Você sabe o que é Razão social? Aprenda a escolher o nome da sua empresa

Escolher o nome do próprio negócio pode ser uma decisão muito difícil e por isso fizemos um post com tudo o que você precisa saber sobre razão social.

razão-social-e1470343570738

    Quando o empreendedor começa a pensar em criar a sua própria empresa, uma das primeiras coisas em que costuma pensar é no nome de seu futuro negócio.

    Nessa fase, é normal que se pense primeiro no nome fantasia, aquele que será conhecido do grande público.

    Mas antes disso é necessário escolher um outro nome muito importante para a futura empresa: a razão social.

    A razão social é uma das informações mais básicas de qualquer empresa, juntamente com o endereço e o CNPJ.

    Apesar de muita gente acreditar que ela não tem muita importância, já que muitas vezes não é conhecida por clientes e pelo público em geral, é preciso muita atenção no momento de definir essa informação, já que será algo que poderá acompanhar o negócio para sempre.

    Mas a razão social ainda é motivo de confusão para muitos empreendedores, uma vez que nem todos sabem realmente do que se trata ou compreendem o real peso de fazer uma boa ou má escolha nesse quesito, e, todos nos sabemos que um nome mal escolhido pode trazer dor de cabeça.

    Dizem que escolher o nome do próprio negócio é tão difícil quanto escolher o nome de um filho, mas não se desespere.

    Ao final, vale a pena prestar atenção a alguns pontos e, finalmente, escolher um bom nome.

    Reunimos aqui tudo o que você precisa saber sobre o assunto para fazer uma escolha excelente.

    Saiba agora o que é a razão social, para que serve, por que é diferente de nome fantasia e como escolher o termo ideal para a sua empresa.

    Mas afinal, o que é razão social?

    A razão social, também conhecida como denominação social ou firma empresarial, é o nome jurídico de sua empresa.

    Trata-se do termo que definirá o negócio e que aparecerá em todos os contratos, escrituras e documentos legais.

    Também será o nome usado para abertura de contas junto a bancos, perante instituições governamentais e autoridades e nas relações com fornecedores e parceiros, por exemplo.

    Em resumo: é o “nome completo” da sua empresa no papel.

    É a representação do negócio em todas as instâncias já citadas e uma das principais informações de qualquer negócio, ao lado do CNPJ e do endereço.

    Sem essas informações, a empresa praticamente não existe.

    A Constituição Federal, o Código Civil Brasileiro e a Convenção da União de Paris para assuntos de Propriedade Intelectual garantem o direito à denominação social.

    Como veremos mais abaixo, não se pode confundir razão social com nome fantasia, apesar da possibilidade de ambos os termos estarem relacionados.

    LEIA TAMBÉM
    Confira tudo que você precisa para criar o site da sua empresa
     Saiba o que é banco de dados e a importância dele para o seu site
    Crie um blog para o seu negócio usando o Stage

    Qual é a utilidade da razão social?

    Como dissemos, a razão social é a nomenclatura que será usada em todos os documentos da empresa, servindo para identificar o negócio em registros como notas fiscais, contratos, escrituras e quaisquer outros relacionados.

    Ele também serve para identificar a empresa em faturas de cartão de crédito dos consumidores, por exemplo. Mas não é só isso.

    Ela também serve para representar o nascimento do negócio na Junta Comercial ou no Cartório e garantir que aquela empresa é única.

    Não é possível que o mesmo nome social seja usado por mais de um empreendimento, o que ajuda a prevenir irregularidades. Por isso é importante checar se o nome idealizado já está em uso, como vamos ver ao longo do texto.

    Lembre-se ainda que a razão social serve para ser o negócio ser reconhecido perante parceiros e fornecedores. Portanto, é fundamental fazer uma boa escolha.

    Qual a diferença entre razão social e nome fantasia?

    Uma confusão muito comum no mundo do empreendedorismo é entre a razão social e o nome fantasia de uma empresa.

    Apesar de serem coisas complementares, elas são diferentes e precisam ser bem compreendidas para que o empresário faça uma boa escolha de ambas.

    Se a razão social é o nome da empresa no papel, ou seja, na parte burocrática, o nome fantasia é o termo que o público em geral vai conhecer.

    É um título que designa o estabelecimento para efeitos de divulgação e marketing e também é conhecido como nome empresarial, marca empresarial ou mesmo apelido comercial.

    O nome fantasia não precisa necessariamente ser igual à razão social, mas o ideal é que tenha relação, para evitar confusões e manter a relação entre marca e empresa.

    Ele pode ser escolhido livremente, mas deve estar de acordo com o ramo de atuação do negócio.

    E, ao contrário da razão social, o nome fantasia dá mais liberdade para criação. Ele pode e deve ser criativo, chamativo e o mais diferente possível, já que a sua empresa será ligada a este nome pelo público geral.

    Um bom nome fantasia pode fazer muita diferença para o sucesso ou fracasso do negócio, pois um nome conhecido tem muito mais chances de ser lembrado e seu produto ou serviço, consequentemente, consumido.

    Um nome difícil pode cair no esquecimento dos consumidores, o que terá grandes reflexos nas vendas.

    Ao escolher o nome fantasia, além de também pesquisar para ver se o termo idealizado não está em uso, é importante fazer o registro no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI).

    Apesar de não ser obrigatório, ter o nome fantasia registrado nesse órgão garante que a empresa seja a dona absoluta do termo. Nenhum outro negócio poderá usá-lo.

    O nome fantasia passa a ostentar também o símbolo de marca registrada “®”.

    Essa marca, por sua vez, se torna um patrimônio da empresa, e da mesma maneira que ativos como bens patrimoniais, pode agregar muito valor e inclusive ser comercializado posteriormente.

    Além disso, é preciso muito cuidado ao escolher o nome fantasia.

    Deve-se evitar siglas que não tenham sentido ou sejam de difícil memorização, termos em inglês desconhecidos ou que sejam muito regionais e nomes longos e complicados, por exemplo.

    Um bom nome fantasia é aquele acessível, fácil de lembrar e de fazer propaganda, curto e que seja de fácil associação ao seu produto ou serviço.

    Aliá-lo à uma boa arte visual, fazendo um bom logotipo, também é uma excelente jogada para o marketing da empresa.

    Veja abaixo alguns exemplos de razão social e nome fantasia das empresas, alguns deles não muito conhecidos entre muitas pessoas, e que têm ou não relação direta entre si:

    • Arcos Dourados Comércio de Alimentos LTDA é a razão social, no Brasil, da maior rede de restaurantes fast-food do mundo, mais conhecida pelo nome fantasia McDonald’s;
    • Ns2.com Internet LTDA é a firma empresarial da empresa de venda eletrônica de artigos esportivos Netshoes;
    • A Arthur Lundgren Tecidos S/A é a denominação social da varejista brasileira Casas Pernambucanas;
    • A Via Varejo S/A é a razão social da varejista de móveis e eletrodomésticos Casas Bahia;
    • General Motors do Brasil S/A é a firma empresarial da subsidiária da companhia americana de mesmo nome (General Motors), que usa o nome fantasia Chevrolet;
    • Itaú Unibanco Banco Múltiplo S/A é razão social do Itaú;

    Como escolher uma boa razão social?

    A razão social precisa ser baseada na atividade da empresa e respeitar algumas regrinhas.

    O ideal é que ele seja de fácil assimilação, não muito longo e que também possa ser usado, mesmo que em parte, como nome fantasia.

    Lembre-se que ela será impressa em papéis e outros documentos, e um grande nome pode ser uma leitura complicada, sem contar a tinta gasta na impressão.

    Para começar, o nome deve ter uma identificação própria. Pode ser um termo específico, o nome dos sócios ou uma sigla.

    O importante é que ele comece com algo diferente, portanto uma razão social que seja muito parecida com outra ou com um nome fantasia que já existam não é uma ideia muito boa.

    Isso pode confundir fornecedores e clientes e ser negativo para a marca de sua empresa.

    Depois, deve constar no termo a área de atuação do negócio, como comércio, indústria ou internet, por exemplo.

    Assim, logo de cara, qualquer documento empresarial já terá a identificação do ramo de atuação da empresa, o que também contribui para que ela seja lembrada mais facilmente por quem ler o nome social.

    Em seguida, deve aparecer a constituição legal do negócio, que pode ser:

    • MEI: abreviação de “microempreendedor individual”, ou seja, pessoas que pediram registro de CNPJ nesse enquadramento e com faturamento anual que fica abaixo de R$ 60 mil.
    • ME: “microempresa”, para aqueles negócios que escolheram o Simples e com faturamento menor que R$ 120 mil no ano fiscal;
    • EPP: “Empresa de Pequeno Porte”, usado pelas empresas limitadas que optaram pelo Simples, com faturamento entre R$ 120 mil e R$ 1,2 milhão por ano fiscal;
    • LTDA: abreviação de “limitada”, ou seja, uma empresa que tem um número de sócios limitados;
    • S/A: termo para “sociedade anônima”, que identifica uma companhia de capital aberto, negociada na bolsa de valores e que, portanto, têm diversos acionistas;

    Um bom exemplo de empresa que segue essa estrutura na razão social é o McDonald’s: Arcos Dourados Comércio de Alimentos LTDA.

    Como fazer para registrar a sua razão social?

    Antes de tudo, pense em diversos nomes que a sua empresa pode ter. Eles podem ser variados, mas que tenham relação com a atividade comercial, como já falamos.

    Faça uma lista com várias possibilidades e classifique aquelas que você gostar mais. Ter várias opções facilita a escolha caso as principais não possam ser usadas.

    Depois disso, deve-se pesquisar muito antes de ingressar com o registro de razão social. É necessário saber se a sua ideia de nome já não está sendo usada por alguma outra empresa.

    Você pode pesquisar primeiro na internet. Coloque no Google a razão social que pensou e veja o que aparece nos resultados.

    Além disso, busque em redes sociais, como o Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn, para ver se não existem perfis que usam o mesmo nome.

    Existe ainda o site registro.br que pode ser consultado.

    Ele é responsável por vender e distribuir os sites que tenham final “.br” e também disponibiliza uma busca simples para ver se um determinado domínio já está em uso ou não.

    Mesmo que a atividade comercial não tenha relação com internet, o seu negócio precisará, possivelmente, de um site e de perfis em redes sociais.

    Escolher um nome que já existe na internet pode trazer problemas.

    Feito isso, é hora de pesquisar também na Junta Comercial e cartórios. Normalmente, esse tipo de pesquisa é cobrado.

    Lembre-se de que não é possível registrar uma razão social igual a uma que já exista.  

    Caso não haja nenhuma denominação social idêntica, o empreendedor pode seguir com o registro da razão social, da modalidade jurídica do negócio (Microempreendedor Individual, Microempresa ou Sociedade Limitada, por exemplo), definir a atividade da empresa, a localização e prosseguir com todos os outros procedimentos para registrar o negócio.

    É possível mudar a razão social?

    Apesar de muito importante, o empreendedor pode, depois de registrar a razão social da sua empresa, mudar esse nome na Junta Comercial.

    Entretanto, essa mudança gera algumas consequências é é fundamental estar atento a elas.

    A principal delas é que a nova razão social vai invalidar automaticamente qualquer documento no qual a denominação social anterior esteja presente.

    Ou seja, todo registro com o nome antigo não será mais válido.

    Mesmo certificados digitais que ainda estejam no prazo de validade não poderão mais ser usados após a alteração.

    Sem contar que os todos os registros do negócio deverão ser refeitos, o que com certeza vai trazer gastos de impressão.

    Portanto, escolha bem a firma empresarial para que não seja preciso mudá-la, apenas se for extremamente necessário.

    A ajuda de um especialista nesse caso pode ser fundamental para que a mudança tenha o menor impacto possível nos negócios.

    Escolher a razão social faz parte do começo de qualquer empresa.

    Com ela, a ideia de negócio começa a tomar forma e definir o nome é um primeiro e importante passo que o empreendedor dá em direção ao seu sonho.

    É possível ter mais de um nome fantasia no mesmo CNPJ?

    Uma dúvida muito comum entre os empreendedores é se é possível utilizar mais de um nome fantasia no mesmo CNPJ.

    Antes de mais nada, é preciso entender que a inclusão do nome fantasia no contrato social e no cadastro nacional não é obrigatória, ou seja, ela  é opcional. Sendo assim, é possível sim incluir mais de um nome fantasia no mesmo CNPJ.

    Porém, isso é válido somente para o caso dos estabelecimentos (que vão possuir os nomes fantasia diferentes) desempenharem o mesmo ramo de atividade segundo a tabela CNAE, caso seja outra, isso não se aplica!

    Nesse sentido, a sugestão é entender se o negócio possui a intenção de usar o nome fantasia como uma marca que está associada a um produto, pois dessa forma não é preciso fazer alterações no contrato social e registrar a marca no momento que for oportuno.

    Como escolher o nome da empresa?

    Agora que você já sabe tudo sobre Razão Social e Nome Fantasia, vamos ajudá-lo a entender como é possível escolher um nome para a sua empresa através de 2 dicas que são simples, mas efetivas:

    1. Faça uma pesquisa na internet

    A primeira ação que você pode fazer, que é bem simples, mas extremamente importante nos dias de hoje é pesquisar pelo nome na internet.

    Visto que hoje todo negócio está presente nesse universo, já pensar logo de cara como poderá ser a sua presença digital é uma ótima estratégia. Então, tanto para a razão social quanto para o nome fantasia, pesquise nas mídias sociais e no Google para saber se já existe algum negócio com o nome escolhido ou algo semelhante.

    Dessa maneira será possível fazer a melhor escolha, visto que uma hora ou outra a empresa deverá optar por ter um site e páginas nas mídias sociais. Aliás, o indicado é nascer já com isso pronto.

    Após isso, verifique se o domínio do site está mesmo disponível. Isso pode ser feito pela própria página do Registro.BR.

    2. Não se esqueça do bom e velho brainstorming

    A nossa segunda e última dica está relacionada a um processo que já é um velho conhecido de muita gente: o brainstorming, que em português significa chuva de ideias!

    Ele pode até ser considerado algo clichê, mas é muito útil para qualquer processo de ideação, sendo ela feita em equipe ou de forma individual. Então, utilize-o para gerar ideias sobre um possível nome que seja ieal para o negócio.

    Para quem não sabe, essa metodologia consiste em jogar ideias sem muito julgamento. Deve-se apenas registrá-las em um local que esteja visível para todos que estejam participando dessa ideação, sendo que a quantidade de ideias é muito mais importante que a qualidade nesse primeiro momento.

    Em um segundo momento, avalie as ideias que foram fornecidas e tente encontrar o nome ideal. É possível também juntar mais de uma ideia para formar o nome, além de fazer várias rodadas para chegar em algo que seja desejável!

    Siga essas dicas, registre a denominação social da sua empresa e vá à luta para fazer o seu negócio prosperar!

    Agora que você já pode escolher a razão social, quer saber os próximos passos para o registro do seu negócio? Veja aqui um guia simples e objetivo de como você deve fazer para registrar uma empresa!

    Compartilhe

    Inscreva-se em nosso blog

    Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email

    Quer receber mais conteúdos brilhantes como esse de graça?

    Inscreva-se para receber nossos conteúdos por email e participe da comunidade da Rock Content!

    Nosso site é otimizado para cada país em que operamos.

    Ir para site em Português ->