Por Redator Rock Content

um de nossos especialistas.

Publicado em 9 de outubro de 2020. | Atualizado em 9 de outubro de 2020


Facebook anunciou que vai barrar anúncios relacionados à política depois das eleições presidenciais dos Estados Unidos. A medida tem o objetivo de desacelerar a polarização política no país. A iniciativa da rede social mais popular do mundo tem sido criticada por republicados e democratas.

As redes sociais, em especial o Facebook, se tornaram importantes aliadas para a publicidade e propaganda política, uma vez que permitem o alcance do público em larga escala. No entanto, na história recente o uso inadequado da plataforma tem gerado controvérsias e problemas com a lei, como no escândalo da Cambridge Analytics.

Diante disso, por meio de comunicado à imprensa na última quarta-feira, o Facebook anunciou que vai banir por tempo indefinido todo o tipo de publicidade que esteja relacionada à política. Porém, a medida só deve ser aplicada depois das eleições presidenciais nos Estados Unidos, cuja data está marcada para 03 de novembro de 2020.

O que motivou a decisão?

Nos últimos meses, a gigante de tecnologia havia dito que não pretendia efetuar alterações adicionais quanto às políticas eleitorais da plataforma. Contudo, com o acirramento da campanha eleitoral dos EUA, em que Donald Trump, atual presidente do país, tem demonstrado que não vai aceitar um resultado de votação desfavorável, o Facebook optou por esta medida para evitar a intimidação dos eleitores na internet.

A decisão também parte da pressão que os grupos de combate às fakes news fazem sobre a rede social desde as eleições de 2016. Em setembro, Mark Zuckerberg, CEO da companhia, revelou que a plataforma vai barrar novos anúncios políticos uma semana antes das eleições em decorrência do receio de que haja uma inflamação civil por causa da polarização política que tem crescido no país.

Em uma postagem com o anúncio da decisão, o vice-presidente de integridade da empresa, Guy Rosen, afirmou que o Facebook também vai restringir post sobre os resultados de pesquisa que utilizem uma linguagem militarizada ou que tentem coagir o eleitor. Segundo o executivo, a ação visa reduzir as oportunidades de confusão e abuso.

Os anunciantes políticos serão notificados assim que a eleição dos EUA for encerrada. Porém, ainda não há uma data exata para que a medida passe a valer dentro da rede social.

Republicanos e democratas criticaram a iniciativa do Facebook

Embora o objetivo da empresa de Zuckerberg seja evitar que ocorram problemas nas vésperas das eleições, a medida tem sido questionada tanto por republicanos quanto por democratas, que entendem que a proibição de criar anúncios políticos acaba prejudicando as suas respectivas campanhas eleitorais.

Tim Murtaugh, que é porta-voz da campanha de Trump, alega que a ação estabelecida pelo Facebook tem como finalidade afetar a campanha do candidato à reeleição, visto que ela conta com o chamado ‘’Exército para Trump’’, que atua fortemente nas redes sociais.

Consciente da sua relevância nas eleições, o Facebook tem se movimentado para tornar os processos eleitorais mais transparentes e dentro da lei. A decisão de banir anúncios políticos depois das eleições estadunidenses é uma das medidas dentre outras que a companhia pretende instituir futuramente a favor da democracia.

Com isso, os anunciantes terão que rever o seu fluxo de postagem e estratégia para redes sociais, para que seja possível rodar as suas campanhas dentro do prazo e consigam se enquadrar nas novas determinações da plataforma. Por sinal, confira neste post como fazer o mesmo na sua agência!

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *