Por Larissa Lacerda

Editora do Blog da Rock Content.

Publicado em 29 de maio de 2020. | Atualizado em 29 de maio de 2020


Google anunciou esta semana que a experiência na página — medida pela velocidade, responsividade, segurança e outros fatores — será o mais novo fator de rankeamento do buscador. Saiba tudo sobre o assunto!

Ao analisar o conjunto de fatores de rankeamento do Google, é possível observar como a maioria deles corresponde a um mesmo porquê: melhorar a experiência do usuário.

Assim, os esforços feitos pelo buscador nos últimos anos têm sido focados em impedir qualquer elemento que cause incômodo ao usuário.

E você consegue pensar em algo mais incômodo que uma página que não carrega? 

Pois é, a equipe do Google também não. Pensando nisso, investiram em atualizações que priorizavam páginas mobile-friendly e com um carregamento rápido de páginas — o que foi tido como uma grande virada para o mercado de SEO.

Mas não parou nisso, essa semana, foi anunciado oficialmente que a experiência na página será um novo fator definitivo para um bom rankeamento nas SERPs.

Quer saber como funcionará esse novo fator, como promover uma boa experiência no seu site e quando essa atualização entrará em vigor? Então continue a leitura!

Como funcionará o fator de rankeamento de “experiência na página”?

O fator de “experiência na página” será baseado na união entre os Core Web Vitals, um conjunto de métricas relacionadas a velocidade, interatividade e estabilidade visual, com outros parâmetros já utilizados pelo Google para indicar a capacidade que um site apresenta de entregar uma boa experiência.

Segundo o Google, “Core Web Vitals são um conjunto de métricas do mundo real e centradas no usuário, as quais quantificam aspectos-chave dessa experiência.”

Dessa forma, o fator seria um combinado das seguintes variáveis:

  • carregamento: representada pelo LCP, ou Maior Exibição de Conteúdo, e que deverá ser de até 2.5 segundos desde de o primeiro carregamento;
  • interatividade: representada pelo FID, ou Latência de Entrada, e que deverá corresponder a um número inferior a 100 milissegundos;
  • estabilidade visual: representada pelo CLS, ou Mudança de Layout Cumulativo, o qual deverá ser inferior a 0.1.
Core Web Vitals

Assim como:

  • mobile-friendly: verifique se as suas páginas são adequadas para o uso em dispositivos mobile;
  • segurança de navegação: a página deve ser livre de qualquer tipo de conteúdo malicioso ou enganoso;
  • HTTPS: a página deverá ter usar esse protocolo de segurança para indicar que o site é, de fato, seguro;
  • ausência de intersticiais intrusivos (intrusive interstitials): a página deve ser de fácil acesso e não poderá conter pop-ups, anúncios e outros que  atrapalhem a navegação e o acesso ao conteúdo.

Portanto, esses sinais de boa experiência do usuário podem ser representados do seguinte modo:

Fator de experiência da página

De acordo com a empresa, “com a adição da experiência na página aos inúmeros fatores que o Google considera ao rankear os resultados de busca, nosso objetivo é ajudar as pessoas a acessarem com maior facilidade a informação e as páginas que estão procurando, além de auxiliar os donos de site que promovem uma boa experiência aos seus usuários.”

Além disso, em busca de uma visão holística e atualizada do que realmente é uma boa experiência, foi manifestado: “Porque nós continuamos o trabalho de identificação e mensuração dos aspectos de experiência na página, planejamos incorporar mais sinais (variáveis) anualmente para alinhar o buscador às expectativas dos usuários que estão em constante evolução.”

Isso significa que podemos esperar ainda mais novidades nesse sentido e que os esforços para compreender o seu público e como ele se comporta em seu site será de extrema importância nos próximos anos.

Você também pode se interessar por estes outros conteúdos!
👉 Como melhorar a velocidade do site em 11 passos simples!
👉 Como manter a segurança do seu site? Entenda agora mesmo!

Quando essa atualização do Google entrará em vigor?

De acordo com o pronunciamento, por compreender o complexo cenário atual e os impactos da crise do novo coronavírus, essa atualização entrará em vigor apenas a partir de 2021.

Além disso, o buscador se comprometeu a informar, com pelo menos 6 meses de antecedência, a partir de qual momento esse fator se tornará uma realidade.

Essa é uma ótima notícia para que todos possam se planejar e organizar com tranquilidade, otimizando todos os elementos necessários em seus websites.

O que você pode fazer a partir de agora?

Como mencionamos, esse é o momento de começar a pensar em possíveis planos de ação, identificando quais são os principais problemas relacionados à experiência do seu site e ajustando-os assim que possível.

Separamos aqui algumas ferramentas que podem ser de grande utilidade nessa tarefa:

Com ajuda delas, será possível descobrir quais os pontos mais críticos e como é possível ajustá-los, mapeando as causas e suas principais soluções.

E se quiser aprender mais sobre como a velocidade de carregamento tem impactado o seu site, confira agora mesmo o nosso infográfico completo sobre o tema!

infográfico baixe grátisPowered by Rock Convert

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *