Por Ivan de Souza

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicado em 6 de maio de 2020. | Atualizado em 6 de maio de 2020


Cultura colaborativa é um tema importante para qualquer empresa. Conhecida também como gestão horizontal, reduz a burocracia, flexibiliza a hierarquia e torna o colaborador um potencial tomador de decisões. Os resultados são os melhores possíveis, como maior produtividade e autonomia e a melhoria do clima organizacional.

A cultura organizacional se relaciona com a imagem da empresa diante do mercado, da sociedade em geral, dos funcionários, dos clientes, dos parceiros e de todos os outros interessados. Essa cultura também está associada à criatividade na forma de gestão embora essa percepção não seja unânime.

Uma cultura tradicional baseia-se na gestão vertical, em que há uma hierarquia rígida a seguir. Já a colaborativa se relaciona com a gestão horizontal, na qual existe uma flexibilidade maior, ou seja, a hierarquia tende a ser mais maleável, incorrendo em menos burocracia.

Esse padrão de comportamento se caracteriza pelo compartilhamento das ideias, atividades e experiências entre todos os membros de uma empresa. Assim, os colaboradores se envolvem mais na tomada de decisões e todos trabalham visando alcançar um objetivo comum.

Podemos indicar como elementos próprios da cultura colaborativa a delegação das responsabilidades, as decisões descentralizadas, os espaços que motivam as ações de colaboração, a participação de todos, a hierarquia flexível e a abertura às novas ideias. Saiba mais sobre o assunto lendo o texto até o final!

As vantagens da cultura colaborativa

Investir nesse novo modelo organizacional garante muitas vantagens à gestão para agências. Confira as principais delas a seguir.

Melhora do ambiente de trabalho

Quando se trabalha em um ambiente menos formal, mais integrado, em que líderes e colaboradores conversam com mais espontaneidade, é natural que o clima organizacional melhore bastante. Os funcionários se sentem menos pressionados e mais satisfeitos, como fazendo parte de uma família. Consequentemente, se engajam mais com seu trabalho.

Isso é vantajoso para todos, inclusive para a imagem dos gestores. A antiga ideia do chefe carrancudo, de mau humor, que explora os subalternos, dá lugar à ideia de um líder colaborativo, que está disposto a orientar, a compartilhar seus conhecimentos e a ouvir sugestões para que os objetivos do negócio sejam alcançados.

Aumento da produtividade

O tempo é de extrema importância para qualquer ambiente de trabalho. Por exemplo, ao calcular o preço de um serviço, o profissional habitualmente considera o tempo gasto para efetivar a tarefa. De modo geral, buscam-se os melhores resultados no menor tempo possível.

A otimização do tempo e o engajamento permitem que o ritmo de trabalho aumente com o desenvolvimento da qualidade. Quando se encerra cada ciclo, percebe-se um ambiente de trabalho com mais harmonia, dentro dos padrões combinados, sem grades desvios.

Uma gestão de projetos bem-efetivada causa um impacto positivo, gerando relevantes mudanças de paradigmas. Notando que os resultados foram além do que se esperava, os trabalhadores sentem-se felizes com o sucesso final conquistado coletivamente com a parcela individual de cada um. O aumento da produtividade é uma consequência natural do engajamento de todos, do esforço pessoal de cada colaborador.

Maior autonomia para os funcionários

A proximidade entre líderes e funcionários é uma caraterística marcante da cultura colaborativa. A hierarquia ainda existe, mas o tratamento entre as pessoas de diferentes níveis muda. A maior autonomia no trabalho permite que seus talentos sejam melhor aproveitados, sendo eles podem até tomar decisões e iniciativas sem a necessidade de consultar constantemente seus superiores.

Uma agência de comunicação moderna precisa de profissionais assim, mais capacitados e ousados, que estejam prontos para lidar com situações adversas e se adequar a mudanças de cenários, sejam ou não inesperadas.

A importância de uma gestão colaborativa bem-planejada

Vimos como a cultura colaborativa impacta positivamente os negócios, criando um ambiente mais produtivo. Os trabalhadores se engajam mais e a equipe tem mais coesão na realização das tarefas. O ambiente fica mais dinâmico, já que a troca de ideias é um processo de rotina que acelera e otimiza a tomada de decisões.

Para planejar a implementação desse modelo de gestão, é fundamental conhecer os pontos fortes e fracos dos colaboradores. Assim, será possível melhorar os primeiros e corrigir os outros. Esse conhecimento facilita também a distribuição de funções e a delegação de tarefas.

A implementação da cultura colaborativa na agência

A reforma na cultura organizacional não ocorre de forma rápida. Trata-se de um processo gradual. Para compreender melhor como se dá essa implementação, considere os pontos a seguir.

Faça treinamentos

Se o processo é gradual, o treinamento torna-se essencial ou, pelo menos, de muita importância. O papel do líder é decisivo para o novo tipo de cultura, visto que ele será o responsável por comunicar, orientar, esclarecer o que significa a mudança, quais os seus objetivos e como cada um pode ajudar para alcançar os resultados esperados.

O líder deve manter sua mente aberta para escutar, ser maleável para as inovações, mostrar confiança nos trabalhadores e ser transparente com eles. Nesse sentido, os treinamentos são peças estratégicas para promover a transformação, já que sua influência sobre os colaboradores é inquestionável. A disseminação das novas práticas deve partir deles.

Recompense seus funcionários

É preciso recompensar os colaboradores por seu esforço para alcanças as metas propostas. Como a cultura é colaborativa, as recompensas podem ser em grupo, mostrando que cada profissional cumpriu seu papel e estimulando todos a continuar trabalhando em parceria.

Nada impede, contudo, que as recompensas individuais sejam dadas. Elas estimulam um colaborador específico a permanecer engajado, oferecendo o melhor de si para que o objetivo comum seja alcançado. Na verdade, o trabalho é coletivo, mas cada um contribui com seus próprios méritos e essa realidade deve ser reconhecida pelos gestores.

Delegue tarefas

A cultura colaborativa não pode centralizar tarefas de forma rígida em uma única pessoa. Por isso, o gestor deve aprender a delegar tarefas a seus colaboradores. É preciso dar um voto de confiança aos funcionários, oferecendo a eles a responsabilidade de executar algumas atividades que, de praxe, caberiam somente ao líder.

Essa também é uma forma de avaliar o nível de comprometimento do funcionário, de sua boa vontade em ir além daquilo que deve fazer. Geralmente, os colaboradores mais dinâmicos gostam de novos desafios e estão dispostos a encarar atividades novas a fim de contribuir para os melhores resultados.

A cultura colaborativa acabará por se impor em todas as empresas. Essa é a perspectiva para os próximos anos. A gestão horizontal tem se mostrado mais eficaz, contribuindo para criar uma imagem mais acessível do gestor e, consequentemente, quebrando as barreiras rígidas que costumavam separar os chefes dos funcionários.

Neste artigo, abordamos um tema muito atual e importante. Vamos continuar falando de assuntos interessantes para sua agência? Confira, então, o que é compliance, quais são seus benefícios e como implantar em seu negócio. Afinal, ele também ajuda a otimizar o ambiente de trabalho e a evitar problemas com as leis!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *