Aprenda como diferenciar procrastinação de ócio criativo

Saiba como diferenciar procrastinação de ócio criativo, e ainda, aprenda como é possível colocá-lo em prática em seu dia a dia!

procrastinação ócio criativo

O que a procrastinação é praticamente todo mundo sabe, afinal, a população atual cada dia mais tenta lidar com ela e busca soluções para enfrentá-la. Mas por acaso você já ouviu falar do conceito de ócio criativo?

Apesar da palavra ócio normalmente estar relacionada a coisas negativas, o ócio criativo é bem diferente da procrastinação, e pode ser usado a seu favor para mudar a sua relação com a produtividade. 

Colocando-o em prática, se torna possível o despertar de grandes ideias, abrindo espaço para críticas, sugestões e o desenvolvimento de novos projetos, ao mesmo tempo que ajuda a manter uma mente relaxada e também focada ao longo da execução de tarefas do dia a dia no ambiente de trabalho. 

Vamos então entender qual é a real definição desse conceito, como também aprender a como diferenciar procrastinação de ócio criativo nos seguintes tópicos:

    Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

    Não se preocupe, não fazemos spam.

    O que é ócio criativo?

    O ócio criativo é o ato de saber conciliar e equilibrar o trabalho e o lazer, a fim de que não haja uma sobrecarga em nenhuma dessas áreas. 

    Esse conceito foi desenvolvido por um sociólogo italiano chamado Domenico de Masi, que afirma que a forma de fazer com que o cérebro produza novas ideias e se mantenha motivado durante as horas de trabalho é inserindo atividades que proporcionem lazer e descanso ao longo desse tempo. 

    Segundo Domenico, esses momentos de “tempo livre” fazem com que a vida seja mais equilibrada, o que consequentemente transforma as pessoas em melhores profissionais, que são mais produtivos como também criativos.  

    Até os dias atuais, ele é uma das maiores referências no tema, com definições que ressaltam a importância dessa prática para ter uma vida mais leve e mais feliz no trabalho. 

    Em seu livro O Ócio Criativo, o sociólogo afirma que: 

    “Existe um ócio alienante, que nos faz sentir vazios e inúteis. Mas existe também outro ócio, que nos faz sentir livres e é necessário à produção de ideias, assim como as ideias são necessárias ao desenvolvimento da sociedade.”

    Essa ideia foge bastante do que vivenciamos na realidade atual, onde grande parte das pessoas se vangloriam por trabalharem demais, muitas vezes ultrapassando a carga horário habitual. 

    Tal fenômeno é chamado de “overtime”, e na realidade, mina a criatividade do profissional e prejudica suas emoções. 

    Porém, ir na contramão dessa mentalidade e praticar o ócio criativo garante que a vida profissional seja mais leve como também mais próspera. 

    Inclusive, muitas empresas hoje já reconhecem essa importância! Grandes nomes como Google, Facebook, Hubspot e  Wall Mart, disponibilizam academias, salas de entretenimento, jardins com peixes e som ambiente, tudo isso no intuito de proporcionar esses momentos de lazer e relaxamento a seus funcionários.   

    Isso porque, elas possuem consciência que esses momentos não devem ser considerados improdutivos, mas sim como algo que possibilita o aumento da performance dos colaboradores. 

    Mas como saber diferenciar esse momentos de ócio criativo para procrastinação? Vamos te explicar! 

    Qual a diferença entre ócio criativo e procrastinação?

    Quando falamos de procrastinação, estamos nos referindo ao ato de deixar tarefas e responsabilidades para serem feitas no último minuto, ou seja, adiando ao máximo a sua execução. 

    Dessa forma, faz com que um grande volume de atividades se acumulem, trazendo vários resultados negativos para o dia a dia. Um desses resultados pode ser o cansaço mental, causado pela sobrecarga de trabalho. 

    Já o ócio criativo não tem como ideia postergar tarefas para um momento futuro, mas apenas estabelecer pausas estratégicas de relaxamento durante a rotina de trabalho diária. 

    A ideia é que, com as pausas, a execução das tarefas se torne mais fácil e atinja melhores resultados. 

    Por isso é fundamental saber diferenciar os momentos de pausas saudáveis e benéficas de momentos de procrastinação, para que assim a execução de tarefas diárias não seja prejudicada. 

    Depois de conseguir observar a diferença entre esses momentos, que tal tentar transformar essa procrastinação em ócio criativo? 

    É importante reconhecer que é impossível ser produtivo durante todo o expediente, e que esses momentos de ócio são necessários para se tornar um melhor profissional. 

    Sendo assim, trouxemos a seguir, no próximo tópico, algumas dicas de como praticá-lo! 

    Como praticar o ócio criativo? 

    1. Comece entendendo que a mente humana é limitada 

    O primeiro passo a ser tomado é realmente entender que a mente humana não é capaz de ter ideias brilhantes a todo momento, e que nem sempre seus momentos de descanso resultarão nelas. 

    Mas realmente os melhores insights costumam acontecer em circunstâncias de desconcentração, quando não existe pressão para que resultados sejam alcançados. 

    Qual a importância do ócio para a ação de pensar?

    Vale ressaltar que todos os filósofos e pensadores da antiguidade, e até mesmo os mentores e coaches da atualidade afirmam que as melhores soluções surgem quando estamos com a mente livre. 

    Por isso, não deve-se deixar de praticar as pausas do ócio criativo, já que é por meio delas que seu cérebro será capaz de descansar, e possivelmente gerar essas ideias. 

    2. Tenha sempre onde anotar suas ideias

    Uma boa maneira de pôr o ócio criativo em prática é sempre tendo algum modo de fácil acesso de anotar suas ideias. Seja em um caderninho, no bloco de notas do celular, para sempre anotá-las no exato momento que foram pensadas. 

    Muitas vezes temos ótimas ideias, e ao estarmos focados em outras atividades e acabamos não notando, e as esquecemos em seguida. 

    Dessa forma, não espere o momento certo, pois nosso cérebro não é confiável o suficiente para se lembrar de todas as suas boas ideias. Anote tudo que pensar, e depois revisite essas informações, filtrando aquelas que realmente possuem relevância. 

    4. Entenda o seu tempo interno e tire pausas estratégias 

    Entender o seu próprio tempo interno, sabendo quando são as ocasiões em que se encontra com maior foco e quais não, serve para saber quando deve ser investida a maior parte de sua energia, poupando esforços quando sabe que o trabalho não renderá o mesmo tanto.

    Com esse entendimento, é possível estabelecer pausas estratégicas nos períodos em que o foco e a produtividade são menores, dando à mente a possibilidade de “respirar” um pouco, para que em seguida ela consiga trabalhar com melhor desempenho. 

    Vale ressaltar que essas pausas não precisam ser demoradas, e que é muito mais interessante fazer algumas pausas curtas ao longo do expediente do que somente uma pausa longas. 

    Por exemplo, tirar duas pausas de 20 minutos em certos intervalos de tempo pode ser mais eficiente do que ficar desfocado somente uma vez por 40 minutos. 

    5. Saiba como relaxar e busque o que te inspira 

    O ócio criativo, com suas pausas, serve justamente para proporcionar a sensação de relaxamento ao longo da execução de tarefas que muitas vezes não são fáceis.

    No entanto, muitas vezes as pessoas não sabem como realmente relaxar, pois estão tão imersas em suas tarefas que parece errado tirar um tempo e desfocar de suas obrigações. 

    Segundo o filósofo Mário Sérgio Cortella, “o ócio é o poder de escolher o que será feito sem uma obrigatoriedade”.

    Dessa maneira, uma forma de driblar essa sensação é tentando fazer atividades que considere prazerosas durante as pausas. Seja comer algo diferente, conversar com as pessoas, jogar um jogo, meditar ou até assistir a algum vídeo. 

    Também, busque formas de entretenimento que te geram inspiração! Seja ouvir uma música, ler um livro, ou outros. Assim, procure se autoconhecer e descobrir o que te inspira, para que você seja capaz de ter uma mente criativa que gere novas ideias. 

    A ideia é apenas que sejam atividades que não demorem muito, para que a pausa não fuja do tempo planejado, e assim seja possível fazer essa mescla entre sessões de trabalho e descanso. 

    Como a tecnologia pode afetar o ócio criativo?

    Não é novidade que as redes sociais hoje tomam grande parte do tempo das pessoas. Ao longo de todo o dia, durante a jornada de trabalho, a locomoção para o lugares e até mesmo em casa, sempre estamos dando uma verificada em quais são as novidades. 

    Segundo a pesquisa Global Digital Overview 2020 os brasileiros passam uma média diária de 3 horas e 31 minutos navegando pelas redes. Bastante tempo levando em conta que maioria das pessoas trabalham por uma jornada de 8 horas diárias, não é mesmo? 

    Desse modo, a digitalização do mundo moderno pode ser um verdadeiro inimigo do ócio criativo, já que as redes sociais tomam o tempo que poderia ser utilizado para realizar outras atividades que seriam mais úteis e produtivas. 

    O problema disso está no fato de que a maior parte do conteúdo consumido nessas redes não leva a nenhum aprendizado ou estimulação saudável do cérebro. 

    Portanto, tentar diminuir o uso das redes e praticar outras atividades durante os momentos de ócio criativo é muito mais proveitoso! E ainda, buscar conteúdos de qualidade nesse ambiente, como por exemplo páginas sobre música, e outros temas de seu interesse que são capazes de estimular a criatividade.

    Compartilhe
    facebook
    linkedin
    twitter
    mail

    Inscreva-se em nosso blog

    Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email

    Quer receber mais conteúdos brilhantes como esse de graça?

    Inscreva-se para receber nossos conteúdos por email e participe da comunidade da Rock Content!