Experiência do usuário: como ela afeta o desempenho do seu conteúdo?

Você já se deparou com o termo “experiência do usuário” ao longo da sua carreira de redator?

A expressão Experiência do Usuário, muitas vezes substituída pela sigla UX (do inglês User Experience), refere-se à maneira pela qual os profissionais de design melhoram a usabilidade de um site ou qualquer outro sistema digital. É um processo que deve considerar vários fatores como acessibilidade e possibilidades de interação com o usuário.

Novos sistemas, aplicativos, sites e blogs surgem a todo momento, com usabilidade cada vez mais simples e ágil. Por isso, a experiência do usuário é um foco importante dos designers, programadores e conteudistas ao redor do mundo há bastante tempo.

Os usuários podem usufruir dos produtos com facilidade. Caso contrário, a tendência é que ele caia no esquecimento e não seja mais viável para o mercado. Quando o assunto é conteúdo, é fundamental ter essa mesma preocupação.

Temos inúmeras experiências na internet, e o ideal é que cada uma delas proporcione o máximo de conforto e fluidez. Em um conteúdo, por exemplo, somos estimulados por CTAs, acessamos links internos, interagimos com pop-ups etc.

A experiência do usuário é importante para a navegação pelo seu blog. No decorrer do nosso post, saiba como ela pode afetar o desempenho do seu conteúdo.

Elementos da experiência do usuário no conteúdo

Um grande trabalho de design agrega valor para a experiência do usuário. O resultado esperado, em todo caso, é ajudar uma empresa a direcionar, por meio do produto, sua audiência da maneira mais intuitiva para um determinado objetivo.

É isso que pode decidir se alguém vai comprar um produto ou não, continuar lendo um material ou abandoná-lo antes de chegar à metade.

Em poucos segundos, a decisão é tomada. Por isso, o usuário deve conseguir se movimentar de tela para ela com o máximo de tranquilidade.

No geral, podemos até definir alguns elementos de um site ou app que estão envolvidos na experiência do usuário. Confira a seguir.

Adaptabilidade

O layout de um site deve se adaptar aos diferentes formatos de dispositivo para garantir o máximo de conforto na apresentação para o cliente. Corre-se o risco de perder o contato ou uma venda quando o site não se adapta a uma tela menor que a desktop.

Design

O design do site dá identidade à empresa, pode transmitir credibilidade e valorizar o conteúdo. As informações precisam estar organizadas e estruturadas para fazer com que o usuário encontre o que deseja. Uma boa arquitetura de dados influencia diretamente na tarefa de o design cumprir o seu papel.

Funcionalidade

Ao clicar em um botão ou link, o site ou app deve funcionar e direcionar o usuário para o seu objetivo. A funcionalidade é alta quando é fácil encontrar o que se procura e as opções entregam o que realmente prometem.

Usabilidade

A usabilidade acontece quando o usuário não precisa pensar muito na navegação. É quando tudo parece fluir naturalmente, as informações estão fáceis de localizar e a sequência para preencher um formulário, ir para outros conteúdos ou conhecer os produtos da loja não exige grande esforço.

Para que uma plataforma tenha uma boa usabilidade, é essencial fazer testes A/B e minimizar os erros.

Valor

Um projeto de design precisa comunicar diretamente um valor (ou valores) para sua audiência.

O design é o que contribui com as expectativas, os desejos e sonhos de um usuário. Então, se ocorre o encantamento com o produto, parte da responsabilidade é o design.

Quer usar esses elementos na prática? Mapeie cada um no desenvolvimento do seu próximo projeto. Isso vai ajudar você a não deixar de lado a UX.

Estratégias para acertar na experiência do usuário

Que a experiência do usuário no conteúdo é algo importante você já deve saber. Agora, vamos explicar dicas de como usar o UX para desenvolver projetos matadores. Vamos nessa!

Trabalho em conjunto entre redator e designer

O redator é quem recebe a pauta e produz um conteúdo sedutor, relevante e útil a partir dela. O designer é quem se responsabiliza por tornar esse conteúdo visivelmente bonito, organizado e intuitivo para ser consumido por meio do visual do site.

Atualmente, essas duas atividades se misturam a todo momento. Isso acontece porque existe uma variedade enorme de tipos de conteúdo web.

Com isso, o foco deixou de ser apenas o que está escrito. Agora, a forma como esse conteúdo é oferecido é um ponto-chave na competição por cliques e acessos.

Em suma, quem conquista o leitor é o site ou blog que mais se preocupa em oferecer uma experiência completa, confortável e acessível para o usuário.

Por isso, ao produzir conteúdo para web, o redator não considera apenas as características pessoais das personas (como idade, sexo e escolaridade), mas também os hábitos de consumo:

  • onde ela consome conteúdo? Em casa, no trabalho, no transporte público?
  • Quais dispositivos utiliza com maior frequência?
  • Quanto tempo tem disponível para consumir conteúdo?

Cada um desses pontos ajuda a traçar o escopo de um conteúdo ideal para a persona, que ela vai consumir de forma natural, sendo conduzida por um funil de vendas.

Uma boa experiência de usuário, em produção de conteúdo, é produzida com habilidades de redator e planejamento de designer. Preferencialmente, por um profissional que seja capacitado nessas duas frentes.

Técnicas de SEO

SEO e UX têm tudo a ver! Como vimos, a experiência do usuário passou a ser um fator de rankeamento nas análises do Google. Observe alguns critérios que os robôs do gigante das buscas consideram para gerar um melhor rankeamento:

  • presença de links internos;
  • adaptações para dispositivos móveis;
  • tempo de carregamento das páginas na hora de avaliar o seu site.

Percebeu como todos são pontos críticos da experiência do usuário? Assim, a sua estratégia de SEO precisa contemplar esforços para garantir uma boa experiência aos seus leitores. Afinal, os pontos citados interferem diretamente na satisfação do usuário com o seu conteúdo.

Para começar, a leitura não vai acontecer se o site não for adaptado para dispositivos móveis. Em segundo lugar, uma página que demora demais para abrir é ignorada pelos usuários, e o tempo de permanência dos leitores no seu site é um critério de rankeamento também.

Por último, os links internos fazem com que o usuário navegue pelo seu site, mostrando ao Google que você oferece conteúdo interessante e útil para os visitantes.

Aspectos visuais do texto

visual do texto faz toda a diferença para a experiência do usuário. O peso das fontes deve ser escolhido com base no design da página, na cor de fundo, no estilo escolhido para o site.

É importante dar preferência para fontes que possam ser colocadas em negrito e itálico sem prejudicar a leitura, uma vez que esses recursos podem ser necessários para dar destaque a algumas partes do texto. Da mesma forma, escolha uma fonte que funcione bem em tamanhos diferentes, para que títulos, intertítulos e o texto corrido estejam em harmonia visual.

Para a web, fontes sem serifa (aqueles pequenos traços nas extremidades das letras, como neste exemplo) são indicadas para facilitar a leitura.

Além disso, sempre leve em conta a paleta de cores planejada para o site. Por vezes, as cores podem ser ligeiramente diferentes, de acordo com o navegador ou o dispositivo utilizado.

Formatação

O alinhamento do texto é uma questão importantíssima para a experiência do usuário. Você reparou como este texto está alinhado aqui na página?

Nós optamos pelo alinhamento à esquerda, em vez de utilizar o justificado, que você provavelmente aplica nos seus trabalhos acadêmicos.

O alinhamento justificado pode até parecer mais organizado, mas dá aos parágrafos um aspecto de blocos maçantes de texto, o que pode afastar o leitor em um primeiro momento. Além disso, para justificar totalmente as linhas, o espaço entre as letras pode ficar muito grande, prejudicando muito o ritmo de leitura.

Com o alinhamento à esquerda, a experiência é favorecida tanto no computador quanto em um celular, por exemplo, em que a tela menor dificulta ainda mais a leitura.

Conteúdos interativos

É muito comum encontrar formatos diferentes de conteúdo, que vão além da linguagem puramente verbal. Infográficos, quizzes, enquetes, vídeos e animações, por exemplo, podem ser incrivelmente efetivos para passar a mensagem ao leitor.

Em cada formato, interativo ou não, há uma maneira de otimizar o aproveitamento do conteúdo pelo usuário.

Quando as personas têm tempo e paciência para ler, os conteúdos escritos precisam ser escaneáveis e gramaticalmente adequados.

Para vídeos, lembre-se que eles podem ser consumidos de forma mais passiva, quando a persona não pode dedicar atenção exclusiva. Diante dessa experiência, os espectadores podem assistir somente a trechos específicos ou somente escutar o áudio. Portanto, uma boa descrição e qualidade audiovisual são fundamentais!

Infográficos precisam ser bem organizados, coloridos, didáticos e contar com apenas a quantidade necessária de texto. Não adianta produzir um infográfico e copiar e colar as informações de um artigo, é preciso ser sucinto e saber combinar os dados com as imagens escolhidas.

Simplicidade

Simplicidade é a chave para melhorar a experiência do usuário. Isso vale para o conteúdo e também para o designer.

Simplicidade é retirar o desnecessário e deixar apenas o essencial do projeto. Para isso, note qual é o objetivo central de um projeto e foque nos elementos que realmente podem ajudar o usuário nessa jornada.

Em vez de procurar, o usuário prefere escolher a opção que o levará para outro lugar. A diferença, embora não pareça, pode ser grande! Se é preciso procurar as funcionalidades (ainda mais por muito tempo), o usuário não hesita em ir para outro site.

É importante evitar qualquer complexidade. O design fácil e direto vai ajudar o usuário a alcançar o que ele realmente deseja.

No entanto, como mostrar o que o usuário precisa sem deixar o layout sujo ou colocar barreiras? Cada projeto é um, e cabe ao designer mapear quais são os seus elementos essenciais para ajudar o usuário!

Design responsivo

O design responsivo é um processo de estruturação HTML e CSS para adaptar o site ao browser do usuário, sem que haja a necessidade de definir várias folhas de estilo específicas para cada uma das resoluções. Em outras palavras, o layout fica adaptado à resolução de um usuário.

Mas por que isso é importante? Segundo um levantamento recente do site Oberlo, 57% de todo o tráfego dos usuários acontece via mobile. Isso significa que mais da metade das pessoas escolhem usar dispositivos móveis para acessar a internet, como smartphones e tablets.

Os números do mobile crescem a cada ano e forçam cada vez mais empresas a adotarem estratégias de design responsivo. A maioria dos usuários provavelmente abandona os sites quando eles não são mobile friendly, e os profissionais que não consideram o SEO mobile ficam para trás no rankeamento em mecanismos de busca.

No caso de sites mobile-first (quando os projetos são planejados primeiro para os dispositivos móveis), o designer precisa repensar uma série de fatores, já que a tela menor muda drasticamente a experiência do usuário com um conteúdo ou outros processos.

É importante pensar em algumas questões. Partindo do objetivo central do projeto, pense, por exemplo, quais funcionalidades são realmente necessárias no mobile e se os aspectos visuais possuem o mesmo efeito.

Prepare-se para aplicar a experiência do usuário

Hoje, muitos profissionais de UX já expressam o desejo de migrar para a carreira de redação, e vice-versa. O bom profissional que atua com experiência do usuário é aquele que compreende, ao menos um pouco, sobre programação e design.

Inclusive, alguns especialistas afirmam que estamos entrando na era em que o UX se mistura com o SEO. O futuro é agora! Se você se interessou e quer saber por onde começar, domine o processo de planejamento, redação e revisão de conteúdo.

Seja um especialista certificado em escaneabilidade, copywriting e marketing de conteúdo com o Curso de Produção de Conteúdo para Web da Rock Content. Esse é o primeiro passo para produzir conteúdos com experiência de usuário insuperável!

Chegamos ao final! Neste post, vimos que a experiência do usuário não é apenas mais um termo do marketing digital. Ao contrário, é um fator cada vez mais importante para rankeamento no Google e que, por isso mesmo, pode alavancar o seu blog daqui para frente.

E se você gostou das dicas, continue sua pesquisa sobre experiência do usuário, agora com nosso material sobre 7 aspectos do design responsivo que você não pode ignorar. Vamos?

Compartilhe
facebook
linkedin
twitter
mail

Gostou deste conteúdo?

Envie-o para seu e-mail para ler e reler sempre que quiser.

Posts Relacionados

7 habilidades de design para criar conteúdo interativo

alt Guilherme Pimenta
jul 5 | Leitura: 6min

O que são vetores e como vetorizar uma imagem?

alt Renato Ribeiro
nov 5, 18 | Leitura: 5min

Os melhores conteúdos para sua carreira freelancer, direto na sua caixa de entrada

Inscreva-se para receber no e-mail conteúdos exclusivos e em primeira mão.