9 funções de WordPress que você deve dominar

Conhecer as funções de WordPress ajuda no gerenciamento de usuários e na execução de algumas rotinas corriqueiras, contribuindo para a melhoria da performance das páginas web, inclusive perante os mecanismos de busca.

Conheça 9 funções de wordpress que você deve dominar

Criar sites deixou de ser — há bastante tempo — algo exclusivo de profissionais com sólidos conhecimentos em codificação. Soluções como o WordPress vieram para trazer mais praticidade e rapidez a esse processo, além de ajudar no SEO das páginas nos mecanismos de busca.

Ao longo deste artigo, vamos explorar algumas das muitas funções de WordPress, mais precisamente 9 delas. Ter esse conhecimento é de grande utilidade, pois ajuda na melhor administração dos sites, evitando, por exemplo, problemas relacionados com a segurança da informação. Boa leitura!

O WordPress

O WordPress é uma ferramenta de gerenciamento de conteúdo, também conhecida pela sigla CMS (Content Management System). Seu objetivo é facilitar a criação e administração não somente de blogs e sites, mas também de lojas virtuais e várias outras aplicações web.

Funções de WordPress

Para gerir corretamente um site, é fundamental conhecer as funções básicas do WordPress. Com o tempo, pode-se também explorar recursos mais avançados, a depender das necessidades do site. Nas subseções a seguir falaremos de 9 funções, sendo que as seis primeiras são voltadas para usuários e as três últimas para procedimentos corriqueiros por parte de administradores no WordPress.

1. Superadministrador

O superadministrador é a função de usuário que tem o máximo de permissões. No entanto, ela fica indisponível quando se administra um único site. Em outras palavras, a função é usada apenas para gerir muitos sites na rede, de modo que as suas principais permissões são:

  • gerenciamento de plugins, usuários, opções e temas;
  • possibilidade de adicionar e excluir sites da rede;
  • atualização dos sites da rede.

Vale destacar também o seguinte: na hora de criar uma rede de sites, geralmente, o primeiro serve de referência para os demais. Isso significa que a partir do segundo site, todas as configurações são herdadas do primeiro. Outra possibilidade atribuída ao superadministrador é o compartilhamento de privilégios com outros usuários, desde que sejam pessoas de confiança.

2. Administrador

O administrador é a função de usuário com o máximo de permissões na gerência de um único site. Ele é responsável, por exemplo, pela adição e remoção de usuários, além de poder fazer configurações, instalar plugins e publicar conteúdo. Essa função permite ainda incluir outros administradores ao WordPress.

3. Editor

O editor tem acesso total à publicação e edição de conteúdos no WordPress. Até mesmo artigos e comentários de outras pessoas podem ser editados e excluídos. O que diferencia o editor do administrador é a falta de permissão de acesso às configurações de sistema, bem como a instalação de plugins e adição de usuários.

4. Autor

O autor é uma função de usuário que geralmente oferece baixo risco no gerenciamento do WordPress. Isso porque ele tem ainda menos permissões que o autor, visto que ele só consegue editar, adicionar ou excluir publicações de sua autoria. No entanto, esse usuário pode ainda escolher tags e categorias para as suas postagens, somente não têm permissões de criar ambas.

Além disso, suas ações sobre os comentários do site são limitadas. Ao contrário do editor, que pode excluir e editar o que outras pessoas escreveram, o autor pode apenas visualizá-los. No entanto, a eles é permitido ver comentários mesmo antes de serem submetidos à moderação do editor ou administrador.

5. Colaborador

Há diferenças sutis entre a função de colaborador e autor, cabendo ao administrador pensar bem na hora de decidir a melhor permissão aos usuários. Em relação às categorias e tags, as permissões são as mesmas em relação ao autor, mas são impedidos de inserir imagens nas suas publicações. 

Ele pode escrever e editar na plataforma, mas não tem permissão para publicar seus conteúdos. Isso significa que para o seu artigo se tornar do conhecimento do público, ele deve submetê-lo para o editor ou administrador do sistema. Caso o administrador adicione novos autores, por exemplo, eles podem começar como colaboradores e depois obterem mais permissões.

6. Assinante

Como foi possível perceber, as funções de usuário no WordPress vão decrescendo em número de permissões e privilégios. Portanto, o último e mais baixo nível é o de assinante, sendo que ele pode apenas fazer login e acessar o seu perfil de usuário. O administrador usa essa função, por exemplo, para forçar o assinante a logar no sistema caso queira deixar um comentário ou visualizar uma publicação.

Concluímos aqui as seis funções de usuários no WordPress. Nas três subseções a seguir, vamos explorar ações relacionadas com anúncios, Google Analytics e data dinâmica.

7. Adsense

O Adsense é uma ferramenta do Google para monetizar páginas por meio de anúncios. Caso já exista um tráfego considerável no blog ou site, pode ser interessante optar por ela, desde que se tenha o devido cuidado para os anúncios em excesso não prejudicarem a experiência dos usuários. Uma forma de inserir um pequeno código Adsense no WordPress é por meio da função em PHP showads.

8. Adição de código do Google Analytics

O Google Analytics é uma ferramenta de extrema importância na análise de desempenho das páginas web. Com base nas informações coletadas é possível implementar meios de aprimorar a experiência dos usuários, bem como melhorar continuamente a produção de conteúdo. Uma das facilidades de inserir o código no WordPress é que isso é feito uma única vez, sendo replicado em todas as páginas que contém a função wp_footer.

9. Data dinâmica

A preocupação com direitos autorais também é importante na boa administração de blogs e sites no WordPress. Nesse sentido, deixar a data sempre atualizada pode trazer um certo destaque competitivo, visto que muitas páginas não têm esse cuidado. A função PHP comicpress_copyright permite deixar a data atualizada no rodapé da página, inserindo no arquivo footer.php.

As funções de WordPress apresentadas no texto são relacionadas a usuários e procedimentos recorrentes. Como foi possível observar, o sistema lida com níveis decrescentes de permissões e privilégios, desde o superadministrador até o assinante. Ressaltamos a praticidade de usar o WordPress como gerenciador de conteúdo, visto que proporciona não só uma gerência simplificada a quem não tem muitos conhecimentos em programação como otimização das páginas nos mecanismos de busca.

Aproveite a visita blog da Rock e venha agora mesmo fazer parte do nosso time de freelancers!

Compartilhe
facebook
linkedin
twitter
mail

Gostou deste conteúdo?

Envie-o para seu e-mail para ler e reler sempre que quiser.

Posts Relacionados

10 estratégias para melhorar a sua revisão de artigos

alt Gustavo Grossi
dez 9, 16 | Leitura: 5min

Redação publicitária versus copywriting: quais as diferenças?

alt Redator Rock Content
dez 20, 16 | Leitura: 5min

Checklist Rock Content para um texto campeão

alt Edmar Ferreira
jan 14, 14 | Leitura: 3min

Os melhores conteúdos para sua carreira freelancer, direto na sua caixa de entrada

Inscreva-se para receber no e-mail conteúdos exclusivos e em primeira mão.