Por Ivan de Souza

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicado em 5 de outubro de 2020. | Atualizado em 5 de outubro de 2020


O strike no Youtube foi o formato que a plataforma de vídeos desenvolveu para realizar a punição de produtores de conteúdo que não estão em sintonia com o cumprimento da política desenvolvida pela maior rede social de vídeos. Desmonetização de canais e até mesmo o encerramento da conta podem acontecer.

Se sua agência usa vídeos nas estratégias para a empresa e para os clientes, provavelmente você já ouviu falar sobre o strike no YouTube. Um dos principais meios de comunicação para a divulgação de vídeos no marketing digital, o YouTube conta com um conjunto de regras para assegurar que os direitos intelectuais e humanos sejam respeitados pelos produtores de conteúdos e donos de canais na rede social.

Neste artigo, explicaremos o que é o strike para que você entenda como evitar esse tipo de penalidade e como agir caso o canal receba uma notificação. Afinal, além do uso do espaço para monetização (com a permissão para que sejam exibidos anúncios), o canal pode ser a chave para fortalecer o relacionamento da marca com a audiência. Boa leitura!

Continue o texto para saber mais sobre o strike do YouTube. Nele, você vai:

Entenda o que é strike no YouTube

Trata-se de um aviso criado para reforçar as diretrizes da comunidade. Desenvolvido para que todos tenham seu próprio canal, algumas pessoas infringem uma ou várias regras, seja sem saber, no intuito de enriquecer a estratégia de conteúdo no YouTube, ou mesmo de forma consciente, em uma tentativa de ganhar visibilidade e até mesmo aumentar a monetização.

Quando alguma pessoa encontra esse tipo de infração, que podem ser conteúdos ofensivos, abusivos ou com o uso indevido de propriedade intelectual de terceiros, ela pode fazer uma denúncia para o YouTube. A plataforma encaminhará o pedido para um de seus analistas conferir se o canal realmente violou alguma das regras estabelecidas.

Caso o analista perceba que a denúncia procede, então o canal poderá levar um strike (uma espécie de aviso). No primeiro, o proprietário do canal precisará participar de um curso de direitos autorais para ampliar seu entendimento sobre como eles funcionam no YouTube. Lembrando que o influenciador digital tem direito de resposta.

Dois pontos fortes que impactam negativamente um canal do YouTube depois de um strike são em relação à monetização do canal e à restrição ao acesso, impedindo de subir novos vídeos ou fazer lives. Entretanto, a política dessa rede social apresenta várias oportunidades para que o responsável pelo canal tome as providências necessárias. Funciona assim:

  • advertência — na primeira vez que o canal infringe as normas, ele não leva um strike, mas uma advertência;
  • strike 1 — é o primeiro aviso, o canal tem 90 dias para regularizar a situação e ficará banido por 7 dias;
  • strike 2 — neste segundo aviso, o gerente da página também terá 90 dias para corrigir a questão denunciada e o canal será banido por 14 dias;
  • strike 3 — por fim, se o canal recebe um terceiro strike, tanto ele quanto seu criador serão excluídos permanentemente do YouTube.

Saiba como evitá-lo

Para uma agência, entender sobre o processo que leva a um strike no YouTube é fundamental. Afinal, além de gerenciar o próprio canal, é comum produzir conteúdos para as contas de vários clientes. Então, já no briefing, é possível coletar informações relevantes para garantir que nenhuma questão ligada aos direitos autorais ou mensagens que infrinjam os direitos humanos aconteça.

O primeiro ponto é estudar todas as regras e diretrizes da comunidade do YouTube. Também é importante convidar os clientes a se manterem atualizados a este respeito. Para isso, a própria agência pode criar conteúdos educativos que facilitem a compreensão sobre o que pode e o que não pode ser veiculado no canal. Alguns conteúdos que estão no alerta do Youtube são:

  • spam e práticas enganosas — identidade falsa, spam, práticas enganosas, golpes, links para conteúdos externos que não estão de acordo com as regras da comunidade, envolvimento falso (comentários, compartilhamentos ou marcações de “gostei” conseguidos de outra forma que não espontaneamente);
  • conteúdo violento ou perigoso — discurso de ódio, assédio e bullying virtual, conteúdo explícito, violento, nocivo ou perigoso, conteúdo produzido ou que apoie organizações criminosas ou terroristas violentas;
  • conteúdo sensível — segurança infantil, nudez, conteúdo sexual, suicídio, automutilação, miniaturas personalizadas com perfil violento, pornográfico ou que levem o espectador a acreditar que assistirá algo que de fato não aparece no vídeo;
  • produtos regulamentados — esta categoria inclui todos os produtos que só são comercializados a partir de alguma regulamentação, como é o caso das armas de fogo (o YouTube inclui na mesma categoria os produtos ilegais);
  • outros — categoria importante de acompanhar, abrange os fatores que não estão relacionados ao tipo de conteúdo postado, mas à inatividade da conta, restrição por causa da idade mínima do responsável pelo canal ou postagens que incentivem à violação dos termos de serviço do YouTube.

Descubra se seu canal tem strike

Se as estratégias estão no mídia kit da sua agência, então você deve saber quais são os passos para checar se o canal do cliente no YouTube já recebeu algum aviso ou strike. Para isso, você precisará ter acesso a uma conta que tem autorização para gerenciar o canal (não precisa ser a conta do cliente). Em seguida, faça o seguinte caminho:

  1. certifique-se de que você está logado com uma conta que tem permissão para acessar o YouTube Studio em questão;
  2. no painel do canal, clique em vídeos, localizado no menu do lado esquerdo, logo abaixo a foto do perfil;
  3. clique no ícone para filtrar (logo acima da lista de vídeos) e escolha reivindicação por direitos autorais;
  4. aparecerá a lista de conteúdos que foram penalizados. É possível ter mais informações sobre cada um passando o cursor sobre a descrição apresentada na coluna restrições.

Conheça as soluções

Nas estratégias de marketing, publicidade e propaganda, é comum seguir tendências e procurar os melhores pontos para interagir com o público. Entretanto, pode ser muito tênue a linha entre a oferta de melhor experiência para o usuário e a infração das diretrizes do YouTube. A música tocada no fundo durante uma live ou o formato da propaganda realizada podem ser os responsáveis pelo strike. Uma vez apresentada a notificação, é hora de agir.

É interessante deixar clara para seu cliente a parceria que existe entre ele e a agência. Então, vocês devem preparar um suporte para acompanhar todas as produções feitas e ajudar no processo de contestação para o canal em questão.

Procure saber qual é o motivo da penalização e conteste o alerta. Para isso, acesse o YouTube para informar os motivos pelos quais você acredita que o seu conteúdo esteja de acordo com as políticas da plataforma. Já para o caso de strike, a questão pode ser resolvida judicialmente para provar o direito de uso, contatar o detentor dos direitos ou passar pelos cursos do YouTube.

Confira alguns cases de canais que levaram strike

Como você deve ter percebido, são vários motivos que podem levar o YouTube a fazer uma advertência ou dar strikes para um canal. Assim, para manter a satisfação do cliente, é importante conscientizá-lo de que as consequências podem prejudicar as estratégias de marketing da empresa. Veja alguns casos em que isso aconteceu:

  • Sara Giromini — a extremista de direita revelou a identidade de uma criança de 10 anos, vítima de estupro, que faria um aborto para interromper a gravidez. O YouTube encerrou a conta por violação repetida das diretrizes da comunidade;
  • César Menotti e Fabiano — a dupla sertaneja usou a plataforma para vender publicidade no mesmo formato que o próprio YouTube já fornece para seus anunciadores;
  • Pablo Vittar, Gustavo Lima, entre outros artistas, usaram a plataforma para fazer propaganda de bebida alcóolica durante suas lives e receberam penalizações por conta disso.

Entenda a atualização do YouTube que permite tirar trechos de vídeos

Otimizando as opções para os produtores de conteúdo, o YouTube apresentou em dezembro de 2019 a opção Assisted Trim. Assim, caso o usuário receba uma denúncia pelo uso indevido relativo aos direitos autorais, ele poderá retirar apenas este trecho do vídeo, mantendo visualizações e outras interações.

Gostou de saber mais sobre o strike no Youtube e como evitá-lo? Para uma agência de comunicação e marketing, é fundamental entender sobre as diretrizes da plataforma e desenvolver materiais que ajudem os clientes a se conscientizarem a respeito das regulamentações do YouTube, evitando notificações e os temidos strikes. Esse é um trabalho que precisa ser realizado em parceria.

Para impulsionar mais ainda os resultados, leia nosso artigo sobre conteúdos em vídeo no YouTube e descubra como investir nessa plataforma!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *