Marketplace: o que é e como alavancar as vendas por meio de uma plataforma online

Tem dúvidas sobre o conceito de marketplace? Confira nosso artigo que explica melhor o que é essa plataforma e como operá-la.

Marketplaces: onde e como aplicar ao seu negócio

Você já ouviu falar em Marketplace? Esse modelo de negócio é um recurso útil para as empresas, ajudando a alavancar as vendas por meio da internet. Diferentemente do conceito de e-commerce, os marketplaces são como shoppings online.

Quer saber mais? Neste post, vamos explicar o que é um marketplace, qual sua importância e seu funcionamento, e ainda oferecer dicas para implementá-lo na sua empresa. Então, vamos à leitura!

    Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

    Não se preocupe, não fazemos spam.

    O que é um marketplace?

    O marketplace remete a um conceito mais coletivo de vendas online. Nessa plataforma, diferentes lojas podem anunciar seus produtos, dando ao cliente um leque de opções.

    Portanto, trata-se de uma rede cujos vendedores podem fazer suas ofertas dentro do mesmo site. Em outras palavras, é como um shopping center online cujos visitantes têm acesso a várias lojas.

    O conceito de marketplace não é novo. No Brasil, ele começou a ser implementado em 2012. Agora, muitas grandes empresas digitais já aderiram. Alguns exemplos são o B2W – fusão entre Lojas Americanas e Submarino, a Livraria Saraiva e o Walmart.

    Como dito, existem diferenças entre um marketplace e um e-commerce.

    No caso de um e-commerce, você entra no site da Loja X e escolhe uma geladeira que é vendida e enviada pela própria Loja X.

    No caso de um marketplace, você pode entrar no site da Loja X e escolher uma geladeira que está sendo vendida e enviada pela Loja Y.

    Quais as vantagens de um marketplace?

    Para os usuários, o marketplace representa mais praticidade. Afinal, ele pode ver, em um único site, ofertas de vários vendedores. Assim, é possível comparar e escolher o melhor preço facilmente.

    Além disso, ele pode comprar de várias lojas diferentes e efetuar apenas um pagamento, em vez de passar por múltiplos processos de pagamento em vários sites.

    Enquanto isso, para os lojistas, ele é sinônimo de colaboração. Anunciando seus produtos nos marketplaces, as empresas — grandes ou pequenas — ganham mais visibilidade e conseguem alavancar as vendas.

    O conceito é o mesmo que justifica o sucesso de uma loja física em um shopping center. As pessoas podem entrar para comprar o produto de outra loja, mas veem os produtos na sua vitrine e acabam comprando também.

    O marketplace é uma vitrine em um shopping center virtual.

    Além da visibilidade, as empresas também ganham em reputação junto ao consumidor. Quando uma loja menor, menos conhecida, coloca seu produto no marketplace de um gigante do mercado, consegue quebrar algumas objeções de compra ligadas tipicamente à falta de confiança.


    Como funciona o sistema de marketplace?

    Se você quiser fazer negócios em um marketplace, o processo é simples, mas requer atenção. Basicamente, você deverá fazer um cadastro da sua empresa e dos seus produtos.

    Então seus produtos passam a ser divulgados. Eles aparecem em pesquisas e são sugeridos aos usuários de acordo com seu histórico de buscas e compras.

    Esteja atento à comissão cobrada pela empresa que gerencia o marketplace.

    A comissão corresponde a um valor que vai de 9.5% a 30% de cada venda realizada. A variação corresponde ao nível de divulgação que você solicita durante o seu cadastro: quanto maior a visibilidade dos seus produtos, maior também a comissão.

    Sabendo disso, você precisa avaliar a viabilidade de entrar em um marketplace.

    • Será que a sua margem de lucro resiste ao custo do produto, associado ao custo da comissão?
    • Ou, será que o aumento esperado no volume de vendas vai compensar a redução na margem de lucro?
    • Ou, ainda, será que o marketplace vai alavancar as vendas mas canibalizar a lucratividade?

    Além da cobrança da comissão, o marketplace também possui um prazo para liberação dos valores que você recebe em vendas.

    Este prazo varia de 02 a 45 dias, contados a partir da postagem ou entrega do pedido. É uma maneira de garantir que você vai atender devidamente aos clientes.

    Considere estes fatores e faça uma análise de viabilidade financeira detalhada antes de decidir se vale a pena implementar o marketplace.

    Outro ponto que precisa de atenção é a escolha do marketplace ao qual você vai associar sua empresa. O público que visita cada um pode ter perfis ligeiramente distintos, tanto em relação a fatores demográficos quanto interesses.

    Por isso, é importante cadastrar-se no marketplace que apresenta usuários mais alinhados com o perfil dos seus clientes.

    Finalmente, leia também as políticas e termos da plataforma escolhida. Você tem a obrigação de adequar-se a estas condições. Do contrário, pode receber denúncias dos clientes e ser retirado da plataforma, ou punido de outras maneiras.

    Tenha em mente que as empresas que mantém um marketplace são muito rigorosas com o cumprimento de normas. Afinal, sua reputação está em jogo.

    Qual é a importância de um marketplace?

    Como nós já dissemos, o marketplace tem impacto positivo sobre a visibilidade e a credibilidade junto aos clientes. Mas esses não são os únicos fatores que levam ao aumento nas vendas.

    O marketplace também é eficiente na fidelização dos clientes. Ele oferece todas as ferramentas para que você crie ações que agregam valor à experiência do usuário com sua marca.

    Pense na Black Friday: nos marketplaces, milhares de lojistas ofereceram produtos com preços especiais. Ao participar desse evento, você cria uma oportunidade para o cliente ter uma experiência positiva, garantindo que ele vai comprar novamente.

    Experiência de Compra Online

    É muito mais simples promover um evento desse porte online do que em uma loja física.

    Além disso, comparado a um e-commerce, o marketplace não exige tanto investimento em marketing. Também não há custos severos de TI, com desenvolvimento e hospedagem. A empresa que gerencia o marketplace cuida disso por você.

    Em outras palavras, o marketplace aumenta o faturamento enquanto reduz os custos, potencializando a lucratividade.

    Outra vantagem do marketplace é a escalabilidade deste modelo. Conforme você aumenta seu portfólio de produtos, é muito fácil exibir os novos produtos para os clientes. Basicamente, não existem limites.

    E você já pensou em associar sua empresa a mais de um marketplace? Existem duas vantagens importantes para esta prática.

    Em primeiro lugar, você pode atingir mais pessoas — todos os usuários do marketplace A, mais todos os usuários do marketplace B.

    Mas, não se esqueça: como já mencionamos, você precisa buscar sempre os marketplaces que possuem perfil de usuários compatível com o típico cliente da sua empresa.

    Em segundo lugar, você pode atingir o mesmo usuário, mais de uma vez. Ele terá contato repetido com sua marca em diferentes plataformas, o que cria mais oportunidades para a decisão de compra.

    Para completar, o marketplace é uma alternativa de fácil manutenção. O processo de cadastrar produtos pode ser feito por poucas pessoas. Assim, sua equipe pode focar em atividades mais estratégicas, como analisar o mercado, definir preços e escolher novos produtos para seu portfólio.

    Você também pode se interessar por este outro conteúdo!
    Matriz GE (Mckinsey): o que é, como ela funciona e suas vantagens

    Quais são as melhores práticas associadas à implementação do marketplace?

    Em primeiro lugar, é importante aprender o funcionamento do marketplace escolhido. E estamos falando em aprender a fundo, não simplesmente o passo a passo do cadastro de itens.

    Como você deve fazer a descrição do produto para chamar a atenção dos usuários? Quais fotos podem despertar mais interesse? Tenha em mente que a sua “vitrine” está competindo com a de vários outros lojistas.

    Mesmo associado a um marketplace, você provavelmente tem um e-commerce e, talvez, uma loja física. É essencial garantir a consistência na qualidade do produto, atendimento e entrega em todos os canais de vendas.

    Para isso, é preciso fazer uma gestão unificada, em vez de segmentar o controle de cada um.

    Além disso, os procedimentos e parâmetros devem ser idênticos. Por exemplo, não faz sentido que o tempo necessário para preparar o pedido seja mais longo na loja física do que no marketplace.

    Falando nisso, a implementação de um marketplace exige que sua empresa esteja preparada para atender à demanda que ele vai gerar.

    Se as suas vendas subirem muito e você não puder atender aos clientes de maneira organizada e ágil, isso vai gerar uma avaliação negativa. Não se esqueça de que, na internet, avaliações são públicas e possuem grande alcance.

    O próprio marketplace tem ferramentas para que o usuário comente e dê uma nota à sua experiência com cada lojista. Se essas avaliações gerarem má reputação online, isso pode afetar também seus negócios offline.

    Em relação aos preços e produtos, você precisa estar atento aos outros lojistas do mesmo marketplace. Eles são seus concorrentes diretos.

    Saiba o que eles estão oferecendo e tente manter-se competitivo. Alcançar um preço um pouco mais acessível, ou trazer uma variedade maior de opções em produtos, será essencial para conquistar os clientes.

    Nossa última dica é em relação ao frete. Dentro de um marketplace, esse é um fator com papel importante na decisão de compra. Portanto, tente desenvolver parcerias e uma estrutura logística para manter fretes baixos ou, quando possível, oferecer o frete grátis ao cliente.

    11 Exemplos de Marketplace

    Veja 11 exemplos de marketplace do Brasil e internacionais para que compreenda melhor essa plataforma online.

    1. Amazon

    Jeff Bezos criou a Amazon em 1994 com objetivo de vender livros, porém com o passar dos anos ele percebeu a oportunidade que tinha em expandir o mix de produtos.

    Hoje a plataforma comercializa variadas mercadorias de diferentes fornecedores, pois suas comissões são atrativas.

    2. Americanas

    Seguindo a mesma tendência, as Americanas comercializam tanto a marca própria como faz vendas de terceiros. Pois, um dos seus benefícios é o custo zero para iniciar o negócio.

    Inclusive, um dos diferenciais do site é a proteção contra invasões e fraudes, presentes também na Amazon.

    3. Airbnb

    Pensando na área de serviço, o Airbnb surgiu quando três amigos tiveram a ideia de alugar um quarto dentro do próprio apartamento para designers porque havia na cidade deles um evento desse mercado para os profissionais.

    Hoje, é uma empresa de bilhões de dólares que conecta viajantes a diversos serviços de hospedagens em todo mundo, quem quiser pode ficar hospedado até em árvore.

    4. Buscapé

    O Buscapé foi uma plataforma que apareceu para fazer comparações de preços dos produtos, mas teve que se reinventar e tornou-se um marketplace de diversas mercadorias.

    Aqui, a comissão ocorre quando a venda é efetuada. Ainda, conta com soluções de pagamento inteligentes, sistemas antifraude, integradores e ERP’s.

    5. Magazine Luíza

    O Magazine Luiza era uma loja física de departamentos, percebendo a tendência do mercado online expandiu os negócios. Antes vendia somente seus produtos, agora no marketplace poderá encontrar diferentes fornecedores. Um dos diferenciais é a estrutura UX que promove a excelência na experiência das compras e suporte aos vendedores. 

    6. MadeiraMadeira

    O MadeiraMadeira iniciou o e-commerce vendendo móveis e materiais de construção para consumidor final. Depois, eliminou os estoques e passou a ser intermediadora dos parceiros e clientes que tinham interesse em artigos de casa. Desse modo, o atendimento tem foco nas vendas e oferece aos lojistas API de integração e pós-venda em retenção.

    7. Evolutto

    Outra forma de e-commerce foi lançada pela Evolutto que trouxe um modelo de negócios inovador que reúne especialistas que dão consultorias para empresas. 

    Essa startup conecta empreendedores com especialistas que prestam consultorias específicas, conforme os problemas que eles apresentam em seu negócio.

    8. Mercado Livre

    Todo mundo que vai comprar algo faz pesquisa no Mercado Livre, esse site é como a Amazon e a Americanas. Ele foi fundado na Argentina e logo se expandiu.

    Sua receita é proveniente das porcentagens de vendas e de anúncios dentro do sistema. Outro detalhe é que os pagamentos são realizados pela plataforma da própria empresa, o Mercado Pago.

    9. Enjoei

    O Enjoei começou como um bazar e ampliou para a venda de diversos produtos, em sua maioria mercadorias usadas. Assim, eles conectam pessoas aos compradores. Geralmente, comercializam roupas e acessórios de moda cobrando 20% sobre as transações.

    10. OLX

    OLX é um marketplace que foi lançado na Índia, mesmo sendo criado nos Estados Unidos. Ele não oferece pagamento pela plataforma como o Mercado Livre. Todavia, a receita vem de anúncios para empresas (via Google AdSense) e das vendas premium ads em que os vendedores destacam seus produtos.

    Em 2015, a OLX se juntou ao site BomNegócio.com e se tornou o maior classificado do país. Ele também está nos países como Cazaquistão, Ucrânia, Romênia, Hungria e Bielorrússia.

    11. Uber

    O Uber transformou a maneira como as pessoas se locomovem no mundo. Esse marketplace oferece motoristas disponíveis para passageiros 24 horas por dia a um custo mais acessível. Com isso, os taxistas tiveram que rever seus negócios e valores a serem cobrados. Após a criação desse aplicativo outros surgiram, fazendo concorrência como a 99.

    Diferenças entre Marketplace e E-commerce

    Uma das grandes diferenças entre marketplace e e-commerce está na descentralização do estoque e na ampliação do mix de produtos.

    Assim, o canal de vendas oferta um pool de mercadorias segmentado e direcionado ao cliente. Além disso, também são distintos no:

    • formato de receita;
    • formato jurídico;
    •  gerenciamento de estoque;
    • profundidade de produtos e serviços;
    •  grau de abertura;
    • curadoria de lojas etc.

    Já o e-commerce utiliza fluxo de caixa intensivo para fomentar o crescimento, o mix de mercadorias não é tão sortido e ele pode investir somente na própria plataforma. Neste caso, o marketplace dá a possibilidade de vender em mais de um site.

    Vantagens e desvantagens de um Marketplace

    Agora, que você sabe qual a diferença entre essas duas plataformas de vendas, descubra quais são as vantagens e desvantagens de investir no marketplace.

    Vantagens

    • Maior visibilidade

    O site oferece maior visibilidade porque ele é visto por muito mais pessoas. Sobretudo, quem está procurando determinado item pode se interessar por outros.

    • Aumento das vendas

    Já que é visto por mais pessoas, a oportunidade de vendas aumenta. Logo, capriche na precificação, descrição da mercadoria, imagem, anúncios atrativos e na variedade de produtos.

    • Escalabilidade

    O marketplace é um modelo de negócio escalável porque o número de pessoas que o procuram cresce e isso não gera novos custos na operação.

    • Alto potencial de faturamento

    Sendo uma plataforma escalável, logo proporciona alto potencial de faturamento, consequentemente mais lucros. Isso ocorre, por exemplo com a Uber, IFood, Magazine Luiza, Mercado Livre e tantos outros.

    • Atividades de gestão

    Para ter uma marketplace o empreendedor deve entender de gestão, porque terá que prospectar e intermediar contatos. Além disso, ter conhecimento em marketing. 

    Desvantagens

    • Identidade visual

    Quem tem um e-commerce tem sua identidade visual em todo o processo, no marketplace isso não existe. Pois, a ID será do próprio sistema, lembra do Mercado Livre? Isso mesmo, você e todas as pessoas compram o produto sem atribuir a credibilidade à marca do fornecedor.

    • Taxas de serviço

    Os marketplaces cobram taxas para utilizarem o seu serviço, porcentagens sobre vendas. Assim, deverá pesquisar qual tem menor custo para não gerar prejuízo na sua empresa.

    • Dependência

    Se suas vendas ocorrem somente no marketplace isso gera uma relação de dependência. Ou seja, se a plataforma fechar ou mudar sua forma de trabalho isso prejudicará seu negócio.

    Desse modo, o correto é unir loja virtual ao marketplace e redes sociais para atingir todos os públicos.

    Conclusão

    Neste artigo, você entendeu o que é um marketplace e quais as vantagens desse tipo de plataforma. Mas isso é apenas o começo! Associar seu negócio a um marketplace, ou criar um e-commerce, pode descortinar um novo horizonte de metas de ventas para sua empresa.

    E, se você já atua no mundo online, não deixe de baixar nossa calculadora de conversão para e-commerce para medir a saúde de seu negócio.

    Compartilhe
    facebook
    linkedin
    twitter
    mail

    Inscreva-se em nosso blog

    Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email

    Quer receber mais conteúdos brilhantes como esse de graça?

    Inscreva-se para receber nossos conteúdos por email e participe da comunidade da Rock Content!