Como se iniciar na carreira de ilustração

Hoje, ter uma carreira de ilustração é perfeitamente viável se você investe não só na sua técnica, mas também em seu estilo único e no profissionalismo. As dicas a seguir são a melhor forma de começar a estruturar o seu trabalho.

Como se iniciar na carreira de ilustração

A carreira de ilustração por muito tempo foi vista como um caminho mais artístico para quem tem talento na área, mas sabia que essa realidade vem mudando bastante nos últimos anos?

Com o aumento da demanda do Marketing de Conteúdo por peças mais visuais, muitas empresas buscam ilustradores e designers freelancer para encantar, atrair e engajar seu público.

Ou seja, atualmente, ilustrar é um caminho profissional aquecido, estável e com muitas oportunidades. Neste artigo, quero ajudar você a começar, principalmente dando dicas de como iniciar na carreira da maneira certa. Acompanhe!

A carreira de ilustração

Antes de irmos para as dicas, eu queria apenas definir o que significa ser ilustrador no contexto apresentado aqui — de uso comercial em marketing, conteúdo digital e suporte ao trabalho com identidade visual de marcas.

Ilustrar nessa área, por muitas vezes, exige um pensamento e um trabalho que puxa mais para o lado do design: a criação de peças visuais de acordo com um briefing, com um objetivo comercial específico.

Isso é real em quase todo tipo de demanda que existe para ilustradores profissionais atualmente. Artistas conceituais, character designers, capistas, suporte a infográficos e outros conteúdos informativos, animação institucional, entre muitos outros trabalhos que podem ser feitos em empresas, estúdios ou, como vem se tornando mais comum, como freelancers.

Um exemplo de como essa demanda vem aumentando é a busca cada vez maior por ilustradores que produzem peças voltadas para o Motion Design — animações 2D baseadas em ilustração, formas, cores e tipografia.

A busca por conteúdos cada vez mais ricos, engajadores e interativos na internet vem trazendo essa necessidade de contratar profissionais que não só tenham um estilo bem definido e resolvido de trabalho, mas que saibam lidar com a dinâmica de produção e entendem a importância de se conectar com os objetivos do cliente. É o gancho perfeito para começar nossas dicas.

As 7 dicas para ser ilustrador

Quando se fala em como ser ilustrador profissional, talvez a primeira coisa que venha à cabeça é saber desenhar muito bem. Mas, embora isso seja fundamental — é a prática do seu trabalho, afinal de contas —, é preciso muito mais do que técnica para se destacar nesse mercado.

O que você precisa, então, para aprimorar suas qualidades de ilustração e tudo que gira ao redor delas? Separei 7 dicas bem diretas do que separa bons profissionais na área. Confira!

1. Encontre seu diferencial

Existem muitos ilustradores generalistas no mercado, que se adaptam a diversos tipos de estilo e situações, mas, no começo, é sempre melhor investir em algo que faz o seu trabalho único.

Dessa forma, quando um cliente buscar uma estética específica para o conteúdo, o seu trabalho chamará mais atenção por ser claro e bem definido sobre como pode agregar ao material dele.

Portanto, comece pelo que diferencia sua ilustração e aprimore seu estilo com esse foco. Trabalhe seu tipo de processo (vetorial, pintura digital, manual, híbrido), estilo de traço, cores, formas e todas as características que trarão uma cara para seu talento.

2. Domine softwares populares no mercado

Hoje em dia, é muito raro alguém conseguir seguir uma carreira de ilustração sem utilizar ferramentas digitais. Além de facilitar o seu trabalho, softwares de edição e pintura organizam sua produtividade e facilitam o compartilhamento de conteúdo com clientes e dentro das suas vitrines.

O ideal, primeiro de tudo, é sempre utilizar aqueles programas que funcionam melhor para você, que você se sente mais à vontade trabalhando e se expressa melhor. Mas também é importante conhecer ferramentas populares, como a suíte da Adobe. Isso facilita na compatibilidade e na comunicação com seu público.

3. Invista em sua estação de trabalho

Não tem como fugir disso: ilustradores precisam investir para alcançar um potencial maior na profissão. Isso não significa que você precisa gastar muito com as melhores opções no mercado, mas deve ir atrás das ferramentas do seu trabalho que, pelo menos, tenham um bom custo- benefício.

Um bom computador, com um monitor de qualidade e fidelidade nas cores, e uma mesa digitalizadora são prioridades nesse começo. É interessante também pensar em ergonomia, como uma mesa e uma cadeira que permitam horas de trabalho sem prejudicar sua saúde.

Mas, mesmo que não seja possível comprar tudo de uma vez, faça um planejamento e tente improvisar um escritório só seu, um local para focar no trabalho.

4. Crie seu portfólio online

portfólio é a carta de apresentação de ilustradores. É a maneira pela qual o público e possíveis clientes conhecem seu trabalho, seu estilo e decidem se é aquilo que precisam no momento.

Existem hoje diversas plataformas para criar um portfólio online, que integram o próprio espaço às artes e demonstram o que você é capaz de fazer. Existem até redes específicas para isso, como o Behance. Busque essas frentes para expor seu trabalho e varie nas peças para demonstrar o seu alcance de estilos.

5. Participe da comunidade

A demanda para ilustração atualmente é tão grande que você não pode tratar colegas de profissão como concorrentes. Cada um tem seu estilo e seus objetivos, e todos estão crescendo juntos.

O ideal é exatamente o contrário, considerar cada networking como uma porta que se abre para sua carreira. Participe de comunidades de artistas e designers, esteja aberto a discussões e troque experiências.

Além de crescer profissionalmente, você pode encontrar ainda mais oportunidades de trabalho quando tem muitos contatos na área.

6. Seja profissional

Esse é um ponto muito importante que acaba limitando o sucesso de muitos ilustradores: não importa o quão bem você domina a técnica se não domina a profissão.

Sim, o que separa um artista de um profissional de ilustração é que, para o primeiro, o objetivo final é a arte em si. Para o segundo, o objetivo final é o resultado dessa arte para as expectativas do cliente. Ou seja, tudo que está em volta conta: 

  • organização de workflow;
  • atendimento de prazos;
  • saber receber e responder feedbacks;
  • comunicação direta e objetiva com o cliente;
  • saber negociar e valorizar seu trabalho;
  • ter postura profissional em perfis voltados para demonstrar seu trabalho;
  • saber escolher os jobs viáveis para você;
  • separar gastos com a carreira de gastos pessoais, entre outros.

Embora o seu estilo e sua técnica sejam os fatores de decisão na hora de contratar seu serviço, é sua postura durante o trabalho que vai determinar se aquele cliente continuará trabalhando com você no futuro.

7. Foque em áreas do mercado que combinam com você

Terminando esse lado mais de mercado, lá em cima eu falava sobre quantas oportunidades diferentes existem para quem investe na carreira. E é importante entender que cada uma delas exige algumas particularidades.

Capistas, por exemplo, ilustram para capas de livros físicos e digitais — podem ser mais artísticos e rebuscados, com mais focos em detalhes. Já o Motion Design, que está em alta, geralmente busca ilustrações com menos elementos, que priorizam legibilidade de formas e dinâmica de movimentos.

Ou seja, cada área tem pré-requisitos buscados por clientes no seu portfólio. A melhor forma de encontrar as oportunidades certas é combinar a sua técnica com o tipo de arte em que ela se encaixa. Você garante mais jobs e uma satisfação maior do cliente quando eles são concluídos.

Os primeiros passos da sua carreira

Aprimorando sua técnica com cursos e tutoriais, adotando uma postura mais profissional e mostrando seu trabalho em portfólios e redes sociais, você tem tudo para lançar sua carreira de ilustração.

A partir daí, o que você precisa é encontrar os clientes certos que valorizam o tipo de trabalho que você realiza. E a rede de talentos da Rock Content é o lugar perfeito para começar.

Por que então você não faz parte dessa área que vem crescendo tanto no mercado? Entre agora para o banco de talentos de Motion Design e tenha mais oportunidades de trabalho como freelancer!

Compartilhe
facebook
linkedin
twitter
mail
Guilherme Pimenta
Briefing

Paula Peres

Guilherme Pimenta
Revisão

Débora Albuquerque

Gostou deste conteúdo?

Envie-o para seu e-mail para ler e reler sempre que quiser.

Posts Relacionados

Os melhores conteúdos para sua carreira freelancer, direto na sua caixa de entrada

Inscreva-se para receber no e-mail conteúdos exclusivos e em primeira mão.