Por Ivan de Souza

Analista de Marketing na Rock Content.

Publicado em 7 de agosto de 2020. | Atualizado em 11 de setembro de 2020


Um malware é o termo utilizado para se referir a uma série de ameaças na internet, como vírus, spywares, ransomwares e outros. É preciso conhecer seus diferentes tipos para poder detectá-los e, então, trabalhar em sua remoção. A melhor estratégia para evitá-los é saber como se prevenir.

A gestão de um site noWordPress envolve diversos fatores que, quando bem combinados, garantem experiências positivas, ágeis e seguras. Entre as principais preocupações está a vulnerabilidade a ataques externos, que podem provocar danos de diversos tipos.

Assim, é imprescindível compreender e aprender a lidar com as maiores ameaças ao seu website, de modo a evitar prejuízos financeiros, proteger seu banco de dados e, tão importante quanto, garantir a segurança dos visitantes. Ao falar nisso, é impossível não pensar no malware.

Embora muitos entendam o malware como um sinônimo de vírus de computador, essa ideia não é correta. Na realidade, os malwares englobam diversas categorias de programas que podem prejudicar suasegurança digital, sendo o vírus apenas uma delas.

Acha que precisa saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura para descobrir:

Afinal, o que é Malware?

Malicious software ou, em português, software malicioso. A combinação dessas duas palavras gerou o termo malware, o que já ajuda bastante a entender o seu significado. Trata-se do nome que utilizamos para nos referir a qualquer tipo de programa que pode gerar danos aos seus dados ou ao seu dispositivo.

O que torna o malware tão perigoso, além das óbvias implicações de um programa estranho acessar suas informações, é que ele pode afetar qualquer sistema conectado ao computador infectado.

Em outras palavras, um software malicioso com acesso a um dispositivo em sua empresa pode atingir a base de dados do se website, entre outras coisas. Os danos podem envolver roubos de informações, exclusão de arquivos e até a sobrecarga do servidor, tornando a página inacessível.

Como falamos, o malware dá nome a uma variedades de ameaças. Suas características definem o tipo de prejuízo que pode ser causado. Assim, para combater esse problema, é preciso saber como um malware funciona e quais são seus principais tipos. Focaremos nisso nos próximos tópicos.

Como funciona?

Se os malwares são softwares hostis e extremamente danosos ao sistema, é claro que ninguém os instala voluntariamente. O problema é que não estamos tratando de ameaças tão simples de identificar e, muitas vezes, abrimos brechas para a invasão sem nem ao menos perceber.

Como isso acontece? Para entender, é preciso entender como atuam os hackers, indivíduos responsáveis por disseminar os malwares a fim de obter acesso a um determinado sistema. Geralmente, eles fazem uso de diferentes estratégias para induzir o usuário de internet a fazer o download do programa hostil.

Você já ouviu falar de phishing? O termo tem origem na palavra fishing, que, em inglês, descreve o ato de pescar. O conceito é justamente esse: lançar iscas a fim de fisgar desavisados. No caso, montar armadilhas para fazer com que o usuário dê acesso ao malware, possibilitando, em muitos casos, o sequestro doDNS.

Um dos canais mais utilizados para essa prática é o e-mail. Passando-se por uma empresa de confiança, o hacker pode oferecer o download de um arquivo gratuito, contendo um malware oculto. A mesma técnica pode ser observada emredes sociais e demais canais que permitem a troca de mensagens.

Até mesmo programas aparentemente legítimos podem acompanhar um malware. A esses, chamamos de cavalos de tróia. A infecção pode ocorrer também por conta de cliques em pop-ups falsas e do acesso a websites infectados.

Quais são os principais tipos de Malware?

Até aqui ressaltamos que o termo malware engloba não uma, mas diversas ameaças para os seus dispositivos e websites. Agora, vamos apresentar quais são os tipos mais relevantes. Acompanhe!

Vírus

Esse é o tipo mais conhecido de software malicioso, o que justifica o erro comum de considerá-lo sinônimo de malware. Justificando o nome, o vírus não apenas se anexa a arquivos limpos, mas também se reproduzem vorazmente, podendo corromper dados e danificar as funções centrais do sistema.

Trata-se de um malware bem antigo, mas que, antes do pleno desenvolvimento da internet, tinha um raio de disseminação muito reduzido. Antes da possibilidade de compartilhar arquivos via internet, os vírus eram geralmente espalhados por mídias físicas, como CDs e disquetes.

Hoje, eles geralmente se manifestam na forma de arquivos executáveis. Quando o usuário o executa, abre caminho para que o malware se espalha pelo sistema.

Cavalo de Tróia

Outro tipo muito antigo de malware, os cavalos de tróia funcionam mais ou menos como os vírus, mas usam de uma estratégia mais sofisticada para conseguir acesso ao sistema.

O nome faz referência a uma história muito comum na mitologia grega, que conta como combatentes invadiram a cidade de Tróia escondidos em um cavalo de madeira, inicialmente oferecido como presente. Trata-se de uma analogia bem precisa.

O trojan, como também é chamado, se disfarça como algo útil, como ferramentas e outros programas. Quando a pessoa faz o download, os invasores ganham acesso não autorizado e encontram as vias necessárias para espionar, alterar e até apagar dados.

Spyware

O spyware tem como único objetivo espionar as atividades do usuário. Ele pode encontrar acesso a partir de um download ou de uma brecha em seu sistema de segurança. Uma vez instalado em sua máquina, coleta e transmite informações que vão desde hábitos de navegação até senhas e credenciais.

Worm

O worm tem uma forma de atuação muito semelhante com a do vírus, mas é, digamos, mais inteligente. Assim como o vírus, esse malware pode causar diversos danos ao sistema e se espalhar rapidamente. A diferença é que o worm consegue se auto-multiplicar e contaminar uma rede inteira de computadores.

Ransomware

A palavra ransom, em inglês, se refere ao valor estipulado sobre o resgate de um sequestro. Ransomware é um malware com um objetivo mais audacioso: sequestrar o seu sistema a partir da criptografia.

Uma vez que tem acesso aos seus dados, o programa criptografa suas informações, fazendo com que se torne impossível acessá-las sem a “autorização” do realizador do ataque. Muitas vezes, hackers usam essa prática para extorquir o usuário, pedindo dinheiro em troca do retorno do controle sobre os dados.

Rootkit

Os rootkits costumam ser muito temidos por conseguirem se camuflar no sistema, dificultando a ação de antivírus ou outras soluções de segurança digital. Seu desenvolvimento envolve técnicas avançadas, que possibilitem sua inserção na em processos ativos na memória do dispositivo.

Powered by Rock Convert

Esse malware é capaz de substituir os controles administrativos, assumindo o controle sem deixar nenhum rastro pelo caminho.

Essa complexidade representa um desafio para remover o rootkit do sistema, mas também tem um ponto positivo: difíceis de desenvolver, eles são um tipo bem raro de malware.

Botnets

Botnet, como o nome indica, se refere a uma rede de robôs, ou seja, um grupo de dispositivos infectados pelo mesmo malware.

Se o seu computador fizer parte desse grupo, está exposto ao controle remoto, feito pelo hacker responsável pela criação da rede. Assim, o criminoso tem acesso aos seus dados e pode até utilizar seu sistema para enviarspam e disseminar o malware.

Como reconhecer um ataque?

Para proteger o seu website contra malwares, o primeiro passo é saber como identificá-los. Agora que você já sabe mais sobre como atuam esses programas, deve encontrar maior facilidade nessa tarefa. O mais importante, contudo, é observar os os sinais que indicam a atuação de um software malicioso.

Pop-ups inesperados, lentidão e comportamentos fora do padrão devem funcionar como um sinal de alerta. Outro sinal muito forte é o redirecionamento inesperado para páginas externas, geralmente contendo spam, propagandas ou tentativas de phishing.

É preciso prestar atenção nas configurações do seu site. Alguns dos efeitos colaterais de uma invasão resultam em alterações no layout, na formatação do texto, na disposição das imagens etc. O mesmo vale para arquivos desaparecendo ou sendo modificados sem o seu conhecimento.

Muitos malware afetam, também, as suas credenciais de login. Logo, caso não consiga acessar o seu perfil, pode ser um sinal de que alguém acessou e alterou os seus dados.

Como posso proteger o meu site?

Como você deve ter notado ao longo do texto, a maioria dos malwares conseguem acesso ao sistema por conta da ação do próprio usuário. Desavisados, as pessoas podem clicar em links maléficos e, assim, expor a segurança não apenas de seus dispositivos, mas também de toda a rede.

Então, pense na gestão do seu website. Você cuida dele sozinho ou conta com uma equipe para isso? É necessário que todos os que tenham acesso ao seu painel de controle sejam devidamente capacitados para evitar o contato com malwares. E, para isso, sua empresa precisa desenvolver uma cultura de segurança digital.

É fundamental que todos os colaboradores e parceiros tenham a completa noção da importância de manter seguros os dados do website, e da empresa em geral. Isso precisa ficar claro desde o momento de onboarding e ser reforçado por meio de comunicações institucionais.

Como se trata de uma ameaça que toma diferente formas e se mantém em constante atualização, é necessário manter-se atualizado e garantir que os demais envolvidos façam o mesmo. Não são poucas as empresas que oferecem palestras, workshops e cursos de capacitação sobre segurança digital aos seus funcionários.

Algumas práticas de prevenção, porém, são atemporais. É fundamental, por exemplo, não clicar em links e pop-ups suspeitos, evitar sites de procedência duvidosa e rejeitar anexos oferecidos em e-mails não solicitados. Além disso, existem algumas dicas bem úteis.

Mantenha seu sistema atualizado

Quando um dos softwares que você utiliza lança uma atualização, isso geralmente inclui a correção de brechas e falhas na versão anterior. Portanto, é fundamental não negligenciar essas novidades e manter todos os seusplugins, widgets e navegadores atualizados.

Isso porque tais brechas, se não corrigidas, podem ser a porta de entrada paraataques de hackers e para a instalação de malwares.

Trabalhe com criptografia e backups

Realizarbackups com frequência é fundamental para manter seus dados seguros e possibilitar sua recuperação em caso de imprevisto. Esses backups podem ser isolados de modo a serem inacessíveis para o malware.

É importante, também, investir em criptografia. Não só na criação de senhas, mas também em seus próprios dados e arquivos. Diversas soluções de armazenamento em nuvem, por exemplo, criptografam os dados, o que torna sua exportação inútil para o invasor.

Utilize um serviço de hospedagem adequado

De nada adianta se esforçar para garantir a segurança do seu site e o seu provedor de hospedagem não é devidamente seguro. Um serviço de hosting qualificado deve oferecer recursos como uma aplicação de firewall, capaz de monitorar todo o tráfego do portal e avaliar se existe algum risco.

Antes de escolher a plataforma de hospedagem, verifique seus protocolos ecertificados de segurança. Lembre-se que esses detalhes podem ser o fator diferencial para a segurança do seu site.

Consigo remover essa ameaça?

A melhor forma de evitar que seu website seja prejudicado por um malware é utilizar as dicas passadas no último tópico e se prevenir para essa ameaça. Contudo, se mesmo com os cuidados o seu site foi infectado, não se preocupe, é possível tomar medidas para remover o problema.

O primeiro passo é fazer uma varredura completa do website, utilizando programas antivírus e firewalls. É por isso que é sempre importante contar com esses recursos ativos. Esse mapeamento vai verificar os dados do site e lidar com as ameaças encontradas.

Além disso, você deve escanear todos os arquivos do website a fim de encontrar aqueles que contém códigos maliciosos. Em alguns casos, é possível remover apenas o código, em outros, o arquivo precisa ser completamente deletado.

Não esqueça que o malware pode ter acessado diversos elementos do site, incluindo suas senhas criptografadas. Por isso, não deixe de criar novos códigos e renovar toda a criptografia do website.

Um malware tem o potencial de danificar os dados do seu website, espionar suas ações, roubar senhas e até remover arquivos. Sua presença deixa o portal mais lento, o que ainda prejudica a experiência dos visitantes. Por isso, é fundamental adotar medidas preventivas de segurança e usar aplicativos antimalware.

Conhecer os protocolos importantes para a segurança dos usuários é fundamental para manter seu website protegido. Então,confira este post em que explicamos o que é e como funciona o WHOIS.

100.000 pessoas não podem estar enganadas
Deixe seu email e receba conteúdos antes de todo mundo

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *