Por Redator Rock Content

um de nossos especialistas.

Publicado em 14 de outubro de 2020. | Atualizado em 14 de outubro de 2020


A ideia é fazer com que cada produto que aparece no Youtube fique disponível à venda online não no link da Amazon, mas diretamente no próprio YouTube.

Em breve, o YouTube poderá se tornar mais do que uma plataforma para assistir a vídeos e visualizar anúncios. É que o Google pretende transformá-lo em um site de compras.

Além de continuar exibindo publicidade e direcionar os usuários para outros portais de e-commerce, o consumidor terá acesso ao produto ali mesmo. Isso representará uma boa oportunidade de otimizar o pipeline, principalmente se o YouTube oferecer boas condições para os anunciantes. 

Os primeiros testes já estão acontecendo 

De acordo com a Bloomberg, o Google está em negociação com vários criadores de conteúdo audiovisual no Youtube para marcar e rastrear produtos em seus vídeos. As mercadorias serão vinculadas às ferramentas de análise e compras do Google. 

Isso converterá os vídeos em uma fonte de compras na qual os usuários poderão ver, clicar e comprar os produtos listados por meio do site ou aplicativo do YouTube. Assim, os criadores do YouTube terão controle total sobre os produtos exibidos para venda. No entanto, mais detalhes sobre isso não foram revelados. 

O Youtube será a nova vitrine

A capacidade de fazer compras pelo YouTube será semelhante ao Google Shopping: uma vitrine para lojas online e offline. A decisão do Google de tornar o YouTube um lugar de compras o ajudará a competir com gigantes do comércio eletrônico como Amazon.

Não é exagero dizer que a concorrência será extensiva até mesmo ao Facebook e Instagram, que incluem a capacidade de fazer compras há muito tempo. Essa também será uma oportunidade para o Google se tornar um destino de compras, em vez de apenas listar outros portais de compras na forma de anúncios. 

Vantagem para os influenciadores

É importante notar que YouTubers bem estabelecidos já ganham fluxos decentes de renda com links afiliados. Mas será que as vendas diretas seriam realmente tentadoras para eles? Por um lado, a plataforma teria que oferecer benefícios significativos para atrair os criadores a optarem por vender produtos diretamente por meio de seus vídeos. 

O programa de Associados da Amazon dá 15% de comissão para venda de roupas, calçados e acessórios, belezas e cuidados pessoais, livros digitais e dispositivos da Amazon. Por outro lado, o YouTube terá que descobrir uma porcentagem justa para sua própria parte dos ganhos, que será satisfatória para os criadores de conteúdo.

Não se sabe ao certo quando esse recurso será lançado. Porém, independente de quando se torne realidade, sem dúvidas o YouTube está olhando para um futuro de intensa competição com plataformas de e-commerce, principalmente Amazon. Também será interessante ver o que a Amazon e similares fará para combater essa ameaça de vendas diretas de produtos no YouTube.

A Amazon liderou praticamente 40%do mercado de e-commerce dos EUA em 2018. O Google ainda é o principal mecanismo de busca para compras e serviços B2B e consultas informativas que resultam em compras, mas a Amazon continua imbatível.

Os produtos patrocinados na Amazon são anúncios Pay-Per-Click (PPC) que aparecem em locais estratégicos no site da empresa, dando mais visibilidade aos produtos e aumentando as chances de compra. O usuário seleciona os produtos que deseja impulsionar, define o lance, o orçamento diário e escreve um anúncio para motivar os compradores a clicar.

Resta saber se o Youtube será tão criativo quanto. Aproveite para ler também o artigo que escrevemos sobre o que é strike no Youtube e como evitar que isso ocorra na agência.

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *