Por Camila Casarotto

Redatora Freelancer da Rock Content

Publicado em 12 de fevereiro de 2020. | Atualizado em 7 de abril de 2020


A intenção de busca demonstra o que o usuário quer encontrar na web ao usar buscadores. Mais que palavras-chave, as pesquisas trazem o desejo de resolver uma necessidade — e os profissionais de SEO devem desvendá-la para criar conteúdos mais relevantes. A seguir, entenda como isso pode ajudar no SEO!

Você pensa que SEO é puramente técnico, porque lida com robôs, códigos e algoritmos? Essa parte da otimização é essencial para o rankeamento. Mas existe uma etapa mais humana e subjetiva que embasa toda a estratégia: a compreensão da intenção de busca das pessoas.

Os usuários vão até o Google porque querem encontrar respostas. Então, toda pesquisa carrega a intenção de resolver uma dúvida. Porém, essas intenções nem sempre são evidentes, já que cada pessoa utiliza diferentes palavras para tentar encontrar uma resposta.

É por isso que um dos grandes esforços dos buscadores é entender a linguagem humana para desvendar a intenção de busca das pessoas. Com essa compreensão, os robôs podem buscar no índice os conteúdos que melhor atendem às necessidades dos usuários.

E é aí que entra a parte subjetiva da sua estratégia de SEO e Marketing de Conteúdo. Você também precisa entender a intenção de busca das pessoas para entregar aquilo que elas querem encontrar, de maneira que o Google reconheça que você tem as melhores respostas e merece as melhores posições.

Quer entender melhor o que é a intenção de busca e como interpretar as pesquisas dos usuários? Neste artigo, vamos falar sobre:

Acompanhe agora e aprenda a criar estratégias mais eficientes com esse conhecimento!

O que é intenção de busca?

Intenção de busca é aquilo que o usuário quer encontrar ao fazer uma pesquisa nos buscadores.

Uma pesquisa por “yoga para iniciantes”, por exemplo, traz consigo a intenção do usuário de encontrar aulas, dicas e posturas para quem quer começar a praticar yoga. Não são dicas avançadas nem aulas de muay thai — não é isso que o usuário está procurando.

Isso pode parecer óbvio, não é? Mas é essa compreensão do que está por trás dos termos de pesquisa que permite planejar a produção de conteúdos que atendam às necessidades da persona.

Essa compreensão vale não só para o Google, mas também para o YouTube, redes sociais e outros canais do Marketing Digital que tenham um sistema de busca. Em todos eles, o que a pessoa digita na barra de busca não é apenas uma palavra-chave, mas uma intenção de encontrar respostas para suas dúvidas e necessidades.

Os buscadores servem para resolver dúvidas, seja sobre os preços de um produto, seja sobre o melhor restaurante por perto. Então, cada pesquisa traz consigo o objetivo de encontrar alguma resposta. De maneira geral, essas intenções podem ser divididas em três tipos principais.

Navegacional

O usuário já sabe aonde quer ir, mas usa o buscador como um atalho para chegar lá. Isso acontece, por exemplo, quando ele digita o nome de uma marca para chegar ao site dela.

Busca navegacional

Informacional

Aqui o usuário quer se informar, aprender sobre algum assunto. Em uma jornada de compra, esse tipo de pesquisa acontece no início, quando ele está buscando entender sua necessidade.

Busca informacional

Transacional

A pesquisa transacional é direcionada para a conversão, depois que o usuário já buscou informações para resolver sua necessidade.

Busca transacional

Como a intenção de busca influencia o SEO?

Nos exemplos acima, você pode perceber que o Google oferece os resultados de diferentes formas para cada pesquisa. Isso acontece porque o buscador se esforça para entender a intenção de busca dos usuários — não apenas as palavras-chave que eles digitam — e entregar as respostas com o conteúdo e o formato que são mais relevantes para eles.

Esse esforço do Google fica evidente nas suas atualizações de algoritmo. O BERT foi a última atualização nesse sentido e representou uma evolução significativa do algoritmo no processamento da linguagem natural, de modo a compreender como os humanos se expressam. A partir de agora, ele entende os sentidos das palavras, as relações entre elas e as nuances da linguagem humana.

Com essa atualização, fica claro que o que importa para o buscador não são exatamente as palavras-chave que os usuários utilizam, e sim o sentido que elas constroem juntas. Esse sentido, então, é o que evidencia a intenção de busca dos usuários.

Você deve considerar essa mudança do Google em suas estratégias de SEO. Afinal, profissionais da área se acostumaram a otimizar conteúdos pensando em palavras-chave.

A missão era identificar as palavras que as pessoas usavam para encontrar determinado conteúdo e saber o volume ideal de repetição desses termos nas suas páginas. Assim, o Google faria a correspondência da pesquisa do usuário com o conteúdo e priorizaria aquela página no ranqueamento.

Perceba como essa abordagem deixa o usuário de lado para focar os robôs. Acontece que o Google não quer mais isso. Se o buscador não dá mais tanta importância para a correspondência de palavras-chave e sim para o sentido que elas expressam, o foco do SEO também deve mudar. 

A partir de agora, você deve se perguntar: o que realmente esse usuário deseja encontrar ao fazer essa pesquisa? As pessoas querem respostas, não palavras-chave. Então, você deve atender à necessidade do usuário, não dos robôs.

É essa questão que deve guiar o seu planejamento de marketing de conteúdo para SEO, desde a pesquisa de palavras-chave e a definição de pautas até a produção dos conteúdos.

Guia do SEO 2.0Powered by Rock Convert

Como desvendar a intenção de busca por trás de uma palavra-chave?

A pesquisa de palavras-chave é uma das principais ferramentas de planejamento de SEO. Essa etapa da estratégia serve para identificar termos de busca com potencial de atrair visitantes e conversões para o seu site. Com esses termos em mãos, você pode definir as pautas para produção de conteúdo e utilizá-los ao longo das páginas.

Mesmo com a mudança de foco para as intenções de busca, essa ferramenta continua sendo importante. Só que, agora, ela deve ir além de uma simples pesquisa de termos promissores.

Para cada oportunidade de palavra-chave que você identificar, com potencial de gerar resultados para o seu negócio, você deve entender a intenção que está por trás.

Primeiramente, você pode usar a sua capacidade humana de se colocar no lugar de uma pessoa e tentar entender o que ela gostaria de saber. Afinal, você não é um robô do Google que precisa de um algoritmo complexo para isso. Basta usar a empatia!

Mas você também pode entender as intenções perguntando ao próprio Google. Digite no buscador a palavra-chave que você está trabalhando e observe os resultados. No topo, estão os links que o Google considera como melhores respostas — ou seja, que melhor atendem à intenção de busca.

Assim, esses primeiros resultados podem ser balizadores da sua produção de conteúdo. Entenda os assuntos que eles abordam, como estruturam o conteúdo e quais formatos utilizam, além de identificar pontos de melhoria que você pode explorar no seu artigo. Assim, logo mais, é o seu site que vai aparecer nessas primeiras posições!

Como otimizar os conteúdos a partir da intenção de busca?

Depois da pesquisa de palavras-chave, você já tem alguns termos potenciais em mãos. Então, para desenvolver e otimizar os conteúdos, é hora de olhar para as intenções que esses termos representam e quais objetivos eles ajudam a cumprir nas diferentes etapas do funil.

Digamos, por exemplo, que muitos usuários cheguem ao seu site buscando por “marketing digital”. Esse termo é bastante amplo e genérico e tende a gerar bastante tráfego, mas não tantas conversões.

Provavelmente as pessoas que fazem essa pesquisa estão com uma intenção informacional, a fim de conhecer mais sobre o tema, ainda longe de uma conversão — ou seja, estão no topo do funil.

Embora exista uma intenção, ainda não está claro se a pessoa quer saber o conceito de marketing digital, encontrar cursos sobre o tema ou contratar uma agência, por exemplo.

O que você vai fazer, então, com esse termo? Se seu objetivo é gerar tráfego (provavelmente sim!), deve atender a essa intenção de busca informacional com um conteúdo amplo, que consiga abranger todas as possíveis dúvidas.

Nesse conteúdo, você pode falar sobre a história do marketing digital, ferramentas, cursos, estratégias e outros diversos assuntos dentro desse tema que também gerem tráfego e interesse.

Para cada tema mais específico, você pode criar novos artigos, que vão funcionar como “posts satélites”, com links para o “post pilar” — aquele conteúdo mais completo e abrangente. Aliás, é assim que funciona uma estratégia de topic clusters, que usamos aqui no blog da Rock Content.

Um dos posts satélites pode ser, por exemplo, sobre “como escolher uma agência de marketing digital”. Essa é uma palavra-chave mais específica, com características da intenção transacional, que demonstra que o usuário já está mais perto do fundo do funil.

Aqui a intenção da busca já está clara: encontrar orientações e critérios para escolher a melhor agência digital para atender uma empresa. Então, se você também quer gerar conversões (provavelmente sim!), é essa intenção de busca que vai orientar a produção de um conteúdo mais específico e aprofundado sobre o assunto.

É importante também pensar não apenas no conteúdo que o usuário quer encontrar, mas também no formato. Se o usuário busca por “passo a passo do marketing digital”, por exemplo, é provável que o Google crie um featured snippet em forma de lista numerada, apontando os passos para criar uma estratégia de Marketing Digital.

Se é isso que o usuário quer encontrar, é isso que o Google vai entregar. E é assim, portanto, que você deve estruturar seu conteúdo para aumentar as chances de ganhar uma boa posição.

Enfim, agora você já sabe como reconhecer as intenções de busca e como usar essa compreensão para otimizar suas estratégias.

Perceba novamente que SEO vai muito além de códigos e algoritmos. Se você focar apenas em agradar os robôs do Google, isso será um tiro no pé. Afinal, o próprio buscador quer que você ofereça uma melhor experiência ao usuário, e é isso que ele vai reconhecer nas suas páginas para posicioná-las nas primeiras posições.

Dessa forma, o segredo do SEO está na sua dimensão humana, ou seja, em compreender como as pessoas procuram resolver suas dúvidas. É isso que vai embasar a estratégia para colocar o seu negócio no topo do Google e representar uma vantagem competitiva no mercado.

Agora, convidamos você a ler mais sobre as buscas com intenção local e como elas podem ajudar a melhorar sua visibilidade no Google. Baixe agora o nosso ebook completo sobre SEO Local!

SEO LocalPowered by Rock Convert

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *