Por Redator Rock Content

um de nossos especialistas.

Publicado em 14 de outubro de 2020. | Atualizado em 14 de outubro de 2020


Promotores do Departamento de Justiça e do Ministério Público estadual discutem maneiras de restringir o poder de mercado da gigante dos mecanismos de pesquisa e publicidade digital enquanto se preparam para processar a empresa.

A hegemonia do Google não é novidade para nenhum usuário da Internet há muitos anos. Seu mecanismo de pesquisa é o mais famoso e mais usado e, por isso, a empresa tem dados substanciais sobre o comportamento das pessoas na web para direcionar outros produtos, como as suas ferramentas e modelos de publicidade.

Além disso, baseada no histórico de acessos e no uso de cookies pelo Chrome, navegador do Google usado por mais de 65% dos usuários da Internet em todo o mundo, que a gigante da tecnologia também coleta informações para as suas campanhas publicitárias e anúncios do Ads.

Por esse motivo, o Chrome foi o alvo principal de uma ação antitruste operada pelo Departamento de Justiça dos EUA que pode culminar com a obrigatoriedade da venda do navegador. No processo, até concorrentes do Google foram ouvidos — além de especialistas em tecnologia de publicidade e editores de mídia —, para confirmar a vantagem competitiva da empresa no mercado global de publicidade digital, que movimenta US $ 162,3 bilhões.

Segundo o site Politico, dentre as medidas potenciais para enfraquecer o controle do Google, além da venda do Chrome, está a obrigatoriedade da venda de parte do seu negócio de publicidade. Entretanto, se a venda do navegador ocorrer, os concorrentes não teriam opção de compra, uma vez que isso apenas alteraria a vantagem competitiva de um agente já estabelecido para o outro.

Powered by Rock Convert

O maior problema na venda do Chrome não seria exatamente a inibição da coleta de dados dos usuários. O navegador é baseado no Chromium, uma ferramenta de código aberto com grande potencial de crescimento. Entretanto, a dissolução desse produto no portfólio de ferramentas do Google poderia interferir negativamente na experiência dos usuários, dadas as possibilidades de sincronização de contas, extensões e outros elementos personalizáveis que poderiam ser comprometidos.

Paralelamente, o DOJ (United States Department of Justice) prepara um processo que pode ser aberto na próxima semana, em que também acusa o Google de abusar de seu controle no mercado de buscas online, mas cujo principal alvo de acusação seria o sistema operacional para dispositivos móveis do Google — o Android — que, supostamente — e assim como o Chrome —, seria usado para ajudar na consolidação do seu mecanismo de busca no mercado.

O litígio entra em evidência em um momento inoportuno: assim como o Google, outras gigantes ​​da indústria de tecnologia como o Facebook, a Amazon e a Apple, também estão na mira do congresso americano, acusadas de inibirem a atuação de concorrentes no mercado, pelo tratamento inadequado de dados confidenciais de usuários e até pela replicação de desinformação que poderia interferir (como já o ocorreu) na corrida presidencial.

Embora o DOJ não tenha anunciado oficialmente que forçará a venda do Chrome, várias pessoas confirmaram que essa questão entrou em discussão como a principal forma de limitar o poderio de mercado do Google. Se esse for o caminho escolhido, a decisão será histórica como a primeira dissolução de uma empresa dos Estados Unidos por ordem judicial em décadas.

Aproveite para aprender como limpar o cache do seu navegador para limitar — ainda que de forma bem modesta—, a análise dos seus dados de navegação!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *