feito para provar isso.

Eles provavelmente vão comprar meus serviços. E então, no final do dia, é como quando eu vou vender a empresa, há benefícios por toda parte e se você estiver tipo, “ok senhora, eu não quero construir uma empresa. Eu não quero nenhuma dessas coisas”. Certo, um dia você provavelmente vai querer mudar de emprego ou conseguir um novo emprego e apenas isso, conseguir essas entrevistas, passar pelos outros 100 candidatos contra os quais você está lutando, apenas com a conexão com o LinkedIn.

Eu me conectei com alguém recentemente que tinha mais de 500.000 seguidores e enviei um pedido de conexão, porque eu estava tipo, “eu amo essa pessoa. Eu quero ser amigo dele. Eu quero me conectar com ela”.

Então, enviei-lhes um pedido de conexão e eles me escreveram e disseram “ei, minhas conexões estão cheias, mas apenas seu título, que você é apresentadora de um podcast chamado Badass Basic Bitch, eu literalmente removi alguém para poder adicionar você para ser minha conexão”. E eu estava tipo “eles nem me conhecem, mas agora estamos conectados”.

E adivinha, começamos uma conversa e essa conversa se tornou muitas conversas e agora estamos pensando em uma colaboração em algo. Ele abriu essas portas para mim e acho que com mais de 4 milhões de pesquisas no Google por minuto, é bem possível que alguém acabe pesquisando no Google a marca da sua empresa ou sua própria marca pessoal.

E você quer controlar a narrativa do que eles encontram e acho que esse é o maior benefício que isso oferece.

TaQuanyia: Isso é tão verdade. Você falou em apenas certificar-se de que está alinhado com seus objetivos e, uma vez alinhado com seus objetivos, fazer networking e criar essas oportunidades para si mesmo, por meio do conteúdo que você cria.

Muito obrigada por compartilhar isso. Eu sempre acho isso incrível, especialmente quando você está se apresentando e eu sei que você tem muitos espaços diferentes em que você está.

Você tem uma quantidade considerável de seguidores no Instagram, como você disse, assim como seu podcast e você compartilha muitas ideias e pensamentos interessantes no LinkedIn.

E também você está em seu blog. Você poderia me falar mais sobre a importância de se conectar com seu público em todos esses canais? Como utilizá-los juntos ajuda você a apresentar uma mensagem de marca mais clara?

Brianna: Sim, acho que isso garante que seu público o reconheça. Quero que as pessoas acessem meu LinkedIn, meu Instagram, meu Spotify, Apple podcast, ou o que for, e reconheçam que é a mesma coisa, é a mesma marca. Sou eu.

E acho super importante ter essa consistência. E não estou dizendo que tem que ser copiar e colar o material. Mas você quer a sensação e sua mensagem e este é o conselho que dou para pessoas que talvez queiram ser um influenciador digital ou que estejam vendendo coisas.

Tipo, se você estiver no Instagram, e eu usaria este exemplo, porque na verdade eu estava conversando com alguém sobre isso.

Se você está no Instagram e está mostrando a sua vida sendo mãe, e está apenas sendo mãe, e é uma influenciadora, e está apenas dizendo tipo “eu falo sobre a vida de mãe, e gosto de cozinhar biscoitos, nós vamos fazer DIYs para artesanato infantil o dia todo” e esse é o seu Instagram. Mas então você vai para o seu TikTok e é sobre festejar, e beber, e ir… Essa é uma conversa real que acabei de ter com alguém, que cria uma desconfiança em seus seguidores, porque eles ficam super confusos sobre quem você é.

E você quer essa repetição, você quer essa familiaridade e quer essa confiança. No final das contas, ter essas mensagens semelhantes e mensagens claras de marca apenas reforça esses principais benefícios e pontos de interesse e instaura uma sensação de que… posso confiar que você me dará uma sensação e mensagens semelhantes em todas as suas plataformas.

Acho que essa é provavelmente a coisa mais importante e o conselho mais importante que eu poderia dar.

TaQuanyia: Isso é tão impactante, sabe? Certificar-se de ser claro e conciso em todos os canais realmente estabelecerá confiança e garantirá que a mensagem da sua marca seja muito clara para o seu público. Você definitivamente fez um trabalho incrível nisso.

Sabe, no seu podcast e nas suas redes, você mencionou isso durante nossa conversa, você geralmente fala sobre empoderamento feminino e eu acho que isso realmente faz parte do seu ser e acrescenta à sua marca pessoal. De onde você tirou essa inspiração?

Brianna: Acho que da minha mãe… Como não? Na verdade, isso é meio pessoal e interessante, mas minha mãe era extremamente inteligente. Ela foi a primeira mulher a se formar em sua faculdade de engenharia. Ela era engenheira e trabalhou nas asas dos ônibus espaciais da NASA. Ela trabalhou para Grumman. Mulher muito inteligente e determinada. Ela se casou e começou a ter filhos e decidiu desistir de sua carreira para ser uma dona de casa.

Essa foi a escolha dela. Ela escolheu. E ela teve cinco filhos, todos com um ano e meio, dois anos de diferença, e meus pais acabaram se divorciando. Meu pai lutava contra o abuso de substâncias e ela acabou sendo uma mãe solteira de cinco filhos, sem uma carreira, porque, adivinhe, quando você desiste de sua carreira na engenharia por vários anos, você não pode simplesmente voltar e ser engenheira.

Então vê-la, em uma idade muito jovem, aos sete anos, voltar para a escola, voltar a trabalhar e fazer todas as coisas e ainda ter essa carreira, foi extremamente impactante para mim. Especialmente porque, quando eu cresci, não era muito comum encontrar uma mãe solteira.

A maioria das pessoas ainda permanecia casada e o divórcio não era uma coisa muito comum e acho que na minha escola, na época, ela era provavelmente a única. Acho que vê-la batalhar sozinha realmente me impactou ao dizer que, sabe, não podemos continuar com isso em nossa sociedade, onde arrastamos as mulheres para baixo ou as julgamos porque não conhecemos a história completa.

Em vez disso, temos que mudar nossa mentalidade e empoderar as mulheres, nos empoderar versus tentar competir e derrubar. É tudo sobre construir e então eu acho que isso é provavelmente o que mais me inspirou e porque eu queria fazer isso com minha própria história.

Apesar de algumas semelhanças, é uma história muito diferente da minha mãe. Combinadas, como eu disse, isso é algo que eu sou tão apaixonada e agora tenho um menino e duas meninas, e uma menina a caminho e agora sinto com mais força que tenho que continuar essa missão de ensiná-los e, assim, quando crescerem, eles também terão uma mentalidade semelhante.

TaQuanyia: Isso é tão impactante e bonito, muito obrigada por compartilhar isso. Pessoalmente, sendo mãe, às vezes, temos que tomar a decisão de se queremos ser mães em tempo integral, que é um trabalho em tempo integral 24 horas por dia, 7 dias por semana, ou ter uma carreira.

Eu definitivamente acredito que as coisas que você está fazendo são importantes para tantas mulheres. Só de mudar a mentalidade é valioso para qualquer um e, com isso dito, se você pudesse dar uma dica para as pessoas que estão assistindo isso e eles estão querendo começar a criar ou querem escalar sua produção de conteúdo, qual seria?

Brianna: Ok, então há várias dicas. 

Eu diria para quem está querendo iniciar na produção de conteúdo, primeiramente, não comece a produção de conteúdo até que você entenda a história da sua marca, até que você tenha essa noção de quem você é ou o que sua empresa representa.

Literalmente, não faça nada até que você tenha essa história e as diretrizes da marca. Eu não me importo se eles são formais ou informais. Escreva-os. Digite-os. Não importa. Você precisa de algum tipo de estrutura para garantir que tudo o que você está produzindo esteja apoiando essa história e essa referência.

O que isso significa é que você tem uma missão. Você tem uma visão. Você tem seus valores fundamentais. Você tem sua personalidade. Você é peculiar? Você é sério? Você é técnico? Você é engraçado? Qual é a sua personalidade e como você transmite isso através da sua voz? Então, quem são suas personas? Quem você quer ouvir, ou que quer comprar de você, ou visitar você, ou engajar com você?

Então, é claro, você pode adicionar o logotipo e a paleta de cores e à imagem e todas essas outras coisas. Mas isso não é necessário. Mas, no mínimo, você precisa dessas diretrizes de marca, porque se você estiver produzindo conteúdo, especialmente em escala, ele precisa se vincular a um dos seus alicerces ou dos alicerces da sua empresa.

TaQuanyia: Isso realmente é impactante, essas dicas que está fornecendo porque, novamente, você as enfatizou repetidamente para realmente humanizar sua marca e realmente torná-la relacionável com quem você é.

E isso, novamente, cria essa consistência, essa mensagem clara da marca. Embora você tenha nos dado muitas dicas sobre o que alguém deve fazer para criar ou começar, e as sugestões de conteúdo? Quais são os livros, podcasts e qualquer outra coisa que possa inspirar uma carreira? Quais são suas sugestões pessoais sobre isso?

Brianna: Sim, eu acho, eu não posso repetir o suficiente, e eu falo muito isso no meu podcast, é “ser você não deve ser difícil” e isso serve para a marca da sua empresa também, não deve ser difícil.

Se você está tendo dificuldades para ser você ou ter sua empresa se representando, como sente que deveria ser, isso deve fluir facilmente, e você precisa entender quem você é primeiro como pessoa, como empresa, dependendo do tipo de marca que você está criando.

E eu retorno a esse conceito de entender sua estratégia de marca e esses pilares. Essa foi uma jornada que fiz quando comecei minha própria marca. Sentei e disse “quem sou eu”, porque naquela época eu não sabia quem eu era e isso foi há apenas três anos. Eu me perguntei, “eu sou mãe? Eu sou uma mulher de negócios? Eu sou filha de um viciado? Eu sou uma mãe solteira? Sou sobrevivente de abuso? Quem sou eu? Como eu quero me representar para alguém?”

Eu acho que você tem que entender isso antes de ir e tentar se inspirar em qualquer tipo de livro ou podcast para ajudá-lo. Agora,dito isso, ainda darei minhas sugestões pessoais sobre quais livros e podcasts você pode ler e ouvir, porque se você já está tipo, “ok, eu sei quem sou. Eu sei o que eu quero ser. Estou procurando alguma inspiração”.

Acho que em termos de quem você é e confirmando isso, tem… eu sou super apaixonada pelo eneagrama. Se você não fez o eneagrama, vá fazer. Descubra qual número você é. Aprenda sobre isso. Eu sou tão contra testes de personalidade, eu sempre me senti tipo “Myers-Briggs e a roda de cores e, sei lá, os descobridores de força”.

Eu sentia como se todos fossem besteira, porque todos vão falar de partes de mim, mas quando eu me deparei com o eneagrama, eu não estou brincando, eu chorei. Quando li, fui a um seminário porque li e fiquei tipo, “oh, isso realmente parece que estou conectado a isso”.

Fui a um seminário e chorei no seminário, quando o cara estava falando sobre meu número e os valores fundamentais e o que fazemos quando estamos em uma mentalidade saudável ou em uma mentalidade de estresse, porque eu me relacionei tanto e eu estava tipo “me tire daqui. Isso é super desconfortável”.

Então, eneagrama. Há um livro chamado “The Road Back To You”, que é sobre o eneagrama e esse seria o primeiro lugar para onde eu iria. Acho que há outros dois livros para entender a si mesmo e sua marca e descobrir o que você representa, e talvez mais sobre você e sua história como pessoa ou empresa, são “O que aconteceu com você?”, do Dr. Bruce Perry e Oprah Winfrey.

É um livro incrível. E então “Limites”, porque limites você pode defini-los para o trabalho, pode defini-los para sua vida. Você realmente vai entender seus valores fundamentais e é super interessante, porque você não precisa apenas definir limites para si mesmo. Você pode definir os limites da empresa.

Se você está vendendo um produto que tem conformidade e regulamentação, qual é o seu limite entre lançar um produto que pode não ser totalmente compatível? Eu acho que é super importante entender, em termos de identificar quais são seus valores centrais, o que você está disposto a ultrapassar e não ultrapassar.

Outros livros, “The Confidence Code” é bom. “O poder da presença” é bom, de Amy Cuddy. Acho que esses são provavelmente bons pontos de partida. 

TaQuanyia: Muito obrigado por compartilhar esse feedback. Nós temos, eu queria apenas tirar um instante, nós temos algumas perguntas que eu acho que são ótimas para este momento.

Também economizaremos algum tempo no final da conversa. O que sugere para os profissionais de Marketing que estão lutando para construir marcas para sua empresas, especialmente considerando todas as coisas que você disse?

Encontrar essa inspiração, entender quem eles são, porque mesmo que você seja apenas uma pessoa, uma pessoa tentando construir uma marca, se você tem uma empresa e está tentando construir uma marca, você pode ter ainda mais dificuldades com isso, tentando entender “quem sou eu? Quem é meu público-alvo? O que eu quero fazer?” O que você sugere para os profissionais de Marketing que estão lutando para construir marcas para suas empresas?

Brianna: Sim, se você está ficando sem ideias de conteúdo, a melhor coisa que você pode fazer é fazer uma sessão de feedback com o cliente. Converse com seus clientes. Algo que eu fiz recentemente, eu fui anfitriã de um happy hour com alguns dos meus ouvintes do Badass Basic Bitch e eu queria saber, o que vocês adoram ouvir? Sobre o que vocês querem ouvir mais?

E aproveitei esse feedback para conhecer meus ouvintes e ouvi-los dizer “queremos mais desses tópicos. Pare de falar sobre x, y e z, queremos ouvir isso”. Acho que é provavelmente um modo.

Agora, se você acha que ainda não tenho muitos clientes ou ninguém quer dar feedback, a outra coisa que você pode fazer é ver o que seus concorrentes estão fazendo e o que está funcionando para eles. Não dizendo necessariamente roubar suas idéias, exatamente, mas é uma pesquisa de mercado.

Dê uma olhada em seus concorrentes, veja o que está funcionando para eles e talvez você descubra que… “oh”, tipo, vídeos curtos, que são alegres, vão além do que estou fazendo, então deixe-me tentar isso. Acho que são provavelmente as duas coisas tangíveis que as pessoas podem fazer de imediato.

TaQuanyia: Outra coisa que você mencionou, que é outra pergunta, e flui e segmenta tão perfeitamente, você mencionou quando você está ficando sem ideias de conteúdo.

Bem, uma das perguntas era: houve um momento em que você ficou sem uma ideia de conteúdo? O que você fez? Como você trouxe as ideias de volta?

Brianna: Ai, cara! 

Não, quero dizer, eu nunca fiquei sem ideias de conteúdo. Comecei meu podcast no início de 2020, então acabei de concluir um ano. Eu, pessoalmente, não. E além do mais, o tópico que tenho é bem amplo. Acho que essa é outra coisa importante: é não se limitar.

Pelo menos em uma marca pessoal. Não se limite apenas ao blog de cozinha DIY. Porque é tipo, então você não pode sair da cozinha, você só pode fazer essas coisas. E, para mim, é sobre o empoderamento das mulheres e isso pode significar qualquer coisa.

Acho que tentar mantê-lo amplo. Agora, se você é um profissional de Marketing e está tendo dificuldade para construir as marcas para empresas, que realmente têm um tópico específico, isso pode ser uma batalha, porque talvez você pense, “bem, minha empresa só vende azulejos de cozinha e, portanto, só posso criar conteúdo para azulejos de cozinha”. Adivinha? Isto é errado.

Existe algo chamado Marketing de Afinidade, e o que é realmente fascinante é que eu estava trabalhando com uma empresa de aluguel de móveis. Eu estava construindo a marca deles, e eles só escreviam peças sobre aluguel de móveis.

Eu fiquei tipo “certo, por quê? Quem aluga seus móveis?” Famílias militares. Certo? Eles se preocupam com o aluguel de móveis, eles estão em constante mudança e estão constantemente precisando alugar coisas. O que fazem as esposas de militares? Porque provavelmente está sendo alugado por esposas de militares, porque a maioria dos militares são homens casados ​​e estão sendo implantados.

Então a esposa está em casa, normalmente, e é ela quem está gerenciando a mudança e gerenciando os aluguéis. Com o que elas se importam? Então começamos a escrever sobre esses assuntos que não tinham nada a ver com aluguel de móveis.

Minha maior recomendação para profissionais de Marketing que estão com dificuldades de achar ideias de conteúdo é pensar no Marketing de Afinidade. Quem são seus clientes e com que outras coisas seus clientes se preocupam? Não precisa estar absolutamente relacionado ao que é seu produto ou serviço.

Isso… Porque o que vai acontecer é que essas pessoas vão pesquisar e vão encontrar o seu conteúdo. Eles vão gostar do seu conteúdo e vão lembrar do seu nome. Quando for a hora de alugar móveis, eles terão o reconhecimento da marca, do seu nome.

TaQuanyia: Você está definitivamente dando o ingrediente super secreto para a melhor receita de Marketing, porque isso é ouro. Você precisa encontrar outros caminhos para atrair, mas ainda assim torná-lo relacionável com você, para que, quando eles estiverem prontos para comprar ou procurar por você, ou seu produto e serviço, você seja a pessoa que eles vão contatar.

Isso é tão impactante, como falamos sobre uma variedade de coisas: conteúdo, o futuro do conteúdo, que está mudando sempre. E quais tendências futuras de Marketing de Conteúdo que você vê como as mais valiosas para empresas e empreendedores?

Brianna: 100% ser autêntico. Ponto final. Queremos realidade. Não queremos coisas falsas, não queremos uma versão criada do que você quer vender. Eles querem vulnerabilidade e há… Na verdade, acabei de terminar outro grande livro, “Culture Code”. Estava falando sobre 1982, Johnson & Johnson tiveram um enorme surto de Tylenol, onde alguém estava adulterando seu Tylenol.

Eles estavam colocando cianeto nos comprimidos de Tylenol. As pessoas estavam tomando e estavam morrendo com isso, e estava acontecendo principalmente em Chicago, e Johnson & Johnson foram chamados pela FDA.

Eles disseram, “ok, vamos marcar isso e não vamos assustar toda a América e apenas retirar o que está em Chicago”, por exemplo. E Johnson & Johnson poderiam ter dito, “ok, sim. Isso é só uma coisa de Chicago e vamos retirar isso, mas todo mundo está bem”. Mas eles não fizeram isso. Ao invés disso, o principal CEO, acho que foi ele, veio e disse “vamos retirar cem milhões de dólares em produtos Tylenol, porque não temos provas de que isso seja apenas em Chicago. Cometemos um grande erro.

Permitimos que nossas garrafas fossem adulteradas”, e no final eles foram tão vulneráveis sobre os erros que cometeram e os assumiram, que adivinha o que aconteceu? Primeiro, suas ações caíram para zero dólares e depois o que aconteceu foi que eles estavam enviando uma mensagem, pois estavam sendo autênticos e vulneráveis e assumindo a responsabilidade e mostrando a essas pessoas que se preocupam mais com sua segurança do que ganhar dinheiro, ou ter um produto, de repente seu estoque começou a subir e voltou até onde estava quando o incidente aconteceu.

E agora a Johnson & Johnson é uma grande empresa e Tylenol é um produto muito importante e foi tudo porque eles compartilhavam essa vulnerabilidade e eram autênticos versus ter algum tipo de aparência de que eles tinham tudo ajeitado. Isso é o que as pessoas querem hoje.

TaQuanyia: Eu acho que isso definitivamente se conecta com muitos influenciadores e qualquer um que esteja tentando se relacionar com seu público-alvo para, novamente, ser realmente autêntico.

Eu sei que antes falamos sobre não planejar ser um influenciador, mas como você se sente ao alcançar tantas pessoas? Você compartilhou esta ótima história, um exemplo de como Johnson & Johnson foram vulneráveis, e como eles conseguiram alcançar diferentes pessoas fora de Chicago, onde esse incidente estava acontecendo.

Como você se sente ao alcançar tantas pessoas porque você é vulnerável? Você é real. Você é autêntica. Como isso faz você se sentir?

Brianna: Acordei esta manhã e fui ver minhas estatísticas no buzzsprout e consegui meu download de número um milhão esta manhã, da Badass Basic Bitch.

TaQuanyia: É isso aí, garota!

Brianna: E eu escrevi um post sentimental no LinkedIn sobre essa questão. Comecei esta jornada como minha própria cura e o que percebi foi que se tornou uma comunidade de cura.

Recebi milhares e milhares de mensagens sobre como minha voz e a voz de outra pessoa, do outro lado, de qualquer entrevista que estou fazendo, tocou tantas pessoas e impactou tantas pessoas. E não há palavras para descrever como isso me faz sentir.

Porque eu sempre quis um mentor, quando estava crescendo, ou alguém para me dizer como lidar com situações, ou me dizer como tudo ia ficar bem. Eu senti que isso sempre ficava aquém.

Eu nunca tive essa experiência e, por isso, fornecê-la a outras mulheres é uma coisa extremamente gratificante para mim. Alguém me perguntou, “oh, você atingiu um milhão, como você vai comemorar?” Minha resposta foi “em silêncio”. Vou comemorar em silêncio. Vou comemorar internamente.

Vou comemorar olhando para onde eu estava há um ano, ou um ano e meio atrás, ou dois anos atrás para onde estou agora, e apreciando cada pessoa que me trouxe até aqui. Então é incrível saber que posso alcançar tantas pessoas de uma maneira positiva.

TaQuanyia: E isso eu sei que fala, obviamente, sobre quem você é como pessoa. Muito obrigada por compartilhar isso.

Estou animada, porque isso é incrível. Eu entendo que você queira comemorar de forma particular, mas eu adoro celebrar em voz alta. Isso é incrível. 

Brianna: Porque você alcançou níveis tão grandes de sucesso, sempre gostamos de perguntar quais são alguns dos principais fatores que você encontrou com seu Marketing de Conteúdo e sua marca?

Os principais fatores que me levaram ao sucesso?

TaQuanyia: Sim.

Brianna: Hum, eu poderia dizer,” ah, sou autêntica e vulnerável”, mas no final das contas, se ninguém estiver ouvindo isso, não importa. Acho que ser transparente. O sucesso que tive foi ser estratégica com os convidados que eu trouxe; criando conteúdo realmente bom para esses convidados compartilharem, que eles gostariam de compartilhar.

Porque se eu trouxesse um convidado que tivesse 200.000 seguidores, uma porcentagem deles gostaria de ouvir isso, então eles ouviriam aquele episódio e talvez eles se inscreveriam e ficariam comigo. Então, eu acho que há alguma estratégia por trás da forma como sua mensagem e seu conteúdo serão compartilhados com outras pessoas influentes, sejam elas no Tik Tok ou no LinkedIn, ou onde quer que seja.

Também ter assuntos que podem ser meio ousados, que as pessoas gostariam de ouvir. Um exemplo foi que tivemos um episódio inteiro sobre sexualidade moderna, e esse foi provavelmente um dos episódios de podcast de maior audiência, porque as pessoas pensam “eu realmente preciso ouvir isso”.

Isso poderia vir de outra maneira. Acho que criar assuntos fascinantes e envolventes, sobre os quais as pessoas não estão falando ou não estão vendo, isso é provavelmente outro conselho. E o último é que, na verdade, eu não faço tudo sozinha e eu nunca falo que eu faço sozinha. Eu tenho uma equipe que me ajuda, me ajuda a ficar no caminho certo, isso me ajuda.

Eu entrevisto todos os meus convidados, todos os meus pré-convidados. Eu crio todos os meus próprios contornos e tudo, porque isso é super importante para mim. Mas quando se trata de criar cartões sociais e snippets, e colocá-los no Instagram, Tik Tok e LinkedIn, sabe, eu tenho ajuda para isso, porque não posso fazer isso e fazer todas as outras coisas que são importantes.

Então, acho que criar uma estratégia para encontrar recursos para terceirizar também é muito importante.

TaQuanyia: Isso faz sentido e, sabe, ainda nesse tópico, você tem alguma sugestão de como uma marca pode manter uma quantidade consistente de produção de conteúdo?

Porque, como você disse, tem uma equipe pequena, eles são capazes de ajudá-la, eles, claro, te ajudam a escalar.

Quais seriam, na sua opinião, as melhores práticas para produzir uma quantidade consistente de conteúdo?

Brianna: Sim. A cada trimestre, no início do trimestre, sente-se com sua equipe e descreva o conteúdo que você deseja criar nesse trimestre. Não precisa ser o ano inteiro, mas eu definitivamente recomendo trimestralmente.

Se você quer que isso coincida com eventos do mundo real, como conscientização sobre o câncer de mama, ou como conscientização sobre distúrbios alimentares, ou o que quer que seja. Descobrir quais são as coisas que estão acontecendo trimestralmente e qual conteúdo você deseja produzir.

Se você está lançando um novo serviço ou um novo produto ou há um assunto em alto que vai acontecer, como o verão. Certo, talvez você queira falar sobre trajes de banho, ou lugares para viajar no verão, ou dicas de viagem sobre COVID. Planeje. E, em seguida, utilizando ferramentas para ajudar a supervisionar a criação de conteúdo.

Você pode usar Asana; você pode usar Trello; você pode usar Contently. Existem muitas ferramentas excelentes por aí que ajudam você a se manter no caminho certo e organizado. E então em termos de terceirizar, se você não tiver dinheiro para ter um escritor em tempo integral, você não precisa terceirizar tudo, mas usando uma plataforma como o Upwork, por exemplo, para ir atrás e talvez encontrar seu próprio escritor, talvez eles estejam escrevendo um post de blog para você por cinquenta dólares por post, basta usá-los para acompanhar a produção de conteúdo.

Se sua equipe não conseguir lidar com isso, ou alguém perder um prazo, é uma ótima alternativa para garantir que você permaneça consistente. Você só precisa ter esses planos de backup também.

TaQuanyia: Isso é muito inteligente e acho que você ajudou nosso público a entender como eles podem usar itens adicionais e realmente tornar sua realidade mais frutífera, em vez de olhar para todas as coisas que eles não têm.

Muito parecido com você, sua marca, mudando sua mentalidade e se abrindo para as possibilidades. Muito obrigada por compartilhar e apenas uma última pergunta: você nos deu tantas dicas diferentes sobre estratégias de branding, de Marketing de Conteúdo, qual é o último conselho prático que você pode compartilhar com seu público para tornar o conteúdo ou para tornar o Marketing de Conteúdo deles mais bem-sucedido, agora, hoje?

Então vamos dizer que, se alguém vê isso e eles ficam tipo “uau, estou super inspirado. Estou pronto para ir com tudo”. Que conselho você daria? Que conselho você daria a essa pessoa?

Brianna: Sim, acho que se você permanecer fiel a quem você é e quais são seus valores, será muito fácil manter seu público, aumentar seu público e se envolver com seu público. É quando começamos a desviar e começamos a pensar “o que eles querem? O que as pessoas querem? O que vai viralizar?”

É quando começamos a perder nosso eu autêntico ou nos afastamos dos valores.

TaQuanyia: Oh, parece que perdemos a conexão. Muito obrigada, pessoal, por serem tão pacientes. Parece que temos algumas dificuldades técnicas para a transmissão. Você está de volta, Brianna?

Brianna: Estou.

TaQuanyia: Me desculpa, parece que tivemos problemas de conexão, mas essa é a tecnologia, isso sempre acontece.

Mas eu queria ter certeza de que o público ouviu, porque você forneceu uma resposta tão cuidadosa aos itens práticos, ​​que você estava mencionando, mantendo-se fiel a si mesmo e realmente tornando mais fácil para seu público se conectar com você e se envolver com seu público.

E não apenas procurando os momentos virais e oportunidades, apenas mantendo essa autenticidade. Há algo que você gostaria de acrescentar a esse ponto?

Brianna: Sim, acho que a única outra coisa que gostaria de acrescentar é que é legal viralizar. Eu tive um conteúdo que viralizou, foi “como fazer uma mesa de concreto”, e isso viralizou, mas isso não tem absolutamente nada a ver comigo ou minha marca.

É só eu e meu marido, que fizemos uma mesa de concreto, e foi bem legal, e eu postei, e isso viralizou. Mas o que acabou acontecendo foi que eu consegui muitos seguidores que queriam ver mais disso, mas não era quem eu era. 

TaQuanyia: Certo.

Brianna: E eu acho que prefiro ter 5.000 seguidores dedicados que são apaixonados pelo que estou fazendo, do que 500.000 seguidores e apenas 1% que se importam.

Então, eu acho que essa é a outra coisa: nem sempre tente pegar aquele momento viral, que você está tentando fazer. Devagar e sempre vence a corrida.

TaQuanyia: Uau. Muito obrigada. Isso foi super útil e muito obrigado por me permitir escolher seu cérebro hoje, me permitir entrevistá-la e compartilhar suas ideias, sua experiência e sua história.

É realmente incrível. Todas as coisas pelas quais você passou, todas as coisas que você é hoje e ainda está se tornando. Muito obrigada. E com isso, pessoal, vamos encerrar esta jam session.

Obrigada a todos por estarem conosco hoje. Mais uma vez, realizamos essas jam sessions sempre e queremos ter certeza de que estamos fornecendo um ótimo conteúdo.

Então, se houver algum assunto relacionado ao Marketing, ou relacionado com conteúdo, estamos sempre procurando conselhos e dicas e coisas que você quer ver. Muito obrigado, Brianna, e isso encerra nossa jam session de hoje.

Brianna: Obrigada por me receber. Foi divertido.

TaQuanyia: Obrigada, se cuidem. Tchau.

Brianna: Tchau.

Conteúdo extra

Mais sobre ‘Badass Basic Bitch’

Na Jam Session, fica muito claro que o conteúdo da Brianna é pessoal e significativo. Seu podcast, Badass Basic Bitch, é um sucesso e tem mais de 30 mil seguidores no Instagram e mais de 1 milhão de downloads.

O que poucas pessoas sabem é que tudo começou como uma jornada de cura para Brianna. Ela queria aprender mais sobre si mesma e encontrar um espaço para ser aberta e vulnerável.

Sendo uma empreendedora mãe solteira e também tendo sido criada por uma mãe solteira de cinco filhos que também trabalhava muito, Brianna sentiu que tinha essa missão de criar um canal para compartilhar e ouvir histórias de mulheres poderosas por aí.

Ela não queria criar conteúdo sobre grandes empresários como Sheryl Sandberg ou Arianna Huffington, que são incríveis, mas intimidantes, ela pensou. Ela queria um lugar para homenagear aquelas mulheres extraordinárias que poderiam ser suas amigas ou vizinhas, que fossem inteligentes, engenhosas e estivessem fazendo coisas maravilhosas e inovadoras.

Foi quando ela criou o podcast Badass Basic Bitch.

Dessa forma, ela começou a produzir conteúdo real e original, o que atraiu as pessoas.

Cobrindo temas como divórcio, negócios, empreendedorismo, carreira, relacionamentos, casamento, saúde e muito mais, em cada episódio, Brianna traz uma convidada especial, uma mulher incrível como ela, para ajudá-la a cobrir os tópicos e expandir a conversa.

Livro “O que aconteceu com você?”

Vindo de uma família humilde e tendo lidado com adversidades como abuso de substâncias, a cura de traumas e a liderança de uma jornada para melhorar a si mesma é um grande tema para Brianna.

Quando questionada sobre suas principais inspirações, ela cita uma série de livros e estratégias relacionadas ao autoconhecimento e mindfulness. Uma recomendação de livro que se destaca é “O que aconteceu com você?”, do Dr. Bruce Perry e Oprah Winfrey.

Este livro fornece uma visão científica e emocional sobre como nossos comportamentos e padrões são moldados por meio de nossas experiências de vida anteriores. É uma ferramenta poderosa para ajudar as pessoas a repensar e entender as raízes de certas atitudes e mentalidades, reformular respostas e relacionamentos e, dessa forma, abrir uma porta para a cura.

Brianna mencionou a importância dessa leitura para descobrir quem você e sua marca são, o que há de especial em sua jornada e como você pode usar esse conhecimento para se destacar.

Marketing de Afinidade

Brianna menciona que há uma estratégia impressionante que a ajudou no passado e que pode realmente ajudar os profissionais de Marketing que estão ficando sem ideias para conteúdo: o Marketing de Afinidade.

O Marketing de Afinidade é uma estratégia em que empresas que atuam em diferentes segmentos, mas compartilham algo em comum, colaboram ou estabelecem parcerias para potencializar o conteúdo umas das outras.

Isso pode acontecer de várias maneiras e o exemplo que Brianna deu foi perspicaz. Ao se esforçar para criar conteúdo para uma locadora de móveis, Brianna achou que poderia ir além e oferecer ao público mais do que apenas posts sobre móveis.

Ela se aprofundou no público deles para descobrir que a maioria de seus clientes eram famílias de militares, e então pensou em tópicos que poderiam ser interessantes para aquele público – além de alugar móveis.

Isso destaca a importância de conhecer seu público e aprender mais sobre o que mais os interessa e os move. Ao criar conteúdo para eles, eles continuarão voltando e lembrarão do nome da sua marca, o que faz maravilhas para o reconhecimento da marca.

Compartilhe
facebook
linkedin
twitter
mail

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email

Posts Relacionados

Quer receber mais conteúdos brilhantes como esse de graça?

Inscreva-se para receber nossos conteúdos por email e participe da comunidade da Rock Content!